cicatrization

Sobre o “Amor”
Quando vira ferida, e se transforma em cicatriz você pode até esquecer quando foi que aconteceu, mas vai está lá e em algum momento você vai lembrar.
—  Colecionadora de cicatrizes.
Mas eu tento ser forte por ele, sabe? Juro juradinho que tento mesmo. Só que tem horas difíceis e acabo chorando sozinha, ali no cantinho escondida. Acho melhor ele não saber disso, não seria bom. Ainda tem várias cicatrizes em meu ser que doem uma vez ou outra, não me acostumei com elas. E não sei fingir, meu Deus, não sei mesmo! Quando estou ruim, não sei ignorar o sentimento e colocar um sorriso no rosto. Eu sinto muito, sinto por tudo. Me sinto horrível por ser assim, mas continuo tentando ser mais forte… por você.
—  Ilusões de Esther.
Ainda não sei ao certo qual das minhas escolhas teve por consequência você, afinal não acredito em destino ou ação de uma força cósmica sobrenatural. Eu que estava completamente distraída olhando os girassóis pela janela, com o coração interditado por tempo indeterminado para reconstrução, fui surpreendida por um qualquer, você. Um ser que eu desejei tão demasiadamente no primeiro vislumbrar, sabe aquelas paixões arrasadoras de cinco minutos? Eu tive por você, senti uma vontade intensa de beijá-lo ali na primeira vez que nos olhamos, não entendi porque minha essência apetecia tanto um desconhecido, mas que parecia ter passado mil vidas comigo. Eu queria a resposta: porquê? Porque você? Poderia ser qualquer um, mas quando encarei seus olhos grandes e insinuantes eu senti no fundo do peito e a única coisa que conseguia falar era puta merda. Não foi amor, não. Amor se constrói dia pós dia. Foi uma daquelas paixões triunfantes de filmes românticos. Talvez nós não nos completássemos, talvez você fosse de Marte e eu de Vênus, talvez meus trilhões de defeitos, mágoas e cicatrizes fossem impedir que eu me entregasse de corpo e alma. Mas naquele momento, eu só conseguia pensar que se fodam os porquês, talvez e dores. Eu queria sair correndo atrás de você te agarrar e prender em cópula a minh’ alma até o fim dos meus dias. Eu era a menina da janela e você o cara que passava por ali, senti que aquela história boba de flecha do Cupido podia ser verdadeira, pois algo realmente atravessou meu peito e dilacerou o meu ser, quem sabe eu apenas estivesse sendo sonhadora novamente ou porventura você estivesse sentindo o mesmo. Quem sabe seria mais fácil correr até você e perguntar se de todos seus sonhos românticos você aceitaria se apaixonar pela menina da janela apaixonada por girassóis.
—  Almalizei datilografou com Vireipassaro.

eu te disse que minha banda preferida era coldplay e você riu. disse que combinava perfeitamente com minha delicadeza e com certeza era a trilha sonora da minha alma. você não sabia que eu não era nem metade do que você imaginava conhecer. você conhecia apenas o jardim que eu era no começo mas se fosse um pouco mais adiante veria que há um cemitério de amores, sonhos e esperanças em mim.

você nunca esteve interessado em saber das minhas cicatrizes e traumas e tudo bem por isso. nem sempre estamos dispostos a conhecer a parte sombria do outro. o que me doía era que, você conhecia apenas minha superfície e falava como se conhecesse minhas profundezas mas na verdade você não tinha noção de quem eu realmente era.

você riu quando eu disse que tinha medo de amar novamente e disse que eu era tola por acreditar que todos iriam me decepcionar algum dia. tu dissestes que eu devia reaprender a me entregar novamente mas nunca me acolheu com suas asas.

e eu continuo por essas noites sombrias, bebendo com caras que não conheço e não tenho o mínimo interesse em conhecer, enquanto tu me diz como amar mas nunca me faz sentir amada.

e meu bem, dói tanto.

Ana Flávia Castro.

Dizem que amores ‘vãos’ se vão, amores passageiros servem para te preparar para um verdadeiro que está por vir. Pensam que amor é sorte, e que a sorte, você só faz se sair se arriscando com qualquer um. Acreditam ainda que coração é previsível ao ponto de saber medir exatamente os próprios sentimentos com outras pessoas, como se fossemos amar para sempre ou esquecer na semana que vem. Coração é uma existência livre. Coração é selvagem indomável, ao mesmo tempo dócil e doméstico. Não há como impedir-se de amar alguém, não há como se enganar por muito tempo com alguém sem sentimentos, nem é justo com a pessoa que acreditou do seu lado. As pessoas se machucam por querer laçar o que está fora do controle. Perderam o respeito com seus sentimentos, mais vale um copo cheio em uma noite vazia que um coração completo. Viver, passaram a acreditar, é somar cicatrizes esperando que alguém apareça pra te curar.
—  A culpa é mesmo das estrelas?
Obscuro, turbulento e frio. Sei que é assim que deve estar tudo ai dentro, se eu fosse lhe descrever interiormente diria que pareces um jardim a muito não regado, não adubado ou alentado, estou certa? Se sim prossiga nesse texto, vamos conversar nas entrelinhas, saiba que estou aqui escrevendo pra você. Segura minha mão bem forte que eu vou te ajudar a atravessar esse túnel escuro onde a luz no final é você mesmo. Eu sei que está doendo, sufocando e que sua escolha no momento é apenas o silêncio, mas ele pesa não é? Já não acredita que falar sobre a nevasca que tens ai dentro possa diminuir o frio que sentes intrinsicamente, mas vou te contar uma coisa, você sabia que palavras são mágicas? Elas podem ajudar a aliviar essa angustia que tem sentido bem mais do que estes cortes que você fez ai em sua pele, talvez essas palavras doam um pouquinho para sair, porém bem menos do que você espera. Grite! Chore! Escreva! Mas não engula isso tudo que está preso ai, não se afogue neste seu esse mar de sentimentos e dor, seja seu próprio salva vidas, sei que nesse jardim já houve flores e que nem sempre seus olhos foram tempestade, aliás, que lindos olhos você tem sejam eles castanhos, verdes ou azuis, consigo ver através deles a beleza da sua alma e ela está gritando por socorro, pedindo para que você não desista de si, pois se desistir estará também destruindo ela e acredito que você não quer acabar com essa coisa tão bela que habita ai em você, não é? Eu sei que tu és tão vasto quanto o céu, mesmo que ao olhar para si mesmo veja apenas um buraco negro de idas sem voltas, mas você já parou para observar a noite? Toda aquela beleza do breu iluminado pelas estrelas e enfeitado pela lua, é assim que eu vejo você, enxergo o encanto das estrelas nesse seu sorriso que esta escondido faz tempo e a venustidade da lua na sensibilidade do teu ser. Se nem o céu na sua vastidão desistiu de brilhar e mostrar o que há de melhor em si por milhares de anos, por que você desistiria? Não é fácil segurar esse caos todo que está sentindo e exatamente por isso aconselho a ti que não o segure, o coloque pra fora e transforme suas cicatrizes em poesias, não deixe de ver flores em ti, pois daqui eu consigo enxergar o jardim inteiro que você é, portanto não desista, aquela luz no final do túnel que tanto almeja é você mesmo.
—  Simone Ribeiro, in um setembro amarelo. 
Eu espero que você esteja se sentindo satisfeito e realizado com os caminhos que decidiu percorrer e os destinos que alcançou. Eu espero que teus medos e inseguranças tenham cedido protagonismo pra mais pura certeza e felicidade. Quando eu te amei eu queria te mostrar que se entregar a alguém não precisa ser motivo de pânico, queria te mostrar que existe sim quem cuide do seu coração. Eu queria te mostrar que mesmo as almas mais caóticas e quebradas conseguem colocar de lado os próprios cacos para evitar causar danos a alguém. Quando eu te amei, te mostrei orgulhosa as minhas cicatrizes e te garanti que cada uma delas me ajudou a ser mais forte e a amar melhor, eu queria te fazer entender que a dor não é algo a se encarar com medo e sim como parte da nossa jornada, queria te mostrar que chegaria o dia em que suas dores não seriam nada mais do que evidências da sua própria força. Não proclamo ser a dona da verdade, mas espero ter podido te ajudar a dar um passo a mais nesse imenso caminho que é aprender a viver, afinal, você também me ajudou. Hoje você é a cicatriz que me ensinou que amor não correspondido não é amor desperdiçado e que nem todo fim é o fim do mundo.
—  Anna Maia.
Graças a Deus que apesar de todas as cicatrizes que tenho, visíveis ou não, ainda consigo sorrir. Fico rindo dos cachorros nas janelas dos carros, admiro as árvores florescendo no caminho pra aula e piso nas folhas secas só pra fazer barulho. Graças a Deus que mesmo já tendo sido virada do avesso por essa vida maluca, continuo enxergando o quão bela ela é, nas coisas mais simples.
—  Morena