coral mini

You’ve heard of h20vanoss? Well prepare your anuses for; the entire banana bus crew being in a huge gay polyamorous relationship.

  • (The team is sitting around the breakfast table, all of them mentally preparing for the surprise attack they will launch on a Galran controlled planet tomorrow)
  • Coran: Alright, I know everyone is veeeeeery nervous about tomorrow, so I took the time to make some traditional Atlean mini pies!! (He passes them out) Now where is- uh, why is Hunk lying on the floor over there?
  • (The team look over to where Hunk is curled up in a ball on the floor, eyes wide and shivering)
  • Lance: (grabs a pastry from Coran) Hunk? He's fine. I checked on him earlier. He's really bad at managing stress, and the firefight tomorrow has him on edge. I'll go over and give him some food in a sec, but he's okay for now.
  • Shiro: Lance, I don't think Hunk should be alone right now. I'll go over and-
  • Lance: Shiro, I know you're the team leader and you like fixing things, but trust me on this alright? I know Hunk. He's my bro. He just needs some time to calm down. Hunk is a very delicate ecosystem. The engineering prodigy, best bro ever, and leg of Voltron all balance out to a perfect 4.0. Mess with one part and you mess with everything.
  • Lance: He's the human equivalent of a coral reef.
  • Keith: I'm going over to check on him.
  • Lance: NO!
  • (Lance throws his mini pie and hits Keith right in the face)
  • Keith: Ow!
  • Lance: HE'S A CORAL REEF!
  • Coran: My mini pie!!
Preference - Natal

Harry:

Parei na cozinha olhando tudo em volta, eu estava um pouco inutil ali, praticamente todas as mulheres da familia estavam naquele ambiente, os homens espalhados na sala conversando e rindo mais alto que a música.

-Querida leva essa salada pra mim? - Anne me deu uma tigela sorrindo.

Entrei na sala e Harry estava gargalhando de algo, me viu do outro lado da sala e abriu os braços, totalmente bebado.

-GOSTO DE MULHER ASSIM - ele gritou pra mim - COZINHANDO PRA MIM.

Arregalei levemente os olhos indicando que ele calasse a boca mas isso o despertou, Harry correu até mim e me agarrou de lado beijando minhas bochechas.

-Que cheirinho gostoso - disse forçando a voz - voce ta cheirando peru.
-Chega de vinho pra voce - tirei sua taça.
-OHHHH - ele levantou a palma da mão - vai apanhar no bumbum.
-Pelo amor de deus - Gemma disse baixo com uma farofa nas mãos.
-Sai pra lá coisa ruim - ele gritava desgrenhado.

Harry estava tonto, cambaleando, seu cabelo bagunçado, a camisa aberta até o peito, a boca vermelha e um sorriso bobo nos lábios, seu hálito não podia ser mais forte.

-Voce não pode beber tanto assim amor - falei abotoando sua camisa.
-NAAAAAUM - ele tirou minhas mãos - eu to com calor.
-Então vamos tomar um ar, vem - eu estava vermelha de vergonha.
-Qué não - falou se sentando - EU QUERO COMER MÃE.

Seus primos riam de seu estado e eu tentava tapar sua boca a cada besteira que ele tentava dizer, encostei do seu lado na cadeira e observei todos se protarem para a ceia, assim que cada um foi assumindo seu lugar Harry pareceu impaciente.

-Cadeira dura - falou com uma careta.
-Babe - Anne chamou fazendo um sinal de silencio com os dedos.

Ele bufou alto e alguns reprimiram uma risada, seu padrasto levantou e começou a agradecer pelas presenças dos familiares no natal.

-E o peru? - Harry disse sussurrando alto o bastanta pra mim.
-Harry - Anne falou num tom perigoso.
-UÉ eu não to vendo ele - ele disse levantando os ombros.

Mais uma vez o discurso recomeçou.

-Blá blá blááá - ele gritou e eu me levantei.
-Vamos tomar uma água? - sugeri pra ele que sorriu.

Segurei-o pelo braço e o levei para a cozinha, fiz o mesmo se sentar num banco e peguei a cafeteira servindo uma enorme xícara em seguida, Harry se jogou pra cima de mim me encoxando e eu pulei de susto.

-Oque acha amor, vamos FAZER?
-Fazer oque Harry? - falei me soltando de seu aperto.
-A-M-O-R - ele soletrou alto e eu dei um tapa em seu braço - ai, hum então quer um amorzinho selvagem hoje?
-HARRY - falei alto colocando ele no banco - toma logo esse café.

Ele fechou a cara e encostou na mesa olhando em volta.

-ACHEI O PERU!

Louis:

-DINGO BEL, DINGO BEL - ele cantava gritando pela janela do carro e depois gargalhava - viu a cara da velhinha?
-Pra que isso? - falei e ele deu de ombros.
-Voce é chata.

Louis dirigia rápido para chegarmos a tempo da ceia na casa de seus pais, viajavamos por mais de três horas e ele passou metade do caminho assustando pobre velhinhas nas ruas, agora a neva dificultava sua alta velocidade.

-Bosta - ele disse diminuindo.
-Aproveita e para ali um pouquinho, preciso usar o banheiro.
-Numero um ou dois? - ele disse me fazendo virar indignada.
-E porque voce quer saber?
-Demorou pra responder, é numero dois - e riu me fazendo dar outro tapa.

Louis estacionou em frente a um posto de gasolina e desceu pra abastecer.

-Não esquece - ele gritou me fazendo olhar - pra cima e pra baixo - imitou o ato de limpar-se.
-Idiota.

Corri na loja de conveniencia e um mini coral de crianças estava alojada lá dentro, cantando alto alguma canção de natal, sorri e corri para os fundos, depois de usar o banheiro voltei e sai de volta para a rua, parei olhando a cena de Louis do meio das crianças com a mesma pastinha verde delas cantando a plenos pulmões.

-O MENININHO JESUUUUUUS - ele finalizou fazendo uma dancinha.
-BRAVO - bati palmas e ele agradeceu.
-Valeu meninada - e assim tirou a carteira do bolso - agora façam fila que o titio vai dar dinheiro.
-Meu deus - falei rindo.

Liam:

Olhei no relógio da sala e percebi que eram quase meia noite, nossa ceia estava toda montada embaixo de um pano preto totalmente vedada, meus pais e os pais dele não estavam na cidade então decidimos passar nosso primeiro natal juntos, no nosso apartamento, Liam por sua vez inventou que queria cozinhar e fez tudo sozinho, passou o final de semana inteiro sem me deixar tocar na cozinha, e agora ele vinha da cozinha com uma enorme bandeja.

-E o prato principal - ele falou anunciando.
-Eu to morta de fome - falei feliz.
-Então se preprare benzinho - ele disse depositando a bandeja fechada na mesa - pronta?
-Muito - falei animada.

Liam segurou cada ponta da toalha que cobria nosso jantar e contou até três em silencio com os dedos.

-TCHANAAAAAAAM - ele gritou levantando a toalha.

Olhei ansiosa para a mesa e fiquei surpresa, pensei ver tudo murcho ou desgrenhado mas estava tudo tão lindo, grande, bonito e suculento que abri a boca totalmente chocada.

-EAAAIIII? - ele dizia ainda com seu avental sobre o corpo.
-Meu, deus.

Tinha desde torradas enfeitadas e desenhadas até o mais suculento frango recheado, doces, sucos, frutas, tudo bem enfileirado, bonito e decorado, Liam começou uma dancinha da vitória e eu ri.

-Então, voce fez tudo?
-Elementar minha cara - ele disse orgulhoso - seu namorado além de muito gostoso, cozinha bem.
-E jogou as embalagens fora? - falei desviando o olhar.
-Que embalagens?! - disse chocado apoiando-se na mesa - oque voce sabe dona senhorita?
-Oque eu sei?? - falei falsamente indignada e gargalhei.
-AAAAAH SAFADA - ele apontou pra mim - então voce sabe.
-Padaria North Salt, encomende sua ceia conosco - eu disse abrindo os braços no ar e ele abaixou a cabeça.
-Droga.

Niall:

-O senhor esta me devendo um dinheiro - o primo de Niall dizia desconfiado.
-Oque? - ele disse supreso - eu não lembro desse dinheiro.
-Ih caloteiro - falei cutucando sua barriga de lado .
-Esse moleque que é mentiroso, cada vez que venho pra casa inventa um dinheiro diferente.

Estavamos reunidos na sala de estar da casa dos pais dele, meus pais também estavam juntos, todos rindo e conversando depois da ceia de natal, Niall estava conversando com seus primos e eu estava ao lado.

-Toma pega seu dinheiro - eu peguei a carteira dele no bolso e joguei para o garoto.
-Perdeu - o menino gritou mostrando a lingua e eu ri.

Niall levou a mão ao rosto.

-EU TE PEGO CANALHA - ele gritou mas o garoto correu.
-Perdeu - falei baixo.
-E voce é uma trairinha né - ele disse me segurando pela cintura - merece apanhar.
-Que isso - falei ofendida - meu pai ta aqui viu.
-Manda ele vir aqui falar comigo - ele falou alto com cara de bravo - faço ele chorar em dois tempos.
-AAAAAAATA - falei e rimos.

Niall me beijou e minutos depois sua mãe cruzou a sala com o rosto vermelho e cara fechada.

-Niall James - ela chamou nervosa.
-Que que foi? - ele disse emburrado quando ela quase o derrubou.
-Isso é coisa de se mostrar pros seus primos?

E então ela estendeu uma foto minha só de biquini, uma cartela de camisinhas, dois cartões premiun de motel e um folheto de sex shop, levei a mão a boca e Niall deu um gritinho agudo.

-JESUS - ele disse pegando tudo - desculpa mãe.
-Caramba viu - ela disse dando um tapa em seu ombro e saindo.
-Como voce faz isso?! - falei tapando o rosto.
-ahh voce que deu a carteira pra ele caramba - ele disse quase roxo.

Seu primo voltou correndo depois e sorriu pra Niall mostrando um jóinha.

-Ai ó, ta sabendo oque é bom desde cedo, to nem ai.

Zayn:

-E oque eu devo levar exatamente? - gritei do closet.
-Meu pai - ele disse bufando - já falei.
-Eu nunca passei o natal com as pessoas da sua religião - eu falei nervosa.
-Até parece que a gente mata uma virgem e come ela na mesa - ele disse grosso.

Sai só de sutiã e parei no batente da porta abrindo a boca em indignação.

-Eles sabem que eu não sou mais virgem né?
-Eu vou dar um tapa na sua cara - ele disse depois de pensar que eu diria algo sério e eu gargalhei.
-Branco pode né? - gritei voltando ao closet.
-NÃO - ele gritou.
-Porque??! - falei franzindo a testa.
-Porque voce não é mais virgem ué.

E assim quem gargalhou foi ele, revirei os olhos e peguei meu vestido verde escuro, curto mais lindo, vesti na mesma hora e fui mostra-lo.

-TA LOUCA DE IR DE VERDE? - ele gritou se levantando da cama.
-Porque?! - falei assustada.
-Essa é a cor da negatividade e acharam que voce esta trazendo más energias.
-É sério? - falei encarando o vestido - é tão lindo.
-Troca (S/n) - ele falou sério.
-É sério mesmo Zayn? - encarei desconfiada e ele se manteve sério.
-É muito sério.
-Mas eu já vi voce usando verde - falei franzindo os olhos.
-No natal? - ele cruzou os braços.

Parei e pensei, ele manteve me encarando.

-Tá eu troco - falei e voltei, segundos depois ouvi sua gargalhada alta.
-Besta - ouvi ele dizer.
-EU VOU PELADA - gritei nervosa.
-VAI MESMO - ele gritou de volta - meu pai te assa na grelha com molho.

Horas depois eu estava pronta, de vermelho, Zayn disse que essa era a cor das oferendas a seus deuses no país de sua familia mas eu ignorei fazendo ele fechar logo a porta, fui na sua frente e caminhei até o carro.

-VAI OFERENDA - ele gritou rindo e eu virei o fuzilando - destrava o carro amorzinho?

10

The Coral Cave mini exhibition in Ariège, France

Last weekend, we travelled to the countryside in the south of France to show our game in a small art festival called Vagabond’Arts. It has a great concept: the inhabitants of Baulou (a tiny village) open their houses to display the artists’ work.

Many people (mostly children and a few adults) played The Coral Cave and we spend 3 wonderful days speaking about Japan with the visitors, meeting friends and eating delicious food!