de tudo que foi

E como foi que aconteceu mesmo? Porque se eu me lembro bem, você me chamou pra conversar e me vi com os olhos em você e eu não conseguia fazer outra coisa, foi aí que eu vi esse sorriso tão lindo, mas quem me dera se fosse só isso, porque você era lindo, mas em todos os sentidos. E, da mesma maneira que chegou você já me teve, simples assim. Sem contestações, sem dificuldades e sem barreiras. Você realmente me fez acreditar que eramos só eu e você e que nada iria atrapalhar isso, e sou tão grato por ter você comigo. O mais estranho de tudo isso, foi que eu estava tão cego procurando alguém que me completasse, que do nada, sem pedir e sem esperar, chegou a pessoa certa, eu então senti como se toda aquela espera e aquela dor valesse a pena, depois de ver que ele esta ali, pronto pra ser amado e eu aqui louco pra poder amá-lo. Uma vez eu tinha lido que “você sabe que alguém é certo pra você, quando invés de lágrimas ela te trás sorrisos” e eu queria lhe dizer que desde que eu te conheci eu nunca mais deixei de ser feliz.
—  O Pequeno Bob.

houve uma madrugada em que meu corpo sentiu o impacto da ausência,
e não foi só a sua
lembra aquele dia em que você perguntou como eu estava, e eu disse que a vida seguia, mas eu não sabia pra onde? pois é, naquela madrugada eu descobri que não havia resposta mais certa
tem coisas que não dependem do nosso controle, e você foi uma delas, a vida, ás vezes, também é
o acúmulo de coisas mal resolvidas se transforma em uma bola de neve que me atinge nos momentos mais frios e pesados, e eu caio
ás vezes a vida pesa, meu bem, e eu não suporto, não suporto mais
queria eu conseguir seguir firme e forte como sempre fui, mas chega uma hora que não dá, não dá, não sou de ferro
e por ser fraca e maleável e tão fácil de se imergir, você me transpassou
foi mais que um toque ou penetração
eu não estou falando apenas de corpo ou de alma, se é que algo vai além disso
mas tudo em mim foi invadido, de um lado a outro, de todas as maneiras
e já não sei mais o que dói, o que pesa ou o que falta
e continuo sem saber pra onde a vida segue
só sei que a vida me atinge mas você me atravessa.

Estava rindo das histórias que meus amigos contavam. Lembrei de você e do quanto eu queria te contar e rir contigo. Talvez a gente passou longe de sentir amor, mas querer te contar sobre tudo que me fazia bem, foi o mais perto que já consegui chegar.
—  Motivando.
E no fim, a única coisa que restou de tudo aquilo que fantasiei entre nós dois, foi um coração com inúmeros band-aids, na tentativa falha de amenizar a dor. Não entendo como é que fui gostar tanto de uma pessoa, sendo ela totalmente o oposto de mim. Eu amo rock, e ela funk. Os filmes de ficção científica são meus favoritos, já os dela são os de drama. Eu não vivo sem minha batata doce, e nem ela sem seu torresmo. Churros é a única coisa que ambos gostamos, além do sexo, é claro. Há quem diga que o amor é cego, mas ele não é. O amor apenas nos ajuda a aceitar as imperfeições daquele certo alguém.
—  Pedricovick.
Sabe qual foi o nosso problema? Foi eu. Eu me doei demais por quem não merecia nem a metade, demonstrei amor em excesso pra uma pessoa que eu duvido muito que entenda o significado dessa palavra, imagine que sinta isso. O problema de tudo foi o meu excesso, eu transbordei sentimentos bons, eu fui ao mais fundo que eu pude pra poder te fazer feliz, e você me afogou.
—  vulgarizei
Você foi o maior dos meus casos, de todos os abraços o que eu nunca esqueci. Você foi dos amores que eu tive o mais complicado e o mais simples pra mim. Você foi o melhor dos meus erros, a mais estranha história que alguém já escreveu. E é por essas e outras, que a minha saudade faz lembrar de tudo outra vez. Você foi a mentira sincera. Brincadeira mais séria que me aconteceu. Você foi o caso mais antigo, o amor mais amigo que me apareceu. Das lembranças que eu trago na vida, você é a saudade que eu gosto de ter. Só assim sinto você bem perto de mim outra vez. Esqueci de tentar te esquecer, resolvi te querer por querer. Decidi te lembrar quantas vezes eu tenha vontade sem nada a perder. Ah… você foi toda a felicidade. Você foi a maldade que só me fez bem. Você foi o melhor dos meus planos e o maior dos enganos que eu pude fazer.
—  Roberto Carlos. 
A vida é uma grande onda de coisas que não tem explicação. Por exemplo: todos nós sabemos que vamos morrer. Mais cedo ou mais tarde infelizmente vamos partir. E acredito que a maioria de nós gostaria de partir deitados quentinhos na nossa cama. Não é mesmo!? Mas não é assim que a vida acontece. Você pode estar voltando do trabalho de bicicleta e por um descuido seu ou de outra pessoa acaba sendo atropelado. Que irônico né? Você tinha acabado de sair do serviço, querendo chegar em casa e ver as pessoas que ama, seja pai, mãe, marido, mulher ou filhos, e de repente sua vida acaba. Ou simplesmente você pode estar bem em um dia e no outro aparece com uma doença que não tem cura. E aí? Você já sabe que vai morrer, não tem o que fazer. Isso devia ser mais fácil, mas não é. Ninguém tá preparado para partir, nem para perder quem ama. A vida é assim, imprevisível. Então é o que eu sempre digo para as pessoas ao meu redor… Curta cada milésimo de segundo ao lado de quem ama. Dêem valor a vida. Sejam sempre gratos. Porque quando chegar a hora da sua partida, você vai querer ir em paz, e acima de tudo, sabendo que fez o bem e que foi amado.
—  bea goulart, inalcanzabble.
Começamos a namorar quando ela tinha 20 e eu 23, mas parecia que a vida começava ali. Vimos todas as séries. Algumas várias vezes. Fizemos todas as receitas existentes de risoto. Queimamos algumas panelas de comida porque a conversa tava boa. Escolhemos móveis sem pesquisar se eles passavam pela porta. Escrevemos juntos séries, peças de teatro, filmes. Fizemos uma dúzia de amigos novos e junto com eles o Porta dos Fundos. Fizemos mais de 50 curtas só nós dois —acabei de contar. Sofremos com os haters, rimos com os shippers. Viajamos o mundo dividindo o fone de ouvido. Das dez músicas que mais gosto, sete foi ela que me mostrou. As outras três foi ela que compôs. Aprendi o que era feminismo e também o que era cisgênero, gas lighting, heteronormatividade, mansplaining e outras palavras que o Word tá sublinhando de vermelho porque o Word não teve a sorte de ser casado com ela.

Um dia, terminamos. E não foi fácil. Choramos mais que no final de “How I Met Your Mother”. Mais que no começo de “Up”. Até hoje, não tem um lugar que eu vá em que alguém não diga, em algum momento: cadê ela? Parece que, pra sempre, ela vai fazer falta. Se ao menos a gente tivesse tido um filho, eu penso. Levaria pra sempre ela comigo.

Essa semana, pela primeira vez, vi o filme que a gente fez juntos —não por acaso uma história de amor. Achei que fosse chorar tudo de novo. E o que me deu foi uma felicidade muito profunda de ter vivido um grande amor na vida.

desculpe o transtorno, preciso falar da clarice - gregorio duvivier

Ninguém é obrigado a ficar por ninguém. Não parto dessa de “quem ama não vai embora”, quantos já foram embora por amar? Amar demais, a mais ou por que não, de menos? Amor não é tudo, nunca foi e nunca será. Em nome do amor matam, em nome do amor muitos morreram. Em nome do amor partiram e foram partidos ao meio. E desse meio de gente que acredita que amar é esquecer de si, eu me retiro.
—  Laryssa Oliveira. DESENCONTROU.