da da na na na

7

[  S O N G  ]


@chlxrokiinetic @gale-the-stand-user

00h28

Antes eu passava noites em claro conversando com você, hoje não sei nem como te dizer “Oi”. Ainda tenho noites como essa, em que eu não consigo nem dormir porque você aparece de novo aqui me fazendo lembrar de todas as nossas madrugadas juntos. Me pergunto se poderia ter sido diferente quando estávamos juntos, se seria diferente agora que as coisas deram errado ou se duraríamos muito tempo.

E se eu tivesse te ligado aquela noite que cheguei bêbada em casa e falasse tudo o que sentia em vez de ter me trancado no quarto e chorado até adormecer? E se eu não tivesse lhe aconselhado a ir atrás da sua felicidade, será que eu conseguiria te fazer feliz e estaríamos juntos até hoje?

E se eu tivesse te enviado todos os textos que escrevi quando você invadia meus pensamentos, ou enviado todas as frases que escrevi quando assisti um ou outro filme de romance? E se eu tivesse lhe contado da minha coleção boba de livros de romance, se tivesse prestado mais atenção quando me contava sobre seu dia ou quando me contava seus planos para o futuro?

E se houvesse sinceridade desde o começo? E se me falasse que não havia superado um amor de infância? E se me contasse que era completamente apaixonado e amava outra garota quando em algum ponto comecei e deixar claro para ti sobre todos os meus sentimentos?  E se você tivesse me ligado na semana seguinte e tivesse dito que sente minha falta assim como eu sentia a sua?

No fim, criei coleções bobas que eu deveria me livrar, mas que nessas noites de insônia acabam ficando maiores. Coleciono sequências de “e se?” que poderiam ter acontecido. Coleciono centenas de mensagens que te escrevi e nunca tive coragem de enviar, dezenas de sentimentos que guardei e nunca te entreguei.

E se?

nadam se da će direktna i otvorena komunikacija biti trend u 2017. da si barem međusobno olakšamo život

Há exatos 1 ano, 3 meses e 9 dias, eu conheci um garoto, um garoto muito especial, um garoto sincero e muito simpático. A gente se conheceu na DM do twitter, não era uma daquelas amizades que a gente pensa “nossa, aqui tem futuro”, mas foi, a gente até passou noites em claro conversando, acreditam? Pois é, Ele era naquele momento o meu porto seguro, eu contava tudo pra ele e ele fazia o mesmo, até o dia em que brigamos pela primeira vez, é, a gente brigou, e eu nem me lembro o motivo, mas lembro que chorei muito . É, chorei por um garoto que eu certamente mal conhecia, e ele ficou muito mal também. Lembro quando a gente se acertou quando ele chegou do serviço, até fiquei brava com ele por ele ser tão babaca em ter ficado horas sem falar comigo. E então, a gente se apaixonou, ou eu me apaixonei. Mas sei que fui eu quem tomou a iniciativa de falar, de contar tudo o que estava sentindo. Mas gente, era reciproco, pelo menos era o que ele dizia, ele gostava de mim tanto quanto eu gostava dele. Pois é, estava namorando um garoto incrível e muito lindo. Namoramos mais ou menos uns 4 ou 5 meses, e foram os meses mais complicados da minha vida, porém cada segundo desses 5 meses foram os mais maravilhosos da minha vida. Mas se foram tão maravilhosos porque foram só 5 meses? Pois é, eu vacilei, eu não vi o que estava bem na minha frente, ou talvez eu tenha visto, mas não queria acreditar muito nisso, e ele cansou de mentir pra sí mesmo. Mas na verdade, eu não poderia ser a Myrella que ele conheceu, não depois de ver que estava o sufocando. E ele, bom, ele terminou de vez o nosso namoro, mas sempre com seu incrível jeito de ser, ele quis ser meu amigo, e foram os melhores 4 meses de amizade da nossa relação, ele não deixou de me chamar de “menina”, e eu amava, amava suas mensagens de “bom dia”, amava seus textos lindos sem motivo especial, amava cada detalhe dele. Mas a verdade é que ele só me tratou como tratava suas amigas, não o culpo, ele gostava de mim dessa forma, e já havia deixado isso claro com algumas atitudes, apesar de dizer o contrário, suas atitudes não negavam a nossa real relação. E ele precisou me falar que queria iniciar uma nova relação. E eu? Eu fiquei muito feliz por ele, porque o que eu sentia por ele ia além de amar, ia além de querê-lo pra mim, ia além de querer a nossa felicidade. Eu queria a felicidade dele, mesmo que pra isso eu precisasse desmoronar por um tempo, mesmo que pra isso eu tivesse que abrir mão da minha felicidade. Eu cedi, eu cedi por amor. E prometi que seria amiga dele independente da sua nova relação. E fui. Mas a grande verdade é que ele se foi antes mesmo de eu decidir me afastar, mas hoje em dia eu até agradeço, não nos falamos nem quando podemos, e ele, há, ele continua o mesmo, porém mais radiante, sua felicidade chega nos lugares antes mesmo dele chegar, sabe porque? Porque ele está com quem sempre quis. Mas a verdade é que quando ele se foi, levou uma grande parte de mim, e se eu tenho raiva dele? Sim, sempre que lembro que ele está feliz e apaixonado por outra e eu estou aqui ainda pensando e sentindo a falta dele. Podemos morar a mil km de distância, namorar, casar, ter filhos com outras pessoas, mas o verdadeiro amor a gente nunca esquece. Vejo ele falando dela e só consigo rir, porque na real, parece piada, coisa de outro mundo, e é coisa de outro mundo. Todos dizem que não dá para ser amiga de ex, mas sim, dá muito bem pra alimentar uma relação de amizade com uma pessoa que te fez muito feliz. Eu ainda sei a cor favorita dele, lembro de todos os defeitos e qualidades, lembro a data de aniversário, lembro que ele curte sertanejo e ama as músicas do Henrique e Juliano (ou amava), lembro que ele sentia prazer em acordar cedo pra trabalhar na área que ele gostava, ama na verdade, ele ama tudo o que faz. Queria que ele me visse agora, que visse a pessoa melhor que ele me transformou. Queria que ele soubesse que a nossa amizade não teve fim, ainda sou amiga dele. Na verdade e única verdade, só quero dizer que, Sim! Ele ainda consegue ser o amor da minha vida, mesmo distante, mesmo amando outra, mesmo me esquecendo… Eu o amo muito.
—   I Will Forgive.

— Ela tão linda! Não me canso de olhar para ela. Não me preocupo se ela é mais inteligente que eu: eu sei que é. É engraçada sem nunca ser má. Eu a amo. Sou muito sortudo por amá-la. Não dá para escolher se você vai ou não vai se ferir neste mundo, meu velho, mas é possível escolher quem vai feri-lo. Eu aceito as minhas escolhas.

Imagine Harry Styles

Pedido: “Faz um do Harry, que eles brigam em frente à família (por ciúmes da parte dela) e ela empurra ele, e ele torce o pé?! obrigadinha”. - Anônimo.

*******


O jantar da família do Harry estava ocorrendo tranquilamente, exceto pelo fato do Harry estar de papinho com amiguinha dele. Ta certo que eles não se veem a anos. Mas ele simplesmente se esqueceu de mim.

Eu me entreti com a Gemma, e uns primos seus que são bem legais, mas queria ele comigo. O que mais me irritava é que ele conversava animadamente com ela, ria, brincava, enfim. E nem se quer se lembrou de mim, ou me chamou para ficar junto. Ele apenas me excluiu.

Eu estava pegando mais um copo de bebida, quando senti uma mão na minha cintura.

- Oi amor! - ele sorri, e eu não respondo. - S/N?

- O que é? - disse seca.

- Tá tudo bem?

- Tudo ótimo! - ele me encarou por alguns segundo e colocou uma mecha do meu cabelo para trás da minha orelha.

- Vamos sentar ali, quero ficar com você! - ele diz segurando minha mão, mas rapidamente a solto.

- Agora você quer ficar comigo? - ele me olha confuso. - Vá lá ficar com a sua amiguinha. - ele me encara sério.

- S/N, pelo amor de Deus, não vai me dizer que você está com ciume? - arqueio a sobrancelha. 

- Não é ciúme. Só achei falta de respeito você simplesmente de deixar sozinha e ficar de papinho com aquela lá, como se eu não existisse. - ele bufou. 

- Falta de respeito? Te deixei sozinha? - revirou os olhos. - É a minha família, e não um bando de desconhecidos. 

- Mas tem muita gente aqui que eu não conheço. 

- Tipo?

- Tipo seus tios que moram no Canadá, tipo aquele grupinho de amigos seus ali, que estavam fazendo uma viagem pelo mundo, ou seus primos que estavam na Irlanda e Alemanha. - ele me encarava e ouvia o que eu tinha pra dizer. - Se for ver bem, eu não conheço mais da metade das pessoas que estão aqui. 

- Você não ficou sozinha. Eu vi você conversando com bastante gente aqui. - ele esbravejou. 

- Porque a sua irmã fez a gentileza de não me deixar sozinha, coisa que o meu noivo não fez. - disse no mesmo tom que ele.

A essa altura do campeonato todos ali já estavam ouvindo a nossa briga e olhavam para nós. Mas eu não estava nem me importando…

- S/N, vamos conversar sobre isso depois. 

- Ah, claro. Se fosse com você, você já iria querer ir embora. Mas quando é comigo, não posso nem achar ruim. - reviro os olhos. 

- Tudo isso por um ciúme besta. 

- Besta? Você não se dá nem ao trabalho de trocar uma única palavra durante a noite toda, fica de papinho com aquela sua amiguinha enquanto eu fico sozinha, e só no fim na noite, quando mais da metade já foi embora, você resolve vir ficar comigo? E é ciúme besta? Ah, me poupe. Isso foi uma tremenda falta de respeito. - digo alto. 

- S/N, vamos conversar lá fora. - ele segurou meu braço.

- Não, Harry. Eu não vou. - tentei me soltar, mas foi em vão.

- Vamos conversar. - me puxou.

- Eu já disse que não vou. - disse e o empurrei. 

Eu não sei o que aconteceu, mas acho que ele pisou em falso, torceu o pé e acabou caindo co chão. 

- Jesus! - me desesperei. - Você está bem? - disse agachando ao seu lado. 

- Não! Tá doendo muito. - sua feição era de dor. 

- Me desculpa, eu não queria te machucar! 

- Tá tudo bem… Ai! - gemeu. 

- Vem, vamos pra casa! - ele se levantou, com ajuda dos seus primos, e o levaram até o carro, e dirigi até a nossa casa. Lá eu cuidaria dele…


[…]