deitam

Ela é linda, tem cabelos longos e pretos que deitam sobre seus ombros e escorrem pelas costas, até o meio da coluna. Tua pele é branca como as nuvens que tampam a luz do sol vez ou outra, deve ser por isso que o sol se vinga, deixando-a vermelha igual um camarão quando muito exposta a ele, mas ela não desiste, seu amor por praia a coloca em duelo com seu inimigo . Teus olhos são pretos iguais a uma noite sem estrelas no céu, mas no caso dela nem todas as estrelas que podemos contar brilharia mais do que seu olhar. Tua voz doce e suave, fazem as palavras terem um som gostoso ao sair da sua boca. E ela tem um jeito divertido de falar, sempre ritmado, poderia dormir com um sorriso escutando qualquer história que ela contasse, mas mesmo assim meu momento favorito é quando ela para de falar para sorrir. Seu sorriso é incrível, me passa calma. Podem dizer que homens não voam, mas quando ela sorri eu me sinto nos céus. E o som da tua gargalhada é engraçado, é unico, te faz rir igual um idiota junto. Ela é animada, como uma garotinha de 5 anos que acabou de ganhar a boneca que sempre quis do Papai Noel. Ela é um dia de verão típico, alegre, ensolarado, aquele dia que te dá vontade de fazer tudo e você se sente capaz de qualquer coisa.
Já eu, sou um dia chato de inverno. Sou nublado, não tenho muitas cores, não gosto de fazer muitas coisas. Extremamente ranzinza, evito pessoas que não vou com a cara logo de primeira, e ela insiste em mudar isso em mim, não me sente perto da felicidade com esse meu jeito meio antissocial, diz ela. Eu nego a principio, mas a preocupação me faz querer mudar, talvez ela esteja certa. Ela luta para que eu me sinta bem. Eu bebo, eu fumo, ela sabe dessas coisas, não aceita, não gosta, mas entende, porém implica do jeito dela. Ela se incomoda em ver alguém fazendo, ou tentando fazer, mal a mim, mal sabe ela que eu sou meu pior inimigo. Sou mal educado as vezes, destrato as pessoas sem motivo, completamente egoísta, não sou fácil de ter por perto, mas ela diz que é meu jeito de lidar com minha escuridão, e queria que todos me enxergassem com os olhos que ela me enxerga.
É engraçado mas as vezes, principalmente nas vezes que estou com ela me sinto diferente, acho até que nem todos os heróis da marvel me derrotariam, e caso ela me pedisse, eu derrotaria os da DC também. Bem, eu não sei muito bem sobre o amor, ou que diabos deve ser amar, mas é legal ter ela por perto, sabe?
—  H. Dernier
À noite

Quando todos se deitam
Todas as vozes se calam
E todos os sonhos falam
Minha mente grita
Alarmada
Tudo o que não pôde gritar
Por você
Para você
Por mim amada
Pois tu és
Formada
Em transformar minha voz
Em poesia estagnada
E em me fazer morrer

damori.

Os dois seguem a vida normalmente. Fazem suas coisas, se divertem, dão risada com os amigos, saem com outras pessoas e de vez em quando ficam com elas. Mas no final do dia, quando deitam na cama, sempre estão pensando um no outro. Ela se pergunta com quem ele está e se ainda lembra dela. Ele tenta adivinhar no que ela pensa e se nesses pensamentos ele está incluido. Não respondem a pergunta “o que aconteceu com vocês dois?” e apenas balançam a cabeça para a afirmação “vocês eram perfeitos juntos”. Parece que esqueceram, mas uma parte deles, mesmo que sem querer, ainda acredita no velho “nós”.
—  Vinícius Kretek.

Enquanto uns dormem, eu apenas deito a cabeça no travesseiro. Espero ansiosamente que algo me tire do mundo real e leve para o mundo dos sonhos, onde meus desejos são reais e meus sofrimentos não existem. Espero que algo me liberte desta realidade e leve meus pensamentos até algum lugar distante, onde a vida é mais simples, mais fácil de ser vivida. Entretanto, o desejo incessante de me livrar de minha vida chata, nem que seja só por um momento, não é atendido. Ao invés disso, eu mergulho num mar de solidão enquanto observo o teto, tentando buscar um motivo para estar preso à esta existência. Os dias passam e eu desejo ainda mais aquele momento de ilusão, onde eu fecharei os olhos e deixarei minha mente criar a felicidade que eu tanto espero. A frustação toma conta enquanto noites inteiras são vividas na janela. Um dia após o outro, eu acabei me tornando insensível.
—  Elias Cotrim
Pessoas cansadas deitam e dormem,
pessoas tristes apenas deitam.
Há uma diferença entre estar cansado
do dia, e estar cansado da vida
—  O-casionar
Enquanto uns deitam pra dormir, eu deito pra pensar. Enquanto uns esquecem, eu sempre vou lembrar. Enquanto uns amam, eu até sei amar, mas muitos demonstram, e eu nem sei demonstrar. Enquanto uns lêem, eu continuo escrevendo. Enquanto uns gritam, eu só fico vendo. Enquanto uns matam o próximo, mato meu próprio coração. Alguns podem se salvar de si mesmos, e eu… Ah, eu fico pra decepção. Assim é o mundo, ou talvez seja dentro de mim. No meu pensar, pra tudo há um recomeço, mas eu não sou o tudo, e só consigo ver o fim.
—  Brenno Louidy. Há sempre um drama pra contar.
Hoje parei para pensar em como a gente muda e nem percebe. Nos milhares de sonhos que deixamos em um canto qualquer quando crescemos. Eu por exemplo já quis ser professora, bailarina e… bem. Vocês entenderam. Em algum momento quis ser o mundo inteiro. A cada noite quase todas as pessoas de todos os países se deitam em uma cama, algumas confortáveis e outras nem tanto, e dormem. Outras pessoas não podem dormir, essas pessoas não podem parar, elas precisam colocar comida na mesa. Mas uma coisa todos temos em comum: a cada noite deixamos um pouco dos nossos sonhos para trás. Nós acabamos nos deixando levar pela rotina, pelo medo de tentar coisas diferentes. Quando crescemos o mundo parece um lugar exaustivo e desolador. Quando crescemos planejamos ser muitas outras coisas, e não podemos fracassar. Quando éramos crianças se algo não desse certo sempre tínhamos uma segunda escolha, porque sabíamos que fracassar era a coisa mais comum. A gente cresce e esquece que as vezes sentir medo é normal. A gente cresce e sente medo de não ter alguém para ouvir as nossas piadas, sair nos finais de semana ou para dividir uma só cama pelo resto da vida. Todos estamos morrendo. Após o nosso nascimento todos os dias ficamos mais próximos da morte. Hoje depois de um fracasso devastador, parei para pensar em como a gente muda e nem percebe, e como queremos em algum momento ser o mundo inteiro, mas perdemos o rumo quando não conseguimos ser o suficiente para uma única pessoa.
—  Karina Regina.
Os relacionamentos hoje são como jogos de vídeo game. Pontuação máxima, ganha o jogo. Se você mandar mensagem perde ponto, se demorar para responder a mensagem ganha ponto. Se assumir a saudade perde ponto, se fingir que não se importa ganha ponto. Se confessar o sentimento perde muitos pontos, se negar a paixão ganha muitos pontos. E assim os casais vão acumulando pontos e disputando quem é o mais forte, o mais desapegado, o mais desencanado, o independente, o auto suficiente, o mais esperto ou o menos bobo. E sabe quanto tempo se perde com esse joguinho? Dias, meses e até anos. Porque manter esse jogo eternamente nos torna frios, fracos e solitários. Ninguém quer ferir o próprio ego, ninguém quer sair por baixo, ninguém aceita a rejeição, o pé na bunda ou a cara de tacho. E quanto mais jogamos, mais craques ficamos e mais frios nos tornamos. No final da noite os “campeões” se deitam e cantam vitória na cama fria, com uma enorme muralha entre ele e os outros. Por orgulho? Por medo? É, o medo, aquele que comanda tudo. Porque mesmo que o motivo seja Orgulho, é o medo que comanda. Medo de quê? De ser feliz? De não ser feliz? O medo impede, bloqueia, ilude… Ah, mas te faz ganhar o jogo do desapego, né? Está satisfeito? Pode viver assim? Porque mandar a primeira mensagem te diminui, mas tudo que você queria era dizer o quanto ele é especial, o quanto você gostou daquele beijo. O quanto os olhos dele preencheram você. Como você gostou daquela risada fácil e daquele charme descontraído. Nem mesmo um Oi? Só pra saber como ele está? Não, né? Você não vai se rebaixar porque ele pode não te responder imediatamente. E se ele estiver fazendo o mesmo jogo que você, no mínimo vai demorar 4 horas para te responder. E essas eternas 4 horas se tornarão uma tortura sem fim e você vai se arrepender amargamente de ter enviado aquele bendito “Oi”. Mesmo que ele responda, é você que vai demorar outras 4 horas para responder e por ai vai. Sabe quanto tempo perderam os 2? Pelo menos 8 horas. Pra que? Bicudo ele, bicuda você e no fim… Dois bicudos não se beijam.
—  Monika Jordão
Planos Subsequentes

O silêncio das montanhas é inaudível
ao ouvido humano.
A altura delas é imprevisível.

Os dias amanhecem por primeiro
nas montanhas
e as noites deitam nelas
de maneira tempestiva.

A montanha olha a cidade.
A cidade, um enorme abismo.
Da cidade, sabe-se a idade.
Da montanha, sobe-se ao limbo.

O que liga ambas é o vento;
vento: organismo mais vivo,
que desce e sobe, a tempo,
por dentro e fora, invisível.

Eu bem já fui do vento:
pés em asas, movimento
tão sutil e tão em paz,
fui subindo, rarefeito,
a serra vesga, anos atrás.

E era um sonho, lindo sonho,
um sonho bom, um sonho a mais
em minha vida, tão sem sono,
de amar você, e ninguém mais.