deits

Não deposite sua felicidade nas mãos de outra pessoa. Seu coração é antes de mais nada, seu. Cabe a você decidir quando é hora de ser feliz. Ninguém vai te pisar, a menos que você se deite. Por isso, erga-se. Todo o amor que você precisa, você já carrega dentro de si. Nunca esqueça quem você é e nunca duvide do seu valor. E nunca, nunca aceite menos do que você merece.
—  Autor Desconhecido.
Vem cá, deite aqui comigo. Faça dos meus braços o seu abrigo. Aproveite para sorrir, pois quero gravar o som da sua risada em meu consciente.
—  Pedricovick.
Não é preciso muito, basta entrelaçar seus dedos nos meus e deixar nosso coração bater no mesmo ritmo. Prometo te cuidar, te mimar e te fazer cafuné. Vem, deite aqui no meu colo, vou te acariciar e fazer arrepiar cada pedacinho do seu corpo. Te quero muito e você também me quer, eu sei, “eu sinto”. Veste aquele sorriso que eu gosto de ver em você e vem, vem me amar, vem me dar aquele abraço e beijo que eu tanto anseio. Te preparo um café forte como sei que você gosta, as vezes assim você perca o sono e possa passar a noite simplesmente conversando comigo ao pé do ouvido, com sua respiração. Te ensino a dançar coladinho, você que é uma pessoa tão desastrada, mas que adora aprender. E em um só compasso, te enlaço, te envolvo e pronto. Somos um só, de corpo, alma e coração. Se lembra que não será fácil, pois é errando que se aprende, é pisando no pé um do outro que aprendemos a dançar conforme a música. Mas eu estou aqui com e por você, para te ensinar e te engrandecer e para também receber todo esse amor que você tem guardado no coração.
—  Lidiane Guimarães.
Tira a minha virgindade!

Tira! Me leva pra algum lugar a primeira vez. Não precisa ser pra cama, não. Tira minha virgindade ao conhecer o Cristo Redentor, ao pular de paraquedas e acampar. Não pega na minha bunda, pega na minha mão e vamos conhecer o mundo. Eu nem me lembro a última vez que fiz algo a primeira vez, vamos enlouquecer um pouquinho. Vamos tocar na alma do outro, e não só no corpo. Me escreva a minha primeira carta de amor, cuida do meu coração que é virgem de carinho. Diga que me ama, e pela primeira vez faça eu acreditar que isso é verdadeiro. Vamos provar doces turcos, ter almoços exóticos, jogar um jogo novo, visitar um asilo, fazer uma trilha e viajar. Me beije como se fosse a primeira vez. Faça que seja um prazer tão grande ter sua presença, que eu tenha um orgasmo só de te ver. Durma comigo a primeira vez, só dormir. Deixe que eu deite no seu peito e saiba o que é ter paz no mundo. Vamos nos conhecer todos os dias, sentir coisas novas que não sabíamos que podíamos sentir. Faça amor comigo, mas não digo de sexo, e sim do sentido mais literal possível da palavra amor.

Quantas vezes eu não senti vontade de sair do corpo e encarnar um objeto sem vida. Um lápis talvez, ou qualquer coisa inanimada, silenciosa, parada, sem vida. Pois era assim que eu me sentia. Mas passou. Eu chorei, as lágrimas acabaram, tudo acabou. Meus olhos secaram, e eu descobri a inutilidade de chorar por coisas que não valiam à pena. A dor é igual um barco que você observa da praia, parece que está parado, você se distrai com outra coisa, e quando vai ver o barco está longe. Se você estava sentindo uma dor quando começou a ler isso, agora ela é menor do que antes. É difícil de acreditar quando se está mal, tudo vira dúvida, mas eu entendo. Você pode não saber, mas supera. Sua cama parece o melhor lugar, então deite, durma, esqueça. Ou não esqueça, mas deite e coloque sua música predileta no fone, escute e ignore um pouco essa sua vontade de sair por ai, gritando aos sete ventos metade das coisas que sente. Não é errado não saber tudo, só não se esqueça de saber o essencial, que é esquecer. Tudo passa, e não são só os momentos perfeitos. Por mais que a dor te lembre e te incomode, ela nunca diz a verdade completa… Ela nunca diz que vai passar.
—  Sean Wilhelm
Deite aqui comigo, me abrace e não me solte nunca mais, vamos ficar aqui, eu e você, no nosso para sempre, cada segundo ficará gravado em nós. Coloque uma capa, ninguém precisa nos ver, eu só preciso ver você, e você só precisa me ver, nós precisamos somente um do outro, venha, coloque a capa, deite, e não me solte nunca mais.
—  Anna Paula Varella.
Sinta a fraqueza do meu coração, ouça a batida mais lenta e fraca. Coloque sua mão, minha temperatura está baixa, meu corpo não reage mais com tanta agilidade, estou lenta. Segure minha mão, me ponha em pé, mas se não for pra segurar firme, não tente me levantar. Não me leve ao céu para depois me deixar afundar no oceano. Está ouvindo o barulho que o silêncio faz? É ensurdecedor. Respira, se acalma, conte, 1…2… Desculpa, não tenho forças para continuar, deite do meu lado, olha este céu nublado em uma manhã de outono, é lindo. Sinto frio, me traz um café, me faz um cafuné até meus olhos enfim descansarem.
—  Ava Gomes, Ohamar.
Eu queria dizer coisas. Sorri um pouco pra mim? Me ajude a descobrir onde dói. Se ajoelhe na minha frente e deite no meu colo, vê se meu peito ainda bate.
—  Gabito Nunes
Vai me dizer agora que sente minha falta? Poxa, que pena. Eu poderia sentir mesmo pena, sabe? Ficar com dó, tentar te ajudar, fazer um curativo nessa ferida que a saudade causa. Mas quando eu sentir a sua falta você fez questão de se distanciar mais. “Não posso lidar com isso” foi o que você disse. Pois agora, eu quero que você lembre de mim, durante os seus dias, compensando assim todos os dias que eu pensei mais em você, do que em mim mesmo. Eu quero que quando você deite para dormir, lembre da gente, eu quero que isso doa, que isso te machuque e que você sinta uma saudade bem filha da puta, daquelas que tira fome, paz, sossego e tudo mais.
—  Versos de Um Crime.