dar!

Você pode até dizer por aí que não me ama mais, mas eu sei que no fundo você queria voltar naquele tempo, no tempo que você me tinha. No tempo em que eu era sua e você era feliz. No tempo em que acordava e me via dormindo ao seu lado. Eu sei que você queria poder voltar e me dar todos aqueles beijos que não me deu, todos os abraços, os aniversários de namoro, o meu aniversário e o seu, o aniversário do nosso cachorro. Você queria voltar naquele tempo que a gente tomava sorvete na praça e quando íamos na boca da noite olhar as estrelas. Eu sei. Você pode gritar aos sete ventos, mas o seu coração diz outra coisa.
—  Moshi moshi
Queria te escrever só pra dizer o quanto eu sou grata. Na verdade, não existem palavras suficientes para descrever como sou feliz só por te ter na minha vida. Eu não sei se vai dar certo. Eu nem sei o que eu quero, na verdade. Mas eu quero com você. Acordar e ir dormir do seu lado. Sair para conhecer o mundo segurando a sua mão. Enfrentar os medos, ultrapassar os limites com você sorrindo ao meu lado. Passar pelas fases ruins, pelos dias bonitos, sorrir e chorar ao seu lado. Mas, especialmente, quero te dizer o quanto você me acrescenta e me completa. Principalmente, te fazer sentir isso. Te fazer sentir que eu sou e serei sua para sempre.
—  Enamorava
De agora em diante vai ser do meu jeito. Cansei de chorar, cansei de sofrer, o que tiver que ser vai ser. Vou me permitir ser feliz, ser livre. Vou fazer meu coração endurecer um pouquinho porque é muito cheio de sensibilidade. Foda-se os problemas de quem não se importa comigo! Agora vai ser assim, vou cuidar de mim e dar valor só pra quem dá valor pra mim também.
Pai, se o meu coração é um lar, saiba que o Senhor não é convidado, mas é o dono da casa. E no meu lar, no meu coração, o Senhor será servido por mim. E se eu puder lavar os Seus pés eu lavarei. Se eu puder lhe dar muito mais do que um simples momento, eu lhe darei. Eu lhe dou liberdade para mexer em todos os móveis, eu lhe dou liberdade pra mudar e transformar tudo aqui dentro, pois Tu És o dono da casa. Tu És o dono do meu coração.
—  Júnior.
Pra menina que pediu pra Duda ajudá-la com a "valorização de si mesma":

1º - Você não tem que ser o suficiente ou melhor pra mais ninguém, além de você!
2º - Não sei se já escutou uma frase que sempre me diziam quando era pequena: “o medo é o que move o mundo”. Ou seja, sempre terão pessoas consideradas melhores ou piores em relação a você e um monte de outros fatores também, você pode ser a melhor pra alguém, mesmo que não seja pra si mesma, pense nisso.
3º - Se valorizar é algo que, particularmente, eu, EU, acho que toda menina deve aprender sozinha. Se a pessoa tiver um pouco de senso, lá vai saber até que ponto ta fácil demais pra tal coisa. Um conselho que eu costumo dar muito é: Pense antes de agir. Sei que nem sempre é fácil, mas com um pouco de vontade, qualquer um consegue.

CONSELHO POR BRENDA. E COM A AJUDA DO MEU NAMORADO.

Durante o seu ministério, Jesus também falava muito por meio de símbolos – no que chamamos de parábolas. Uma explicação muito comum, mas equivocada sobre o uso de parábolas no ministério de Jesus, era que as parábolas supostamente facilitariam o entendimento da população que ouvia Jesus, já que transmitiam os ensinamentos por meio de comparações baseadas na vida comum de seus ouvintes. Tal explicação é incoerente com o ensino do próprio Jesus sobre o tema: "E chegando-se a ele os discípulos, perguntaram-lhe: Por que lhes falas por parábolas? Respondeu-lhes Jesus: Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado; pois ao que tem, dar-se-lhe-á, e terá em abundância; mas ao que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado. Por isso lhes falo por parábolas; porque eles, vendo, não vêem; e ouvindo, não ouvem nem entendem.”  (Mt 13:10-13) Jesus não usava parábolas pra facilitar a compreensão das verdades espirituais, mas para dificultar. Para compreender uma parábola, era preciso muita reflexão. Uma pessoa que verdadeiramente buscasse a Deus iria pensar, refletir, buscar e perguntar até que ele consiga encontrar o real sentido do que Cristo ensinava. Tendo encontrado o significado, ele irá refletir sobre o ele até que ele consiga compreender o máximo possível sobre Deus mediante a nova informação adquirida. O que Jesus disse é que ele queria que o sentido da parábola tivesse aberto somente para aqueles que realmente tivessem o desejo de compreendê-las. Isso requer dedicação e esforço.
—  Frank Brito.
Deus é nosso Pai e quer nos dar o melhor, então quando estamos orando não devemos duvidar nunca de que Deus é capaz e Ele pode fazer qualquer coisa que pedimos em oração.
Amém?
Capitulo 11- Dia a dia

Boa noite amores, ai está o capitulo desculpa a demora, mais realmente tem sido dias cansativos esses, prometo tentar normalizar as postagens. Enfim espero que gostem do capitulo e não esqueçam de me mandar mensagens dizendo o que estão achando da Fic!

Beijos 

Pov Clara

Depois daquela noite lá em casa, a Mayra e Thaís não se desgrudam do mesmo jeito é eu e a Van, hoje fazem duas semanas desde que saímos para ficar lá em casa.

May: A Thaís vem pra cá hoje!

Clara: Acho que alguém aqui conseguiu se dar bem.

May: Ela é realmente incrível, estou começando a gostar dela de verdade, aquela baixinha é um encanto de pessoa.

Clara: Toda apaixonada essa minha amiga.

May: Olha quem fala, e você e a Van a quantas anda?

Clara: A gente está bem, eu realmente gosto da Van, mais ela é muito travada, eu tenho medo de estar me entregando demais e no final não ser correspondida.

May: Da um tempo para ela Clarinha, talvez ela precise sentir mais confiança.

Clara: É talvez…

Eu e Van nos vimos todos os dias desde que começamos a sair juntas, porém ela nunca me deu oportunidade de ir mais a fundo com ela, sempre conversamos sobre tudo e ela nunca se abre comigo, parece que ela tem uma trava que não permite que ela se entregue de verdade ao que estamos vivendo. A alguns dias atrás ela me disse que o melhor seriamos deixar rolar e ver no que vai dar, mais tenho medo de estar me entregando a alguém que não queira se envolver no futuro.

Tirando isso meu relacionamento com ela só tem evoluído para o bem, cada segundo com ela se mostra perfeito, o Max está tão ligado a ela que quando ela chega ele acaba me deixando de escanteio para ficar nos braços dela. E não tiro a razão dele, ela tem o colo mais confortável do mundo.

Pov Vanessa

Quanto tempo que não sinto essa felicidade completa, ainda me sinto meio travada e acho que isso talvez possa incomodar a Clara, por mais que eu tente ser completa algo me faz parar e ter medo, aos poucos ela tem feito essa insegurança sumir, o fato dela nunca me cobrar é que tem me dado mais confiança para viver junto dela.

Vanessa: Como assim você vai dormi na May hoje Thaís?

Thaís: Dormindo Vanessa, eu hein até parece que eu nunca dormi na casa de outra pessoa antes.

Vanessa: Você sabe que minha mãe vai dormi fora hoje e eu não gosto de dormi aqui sozinha!

Thaís: Boa oportunidade para você chamar a Clara para cá, você me ajuda e se ajuda.

Vanessa: Eu não sei se ela vai topar, até porque tem o Max.

Thaís: Ela sempre dá um jeito e você sabe disso, ela vai adorar o convite.

Vanessa: Você acha?

Thaís: Liga logo pra ela ó tonta, você só vai saber se perguntar!

Talvez a Thata tenha razão, não teria mal nenhum se ela quisesse trazer o Max. Resolvi ligar para ela para saber.

LIGAÇÃO ON

Vanessa: Tá ocupada Clarinha?

Clara: Não Van, pode falar, aconteceu alguma coisa?

Vanessa: Não, na verdade eu queria saber o que você vai fazer hoje a noite?

Clara: Nada, o Max foi para a casa da minha mãe e eu estou só esperando a Thata chegar para me trancar no quarto não quero ser testemunha de pegação, mais porque a pergunta?

Vanessa: Então é que minha mãe vai sair, e como você sabe a Thaís vai dormi ai hoje, eu não gosto de dormi só e queria saber se você não tá afim de dormi aqui?

Clara: Claro Van, você me salvou de ficar com essas duas taradas aqui, vou me arrumar e daqui a pouco chego por ai pode ser?

Vanessa: Claro estou te esperando, beijo!

Clara: Beijo!

Ok, agora eu tinha que arrumar tudo aqui, claro que eu estou nervosa, tudo pode acontecer nessa noite, mas eu confio na Clara sei que ela não seria capaz de fazer nada para me magoar. Não vou negar que depois da Pepa eu tinha medo de me entregar para quem quer que fosse, falando nela, a cara de pau daquela mulher vai acima de qualquer coisa, ela teve a audácia de me procurar, claro que dessa vez a Dona Solange expulsou ela a baixo de muito esporro, espero que dessa vez ela tenha aprendido.

A Thaís se despediu de mim com a pressa do mundo inteiro, realmente ela e May estão se dando cada vez melhor, inclusive o grude delas já é maior que o meu e o da Clara que passamos praticamente o dia inteiro juntas, essa não é a primeira vez que a Thata vai dormi lá, e logo em seguida do primeiro encontro a sós das duas eu dei de cara com May saindo aqui de casa.

Pov Clara

Eu não esperava essa ligação da Vanessa, foi um convite tão inesperado que eu ainda estou sem acreditar. Ainda bem que aconteceu hoje, minha mãe ligou cedo pedindo para que eu deixasse o bolota com ela.

Não sei o que pode acontecer lá, claro que eu não vou forçar ela a nada, mais eu ficaria muito feliz se aconteceu tudo que eu sempre sonho em fazer com ela.

May: Vai sair?

Thaís: Vai dormi lá em casa com a Van.

May: É hoje hein amiga!

Clara: Menos Mayra, Thaís da pra você calar a boca dela por favor!

Thaís: Com muito prazer!

As duas começaram a se agarrar e nem escutaram quando eu falei um tchau apressado, não quero perder tempo.

Passei numa floricultura que ainda estava aberta apesar do horário, e resolvi comprar algumas flores, não sei porque eu sempre quero agradar a Van, o sorriso dela parece ser o combustível para o meu.

Depois das flores hora de encontrar a dona do sorriso mais lindo do mundo!

Cheguei rapidamente a casa dela. Toquei a campainha e esperei ela abrir no fundo meu coração palpitava de um jeito que parecia que hoje seria minha primeira vez, por mais que eu não soubesse o que fosse acontecer, eu me sentia nervosa por dentro.

Vanessa: Oi, entra!

Clara: Oi, trouxe para você!

Vanessa: Obrigada, você vai me acostumar mal desse jeito.

Ela me puxou para o sofá que tinha na sala e sentamos as duas uma do lado outra, ela ligou a televisão e encostou a cabeça no meu ombro enquanto entrelaçava seu braço ao meu. Naquele momento tudo poderia acontecer.

Ouvi o choro de Nick mais uma vez. Faziam só cinco minutos que eu tinha voltado de seu quarto., literalmente.
Olhei pra Niall que estava apagado ao meu lado. Com o início das gravações para o novo cd, ele estava ficando muito cansado, eu compreendia o seu lado.. Por isso, decidi que não iria acorda-lo, tirei com calma seus braços que já estavam sobre minha cintura. Levantei da cama enquanto Nick ainda chorava de uma maneira desesperada.
Cheguei no quarto encontrando ele praticamente se debatendo no berço.
-Nick… -Peguei-o no colo, mas seu choro não cessou, apenas diminui.-Você poderia dar um tempo maior pra mamãe não? -falei sozinha enquanto o balançava em meu colo, certa que era apenas cólica. Mas ele não parava. Poderia ser a fralda, se eu não tivesse trocado a mesma a cinco minutos atrás, poderia ser fome se eu não tivesse dado de mamar pra ele à dez minutos atrás. Poderia ser qualquer coisa, mas não era. Continuei o balançando em meu colo sem muito sucesso de o fazer parar.
Fechei a porta esperando que isso acabasse abafando o choro.
Mas não abafou.
-Toc toc - ouvi sua voz meio rouca e mais grave do que o normal, me virei para a porta aonde ele estava encostado, seu rosto parecia estar trasbordando sono mas havia um sorriso em seus lábios.
-O que você tá fazendo aqui? -perguntei igualmente com sono ainda balançando Nick que, por Deus, ainda chorava escandalosamente em meus braços enquanto Niall vinha em minha direção.
-Ouvi ele berrar.. -Niall se aproximou de mim beijando minha testa. Nick se esticou pros braços de Niall, que o pegou sorrindo
-Desculpa.. -Niall me olhou ajeitando Nick em seus braços e me olhando com as sobrancelhas arqueadas- eu sei que você queria dormir, que você precisa descansar…. É que agora Nick realmente..
-S/n.. -Niall levou uma de suas mãos ate meu rosto enquanto balançava Nick no outro braço- eu adoro estar aqui. E mesmo que não gostasse, você também precisa descansar.. Você é humana ainda lembra? -Niall sorria me fazendo sorrir junto, ele se aproximou de mim selando nossos lábios com um selinho.
Só então percebi o quão quieto Nick estava e olhei pra Niall que também olhava pra Nick
- Viu, era saudade do paizão aqui.. -ele disse convencido enquanto ainda balançava Nick com calma, agora o segurando com as duas mãos.- Não quer ir lá dormir? -neguei com a cabeça sorrindo.
-Agora eu quero assistir -ele sorriu pra mim negando com a cabeça.Me sentei na poltrona que tinha no quarto olhando pros dois.
Niall ainda estava com aquela cara amassada, cheio de sono. E Nick parecia finalmente tranquilo. E eu estava tão feliz por ter-los pra mim..
Com esses pensamentos acabei pegando no sono ali mesmo. E só percebi quando senti um dos braços de Niall em minhas pernas, e a outro em minhas costas me levantando da poltrona. Envolvi meus braços em torno de seu pescoço, enquanto ele começava a andar
-Amor, não precisa me levar eu..- tentei, sem força alguma (e nenhum esforço),  descer de seu colo enquanto ele só me ajeitou em seus braços.
-Shiiu.. Já coloquei Nick pra dormir, agora é sua vez. -Sorri com seu com seu comentário enfurnado minha cabeça em seu pescoço, voltando a cochilar ali.
Erro

Sei que estou no erro com vcs, me compliquei escrevendo a de vampiro e acabei não escrevendo proteção. A de vampiro está com o capítulo quase pronto e de proteção pela metade mas estou indo viajar agora e só devo voltar segunda. A parte boa é que vou pro interior e como não tem muito o que fazer de noite vai dar tempo de terminar de escrever e adiantar alguns capítulos.

Beijos até.

Quem quiser ter autorias reblogadas.

só me seguir e seguir a “srtahoff” que também está reblogando e mandar na ask: tagged da sua autoria “🍔 + uma pergunta” e dar reblogue no post pra divulgar. bjosssssss

Não adianta negar. A maioria de nós, mulheres, já chorou muito por causa de um cafajeste que não vale nada. E eu, apesar de parecer bem espertinha e dar uma de rainha-do-sabe-tudo, não fico atrás, não. Já chorei de mais.Perdi as contas de quantas noites eu passei em claro, seja soluçando de tanto chorar ou afogando as minhas mágoas em algumas doses de vodka, como se o álcool pudesse esterilizar as feridas do meu pobre coração.E hoje, passado algum tempo desde que abandonei os relacionamentos que transformavam a minha vida em verdadeiros dramalhões mexicanos, percebi que aqueles caras não me ensinaram somente a chorar sem borrar o rímel; ou a tirar selfies super produzida para mostrar que estava feliz, enquanto forçava um sorriso que se transformava em choro com o toque de uma pena; ou que comida se transformava facilmente no meu melhor amigo e pior inimigo. Os cafajestes te ensinam que, por mais que você seja a melhor namorada, a mais compreensiva, a mais companheira e a que topa tudo na cama, se o cara é do tipo que trai, você nunca será suficiente para ele. Não porque você não é boa, talvez você seja boa até demais, e ele não te mereça. Mas, porque ele mesmo não se basta. Ele tem que ter mais de uma pra o satisfazer.Uns não querem assumir um relacionamento sério, mas esquecem de te contar esse pequeno detalhe e te fazem de trouxa por alguns meses. E você só descobre quando essa é a desculpa que ele usa para justificar o desrespeito. Outros, sofrem da Síndrome do Preciso Provar: provar mulheres diferentes, provar pros amigos que eles continuam sendo garanhões e provar para eles mesmos que podem ter a mulher que quiserem, na hora que querem. E tem aquele que trai só porque sim. Porque se acha no direito de fazer o que bem entender com o pinto que possui. Aprendi que a maioria dos homens que me traíram tinham inseguranças maiores do que as minhas. E, apesar de eu ter saído dos relacionamentos me sentindo um lixo, aprendi, também, que ao forçar a barra e tentar acreditar em quem só me machucava não me posicionava em uma categoria muito diferente das mulheres que se automutilam. Eu sangrava, sarava e dava a minha cara – e a alma – ao tapa. Uma espécie de masoquismo disfarçado de “eu era cega”. Mas eu não era. O cafajeste não te obriga a estar com ele. É você que insiste, que não entrega os pontos, não dá o braço a torcer e acha que desistindo da relação estará deixando para trás aquele que poderia ser o homem da sua vida. É você que sozinha põe a mão no fogo uma, duas, três vezes como se tentasse se acostumar com a dor. O cafajeste nem sempre está fingindo te amar. Alguns amam sem nem saber que aquilo é amor. E se desesperam quando você resolve jogar a toalha. Porque eles também odeiam perder. E sofrem. É nessa hora que a gente se divide entre o “quero que ele vá pro inferno” e o “mas ele parece mesmo arrependido, talvez eu devesse acreditar”. E você não sabe se deita na cama em posição fetal, fecha os olhos bem forte e espera alguém vir cortar o cordão umbilical com o qual você alimentava um relacionamento que só existia porque você o nutria, ou se vai para a rua se jogar nos braços do primeiro que aparecer. Como se uma noite na cama com um desconhecido fosse mudar a sua convicção de que os homens não são de marte, ao contrário do que dizem, mas mereciam sim, serem mandados para lá… Os homens cafajestes nem sempre têm a intenção de te magoar – ainda que tenham despedaçado o seu coração com a habilidade de um açougueiro. Os cafajestes também se arrependem. Alguns se esquecem que se arrependeram com a mesma velocidade com a qual cometem os erros. E seguem errando… Porque não importa quantas mulheres incríveis ele há de conhecer. Ele vai continuar sendo cafajeste, até se cansar da vida bandida e decidir que é hora de mudar. Ou não. E você aprende que esquecer um cafajeste dói em dobro. Pois você precisa esquecer não só o cara que te magoou, mas também aquele que vivia nos seus sonhos, o namorado perfeito, o cara que nunca existiu. Mas você o esquece, dá a volta por cima e, o mais importante: passa a reconhecer de longe quando um outro cafajeste se aproxima. E pode escolher entre estar sozinha ou viver novamente um amor bandido. Um dia você decide que é chegada a hora de parar de brincar com fogo. Que você merece mais. Você aprende a reconstruir a sua auto-estima quando entende que os erros dele não foram causados por falhas suas e que estar sozinha ou ter alguém que te respeite vale muito mais do que insistir em um relacionamento fadado ao fracasso.