cofcofcof

Ele coçou os olhos com força, talvez um pouco desesperado. Naquela manhã, quando tinha acordado e aberto os olhos, descobriu-se cego. A única esperança que tinha era que aquele episódio de ataque passasse logo, não queria ficar cego por uma semana ou meses… Ou até para sempre.

Mas mesmo aquela esperança não o ajudou com o sentimento de solidão que sentia. Ele apertou o celular fortemente e olhou para onde lembrava ser o portão. Seus pais tinham ligado para ele e falado que iriam pegá-lo e fazer um passeio consigo, mas agora acabaram de dizer que não daria, igual a das outras vezes. Mesmo assim, permanecia ali parado, sentado em sua cadeira de rodas e na frente do portão, não queria voltar para seu quarto que dele não havia nada.