contemplador

Cómo explicar el simple hecho de que a tu lado hasta el más frío de los inviernos se vuelve cálidos.
Cómo explicar el brillo que hay tras esos ojos comparables con la gradeza de los océanos.
Cómo explicar el sabor de esos besos que tienen la imensidad de las galaxias y el sabor del el elixir más dulce.
Cómo explicar que comparaciones tan colosales se queden en meras pequeñeces.
Cómo explicar que a tu lado el brillo del unicornio se vuelva opaco, que la belleza de cualquier ninfa quede ineludible ante ti. Cómo explicar que los contempladores queden enajenados ante tu mente aunque sin tanta maldad, por supuesto.
Cómo poder explicar tanto amor parecido al que solamente cupido puede provocar.
Cómo explicar tanto sentimiento… Te amo de la misma manera que la corrientes de los ríos fluye; siempre cambiantes pero siempre peremnes. Cómo…
—  miocardio 18.
naquele poema estava descrito todo o nosso universo

os versos em prosa diziam-se enaltecer nossos dedos entrelaçados
e nossos beijos trocados.
com toda a força que com perfeição atingia nossos mais bonitos sonhos
naquele poema, eu contava girassóis, não havia breu
te dizia em inúmeras vezes o quanto o teu sorriso era contemplador 
e o quanto meus olhos não se cansavam de admira-lo.
naquele poema não enxergávamos a prole do sistema
pois 
tuas mãos estavam ocupadas tocando cada centímetro do meu corpo
acompanhadas pela tua língua passeando pelo céu da minha boca 
não percebíamos o tempo passar 
nem o relógio avisando que já era hora de acordar.

romancista de quinta

Eu sou tudo o que você não precisa e um pouco do que você não quer, mas ainda tento fazer você me notar, quero que saiba ao menos que eu exista e que estarei para o que você precisar. Pode parecer besteira ou bobagem minha mas só me vejo feliz quando vejo que você também está.
—  Contemplador.