cidade a noite

One Shot Harry Styles

  • Pedido por @girlhorandirection Faz um do Harry em que eles vão passar as férias no Brasil na casa de praia da família,além do pai dela não gostar que dela e do Harry dormirem juntos tem a prima dela que dá em cima dele mais ele não liga e no fim ele pede ela em casamento. Obg



Se (seu nome) estivesse em um desenho animado, estaria nesse momento com fumaça saindo de seus ouvidos enquanto encara a prima piranha dando em cima de seu namorado descaradamente. É como se ela não estivesse ali, sem se importar com sua presença a garota colocou os peitos para quase pularem de sua blusa apertada enquanto conversa animadamente com Harry que está todo sem graça com ela o tocando a todo momento.

(Seu nome) só pensava no quanto queria matar sua prima, não só matar, mas torturar por dias antes de colocar fim na vidinha medíocre dela. Enquanto isso Harry pedia socorro mentalmente, ele não entendia direito o inglês misturado da prima de sua namorada e sabia que ela estava se atirando para cima dele. Tudo que queria era que (seu nome) o puxasse daquele sofá que agora - com a garota quase em seu colo - parecia pequeno demais.

Do outro lado da sala, a mãe de (seu nome) estava com os pensamentos voando em torno em de tudo que sua filha conquistou, orgulhosa por ela ter encontrado um namorado tão simpático quando ela sempre teve o dedo podre para escolhê-los. Ao lado da mulher, o marido pensava na hora de dormir, sua menininha estava de volta e trouxe um namorado de surpresa, ele particularmente odiou, mas não disse nada e apenas sorriu para não parecer grosseiro. Ele não parava de pensar no que faria na hora de dormir para não ter sua princesa na mesma cama com um homem debaixo do seu teto.   

Por fim, a prima piranha pensava no quanto queria aquele homem na sua cama. Ele tinha braços fortes, dedos longos e toda aquela simpatia devia ser substituída por um jeito selvagem na hora do sexo. Ela ficou com calor apenas imaginando o corpo grande e suado do namorado de sua prima sobre o seu, enquanto ele gemia desesperadamente por seu nome.

(Seu nome) havia se arrependido de ter escolhido essas férias para voltar ao Brasil e apresentar aos seus pais seu namorado, ela não sabia que a prima que ela menos gosta teria a mesma ideia estragando completamente o clima com o seu jeito vadia de ser.

— Bem… Eu vou levar o Harry pra conhecer o Cristo. — (seu nome) falou em inglês porque todos presente entendia essa língua, alguns menos que os outros.

— Eu também vou. — a prima piranha disse ao ver (seu nome) segurar a mão de Harry para livrá-lo da inconveniência dela.

— Não vai, não! — (seu nome) negou no mesmo segundo — Não queremos a sua companhia.

— Amor… — Harry a repreendeu pelo jeito que falou. Ele não gostou muito da garota, mas não queria que ela ficasse chateada.

— Ele parece querer que eu vá. — a prima sorriu.

— Ele não quer, só está sendo adorável como sempre. — (seu nome) começou a puxar o namorado para fora — Tchau pessoas!

(Seu nome) saiu com Harry o mais rápido possível para evitar ao máximo ficar na presença da prima porque a ideia de fazer uma execução estava tentadora.

[…]

— A companhia de vocês está maravilhosa, mas já vamos nos deitar. — (seu nome) disse (claro que não excluindo a prima do vocês) e se levantou abraçando o Harry pela cintura.

— O quarto de hóspedes está preparado para você Harry, espero que tenha uma boa noite de sono. — o pai de (seu nome) disse simplesmente.

— Ele não precisa disso, ele vai dormir no meu quarto e Taninha vai dormir no quarto de hóspedes. — (seu nome) o contrariou e ganhou um olhar severo em sua direção.

— Taninha vai dormir no seu quarto. Você não se importa de dormir no quarto de hóspedes, não é mesmo, Harry?! — o homem olhou em direção ao rapaz que negou com a cabeça.

— Não me importo, senhor.

— Mas eu me importo! — (seu nome) fez uma carranca.

— Você pode dormir no quarto de hóspedes, (seu nome). Harry e eu nos viramos no seu quarto.

(Seu nome) só olhou em direção a prima desejando triturá-la com a força do pensamento, mas resolveu ignorar o seu comentário idiota e sem noção. Nem que o inferno congelasse ela consideraria essa possibilidade.

— Pai, somos adultos, não precisa mais dessa regra boba para adolescentes. — ela revirou os olhos — Não sei se o senhor sabe, mas dormimos juntos há muito tempo. Dividimos um apartamento.

(Seu nome) ouviu seu pai resmungar algo que ela não compreendeu e então caminhou até sua mãe dando-a um beijo no rosto e logo após fez o mesmo com seu pai.

— Não se preocupe… Não faremos seus netos aqui em casa. — (seu nome) sussurrou somente para o pai ouvir e rindo voltou para os braços do namorado.

— Mantenha a porta aberta, ou não… Saibam que eu tenho o sono leve. — o homem mais velho presente disse todo rabugento.

— Antes de irmos… — Harry pigarreou mudando de assunto — Eu queria aproveitar que eu e a (seu nome) estamos aqui para dar um passo importante na presença de vocês.  — Harry mexeu em um de seus bolsos e tirou de dentro uma caixinha de veludo azul escuro e todos já imaginavam do que se tratava — Eu quero compartilhar com todos vocês aqui o tamanho do meu amor pela (seu nome). Eu não sei o que eu faria se ela não tivesse aparecido na minha vida no momento em que nos cruzamos na cafeteria e tivemos que dividir uma mesa, provavelmente minha vida seria muito chata e vazia porque ela chegou ocupando espaço e me tornando um de seus maiores admiradores. — ele sorriu olhando para os olhos marejados da futura noiva — Obrigada por ser essa pessoa maravilhosa e por ter me permitido entrar na sua vida e construir com você essa relação de confiança e cumplicidade que temos. Você é com toda a certeza a minha alma gêmea, eu não acreditava nisso antes de te conhecer, mas agora eu tenho certeza que é verdade porque nos completamos de um jeito único. Não há ninguém nesse mundo que eu deseje ter ao meu lado mais do que eu desejo ter você e é por isso e por muitas outras coisas que eu, Harry Styles — ele abriu a caixinha exibindo o anel de noivado — peço sua mão, (seu nome completo), em casamento diante aos seus pais e da sua prima.

(Seu nome) estava tão surpresa que não conseguia falar nenhuma palavra a não ser deixar as lágrimas caírem enquanto olhava de Harry para o anel de noivado com a boca aberta. Harry sabia que a resposta seria um ‘sim’, eles se amam, mas ele queria ouvir da boca dela e durante os segundos que se passaram apenas olhando a reação surpresa da futura noiva, o sorriso imenso não lhe saía do rosto.

— Sim, Harry! Sim! — (seu nome) deu alguns pulos de alegria e se jogou nos braços do noivo enchendo seu rosto de beijos.

Passada toda a euforia e (seu nome) fazendo questão de passar seu anel lindíssimo na cara de sua prima safada, os dois resolveram ir dormir porque teriam que comemorar no dia seguinte e (seu nome) levaria Harry para mais um tour pela cidade maravilhosa.

— Boa noite. — Harry falou todo alegre e o pai de (seu nome) se conteve e não pediu para que eles não comemorassem com sexo.

Os dois entraram no quarto e acomodaram seus corpos sobre a cama macia - Harry abraçando (seu nome) por trás - e então começaram uma conversa sobre casamentos e como imaginavam o dia e a vida depois que fizessem sim na igreja.

Com a porta trancada e apenas alguns beijos carinhosos e cheios de amor, os dois se entregaram aos mundos dos sonhos após muitos planos.




Espero que tenham gostado…

Deixem seu importante favorito ❤

Estou postando pelo celular, então desculpem qualquer erro. :/

- Tay

Não vá agora. Fique um pouco mais e deixe teu cheiro em minha roupa, em meu corpo. Chega mais junto e me de deixa te beijar por mais um tempo até eu aceitar que vou ter que passar essa noite sem teu colo. Fique mais dez minutos. Deixa eu abrir um vinho e falar que desde o momento em que te conheci, as borboletas aqui dentro de mim não pararam de voar.

Fica um pouco mais. Me fala da sua agenda de amanhã, que filme está esperando chegar ao cinema e que serie está companhando na netflix. Me fala que país pretende visitar e qual comida deseja provar. Olha, acho que está chovendo lá fora e você terá que passar a noite aqui. Vi no celular que o trânsito está um inferno e que a cidade fica mais violenta a noite. Talvez isso seja só desculpa para que você passe a noite comigo, se colar colou, amor! Eu quero mesmo passar a noite fazendo sexo contigo.

Fica aqui e me faz companhia. Sei que tens que trabalhar amanhã. Basta sair um pouco mais cedo e tudo dará certo. Vamos abrir mais uma garrafa de vinho e se tudo der certo, nossas roupas ficarão espalhadas pelo chão da sala até a entrada do meu quarto. Deixa eu te olhar nos olhos e te mostrar que meu desejo maior e ter você pra vida toda e não só até o amanhecer.

Esquece as horas e o mundo lá fora. O momento é agora. Fica só mais dez minutos. É o tempo que preciso pra provar que você deve ficar para o resto da vida.

nós seremos a melhor coisa que já nos aconteceu (por um tempo)

você vai sorrir toda vez que me ver caminhando em sua direção, toda vez que ver um letreiro brilhando e lembrar de como eu amo o brilho da cidade a noite. deixe tudo. vamos ter conversas verdadeiras às três da manhã sentados no gramado de um parque qualquer, me mostre quem você é sem medo da rejeição. i wanna hold your hand. então segure. não pense duas vezes.

vamos dançar músicas que só nós dois podemos escutar em nossas cabeças porque a melodia mais bonita e mais dançante é a que toca quando você me olha com os olhos de quem vê o tesouro escondido pela primeira vez.

não se esqueça.

vamos nos abraçar dez vezes em um dia até que os abraços sejam comuns e ordinários demais para serem repetidos tantas vezes. vamos dançar apenas as músicas que estão no viva voz porque o silêncio estará se instalando no meio do nosso abraço. você vai dizer que está tudo bem e vamos seguir alimentando algo que não sente mais fome. nosso amor terá um disturbio alimentar. posso sentir.

tudo bem, tudo bem. desistir nem sempre é fracassar.

“eu teria roubado uma orquestra inteira por você” disse Ted antes de fazer um discurso sobre só o amor não ser suficiente, na série how i met your mother. eu também teria. a orquestra, sua pintura favorita, o dvd do seu fime favorito e tudo que estivesse ao meu alcance.

nós seremos estranhos que já se conheceram bem demais. e não será fácil. lembrarei de você todas as vezes em que the pugilist tocar e eu ouvir a voz doída cantando e suplicando como numa prece “don’t forget me don’t forget me don’t forget me”. não me esqueça. apenas o amor não terá sido suficiente e tudo bem também. não vivemos uma comédia romântica.

você vai se apaixonar de novo e eu também.
a vida é um ciclo
que bom te ver por aqui.

Imagine - Liam Payne

Oi gente! Eu estou muito, muito, muito feliz com as ask de vocês dizendo o que estão achando da minha escrita, eu sinto mais vontade ainda de continuar escrevendo. Esse imagine foi um pedido especial feito pela @maytrindex; espero que gostem desse também! Ah, amanhã não teremos imagine, mas na segundas voltamos com tudo! Beijocas


- Sabe, esses dias eu estava pensando, devíamos agendar a data do nosso casamento. – Liam falou enquanto brincava com meus dedos.

- Você não acha que é cedo demais? Ainda nem terminei a faculdade. – Dei de ombros.

- Bom, estamos juntos a seis anos, você já é minha noiva. Acho que podíamos fazer algo pequeno e a aproveitar com a nossa família. – Ele me encarou, aquela sala estava ficando quente.

- Acho que ao invés de fazer um casamento, devíamos começar a procurar um lugar para morar. Nós dois juntos. -  Suspirei. – Sabe, estamos cada um em um lugar; devíamos nos preocupar com isso, o casamento podemos pensar com mais calma.

- E, bom, depois que casarmos vamos ter várias crianças, né?! – Comecei a suar. – Quero ter muitos filhos com você! – Ele se inclinou para me beijar, mas eu não o retribui.

- Desculpa. – Me levantei.

- (S/N), o que aconteceu.

- Eu…. Olha, eu tenho que ir…. Sabe, a faculdade.

- Não, (S/N)! Me explica o que aconteceu aqui! Primeiro você não quer casar e agora que eu falei de filhos você quer fugir! Você não me ama mais?

- Eu preciso ir para casa. – Peguei minha bolsa. – Eu te ligo. Mais tarde.

Conturbada, sai do apartamento do Liam às pressas. Eu estava suando no meio do inverno. Estava nervosa. Não queria tocar no assunto filhos nunca, por mais que soubesse que esse dia chegaria. Amava Liam mais do que tudo, mas jamais seria capas de dar o que ele mais queria: uma família.

Eu estava tão assustada que a última coisa que eu queria era ver Liam naquela semana e por tamanho pavor fui passar um tempo na casa de um dos meus amigos da época da escola, Vitor. Essa semana virou um mês, eu troquei o número do meu celular e tempos depois, mal saia de casa. Vitor me levava e me buscava na faculdade e eu me afastei de todas amizades que eu mantinha por conta do relacionamento com Liam.  

Vitor me recebeu na sua casa de braços abertos e eu desabei em lágrimas, contando a ele o que havia acontecido.

Foi uma sexta tumultuada por conta da faculdade e minutos depois que eu cheguei na casa de Vitor a campainha tocou e nos demos de cara com Liam. Vitor me perguntou mais de três vezes se ele deveria conversar com Liam, mas como eu não teria forças para contar minha história, permiti que Vitor fizesse.

- Liam, eu quero que você se acalme para que possamos conversar. – Ouvi Vitor apaziguar as coisas e Liam bufar impaciente. – A conversa é sobre um assunto bem sério. Você tem que parar com esse seu chilique.

- Está bem. O que de tão sério você tem para me falar? – Liam começou a fazer um barulho estranho com a boca e logo em seguida riu. – Nem precisa me falar, eu já sei.

- Sabe do que? – Por um breve momento meu coração parou e eu me senti sem ar.

- Você e ela resolveram me fazer de corno a alguns meses e agora ela não tem coragem de admitir. Uh, acertei, é?!

- Como a (S/A) pode gostar de alguém tão babaca como você? – Do lugar onde eu estava, vi Vitor se levantar. – Senta aí e me escuta, por que se não o fizer, eu mesmo faço questão de sumir com a (S/N).

Por instantes, a sala ficou um silêncio e eu me vi obrigada a descer mais um degrau da escada. Ali, puder ver melhor onde Liam estava sentado e cara de bravo de Vitor. Vitor suspirou e sentou ao lado de Liam.

- A um tempo atrás, antes de vocês se conhecerem, a (S/A) teve algumas complicações de saúde e ela se viu obrigada a tomar um remédio controlado. – Vitor suspirou e minhas lagrimas passaram a escorrer no meu rosto. Era cruel ouvir minha própria história. – Ela ingeriu o remédio por anos e acho que ainda costuma tomar quando ela acha necessário. Mas esse remédio, como todos os outros, tinha contraindicação, e o efeito desse foi a deixar ela estéril. Ela sabia do que aconteceria, mas a vida dela estava em jogo e nada seria mais importante do que isso. Você não precisa ficar se vai pressionar ela a ter filhos, não se sinta culpado por isso você não sabia, mas repense no que vai fazer a partir de agora.

- Eu a amo. – Liam suspirou e sua voz falhou. – Eu faria qualquer coisa por ela. Eu. Eu quero falar com ela. Onde ela está? Por favor, me deixe; me deixe falar com ela.

- Ela está no andar de cima. Vou deixar vocês conversarem; mais trade eu volto para casa. – Vitor se levantou e me encontrou com o olhar. – Qualquer coisa, me liguem.

Acenei com a cabeça para ele e o vi sair da casa. Segundos seguintes, Liam levantou e me viu, um soluço alto escapou dos meus lábios.

- Ah, meu anjo. – Liam andou rápido até onde eu estava e me tomou em seus braços. Um abraço apertado de tirar o folego. – Você devia ter me contado.

- Eu tive medo. Eu te amo demais, Liam. A rejeição me assusta. – Me vi pequena com seus braços ao meu redor.

- Eu sinto muito. Pelo problema que você teve; pela medicação que teve que tomar; por eu ter sido um babaca; por não ter te passado confiança suficiente para você ter certeza de que nunca eu iria te deixar. – Ele afrouxou o abraço e me encarou. – Eu quero sim ter filhos, mas isso é uma coisinha das tantas outras coisas que eu quero.

- Liam, eu nunca iria te dar um filho. – Solucei alto. – Nunca! É impossível. Eu não posso gerar uma criança.

- Eu entendi isso! E me entristece demais saber que eu não vou ter um filho com a mulher que eu amo. Mas temos tantas outras coisas para imaginar. Sabe, podemos ser só nós dois, podemos adotar, teremos sobrinhos para alegrar a casa aos finais de semana. Mas você não pode mais me abandonar ouviu. – E foi nesse instante que Liam começou a chorar.

- Liam, eu…

- Nunca mais! Eu me vi perdido, rodei a cidade inteira na noite que você saiu. Eu me preocupei, me assustei com o que poderia ter acontecido. Não faça mais isso comigo. Você me arrebentou.

- Sinto muito. – Foi a única coisa que eu consegui dizer.

- Vamos para casa? – Acenei com a cabeça. – Ah, eu ainda quero um casamento e uma casa só para nós dois. Vai desistir disso também?

- Eu não desisti de ter um filho, apenas não posso. – Suspirei. – Mas se você aceita, quero passar os dias mais felizes e os mais difíceis ao seu lado. Você não sabe o quanto eu amo você.

- Vai lá buscar suas coisas! Te espero aqui. – Liam se inclinou para me dar um selinho e eu emendei com um beijo quente, estava agarrada aos seus cabelos enquanto ele apertava minha cintura, por baixo da blusa. - Eu te amo!

as luzes
da cidade
não morrem:

só continuam a se retraírem em círculos contínuos

as luzes da cidade
só crescem
porque
a noite é longa
e escura demais
pra passar de luzes apagadas

mas todos os traços noturnos
não cabem na lanterna

porque permanecem intactos na face nua que não se reflete

não se vê

mas todas as coisas não ditas são escutadas quando a cidade dorme


não, as luzes ainda assim não se apagam

flickr

Caxias do Sul, Brazil