claral

Capítulo : 5 - As Regras do Colégio

Vanessa não disse nada, ela pegou sua mala e jogou em cima da cama, começando a retirar suas coisas que estavam amarrotadas. Aos poucos o seu armário começou a ficar cheio de seus pertences.

A colega de quarto de Vanessa parecia não falar muito. Ela tinha cabelos loiros que descia até o final de seu pescoço, sua franja era comprida e era posta de lado em seu rosto, cobrindo seu olho direito. Ela tinha um par de olhos verdes. Ela era alta, branca e usava uma regata mostrando seu corpo definido. Ela usava três brincos de argola em cada orelha e no pescoço usava uma fina corrente de prata.

- Eu não lhe vi hoje nas aulas – Van comentou, sentando-se na sua cama, retirando seu sapato.

- Eu faltei – disse o óbvio, voltando a tragar seu cigarro.

Vanessa retirou seu casaco e sua camisa, chamando a atenção de Clara, que começou a observá-la. O cinto que segurava a calça de Vanessa foi arrancado, deixando sua calça cair um pouco. Ela retirou sua calça, ficando apenas com sua calcinha.

- Você não tem vergonha de se trocar na minha frente? – Clara indagou no mesmo tom de voz.

- Não te ouvi – disse, não agüentando aquele tom baixo.

- Perguntei se você não tem vergonha de se trocar na minha frente? – indagou meio irritada.

- Não – respondeu, indo até o armário, pegando uma calça jeans preta, vestindo-as rapidamente, deixando o tecido modelar seu corpo, ajustando-se perfeitamente a ela. A calça era apertada e sexy.

Van ficou apenas com sua calça, ela estava com calor. Ela sentou-se novamente na sua cama e olhou para a garota, que ainda fumava.

- Você sempre ficou sozinha nesse quarto? – Vanessa indagou.

- Não. Sempre colocam alguém comigo, mas sempre pedem transferência – comentou.

- Você deve ser terrível – Van comentou, exibindo um sorriso divertido para Clara, que lhe sorriu e volta, gostando do jeito direto da sua nova colega de quarto.

- Depende do seu ponto de vista. O que é ser terrível para você? – indagou, apagando seu cigarro na própria mão, jogando-o pela janela em seguida.

- Bem isso ai já é motivo de ser terrível, hum… Realmente, isso é bem relativo. Eu acho que se me fizer me sentir mal, talvez seja uma pessoa terrível – respondeu.

- Sábia resposta – disse, sentando-se na sua cama também – e já te falaram sobre esse colégio?

Sim – disse – já ouvi muitas coisas.

- O que vai querer fazer nessa sexta? Quer conhecer o resto das garotas? – indagou, jogando seu corpo no colchão, levando seus braços para trás de sua cabeça, permitindo que sua regata subisse um pouco, exibindo seu abdômen perfeito, com o famoso “tanquinho”.

- Uma tal de Fabrícia me chamou para ir ao dormitório do quarto ano – comentou.

- Hum.. interessante – disse baixinho – e você sabe as intenções dela ?

- Sim… o que você me aconselha ? – indagou.

- Se eu fosse você… eu não ia – disse – mas se você não for, elas vão ficar te perseguindo. Vai dar no mesmo a não ser que você se mostre com outra pessoa.

- Ah… comentaram isso comigo também – disse, sentindo-se um pouco desesperada.

- E por quê não arranja alguém ? – indagou.

- Hum… arranjar alguém agora ? – indagou, rindo alto em seguida. Vanessa sentou-se na cama e olhou para Clara com atenção, vendo que ela estava com os olhos fechados.

Clara sentou-se lentamente na cama, olhando para a garota a sua frente, abrindo um largo sorriso em seguida. Ela ergueu-se e caminhou na direção de Vanessa, tocando na cabeça dela, fechando seus dedos nos seus fios loiros, puxando sua cabeça para o lado.

- Vai querer me agredir? – Vanessa indagou, mantendo-se calma.

- Você é interessante. Não está com medo de mim? – indagou, permitindo que seu hálito de cigarro adentrasse pelas narinas de Vanessa.

- Por que teria?

- Realmente, não tem motivo – disse.

- E você parece ser mais velha… por acaso é do terceiro ano mesmo ? – indagou.

- Eu sou repetente – disse – era para eu estar no quarto ano agora, eu conheço todas ali, pois estudo nesse colégio desde os meus quinze anos.

-Deve ter sido bem judiada – Van comentou.

- Ah… apenas no começo, mas logo eu peguei o ritmo. Apenas precisa andar com as pessoas certas – disse.

A mão de Vanessa fechou-se no pulso de Claral, apertando-o com força. Porém Clara não o soltou, fechando seus dedos com mais força nos cabelos de Vanessa.

- Quer que eu as impeça de virem aqui te pegar? – Clara indagou – eu posso fazer isso.

- Mas tem um preço, não é?

- Certamente. Mas eu estou fazendo isso somente com você… Sinta-se honrada, pois eu te achei interessante – disse baixinho – quer?

- “Um monte de mulheres desconhecidas em cima de mim ou então Clara que é bonita e interessante? Hum… a Clara é lógico” – pensou rapidamente – eu aceito.