corta das

Un hombre maduro amara las estrías, las arrugas, la edad, la estatura, los defectos, los antojos, las celulitis, los días del mes, la libertad, sus ocurrencias, sus metas, ambiciones, y cada detalle que hace “perfecta” a una mujer. Nunca querrá cambiar nada de ella, simplemente le ayudará a crecer, ayudará a que tenga sed de ser mejor que ayer. Porque un hombre maduro no cambia un hombre maduro ayuda a crecer y evolucionar. Un hombre maduro te da alas, no te las corta. Te da la mano cuando estás en el suelo, el hombro para que llores cuando ya no aguantes más, sus brazos cuando no te sientes segura, y su calor cuando sientas frío.

Que sí,
que yo no hurgo en la herida
para sentirme en casa,
que a veces no llevó sujetador
y uso faldas cortas porque me da la gana.

Que sí,
que a veces no sé a qué dirección
se giran mis pies, y que me limpio
la cara con el agua que escurre de mis lagrimales
-vaya que me veo guapa cuando
llevo más de dos días sin dormir.


Que sí,
que no voy por el mundo
mirando a qué sentido gira mi cabello,
que a veces camino descalza, 
y ya no hablemos de nubes,
porque todas están en dónde
apuntan tus dedos,
en dónde tú habitas.


Que sí,
que a veces no llego a casa
por andar volando,
y que a veces,
dejó hundir mis tetas en su espalda,
porque me siento en casa.


Que sí,
bebo y fumo
y follo y me suelto el pelo
y doy por culo a quien no órbita
en la misma sincronía que mi tripa.


Que sí,
que llego tarde y que por eso no llevó
sujetador; que me he olvidado el par de
medias debajo de ala izquierda.


Que sí,
que a veces duelo,
pero existes en el mismo plano.

—  Álex Hernández. No hablemos de musas, porque nadie jamás te verá como lo hago yo. 
Hoy es un día de esos.

Hoy es un día de esos que no, que ojalá no lo fueran. Hoy es un día de esos que recuerdas, pero no por lo bueno. Hoy es un día de esos en los que pasa todo y nada, y sobre todo nada.

Nos dicen que hay que luchar, y luchamos. Luchamos por lo que queremos, por seguir adelante, por darle importancia a lo bueno sobre lo malo, y por hacer que lo malo sea menos malo. Pero no siempre es fácil. Y puede que ahí esté el encanto. De todas formas, ¿no se supone que los malos momentos están para que le demos valor a los buenos? Una película, sin su malo, no sería una película, por lo menos no una digna de ver. ¿Qué habría sido de Batman sin el Joker?

No ha sido una buena semana, tampoco una mala, o quizá simplemente sea que estoy aprendiendo a sobrellevarlo mejor todo, y que ya lo malo no es tan malo, aprendo a aceptarlo y a abrazarlo como algo mío, como algo que al fin y al cabo está formando mi personalidad, o persona. De todo un poco.

Prefiero no mirar atrás porque probablemente solo haya cierta decepción, porque me apostaría cualquier cosa a que hace un año probablemente soñase con estar mucho más lejos, y francamente, me parece que el avance no ha sido escaso.

No pierdo las ganas, o por lo menos quiero pensar que no lo hago, al final la vida es como tú quieras tomártela. Tú decides si quieres nadar hacia la orilla, aunque las fuerzas flaqueen, o si prefieres dejarte llevar.

Seguirá habiendo momentos malos, pero si por algo merece luchar, es por seguir adelante. La vida es muy corta y raras veces da segundas oportunidades.

Hoy es un día de esos que, aunque haya piedras en el camino, no voy a dejar avanzar.

Tarde

Justo en ese momento se dieron cuenta que siempre estuvieron destinados a estar juntos, pero ya era tarde, ya habían hecho sus vidas con otras personas, sus pieles estaban viejas y sus ganas de vivir marchitas; sólo se miraron un segundo o quizás menos, uno en el que no hacían falta palabras o movimientos, sólo ellos, sus ojos, un pasado que no fue, un presente que no es y aunque les duela mucho, un futuro que no será.

Sasusaku - Boruto - Screenwriter (guionista) - 2,5 minutes date - News -

ENGLISH-ESPAÑOL

Sourcehttps://twitter.com/hon_da/status/890062375755415552

Para los que se preguntan quién es él, Honda- san es el guionista de Boruto.

En su cuenta de Twitter unos fans le preguntaron sobre el Sasusaku y su preocupación por la relación de Sasuke, Sakura y Sarada.

Clea:

Hola! Estoy preocupada: Cuando Sakura dice que Sasuke no podría recordar su cita, fue muy corta, me da la sensasión de que a él no le importa (Sakura).

Pienso que Sasuke ama a su familia y me gustaría verlo. De todas maneras disfruté el episodio. Perdón no hablo japonés.

Honda-san:

Gracias por contactarme. No hay manera alguna de que Sasuke no ame a su familia, él pudo haber malentendido esa “cita” como un encuentro casual (refiriéndose a la pregunta de Clea sobre la cita).

(*) Recordar que la única que consideró como “cita” ese encuentro fue Ino… Sakura tampoco lo consideró así.


Liona:

Su falta de respuestas (o interacciones, de presencia  por parte de Sasuke) me hacen ver esto como algo unilateral. Sarada no pudo venir (nacer) sólo de Sakura…

(*) La pregunta es muy ambigua, pero pienso que quiere decir, que tuvo que haber amor y romance para que naciera Sarada y con lo poco que muestra Pierrot, parece que no (es mi interpretación).

Honda-san:

Perdón, no entiendo qué quieres decir, mi inglés no es bueno.

Liona:

Perdón por eso!( por no darse a entender bien), Por favor, muestren escenas de romance de Sasuke a Sakura “explícitas”.

Honda-san:

Por favor, esperen los espisodios 19 al 24 sobre la historia de Sarada. Todas las respuestas estarán ahí.




Traducción al español por @mapacheblog7 (Dratini)

merde leghiste

Noi italiani abbiamo la memoria corta, forse troppo. L'abbiamo così corta, da non ricordare che il fenomeno dell'immigrazione, non è nato con i siriani l'altro ieri ma con gli albanesi negli anni ‘90. Quando gruppi incontrollabili di persone scappavano dalle loro terre, martoriate da una guerra, che di conflitto aveva ben poco. Un conflitto che nascondeva esecuzioni di massa, fosse comuni, stupri e mutilazioni. Nemmeno tanto lontano da noi, a qualche ora di navigazione, dall'altra parte dell'Adriatico. In italia invece, mentre noi attuali over 30 ci segavamo guardando le letterine di Gerry Scotti, un manipolo di personcine dai denti aguzzi, con le manine avide e sudaticce, si leccava i baffi attendendo che i giovani profughi, finissero nell'allora terra promessa. La pianura padana. Parecchi proprietari terrieri veneti, videro nel dramma, una fonte di reddito, e accolsero ben volentieri l'orda comunista, da piazzare un po’ qui e un po’ la, tra campi di barbabietole, vigneti, allevamenti e tutta una serie di attività lavorative, mal pagate e ai limiti del decente e del consentito. Quello che non venne calcolato però, è il fattore riproduzione, e a quanto pare, anche nei paesi dell'est si tromba e si sfornano figli. Nel giro di non molti anni, il giocattolino che servì a rendere ricco il veneto, iniziò a sfuggire di mano, e tra la popolazione iniziò a nascere il malcontento. La lega, stava muovendo i primi passi. Tra lo sconforto generale, e la decadenza di uno sviluppo industriale, nato bene, ma finito malissimo ( non per colpa dei profughi, sia chiaro ) i leghistelli in salsa “ i wanna be” intortavano discorsi fascistelli nelle piazze. Discorsi che prendevano alla pancia, che tecnicamente uno dice: “però a ben vedere…” e invece a ben vedere un gran cazzo. Da qui in poi, la storia di come queste merde siano salite sulla cima del monte per poter dire la loro, la conosciamo un po’ tutti. Questi figli di troia però, bazzicano tra di noi, e continuano a fomentare venti di odio e razzismo. Uno di questi, l'ho beccato l'altro ieri nel centro di Sarzana, mentre ad uno spaesato ed interdetto ragazzo, (suppongo fosse Nigeriano) ripeteva frasi tipo: “cosa ci fai tu qui?” fino ad arrivare alla sempreverde: “tornatene a casa tua”. Solo l'intervento della mia ragazza, tenendomi in disparte e tirandomi per un braccio, ha evitato che al sacco di merda con la polo verde mela, gli sfilassi dal cranio la faccia come fosse una maschera di carnevale. Tremavo dal nervoso ed ero intenzionato male. Comunque non è andata come volevo. Mentre la mia donna mi abbracciava tranquillizzandomi, il leghistello s'era già defilato con la sua prole del cazzo e della merda. Raggiunsi, a sangue freddo il ragazzo, gli diedi qualcosa, e abbracciandolo gli dissi che non siamo tutti così. Gli chiesi scusa da parte mia e incrociando il suo sguardo, vidi lo sconforto, ma poi mi sorrise. Con ciò cosa voglio dire. La violenza è sbagliata, sempre. Ma difendere chi non può è un nostro dovere morale. Verso chi non ha la nostra stessa possibilità di grattarsi i coglioni la sera sul divano, e mettere su pancia strafogandosi ogni giorno. E anche per dare un chiaro segnale a chi la pensa diversamente, che non è dalla parte della ragione, sperando che un barlume d'intelligenza, possa attraversare lo strato di limo che avvolge il cervello di questi spastici della fava.

.

“Un hombre maduro amara las estrías, las arrugas, la edad, la estatura, los defectos, los antojos, las celulitis, los días del mes, la libertad, sus ocurrencias, sus metas, ambiciones, y cada detalle que hace “perfecta” a una mujer. Nunca querrá cambiar nada de ella, simplemente le ayudará a crecer, ayudará a que tenga sed de ser mejor que ayer. Porque un hombre maduro no cambia ,un hombre maduro ayuda a crecer y evolucionar. Un hombre maduro te da alas, no te las corta. Te da la mano cuando estás en el suelo, el hombro para que llores cuando ya no aguantes más, sus brazos cuando no te sientes segura, y su calor cuando sientas frío.”

Are You Mine? - Capítulo 5 (FINAL)

Amanhã já é segunda novamente, foi uma semana bastante estranha para dizer a verdade. O que eu pensei que não viveria em uma ano, consegui fazer em uma semana. Mas não que isso me traga felicidade ou algo do tipo agora.

As palavras de Jeon ecoam na minha cabeça com diversas perguntas. “Eu quero você”. Naquela hora eu podia jurar que também o queria, mas agora…ele só parece meu amigo de sempre Jeon Jungkook, não aquele garoto o qual troquei beijos ontem à noite. Não vou negar que foi bom, foi ótimo, mas naquele momento.

Meus sentimentos atuais são: fome e sono. Acho que é isso o que me importa atualmente. Saio do meu quarto em direção ao refeitório, posso comer um prato de pedreiro agora. No corredor eu encontro Jungkook como uma cara amassada como se não tivesse dormido quase nada.

-Nem parece o menino que levantou cedo ontem.

Ele ri e passa seu braço ao redor dos meus ombros, nos guiando para o mesmo destino, comida!

••••••●●●●●●●●●●●●●●●●●●●●●●••••••••••••●●●●●●●●●●●●●●●●●●●●●●••••••

Eu e Jeon estamos sentados à mesa comendo o almoço, nada muito saboroso. Tenho que repensar se vale a pena ficar na escola no final de semana, a comida de casa é tão melhor do que a daqui. Posso me dar esse luxo de vez em quanto.

Uma figura familiar se aproxima de nós, me deixando de cara fechada. Nenhum pingo de emoção consegue ser desvendado em meu rosto agora. Com seu cabelo loiro e sorriso aberto ela se senta com a gente.

-Oi gente! Eu vim fazer um trabalho com a minhas amigas hoje a tarde e vi vocês, tive que passar para dar um olá. A propósito, meu nome é Hanna.

Ela estende a mão para Jungkook e este a aperta com cuidado. Ele não deve fazer a menor ideia de quem é essa garota. Que tal eu dar uma ajudadinha?!

-Ah Jeon, ela é a ex namorada do Jimin. Para falar a verdade eu não sei se é ex ou atual…vive correndo atrás dele. Acho que até já voltaram.

Meu amigo arregala os olhos com minhas palavras, mas vejo em seu rosto que está segurando o riso. Que feio, Jungkook, rindo de uma pessoa que você nem conhece. Já a menina fica paralisada, ela sentiu o efeito de meu rude comentário e parece estar digerindo tudo isso ainda.

-Eu realmente tentei voltar com ele sim, até saímos ontem, sabia?- Sua voz sobe um pouco de tom.

-Nossa, que interessante hem.- Dou de ombros.

-Eu pedi uma chance para mostrar que foi um erro ele ter terminado comigo. Nós nos divertimos…mas- sua voz adquiri um ar melancólico o qual eu nunca vi – mas ele sabe muito bem o que quer. Acordou decidido. Falou que só conseguia me ver como uma amiga. Nada além disso.

O muro construído ao redor do meu coração desaba. Essa discussão parece inútil agora. Ele não a quer. Mas isso não é o suficiente para mim, ele não pode querer mais ninguém. Só de pensar nisso me machuca. Eu não quero Park Jimin com mais ninguém exceto eu. Eu fico sem saber o que falar, dou sinais de que vou começar a gaguejar.

-Você falou com ele pessoalmente hoje?- Jungkook corta o assunto rápido.

-Falei, ele estava terminando sua mudança para escola. Realmente não sei o porquê ele está fazendo isso, nem tem motivo sabe?! E além disso, foi super rápido. No dia que me encontrou para convidar a participar do seu grupo, foi pedir a transferência. Ontem antes de sairmos ele terminou de assinar as papeladas para a mudança. E agora está arrumando suas coisas no dormitório.

Sinto como se todo meu mundo caísse em cima de mim. Será que ele fez tudo isso por mim? Não, isso parece impossível. Fico tão concentrada em meus pensamentos que nem reparo na saída de Hanna. Não duvidaria que minha comida já estivesse fria pelo tempo que passo pensando em tudo isso. Parece tudo surreal demais para mim. Eu me sinto incrivelmente feliz ao mesmo tempo que insegura. Porque apesar de achar que isso foi por mim, eu não tenho a menor prova de que é real.

-S/N.- Jungkook me tira do estado de inércia. Me trazendo de volta ao mundo real. Ele me olha serenamente. -Vai atrás dele.

-O que? O que você está falando?

-Estou falando da coisa que todo mundo notou menos você. Eu sei que o que tivemos foi incrível, mas foi algo muito mais do corpo, o que você sente por Jimin é algo grande demais, S/N. Você só não percebeu isso. Mas quando finalmente se ligar, não espere mais nenhum segundo para correr em direção a ele.

Ele sai da mesa levando nossas tigelas. Preciso de ar. Saio do refeitório em direção ao jardim. Fico andando sem rumo por ele, sem reparar muito no ambiente em si.

Jeon está certo. Tudo com ele foi mais certo do que duvidoso, eu sempre tive certeza de meus sentimentos por ele. Amizade. Companheirismo. Atração. Já por Jimin foi tudo obscuro, talvez a máscara melhor amigo não tenha ajudado. Ela só me fez confundir ainda mais.

Eu começo a andar mais rápido.

Talvez eu me sinta bem perto de Jimin porque eu simplesmente não quero sair do lado dele, quero o ter a cada segundo de minha vida. Talvez eu odeie o fato dele se interessar por outra garota porque eu quero ser a única menina que ele olhe. Só eu. Por que?

Agora eu sei o motivo.

Lágrimas começam a sair dos meus olhos.

Eu preciso o encontrar.

E de repente eu estou correndo. Quero o achar o mais rápido possível. Ele deve estar nos dormitórios. Como eu pude ter sido tão burra, tão cega, por tanto tempo? 

Minha falta de atenção ao ambiente comete um erro grave. Eu bato com força em uma pessoa que estava em  meu caminho. Ela me segura com força para não cairmos.

-Obrigada- Digo rapidamente. Até perceber que essa pessoa era o meu Park.

-S/N! Você tá bem? Vai acabar matando alguém assim!- Ele sorri, aquele sorriso que nem dá para notar seus olhos abertos, aquele que meu amigo passa tua mão por teu cabelo e tudo parece completamente perfeito.

Eu paro na sua frente. Ofegante. Olhando para seu rosto, sem coragem nenhuma de falar.

-Me escuta.- Fico séria.

O tom sério das minhas palavras chamam atenção de Jimin, tirando o sorriso de seu rosto, que adquiriu uma expressão preocupada. Ele segura minhas mãos.

-Eu não sei o que você sente por mim. Mas eu vou ficar aqui, parada, esperando por você. Vou te esperar até o fim dos meus dias.Só venha em minha direção. Não importa quando tempo isso irá demorar…

Park Jimin me corta no meio da frase, dando um beijo em minha boca. Apesar de misturado com minha lágrimas ele era o beijo mais suave e doce que eu senti em minha vida.

Você é frágil em sua plenitude,
Que flutua a cima das pessoas.
Você ecoa esperança quando se mostra mais forte.
Você corta cada pedaço da carne para que a alma se restaure.
Você tenta, se quebra e levanta.
Você dança, sorri, canta…
Você cansa, porque todos nós cansamos. Você cansa, porque ainda é humana, grudada a grande vastidão do sentir.
- L

eu arranquei todos os pedaços bons em mim pra te fazer completa de novo, eu sussurrei no seu ouvido que eu te amava e que tudo ia ficar bem, eu estava do seu lado, eu sempre estive. eu te vi ir embora e voltar, quantas vezes você queria, eu sempre deixava a porta aberta e a luz acesa, e eu acho que você entendeu como um convite pra me usar de motel, você vinha me usava, sujava os meus lençóis e depois ia embora, voltava pra sua vida sem pensar na bagunça que tinha deixado pra trás. eu limpava o quarto, o espelho, colocava tudo em ordem -ou tentava- pintava as paredes, remendava os buracos, pendurava os quadros e fingia que tudo estava bem, mas o seu perfume continuava impregnado em mim. eu te deixei voltar vezes demais e todas as vezes você me bagunçou um pouco mais, todas as vezes você fez buracos maiores e os remendos pararam de fazer efeito. eu me sinto perdida no meio de um furacão, todos os meus móveis, quadros e minha tinta foram arrancados de mim, eu me sinto tão exposta e nunca que sair na rua me dói, olhar as pessoas nos olhos e dizer que tá tudo bem me corta e rir das piadas que me são contadas me faz cada vez mais triste. eu sinto como se você tivesse me fechado pra visitas, eu me sinto tão trancada dentro de mim, tão jogada no escuro. hoje na aula o professor disse que nem sempre nos lembramos das memórias como elas realmente são, que podemos inventar partes e incrementar nossas histórias, foi isso que eu fiz com você? eu te montei e pintei do jeito que eu quis? fui eu que não quis perceber o quanto você me machucava enquanto levava cada pedacinho de mim? me conta, por favor, eu preciso saber. enquanto eu escrevo isso sem saber se você vai ler eu choro, e cada átomo meu chora comigo, eu sinto os seus dedos sujos de desamor me tocando e vejo os seus olhos mentirosos me fitando, eu quero gritar e correr e dizer que eu não te quero mais, eu quero enfiar os meus dez dedos na garganta e vomitar todo o amor que um dia já senti por você, ou por quem eu inventei. eu quero me arrumar e receber um amor que vai me reinventar, que vai pintar as minhas paredes, que vai enfeitar os meus olhos, que vai me encher e me transbordar. 

🌸Status para Amigas!!👭🌸

A amizade é um laço que tempo não destrói e a distância não desata!🎁🎀

Se para ter sua amizade é presciso lutar….tchau , estou indo a guerra!💪👊

O verdadeiro amigo é aquele que chega qnd todos se vão….❤

Ter um amigo(a) é saber que tem uma pessoa que podemos contar nas horas difíceis!👭

Fique velha , fique caduca mas nunca esqueça da sua amiga maluca!!😂😉💋

Corta se a raiz da flor 🌸
Corta se a raiz da árvore 🌳
Mas não há Machado que corte a raiz da nossa amizade!!❤👭🎀🙈

Os verdadeiros amigos são aqueles que sobrevivem ao tempo!!👊

Amiga vc é que me faz feliz mesmo qnd a vida me faz triste…😊😘

A verdadeira amizade não pode ser encontrada ela é uma cortesia de Deus e sempre aparece na hora certa!👌💙

A Amizade é igual saudade nunca nos damos conta do seu verdadeiro valor até que perdemos!😢

Espero de gostem!!❤💋

  • Él: Sagitario.
  • Ella: Acuario.

Petición de laconchetuperra en este ask.

De como Sagitario y Acuario están saliendo pero no se dan cuenta… o algo así.

(Sí, ya me gustó hacer títulos sin gracia como éste :P)

Libra miraba a Sagitario y Acuario estudiar juntos en la biblioteca de la universidad. Se habían apartado un cubículo entre los cuatro (el cuarto miembro era Capricornio, que estaba demorando mucho en el baño por culpa de unos burritos que se había comprado en la cafetería hacía una hora) porque era el numero mínimo de personas necesarias para hacerlo.

Al principio Libra pensó que iba a ser un grupo de estudio como el que había tenido con Cáncer, Escorpio y Leo, donde todos estudiaban, explicaban sobre lo que cada quién era mejor y utilizaban la pizarra para responder sus dudas, pero la realidad no podía estar más lejos. O sea, Sagitario había estado pegado a Acuario (la cual no parecía realmente molesta por esto en absoluto) durante los últimos treinta minutos. Nadie había aportado nada sobre Contabilidad de Costos y mucho menos sobre Derecho Fiscal. ¡Y los exámenes eran en dos días! ¡En dos días!

Bien, para ser más precisos, sí, Acuario y Sagitario sí habían estado aportando cosas e intentando algo así como resolver sus dudas sobre ambas materias… ¡pero entre los dos! ¡¿Qué clase de grupo de estudio era ése?! Y ni siquiera, maldición, lo hablaban como unas personas normales. ¡Noooo! La pobre de Libra tenía que sorportar cómo Sagitario invadía peligrosa y sospechosamente el espacio personal de Acuario, se pellizcaban las mejillas, rozaban sus manos ‘accidentalmente’ y se llamaban ‘tontita’ y ‘cosota’ (ése último apodo le parecía raro a Libra) frente a ella. ¡Que ella no había aceptado estudiar con ellos para verlos coquetearse!

Keep reading

Happy Birthday - Imagine Namjoon Parte 1/2

Intro:

S\N decide fazer a festa de 16 anos dela, junto com sua amiga e seus 7 amigos, em um acampamento na floresta perto do chalé de seus pais. Mas nem tudo ocorre da maneira que ela imaginou. O ciúme da menina misturado ao ar tenso da mata irá fazer essa festa entre amigos subir de temperatura.

••••••••••••• ••••••••••••• ••••••••••••• ••••••••••••• •••••••••••••

-S\N PENSA RÁPIDO!

Jeon Jungkook joga meu saco de dormir em minha direção, eu o pego por impulso.

-EI! Vai matar a dona da casa?

-Olha ela… Se exibindo por ter grana. Sorry bae.- Namjoon diz atrás de mim, me provocando com um sorriso travesso enquanto passa o braço por minha cintura. Seu toque no meu corpo parece causar um choque em mim, mexo a cabeça pra tirar isso da minha mente. Eu vim para esse chalé me divertir com meus amigos, para acampar, beber nos meus 16 anos e falar besteira não para nutrir o que sinto por ele. Não quero ter esses tipos de pensamentos. Não esse final de semana.

Todos nós entramos no chalé de meus pais e quando fui parar pra perceber eles estavam correndo para escolher seus quartos, não sei o porquê dessa correria, a casa tem 6 cômodos para eles escolherem á vontade. Acabo dividindo um quarto com minha amiga, ficamos com o do segundo andar, o mais velho da casa toda mas até que ele tinha um certo charme rústico por trás da poeira.

Depois de tudo arrumado, cada um pega suas devidas mochilas e partimos para trilha. O dia estava nublado e frio, meu corpo se tremia por causa do vento gelado. Minha amiga seguia na minha frente junto com Namjoon, ele a oferece seu casaco e quando ela nega ele a abraça por trás, provavelmente para esquenta-la. Essa cena me incomoda, não deveria, mas não nego que me ver isso me deixa com raiva, eu sei que gosto dele, mas isso não muda o fato de que somos amigos. Eu posso sentir ciúme de um amigo?

Ela encosta a cabeça no ombro dele.

Sim, eu posso.

Uma sombra se aproxima de mim, olho para o lado e é Yoongi, ele parece estar pensativo, talvez perdido em sua mente. Eu continuo caminhando ao seu lado sem falar nenhuma palavra, até que o menino começa a conversa.

-Namjoon está estranho- Essa frase toma toda a minha atenção, fazendo que eu o encare imediatamente, mostro que não consigo compreender o significado disso. Ele prossegue. -Não sei… você o conhece tão bem quanto eu. Ele parece que está escondendo algo.- E de repente ele volta a estar concentrado em seus pensamentos, eu o perdi.

Ouço um barulho estranho vindo da mata, tento olhar mas não consigo enxergar o que aconteceu, apenas vejo um vulto preto atrás das árvores, o vento frio me faz ter calafrios.

-Deve ter sido o vento ou algum animal.- Minha amiga grita para todos.
Essa seria a típica frase de filme de terror, que não me tranquiliza nem um pouco, desde quando ter um animal solto enquanto acampamos é algo seguro? Espero que seja apenas um lindo coelhinho ou unicórnio cor-de-rosa.

Finalmente chegamos ao local do acampamento, ele é bem silencioso e coberto de árvores, o dia já está escurecendo e o vento frio faz o lugar ficar um tanto quanto sombrio. Não seria o ambiente ideal para qualquer garota fazer uma festa, mas era isso que me prendia naquele lugar. O diferente e proibido me atraiam.

-Gente pelo amor de Deus, daqui a algumas horas vai ser meu aniversário. Vamos botar uns pisca-piscas, acender uma fogueira e ligar o som.

Trabalhamos muito ajeitando as barracas e arrumando o lugar, o cansaço e respiração funda era perceptível em cada um, alguns de nós sentamos ao redor da fogueira outros dançavam ao clarão do fogo, a música toma conta do lugar, o acampamento não está mais com aquele ar sombrio de antes, ele adquire uma aparência descontraída e hippie, eu fico ao lado de Namjoon e ele oferece suas mãos para aquecerem as minhas, eu as estendo para ele. Ele não as solta por tempo. Ficar dessa forma me faz sentir segura, é como se ele pudesse me preencher totalmente, entrando por minhas mãos e indo em direção à todas as partes do meu corpo.

-Você quer me matar né?!- Digo perto de sua orelha, bem baixo para que ninguém mais escute.

Ele dá um leve riso e sorri de lado, se inclinando perto da minha orelha. Ele não fala nada por uns segundos, talvez esteja pensando no que falar…ou só quer tentar me fazer arrepiar. -Isso eu só vou fazer depois.- Sua voz carrega um ar quente que gruda na minha pele.

Jimin faz um sinal para Namjoon e este se levanta e vai até a minha amiga, pega a sua mão e vão para longe dos meus olhos, me sinto vazia, como se ele fosse embora de meu corpo e levasse tudo com ele, me deixasse sem nada . Isso foi a gota d’água. Ele sabe que eu gosto dele! Como pode ser tão imaturo no meu aniversário? Não consigo mais ficar neste lugar, não quero. Vou voltar para o chalé, não quero ter que ver a cara dele tão cedo. Talvez seja uma crise de ciúme? Talvez.

Me levanto e pego uma lanterna, dou a desculpa de que iria para o chalé pegar algo que tinha esquecido e que logo voltaria. A trilha era muito diferente de noite, o barulho dos galhos se batendo era mais forte, a umidade era mais pesada e o silêncio era perturbador. Se eu não estivesse tão estressada talvez não conseguisse atravessar tudo isso sozinha. Consigo chegar logo à casa, o rangido da porta corta o silêncio do lugar, subo correndo para meu quarto. A escada faz barulho de acordo com as batidas dos meus pés. Toda essa caminhada me deixou muito cansada, preciso dormir. Deito na cama e fecho meus olhos. Será que fechei a porta?

O vento entrando abruptamente por minha janela me desperta na hora, já são quase meia-noite, consigo ouvir barulhos de panelas caindo na cozinha. Será que algum dos meus amigos entrou em casa? Mas só eu tinha a chave… Lembro-me vagamente de ter dado a chave reserva pra minha amiga mas não me recordo se ela a levou para o acampamento. Saio rapidamente da cama e fecho a janela, a pressão dos ventos faz parecer que o vidro iria quebrar a qualquer momento, sigo em direção as coisas da minha amiga procurando essa chave reserva.

Abro a mala azul com uma borboleta tribal, tiro as roupas dela de dentro, encontro a chave em cima de uma fotografia. Nela mostrava minha amiga junto a Park Jimin, abraçados e com as mãos dadas, com uma assinatura do garoto escrito “feliz 100 dias de namoro”. Minha mente fica confusa, ela está namorando ela faz mais de 3 meses e eu não sabia? Como isso era possível? Ela já tinha me falado várias vezes sobre um provável interesse nele mas eu nunca dei muita atenção. Será que por isso que ela não quis me contar? Mas algum dia eu ia ter que saber, essas coisas não se escondem para sempre. 


O que Namjoon estaria fazendo quando a levou para longe? Talvez ele saiba de tudo e só estaria ajudando o casal a se esconder. Uma mistura de frustração e raiva toma conta de mim, ela não devia ter guardado esse segredo de mim. Eu sei que não fui a melhor amiga do mundo mas…Não sei nem como me defender. Suspiro. Viro a foto e a data me deixa intrigada, ela ainda não aconteceu. Ainda falta uns 3 meses pra isso ainda. Acho que esse deve só ser um presente antes da hora. Jimin tinha costume de fazer isso, dar presentes uma semana antes do aniversário, antes do natal, ele achava que assim ele seria mais especial e não só mais um presente. Não posso evitar de suspirar de alívio, eles ainda estão no início, não devem querer que ninguém saiba.

Ouço passos subindo na escada. Meu coração começa bater mais forte e sem um ritmo certo. Não sei quem está aqui mas não deve ser um de meus amigos. Pego a primeira coisa pontiaguda que eu vejo, uma miniatura da torre Eifel, e ando lentamente em direção ao barulho. Ouço sua respiração pesada. Passo pela porta. Vejo sua sombra pela parede, era um homem um pouco maior que 1.80. Na hora que viro o corredor para poder apunhalar o intruso, vejo seu cabelo loiro brilhar com a luz da lua, largo minha “arma” antes que o atinja. Como ele veio parar aqui? Namjoon veio de longe só pra me ver?

-AFFS QUE SUSTO, NAMJOON!- grito enquanto bato no abdômen do mais velho com força. Será que ele atravessou toda aquela trilha perigosa só pra vim me ver? Estava tão frio e escuro lá fora…Meu coração fica apertado, ele vai se apertando a cada segundo, imagens dele lá fora me procurando tomam conta de minha mente e isso faz lágrimas se formarem em meus olhos -O que você está fazendo aqui? É perigoso lá fora!- minha voz sai mais trêmula do que eu gostaria, não consigo controlar as lágrimas.

Namjoon passa uma de suas mãos por dentro do meu cabelo enquanto a outra dá a volta por minha cintura me puxando contra seu corpo, olho para baixo envergonhada mas ele inclina seus lábios em direção aos meus, os beijando ardentemente. O loiro se afasta devagar e vai em direção a minha orelha.

“Eu vim entregar seu presente de aniversário”

Sua voz rouca faz meu corpo arrepiar. Ele começa a beijar meu pescoço e isso faz com que meu corpo esquente, parece que eu estou pegando fogo, seus beijos começam a descer para a clavícula e logo tratam de subir para o pescoço e depois minha boca. Todo esse movimento me faz ficar sem ar e eu luto para consquista-lo fazendo que eu faça barulhos que pelo visto atiçam mais Kim Namjoon. Ele me pega no colo, suas mãos estão fortemente apertando minhas coxas, e me leva em direção ao quarto.

O mais velho me ataca na cama enquanto desabotoa sua camisa. Não posso evitar de rir da situação, 4 horas atrás eu nunca me imaginaria aqui, com ele. Era tudo tão divertido e animador, Namjoon sorri para mim quando termina seu trabalho com a camisa.

“Feliz aniversário, S/N”

E ele sobe em cima de mim enquanto enrolo minhas pernas em sua cintura.

“Baciarti e mai mai chiudere gli occhi,
per non perdermi neanche un secondo di tutto l'amore che sei.
Mi nutrirò del tuo respiro per seguirne il profumo e la strada più corta che porta da te”

Modá “stella cadente”

Buongiorno bella gente, felice domenica.