decifre

Me conheça. Me decifre. Me ame. Me devore

Eu gosto de errar. Sinto o cheiro e gosto dos meus erros e simpatizo com eles. O certinho me causa desconfiança. Antipatizo com o correto. Prefiro a minha infelicidade com flashes de felicidade momentânea… Esperar não é para mim. Produzo teorias que não servirão para nada. Invento palavras que não existem, faço meu próprio dicionário. Crio definições que só eu uso e, ainda por cima, me mato de rir. Prefiro a minha insanidade com flashes de sanidade instantânea… O que presta é o que me interessa. O que eu quero, agarro. O que eu desejo, abraço. O que eu sonho, desenho. O que eu imagino, escrevo. O que eu sinto, escondo. A perfeição está no meu humor. Está na minha emoção. Está nas minhas linhas tortas e devaneios tolos. Nem sempre minhas ações condizem com as minhas palavras. “Me conheça. Me decifre. Me ame. Me devore” ((Clarissa Corrêa ))

Sou feita de uma substância incomum aos olhos de muitos
Mas de um composto limitado a poucos…Um veneno para alguns e a cura para outros !#decifre-me

Eu gosto de errar. Sinto o cheiro e gosto dos meus erros e simpatizo com eles. O certinho me causa desconfiança. Antipatizo com o correto. Prefiro a minha infelicidade com flashes de felicidade momentânea… Esperar não é para mim. Produzo teorias que não servirão para nada. Invento palavras que não existem, faço meu próprio dicionário. Crio definições que só eu uso e, ainda por cima, me mato de rir. Prefiro a minha insanidade com flashes de sanidade instantânea… O que presta é o que me interessa. O que eu quero, agarro. O que eu desejo, abraço. O que eu sonho, desenho. O que eu imagino, escrevo. O que eu sinto, escondo. A perfeição está no meu humor. Está na minha emoção. Está nas minhas linhas tortas e devaneios tolos. Nem sempre minhas ações condizem com as minhas palavras. Me conheça. Me decifre. Me ame. Me devore.
—  Clarissa Corrêa
Interprete meus poemas, decifre minhas poesias, descubra a essência dos meus contos. Vasculhe o meu passado, entende meu presente e procure pelo meu futuro. Me aceite como seu ficante, Me ame como seu namorado, Me tenha como seu marido. Faca isso por mim, que irei fazer por você .. Quando estiver aqui .. Quando eu encontrar você.
—  Ponte dos Cadeados, Itália 1995 
Eu quero um amor pra chamar de meu. Um amor presente e futuro. Que fique sem ter vontade de ir. Que aceite meu jeito e minha falta de jeito. Que segure minha mão no topo de uma montanha russa e, também, debaixo d'água. Um amor que me faça acreditar que vai ficar tudo bem, e mesmo quando tudo já desmoronou, dançe comigo por cima dos destroços. Eu quero um amor que mesmo depois de semanas, meses e anos, me faça sentir o mesmo frio na barriga que sentir na primeira vez que nos beijamos. Um amor que me respeite, me decifre, que conheça meus sorrisos e olhares. Um amor que seja meu, e eu, dele!
—  Versos de uma solitária.

Sou a saudade de uma casa com varanda que ainda não foi construída, de filhos ainda sem nome, e de uma historia de amor que ainda não vivi. Vivo o amargor de sonhar,  planejar e escrever um romance sozinha. Eu quero o que ainda não existe, digo ser otimista, porem, quando pergunto se um dia essa historia chegará, sou pega pelo tempo, e seus joguinhos de azares.

Pode parecer cômico, mas a melhor parte de mim é aquela que eu ainda não conheço aquela que ainda não vivi. Por isso sempre me embaralho quando pedem para me descrever. Sou uma charada que nem eu mesma consigo decifrar. Decifre-me, e me faça querer  ser livre de enigmas e fantasias. Faça-me descobrir esse … -> Continua

E de uma forma tão inesperada ela apareceu, na verdade eu apareci, cheguei e a vi de longe, e no primeiro momento que a vi não conseguia tirar os olhos dela.. e que olhos, olhos que me deixam louca, olhos que me fascinam, olhos que não sei decifrar, queria decifrá-la, saber oque se passa dentro daquela cabecinha.. Queria e quero saber oque tem de melhor e pior nela, oque ela tem dentro do coração, “queria ser sua garota favorita”. Ela é a minha. E quando estou em seus braços, sinto como se não estivesse ninguém mais nesse mundo. E quando tudo “ estava” bem, vem alguém, alguém que já estava ali, isso tem feito com que eu me afogue cada vez nas minhas próprias lágrimas, que eu sinta como se estivessem esmagando meu coração. Eu que nunca fiz questão de nada, estou fazendo questão dela. E tem sido difícil esses dias.

Pra me entender, basta me olhar, sim, me olhar bem no fundo dos meus olhos. Olha por cada detalhe, por cada detalhe que há meu corpo e tenta decifrá-los. Pra me entender, tem que me olhar fundo, bem fundo, mais bem fundo da minha essência.
—  Yngrid Guimarães

“Eu gosto de quem facilita as coisas. De quem aponta caminhos ao invés de propor emboscadas. Eu sou feliz ao lado de pessoas que vivem sem códigos, que estão disponíveis sem exigir que você decifre nada. O que me faz feliz é leve e, mesmo que o tempo leve, continua dentro de mim.


Eu quero andar de mãos dadas com quem sabe que entrelaçar os dedos é mais do que um simples ato que mantém mãos unidas. É uma forma de trocar energia, de dizer: você não se enganou, eu estou aqui. Porque por mais que os obstáculos nos desafiem o que realmente permanece, costuma vir de quem não tem medo de ficar.”
Fernando Gaona