corvines

anonymous asked:

Imagine an AU where Magnus actually makes it to Auranos and Is taken in by the Bellos family. That is all.

OMG @nothin2c were just talking about this!

It would be so great. Magnus then might be a little shy/reserved, but he wouldn’t be as damaged as he is now. Corvin would tell Cleo and Emilia that they need to help Magnus feel adjusted and they spend lots of time helping him get used to the Auranian ways. Cleo is especially interested in drawing him out and getting him to let his guard down. And of course, since it’s Cleo, he’ll eventually let her. It would have been so interesting to see a less grumpy Magnus who grew up having lots of fun and attention and not under constant scrutiny and fear. 

flickr

Essaouira B&W (4) by David Corvine
Via Flickr:
Essaouira, Morocco. Shot on 35mm film and scanned.

flickr

EssaouiraOlypus35mm (2) by David Corvine
Via Flickr:
Essaouira, Morocco, shot on 35mm film and scanned.

ez lázálom, megint beteg vagyok

nagyvárad tér. régen hallottam ezt a számot, ezeket a sorokat, sokszor egy konyhában ülve, meg talán egy nappaliban, mindig kicsit feszengve, mindig kicsit zavarban, kicsi voltam még eléggé és tudtam is magamról, de sok volt már mögöttem akkor is, nem is szerettelek, te se engem talán (lehet mégis, ki tudja) ez nem is számított igazán,

klinikák. aztán én vagyok felül, ugyanaz a szám csak sokkal lágyabban, és egy másik arc tölti be az egész teremet, kellemes mozgás és szeplők, ez a szám innentől te vagy nekem, csúnya voltál és én nem láttam, mindvégig gyűlöltelek és ezt imádtam, de akkor ijedtem meg tőled először, fontos pillanat, életem egyik legrosszabb élménye voltál,

corvin-negyed. szorongok egy másik kézfogásban és csak hallgatom az ismerős sorokat, már megint ez a szám, mindig ez a szám, csak az jár a fejemben hogy kibújjak a kezedből, hogy elfuthassak szabaddá, csak egyedül ízlelni az éjszakai sötét fényeket,

kálvin tér. és most jöttem rá, hogy valami hihetetlen módon ez a szám szól a fejemben mikor a fülem mögé tűröm a hajam és a szemedbe nézek felülről és úgy igazán szeretlek és hirtelen csak leborulok rólad és leborulok az ágyról borzasztó esetlenül, mint valami őzgida,

ferenciek tere. ma hallottam azóta először a reptéren

Ascoltando la sinfonia del mare                                                                                                    

Nell'Area marina protetta di Tavolara, in Sardegna un'équipe di studiosi studia l'ecosistema del Mediterraneo attraverso la bioacustica

Un tipico rapporto di commensalismo tra un gamberetto pulitore e una murena: il crostaceo libera  il pesce dai parassiti ricevendone in cambio protezione e un riparo sicuro.

Tra i suoni censiti, una particolare importanza hanno naturalmente le vocalizzazioni delle specie marine, in particolare dei pesci. Ancora non si conosce con precisione quante siano le specie di pesci che vocalizzano: nel Mediterraneo ci sono dati specifici solo su castagnole, corvine, cernie, pesci civetta, blennidi e  gobidi. “A settembre partirà una ricerca specifica per studiare i suoni emessi dalle aggregazioni di cernie, una specie molto attiva acusticamente parlando”, spiega Di Iorio.   Cantando, i pesci usano “nicchie acustiche” per non sovrapporsi e farsi sentire meglio: cantano ad esempio su frequenze diverse oppure si alternano in diverse ore della notte. E proprio il monitoraggio notturno è uno dei punti di forza del progetto in corso a Tavolara: il sistema ha permesso infatti di per la prima volta di ottenere registrazioni notturne complete.

di Sara Moraca - Fotografie di Davide Lopresti

flickr

Essaouira B&W by David Corvine
Via Flickr:
Essaouira, Morocco. Shot on 35mm film and scanned.

Um Encontro

Simone não se considerava a garota mais criativa do mundo, então seu encontro com Amanda seria perto de casa mesmo, no shopping. Comer algo, conversar e se beijar o máximo possível. A garota se arrumou, vestiu o melhor jeans que encontrou em seu armário, uma camisa da Corvinal e o único tênis que não parecia os restos mortais de algum animal. Exatamente ao meio dia, Amanda tocou a campainha. Fofa como sempre, ela simplesmente ficava adorável de jeans e camisa social. Simone não sabia como ela não derretia vestindo uma camisa de manga comprida, ainda mais porque sabia que tinha uma blusa por baixo.

— Para onde vamos, querida? — Amanda perguntou.

— Norte Shopping, como sempre.

— Você não é muito criativa para encontros.

— Cale-se.

Amanda riu, abriu a porta do carona para a namorada. O shopping não era muito longe, até dava para ir a pé. Entretanto, quem anda quase dois quilômetros no sol de Novembro no Rio de Janeiro? Alguns minutos depois, Amanda estava procurando vaga no estacionamento. Depois de achar sua vaga e estacionar, saíram carro. Estava abafado dentro do estacionamento, então foi um alívio entrar no shopping. Foram direto para a praça de alimentação e a psicóloga arrastou a garota direto para uma lanchonete que vendia pratos feitos. Depois de quase quarenta minutos, foram para uma mesa com as suas bandejas.

O prato não parecia tão bonito quanto era na foto, mas era até fofo. O feijão preto espalhado em um canto do prato, arroz e farofa em seus formatos perfeitinhos de copinho, carnes cheirosas, um pouquinho de salada e algumas batatinhas fritas. O copo de coca cola cheio, claro que tinha mais gelo do que refrigerante. Amanda rapidamente tirou o garfo e a faca de dentro do saquinho e rapidamente usou o garfo para desfazer os montinhos perfeitos.

— Estava fofo! — Simone protestou, ela estava desfazendo cuidadosamente um pedaço do montinho branco.

— Mas é pra comer!

— Você não se farta de ser uma esfomeada?

— Não — encheu o garfo — Deveria ter mais batata. E depois vamos tomar um sundae.

Simone riu e observou a namorada enfiar a garfada na boca. Preferia mil vezes um sanduíche gordo e saudável do Bobs do que aquela comida falsamente saudável. Mas, não era ela quem estava pagando então não reclamaria. Depois de rasparem o prato, Amanda entrou na fila para comprar um sundae. A garota segurou a mão da namorada, entrelaçando os dedos como sempre. Como ela estava, Amanda comprou apenas um sundae de chocolate.

Era um encontro simples, até rápido, mas não deixava de ser uma das melhores coisas que Simone poderia fazer.

a little bit of fun

@mon-sunlight

Já era noite e Lílian estava um pouco mais animada do que o costume para aquela em especial. Se havia alguma coisa que a Potter mais nova estava precisando era de sair e espairecer, e nada melhor do que um convite de alguns amigos para uma festinha particular. Depois de despistar amigos e família, ela se trocou, tirando as roupas da corvinal para colocar a roupa de sair. Com o sapato de salto, a blusa de manga cumprida e a saia de tom claro para diferenciar da blusa preta. Pegou a sua bolsa, colocando dentro dela o necessário para a noite, como o telefone e algum dinheiro e por fim o mapa do maroto, tocando com a ponta da varinha nele e murmurando “Eu juro solenemente não fazer nada de bom”, para poder sair pelos corredores sem ser pega por ninguém que fosse denunciá-la. Quando estava perto da passagem secreta, Lils tocou o mapa dizendo “Mal feito, feito”, para poder empurrar a estátua afim de sair de Hogwarts para ir à Hogsmeade.