coceira

Ostra feliz não faz pérola. A ostra, para fazer uma pérola, precisa ter dentro de si um grão de areia que a faca sofrer. Sofrendo a ostra diz para si mesmo: ‘Preciso envolver essa areia pontuda que me machuca com uma esfera lisa que lhe tire as pontas…’ Ostras felizes não fazem pérolas… Pessoas felizes não sentem a necessidade de criar. A ato criador, seja na ciência ou na arte, surge sempre de uma dor. Não é preciso que seja uma dor doída…Por vezes a dor aparece como aquela coceira que tem o nome de curiosidade. Este livro está cheio de areias pontudas que me machucaram. Para me livrar da dor, escrevi
—  Rubem Alves - “Ostra Feliz Não Faz Pérola

かぜをひく(kaze wo hiku): to catch a cold / pegar um resfriado
せきが出る(seki ga deru):to cough / tossir
熱が出る (netsu ga deru): to have a fever / ter febre 
けがをする (kega wo suru): to injury oneself / se machucar
指を切る (yubi wo kiru): to cut a finger / cortar um dedo
やけどする (yakedo suru): to burn oneself / se queimar
骨折する (kossetsu suru):to fracture a bone / fraturar um osso

頭がいたい (atama ga itai): having a headache / ter dor de cabeça
おなかがいたい (onaka ga itai): having a stomachache / ter dor de estômago
のどがいたい (nodo ga itai): to have a sore throat / ter dor de garganta
手がかゆい (te ga kayui): to have an itching on the hand / ter coceira na mão
目がかゆい (me ga kayui):to have an itching on the eye /  ter coceira nos olhos

病気になる (byouki ni naru): get sick / ficar doente
しんさつする (shinsatsu suru): to go to a  medical examination / ir ao médico
入院する (nyuuin suru): to get  hospitalized / se internar
けんさする (kensa suru): to do a check-up / fazer um check-up geral
手術する (shujutsu suru): to do a  surgical operation / fazer uma cirurgia
病気が治る (byouki ga naoru): to be cured / se curar
退院する (taiin suru): leaving hospital / receber alta

薬局 (yakkyoku): chemist / farmácia
カプセル (kapuseru): capsule / cápsula
じょうざい (jouzai): pill / comprimido
こな薬 (konakusuri): powder medicine / remédio em pó
ぬり薬 (nurikusuri): ointment / pomada


*page taken from 日本語チャレンジ文法と読む練習N4

O que eu vi nele? Não sei muito bem. Mas tê-lo aqui me dá uma sensação gostosa de que tudo que deu errado outrora foi para viver este momento. É até injusto, eu sei, mas antes dele, parece que o amor que dizia sentir era mera coceira no peito.
—  Hugo Rodrigues

Para a surpresa do filho de Toth, pegou-se pensando, antes de encaminhar-se para a festa, quantos bailes já havia ido. E não eram muitos, talvez dois e apenas. Ele nunca foi o adolescente mais sociável do mundo, principalmente devido a condição de semideus, coisa que achou ser comum entre os presentes. Afinal, eles estavam mais ocupados treinando para não serem mortos que colecionando presença em festas. “Acho que aquele cara está com coceira nos pés” comentou para o semideus ao seu lado, usando seu habitual tom descontraído. Ele não estava alí para agir como uma senhora de meia-idade pronta para julgar quem aparecesse a sua frente, mas não pôde evitar fazer o comentário. “Talvez eu dance exatamente assim e não tenha o direito de falar dele, mas, enquanto ninguém me avisar nada, queria compartilhar meu pensamento” concluiu. Seus sapatos eram o que mais lhe incomodava naquela noite, mas prometeu que não iria ficar olhando demais para eles; caso contrário, qualquer um iria perceber.