colets

nobody loves me like you

você me toca com suas mãos frias e eu só consigo pensar no quão quente é sua alma. você sorri pra mim meio sem jeito e eu só quero saber de me ajeitar no seu abraço. seus olhos são um oceano que eu me jogo sem medo de me afogar. porque você sempre me salva. seu amor é meu colete salva-vidas.
e ninguém me ama como você.

vrv

Não sei o que você quer de mim. E muito menos até onde essa nossa história vai. Mas, tenho que admitir, estou encantada. Encantada, porque nunca, nunca, tive um homem com tamanha preocupação como a sua. Que me trouxesse chocolate, sorvete, e me convide pra ir ao teatro. Que faça meu sorriso escancarar de orelha a orelha. Eu não sei de verdade, o que você quer de mim. Mas, por favor, não me encha de certezas e depois me cubra de dúvidas. Por favor. Não diga que me quer. E depois se desfaça de mim. Confesso, estou com um colete a prova de sentimentos. Não quero me apaixonar. Não quero me envolver. Não quero te querer. Mas, ai você sorri. E eu não quero ficar mais sem você. Estou fazendo o possível pra não me apaixonar, mas se caso acontecer, você vai cuidar de mim? Ou vai me iludir e sair por ai? Se eu apaixonar por você, pelo menos tenta, só tenta, não me fazer sofrer?
—  Uma carta qualquer.
Andei pensando sobre na liberdade e prisão que todos estamos a mercê. Direito de ir e vir é o parágrafo mais vicioso ao meu ver da nossa constituição, mas por algum jeito isso não se limita apenas a mudar de país, no âmbito pessoal é algo bem válido. Vivemos com um colete controlado pelo governo ou pela nossa própria índole/consciência, a liberdade é uma viagem com paradas obrigatórias. Como o seu cachorro que você leva para passear, ele está desfrutando da liberdade, mas mesmo quando não há ninguém por perto e você o solta, a coleira dele ainda o prende.  Estamos numa fluência de acordo com uma maré que uma hora irá nos colocar entre dois leitos e é nossa opção escolher qual leito iremos desfrutar. Namorar ou ser solteiro, atirar ou não atirar ou até mesmo não fazer nada, permanecer no lugar onde estamos simplesmente “ habituados ”. O problema é que a mesmice me incomoda, ser pequeno ou ficar apenas no “ básico ” é algo tão banal que me pergunto se o ser humano sabe do poder que ele tem nas mãos. Não apenas de mudar o pais com um voto, mas de melhorar a vida das pessoas com um riso sendo capaz de abandonar aquele olhar congelado diário das pessoas. Fazemos tão pouco com o muito que temos e como somos humanos me coloco nesse meio. Ser livre não é apenas um direito, é uma obrigação de você se libertar perante as coisas mais banais que te atrasa, inclusive pessoas. Veja como o tempo voa, ate ele é livre pra voar e fazer a sua hora, por que não fazer o mesmo ?
—  s-olenidade
E o trouxa dessa história?

Então você quer dizer que fui trouxa em acreditar nele e ele ter me dado de presente um par de chifres? Se a sua definição de trouxa for essa, está bem enganado, pode acreditar que sim. Em nenhum momento fui trouxa em acreditar que do nosso namoro resultaria em um par de alianças de ouro, quem realmente ama é isso o que deseja. 

Não fui trouxa por acreditar que as suas idas ao futebol todas as quartas e sextas feiras se tornariam em um encontro de rabo de saias, confiança no meu ver era a base de tudo. Não fui trouxa em acreditar que os aniversários que iria quase que todos os finais de semanas só estariam os seus “parças” como dizia estar e que poderia ficar tranquila, caso uma bala em formato de piriguete se atirasse em você, me dizia já estar com o colete anti-piriguete.

Não fui trouxa em acreditar nas tuas mentiras quando dizia que seria unica e exclusiva, como se fosse uma obra de arte que nenhum outro alguém pudesse ter igual e que era muito sortudo por isso. Não fui trouxa quando acreditei em você e não em pessoas em minha volta que diziam que eu
estaria ficando louca de continuar com alguém tão cachorro assim, até porque na minha cabeça esse povo todo era doido e queria nos separar. 

E veja só, o mundo deu uma volta bem louca e não estamos mais juntos, descobri tudo e terminei, mas levo comigo a consciência tranquila de que fiz tudo certo, aguentei até onde deu, perdoei até onde deu para perdoar e vou seguir em frente. Não fui trouxa em querer um namoro sério, querer construir uma família, querer ser feliz e fazer ele feliz também, trouxa foi ele que não soube dar valor a mulher que tinha.

Hoje? Corre atrás, manda mensagem, enche o saco, chora igual um bebê achando que isso vai fazer com que eu volte, e eu? Continuo com a certeza de que me livrei de um cara de pau, e por fim ignoro, porque hoje tenho alguém do meu lado que faz tudo aquilo que ele não foi capaz de fazer, e estou muito mais feliz. 

E o trouxa dessa história? Com certeza não fui eu!

Um policial não usaria um colete a prova de balas, se não houvesse a possibilidade de tomar um tiro, a bíblia não nos mandaria revestirmos da armadura de DEUS se não houvesse possibilidade de sermos atingidos pelas ciladas do Diabo.

- João Bosco