das simple

Os amigos não precisam estar ao lado para justificar a lealdade. Mandar relatórios do que estão fazendo para mostrar preocupação. Os amigos são para toda a vida, ainda que não estejam conosco a vida inteira. Temos o costume de confundir amizade com presença e exigimos que as pessoas estejam sempre por perto, de plantão. Amizade não é dependência, submissão. Não se têm amigos para concordar na íntegra, mas para revisar os rascunhos e duvidar da letra. É independência, é respeito, é pedir uma opinião que não seja igual, uma experiência diferente. Se o amigo desaparece por semanas, imediatamente se conclui que ele ficou chateado por alguma coisa. Diante de ausências mais longas e severas, cobramos telefonemas e visitas. E já se está falando mal dele por falta de notícias. Logo dele que nunca fez nada de errado! O que é mais importante: a proximidade física ou afetiva? A proximidade física nem sempre é afetiva. Amigo pode ser um álibi ou cúmplice ou um bajulador ou um oportunista, ambicionando interesses que não o da simples troca e convívio. Amigo mesmo demora a ser descoberto. É a permanência de seus conselhos e apoio que dirão de sua perenidade. Amigo mesmo modifica a nossa história, chega a nos combater pela verdade e discernimento, supera condicionamentos e conluios. São capazes de brigar com a gente pelo nosso bem-estar. Assim como há os amigos imaginários da infância, há os amigos invisíveis na maturidade. Aqueles que não estão perto podem estar dentro. Tenho amigos que nunca mais vi, que nunca mais recebi novidades e os valorizo com o frescor de um encontro recente. Não vou mentir a eles, “vamos nos ligar?”, num esbarrão de rua. Muito menos dar desculpas esfarrapadas ao distanciamento. Eles me ajudaram e não necessitam atualizar o cadastro para que sejam lembrados. Ou passar em casa todo o final de semana e me convidar para ser padrinho de casamento, dos filhos, dos netos, dos bisnetos. Caso encontrá-los, haverá a empatia da primeira vez, a empatia da última vez, a empatia incessante de identificação. Amigos me salvaram da fossa, amigos me salvaram das drogas, amigos me salvaram da inveja, amigos me salvaram da precipitação, amigos me salvaram das brigas, amigos me salvaram de mim. Os amigos são próprios de fases: da rua, do Ensino Fundamental, do Ensino Médio, da faculdade, do futebol, da poesia, do emprego, da dança, dos cursos de inglês, da capoeira, da academia, do blog. Significativos em cada etapa de formação. Não estão em nossa frente diariamente, mas estão em nossa personalidade, determinando, de modo imperceptível, as nossas atitudes. Quantas juras foram feitas em bares a amigos, bêbados e trôpegos? Amigo é o que fica depois da ressaca. É glicose no sangue. A serenidade.
—  Fabrício Carpinejar.
Naquela noite eu chorei, e me senti horrível por isso. Eu tinha chegado ao meu limite, e me olhando no espelho não consegui mais reconhecer a garota forte que eu sempre fui. Só consegui enxergar um fracasso em forma humana. Eu tinha falhado, e não iria me perdoar por isso. Desabar foi a coisa mais insignificante que eu fiz na vida, era como se eu tivesse perdido o meu diferencial. Agora eu era pequena, frágil e fraca. Eu tinha me transformado em algo que desprezei a vida inteira. A ideia de ter as fraquezas das demais pessoas me assombrava, o simples devaneio da minha alma carente, precisando que alguém me confortasse me encheu de medo. Era horrível ser tão vulnerável assim, perder as rédeas dos próprios sentimentos, e ter que confiar seus segredos à outro alguém. Não me vejo trocando confidências com outra pessoa, pedindo consolo ou um ombro para chorar. Mas, neste momento, por ter me tornado tão sensível assim, era tudo que eu queria fazer.
—  Eternue.
Gosto de sorrir. Gosto de sentir o vento no rosto, o ar entrando em meus pulmões. Gosto das coisas simples, de um abraço, um sorriso ali, um ‘eu senti sua falta’ aqui. Gosto de demonstrações. Gosto de me sentir feliz, tipo agora.
—  Escriturias
Para mim, se apaixonar era um ato tão simples, da mesma forma como despejar palavras em um papel. Não existia rejeição, distância e muito menos incertezas. Ao sentir um aperto no peito, como se algo estivesse se quebrando, me dei conta que a reciprocidade é mais possível nas simples palavras em uma folha rasgada.
—  A Little Hope
Ultimamente, umas das coisas mais difíceis para mim é acreditar nas pessoas e deixar que alguém se aproxime. E a cada decepção, por mais que não deixe de amar e querer estar perto, eu vou me afastando e a corrente que nos unia vai se quebrando. Não me leve a mal, é uma auto-defesa. Eu me entrego demais, sinto demais, sofro demais. Até a mais simples das palavras pesam em meu coração e a falta dela suga o ar de dentro do meu peito. Eu sou extremo, sou tudo e nada, sou céu e estrada, sou fogo e água. Eu sinto, sinto muito.
—  Gabriel Mariano.
Eu amo coisas banais, amo o jeito como algumas pessoas tem um sorriso torto, o cheiro de grama molhada, o vento no meu rosto, o silêncio da madrugada, o som da chuva, a sombra das árvores, um rabisco na ultima folha do caderno, eu gosto das coisas simples da vida.
—  Setembro, 1994.
DA:I Codex Entry blog with Codex Topic Directory?

So I’ve been wanting to make a blog with every DAI codex available and organized in a way that makes it easy for writers/lore nerds to navigate quickly.

I’ve been thinking of doing this for a while. It would be slow going because I would have to actually play through the game from the beginning once again and be very meticulous about searching, but I think it would be useful for fic writers, rpers and lore nerds.

The wiki isn’t reliable and doesn’t have every codex entry available so it’d be nice. I would have to come up with a directory that is well organized according to codex topics, play the game again, come up with user friendly tags, search every nook and cranny of southern Thedas, etc.

I think a clean directory sorted by topic would be nice for people who just need quick information if they are writing lore, rp or fanfic. Specific tags and a tag list would also be used. Then you could just go to the elfy shit you need, or the dwarven shit you need, or a specific character, or specific history and on and on.

It’d be a HUGE undertaking, but if people are patient while I gather info it would be worth it. Also, I could have asks/submissions open if people need more info about something or can’t find a particular codex they need.

Would anyone be interested in this blog?