das mai

Ten Things It Helps Me To Know

     I have been a teacher. I have been a student. I am young enough to still be naive but old enough to be jaded. I have cried in both pain and joy, witnessed people and sights around the world, and believe that when it comes down to it, much of what really matters doesn’t get conveyed until you’re old enough to find it for yourself.

     These are my understandings, which I thought I might share, for those of you struggling, and those who need them. They don’t have to be yours, and they may yet change with time (see No.2), but they are things that I sometimes need to hear, and things that might help some of you. 

     If you don’t care, just ignore this. Let it go. It isn’t worth making a fuss about, and I’m not going to answer if you try to cause one. But if you do care, if it helps you, feel free to reblog it or like it or save it for yourself, for the days you need someone to tell you these things again (I often do).


     1. People desire authenticity. Being honest matters, not only to others, but to yourself. Life is too short to live a lie, and people can tell when you’re full of bullshit.

     2. You are an eternal work in progress from now until the day you die. You never stop learning, growing, or being wrong. And that’s actually okay. Own the right to keep learning. Own the right to grow. Own the right to sometimes be wrong, and recognize that being wrong has nothing to do with your self-worth.

     3. Anger and sadness are emotions. They are both valid and important, but both also have an appropriate time and place. As with any emotion, how you react is your choice. Some things are not worth a true response. Learning the difference between the things that matter and the things that don’t will help you on the days you feel overwhelmed.

     4. Your opinions and perceptions of the world come from where you have been and what you have experienced. Just because you see the world one way does not make that vision accurate or right. It only makes it yours. Recognize the power of stepping beyond your own limitations, of trying to see the world from a different point of view. It will make you stronger, and it will bring you closer to others. Learn the value of questioning your assumptions.

     5.
Everyone is a human being. That means they come with mistakes, successes, hopes, fears, loves, losses, pains, and joys. Compassion is about recognizing those things, and empathy is about sharing in the ways they make someone human. Celebrate those joys and successes and loves, and guide and encourage those hopes. Correct mistakes gently when it is needed, confront fears alongside others, and recognize losses and pains. Treat human beings as human beings.

     6. The world owes you nothing. That does not mean that nothing is what you deserve. Set your own measures of success. When you can define on a personal level what success and happiness is for you, then you control your own fate, and you are master of your own life. Those bars of success and happiness are personal. We don’t always have to measure up against one another. In fact, we should rarely make such an attempt.

     7. It is never too late to start to change. Just because something is as it has always been does not mean that makes it inherently better. But that does not mean everything must change. Recognize with each new opportunity comes both excitement and grief. When we step through one door into a new room, we always leave the old one behind. Acknowledge that it takes courage to do so. Sometimes change is good. But recognize other people might need longer to say farewell.

     8. Your journey is yours. No one else will live your life. No one else will walk the path beside you for its entirety. You pick your pace. You pick your direction. You pick the sights you stop by to see. Don’t let temporary companions decide your destination, no matter who they might be. Live your life for you. It is as complete as you make it.

     9. Every failure is a lesson, every lesson a chance to grow. We are not measured by our successes and failures, but by the character in which we accept and move on from them. The world will try to convince you otherwise. The world is wrong. Accept your faults with grace and an open mind, and be humble in your successes.

     10. Love and forgive yourself, and practice gratitude for the things you do have, no matter how small. You spend more time with yourself than with anyone else, in your entire life. You must be able to live with yourself, and to look after yourself. Don’t apologize for the things you need (though recognize the weight of your actions on the world). If you are not looking after you, don’t expect anyone else to.

Passamos a vida nos conhecendo, descobrimos coisas sobre nós mesmos todos os dias. Acho que quando nos aceitamos e nos amamos, nada mais importa.Não precisamos que ninguém nos aceite além de nós mesmos. Desse jeito, só vão permanecer ao nosso lado as pessoas que realmente nos amam, nos amam pelo que somos, pelo simples fato de fazermos elas felizes. Digo isso porque a fase mais difícil da minha vida foi assumir minha sexualidade pra mim mesma. Eu achava que precisaria da aprovação de todos para ser feliz, mas na verdade eu é que ainda não tinha me aceitado. Depois disso, tudo muda, tudo fica mais fácil. Não precisei sair contando pra todos, conto pra quem eu sinto vontade de compartilhar, e um dia vou contar pra pessoas que sei que infelizmente não vão me aceitar, e sei que ainda vou passar por muitas situações de preconceito, mais do que já passo, mas também sei que o que importa é a minha felicidade e me aceitar me fez mais feliz. Então seja quem for que esteja lendo isso, guarde bem o que eu falei, sua felicidade só depende de você. Se aceite e o resto ficará mais fácil. 

- Vix, TB.

e teve aquele livro que me marcou
dizia que a vida é quase sempre tentativa-erro-tentativa-erro-tentativa e é assim que você encontra a coisa certa,
que a vida não passa de um clico de tentativas e erros até que você acerta e retarda o processo
foi uma das coisas mais bonitas que algo não vivo fez por mim
e se mostrou tão vivo quanto a fala vazia de certos alguéns 

Eu quero te amar da maneira mais pura que eu puder. Quero te mimar, te ninar, te acarinhar e te proteger em meus braços. Quero estar ao seu lado com o rancor for mais forte que sua razão e ser a calmaria que te puxa para sanidade. Quero te pertencer por inteiro. Te mostrar que posso amá-lo com todos os defeitos, os surtos e toda loucura que existe ai dentro. Quero ser o motivo dos teus mais belos sonhos e a razão do teu sorriso ao acordar. Quero nossos planos pro futuro, quero o aconchego dos seus abraços, brincadeiras, carinhos, persistência e luta… Quero nós dois juntos.
—  Acho que estou me apaixonando por você. - B.C

VOTAÇÃO PARA REI E RAINHA
RESULTADO (ATRASADO)

A coroação ocorreu no final do baile, com os três candidatos mais votados de cada categoria sendo chamados ao palco: Sofia Romero (@scfwh), Veridiana Boucher (@vee-babydoll) e Argus Kostopoulos (@aimatiros) para rainhas; Oliver Boucher (@frencheir), Aloysius Tammam (@alysics) e Alejandro Borgia (@hermanx) para reis. Enquanto subiam, sendo ovacionados pelo resto dos presentes no salão, cada aluno gritava o nome de seu concorrente favorito. Contudo, não foi feito muito suspensa ou drama para revelar os ganhadores do título de realeza daquela noite, embora todos os presentes possuíssem algum tipo de sangue azul: Veridiana Boucher, a princesa francesa, era a nova rainha do Baile dos Namorados, junto de Oliver Boucher, o também herdeiro da França e seu irmão mais velho. 

Apesar da recompensa ser nada mais do que uma dança, coroas falsas e buquês de rosa, ainda era um título representativo. E a todos que receberam votos, por mais que não houvessem conseguido ser eleitos, haviam ganhado tiaras e buquês para comemorar o amor que poderiam representar. Aquela noite, afinal, visava apenas isso: espalhar o amor na academia Avalon.

Keep reading

DÊ AOS VENTOS OS TEUS MEDOS

“Não haverá mais noite. Eles não precisarão de luz de candeia nem da luz do sol, pois o Senhor Deus os iluminará…” Ap 22.5

Os milagres de Eliseu apontam para Jesus, o qual também ressuscitou mortos, curou leprosos, multiplicou comida e perguntou a um cego mendigo: “O que você quer que eu faça por você?” Jesus fez brilhar sua luz sobre pessoas que atravessavam as noites mais escuras da vida delas. E sabe por que ele é a luz que ilumina as noites mais sombrias da vida? Porque o próprio Jesus enfrentou a noite mais escura da história.

Na cruz, enquanto carregava os nossos pecados sobre ele, o Pai escondeu o rosto de Jesus. As pessoas esconderam o rosto de Jesus. Até o sol escondeu o rosto de Jesus… ao meio dia as trevas cobriram a terra. Mas Jesus saiu da sepultura e assegurou-nos que um dia ele voltará para estabelecer definitivamente um reino onde não haverá mais noites escuras.

Durante a Guerra dos Trinta Anos, na Europa do Século 17, o pastor Paul Gerhardt e sua família foram forçados a fugir de sua casa. E durante sua noite mais escura, ele pegou uma caneta e escreveu um hino: “Dê aos ventos os teus medos; espere, e não sejas desencorajado. Deus ouve os teus suspiros e conta as tuas lágrimas. Deus levantará a tua cabeça. Através de ondas e nuvens e tempestades, ele gentilmente limpa o caminho. Espera tu, seu tempo, assim a noite em breve terminará em alegre dia.”

Referência para leitura: 2Reis 4.1-4

lpc.org.br

Ho la stanchezza di chi sta per crollare e il pianto che si restringe per non scoppiare
—  moriresilenziosamente