ceu!!

Eu sempre tive medo de mergulhar e isso vai da água até pessoas, sempre guardei meu coração a sete chaves e deixava a imagem de “sem coração” para todos verem, sempre afastei as pessoas de mim e sempre fiz com que elas quisessem se afastar também, sempre tive medo de que tamanha intensidade assustasse as pessoas e que eu saísse machucada demais de tudo isso então preferia me prevenir, me entregava pela metade ou nem isso, mas mesmo assim meu coração apanhava e de tanto apanhar ele se despedaçou todinho e cada vez que partia um pedacinho, doía, meu Deus, como doía. Até que você apareceu e com essa essência doce me ganhou de cara, e sem eu perceber foi juntando os pedacinhos, você tem uma alma tão encantadora e leve que eu nem notei que todos os dias você dava uma cor diferente pra minha vida. Quando me dei conta já estava perdidamente apaixonada por você, e dessa vez eu não quis me afastar, ainda sentia um friozinho na barriga e o coração disparava toda vez que eu parava pra pensar, o medo de me entregar ainda me rondava, mas eu só queria você então eu abri meus braços e fui.
—  Meu céu.

deixa eu te contar do clima louco que faz por aqui, te contar das cores do céu, de como as estrelas não brilham mais como antes, deixa eu te contar da saudade, das vezes em que ela apertou forte, das vezes que eu chovi mais que as nuvens, dos sonhos que se perderam no caminho, da vontade, da falta e da saudade que sufocam nas noites frias. 

você é daqueles que rasga a alma de um jeito bonito, 
beijando os buracos da pele cansada
como quem não sabe ficar.
você é daqueles que fuma, fuma, fuma
e tem as pontas dos dedos marcados de uma queimadura que não sara,
como um monge insistindo pela paz. 
você é daqueles que não se contêm, 
permanecendo refém daquilo que te convêm, num caos só teu.
você é um desses poucos
que me salvam de um naufrágio
sem sequer saber usar um bote. 
obrigada por acalmar meu coração já exausto.
me aceita. me aceita. me aceita.