da minha garota

Ela tem um sorriso que me chamou atenção. Ela tem um olhar, que apesar de ficarem por trás dos óculos que ela usa por causa da miopia, ilumina qualquer ameaça de escuridão. Ela tem um encanto no jeito seu de ser. Olhando assim ninguém diz que, essa garota que tanto admiro, chora escondida todas as noites, e já não acredita mais no amor. Mas ela diz que eu não devo desistir, que vou encontrar quem eu tanto procuro, diz que eu mereço um amor para a vida toda , e que a garota que tiver meu coração será a mais feliz do mundo. Eu digo o mesmo à ela, mas ela já não acredita que possa viver esse tipo de felicidade. Diz que já amou demais, e recebeu de menos, diz que já não tem mais o que oferecer à alguém. Eu digo que a companhia dela é o que mais me alegra, digo que não sei o que seria de mim sem ela. Não digo que a amo, porque ela já não acredita mais que seja possível alguém ama-lá. Ela diz que o coração está fechado, diz que ele esfriou, e virou pedra. Diz que depois daquele cara, nunca mais amou alguém. Diz que o cara que se apaixonar por ela será o mais idiota de todos, que estará desperdiçando esse sentimento com quem já não tem o que oferecer. Diz que se um dia esse idiota aparecer, irá fazer de tudo para se afastar dele, porque não quer que ele passe pelo mesmo que ela, que ame demais e receba de menos. Digo nada, não posso me arriscar a perder a companhia dela. Ela diz que eu já encontrei a minha sortuda, diz que esses constantes suspiros só pode ser paixão, e das fortes. Diz que eu deveria ir atrás da minha amada, que essa garota, com certeza, gostaria de ter uma pessoa como eu ao seu lado, diz que eu deveria parar de esconder o jogo, e deveria abrir meu coração. E eu novamente digo nada. E ela diz que minha amada só pode ser míope, que ainda não enxergou o cara incrível que espera por ela. E eu digo que ela é míope sim, mas que esse não é o problema, mas sim que ainda não está pronta para permitir que eu a ame. Ela ainda não está pronta.
—  Contos de Will e Nina, por Christiellen Pinto.
Distância

   Foi amor.

 Foi algo realmente verdadeiro. Mas você sabe, distância nunca é fácil, querendo ou não, sempre vai atrapalhar. Ela era a única pessoa que em meio a tempestade, conseguia trazer as cores de volta, e agora, eu à perdi. Me pego pensando todo dia nela, e em cada palavra que foi dita por ela antes de ir. Me arrependo tanto por isso, me arrependo por não ter sido forte o suficiente, por não ter lutado com unhas e dentes pelo nosso amor. Meu coração agora está em pedaços e eu estou completamente perdido. Hoje em dia amores recíprocos é algo muito difícil de se achar, e eu perdi a garota da minha vida por medo de tentar. Eu estou sem animo, não estou vivendo… no máximo, só existindo.

-Meu coração grita teu nome, e meu corpo vaga por aí, com esperança de um dia te encontrar.

Reaction: Vendo seu primo dar em cima de você

• Jimin 

Vocês três tinham ido ao cinema e Jimin não parava de falar o quanto estava animado para ver o filme escolhido. Ele estava tão distraído escolhendo entre os milhares de doces para comer enquanto assitia o filme que todas os gracejos do seu primo para com você passaram totalmente despercebidos.

Porém, já dentro da sala do cinema, algumas cenas estavam meio quentes e Jimin percebeu quando seu primo levou uma das mãos até sua coxa, a acariciando. Na mesma hora a felicidade de Jimin acabou. Os doces comprados não foram comidos e o resto do “tão esperado” filme foi assistido com a cara emburrada e braços cruzados. 

Keep reading

Preference #3

Anônimo disse:

Verdade ou desafio com todos os meninos e com umas meninas

Ooi amor, como você está? Eu fiz um preference que particularmente gostei hehe, espero mesmo que tenha ficado do teu agrado e obrigada pelo pedido. Me conta o que achou na ask.

Zayn:

Estávamos sentados no chão de madeira da minha casa, observo a garrafa e vejo que ela vira para Liam que abre um sorriso malicioso e eu reviro os olhos:

- Zayn! Desafio você a beijar a S/N. Mas só beijar, não precisa fazer um filme pornô aqui pra gente. - Mostro do dedo do meio e olha para ela que estava ao meu lado. 

- Anda logo, todos sabemos que você quer fazer isso. - Harry diz e eu aproximo meu rosto do dela.

Nossos lábios se tocam em um selinho rápido, minha língua pede passagem para seus lábios que se abrem e eu posso explorar cada parte de sua boca. Minha mão vai para sua cintura e a outra se encaixa em sua nuca, ela estava com as duas mãos em meu rosto.

- Vamos parando. - Liam diz e eu continuo a beijando. 

Louis:

Já estávamos bêbados e a garrafa continuava girando, quando seu ao menos perceber ouso meu nome na boca de S/N:

- Louis meu namorado lindo, pule na piscina. - Olho indignado.

- Mas amor, são 4 da manhã e está frio. 

- É pra me vingar por ter me deixado sozinha na semana passada.

- Vacilão. - Harry grita e eu mostro o dedo do meio. 

- Ok, eu errei naquele dia e por isso vou pular.

Fui em direção a piscina, deixei minha cerveja longe o suficiente para não molhar e pulei, o frio me fazia tremer dentro da água, e sem ao meno esperar todos eles entram também.

Harry:

Outra vez a mesma garrafa em cima da mesa de bar girava, parando a frente de Zayn que olha para uma das garotas em uma mesa pouco distante. 

- Hazza. Vá até aquela garota, a de vestido colado ao corpo e roube um beijo, como você gosta de fazer com todas. - Diz e eu reviro os olhos.

- Isso é falta de respeito.

- Harry, até eu queria te beijar, vai lá logo. - Niall diz e eu rio. 

Me levanto indo até a mesa das garotas, por minha sorte ela estava levantando e indo até o bar, vou até ela a puxo pelo braço colando nossos corpos e beijo seus lábios de forma quente e profunda, sinto ela corresponder e coloco minhas mão em sua cintura. 

- Pode me beijar mais vezes. - Ela diz e me entrega um papel com teu número de celular escrito.

Liam:

Como um bom jogo de verdade e desafio sempre tem bebidas, Niall havia desafiado a mim e S/N a vermos quem consegue beber mais rápido todo o litro de cerveja daquela garrafa. 

- Um, dois, três e já! - Niall diz.

S/N leva a garrafa a boca bebendo em seguida uma grande quantidade, eu queria ganhar dela, mas era realmente impossível, ela era ótima disso.

- Terminei! - Ela diz e eu ainda não havia acabado. - Liam parece que você perdeu. Mas pode me compensar por isso. 

Ela pega minha mão entrando no quarto de Niall no apartamento onde jogávamos. 

- Eu, você e uns beijos. - Digo e ela me joga na cama.

Niall:

A garrafa virada mais uma vez. 

- Verdade ou desafio? - Harry me pergunta e eu coço a cabeça.

- Verdade. - Digo com certo medo. 

- Verdade que você e S/N já tiveram uma noite hot? Se sim, conte para a gente como foi. - Diz e eu a fito que assenti me permitindo contar. 

Toda a cena de seus corpos suados e nus em cima de sua cama virando de um lado para outro como animais e os beijos molhados, chupões em partes do corpo, tudo aquilo me fez sorrir. 

-  Sim, eu já tive. 

- Mas, ninguém aqui precisa saber como foi. - S/N diz me cortando e eu rio

Pedido: COM o Liam q ele é maior bandido de todos e sequestra ela q é órfã só q ela não quer dar o q ele quer, no caso sexo, ele bate nela e a tranca num quarto, a obriga a limpar a casa essas coisas até ela finalmente ceder, ela é virgem, ela fica c0m ele por anos, presa, fazendo tudo q ele quer, e ela se apaixona (stockholm syndrome) mas ele sai com outras tbm e isso machuca ela mas ele tbm se apaixona e os dois acabam juntos - Anônimo

Obrigada por ter feito o pedido.❤️

***

Imagine Liam Payne: Parte 1.

-Você tem certeza disso, cara?
Zayn me olhou sério enquanto traga seu cigarro. O olhei em confirmação, não é a primeira vez que fazemos esse tipo de coisa.

Zayn e eu -na verdade, somente eu-, estamos planejando pegar uma garota no orfanato. Não uma criança para cuidarmos, não temos capacidade o suficiente para isso e muito menos paciência, sem contar que ninguém iria querer ser filho de um dos maiores bandidos do país, ninguém sentiria orgulho disso, somente alguém com mente pequena o suficiente para pensar somente no dinheiro que eu posso oferecer e que obviamente por ser meu filho eu teria que fornecer. Mas isso está, completamente, fora de cogitação.

-Qual sua preferência? Digo…quer que eu lhe traga uma loira, baixinha, magra…?
Zayn questionou enquanto pegava suas chaves já se preparando para sair.

-Não se preocupe, na hora eu vejo.
Respondi rudemente. Este plano tem que dar certo, ou esse idiota não trabalha mais comigo.

Zayn deu em ombros e abriu a porta logo saindo e indo para seu carro, peguei tudo o que precisava e verifiquei se meu celular estava carregado. Tudo certo.

Zayn dirigiu até o orfanato, me deixando na entrada dos fundos que infelizmente -não para mim, claro- está completamente escancarada, a mercê de quem quiser entrar.

-Boa sorte.
Zayn resmungou despreocupado, acendendo outro cigarro e tragando o mesmo em meu rosto antes que eu abrisse a porta.

-Você irá precisar.
Soltei um riso sarcástico e sai do carro andando tranquilamente até as portas do grande orfanato.

Está tudo tão exposto e o ambiente está tão calmo que me impressiona o fato de essas pessoas serem tão despreocupadas com a própria segurança.

Observei o lugar e notei que a entrada dos fundos -por onde entrei- dava á uma espécie de quartinho cheio de brinquedos para crianças, patético o quanto isso é “seguro”. Caminhei até onde deduzi ser a sala principal, está vazia, não há uma viva alma nesse lugar. Comecei a olhar algumas fotos que estavam jogadas na mesinha de centro, cada foto havia um nome escrito abaixo e estavam presas a uma pequena ficha com informações dessa pessoa, provavelmente a ficha de cada uma das meninas desse orfanato. Vasculhei um pouco as fotos até encontrar algo, ou melhor, alguém me chamou muito a atenção. S/n é seu nome, parece que tem por volta de seus dezessete anos, pela foto ela tem uma aparência inocente e até mesmo mais jovem do que é, o tipo perfeito ao meu ver. Escutei passos tímidos mas não imperceptíveis vindo das escadas e rapidamente guardei a ficha em meu bolso, me escondedo dentro de um grande armário que pela minha sorte, estava vazio.

-Helena? Sra.Collins? Tem alguém aqui?
Uma doce voz foi-se ouvida, pude ver pela sua sombra que a garota parou perto do armário onde eu estava, com toda minha ousadia, abri apenas uma brecha para ver a garota de costas para mim, ela vestia uma camisola azul bebê, tinha babados e lacinhos, parecia ter vindo de um pornô Daddy kink, mas não deixava de transparecer sua verdadeira inocência.

-Bom…parece que não há ninguém por aqui…Acho que vou ter que comer esse chocolate sozinha!
Gritou, ela estava tentando chamar a atenção de alguém, mas ninguém respondeu ou sequer apareceu.

A garota andou até o meio da sala, e eu quase tive um ataque cardíaco quando a mesma se virou de abrupto, mas por sorte, ela estava olhando para a mesinha de centro e nem notou a porta do armário parcialmente aberta.

-Uh, parece que minha ficha não está aqui.
Ela resmungou e então eu olhei novamente para a ficha junto a foto em minha mão, é ela?

-Oh meu Deus…
Ela levantou sua cabeça colocando a mão na boca, olhei direito para seu rosto e sim, é ela.

-Eu vou ser adotada!
Soltou um risinho e sorriu radiante. Oh sweet, há muito o que ainda vai aprender.

-S/n!
Uma outra voz também feminina, mas desta vez parecia mais madura.

-Oh, olá Sra.Collins, eu juro que não tirei nada do lugar e…

-Cale-se garota!
A mulher a cortou. Como ela pode tratar alguém assim? Tudo bem que eu faço isso mas…sou eu, e ninguém mexe com a minha garota.

-Temos um rapaz aqui que provavelmente vai querer levar uma de vocês, por isso, se comporte e vá chamar as outras garotas.
Falou com firmeza. Zayn já começou sua parte.

-Sra.Collins! Como pode deixar que aquele garoto entre aqui? A senhora não nota? Ele não veio adotar uma criança, ele está querendo alguém para…a senhora sabe…
Outra voz desta vez desesperada desengatou a falar. Alguém para estragar meu plano.

-Não seja tola! Não importa o que ele quer fazer com a criança, ele veio adotar e se ele quiser ele vai levar!
Talvez essa mulher não seja tão ruim quanto soa.

-Mas nós não podemos deixar as crianças correrem esse risco! Nosso trabalho é protegê-las e dar a elas tudo o que seus pais não puderam dar, não podemos deixá-las nas mãos de qualquer um.

Ah, faça-me um favor! O portão estava praticamente dizendo “Quer levar uma criança de graça? Entre e pegue!” como ela ainda se preocupa.

-Não importa Helena! Meu trabalho aqui é somente cuidar para que estas pestes saiam daqui! Não importa com quem.
Ouvi um suspiro falho e pressenti que a conversa havia acabado.

Passado dois minutos, o cômodo já estava vazio novamente, sai de dentro do armário e procurei por um lugar onde poderia me esconder até conseguir pegar a garota.

Zayn e eu combinamos dele fingir que quer adotar uma criança, assim, todos estariam em um só cômodo e ficaria bem mais fácil para mim poder vasculhar a casa e ter tempo de decidir quem eu queria, logo após, teria que fazer algo para deixar apenas a escolhida em um cômodo, eu fingiria ser quem vai levá-la e, sequestrar ela.

Escutei vários passos pelo corredor, elas deviam estar indo se encontrar no pátio com Zayn e as duas funcionárias.

Subi as escadas que davam até os quartos e fui olhando os nomes em cada porta, ao que parece, cada quarto tem duas garotas e são seis portas no corredor, três de cada lado, dando no total de doze meninas. Procurei pelo quarto onde estava o nome “S/n” gravado na porta, junto a outro chamado “Alice”. Antes mesmo de entrar, escutei uma movimentação dentro do quarto, caminhei até a janela do corredor e olhei para o pátio fazendo uma conta rápida e vendo apenas onze das doze garotas que deveria estar ali, ou Alice ou S/n está naquele quarto, e o único jeito de descobrir é entrando.

Abri a porta lentamente, me encolhendo ao que o ranger pareceu mais alto do que deveria.

-Alice? Você viu meu casaco? Eu não estou o achando em lugar algum!
Ouvi a voz da garota, sua voz é tão melodiosa que apesar do jeito infantil, não me faz enjoar, apenas querer escutá-la á todo momento e talvez ter pensamentos sujos com a mesma.

Adentrei ao quarto silenciosamente, ao que parece, ela está no banheiro e não notou que sua amiguinha, na verdade, não está aqui.

-O que aconteceu com você? Não vai me resp..
A garota saiu da banheiro enquanto falava e engasgou com suas próprias palavras assim que me viu em seu quarto.

-Quem é você?
Me olhou curiosa e tentou falhamente passar confiança, eu poderia sentir o cheiro de seu medo, curiosidade e nervosismo, tudo misturado.

-Sou Payne, mas pode me chamar de…Daddy.
Sorri parecendo amigável, mas na verdade, era um sorriso nada discreto dando para perceber todas as minhas intenções para com ela, mas a mesma nunca iria notar, e assim foi.

-Olá Payne…Daddy, o que quer aqui?
Perguntou e eu passei as mãos no acolchoado de sua cama cor de rosa.

-Eu vim, adotar você, você me parece ser uma garota muito interessante, inteligente e obediente.
Falei e logo pude notar um brilho em seus olhos, um brilho de felicidade, é claro, seu maior sonho está prestes a se realizar, ou talvez, seu pesadelo, mas ela ainda não sabe.

-M-me adotar? Sério?
Me olhou com adoração.

-Por que eu estaria mentindo?
Pergunto sorrindo. Eu teria milhares de motivos para mentir, e um deles é verdadeiro, mas quem liga mesmo? Eu não.

-Meu Deus! Hoje é definitivamente o melhor dia da minha vida!
Ela começou a falar alto e eu desesperado tive que a acalmar, se não descobriram que estou aqui.

-Shhh, eu vou te levar agora, ok? não precisa levar nada, depois o Daddy compra tudo para você.
Falei pegando em sua mão.

-Espera…eu não posso me despedir de ninguém? e você não tem que assinar alguns documentos antes disso?
Parou me encarando desconfiada.

-Já assinei todos, e suas amigas estão lá no pátio tendo uma conversa muito séria, parece que alguém aprontou…precisamos ir logo, eu tenho que resolver muitas coisas ainda e você deveria estar ansiosa para conhecer sua nova casa.
Expliquei da forma mais calma que consegui.

-Eu não vou cair nessa…como posso saber se está falando a verdade? Você é um completo estranho que simplesmente apareceu aqui no meu quarto.
Cruzou os braços se afastando das minhas mãos. Bufei, essa garota vai me fazer perder a paciência.

-Vamos logo…eu tenho sua ficha e…
Quando ia pegá-la pelo braço a mesma se afastou bruscamente.

-Se não sair daqui eu vou gritar.
Ameaçou e eu me levantei.

-Eu não vou sair, não está me…
Fui cortado por um grito mas logo tapei sua boca.

-Parece que vou ter que te amarrar antes da hora, eu pensei em ir com calma mas já que prefere assim…
Peguei em uma corda de pular que estava jogada no chão e amarrei suas mãos, o que foi bem difícil já que tinha que tapar sua boca com uma mão e com a outra amarrar as cordas. Procurei por uma fita e colei em sua boca, assim ela não emitiria mais nenhum som.

-Boa garota, terá que me obedecer daqui em diante, se não quiser que isso ocorra mais vezes.
Falei sorrindo sádico e ela começou a se debater, mas se considerar minha força e seu pequeno tamanho, eu obviamente não tive que me preocupar muito com isso.

Carreguei-a no colo até a saída por onde entrei, e como combinado, lá estava o carro de meu amigo me esperando com a chave já na ignição.

Coloquei-a nos bancos traseiros e me ajeitei no banco do motorista, logo dando partida e começando minha longa viagem.

Quando parei no semáforo, peguei meu celular mandando uma mensagem para Zayn avisando que já estava tudo pronto, e ele poderia dar qualquer desculpa e ir embora de lá.

-Irei adorar essa nova aventura docinho, e aposto que você uma hora vai gostar.
Sorri desligando meu aparelho e voltando a dirigir.


[…]


Depois do que pareceram duas horas de viagem, chegamos finalmente na nada humilde casa que eu comprei, escolhi um dos lugares mais desertos da cidade e contratei onze dos melhores guarda-costas, nunca se sabe.

-Então babygirl…chegamos, gostaria que fosse de um jeito mais confortável mas…não me deu escolhas.
Tirei a chave da ignição e a guardei no meu bolso, peguei a garota que agora estava mais calma em meu colo e a levei até os grandes portões cheios de guardas e câmeras de segurança.

-Boa tarde Sr.Payne, precisa de ajuda?
Um dos guardas perguntou se aproximando de mim.

-Aqui não, apenas guarde meu carro na garagem e depois eu quero você lá dentro para conversarmos.
Ordenei sério e o mesmo assentiu se retirando.

Carreguei-a até que chegássemos em seu quarto, não tem nada de especial, é apenas uma cama arrumada, um pequeno banheiro e uma decoração neutra com poucos quadros de gatinhos e alguns vasos com flores falsas.

-Você vai ficar aqui por enquanto, espero que não tente escapar, meus seguranças não são muito delicados e não se preocuparam em ter que te arrastar de volta á mim.
Ameacei. Não irei deixá-los tocá-la, em hipótese alguma, mas ela não sabe disso.

Tranquei a porta e voltei para a sala principal onde o segurança chefe me esperava.

-Avisos: Não tocar nela em HIPÓTESE ALGUMA.

-Não contar nada a ela, qualquer coisa que ela pergunte não respondam, apenas se estiver me procurando, daí a guiem até mim.

-NUNCA deixem sua posição, não queremos que alguém entre aqui por um descuido de vocês.

-Fiquem de olho nas câmeras.

-E por último, me falem sobre tudo, tudo o que acontecer, se alguém andar por aqui perto, se ela tentar escapar…qualquer coisa!
Finalizei e ele assentiu.

-Ótimo, agora passe a informação para os outros.
Mandei e o mesmo foi embora.

Fui até a cozinha e peguei massa de macarrão e molho, já está na hora do almoço e eu mais que tudo preciso comer.

Depois de tudo pronto, deixei a mesa arrumada e voltei ao quarto da minha garota desobediente. Abro a porta e ela continua do jeito que eu havia deixado, amarrada na cama e com a boca tampada.

-Eu vou te desamarrar, mas eu já avisei o que irá acontecer se me desobedecer.
Falei sério.

Desamarrei o nó e soltei seus pulsos, tirei a fita de sua boca e olhei para a mesma que continha lágrimas nos olhos enquanto esfregava seus pulsos agora avermelhados.

-Vem, vamos comer.
Peguei pelo braço e a levei até a cozinha, sentei-a na cadeira a minha frente e logo fui para o meu lugar começando a nos servir.

-P-por…
Ouvi sua doce voz, ela gaguejou e respirou fundo provavelmente se acalmando antes de continuar.

-Por que está fazendo isso comigo?
Sua voz soou triste e baixa, provavelmente por estar segurando o choro.

-Eu gostei de você.
Sorri de um jeito perverso.

-Isso não é verdade…se gostasse de mim, não estaria fazendo isso, eu estaria livre e feliz.
Resmungou manhosamente, voltando a chorar baixinho.

-Você não entendeu, eu gostei de você. Você obviamente não me conhece, pois se conhecesse saberia que o que eu gosto…eu tenho.
Falei rude e ela fungou.

-Pra que tudo isso? O que você quer de mim?
Perguntou novamente.

-Vai saber quando for a hora, e eu espero que não me decepcione.
Sorri e pisquei-lhe o olho.

[…]

Já eram por volta das das onze da noite, meu dia foi tão estressante e tão cheio que a única coisa que eu consigo pensar é em algo que possa me acalmar, mas tudo só piorou quando liguei a TV e um filme pornô passava na TV, qual o meu problema em mudar de canal depois de assistir algo?

O filme estava tão interessante, o único real problema foi a atriz me lembrar muito a garota que estava provavelmente dormindo no quarto acima, o que me fez lembrar que eu não tive a chance de a castigar pelo ocorrido de mais cedo, e isso me parece realmente satisfatório.

Subi as escadas fazendo propositalmente muito barulho com os sapatos, talvez ela ouça e note que eu a quero acordada.

Abri a porta e olhei a garota encolhida na cama, estava bem quieta e calma, mas logo notei que não estava dormindo quando virou sua cabeça e me encarou.

-Acho que esqueci de lhe dar algo hoje.
Me aproximei da cama e ela se sentou na mesma. S/n não dizia uma palavra, talvez com medo do que eu poderia fazer então continuei a falar.

-Sabe o que fez hoje?
Perguntei e ela negou com a cabeça.

-Você me desobedeceu. E sabe o que merece por isso?
Perguntei vendo-a negar novamente.

-Oh amor, você merece ser punida. Por ser uma garota muito malvada.
Falei e a vi arregalar os olhos.

-No meu colo, agora!
Ordenei e ela nem se mexeu.

-Não escutou? Eu mandei se sentar no meu colo!
Ordenei novamente e nada dela fazer. Bufei irritado,.

-Não!
Gritou em resposta. Me impressionei com tal ato.

-Eu não perguntei eu estou mandando!
Falei novamente e ela mordeu minha mão que estava em seu braço.

-Vadia!
Desferi um tapa em seu rosto e observei as marcas de dentes em meu braço.

-Se não vai me obedecer…vai ter que ser pior.
Peguei-a pelo braço e a levei até o menor quarto da casa.

-Não queria ter que fazer isso…mas acho que deixei bem claro quando disse que era para me obedecer!
A joguei em um colchonete no chão.

-Fique aí, até que aprenda.
Tranquei a porta e voltei para a sala.

Nunca uma mulher vai me negar sexo ou me desobedecer. E ela vai ter que aprender isso, por bem ou por mal.

Agora, terei que me aliviar com uma puta qualquer.

l Dia seguinte l

Levantei da cama exausto, meu corpo doía um pouco e a mulher com ao qual eu havia dormido estava ao meu lado na cama. Depois de estar devidamente acordado e vestido, acordei-a e a chutei para fora. Não literalmente.

Caminhei em passos lentos até o quarto da minha garota, espero que esteja mais calma e tenha pensado no que fez. Destranquei a porta e logo ouvi resmungos, ela estava acordada.

-Conseguiu dormir?
Perguntei me sentando na ponta da cama e afagando seu cabelos. S/n se afastou bruscamente retirando minha mão de seus cabelos.

-Não toque em mim!
A olhei sério e desafiador.

-Uh, eu não posso tocar em você?…
Ri nasalado.

-Isso é uma pena, por quê você pode tocar na minha casa e bem…ela está precisando de uma limpeza me entende?
Sorri e a vi abrir a boca para dizer algo, mas eu a interrompi.

-E nem tente contestar, você está aqui e portanto faz o que eu mando, senão será muito pior.
Falei e ela se levantou da cama, mas não para gritar, me bater ou tentar fugir.

-Por onde eu começo?
Perguntou baixo e um sorriso vitorioso tomou conta de meu rosto.

-Pode começar lavando meus carros na verdade, estão precisando já faz um tempo.
Mandei e ela assentiu se retirando.

Logo ela cansa e se rende.

De cinco em cinco minutos eu a observava para ver se estava fazendo direito, mandei que lavasse todos os meus cinco carros, limpasse toda a cozinha e a sala principal e a sala de estar, ela ainda está limpando o meu quarto e logo depois será seu quarto mais os outros quatro cômodos. estou muito feliz de ter escolhido uma casa grande.

-Não limpou direito!
Paro-a. Ela me encara cansada.

-Onde?
Pergunta.

-Bem ali, entre a cama e o criado mudo.
Digo apontando para o lugar. Ela respira fundo e permanece parada.

-Não vai me obedecer?
Pergunto levantando uma sobrancelha desafiadoramente.

-Eu desisto…não aguento mais limpar essa casa e não comi nada desde que acordei, estou fraca e não há condições de eu continuar…eu desisto. Você venceu.
Falou jogando a vassoura no chão.

-Até que demorou um pouco, mas acho ótimo que tenha cedido. Agora você vai ser completamente minha babygirl. Só minha.
Me aproximei da mesma e passei o polegar em seu rosto, acariciando o local.

-Só…por favor, não me machuque.
Falou baixo e uma lágrima escorreu de seus olhos.

-Não se preocupe, vou pegar leve…é sua primeira vez?
Perguntei colocando uma mecha de cabelo atrás de sua orelha. Ela apenas assentiu. Eu a repreenderia mas ela está tão fraca e finalmente cedeu, então deixei como um agrado.

-Vamos comer, quero você mais acordada e disposta do que nunca.
Sorri malicioso e a levei até a cozinha.

Continua…

***

Espero que esteja gostando.😘


Eu não sabia se escrevia o hot nessa parte ou deixava para a segunda então…vocês preferem que eu escreva o hot na continuação ou que eu pule isso? Vocês decidem.


Se possível, vá na ask e diga o que achou, é importante para mim e isso me motiva a continuar.😊❤

Pedido: amor faz um imagine com o liam que a sn ta com gripe e dor de garganta ai o liam cuida o dia todo dela e de noite fica cantando baixinho pra ela dormir

A música que o Liam canta é If I Could Fly

 

           Depois de mais um dia cansativo no trabalho e gravando meu novo CD eu apenas queria chegar em casa e dormir a noite inteira. Assim que abri a porta do meu apartamento estranhei o fato de que a minha namorada não estava na sala com um pote de doce ou cantando musicas antigas e pulando por toda a casa. Talvez ele tivesse saído ou poderia esta aprontando alguma comigo.

           Deixei meu casaco no sofá e fui para o banheiro que ficava no final do corredor, não estava muito a fim de ter que ir subir todas essas escadas para pegar minhas roupas. Após alguns minutos no banho sai apenas com uma toalha enrolada na cintura, subi as escadas, mas antes procurei s/n em todos os cômodos do andar de baixo, mas nem um sinal dela, confesso que já estou um pouco preocupado. Assim que entrei no quarto a vi deitada na cama com o nariz e os olhos vermelhos, ela apenas sorriu sem graça para mim, meu coração parecia que estava sendo partido ao meio, coloquei uma calça de moletom e deitei-me ao lado dela.

- Boa tarde meu anjo. – Beijei o topo da sua cabeça.

           Ela não disse nada apenas colocou a sua cabeça no meu peito e eu senti suas lágrimas escorrendo.

- Está doendo muito Liam. – Ela colocou a mão na cabeça e na garganta.

           Passei minha mão na sua cabeça e verifiquei a sua temperatura com um termômetro e estava muito alta. – Vai ficar tudo bem eu estou aqui com você. – A abracei delicadamente e beijei seu rosto.

           Coloquei na bandeja dois copos de cafés quentes e um remédio para dor de cabeça, já que ela não queria de maneira alguma ir ao medico, ela preferia ficar ao meu lado. Assim que entrei no quarto ela continuava deitada no mesmo lugar, isso já estava me dando uma agonia terrível, estava sentindo falta da minha garota brincalhona e sorridente de sempre. Sentei ao seu lado e dei a xícara na sua mão juntamente com o remédio, assim que ela tomou voltou a se deitar. Coloquei a bandeja no criado mudo e aproximei nossos corpos, ela tremia de frio.

- Canta para mim. – Ela disse com a voz tremula.

           Eu sabia o quanto ela amava me ouvir cantando só para ela. Sorri e aproximei minha boca do seu ouvido. – If I could fly, I’d be coming right back home to you. – Senti seus pequenos braços me apertando contra o seu corpo quente. - I think I might give up everything, just ask me to.

           Continuei cantando perto do seu ouvido enquanto o seus olhos iram se fechando, passei meu dedo na mecha de cabelo que caia sobre o seu rosto e seus lábios estavam entre apertos a sua respiração estava calma e lenta, beijei seu rosto e continuei cantando. - For your eyes only, I’ll show you my heart. - Minha voz estava calma assim como a sua respiração. Mesmo sabendo que ela já havia dormindo, continuei cantando, pois eu sabia que quando eu cantava para ela, s/n se sentia mais feliz e calma e eu amo essa sensação de poder trazer felicidade e calma para a mulher que eu amo.

           Sorri quando eu terminei de cantara a musica. Cobri o seu corpo e beijei seu rosto. - For your eyes only,

REAÇÃO DO BTS quando sentisse ciúmes de você.

Rap Monster (Kim Namjoon): Mascara de quem não se importa ativada, mas você o conhece bem o bastante para saber que por dentro ele quer esganar o homem abusado que faz o check-in de vocês no hotel. RapMon, que antes se encontrava alheio no celular se aproxima com a maior pose de superior e passa um dos braços por seu ombro de cara fechada, tentando intimidar o outro.

“É linda e é minha”

Suga (Min Yoongi): Fingiria indiferença quando na verdade estaria se corroendo por dentro. Desviaria o olhar quando você olhasse e ignoraria seus sorrisos para ele quando seus olhares se encontrassem. Quando você perguntasse o que está acontecendo ele ignoraria e quando você se cansasse de sua grosseria e saísse de perto para falar com outra pessoa ele ficaria com mais ciúmes ainda (mas ele esqueceria rapidamente quando chegassem em casa, daddy gosta de brincar).

“Alguém tira esse babaca de perto da minha garota antes que eu tire na porrada!”

Jungkook (Jeon Jungkook): Agiria como uma criança mimada se sentindo trocada e faria de tudo para ganhar sua atenção. Tentaria alguns aegyos e sempre tentaria te mostrar algo no celular. Quando você desse uma bronca no garoto e voltasse a atenção para o recém conhecido ele ficaria emburrado e sentiria-se traído.

“Ah, então é assim?”

Jin (Kim Seokjin): Sempre foi muito bom e carinhoso com você e sentiria que a luta estava ganha, mas quando seu amigo de infância te abraçasse ele sentiria o seu ciúmes despontar e seus olhos brilhariam num tom triste. Ficaria quieto o resto do dia perdido em seus pensamentos e esperando alguma ação sua.

“Ele nunca amara ou cozinhara para ela como eu!”

Jimin (Park Ji-min): Pensa numa criatura emburrada! Jimin iria querer provocar em retorno, imaginando que você está fazendo aquilo de propósito. Exibiria tudo o que pudesse e como conseguisse e ficaria completamente sem graça quando sem entender nada você o desse uma lição de moral e falasse o quanto se sentiu mal.

“O que aquele idiota está fazendo perto da minha jagiya?! AMOR OLHA PRA MIM, EU TENHO ABS DE TANQUINHO!”

V (Kim Taehyung): Tae daria aquela leve tremidinha de raiva assim que visse seu primo alto e forte te abraçar apertado e ficar o tempo todo ao seu lado naquele almoço em família onde ele se sentia um intruso. Largaria o sorriso fofo e daria respostar curtas a tudo o que você falasse.

Mas talvez com alguns sorrisos e carinhas fofas ele deixaria a raiva um pouco mais distante e devolveria o seu abraço, mesmo que continuasse em silêncio. (S/N) querida, eu sei que você sabe como quebrar o gelo!

“Quem essa muralha de músculos pensa que é? Depois que é abduzido não sabe o porquê!”

J-Hope (Jung Hoseok): A Esperança perderia todo o humor, nada de sorrisos e aegyos para você. Sentiria-se pouco menos do que o suficiente para te alegrar quando te visse tão feliz em uma rodinha de amigos (todos homens). Sairia de perto e ficaria sozinho em algum canto, mas não aguentaria te dar um gelo e assim que você se aproximasse e o abraçasse ele sorriria.

“Eu sou sua esperança, sorria para mim, só para mim…”

E parece que foi ontem que eu conheci a verdadeira felicidade e o verdadeiro motivo para sorrir, aconteceu tudo tão rápido e ao mesmo tempo tão lento e você me transformou em uma pessoa muito melhor. Você conseguiu arrancar sorrisos verdadeiros, sentimentos sinceros e principalmente me trouxe e me traz muitos momentos incríveis que é impossível descrever. Você foi o melhor presente que recebi nessa vida e é contigo que eu quero passar o resto dos meus dias nessa vida, é você que eu quero ao meu lado pra sempre (talvez até depois dela).. Nada vai conseguir nos separar meu amor, não abro mão desse amor que eu sinto por nada nesse mundo! Por você eu respirei e respiro até hoje, por você eu faria tudo de novo, e faria ainda mais (muito mais). Eu te amo muito meu moreno e saiba que esses foram os 3 meses mais felizes da minha vida…
—  - de garota-tarada para LunarOwls
Imagine Niall Horan

Anônimo disse:

Queria um imagine do Niall,que eles namoram e o Hazza vive dando em cima dela,e o Nini fica bem bravo e acaba falando várias coisas q a magoam(coisas pesadas mesmo),ai ela vai embora e ele percebe oq fez aí faz algo bem fofo pra reconquista-la.Queria que o imagine começasse na visão dele pfv ♥ Obrigada desde já amor!

E aí xuxu, eu amei esse pedido, tipo muitão, aliás, obrigada por fazer esse pedido aqui meu amor. Espero mesmo que tenha ficado do teu agrado, tentei ser mais descritiva possível. Depois me conta tudinho que achou na ask. Boa leitura.

NIALL P.O.V

Toda vez era a mesma palhaçada, todos sabemos que o Harry é um pervertido, mas por que com ela, por que com a minha namorada? Estamos em volta de uma fogueira e Harry com a mão na coxa da minha garota.

Levantei para pegar uma bebida e ela nem reparou. Fui até a cozinha peguei um copo de alguma das bebidas de Louis e voltei e Harry dizia para ela quão bonita era e o seu corpo, que corpo sensacional. Isso me deixou de fato irritado.

- Já chega! – Disse parando na frente deles.

- O que foi querido? – S/N Pergunta e eu mostro o dedo o meio.

- Ou, dude, não fala assim com ela, é só uma garota.

- Pode ficar com essa vadia, traidora, se quiser podemos chamar de puta também. Mas você escolhe. Eu estou cansado de você Styles dar em cima dela e ela não ligar, isso era o meu relacionamento com ela, mas agora passou a ser um triangulo amoroso. Niall que ama S/N que é apaixonada por Harry que é um pervertido. Me poupem. – Encaro S/N que já está com os olhos cheios de lágrimas. – Por que você está chorando? Você quem acabou com esse relacionamento sua vadia barata. Até um cão vale mais que você, pelo menos eles não te traem na sua frente ou deixam outros passar a mão por seu corpo. – Ela começa a chorar e Harry me olha em reprovação. – Ainda não acabei. Quero que vocês fiquem juntos, porque se merecem. São dois otários que não se contentam com um amor verdadeiro. Está tudo acabado.

Ela se levanta e pede um taxi, Harry me olha furioso e eu cruzo os braços logo em seguida, ela entra em um carro preto e eu não sei para onde ela foi e não me importa mais, eu a odeio.

Saio do local onde estávamos indo até meu carro, abro a porta traseira onde estavam as coisas de S/N e jogo tudo no chão e vou embora logo em seguida. O caminho até minha casa foi doloroso, doía saber que havia deixado minha garota. Mas essa era é melhor decisão a se tomar, ela já não me amava mais, quem ama não trai. Harry e ela se merecem. Agora eu só quero me afogar em uma bebida cara e chorar até o amanhecer e talvez eu já nem me lembre mais de tudo isso.

Entrei em casa e fui direto a meu armário de bebidas, pego uma das mais caras e vou bebendo aos poucos, Louis me liga algumas vezes, mas eu nem me importo. Subo quase caindo para o quarto deixando minha garrafa no meu criado mudo e sem mais nem menos adormeço.

S/N P.O.V

Eu já não conseguia mais parar de chorar, era incontrolável, toda hora a mesma cena, Niall gritando e me xingando de diversos nomes que eu nem prefiro lembrar. Vejo a madrugada cair e adormeço no sofá mesmo.

[…]

Acordei com uma ligação de Louis pedindo para que eu descesse agora porque ele tinha apenas 4 minutos para falar comigo. Coloquei um jeans escuro, camiseta branca e um tênis, escovei os dentes e desci pelo elevador do prédio. Cheguei ao térreo e fui até o porteiro, disse bom dia e ao passar pelo portão, mas Louis não estava lá, apenas um bilhete vermelho com adesivo de coração dourado que o selava.

“Bom dia, minha princesa. Eu sei que não dormiu bem na noite passada, eu vim te pedir desculpas, se não quiser aceitar, ok, eu entendo, mas venha comigo até o final do jogo. Não sei você se lembra mais nós nos trombamos a primeira vez em uma padaria, você pode encontrar algo lá, e um café da manhã que eu já deixei pra você. Eu te amo.

Nial xoxo”

Havia um uber me esperando a porta do meu prédio, entrei no carro que me deixou em frente o lugar onde conheci Niall. Entrando lá, estava tudo calmo, mas uma mulher logo me identificou e trouxe uma bandeja com diversas coisa, as minhas favoritas e mais um cartão vermelho selado com um coração dourado.

“Coma, o nosso próximo destino será longo, não quero você com fome. Isso pode demorar. Assim que terminar terá um uber te esperando. Estou em todas as partes babe, bom apetite. ”

Tomei meu café da manhã especial, provavelmente nós voltaríamos hoje, mas eu não sei se estou preparada para isso. Ele realmente me machucou muito. Pouco a pouco eu já me sentia satisfeita.

Sai do lugar onde havia tomado café da manhã e um uber me esperava. Havia outro cartão com as mesmas características no assento. Descolei e então consegui ver o que estava escrito.

“ Agora que a senhorita já comeu vamos ao nosso lugar favorito, vamos à praia. Estou te esperando como sempre babe, não demore. ”

A praia não ficava muito longe, a velocidade era rápida, porém nada que pudesse me matar. Quando chegamos à praia, desci do carro e vi diversas rosas jogadas pelo chão. Olhei a diante e vi Liam segurando um cartaz. Niall era realmente romântico nesses aspectos.

- Obrigada por me fazer sorrir nos momentos mais difíceis, talvez você não queira mais me vir. Mas obrigada por vir até aqui. Eu amo você. – Disse lendo o cartaz que Liam segurava.

- Siga o sol. Ele está para o oeste. – Liam disse e eu corri na mesma direção.

- Harry? – Disse e ele riu. – O Harry é um babaca, mas por causa dele que estou aqui. Já disse que te amo? – Li e ele apontou para o lado onde deveria ir.

Louis segurava um cartaz pequeninho. Onde dizia: Seja o dia que for, eu prefiro ser acordado por você. Inclusive senti sua falta essa noite. Me perdoa, por tudo. I love you so much. Li silenciosamente e pisquei para Louis. Segui a mesma direção e o último Zayn – suspirei ao ver ele. – Caminhei em sua direção e era mais um dos bilhetinhos vermelhos.

- Deixa que eu leio. – Ele disse. – Oi querida, obrigada por ter vindo, eu estou aqui para pedir minhas mais sinceras desculpas, eu poderia fazer uma música, mas isso levaria um tempo e eu preciso me desculpar agora. Só quero que saiba que de qualquer mulher, minha escolha seria você. Eu te amo babe. – Ele segurou meus ombros me virou para que eu pudesse ver.

Niall estava ajoelhado no chão com um urso gigante de pelúcia ao seu lado, sendo segurado por Liam e Louis, uma caixinha sendo segurada por Harry e ele segurava flores, o buquê mais lindo que já vi na vida todinha.

- É tudo pra você. Eu te amo. – Me entregou as flores e me abraçou.

- Eu te perdoo por tudo e eu também te amo.

Eu escrevi pelo meu celular minúsculo então me perdoem por qualquer erro que eu não tenha visto haushaus

Me digam o que acharam!!!

—–


-Zayn? - A doce voz soou pelo quarto tirando minha atenção do violão.

Sorri ao ver a morena a minha frente, mas a olhei confuso ao ver que ela não fazia o mesmo.

- Nós precisamos conversar… - Ela disse com a voz levemente trêmula enquanto caminhava até mim com dois envelopes em mãos. Se sentou em minha frente e encarou suas mãos.

- Você está me deixando assustado. - Digo rindo ao ver ela em silêncio. Ela me encara brava, possivelmente por não ter graça alguma. - Desculpa, mas você realmente está me assustando, o que aconteceu?

Levemente seus lábios se contorcem em um sorriso e ela pega um dos envelopes.

- Olhe. - Diz ela me entregando. - Passei na faculdade. - Diz com um toque de alegria em sua voz.

Instantaneamente meu peito se enche de orgulho, saber que todas as noites de estudos e todos os esforços da minha garota valeram a pena faz com que eu fique imensamente feliz por ter participado disso.

- Eu sabia! - Grito jogando o violão para o lado e pulando em cima de Sn a enchendo de beijo por todos os lados. - Eu disse que você era capaz! - A encaro sorrindo e aproximo meus lábios aos dela dando um beijo suave. - Minha menina. - Sussurro e a beijo de novo.

Uma de suas mãos sobem em meu peito e me empurra levemente.

- Tem mais uma coisa. - Diz ela agora seriamente.

Nós dois nos sentamos novamente e sua feição de antes volta.

- Eu disse a você dias atrás que andava muito mal, e então resolvi fazer alguns exames… - Disse ela devagar e com total delicadeza. - …eu não lhe chamei pois sei que você está bastante ocupado com suas músicas e também achei que não fosse necessário. - Finjo um olhar duro a ela, como assim não seria necessário?

- Você sabe que sempre pode contar comigo, não sabe? - Pergunto levantando a sobrancelha.

- Sim, sim, eu sei, mas eu realmente achei que não era algo muito grave. - Se explica rapidamente. - Mas, o resultado chegou anteontem… - Sua voz fica trêmula novamente.

Por Deus, será que é algo tão grave assim?

Milhares e milhares de doenças passam por minha mente e sinto minha mão ficar gélida, eu não suportaria ficar sem S/n, nunca!

- Eu estou grávida. - Ela solta de uma vez e meu mundo para.

Grávida

Grávida

Grávida

Minha namorada está grávida, ela não está doente, ela está grávida. Por Deus, eu vou ser pai?

Sim, claro que eu vou ser pai!

Mas a faculdade de S/n?

Nós dois vamos ser pais!

- Zayn! - S/n grita comigo fazendo eu voltar para o mundo real.

Seus olhos me encaram apreensivos e eu a encaro assustado, eu realmente não sei o que falar.

- Eu preciso de um whisky! - Digo simplesmente e saio do quarto escutando S/n vir atrás de mim.

- Como assim um whisky? Eu acabei de lhe dizer que estou grávida, G R Á V I D A! Você tem noção? - Grita ela enquanto descemos as escadas.

Droga! Escadas não.

- Pare aí mesmo mocinha. - Digo me virando para ela que me olha como se eu fosse um alienígena.

Me aproximou sem falar nada e a pego no colo.

- Zayn, que porra que você está fazendo? - Grita novamente.

- Cuidado com essa boca. - digo dando um tapa em sua bunda. - Que educação vamos dar para nosso filho? - Pergunto descendo as malditas escadas com cuidado.

- Você perdeu o juízo, só pode. - Fala indignada.

Com total cuidado a coloco no chão e ela me encara brava, mas aos poucos um sorriso aparece, sim, eu conheço esse sorriso e estou com ele agora.

- Eu te amo! - Sem querer falamos juntos.

A vontade de agarra-la é inevitável e assim faço.

- Nós vamos nos casar, semana que vêm! - Digo assim que a idéia surge em minha mente.

- Não Zayn, nós não vamos nos casar semana que vêm. - Diz ela rindo e eu a encaro confuso. Ela não quer se casar comigo? - Vamos esperar ele ou ela nascer, não quero fazer nada as pressas! - Esclarece fazendo carinho em meu cabelo.

- Você está coberta de razão. -Concordo sem conseguir parar de sorrir.

No mesmo momento me lembro do whisky.

Ah caralho eu preciso beber, beber muito!

Louis!

- Eu vou ligar para o Louis! - S/n ri da minha afobação ao correr para pegar o telefone.

Sussurro a palavara pai várias e várias vezes enquanto o telefone chama.

Porraaaaa!

- Zayn? - A voz fina de Louis diz do outro lado.

- Eu vou ser pai bro!

baby, eu vivo numa eterna madrugada, o meu cachorro tomou a cama pra ele, mas acho que sem ele, eu estaria pior, minha depressão estaria maior. o amor que eu sinto por você é triste, eu fico ansioso pra viver situações tristes contigo, e queria você aqui na mesma cama em que eu deito com o meu cachorro, horas depois que ele já dormiu, e eu vou me deitar, pra tentar dormir também. a cama mal cabe nós dois, mas daríamos um jeito pra caber você também. você é a pequena garota da minha madrugada que sempre está em meus sonhos, tenho a impressão que esse sonho nunca acaba, nada faz sentido, mas o que eu sinto por você, te faz a pessoa mais incrível que pode existir, a linha do amor vai muito além do que a gente imaginava antigamente.

pedro 00008b

Preference #12: Especial Dia dos Pais

Harry:


Entro no set de Dunkirk e saio procurando por Harry enquanto Darcy brinca animada nos meus braços, ansiosa para ver o pai. Os caras do elenco ficam encarando a minha menininha e eu sorrio orgulhosa. Paro em uma certa área quando vejo de longe Harry gravando uma cena. Sorrio encantada enquanto observo o meu menino interpretando perfeitamente bem o personagem.

- Olá, s/n. Quer se sentar enquanto o Styles não vem?- Christopher se levanta vindo na minha direção.

- Oi, Chris. Muito obrigada.- agradeço me sentando na cadeira que ele trás. Sento Darcy em uma toalha estendida na areia e jogo alguns dos brinquedinhos favoritos dela. Acabo me distraindo com ela e não vejo quando Harry chega perto de mim.

- A minha rainha e minha princesa vieram me ver. Ao que devo a honra?- ele se abaixa para pegar Darcy mo colo e me puxa pela cintura.

- Sentimos saudades.-sussurro contra seus lábios e me arrepio ao sentir seu sorriso. Ainda não me acostumei com isso. - E temos uma surpresa. Na verdade duas.- digo animada e ao mesmo tempo nervosa. Harry me encara com uma sobrancelha erguida e eu olho para Darcy.- Amor, quem é esse?- aponto para Harry vendo a menininha sorrir.

- Papa.- ela diz e eu dou risada da expressão de espanto do meu marido.- Papa.- ela repete e Harry a abraça rindo bobo.

- Eu não acredito. A primeira palavra da minha pequena.- ele gargalha e a ergue no alto.

- Pode se preparar para passar por isso outra vez.- digo com a mão na barriga.

- É sério? S/n, você está grávida outra vez?- assinto com os olhoa cheios de água. Harry põe Darcy no chão com os brinquedinhos e me pega no colo, me erguendo no alto.- Ah meu Deus. Eu te amo tanto!- envolvo meus braços em torno de seu pescoço e o beijo.

Louis:


O participante deixa o palco e eu pego a ficha do próximo. Me viro para o lado para comentar com Simon sobre o quanto a audição foi incrível. O apresentador avisa que já está na hora da próxima audição e eu me posiciono, bebendo um pouco de água e pegando uma bala para chupar. Me assusto quando as luzes se apagam e um vídeo começa no telão. Um vídeo da minha garota.

- Oi, Lou.- sua voz soa por todos os auto-falantes e eu sorrio ao perceber que ela está sem maquiagem. Ela odeia aparecer em público assim. .

- Oi, minha princesa.- sussurro mesmo sabendo que ela não iria responder.

- Eu sei que você está ocupado nesse momento mas não se preocupe, eu tive a ajuda do Tio Simon.- ela diz e eu ouço as pessoas atrás de mim rindo.- Eu tenho uma surpresa para você.- s/n dá uma pausa e suspira.- Nós já estamos juntos há seis anos e eu já perdi a conta de quantas vezes já conversamos sobre ter filhos e do quanto ficamos tristes quando descobrimos que eu tenho uma doença que diminui as chances de engravidar.- noto sua voz embargada e meus olhos marejados.- Mas parece que o mundo está girando ao nosso favor agora.- ela sorri e enxuga as lágrimas.- Eu venho passando mal desde o dia em que você viajou mas não me importei muito, tinha quase certeza que era do pote gigantesco de sorvete que tomei sozinha.- s/n revira os olhos e eu dou risada me lembrando disso.- Acontece que não passou. Então ontem eu decidi ir ao médico e fazer alguns exames. Peguei os resultados hoje.- ela abre o envelope e mostra o resultado para a câmera. Um “positivo” circulado em vermelho.- Nós conseguimos, Lou. Eu estou grávida. Vamos ter um filho juntos.- ela diz chorando e eu me levanto da cadeira pulando enquanto ouço os gritos da platéia.

- Eu sabia de tudo.- Simon diz com um sorriso brincalhão e eu o abraço forte.- Parabéns, meu garoto. Você será um bom pai.

Niall:

- S/n? Amor? onde voces estão?- entrou em casa procurando pela minha namorada e meu filho. Deixo a bolsa com os tacos em um canto e subo ouvindo vozes e risadas vindo do quarto de James. Passo pelo corredor e não evito um sorriso quando vejo s/n brincando com nosso menino. Ela etá absolutamente linda com aquele sorriso que faz eu me apaixonar mais a cada dia.

- Olha quem chegou, amor.- ela diz para James quando me ve parado ali. Vou até os dois e os abraço, aproveitando para depositar um beijo longo nos lábios dela.- Como foi lá?- ela pergunta se referindo a competição.

- Ganhei.- sorrio orgulhoso de mim mesmo.

- Parabéns, meu amor.- s/n pula empolgada e me abraça outra vez. só então noto seus olhos vermelhos e inchados.

- Que carinha é essa, pequena?- pergunto acariciando seu rosto.

- Aconteceu uma coisa.- ela funga e dá uma risadinha.

- O que aconteceu?- encaro-a confuso.

- Se afasta um pouco.- apenas faço o que ela pede e me afasto lentamente. S/n se abaixa e segura James em pé no chão.- Pega o papai, meu amor.- ela diz e eu arregalo os olhos quando o pequeno se solta dela e vem correndo em passinhos desengonçados na minha direção. Começo á chorar emocionado quando sou envolvido pelos bracinhos pequenos e gordinhos do meu filho.

Zayn:

Suspirei ao ouvir Oliver chorar mais uma vez. O bebê de apenas seis meses estava com cólicas e isso o fazia chorar o tempo todo.

— Minha vez. — Resmunguei me levantando. s/n continuou na cama. Caminhei até o quarto de Oliver e peguei o pequeno no colo e acariciei sua barriga. Oliver continuava chorando.

Comecei a balança-lo em meus braços, mas não deu certo.

Comecei a cantarolar uma música de ninar que minha mãe cantava para mim. Oliver ficou quietinho, e ergueu uma mãozinha até meu rosto.

— Você gosta dessa música? — O bebê ficou me olhando com um pequeno sorriso no rostinho.

Voltei a cantar, Oliver brincou com a minha barba até seus olhos pesarem e ele pegar no sono. Sorri e o larguei no berço, beijei sua testa e voltei pra cama.

Liam:

— Bom dia, amor.— Falei assim que vi Liam entrar na cozinha, ele murmurou um bom dia e pegou uma caneca de café. — Vai trabalhar hoje? — Ele negou com a cabeça. — Vou ao mercado, ok?— Ele não disse nada, me aproximei e deixei um beijinho em sua bochecha.

Peguei minha bolsa e saí, fui até a farmácia e comprei o teste, depois fui ao mercado e comprei algumas coisas para fazer o bolo que levaria para a família de Liam.

— Amor. — Chamei ao chegar, mas não tive resposta. Larguei as compras na mesa e fui a sua procura. Ele estava no quarto que havíamos arrumado para o nosso filho, há alguns meses descobrimos que eu estava grávida, mas sofri um aborto espontâneo, isso destruiu Liam.

— Eu teria sido um bom pai. — Ele sussurrou, sua voz estava embargada. Abri um pouco a porta, ele não me viu.

Liam estava sentado no chão com algumas roupinhas no colo e o urso de pelúcia que comprou no dia que lhe disse que estava grávida.

— Eu poderia ter cuidado dele. — Senti uma lágrima escorrer pelo meu rosto, fui até o banheiro e tirei o teste da bolsa, conhecia o procedimento.

Rezei enquanto esperava a resposta, e então… Positivo.

Fechei meus olhos e agradeci.
Escondi a caixinha do teste e fui fazer o bolo, logo Liam apareceu, seu rosto estava vermelho e inchado.

— Então. — Ruth falou mais alto na sala. — Quero dar esse presente para o melhor pai do mundo. — Estendeu a caixa azul ao pai, que sorriu, todos sorriram, menos o meu Liam. Estava na hora.

— Também quero dar um presente. — Me levantei, chamando a atenção de todos.
Entreguei a caixinha preta a Liam, ele sorriu de lado e sussurrou “não sou pai, s/n"— Apenas abra.

Liam abriu a caixa e uma lágrima escorreu ao ver os sapatinhos brancos ali, ao lado do teste que eu havia feito.

— Amor.— Ele levantou e me abraçou forte, todos sabiam o quanto aquilo significava.— Eu te amo tanto.

— Eu também te amo.— Encostei nossas testas. — Feliz dia dos pais, Amor.

Pedido: Quero um do Zayn que ela é bem novinha tipo uns 16 ou 17 e fica grávida dele e ele conta pra família e a reação deles não é das melhores”

Queria pedir perdão por ficar tanto tempo sem postar, mas é que estava ocupada com algumas coisas aqui, enfim espero que gostem e desculpem os erros!


Droga, droga, droga.
Minha mente gritava e eu tentava me controlar para não gritar, não podia estar acontecendo isso, não agora, somos tão novos, principalmente ela que ainda nem entrou na faculdade.
Eu e (S/N) namoramos a um ano, minha família e a dela não sabe, apenas a minha mãe e a dela, temos receio de contar por medo de nos separaram, já que ela tem apenas 17 anos e eu, 23 anos, mas agora teríamos que revelarmos tudo para eles sobre o que temos, ainda mais agora que ela está gerando um filho meu na barriga.
- Olha, eu vou entender se você não quiser assumir, sei que não é o certo, mas eu posso ir embora, tenho uma tia em Paris e posso morar com ela- Ela disse cabisbaixa e eu a olhei negando.
- Não (S/N), iremos assumir esse filho juntos, você não fez sozinha e eu não vou permitir que você saia de perto de mim. - A puxei a abraçando forte. - Agora somos eu, você e esse bebê contra o mundo.
•••
- Hey meu filho, que saudades! -  Minha mãe me abraçou e eu retribui - Olá querida, seja bem vinda.
- Mãe, o papai está aí? - Eu perguntei depois de ver as duas abraçadas.
- Está sim, já está descendo, vamos almoçar juntos. - Minha mãe estava empolgada e eu suspirei já receoso pelo o que estava por vir.
Depois de todos já terem almoçado, eu ainda formulava um jeito de contar a eles, quando contamos para a família dela, a reação foi como a esperada, todos ficaram bravos, mas depois disseram que iam nos apoiar, já com minha família, não sei se vai ser o mesmo, é bem capaz de ser mil vezes pior.
- Eu e (S/N) temos algo a contar- Eu comecei e vi todos me olhar, senti a mão da minha garota apertar a minha e eu suspirei nervoso. - Iremos ter um filho.
- O QUE? - Minha mãe gritou batendo na mesa levantando logo em seguida- Zayn você é muito novo, ela também é, VOCÊS TÊM NOÇÃO DO QUE É TER UM FILHO?
- Não mãe, mas já que temos um bebê sendo gerado, precisamos arcar com as consequências de nossos atos- Eu disse tentando me controlar vendo meu pai me olhar com chateação nos olhos.
- Ela fez isso de propósito, você é famoso Zayn, ela não tem onde cair morta, É UM GOLPE- Meu pai disse e pude ver (S/N) cair no choro antes de sair correndo para fora da casa.
- VOCÊS DOIS PODEM PARAR OU VOCÊS ACEITEM QUE EU E ELA VAMOS TER UM FILHO, OU IRÃO PERDER O ÚNICO FILHO HOMEM DE VOCÊS - Eu disse áspero indo atrás da minha namorada.
Ver ela chorando sentada na grama me partiu o coração, talvez a minha frase faz sentido mesmo, sempre vai ser eu, ela e nosso filho contra o mundo.
- Não chora pequena, iremos ter nosso filho com ou sem ajuda dos meus pais, vai dar tudo certo- Beijei seus cabelos e ela encostava a cabeça no meu peito- Eu te amo, amo nosso filho e isso que importa agora.

✿ Status: Variados ✿

À noite é das putas, dos poetas e dos que morrem de amor.

Um café e um amor, quentes por favor.

Que toda dor seja breve, e todo amor se revele.

Mas você acabou sendo a porra do amor da minha vida.

Chega garota para de drama, você queria amor e ele queria cama.

O amor é um avião e eu sou as torres gêmeas.

Desde quando a gente tem que implorar pra alguém ficar? Mesmo que a vontade inunde nossa alma, amor não se implora.

Me dói te libertar, mas tu não ia conseguir me acompanhar.

Está tudo sob controle, pensei. Meu coração apenas riu.

Quando ta apaixonada, é fácil notar, sorriso meio bobo, sabe como conquistar.

Toma vergonha na cara, põe a mão na consciência, quem não da assistência, perde pra concorrência.

Seja feliz, como for, com quem for, por favor e por amor.

A alma não teria arco-íris se os olhos não tivessem lágrimas.

E quando vier a chuva, tenha um arco íris na alma para brilhar.

Quando a gente abre os olhos, abrem-se as janelas do corpo, e o mundo aparece refletido dentro da gente.

Eu não queria me apaixonar, não mesmo. Mas, em algum momento você sorriu, e, puta merda, estragou tudo.

Sem você todas as outras estações são invernos.

Nunca permita que sua felicidade dependa de algo que possa perder.

Se do caos surgem estrelas, sou feita de constelações.

Ela amava a chuva, devia ser por isso que seus olhos choviam todas as noites.

Ta sentindo minha falta é? Agora eu digo beija tua liberdade e abraça teus amigos.

[…] Na tarde de sábado, nublada, e fria, eu estava perdida, precisando de um, abraço quente e longo, onde me aconchegaria até o fim da vida, não fazia mal, ficar naquele abraço até mesmo, no calor, sério, eu não me importava.  Eu conheci uma amiga, para quem eu corria quando as coisas começavam a soar tristes. Ela era calada, mas dizia sempre que estava ali por mim, e que se eu achava que não tinha ninguém, estava enganada, eu tinha ela. Meses se passaram e lá estava ela, me consolando quando tudo parecia perdido. Eu dei a ela o nome de ‘’Querida Lâmina’’, minha amiga querida, e única… Um ano antes de conhecê-la, eu julgava quem era amiga dela, algumas garotas da minha escola, viviam com ela grudada nos pulsos, eu duvidava que aquilo, poderia fazer algum bem, sempre as via tristes, mas nunca sem a Lâmina. […] Depois que comecei a fazer parte daquilo, não julguei mais ninguém sobre nada, todos tinham seus motivos, que justificam suas ações, eu sabia por que estava fazendo aquilo, me sentia perdida, só queria algo concreto, que não fosse se perder com o tempo, ou me abandonar, como todos fizeram. E sim, eu te entendo, moça (o), eu entendo por que confia a deixa-la te tocar. No começo, é só uma experiência, pra saber como é a sensação, depois, se torna diário, parece que a Lâmina começa a falar com você, te fazendo se cortar e observar o sangue escorrer em seu braço ainda mais, depois se torna um vício, se você não se corta você não vai sobreviver ou ao menos ficar bem durante todo o dia. São fases, e são inevitáveis, as pessoas que julgam isso, vão passar um dia, por que é quando você chega à ponta do abismo, e todos os problemas vão te empurrando cada dia mais, pra frente, até que finalmente, cai… As pessoas se foram, mas a Lâmina ainda está lá, te esperando. Eu sei que as coisas estão confusas até aqui, você não sabe se isso te cura, ou se está te destruindo ainda mais, ninguém entende você, e os poucos amigos que restaram acham que você deve alguma explicação, sobre cada cicatriz. Mas quer saber, você não tem que dizer nada, se eles são seus amigos não vão desistir de você. Eu acho que os cortes são o coração mostrando as cicatrizes que estão sangrando nele. Eu superei, e não vou dizer que foi fácil, fácil foi começar tudo isso, não havia um lugar sem cicatrizes e sangue no meu corpo, eu vivia no escuro com a tela do computador iluminando as minhas lágrimas, que duravam durante horas. No inicio, foram poucos,  depois eu não tinha mais controle sobre mim, fui me afastando de todo mundo, ninguém entendia as blusas de frio, no calor escaldante, ou a cabeça abaixada à manhã inteira, e a porta trancada do quarto durante a noite. A minha mão descobriu, ela não sabia o que fazer, então, não disse nada.  Foi aí que comecei a piorar, só saia pra ir pra escola, quando ia, e depois não sai nem mesmo pra ver a claridade do dia. Os motivos?… Ausência do Pai, Racismo na escola, Bullying, Ausência Familiar, Abandono dos meus amigos. Tudo dava errado, eu passei um inferno durante dois anos, não contava a ninguém, não estava fazendo aquilo pra chamar atenção. Um dia eu cansei, abri meus olhos e percebi que não adiantava nada, eu estava cega, e precisava de algo pra acreditar, mas não era real. Comecei a ouvir músicas diferentes, mais animadas, parei de ficar no escuro, comecei a sorrir, estava fingindo, mas precisava tentar, passei horas treinando no espelho pra não parecer forçado, enfim. Só havia uma chance, e eu sabia que era Deus, então comecei a frequentar uma Igreja, era animada, me lembrava de minha infância, ia a todos os Cultos, entrei no grupo dos jovens, e voltei a ler a Bíblia, levou tempo, mas eu fui parando, quando vi, não acontecia mais. Hoje ainda tenho recaídas, mas se você quer parar, tem que entender que não adianta somente ir a Igreja, ou ler a Bíblia, ou parar de ouvir músicas tristes. Precisa dizer adeus a ela, a todas as dores que carregou junto a ela, jogue todas as Lâminas no lixo, engula o choro e siga em frente. O seu coração precisa se curar, para de acreditar nela, você não está sozinha, eu acredito em você, tudo ficará bem menina corajosa. Vá em frente.
—  Querida Lâmina, Naiara Régis.