corr!

Você sempre deixa as suas mãos no meio das minhas, nossos dedos ficam dançando e você olha daquele jeito que me atravessa e desmonta.
—  Clarissa Corrêa. 
oops.

Primavera. Flores por toda a parte, clima refrescante e bom. Mas aí entrava o Baile. Aquele incomodo evento anual, não que Willow não gostasse. Mas isso atrapalhava o desenvolvimento do time. Ainda mais se você faz parte de um time feminino. Aliás, o jogo de fazer com que meninas chamassem meninos acabou piorando as coisas. A morena pensava nisso e por um momento se achou tão egoísta que resolveu parar de pensar em tais. Nada mudaria, então, faria como o ditado “se não pode com eles, junte-se a eles”. Levantou o rosto e por sorte – ou destino –, avistou Seunghoon, o único pirralho que ela poderia – e gostaria – de chamar pra tal coisa. Levantou-se de imediato e o chamou: – Heyyy, eu estou te vendo aí!! Espere por mim – balançou as mãos no ar, ligeira, pegando seus pertences pelo chão. 

São nos pequenos (mas grandiosos) gestos que a gente descobre quem gosta da gente de verdade.
—  Clarissa Corrêa.
Quem gosta quer estar junto. Quem gosta demonstra. Quem gosta faz planos. Quem gosta apresenta para a família e amigos. Quem gosta manda uma mensagem bobinha só pra dizer que ama.
—  Clarissa Corrêa.

anonymous asked:

si son axesuales, ¿como explicas a mama Ancient egipto y mama Ancient grecia ? :O

El cómo nacemos las naciones es un misterio… algunos dicen que nacimos de la tierra o los aliens… pero lo único que sabemos es que nuestras madres o abuelos no son “biológicos”, solemos llamar así a quienes nos encuentran porque ellos se atribuyen el ser nuestro pariente, pero puede que no lo sintamos así para nada. 

Por ejemplo lo que pasó con China cuando le dijo a Japón que eran hermanos y ya todos sabemos la opinión de Japón al respecto… otro ejemplo es el de Sebas, Dani y yo que nos conocimos de nenes y decidimos ser primos pero realmente no lo somos. A lo que voy es que supongo que de tanto vivir con humanos nos acostumbramos a familiarizarnos entre nosotros como ellos lo hacen, es indiscutible que a veces tenemos mucho parecido a ellos, supongo que es porque la sangre de su gente corre por nuestras venas. 

En pocas palabras… todos somos y no somos familias… 

inocenttinha asked:

Meu mico não enviou mas vou enviar agr Minha tia comprou uma chácara e tinha galo e galinha lá, ai eu fui pegar ovo só q não sei o q eu fiz q o galo começou a correr atrás de mim ai tinha a casa do caseiro lá e é bem sinistra e eu entrei numa porta lá e esperei um pouco só q quando fui sair a porta não abria ai fiquei presa mo cota lá e só sai quando minha tia saiu pra me procurar 😂😂👌🏻👌🏻 eu tinha 10 anos na época 😂😂😂😂😂 mano nunca corri tanto na vida e o galo corre muito slc

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK TADINHA

claro mano, tu roubou o filho dele, ele devia ter arrancado a tua cabeça fora

martírio

alguns dias doem mais do que outros, talvez isso seja normal quando se tenta superar; talvez eu nunca supere. os caminhos vão se afunilando, eu não tenho mais pra onde ir. a dor foge de qualquer compreensão, corre dos meus rascunhos borrados de lágrimas e sangram em palavras que eu nunca sei dizer. o meu próprio silêncio me engole. eu tenho medo de pisar com os pés descalços, tenho medo de sair pra fora de casa e me deparar com um céu noturno forrado de estrelas, que eu não consigo abraçar, porque você não tá aqui. o meu olhar desnorteado me denuncia; têm dias que a dor não me cabe. eu sinto os meus ossos se quebrando em uníssono, a pele rasgando, o sangue jorrando das veias.  eu só te peço, por favor: me segura quando eu encontrar o fim do abismo. ou eu vou me espatifar no chão. eu não consigo mais me equilibrar nessa corda bamba. eu sempre tô a ponto de tombar. 

um sopro e eu vou me despedaçar.

B.

Camminava spesso in punta di piedi, svelta. Mi faceva pensare ad una principessa spaventata che corre a piedi scalzi verso l'uscita di una torre e, senza cadere, salta ogni gradino di una scalinata a chiocciola. Mi è sempre piaciuto immaginarla così, in quelle giornate in cui le si leggeva negli occhi che voleva scappare da se stessa. Dentro di sè non aveva più spazio per niente. Vederla in quel modo faceva nascere dentro di me le stesse sensazioni di quando la vedevo piena di libri e fogli svolazzanti tra le mani, con una matita tra i capelli e lo sguardo più innocente che avessi mai visto. Mi divertiva così tanto mentre cercava di non far cadere niente e subito dopo si guardava le scarpe. Era ovvio, non era in grado di chiedere aiuto a nessuno, anche se quegl'occhi verde bottiglia la tradivano un po’, come succede a tutti del resto. Non avevo ancora capito quale fosse il suo nome, ma avevo capito tanto di lei. Così indecisa e spaventata di fare un passo falso, era insicura del mondo quasi quanto fosse insicura di se stessa. Quella corazza dura che indossava ogni mattina prima di uscire di casa era solo uno dei tanti ponti levatoi che aveva posto proprio davanti alla torre in cui si era rifugiata e in cui aspettava qualcuno che potesse vivervi con lei. La stessa torre da cui incessantemente cercava di fuggire a piedi scalzi. Nel frattempo, tra una fuga e l'altra, guardava fuori dalla finestra - anche quella costruita da sè-. Cosa guardava, mi chiedete? Le cose belle. Francesca - poi scoprii essere il suo nome- guardava e sognava le cose belle. Un po’ come sto facendo io, adesso, con lei. Era sicura che qualcuno dovesse pur notare quei piccoli particolari a cui nessuno faceva mai caso, altrimenti sarebbero andati persi nell'oblio e l'oblio la spaventava vertiginosamente. A volte immaginavo come sarebbe stato sentire sulla pelle il tocco delle sue dita, dita da pianista, avevo sentito dire in giro. Nel frattempo, Francesca sognava, sognava e sognava. Così forte che una volta riuscii addirittura a sentirla e credetemi che mai nella vita sentii melodia più piacevole di quella dei suoi pensieri.

Ouvi

Tu vai vir tarde né?
Tu só vai vir quando for tarde demais,
quando o meu suco gástrico
tiver matado as borboletas
do meu estômago
e o alcool devorar meu discernimento.
Que é que tu ta fazendo cara?!
Na boca de quem tu ta se perdendo?
Que diabos você tá vivendo?
Eu sou a felicidade que você
corre atrás mas não alcança.
Não vem tarde, tá?
Eu já vou apagar as luzes.

K.S

Sou a favor da transparência, de gente de verdade, sem retoques, sem artifícios.
—  Clarissa Corrêa.

O presente irá morrer no próximo segundo independente de quantas vezes atrasemos os ponteiros do relógio. Fugir sempre foi a melhor alternativa quando os pés pisam em falso no chão e a alma corre de encontro à esperança em busca de compreensão. Mas tanto a alma quanto o corpo não sabem como proceder. À quem obedecer? Seus neurônios são programados pelo cérebro e eles irão percorrer a carne, permitirão a sensibilidade e a dor, serão capazes de responder ou não à tua vontade. No impulso diante daquela bela moça de cabelos loiros cor de ouro, no desespero ao ver aqueles belos olhos verdes presentes no rosto do carinha desejado durante todo o período você será condenado à armadilha feita pelo seu corpo. Nos pés de sua fortaleza de mármore irá perceber o quão passivos somos diante da vida, do corpo e das infinitas escolhas. Nós seremos condenados por isso, não existe tentação maior do que a vontade de ceder aos seus desejos, existem diabos e anjos em seus ombros, e existe você.

Lucas Truci

Só não me acorda. Se for sonho, me deixa acordar só quando eu souber o que é isso que eu sinto. Que nome tem esse negócio que deixa o coração com um sorriso de orelha a orelha.
—  Clarissa Corrêa.