com lola

Já não tenho paciência pra correr atrás de ninguém. Antes eu questionava, ia atrás uma, duas, três vezes… Hoje em dia, vou atrás só uma, não retribuiu, adeus. Tenho pouco tempo, pouca paciência pra esses lances breves, se não é pra ser eu fico na minha que com certeza ganho mais.
—  No quarto de Lola
Eu só queria deitar com você em um dia chuvoso e assistir um bom filme. Parece clichê, ou algo de filme. Mas não há nada melhor no mundo do que fazer as coisas que mais gosto com a pessoa que eu mais gosto.
—  Com amor, Lola.
Gosto de sentir que estou satisfeita. Não apenas após um almoço generoso, ou um descanso merecido. Gosto de sentir que estou bem comigo mesma, sem nenhum esforço. Gosto de olhar no espelho e sentir orgulho do que fiz, ou deixei de fazer. Gosto de ser eu mesma e me sentir bem com isso.
—  Lola Rosie.
carta aberta para os players tag.

Correndo o risco de receber comentários negativos e hate, eu estou decidindo postar esse texto porque eu acho que há certas coisas que precisam ser conversadas sobre a tag #rp br porque se não vão permanecer colocando pra baixo do tapete de novo e de novo em um ciclo vicioso.

Oi a todos! Para quem não me conhece, eu sou a Jojo. Sou helper e lido com a tag gringa há muito tempo, e esse ano eu migrei junto para a tag rp br, onde eu modero um roleplay. Hoje eu estou aqui para falar sobre como é moderar um roleplay e o abandono dos players com a moderação. Eu não tenho experiência nessa tag como muitos de vocês, mas o meu tempo aqui foi o suficiente para eu notar e aprender muito sobre o funcionamento da rpc brasileira, além de minhas conversas com pessoas maravilhosas que eu conheci aqui que me contaram suas experiências que não fogem muito do que eu vou falar.

Keep reading

Eu te amei como nunca amei ninguém. Eu amei cada detalhe seu. Eu amei seu cabelo bagunçado, o seu sorriso torto e seus olhos esmagados quando você sorria. Eu amei você quando me fez rir até minha barriga doer. Eu amei você quando na verdade eu queria te odiar. Eu amei você mais do que eu mesma. Na verdade, eu não te amei. Eu te amo. E sempre te amarei.
—  Com amor, Lola.
youtube

ARMS - Introducing Lola Pop - Nintendo Switch

Pedido: Faz um que eles vão se casar e ele faz uma brincadeira de mal gosto falando que traiu ela e pede ajuda para uma das amigas dela, ela acha que é verdade e vai embora e sofre um acidente. Final vc pode fazer como achar melhor. - Anônimo

Você não disse com quem queria o pedido então eu fiz com o Liam, espero que goste.❤

****

Imagine Liam Payne:

Pov’s Liam

Eu sei que minha namorada é bem ciumenta, não é pra menos já que não posso nem postar uma foto no instagram que já vem milhares de fãs comentar coisas do tipo “gostoso”, “casa comigo” e algumas outras coisas até mais pesadas.

Por isso, hoje eu irei fazer uma pequena pegadinha.

Ontem eu saí para uma festa com meus amigos - que na verdade era uma despedida de solteiro - mas ela não sabe de nada que aconteceu, eu cheguei tarde e ela por estar dormindo não me questionou em nada. Na real, eu não a trai mas, eu combinei com Lola - uma amiga muito próxima dela - para que a mesma fingisse ter ido na mesma festa que eu e ter me ‘pegado’. Ela aceitou e disse que seria muito engraçado já que S/n ficaria uma fera.

Assim que acordei, vi S/n dormindo e a deixei na cama indo para a cozinha fazer o café. Já estava tudo combinado com Lola e logo, logo meu plano entraria em prática.
Assim que terminei de fazer o café, vi um corpo esbelto descer as escadas.

-Bom dia princesa.
Sorri de leve e deixei um selinho em seus lábios.

-Bom dia Lee, como foi ontem?
Perguntou se sentando na cadeira a minha frente. Assim que ouvi seu tom de interesse e curiosidade tentei conter um pequeno sorriso que nascia em meus lábios.

-Eu preciso te contar uma coisa.
Tentei fazer uma cara séria e a mesma se preocupou.

-O que aconteceu Liam?
Perguntou colocando um morango na boca.

Respirei fundo fingindo estar nervoso e demorei antes de responder.

-Ontem…eu fui para aquela balada como eu te falei, lá estávamos nós, Niall saiu pra dançar, Louis e Harry estavam bebendo e Zayn começou a conversar com uma garota. Eu estava sozinho, não tinha ninguém comigo e eu não fazia idéia do que fazer naquele lugar…
Explicava fingindo estar nervoso e até mesmo brincava com meus dedos já que segundo ela era uma mania minha quando tinha algo sério para falar.

-Diz logo Liam!
Falou apreensiva sem tirar os olhos de mim e nem sequer piscar.

-Bom…eu encontrei uma amiga sua, mais especificamente dizendo, Lola.
Falei e ela apenas assentiu para que eu continuasse.

-Nós começamos a conversar e a cada palavra que eu falava era um copo de bebida que nós virávamos, até que…eu fiquei completamente bêbado e ela não estava diferente.
Falei e ela começou a ficar com uma feição triste como se previsse o final de toda essa história.

Peguei a mão da mesma por cima da mesa e fiz minha cara mais triste possível. Minha atuação estava ótima.

-Amor, eu só te peço uma coisa. Independente do final dessa história, você promete não me deixar?
Perguntei e vi uma lágrima escorrer por seu olho.

-Lee…por favor não me diz que…
Ela falava com a voz embargada mas foi cortada pelo som da campainha tocando.

Soltei sua mão delicadamente e caminhei até a porta abrindo a mesma e dando de cara com Lola.

-Cheguei na hora?
Perguntou baixo para que somente eu ouvisse.

-Sim, aliás, é sua vez de agir.
Respondi igualmente baixo.

Lola caminhou até a cozinha.

-S/n amiga o Liam te contou? Por favor, por favor me perdoa! Eu não queria ter feito aquilo!
Lola falava apressadamente para S/n que continuava chorando só que agora ainda mais. Por um momento fiquei com pena e quis desmentir toda aquela história para fazê-la rir de todo o seu ciúme à toa mas, ainda não tinha acabado a pegadinha.

-Eu não acredito! L-Liam! O que aconteceu?
Levantou da cadeira irritada.

-S/n…eu…eu fiquei com a Lola ontem, na festa.
Respondi cabisbaixo.

-Eu não…eu não acredito que vocês fizeram isso comigo!
S/n gritava ainda aos prantos e eu apenas olhei para Lola como quem perguntasse “Podemos parar?” E ela assentiu compreensiva.

-Ok amor, tudo bem é só…
Tentei explicar com um pequeno sorriso, mas ela me interrompeu.

-Não! Não fale mais nada! Eu não quero ouvir uma palavra que seja da boca de vocês dois.
Falou irritada e me empurrou saindo da cozinha. Olhei para Lola completamente surpreso pela reação de minha namorada e logo nós dois saímos atrás dela.

S/n andava apressadamente pela casa e vez ou outra pegava algo nos armários e guardava em sua bolsa. Estranhei toda aquela agitação e silêncio.

-S/n, o que…o que está fazendo?
Perguntei e ela finalmente direcionou seu olhar para mim. Seus olhos refletiam tristeza e eu não poderia estar me sentindo mais culpado do que estou agora.

-Eu não quero mais olhar para você Liam! Nosso casamento nunca irá acontecer!
Cuspiu todas aquelas palavras de uma vez.

-Amor, por favor me escuta! Foi só uma…
Tentei me aproximar mas ela se afastou bruscamente.

-Nem termine essa frase! Eu não quero saber o que foi Liam! Eu nunca mais quero saber de você.
Falou olhando fundo em meus olhos.

-Amiga se acalme! Não é o que você está pensando…
Lola tentou acalmar a situação.

-Cala a boca! Você é a pior pessoa com que eu poderia ter confiado!
S/n esbravejou e pegou sua bolsa indo até a porta.

-Eu te odeio Liam!
E foi essa a última coisa que ela disse antes de partir.

Pov’s S/n

Eu não acredito! Eu o odeio. O odeio tanto! Como Liam foi capaz de fazer uma coisa dessas comigo? E pior! Como Lola traiu minha confiança desse jeito? E nossa amizade?

Poderia esperar tudo deles, menos isso!

Assim que sai de “nossa” casa, fui direto para minha BMW que estava estacionada ao lado de fora da casa, entrei apressadamente em meu carro e o liguei deixando de vez aquele lugar. Minha cabeça estava tão bagunçada, tão perdida, eu não consigo raciocinar motivos para isso ter acontecido, Liam sempre foi muito fiel, mesmo estando bêbado ele sabia o que estava fazendo. E Lola? Nunca imaginei que um dia sequer ela iria ser o motivo de nossa separação. Eu não consigo. Não consigo mesmo, não posso pensar em nada nesse momento.

Assim que saio de meus devaneios lembro-me que estou a dirigir, mas já é tarde, pois um enorme caminhão que estava sem controle na pista bateu de frente ao meu carro fazendo-me capotar.

-Oh Meu Deus!
E assim que percebo, o carro está capotado e há muito sangue escorrendo pelo meu rosto e mãos. Mas logo sou tomada por uma tontura enorme me fazendo desmaiar.

Pov’s Liam

-Droga Lola! Você disse que ela só iria ficar brava e depois nós iríamos contar tudo!
Esbravejei mas logo tentei me acalmar vendo que a garota ao meu lado se encolheu.

-Desculpe Liam, eu pensei que seria apenas algo inofensivo. Não imaginava que S/n iria reagir assim.
Tentou se defender.

-Eu só espero que S/n não esteja fazendo nenhuma besteira. Eu sei como ela é quando fica brava e sei que isso pode causar muitos danos.
Comecei a andar de um lado para o outro desesperado.

-Acalme-se Liam! S/n está bem, ela só precisa de um tempo, logo ela irá ligar e pedir uma explicação para tudo e você irá dizer que foi apenas uma brincadeira.
Lola explicou e eu assenti ainda apreensivo.

De repente, o telefone toca e como que em um ápice, eu levanto para o atender.

-Alô?
Pergunto achando que logo irei ouvir uma voz doce e talvez um pouco irritada de minha noiva em resposta.

-Olá, eu sou o Dr.Rollin e trabalho no hospital Wolverhampton, por acaso você conhece a S/n S/s?
Um homem fala na outra linha e um medo toma conta de mim.

-Sim. Sim, ela é minha noiva.
Respondo sem entender.

-Oh claro, poderia comparecer ao hospital? Sua noiva sofreu um acidente de carro e precisamos de algum parente, encontramos seu número no celular dela.
E nesse momento, meu coração para. S/n sofreu um acidente e está hospitalizada. Tudo por minha culpa.

-Estarei aí o mais rápido possível.
Respondi e antes que o mesmo falasse algo eu desliguei o telefone.

-O que aconteceu?!
Lola me encara assustada.

-S/n, ela sofreu um acidente e está no hospital. Você veio de carro?
Falei rápido e esperei por sua resposta.

-Sim, vamos logo.
Respondeu ainda um pouco chocada e logo pegou sua chave e eu a segui para fora de casa.

(…)

-Oi, eu sou o Liam Payne e preciso ver a paciente S/n S/s.
Falei rapidamente a atendente do hospital.

-Por acaso você tem alguma identidade com você?
Me olhou com tédio e eu quase tive vontade de sair entrando e procurar a minha namorada pelo hospital sem ter que passar por aquilo.

-Não eu não tenho nenhum documento comigo, eu só quero ver minha noiva por favor.
Implorei a mulher que me olhava agora com raiva e mascava seu chiclete.

-Liam?
Ouvi alguém me chamar e assim que me virei dei de cara com Connor um amigo da minha época de colegial.

-Oi Connor.
O cumprimentei tristemente.

-O que está fazendo aqui? Precisa de ajuda?
Perguntou e eu assenti.

-Minha noiva sofreu um acidente e eu não consigo vê-la.
Respondi mandando um olhar de raiva para a mulher que trabalha no hospital e não me ajudou em nada.

-Não se preocupe, eu te ajudo.
Falou e eu o segui.

-Qual o nome dela?
Me olhou enquanto segurava algumas fichas em mãos.

-S/n S/s.
Respondi e o vi sorrir de leve.

-Oh que coincidência! Ela é minha paciente. Vamos, vou te levar até o quarto onde ela está.
Falou amigável e eu soltei um suspiro de alívio.

Assim que chegamos no quarto de S/n, vi que ela estava desacordada e haviam muitas máquinas ligadas a ela.

-Ao que diz aqui na ficha…um caminhão bateu no carro dela, o carro capotou e quando a encontraram já estava desacordada. Tem alguns hematomas nos braços e parece que um corte na cabeça…e…só.
Respondeu e rapidamente meio que escondeu a ficha. Estranhei seu comportamento mas Ignorei pois o mais importante agora era minha noiva.

-S/n…me…me desculpe, eu sei que fui um grande idiota.
Sussurrei e peguei em sua mão gélida.

-Eu irei deixar os dois sozinhos. Qualquer coisa pode me chamar.
Connor falou e saiu deixando apenas nós dois no quarto branco de hospital.

-Eu me sinto…me sinto tão mal pelo o que fiz, queria tanto ver você acordada, nos meus braços, enquanto planejamos mais coisas de nosso casamento.
Suspirei sentindo que meus olhos estavam ficando molhados.

-Eu te amo. Não importa o que aconteça, eu sempre irei te amar.
Sussurrei novamente em seu ouvido e acaricei as costas de sua mão com meu polegar.

Seu rosto estava pálido e havia um aparelhinho para que a mesma respirasse, seus olhos fechados e seus lábios em uma linha reta demonstravam seu cansaço pelo acidente. Nunca pensei que iria vê-la assim.
Calmamente aproximei minha mão de seus cabelos e fiz um leve carinho ali. Logo, desci minha mão para sua bochecha e passei meu polegar pelo local.

-Minha princesa.
Uma lágrima escorreu de meus olhos e eu deixei um beijo no canto de sua boca.

-Liam.
Connor me chamou baixo entrando na sala.

-Você precisa sair agora.
Avisou e eu me levantei olhando uma última vez para S/n antes de deixar a sala.

Assim que deixamos a sala e ele me acompanhou até a sala de espera, eu resolvi tomar coragem e perguntar o que realmente estava acontecendo com minha noiva.

-Connor, você é meu amigo e trabalha aqui, pode me contar qual é o estado de S/n?
Perguntei vendo-o ficar tenso.

-Liam, eu não…eu não deveria estar lhe contando isso mas, S/n está em um estado grave, o corte na cabeça foi profundo e ela acabou perdendo muito sangue. Precisaremos de uma doação.
Respondeu me olhando com um pouco de pena mas eu logo me apressei.

-Eu! Eu posso doar o sangue.
Falei e ele por um breve momento sorriu.

-Qual seu tipo sanguíneo?
Perguntou se levantando junto a mim.

-A positivo.
Respondi e um sorriso maior brotou em seu rosto.

-Por sorte é o mesmo tipo que o dela, vou agendar para você fazer a doação.
Falou e uma energia boa passou pelo meu corpo me dando leves choques.

-Vocês devem formar um casal bonito, espero que ela melhore a tempo do casamento de vocês.
Falou amigavelmente e eu sorri me lembrando do nosso grande dia.

| Um mês depois |

O Connor acabou de me ligar avisando que S/n irá receber alta do hospital, por sorte, a doação de sangue deu certo e o corte na cabeça já está cicatrizando, S/n acordou hoje de manhã e conseguiu comer um pouco. Eu estou tão feliz que apesar de tudo ela está bem e poderá voltar pra casa.

Chegando no hospital, rapidamente fui até o quarto de S/n e só de colocar a mão na maçaneta e ouvir sua voz a falar com uma das enfermeiras meu coração já dispara.
Contei até três e abri a porta vendo minha noiva na cama de hospital, mas agora, acordada.

-Liam?
S/n sorriu e levantou seu braços para um abraço.

-Amor, eu tive tanta saudades.
A abracei e senti algumas lágrimas molharem minha camiseta.

-Eu…eu te desculpo, eu ouvi quando você falou comigo, eu conseguia ouvir e sentir mas não podia me mexer nem acordar. Eu te amo.
Ela falava com a voz embargada.

-Shhhh tudo bem, está pronta para o nosso casamento?
Sorri e ela me encarou confusa.

-Liam, nosso casamento estava marcado para uma semana atrás.
Respondeu triste.

-Somos nós que fazemos nosso casamento, e será amanhã. Se você quiser claro.
Falei e vi um lindo sorriso brotar em seus lábios. O melhor sorriso.

-Eu te amo.

-Eu te amo ainda mais.

***
Espero que tenha gostado.😘
Primeiro imagine de 2017.🎉

Eu não sou nada de especial. Não tenho o melhor sorriso ou o corpo mais bonito. Não sou a mais inteligente da turma e não sou comportada, muito pelo contrario, sou bem desastrada. Prefiro usar um pijama bem largo do que um vestido colado. Não sou a melhor pessoa para dá conselho, ou para estar por perto. Mas com esse jeito, que posso chamar de completamente meu, eu sei que posso te fazer a pessoa mais feliz desse mundo.
—  Com amor, Lola.

@jungleismyplace

O filho de Malévola estava aproveitando a brisa fresca que percorria a Academia naquela tarde. Sentando num banco, junto ao jardim, enquanto observava as demais crianças brincar, enquanto perseguiam algumas borboletas. Claro que Dastan tinha que se aproveitar um pouco da situação e usou a sua magia, transformando as borboletas em vespas, que passaram a perseguir as crianças que gritavam e corriam para longe dos insectos, fazendo o loiro gargalhar com aquilo, até ver Lola se sentar ao seu lado. - Não estava pensando ir brincar com as crianças, pois não? Porque acabei de fazê-los se afastarem daqui.- Ele já havia notado o espírito mais selvagem da jovem, por isso acreditou que se a mesma visse os pequenos a brincarem na relva, iria fazer o mesmo, independentemente da idade que tinha. - Não sente falta da selva? Porque raios sequer se permitiu vir parar aqui?