cds novos

Imagine Zayn Malik

Para Lary: Menina, adoro essas coisas, muito obrigada por mandar, mesmo.

Nota da ajudante da Lary: Ponto de vista do Zayn.
Nem sempre s//n ai ser seu nome completo, pra não ficar tão formal, então tá.

  • ·        Hely cats eu queria pedir sabe um imagine com o zayn bem sad que ele trai ela, e depois de 3 anos ele volta e tenta ficar com ela em casamento so que ela já tá noiva (no final eles ficam juntos)

- Bom dia, Sunshine! – S/n disse quando abri os olhos. Ela estava linda com seus cabelos caindo em seus ombros e a minha blusa. Seus olhos meio fechados ainda e a cara amassada mostrava que ela já estava acordada contra sua vontade há um tempo.

- Eu não quero levantar… – disse abraçando a sua cintura, e a jogando na cama.

S/n deu a sua famosa risada, aquela que me fazia suspirar de amor. Fiquei encarando o seu perfil por um tempo, todos aqueles detalhes excepcionais  poderia enlouquecer qualquer homem. Ela não era como as outras namoradas que já tive, S/n era mais.

- Feliz quatro anos, doze dias e – a minha quase esposa fitou o relógio de princesa do lado da cama – cinco horas.

- Foram os melhores quatro anos, doze dias e cinco horas da minha vida. Eu amo você – s/n subiu em cima de mim, se inclinou e me beijou

- O certo é cinco horas e um minuto agora.

- Um minuto e um segundo – disse pressionando o seu corpo mais no meu, não do jeito de como eu fiz a noite passada, agora mais calma e mais romântica.  

- Credo – ela disse se separando de mim e saindo de cima do meu corpo, o que me fez gemer em reprovação. Juro que foi de reprovação. – Quando é que nos tornamos esses casais ruins e melosos? – ela riu passando a mão na minha cara para afastar o seu rosto do meu.

- Eu não faço a mínima ideia. Mas eu gosto. – ela me encarou levantando a sobrancelha e com um olhar indignado

- Ainda te chamam de bad boy? – S/n se levantou da cama me puxando com ela

- Ei! – disse em falsa raiva – Eu sou mal ainda.

- Nunca. – ela me provocou. E realmente eu não era o que a mídia dizia, ela sabia disso. Ela mais que ninguém sabia disso.

- Eu vou te mostrar o quão bad eu sou – disse levando ela no meu colo para o banheiro e deixando acontecer o que já fazíamos desde da noite de ontem.

Xxx

Já tinha terminado o meu café com S/n, agora eu tentava ver umas playlist legais a fim de atualizar as redes sociais para os meus fãs sobre o novo CD, que seria totalmente dedicado a mulher que assistia Barbie e a casa dos sonhos na televisão.

O celular vibrou em minhas mãos me fazendo a voltar atenção para ele. Era Liam mandando fotos do filho dele e dizendo que eu deveria ir o visitar, eu sei que como amigo eu realmente deveria, mas ainda há coisas pra resolver por aqui e os boatos da minha saída da banda ainda circulam.

- Querida, Liam me mandou fotos do Bear. – disse para S/n que agora assistia Três espiãs demais.

- Ai que lindo, ele já deve ‘tá grandão né?

- Sim.

- Se puxar ao Liam e um pouco da Cheryl a criança ai ser uma belezura.

- Não será tanto quanto o nosso… – disse me sentando ao sofá junto a ela – Nossa família vai ser linda, e incrível, e magnifica, e foda – disse intercalando a beijos na minha namorada.

- Olha essa boca, idiota. – ela disse se virando para beijar-me melhor, parando apenas para cantar o refrão da música de abertura do desenho.

Xxx

- Então você vai trabalhar agora? –assenti – Achei que iria folgar o dia inteiro.

- E folguei o dia. A noite tenho que voltar – disse em meio ao sorriso.

- São quatro da tarde. Ainda é dia. – ela disse cruzando as pernas em volta da minha cintura, o que me fez balançar um pouco para trás já que ela deu um impulso grande pra subir. S/n desceu e ficou encostada na porta me olhando sair. Aquele lindo olhar de saudade e desejo.

- Eu amo você. – Minha garota disse quando eu estava já no final da calçada.

- Eu também – respondi quando entrei no carro de Kimmy.

Seguimos para Los Angeles onde eu iria apresentar uma noite de música em um festival, S/n não poderia ir comigo já que precisava ficar em Malibu para resolver assuntos de seu trabalho em escala mundial.

O local do festival estava completamente lindo, havia várias pessoas e músicos e cores. Uma coisa muito louca ao mesmo tempo de ser calmo.

- Vai um? – disse uma garota loira com mechas coloridas no cabelo para mim, eu sabia que cigarro era aquele, ah se sabia.

- Não, obrigado. Não fumo mais. – a garota riu ainda mais.

- Ah qual é, por que?

- A minha namorada disse que…

- Zayn Malik está na linha por causa de uma qualquer? – ela se aproximou mais de mim. Como estávamos no backstage, as coisas eram meio apertadas e difíceis de não ter um contato corporal. A menina abaixou um pouco mais a sua blusa, o que me deu  visão de seus seios, e bem, eram maiores que o de S/n. – Só um pouco, vai. – empurrou o cigarro contra meus lábios semiabertos, e quando eu ia reclamar, puxei o ar pela boca o que fez com que a fumaça adentrasse meus pulmões. E cara, que saudade disso.

Não sei ao certo o que me deu, mas eu estava beijando aquela mulher enquanto ela já tirava sua blusa e eu as calças. Repeti o processo que tinha feito naquela manhã com a minha namorada, na minha casa.

Droga.

Larguei-me da mulher e comecei a subir minhas calças e procurar as minha blusa.

- Ei! –ela disse protestando – Eu não terminei.

-Termine você sozinha.

Sai do local, quando abri a porta, percebi que o dia já estava amanhecendo e a claridade me fez ficar tonto e enjoado.

- Ei, cara, vai pra onde? – Kimmy apareceu no meu campo de visão e como eu estava meio drogado já que estava transando e fumando.

- Eu não sei. Preciso da S/N.

- Zayn Malik não terminou de me foder! – ouvi a voz da mulher adentrar nos meus tímpanos e foi também a última coisa que eu lembro daquele dia.

Xxx

Cheguei em Malibu e fui para o meu apartamento, espera ver S/n ali, me esperando ou coisa do tipo. Mas estava minha mãe e a merda da mulher do back; a vadia não entende que eu não quis e não quero mais?

- Sunshine, essa mulher disse que dormiu com você. – minha mãe apontou para a desgraçada

- Caramba, você é chata pra caralho! – eu disse e logo fechei a boca, S/n não gostava de tantos palavrões em casa.

- Me faça terminar pelo menos! –disse a outra cheia de si.

- Cala a boca! – minha irmã disse, ótimo agora tenho uma convecção em casa – Ela veio pra dizer isso para S/n. – fodeu tudo.

- Cadê ela? – perguntei para Safaa disse na escada. – Nem sonhe – disse quando estava no primeiro degrau, esparrando a minha entrada.

- Deixa ele ir, ele deve explicar. – Minha mãe interferiu.

Subi o resto dos degraus correndo e parei em frente a porta branca de maçaneta dourada. Onde passamos todas as noites nesses últimos três anos, que foi quando ela se mudou pra cá… Oh todas as noites, aquelas noites eram nossas.

Abri a porta com medo de ver o que estava acontecendo, S/n estava de costas para mim e dobrava uns panos que consegui identificar como suas roupas.

- Você quer que eu deixe alguma lingerie para ela? – o tom ácido saiu da boca da mulher que eu amava e aquilo me feriu profundamente.

- Oh, você sabe que eu estou aqui… – eu disse surpreso por ela jogar assim, poderia ser minha mãe.

- Eu te reconheceria em qualquer lugar, Zayn. Como reconheci o homem que eu amava de costas traçando uma mulher qualquer.

- O que? – eu disse receoso e de modo baixo

- Era ao vivo! – ela disse aumentando o tom de voz, coisa que nesses quatro anos nunca fizera – Ao vivo! A repórter estava no backstage, onde você estava! Você estava lá! – S/n se virou para mim e pela primeira vez eu preferi que ela continuasse a não me olhar – Você estava lá, seu vagabundo! – começou a distribuir tapas por todo meu corpo, ora com suas próprias mãos, ora com uma peça de roupa que ela segurava.

- Eu não… Eu não sabia… – disse tentando me desviar de tapas – Poderia ser qualquer um outro.

- Mas era você, eu posso te reconhecer entre milhões de pessoas, entre milhões de clones seus, eu posso te reconhecer no meio do nada e entre tudo, Zayn. Eu posso porque eu te amo, eu te amo como nunca amei alguém e acho que nunca vou amar algum outro. Você poderia entender isso? – assenti com pressa e medo – Não, você não poderia, porque você não amou, Malik.

- Eu te amei, eu te amo! – disse me pondo de joelhos e a encarando, as lágrimas caiam do meu rosto sem dó, mas nada caia dos olhos dela, apenas de sua boca, as palavras que eu nunca esqueceria.

- QUEM AMA NÃO TRAI! – ela gritou, a minha calma e pacifica S/n gritou. – Quem ama não traça qualquer uma na primeira oportunidade que vê, quem ama não pensa em quebrar promessas ou algo do tipo, porque amor requer isso, amor precisa disso. Você em algum momento me amou de verdade?

- É claro que eu te amei, eu te amo e te amarei. Eu dedico minha vida pra você, acordo todos os dias pra te vê, fujo de reuniões pra ficar com você, eu cumpro minhas promessas pra você. – disse, e era verdade.

- Sobre as promessas, você está se referindo a nunca me magoar ou sobre largar o baseado? Porque, olha, você me decepcionou em ambas. – Ela também sabia da droga.

- Ela que te contou? – S/n assentiu

- Você sabe pelo menos o nome da moça? – eu não sabia, mas isso não tinha nada a ver conosco. Neguei com a cabeça. – Acho que é melhor assim, sei lá.

S/n se virou novamente, agora, se uma terceira pessoa nos visse ia perceber que éramos como um drama da televisão. Eu ajoelhado chorando e ela de pé fazendo a mala.

- Fica – supliquei secando as minhas lágrimas. – Por favor, fica. Eu te amo.

- Eu não posso, você sabe. Eu não sei quem você é.

- Me reconheça, vamos, você sabe quem eu sou, eu sou o seu Zayn. No meio da multidão, você sabe quem sou eu, sabe o que ‘tô dizendo, por favor, S/n. Não vai. Não, por favor.

- Eu não posso. – ela se abaixou em minha frente  e beijou a minha mandíbula, seus lábios quentes fizeram meu corpo se arrepiar, tenho quase a certeza que ela sentia o gosto das minhas lágrimas em sua boca. - Não posso enquanto tiver aquela imagem na minha mente.

E essas foram as últimas palavras que S/n me dirigiu. Lembro-me de ter visto ela pegando sua bolsa e sua mala saindo dali. Não lembro onde minha mãe ou Safaa se meteram. Então aos poucos as coisas que S/n possuía no meu apartamento ia sumindo, ela mandava umas amigas ou até a minha própria família vim buscar suas coisas que restavam. Eu sabia que ela não pisaria aqui, ainda mais quando eu estou largado no quarto, onde era a maior fonte de objetos dela.

A outra sacana disse para minha mãe que só queria fama, Trisha disse isso enquanto eu estava acordado, ou parecia.

- S/n? – perguntei a mulher que me pariu

- Eu não sei. – essa era resposta que todos me davam, mas não era a certa, eles sabiam, eu sinto isso.

 

3 ANOS DEPOIS… (parece coisa de novela, né?)

Fiquei na fossa por um longo tempo, sempre pensava em S//n e minhas músicas sempre retratavam ela de algum modo. Eu sei que deveria admitir e segui, mas não é tão fácil quanto você ama a pessoa. E eu a amo, eu sei disso.

Estava de volta a Malibu, depois de uma turnê de um ano e meio eu havia chegado para poucos dias de folga e férias, iria encontrar a família e amigos, tentar contato com S/n como venho fazendo, me disseram que ela trocou de número, e mesmo assim tento falar com ela no número antigo. Coisa estranha que eu adquiri depois de vê-la partir.

Largado em casa, recebi uma ligação de Doniya dizendo que minha mãe e ela iriam vir pra casa passar uma tarde comigo. Continuava no mesmo lugar onde S/n me deixara, ora ou outra me pego falando com algo que imagino ser ela. Imagino ela aqui deitada comigo ou cozinhando, imagino ela no banho e dormindo, questionei a anormalidade disso pra um psiquiatra, ele disse que era normal e que passaria ao longo dos anos, apenas acreditei.

Voltando, como Doniya disse que viria, fui passar no mercado, já que não existia qualquer coisa comestível dentro de casa. Entrei no carro e fui, no meio do caminho me arrependi totalmente por não ter contatado Bob, as fãs poderiam surtar e eu não estava com saco pra isso.

Desci e corri o estacionamento do shopping caminhando até o mercado que tinha lá, nem sei porque resolvi em um shopping, fazer o que se minha cabeça não vai  muito bem. Estava na seção de doces quando ouvi a risada que conhecera a tempos, era ela, eu sabia que era. Encarei a mulher de cabelos, agora curtos e mais claros, reconheci as sapatilhas que faziam o seu estilo e as calças que ela tinha uma coleção no guarda-roupa que também era meu por um tempo.

Ela estava ali, abaixada e segurando uma caixa de cereais em suas mãos. Os mesmos que faziam parte do meu armário e do meu lixeiro toda semana.

- Você ainda gosta das piadas dele? – disse me arrependendo em seguida, eu poderia ser melhor e mais cavalheiro.

S/n levantou sua cabeça rapidamente o que me fez acreditar que ela também não esperava me ver ali, quase pude ver o coração dela sair do peito. Ah, os seus peitos… Foco, Malik.

- Sim, continuam boas. – ela respondeu calmamente e se levantou ficando da minha altura. Sorrio sem graça até que o silêncio mórbido se estalou entre nós.

Eu a encarava da mesma forma que ela me encarava. Nos olhávamos procurando resíduos de um bom futuro e um seguimento da vida que tínhamos.

- Você emagreceu. – ela disse, pude sentir a preocupação dela em minha voz, o que me fez sorrir ainda mais.

- Você sabe o quão ruim é comer em turnê. – disse a ela relembrando de um fato de três anos anteriores.

- Pois é – o silêncio pairou novamente e seus olhos quase gritavam socorro, entretanto ela parecia não querer sair dali naquele momento.

- Eu senti tanto a sua falta, você não sabe o quanto ruim vem sendo esses anos sem você… – disse me aproximando dela para abraça-la, e ela deixou. O que me surpreendeu bastante.

- Eu… também senti a sua por um tempo. – seus braços não estavam em mim como ela costumava fazer.

- Não sente mais? – percebi S/n ficar rígida e seu coração acelerar mais.

- Olha, Zayn – ela me afastou de seu corpo o que me deixou bem chateado – Se passaram um bom e longo tempo, as coisas não são como achamos que eram, tudo mudou e eu…

- Eu ainda te amo – disse para que ela soubesse que o tempo não mudou isso.

- Eu estou noiva. – mais uma frase de todas as outras que ela já disse três anos antes que me machucou. Parei por um segundo a encarando, eu não sabia o que fazer ou por que fazer, eu amava aquela mulher e tudo mais, não poderia deixa-la com outro homem.

- Então você vai se casar – perguntei. Sei o quão besta é essa pergunta, mas ela poderia dizer que esperava por mim tudo mais.

- Sim, eu espero – Sn respondeu com leveza e então eu me afundei mais ainda na solidão que tinha criado.

- Você já pensou sobre isso? Porque, olha bem… – peguei as chaves do meu carro onde tinha um chaveiro que era “guarda coisas pequenas”, o abri e ali tinha o anel de ouro branco e rubi que eu daria para ela alguns anos antes. – Eu ia te pedir isso primeiro, então tenho preferência.

- Zay – o meu apelido saiu dos lábios dela, enquanto S/n encarava o chão e passava a mão na nuca, foi ali que eu percebi que ela tinha feito uma tatuagem, era fênix, o renascimento, a volta, talvez ela, talvez eu. – Eu não sou como aquele caixa – apontou para o caixa onde uma garota ruiva atendia uma senhora grávida enquanto um casal de idosos e outro homem com criança esperava. – Eu não sou um jogo ou uma brincadeira de quem dá mais. Eu sou uma mulher.

- Eu sei – murmurei baixo para não atrapalha-la.

- Eu te amei por muito tempo e talvez eu ainda te ame, não sei. Mas isso não quer dizer que você pode voltar aqui e dizer que iria me pedir em casamento, como se os últimos três ou desde aquele dia, nada tivesse acontecido. Porque aconteceu. – S/n me olhava nos olhos – Eu simplesmente não posso. – eu sabia que ela queria chorar, porque eu também queria.

- Você me ama? – disse sorrindo, nem sei o por quê do sorriso.

- Eu… – Sn foi cortada por um homem moreno, alto e não que eu pense isso com frequência, entretanto, gostoso. O rosto de S/n se iluminou quando o viu ali, enquanto o meu brilhava pelas lágrimas.

- Amor, eles vendem sorvete do Bob esponja aqui. – disse mostrando um pote de sorvete com o desenho animado estampado.

- Sério? Uau! – disse ela, e era em real surpresa. Digo isso baseado no que sabia dela.

- E ai? – o gostosão olhou para mim balançando a cabeça como em um comprimento.

- Oi – levantei a mão, como et’s naqueles filmes de suspense.

- Acho que já pegamos tudo. Podemos ir? – a voz de S/n saiu baixa e mais delicada, como o tom que ela usara para me acordar naquele dia.

Sn olhou em meus olhos pela ultima vez e também balançou a cabeça como fez o seu noivo. Fora a partida mais triste que todas as outras que eu estive imaginando por esse tempo. Ela estava saindo novamente do meu campo de visão, quiçá da minha vida.

Xxx

- Oi, Sunshine – minha mãe que estava na porta de casa disse ao me ver saindo do carro e me ajudando com as sacolas.

- Mãe, seria loucura eu ainda estar apaixonado por S/n? – Minha mãe revirou os olhos e ficou me encarando, o que tinha no meu rosto, afinal?

- Ela está noiva, Zayn. – Dona Trisha falou indo para porta da minha casa com duas sacolas, então percebi que todas as minhas irmãs e meu pai também estavam ali.

- Como… Como a senhora sabe disso? – perguntei realmente confuso enquanto minha família entrava na minha casa.

- Ela ainda fala comigo. – respondeu como se estivesse falando das minhas irmãs.

- E comigo.

- E comigo.

- Eu também – disseram as três filhas que minha mãe pariu.

- Nestes três fodidos anos, vocês falavam com ela? – perguntei revoltado, esperava um oi que seja de S/a todo esse tempo.

- E daí? Ela vai se casar, e não tem nada que você possa fazer. - Então foi aí que eu reparei que eu tinha muito o que fazer.

 Os membros dos Malik iam cozinhar então todos estavam com um serviço, eu também, claro. Mas quando Walihaa largou o celular dela, peguei sutilmente e disse que precisava ir ao banheiro. Consegui desbloquear, já que o celular não lia o dedo da minha irmã, ela vivia colocando senha, e por sorte consegui ver quando ela digitou ao longo do dia. O contato de S/n era um dos primeiros, logo, o mais frequente.

S/N <3: “Eu vi seu irmão hoje”

WALY: “OH! Esqueci de dizer que ele chegou :x”

S/N <3: “Relaxa, está tudo ok.”

WALY: “ VOCÊ NUNCA PÕE PONTO FINAL”

S/N <3: “HAHAHAHAHAHA”

S/N <3: “Desculpe”

S/N <3: “Acho que o teclado salvou assim”

S/N <3: “Ele tinha um anel”

WALY: “que? Pra que?”

O celular vibrou na minha mão e eu vi que ela tinha acabado de mandar uma mensagem.

S/N <3: “Ele disse que veio primeiro”

S/N <3: “Nesse negócio do casamento”

S/N <3: “Acha que é verdade?”

 Respondi prontamente.

WALY: “S//n, ele não vai te iludir de novo, olha bem, ele gosta de você de verdade, ele tá apaixonado com esteve anos atrás, deixa de coisa e fica com Zay”

Esperei alguns minutos então ela respondeu

S/N <3: “Walihaa não diz ‘olha bem’ e nem sabe que te chamo de ‘Zay’, Zayn”

- MALIK! – ouvi a voz da minha irmã, deletei rapidamente as últimas mensagens e então abri a porta pra a dona do celular – Eu quero fazer xixi! – passou rapidamente por mim, ainda bem. Voltei pra cozinha e deixe o celular onde ele estava.

- Mãe, olha isso. – disse Safaa com o celular virado para minha mãe e meu pai, pela expressão dos dois não era alguma coisa legal.

- Você acha que acabou mesmo? – meu pai perguntou.

- Ela não iria deixar isso acontecer e passar em branco. – Doniya falou. Eu prestava atenção e já estava meio curioso. Nessa altura já estava socando a massa do pão com força e desejando que alguém falasse alguma coisa.

- Oh, cara! – Waly disse quando chegou a cozinha e verificou o celular – Sério? – questionou todo mundo.

- Foi o que ela colocou no grupo – disse minha mãe com celular na mão também.

- Vocês tem um grupo e eu não estou nele? – Questionei meio revoltado depois de entregar a massa para o meu pai. – De quem vocês falam? – tentei ver o ecrã do celular de Doniya, claro que a minha irmã não me deixou ver. Então encarei todo ali, ninguém disse nada e me olhavam meio ‘wtf’ – Até o senhor, pai? – o meu pai assentiu. Que merda.

Xxx

Dias se passaram e ninguém nunca me disse o que estava acontecendo ali. Então nem perguntei mais. Já fazia um mês que estava em Malibu, ora eu ficava procurando S/n nas redes sociais e não tinha nada que indicava quando ela se casaria. Nada.

Tinha convidado uns amigos meus para virem me visitar e fazermos uma tarde de comidas e jogos. Liam tinha acabado de chegar em casa e me disse que esqueceu o achocolatado de Bear com a mãe, então eu me ofereci pra ir comprar enquanto ele ficava em casa com o filho que jogava e esperando os outros.
Payne todo exigente disse que seria melhor caso eu passasse na cafeteria que era mais perto de casa.

Entrei no local quente, vi uma moça em frente ao caixa e logo reconheci ela, fui fazer o pedido, S/n estava mais pálida e séria, estranhei que ela não era assim, nunca foi.

- Terminou com namorado – disse Doniya do meu lado. Percebendo o meu susto e minha confusão disse – Eu vim com ela para sair. Conversa com ela. – então a minha irmã saiu, voltando para a mesa com outras amigas de S/n que me encaravam, dei um tchau para elas. Umas corresponderam, outras reviravam os olhos. Normal.

- Só um minuto, vou achar as moedas aqui – S/n revirou a carteira que tinha em mãos. Pedi rápido um chocolate quente e pus minha mão no bolso da minha calça que tinha umas moedas.

- Aqui. – entreguei para ela. – Está certo?

- Sim – a caixa disse dando de volta uma moeda para S/n que passou para mim sorrindo.

- Obrigada – disse a minha garota.

- Sai comigo. Pelo menos uma vez, sai comigo. Porque eu ainda te amo, porque eu te reconheço na multidão e entre tudo e entre nada e entre vários clones seus – apontei para as pessoas da cafeteria, se olhar bem, elas tentavam imitar o meu bem. – Eu te reconheço porque eu te amo. Te amo de verdade, como eu nunca amei ninguém e nunca vou amar. – repeti o discurso dela que me olhava chorando. Pela primeira vez nessa confusão toda eu vi ela chorando, aquilo me quebrou em diversas partes.

- Eu acabei de terminar um relacionamento. As pessoas comentariam caso me vissem abraçando outro nome? – S/n me perguntou enquanto limpava os olhos com as costas da mão.

- Acho que sim – nem terminei de falar e fui envolvido pelos braços dela, sentia tanta falta disso que acabei chorando junto com ela.

- Ótimo. Sentia falta delas comentando sobre a gente. – estava se referindo as revistas. E nós. Tudo em uma mesma frase.

- E ainda me chamam de bad boy? – repeti a pergunta dela.

- Você deveria ter uma memoria ruim e parar de repetir o que eu já disse. – s/n falou enquanto ria, ouvi ela fungar e se afastar um pouco.

- Eu não quero me esquecer de coisas nossas.

- Que bom.

S/n se separou de mim e pegou o seu café, o rosto ainda meio vermelho sussurrou as palavras que eu sempre vou lembrar, como se fosse a primeira vez que tinha ouvido: - Me busca em casa. Sexta, as 20hrs.

- Você também está repetindo suas próprias frases – disse pela apologia dela quando marcamos o nosso primeiro encontro.

- Eu posso. – S/n sentou-se na mesa com suas amigas, voltei no tempo real quando a moça repetiu o preço do chocolate quente. Sai dando tchau as garotas e voltando pra casa dez vezes mais feliz que estava.

-Liam! – disse quando abri a porta – Eu tenho um encontro!

Xxx

- Oi. –s/n voltou para o carro, estava deslumbrante com o vestido vermelho que sua mãe tinha a dado no natal. – Esperava usar ele já tem uns quatro anos. – disse ao perceber que eu encarava o tecido, eu esperava tirar ele daquele corpo faz uns quatro anos.

- Você está magnifica. – abri a porta do carro pra ela que entrou.

- Você está lindo também.

- Pra você – disse quando entrei do outro lado. – Era para eu te entregar antes de você entrar no carro e…

- Tudo bem, Sunshine. – me interrompeu pegando o ramalhete de rosas da minha mão. – Combina com meu vestido. – ela disse fazendo um sobre e desce com as flores na mão, até que a caixinha caiu no colo dela.

- Eu espero que você não surte ou saia desse carro agora, mas, namoramos por muito tempo e como o seriado que você gosta disse (how i met your mother ): pausamos o nosso relacionamento, por um erro idiota meu, eu sei, mas olha bem… – ela riu ao ouvir o que eu tanto falava – Eu quero me casar com você. Mesmo. Eu entendo que você não queira, tudo bem…

- Eu quero. – S/n chorando e sorrindo.

- Sério? –disse surpreso, nem eu esperava isso.

- Sim, sim, sim! Espero isso uns cinco anos! – ela disse me beijando, tenho a certeza que seu batom forte estava em todo meu rosto, e eu nem ligava mais.

- Oh cara! – peguei o meu telefone e digitei o número decorado.

- E nem me invete de sair com outra piranha que eu corto o seu amigo e faço torrada com seus olhos. – disse seria enquanto a chamada discava, eu ri pra ela.

- Eu mesmo faço isso. – o telefone foi atendido – Alô? Mãe? Avisa a todo mundo que eu vou casar! – S/n riu do meu lado.

-S/n está ai? Zayn, como assim? Zayn?- talvez eu fosse pro inferno por desligar o celular na cara da minha mãe e tudo bem, porque eu já tinha o paraíso do meu lado.   

Pedido: xuxu faz um imagine com o Harry em que os dois são famosos. Eles terminam e a S/N da uma entrevista e tem várias perguntas sobre ele e tals, então ele vê ela falando tudo e vai atrás dela. (Pode ter um hot no final, se quiser).

 

               A mais ou menos duas semanas que não vejo o rosto da pessoa que me inspirou a ser quem eu sou que me fez acreditar que eu posso ser uma pessoa melhor para o mundo é que me prometeu o mundo, mas em questão de segundos tudo foi perdido por conta de um ciúmes bestas que só ele estava vendo. Passei o meu dedo na tela de bloqueio que eu ainda fazia questão de manter a nossa foto, o seu sorriso e seus lindos olhos verdes fazia a foto ganhar um brilho especial, nós estávamos tão felizes nesse dia que fizemos um álbum apenas de fotos nossas tiradas naquele dia.

           Sentei-me no sofá e olhei o horário, apenas cinco minutos até a minha entrevista começar, ninguém sabia do nossa termino e eu ainda não estava pronta para dizer isso ao mundo, então vou ter que aguentar algumas perguntas sobre o nosso relacionamento feliz. Abaixei minha cabeça e tentei segurar as lagrimas que insistiam em cair. Assim que escutei meu nome sendo chamado, levantei-me e sorri e disse para mim mesma que tudo iria ficar bem e nada iria atrapalhar o dia de hoje, precisava está boa para essa entrevista meus fãs precisam me ver bem.

           Assim que entrei gritos e aplausos entraram pelos os meus ouvidos me fazendo ficar quase surda, sorri e caminhei até James Corden que tinha um sorriso gigante nos lábios, só o fato de olhar para o seu rosto causa-me um ataque de risos. Assim que o cumprimentei acenei para a plateia que gritava meu nome loucamente.

- Depois de meses tentando uma entrevista com a senhorita, finalmente consegui. – James olhou seriamente para mim.

-Oh, James desculpe-me estou ocupada demais com essa turnê. Mas é sempre uma hora participar do seu programa. – Disse sorrindo.

           Após algumas perguntas sobre o meu novo CD e a minha turnê que estava rodando o mundo o momento mais temido da entrevista iria começar, soube assim que ele olhou para mim e sorriu. Tentei sorrir e não demonstrar nada.

- Harry, Harry Styles. – A plateia gritou. – Estive com ele ontem e ele disse maravilhas sobre você.

           Assim que ele disse isso meu coração disparou. – Serio? – Disse animadamente.

- Claro você parece ter realmente roubado o coração do pequeno Harry.

           Esse momento fiquei animada para continuar a entrevista. – Harry é uma ótima pessoa, sou muito sortuda por ama-lo. – Assim que disse essas palavras senti como se ele estivesse ali do meu lado dizendo que tudo iria ficar bem.

- Vocês pensam no futuro? – James disse se referindo ao casamento.

- Sim, nós pensamos, mas ainda é muito cedo para decidir isso. – Respirei fundo lembrando-me de cada promessa que ele me fez. – Somos novos de mais, é agora estamos com a nossa turnê… Um passo de cada vez.

- Soube que Sweet Creature foi uma musica inspirada em você.

- Sim, foi Harry me disse algumas semanas antes de lançar o álbum que fez uma musica para mim e assim que a escutei já soube que essa Sweet Creature. – Meus olhos se encheram de lagrimas, quando me lembrei do Harry sentando na nossa cama com o violão nas mãos escrevendo as musicas do seu álbum, como eu amava o vê trabalhando e dando toda a sua alma para esse álbum.

- Você está bem? – James colocou a mão no meu ombro.

- Si, estou apenas estou emocionada por ter alguém tão bom e doce ao meu lado. – Menti.

- Harry sempre faz isso com o nosso coração. – James fechou os olhos e colocou a mão no peito. – Você também escreveu uma musica para ele não foi?

- Ah, na verdade meu novo álbum inteiro conta um pouco sobre o nosso relacionamento.

           Assim que a entrevista terminou fui o mais rápido para a minha casa eu apenas queria colocar minha cabeça no travesseiro e chorar o máximo que eu conseguisse. Tirei toda a maquiagem e aquela roupa e coloquei uma camisa velha no Harry e deitei-me no sofá e comecei a chorar, tudo que estava preso. Depois de alguns minutos ouvi a porta sendo destrancada, pensei que fosse a minha melhor amiga, mas assim que pus os meus olhos na porta vi o Harry parado com os olhos vermelhos assim como os meus, a minha primeira reação foi ficar apenas parada olhando para ele.

- Me desculpa apenas me desculpe por tudo. – Harry se ajoelhou na minha frente e pegou na minha mão e a beijou.

- Harry… – Passei minha mão nos seus cabelos e o beijei. – Eu te amo. – O abracei com toda a minhas forças.

- Sweet Creature. – Um sorriso lindo se abriu em seus lábios, fazendo-me sorrir juntamente com ele. – Eu te amo.

Eu sei que a vida é uma droga, mas tenta.
Só tenta.
Você ainda não viajou o mundo inteiro.
Não abraçou aquele ídolo.
Não foi há um festival de música.
Você ainda não viveu aquele amor de cinema.
Você ainda não terminou todas as suas séries.
Você não teve a oportunidade de dizer tudo o que sente.
Você ainda não mostrou pro mundo o talento que tem.
Seus amigos te esperam pra fazer aquele rolê histórico.
Sua família espera te visitar (aonde estiver) no natal.
Você ainda não surpreendeu todos que duvidaram de você.
Você já disse à ele tudo o que sente?
Você já fez alguém se sentir em casa?
E se seu amigo virtual resolver te visitar?
E se sua banda favorita for pra sua cidade?
Seu time ainda não terminou o campeonato.
Seu ídolo ainda não lançou o novo cd.
Você ainda não realizou todos os seus sonhos.
E mesmo que tenha feito todas essas coisas, calma, tem muito mais.
Você ainda tem uma vida inteira pela frente, por agora ela pode não estar sendo justa, mas lembre-se de que o tempo passa e as coisas mudam.
Você é mais forte que isso tudo.
Você vale a pena.
Os seus sonhos valem a pena.
Se tudo der errado, aguente firme.
🎗💛

Imagine - Liam Payne

Como prometido, hoje vai ter mais um imagine, e vai ser Já amei NY. Espero que gostem

Pedido: Pode fazer um em que ela é cantora e chega muito estressada do estúdio, aí ele quer fazer sexo e ela não tá afim, aí ele entende e pede pra fazer uma massagem nela, ela relaxa e desabafa sobre o trabalho. Por favor!!💙


- Encarramos por hoje, (S/N)! – Maicon grita para mim nos fones de ouvido e eu o tiro. – Foi muito bom hoje, (S/A).

- É! Posso ir? – Caminho até minha bolsa para pegar o celular. – Estou ficando com dor de cabeça.

- Pode! Claro! Nos vemos amanhã? – Ele abre os braços para me abraçar e eu me aninho entre eles.

- Sim! Mesmo horário de hoje?

- Sim. Vou chamar o carro para te buscar. – Ele me solta e analisa meu rosto. – Você não está em condições de dirigir hoje…

- Não estou mesmo.

Maicon me acompanha desde o início da minha carreira; nos tronamos amigos logo de cara e um mês depois ele confessou para mim que era gay. Ainda lembro dele rindo da minha cara de surpresa. Ele é quase um irmão. Parte da família ele já é; minha mãe ama ele.

- (S/A), vamos indo lá para frente? O carro já vai chegar. – Maicon pega a minha bolsa e eu saio com uma garrafinha de água nas mãos. – Liam vai estar em casa hoje?

- Não lembro… acho que ele falou algo de sair à tarde. – Suspiro frustrada. – Eu estava atrasada para sair, não conversei com ele direito.

- Bom, se ele não estiver, tome um banho e durma um pouco. Você precisa descansar.- Concordei com a cabeça e vi o carro preto chagando.

Maicon abriu a porta para mim e o motorista, Thomas, sorriu para mim perguntando se íamos direto para casa.

- Thomas, pare no primeiro fast food que você encontrar. – Ele assentiu com a cabeça. – E que Maicon não me ouça dizer isso. – Ouvi a risada do motorista.

Para minha segurança, pedimos no drive true. Pedi um lanche simples de frango e muita batata frita. No combo vinha refrigerante, então pagamos, pegamos a comida e eu fui beliscando até chagar em casa. Guardei o que tinha restado de comida no saquinho, me despedi de Thomas e entrei na imensa casa que dividia com Liam a um pouco mais de um ano.

- (S/A)? – A voz de Liam vinha da cozinha e eu caminhei até lá.

- Oi! – O abracei e dei um beijinho rápido em seus lábios.

Quando fui sair da cozinha, Liam segura meu braço e me puxa contra ele iniciando um beijo que indicava muito bem o que ele queria. O beijo era meio bruto e as mãos de Liam me seguravam com força. O mesmo me ergueu e me pôs sentada sobre a ilha de mármore que ficava no centro da cozinha.

- Não, Liam! – O empurrei pelos ombros.

A cara de surpresa de Liam quase me fez mudar de ideia, mas estava esgotada demais para qualquer coisa e minha cabeça estava voltando a latejar.

- Não estou no clima, Liam. Sinto muito. – Desci da ilha e caminhei para fora da cozinha; subi as escadas que me levaram para o nosso quarto.

Peguei meu pijama e roupas intimas limpas para, em seguida, me trancar no banheiro. O barulho do chuveiro fez com que eu me tranquilizasse e relaxasse graças ao contato da água quente com meu corpo tenso.

Após me enxugar com a toalha mais macia que havia no banheiro, vesti minhas roupas intimas e meu pijama.

Ao abrir a porta do banheiro, vi Liam sentado na nossa cama com a maior cara de cachorro que caiu da mudança.

- O que aconteceu? – Liam levantou-se e caminhou até mim.

- Nada. – Disse emburrada e quando passei por ele, o mesmo me segurou pelo braço.

- Me conta, vai… quero ajudar você… – Liam fez bico e eu revirei os olhos para não sorrir. – Que tal uma massagem, hm?

Liam soltou meu braço e foi para trás de mim, pondo suas mãos em meus ombros e os pressionando suavemente. Um arrepio correu pelo meu corpo e Liam beijou minha nuca.

- Prefere deitar? – Liam pergunta no meu ouvido e eu assinto com a cabeça.

Deito meu corpo na cama de bruços e sinto Liam sentar nas minhas pernas, um pouco mais baixo do meu bumbum. Suas mãos voltaram a relaxar meus músculos próximo a nuca e eu me sentia cada vez mais leve.

- Me conta, o que aconteceu? -  A voz de Liam me despertou.

- O trabalho. – Murmuro. – Fiquei o dia todo trancada no estúdio comendo salada com frango e bebendo água. Reescrevi mais de cinco músicas para gravar. Os empresários ficam pressionando sobre o CD novo. Já estou quase desistindo.

- Você não pode desistir. – Liam fala calmo. – Você tem trabalhado tanto nesse álbum. Não pode largar agora…

- Eu sei. Mas estou tão frustrada com essa pressa toda. Não quero entregar as coisas às pressas para quem me acompanha.

- Diga isso aos caras de gravata! – Liam altera um pouco a voz, mas em seguida se recompõem. – Conversa com eles. Eles precisam de você tanto o quanto você precisa deles.

- Eu sei. – Acabo suspirando com uma das caricias de Liam no meu ombro.

- Se você fizer isso de novo, vou arrancar suas roupas a força. – Ele resmunga.

- Desculpa. – Rimos juntos. – Obrigada!

Liam deita ao meu lado e fica me olhando. Subo minha mão direita até seu rosto.

- Obrigada, por tudo. – Sorri fraquinho para ele.

- Não tem o que agradecer. – Ele veio para pertinho para me dar um beijinho. – Te amo.

Pintei o cabelo de azul, voltei a escrever e comprei uns CDs novos de algumas bandas que nunca ouvi falar. Voltei atrás sobre o intercâmbio que eu tinha desistido e agora vou para o Canadá. Eu sei que lá é frio, mas dizem que frio é psicológico… Vamos ver né?! Também voltei a estudar e a ir em festas. Passei por outros um milhão de abraços e vi que o seu não era único. Parei de tomar coca-cola e agora só como doces no fim de semana. Consigo ficar dias sem celular e agora consigo viajar para Ibirá, onde o celular não tem sinal nenhum. Pelo que parece, só a vontade de voltar que não muda.
—  Escritora de Cafeteria.

Imagine Harry Styles . Pt.1

Pedido: Faz pra mim um do harry em que ele é a S/n ( pode se chamar molly ) namoravam a 2 anos , aí no dia do aniversário de namoro deles o harry trai ela cm a taylor swift e ela termina cm ele mais aí dps de um ano ele conquista ela de novo e três meses depois ela descobre que tá gravida [ pode rolar um hot na parte que ela engravida por favor ].

-//-


Me chamo Molly e sou namorado de Harry Styles . Eu eu e Harry estávamos completando 2 anos de namoro . Provavelmente os dois anos mais felizes da minha vida . Harry era um namorado incrível, sempre fazia o possível e o impossível para me ver feliz .

Infelizmente, nessa data tão especial, não poderíamos comemorar ou ao menos passar o dia juntos já que Harry estava trabalhando duro com a gravação de seu novo CD e teria que passar o dia inteiro no Studio . Mas resolvi fazer uma surpresinha a ele . Iria até lá , entregar um presente que tinha encomendado e assistir um pouco da gravação.

Pego minhas as chaves carro , o presente , minha bolsa e sigo até lá .

Chegando , adentro o local , passando por alguns funcionários de lá . Os cumprimento. Todos lá já me conheciam , mas eles não estavam com caras muito boas . Eles aparentavam estar espantados e seus olhos transmitiam preocupação . O que havia de errado ?

Continuo a andar , até dar de cara com Jeff, o produtor de Harry , que também era muito nosso amigo .

Molly: Hey! Oi Jeff!
Jeff: Molly?!? - perguntou surpreso . Sua cara assim como a de todos , não era nada boa.
Molly: Eu mesma ! - ri . - mas por que a surpresa ?
Jeff: N-não. Não é por nada . - gaguejou .
Molly: Mas eai . O Harry está aí ?
Jeff: Não! - respondeu meio exasperado e eu me assusto . - Não, na verdade , quero dizer , ele está sim , mas é que ele está em meio às gravações e não seria legal atrapalha-lo agora .
O que estava acontecendo com Jeff?Por que ele estava falando daquela maneira.
Ignorei completamente o que ele havia dito.
Molly: O mundo não vai acabar se ele parar ao menos para me receber . Hoje é nosso aniversário de namoro e eu preciso entregar esse presente e ele . - falei levantando a embalagem prateada com um laço vermelho sobreposto . Sem dizer mais nada , vou até a sala de gravações.

Jeff vem atrás de mim …

Jeff: S/n por favor não …

No mesmo momento abro a porta e vejo meu mundo desabar . Eu não conseguia acreditar no que estava acontecendo! Aquele segundo torcia para que eu estivesse em meio a um pesadelo . Fiquei em choque ao ver Harry e Taylor , sim , a famosa Taylor Swift , aos amassos .


Molly: O-o que está acontecendo aqui ? - digo baixo com a voz trêmula .
No instante os dois interrompem aquela cena ridícula e me encaram espantados .
Harry: Molly?!? O-o que está fazendo aqui ? - gaguejou .
Molly: Harry… o que é isso !?
Harry: Molly, amor ! Por favor , calma ! Eu posso explicar! - falou vindo até mim e eu me afasto !
Molly: Não chega perto de mim ! - grito . As lágrimas já desciam como lavas ferventes .
Taylor então se intromete .
Taylor : Ei , Molly, calma . Isso não passa de um Mal entendido .
Molly: Cala a sua boca ! Eu tenho nojo de você , ou melhor , de vocês !
Levo meus olhos de encontro aos de Harry que estavam marejados e começo a dizer .

Molly: Como teve coragem de fazer isso comigo Harry, eu pensei que me amasse!
Harry: Mas eu te amo meu amor , amo muito !
Molly: Ama tanto que foi capaz de me trair com essa dai ! - gritei .
Harry: Molly, por favor …
Molly: Já chega . Tudo o que havia entre nós termina aqui ! - falei aos prantos , com um aperto no peito .
Harry: Não,amor, calma , por favor vamos conversar !
Molly: Essa é minha decisão . Nosso namoro foi o maior erro da minha vida . Adeus Harry… - digo e saio dali , correndo , desnorteada e muito machucada . Nunca senti uma dor tão perturbante quanto aquela . Eu pensei que ele me amasse , mas eu estava enganada …

CONTINUA…

Pedido: Oii, pode fazer um com o Harry, em que ele está​ querendo se divorciar, só que ai a (S/N) descobre que tá grávida, e quando o bebê nasce ele fica todo bobo e eles acabam se resolvendo *u*

           Andava de um lado para o outro e olhava para o relógio a cada segundo, contando os minutos. Harry estava atrasado novamente, e isso vem se tornando uma coisa continua sempre a mesma desculpa ‘’Eu estou trabalhando muito no meu novo CD’’, mas isso vem se estendendo a mais de dois meses, Harry jamais demorou tanto tempo para escrever musicas ou gravar um CD.

           Sentei-me no sofá e coloquei minhas mãos nos meus cabelos os puxando para trás, senti algumas lagrimas se formando nos meus olhos e caindo, as limpei. O que está acontecendo com o Harry e comigo? Ele vem se tornando cada vez mais distante, ele não age da maneira que agia quando nós casamos Harry não é mais aquele mesmo home m que me jurou amor no altar há cinco anos, ele não parece nada com aquele homem que me acordava com beijos e que me dizia a todo o momento que me amava.

           Pus minhas mãos no meu estomago e logo depois na boca. Corri o mais rápido possível para o banheiro e me ajoelhei no vaso sanitário apoiando minhas mãos ao redor do mesmo e vomitei tudo que tinha comido o que tinha sido pouco, pois estava sempre me sentindo mal e não conseguia comer nada. Abaixei a tampa no vaso e me sentei encima ainda com as mãos no estomago. Olhei para baixo e depois olhei para a parede lembrando-me da ultima vez que tinha ficado menstruada.

Harry Vision

           Olhava para o sinal vermelho a minha frente. Bati meus punhos no volante do carro tentando descontar toda a raiva que estava sentindo naquele momento. Como eu sou um idiota, eu me odeio, por está me machucando e machucando ela, isso não esta mais nada certo, não existe mais amor entre nós dois, eu não posso mais continuar fazendo isso com ela e comigo.  Assim que o sinal abriu dei partida no carro.

           Coloquei meu casaco no sofá e subi para o quarto, mas ela não estava lá, e em nenhum outro cômodo na casa, talvez ela estivesse saído, mas o seu celular estava na cama. Sentei-me e tirei meus sapatos e joguei no chão. A porta do quarto se abriu e seus olhos estavam vermelhos e suas bochechas também, assim que ela pós seus olhos em cima do meu corpo, s/n se virou e fechou a porta, levantei-me da cama e fui em sua direção.

- Amor.

           Ela se virou e passou as mãos no rosto. – Não me chama de amor, porque você não me ama você na verdade nunca me amou. – Ela mantinha a voz em um tom baixo, mas a raiva era visível.

- O que? – Eu não estava pronto para dizer isso para ela, não agora.

- Não vem se fingir de desentendido. – Ela se virou e continuou andando.

- Espera. – Coloquei a minha mão no seu ombro.

- Eu estou grávida Harry.  – Ela gritou o mais alto possível. – satisfeito? Pode ir embora agora.

NOVE MESES DEPOIS…

        Tudo estava uma verdadeira loucura, s/n estava a um passo de dar a luz a nossa filha. As coisas entre nós estavam se resolvendo em passos lentos, mas está melhor do que a ultima vez em que brigamos, não vou negar que pensei muito em me separar, mas agora olhando para ela não seria capaz de fazer isso, jamais. Ela estava deitada na cama e eu segurava na sua mão.

- O que você esta sentindo? – Disse em seu ouvido.

- Imagine alguém chutando suas partes de baixo sem parar. – Ela apertou minhas mãos. – É pior do que isso.

           Após algumas horas ao seu lado, estava começando a ficar preocupado com ela e a nossa filha. Seu rosto estava muito vermelho e ela gritava muito. Olhei para a minha esposa e ela suspirou aliviada, assim que olhei para frente vi a nossa filha pela a primeira vez, ela chorava. Meus olhos se encherem de lagrimas, beijei o topo da cabeça da s/n. Assim que a enfermeira a colocou nós braços da s/n, sorri.

- Olha Harry ela tem os seus olhos. – Assim que olhei para o seu rostinho sorri. Ela realmente tinha os meus olhos.

- Escolhei o nome.

- Eu?

- Sim.

           Olhei novamente para a minha filha que estava com os olhos fechados. – Hope.

- É um lindo nome.

- Porque ela é a nossa esperança.

Pedido: Ooi, por favor, você pode fazer um do zayn em que ele é super grosseiro com todos mas com ela não é um dia ele chega em casa estressado e acaba sendo com ela e ela se assusta e ele se arrepende?

Zayn Vision

           Tudo estava dando errado hoje, o universo não estava ao meu favor. Hoje eu iria gravar duas faixas do meu novo CD, mas aquele produtor de merda simplesmente faltou e não me disse nada, e quando estava voltando para minha casa meu carro quebrou no meio do caminho e tive que voltar para casa de ônibus e metro, nada podia ficar pior. Assim que peguei o metro de volta para casa vi um grupo de meninas gritando por mim e depois o grupo foi aumentando drasticamente. Respirei fundo para não xingar, já estava cansado por hoje. Mesmo gostando muito das minhas fãs, mas hoje não é o dia, não mesmo.

           Então simplesmente sai andando o mais rápido possível, só precisava chegar em casa e dormir um pouco. Continuei dando até a estação, coloquei minha touca e andei de cabeça baixa o caminho inteiro.

S/N Vision

           Finalmente tinha terminado o jantar que preparei especialmente para mim e para o Zayn, mesmo não dominando muito a culinária dei o meu melhor. Hoje eu e o meu namorado completávamos exatamente seis meses de relacionamento, e ele não pode me levar para um programa a dois, pois Zayn estava muito ocupado, na verdade ele passou o dia inteiro fora e nem mesmo me ligou e isso já estava me deixando preocupada, pois ele sempre me liga ou manda uma mensagem de texto. Tirei a ideia da minha cabeça, hoje tudo tinha que ficar perfeito, a comida estava até boa para alguém que não sabe nem mesmo fazer arroz. Não me arrumei, apenas coloquei um moletom largo e confortável, é a penas um jantar em casa, então eu não precisa me arrumar muito para isso. Assim que escutei a porta se abrindo, corri até a sala e esperei ele abrir a porta. Quando Zayn entrou, fui em sua direção e o abracei, mas ele não fez nada.

- Fiz uma coisa. – Eu disse ainda animada.

           Zayn, não disse nada apenas continuou andando e tirou a sua jaqueta e jogou na cama. – Hoje não. – Foram as únicas palavras que ele disse antes de continuar a anda em direção ao nosso quarto.

           Fiquei parada sem disser uma só palavra. Ele não podia esta falando serio, eu fiz tudo isso para nós dois, para ele simplesmente dizer que ‘’Hoje não’’. Fui atrás ele e passei minhas mãos em seu braço. – O que aconteceu? – Eu queria que ele soubesse que independe de tudo estaria ali e outra e que hoje e nosso aniversario de namoro, queria que ele estivesse animado assim como eu estou.

- Caralho eu já disse que hoje não, quer me deixar em paz. – Zayn gritou tão alto que dei um pulo para trás. Meu coração quase pulou pela a boca.

           Zayn sempre foi o tipo de cara grosso especialmente com as outras pessoas, mas não comigo, ele sempre foi um verdadeiro príncipe e nunca levantou a voz comigo e isso me machucou muito. Sai de perto dele com os olhos cheios de lagrimas, o escutei chamando-me, mas simplesmente ignorei não iria o deixar agir dessa forma comigo depois de tudo que fiz para ele.

Zayn Vision

           Depois que gritei com a mulher da minha vida, percebi o quanto fui idiota, ela não tem culpa de nada, na verdade ela ao menos sabe o que aconteceu hoje. Quando ouvi seus passos e seu choro a chamei, mas ela não disse nada apenas continuou andando. Meu coração quebrou em mil pedaços quando a vi assim, nunca aceitei o fato de a vê chorando ou triste, mas dessa vez eu sou o motivo desse choro e não podia esta mais arrependido por isso.

           Ela precisava ficar um tempo sozinha, então fui em direção a cozinha beber um copo de água, assim que pisei meus pés na cozinha senti meu coração aperta. S/N preparou um jantar incrível, para nós dois e eu fiz isso com ela. Fui em direção à sacada, sempre quando ela estava triste ou queria ficar sozinha ia para lá. S/n estava sentada na cadeira com os seus olhos vermelhos. Sentei-me ao seu lado e passei minhas mãos em seu braço.

- Você não teve culpa de nada do que aconteceu hoje, eu que fui um filho da puta por descontar em você meus problemas.

           Não esperava que ela me desculpasse de primeira, mas ela olhou para mim com os olhos cheios de lagrimas e senti-me, mas culpado ainda. Desviei o olhar para não vê chorar.

- Todo mundo tem um dia péssimo às vezes. – Ela disse com a voz mais doce possível.

           Aproximei-me dela e a peguei no colo, imediatamente ela sorriu. – Vamos então, vamos comer e aproveitar o resto da noite. – Beijei o topo da sua cabeça. – Você sabe que eu te amo, não é mesmo?

- Sim, mas eu quero que você fale quantas vezes for preciso.

hmgloss  asked:

Oi linda, pode me sugerir musicas nacionais fodas?

cd novo do jorge e mateus
tds henrique e juliano
tds maria gadu
olhos certos - detonautas
to aprendendo a viver sem vc - detonautas
vc me faz tão bem - detonautas
ela encanta - marina peralta
me namora - sofia oliveira
fica comigo - sofia oliveira
andei só - natiruts
quero ser feliz também - natiruts
sorri, sou rei - natiruts
vc me encantou demais - natiruts
leve com você - natiruts
foda q ela é linda - 3030
bom dia - 3030
vagabundo tb ama - oriente
vida longa mundo pequeno - oriente
linda louca e mimada - oriente
medley nissin - oriente
fé - oriente acústico
thugz mansion - oriente acústico
a boa - cone
garotos II - leoni
ainda gosto de você - armandinho
outra noite q se vai - armandinho (acústico)
lua cheia - armandinho
rosa norte - armandinho
eu juro - armandinho
sol loiro - armandinho
sem graça - haikaiss
a prova - haikaiss
dona da beleza - pensoativo
ela rafa ela - pensoativo
destila amor - pensoativo
coração apertado - thaeme e thiago
o que acontece na balada - thaeme e thiago
solteira - thaeme e thiago
cê gama - thaeme e thiago
escreve aí - gabriela martins
sozinho - caetano veloso
zen - gabriel elias
calma menina - lucas dcan
julia e seu vestido colorido - lucas dcan
ela é zica - slim
beija flor - cacife
último romance - los hermanos
de onde vem a calma - los hermanos
casa pré fabricada - los hermanos
pra vc guardei o amor - nando reis
de janeiro a janeiro - nando reis
luz dos olhos - nando reis
canção pra te mostrar - scracho
saudade docê - scracho

parei pq já coloquei bastante kk

Preference: Ele te pede um filho

Pedido:  Amores, vcs podem fazer um preference que eles pedem um filho e a reação dela e tal

Louis 

 Desci as escadas com calma, e co passos leves caminhei até a cozinha, onde S/n já se encontrava preparando o nosso café da manhã. Ela estava costas para mim, fazia alguma coisa sobre o balcão da copa, totalmente distraída em seus pensamentos que nem notou a minha presença ali e acabou se assustando quando coloquei minhas mãos em sua cintura e me inclinei para beijar a sua bochecha. 

 — Bom Dia babe — Disse com a boca próxima ao seu ouvido. 

 — Louis! — S/n tentou parecer brava, mas sua expressão logo se amenizou quando levei minha mão para atrás da sua nuca, puxando o seu rosto e pressionei os nossos lábios juntos, dando início a um longo beijo calmo e sem segundas intenções, com direito a mordidinhas no canto da boca, o que sempre fazia ela se acalmar e soltar um sorrisinho bobo no final. — Bom Dia amor, está com fome? 

 — Uhum. — Respondi puxando um banco ao seu lado e me sentando próximo ao balcão já arrumado com as coisas do café da manhã, com pães, bolinhos, cookies, chás, café, leite. 

S/n serviu uma xícara de chá para mim e logo se sentou ao meu lado para preparar o seu café forte, como em todas as manhãs. Passei a observar os seus movimentos, enquanto tomava alguns goles do meu chá. S/n era toda delicada com os seus movimentos, parecia uma boneca toda linda e cuidadosa para não se sujar passando a geleia na torrada, segurando a xícara de café e cruzando as suas pernas de um jeito sensual. Mesmo vestindo uma camisa branca minha, com as casas dos botões trocados, e um coque mal-feito, ela continuava sexy. E eu amava me deparar com S/n assim pela manhã, parecia que ela fazia isso de propósito, sabia que eu gostava de vê-la vestindo a minha camisa, com o cabelo bagunçado  e meu perfume se misturando e entrando em contato com a sua pele. 

 — Não toma isso. — Disse quando notei S/n pegando a cartela na caixa de remédios que ficava ali na cozinha. 

 — Louis já conversamos sobre isso. — S/n destacou um comprimido da cartela, mas eu o peguei de suas mãos. — Louis me dá isso aqui! 

 — Eu quero ter um filho com você S/n. — Falei com sinceridade olhando no fundo dos seus olhos.

 — Tá Louis, mas não é tão simples assim querido. — Ela bateu em minha  cabeça — É preciso planejar bem antes de se ter um filho, eu não quero botar alguém no mundo se nem ao menos saber cuidar dele ou não ter tempo para cuidar dele. Eu tenho a minha faculdade e meu trabalho, você tem as suas viagens. 

 — Eu sei disso, nós não precisamos decidir isso agora. Podemos ter nossos filhos daqui uns anos, quando tudo estiver mais tranquilo, você estiver formada, estiver com um emprego estável e eu dar um pausa nos shows. Vamos nos casar, comprar uma casa maior, com bastante espaço para as criancas correrem, vamos ser felizes vendo os nossos quatro filhos crescerem, três meninos, para jogarem futebol comigo e uma menina para te fazer companhia no shopping… — Comentei arrancando risos de S/n a cada imaginação que eu tinha de como lidaríamos com quatro crianças 

 Zayn 

Subi as escadas com um pouco de pressa, procurando por Zayn nos quartos de cima, encontrando-o por mim em seu estúdio. Ele estava pensativo, sentado no chão sobre o assoalho gelado, com alguns álbuns de fotos e algumas fotografias espalhadas ao seu redor. 

 — O que está fazendo? — Perguntei curiosa, caminhando devagar até ele e me sentando ao seu lado, passando a observarmos juntos a foto em suas mãos. 

 — Lembrando de alguns momentos. — Disse com o olhar ainda fixo na foto que ele segurava. Era uma foto de Zayn deitado ao lado de sua irmã mais nova Safaa, ela devia ter alguns poucos meses na época que foto fora batida, ele brincava com a pequena mãozinha de recém-nascida dela. 

 Era incrível como debaixo de toda a sua aparência de mal, o seu corpo coberto de tatuagens, Zayn na verdade era um homem todo carinhoso e protetor com as pessoas que o cercavam. Sua mãe e suas irmãs eram a prova disso. Trisha sempre me contava as histórias de Zayn cuidando das suas irmãs quando ele era mais novo. Por ser o único filho homem da família, ele se sentia na obrigação de cuidar de Doniya, Whaliya e Safaa, ele gostava de brincar com elas, levá-las para passear e fazer compras no shopping, passavam horas no telefone conversando quando Zayn estava na turnê, e sempre trazia alguma coisa de presente para elas. 

— Você era tão fofo com as suas irmãs. — Comentei apoiando minha cabeça em seu ombro e pegando uma foto aleatória no chão. Era uma foto de Zayn ainda mais novo, com o cabelo curtinho, sentado em um banco ao lado de Doniya e Whaliya, eles estavam em uma espécie de um parque. — Nunca imaginaria você sendo tão carinhoso e protetor com suas irmãs. Queria ter tido a oportunidade de vê-lo cuidando de alguma criança, ia ser tão fofo. 

 — Mas você verá isso todos os dias quando tivermos o nosso filho. — Ouvi o seu comentário e me assustei. 

 — Um filho? — Perguntei assustada, me afastando um pouco e ainda não acreditando naquilo que eu havia acabado de ouvir. — Você quer um filho Zayn? 

 — Sim, porquê? Você que não quer ter um filho comigo S/n? — Ouvi um tom de desapontamento na sua voz. — Olha, porque se for isso… 

 — Não Zayn, não é nada disso. — Tentei acalmá-lo segurando as suas mãos e acariciando levemente  o seu rosto com o dorso da minha mão. — É claro que eu quero ter um filho com você meu amor, é só que… Eu acho que não estamos preparados para isso ainda, entende? Nem casados ainda estamos, você está começando a gravar o seu novo CD e logo entrará em turnê. Não quero que você esteja longe quando o bebê nascer e seja um pai ausente. 

 — Eu sei, temos muito o que planejar até lá. — Zayn sorriu torto e olhou para o chão. Ele sempre fazia isso quando ficava envergonhado antes de fazer algo. — Mas bem que nós poderíamos ir treinando, sabe? 

 — Treinando? — Franzi o cenho não entendendo o sentido da sua frase. 

 — É. Treinando para quando formos fazer o nosso filho. — Zayn falou baixo e de forma sexy, se curvando sobre mim, automaticamente me fazendo deitar as costas no chão, e grudando o seu corpo ao meu, juntando os nossos quadris, que logo entrariam em perfeita sincronia para começarmos a fazer o nosso primeiro filho. 

 Liam 

 — Pode ir falando o que tá acontecendo com você Liam. — Falei impaciente largando a minha bolsa e a sacola com o presente de aniversário da filha de Niall, um lindo vestidinho rosa cheio de babados, sobre o sofá assim que chegamos em casa. — Porquê você tá com essa cara desde que saímos para comprar o presente da Rose? 

 — Que cara? — Liam disse indiferente se jogando em cima do sofá e começando a mexer no celular e me fez ficar mais irritada.

 — Você não esconde nada de mim Liam Payne. — Peguei o celular de suas mãos. — Me diga porque você tava todo animado para sairmos para comprar o presente para a nossa afilhada e de repente ficou todo ignorante?

— Eu não estou ignorante. Eu… Eu só acho que estou com ciúmes, ok? — Tentou se explicar todo envergonhado olhando para as suas próprias  mãos. — Eu gosto da Rose, gosto muito mesmo dela, e de ser padrinho dela. Mas hoje, quando eu te vi escolhendo o presente dela naquelas lojas de roupas infantis, me vi me perguntando como eu ainda não tive um filho ou uma filha com você. Sei que você seria a mulher perfeita para isso S/n, você é paciente, sabe lidar com as crianças e cuidar delas, e é a mulher que eu amo e com quem eu vou ficar para o resto da minha vida. O que eu estou esperando para fazer um filho com você? 

 — Eu também não sei Liam, mas a gente pode começar a ver isso também sabe? — Comentei provocativa, me sentando sobre o seu colo, enquanto me deliciava beijando o seu pescoço e pressionando os nossos quadris, já começando a sentir o seu membro ficar duro em baixo de mim. 

 Niall 

 — Ele cresceu tão rápido. — Comentei suspirando alto, chegando por trás de S/n e abraçando a sua cintura, observando meu querido sobrinho Theo, que hoje comemorava o seu décimo aniversário, correndo atrás da bola de futebol no gramado do quintal de minha casa. 

 — Pois é, até parece ontem que Greg ligou para você desesperado sem sabe o que fazer falando que Denise tinha entrado em trabalho de parto. — Rimos nos lembrando desse dia. 

 Abraçado à S/n, com o meu queixo apoiado em seu ombro, comecei a imaginar como estaríamos daqui alguns anos. Estaríamos provavelmente  ainda casados, teríamos filhos, veríamos eles aprenderem a andar, a falar, levaríamos na escolinha, iriamos educar e dar muito amor à eles. Mas quanto tempo isso ia demorar? Eu era uma pessoa impaciente, não gostava de esperar muito tempo para as coisas acontecerem, ficava ansioso demais. 

 — Mal posso  esperar quando chegar a nossa vez. — Falei beijando a bochecha de S/n, e virando o seu de frente corpo para mim. 

 — Você quer ter filhos comigo? — S/n perguntou sorrindo para mim, com os olhos fechados, aproveitando o momento, quando nossos rostos estavam um poucos centímetros  do meu. 

 — Mais do que qualquer coisa.  — Beijei seus lábios e segui uma trilha até o seu ouvido. — Você vai ficará linda com uma barriga de grávida. 

 Harry

Era uma noite fria e preguiçosa de sábado, perfeito para ficar na cama debaixo da coberta quentinha e beber uma boa xícara de chá quente. S/n estava toda encolhida, deitada sobre o meu peito, enquanto eu acariciava com as pontas dos dedos as suas costas por baixo da blusa de moletom. 

 — O que você tá fazendo? — Ouvi S/n perguntar baixo com uma voz sonolenta. — Você tá desenhando em mim? 

 — Talvez. — Respondi deslizando meu dedos em movimentos circulares na sua costas. — Quer adivinhar o que eu escrevo? 

 — Uhum. — S/n corncorda movimentando a cabeça levemente. 

 — Você só precisa soletrar as letras que eu desenhar. — Olhei para o teto enquanto pensava em alguma palavra. Seria algo fácil. Comecei a desenhar a primeira letra e logo S/n já diz: 

 — R? 

 — Tente mais uma vez querida. — Fiz o movimento mais uma vez desenhando em sua pele novamente a letra. 

 — B? 

 — Certo. — Senti ela soltar um pequeno sorriso vitoriosa. — Próxima letra 

 — A? 

 — Correto. 

 — B de novo? 

 — Uhum. 

 — T? 

 — Nãooo, mais uma chance amor. — Desenhei de novo a letra 

 — Y? — S/n pareceu pensar rapidamente por alguns segundos e logo se levantou rapidamente ao meu lado, apoiando seus braços em meu peito e começou a olhar assustada para mim — De novo Harry? 

 — Uhum. — Balanço a cabeça de forma positiva, meio envergonhado. Já era a terceira vez naquela semana que eu tocava naquele assunto, e sempre obtinha a mesma responta de S/n. — Por favor S/n, entenda o meu lado, eu já estou com quase trinta anos e sem filhos! Você não sabe como eu me sinto vendo os meus amigos construindo uma família ao lado das pessoas que eles amam, tendo filhos e filhas. Eu quero isso para mim também S/n. 

 — Eu entendo isso Harry, mas… — Ela ainda parecia insegura como nas outras vezes que eu tinha questionado a ela, precisava convencê-la de que eu estaria ali para tudo o que viesse pela frente, cuidaria dela e do nosso bebê.

— Meu amor, acredite em mim. Nos casamos há mais de dois anos e não sou o único que quero ver crianças correndo aqui pela nossa sala de estar, animando essa casa. Seus pais e assim como os meus já perguntaram quando eu daria netinhos ou netinhas para eles. Você não vai estar sozinha S/n, eu estarei aqui para cuidar de você e de todos os filhos que vier para a gente. Eles vão ajudar a animar essa casa, eu vou ajudá-la a cuidar deles. Acordo de madrugada caso eles chorarem, dou mamadeira, faço arrotar, dou banho, e se quiser troco todas as fraldas. Mas por favor S/n. — Dei uma pausa para respirar. — Me deixe colocar a semente do nosso amor aqui. — Deslizei minhas mãos em suas coxas até chegar na sua barriga. — Por favor

— H-harry — S/n segurou as minhas mãos e às aproximou perto dos seus lábios, beijando com ternura. — Eu acredito que você será um bom pai.

Pedido: Faz um que ela tá num quarto de hotel sozinha, e uns bandidos invadem o quarto e levam tudo e ela quase é estuprada (como aconteceu com a kim) com o harry

           Daqui a dois dias a semana da moda vai acontece em Paris eu sou umas das convidadas, tudo está pronto e agora estou em um hotel em Paris junto com a minha estilista, meu marido, Harry só chega amanhã com os nossos filhos, já que ele está ocupado com a gravação do seu novo CD. Tomei um banho e fiz alguns snaps e fotos para o instagram.

           O fuso horário estava me matando, eu só precisava descansar um pouco. Olhei no relógio do meu celular e já passava das dez horas então deitei minha cabeça no travesseiro e mandei uma mensagem para Harry dizendo que tudo estava bem e que eu tinha chegado, ele respondeu que os nossos filhos estavam com saudades e que amanhã bem cedo estaria aqui. Logo depois dormir.

           Abri meus olhos assustada, escutei alguns barulhos vindo da escada, eu sabia que alguma coisa não ia bem, mas ignorei, porém mais alguns vieram do mesmo local, gritei perguntando se alguém estava lá, mas ninguém respondeu então eu simplesmente voltei a dormir um pouco aflita, mas precisava de uma boa noite de sono. Sem sucesso com o meu sono e ainda ouvido barulhos liguei para o meu segurança que provavelmente estava no andar de baixo, mas ele não atendeu o que é muito estranho. Meu coração estava batendo forte e minhas mãos estavam suadas, a única pergunta que rondava em minha mente era ‘’Que diabos está acontecendo?’’. A porta abriu e vi dois homens vestidos de policiais e com uma mascara de esqui e com um terceiro como refém.

- Onde está a mulher do Harry Styles? – O homem disse. – Leve a gente até ela! – Forte sotaque em francês fez meu coração estremecer.

           Assim que eles me avistaram apontaram a arma em minha direção e eu comecei a chorar.

- Cadê o anel? – Ele se referia a meu anel de noivado.

- Eu não sei. – Disse com a voz tremula.

           Ele sacou a arma e apertou o gatilho. – Está sobre a mesa. – Disse apontando com o dedo, ele o pegou usando luvas.

- As joias e o dinheiro?

           Falei que estava na minha bolsa. Eu olhava para arma e para as escadas. Eu tinha um segundo apenas na minha mente para tomar uma decisão rápida, se eu correr pelas as escadas e levar um tiro nas costas, meu corpo tremia só em pensar nessa possibilidade, se eles não atirarem iriam conseguir me alcançar, ou então, se eu conseguisse correr e eles não me alcançassem, se o elevador não abrisse a tempo ou se as escadas estivessem trancadas. Não havia jeito de sair de lá.

           Os dois me pegaram e me levaram até o outro quarto. – Eu tenho filhos. Por favor.  - Dizia em francês. – Eu tenho dois filhos em casa, eu tenho uma família. Deixem-me! – Nunca senti tanto medo da morte como sentia agora.

           Eles não disseram nada, apenas tamparam minha boca com fira adesiva para me impedi de gritar. Eles agarraram minhas pernas e eu estava com medo. Eles me puxaram na direção dela na cama eu senti que eu iria se estuprada, eu comecei a chorar sem parar. Mas nada aconteceu, eles prenderam as minhas penas com fita e seguraram a arma na minha cabeça, eu achei que eles iriam atirar. Eu apenas rezava para que o Harry tivesse uma vida normal depois de achar meu corpo. Logo depois eles foram embora e eu fiquei aliviada, mas não parava de chorar.

           Após algumas Harry entrou no quarto e me viu chorando nos braços da minha irmã, mais velha meus olhos estavam vermelhos e eu não conseguia nem ao menos falar. Harry estava com nossos filhos e ele correu em minha direção para me abraçar. – Eu sabia que deveria ter vindo com você. – Ele disse me abraçando e beijando-me.

- O que importa é que você está aqui com nossos filhos. – Disse abraçando ele. – Eu imaginei que nunca mais iria vê vocês novamente. – Peguei nossos filhos no colo e os abracei e os beijei, provavelmente não estavam entendendo nada, mas eles me abraçaram e diziam a todo o momento para eu não chorar e que me amavam.

- Eu amo tanto vocês. – Falei ainda chorando.

One Shot Liam Payne 

  • Pedido -  Faz um cm o Liam q ele sofre um acidente e fica paraplégico e revoltado, os meninos (inclui Zayn), a família, os fãs, todos tentam ajudar. Ele e a (s/n) são casados e ele começa a maltratar ela por achar q não poderia dar o melhor pra ela mas no fim pelo amor dela ele volta a andar, pode fazer uma cirurgia ou sei la mas ele volta a andar e eles ficam bem, faz bem emocionante e dramático, obrigada 😘


(Parte I)

Meu suspiro foi audível mostrando o quanto eu não queria continuar o assunto da conversa que meu marido está tentando ter comigo. Enquanto eu olhava as luzes dos postes passarem rapidamente pelos meus olhos, minha mente vagava sobre o quanto não estávamos preparados para ter um filho agora, mas Liam insiste na conversa depois de termos ido visitar o bebê de uma amiga.

Eu só queria que ele entendesse que estamos ocupados demais com nossos respectivos trabalhos, ter um bebê exige planejamento.

— Dá para você não me deixar falando sozinho? — me virei para olhá-lo e ele estava olhando para mim, o que não é nem um pouco responsável ao estar dirigindo.

— Olhe a estrada, Liam. — ele fez o que eu pedi — Nós podemos apenas conversar sobre isso em casa?

— Você só está tentando fugir da conversa, pelo que te conheço quer me fazer esquecer o assunto. — por que ele tem que ser assim?

— Eu só acho que não é uma boa ideia no momento… Você está envolvido com um cd novo e eu acabei de ser promovida no trabalho, não seria legal pararmos tudo agora. — Liam me olhou mais uma vez e eu já estou começando a me sentir irritada por sua falta de responsabilidade ao volante — Para de me olhar, Liam. Preste atenção na droga da estrada!

— Por que está tão nervosa?

— Eu não estou nervosa, só não quero que você perca o controle desse carro. — ele me olhou de novo — Merda, Liam. Pare esse carro!

— Você não confia em mim? Eu sei o que faço. — ele continuou me olhando.

— Para essa merda!  

Minha voz saiu mais alta fazendo Liam pisar no freio e o carro parar um pouco mais a frente pela velocidade, ele desligou o carro soltando o cinto e se virou para mim com uma carranca.

— Por que merda você está tão nervosa? Droga, eu só fiz um pedido.

— Não, você fez eu me sentir pressionada a te dar um filho. Fez me sentir uma megera por não querer te conceder esse pedido. Então, por favor, não vamos apressar as coisas.

— Nã-

A fala de Liam foi cortada por uma buzina muito alta e uma luz forte que bateu em meu rosto vindo de trás das costas dele, se virando rapidamente, Liam percebeu que havíamos parado em um cruzamento e que um carro vinha em nossa direção muito rapidamente. A tentativa de ligar o carro falhou miseravelmente e não havia mais nada que pudéssemos ter feito, a batida foi inevitável e Liam se debruçou para o meu lado tentando evitar que eu me machucasse.

A sensação de estar flutuando no nada toma conta de todo o meu ser, é como se eu estivesse em um universo completamente escuro vagando lentamente de um lado para o outro no ar, a única coisa que pode ser ouvida por mim é um bip bip muito longe.

Liam veio a minha mente, mesmo estando engolida pelo nada, eu posso ver seu rosto sem conseguir abrir meus olhos. Essa visão do meu marido estava me acalmando, mas então ele desapareceu quando um carro passou rapidamente sobre sua imagem me fazendo abrir os olhos num rompante só para ter minhas retinas queimadas pela luz branca, extremamente forte me fazendo fechá-los novamente.

O barulho irritante do que parece uma máquina, está mais perto, ao meu lado par ser mais exata e eu não faço ideia de onde me encontro. Quando me sentir segura, abri um olho devagar e logo depois o outro podendo ver o teto branco e ao olhar para o lado, as paredes da mesma cor.

Minha cabeça dói, eu me sinto um pouco tonta e não tem ninguém ao meu redor, eu estou sozinha e não faço ideia de onde Liam esteja. Na tentativa de levantar a mão até minha testa senti uma coisa se repuxar em minha pele e ao levantá-la com cuidado, uma mangueirinha de soro estava fundida a minha veia sendo segurada por um esparadrapo que mantinha a agulha no lugar.

E então, me causando uma dor de cabeça mais forte, a lembrança da noite de ontem veio em minha mente me causando desespero. Eu preciso saber onde Liam está, preciso saber se ele está bem e não quero ficar sozinha de jeito algum.

Antes que eu começasse a arrancar os fios presos a mim, a porta abriu e uma enfermeira apressada entrou veio até minha cama.

— A senhora deve permanecer em repouso, não faça movimentos brusco. Eu chamarei médico.

— Meu marido… — minha voz saiu em um fio — Eu preciso… Preciso vê-lo.

— A senhora precisa ficar calma, está desacordada há dois dias e precisa passar por exames.

Dois dias?  

Como assim dois dias se o acidente aconteceu ontem?

Um pontada forte na cabeça me fez fechar os olhos com força e não pude evitar deixar um gemido escapar. A voz da enfermeira me chamando estava longe e por mais que eu tentasse entender o que ela dizia, eu não conseguia.

E mais uma vez, fui engolida pela escuridão.

Pela segunda vez meus olhos queimaram ao que eu os abri inconsciente da luz sobre mim, mais uma vez fechei-os e mais uma vez tentei levar a mão até minha cabeça sendo, dessa vez, impedida por alguém que a segurou.

— Não movimente o braço tão bruscamente… Pode remover a agulha de sua veia.

Abri meus olhos com cuidado depois de me acostumar com a claridade e um homem alto de jaleco branco estava ao meu lado me olhando com atenção.

— Você se lembra o que aconteceu? — eu assenti lentamente com a cabeça — Sabe seu nome, onde está e com quem estava? — assenti mais uma vez o vendo fazer anotações em uma prancheta — Creio que a pancada em sua cabeça não resultou nenhuma sequela ao seu cérebro, mas ainda te deixarei em observação.

Ficar mais tempo? Não! Eu não posso ficar mais tempo confinada em um quarto irritantemente branco alheia do estado do meu marido.  

Percebendo minha agitação o médico pediu para que eu me acalmasse.

— L-Li-Liam… — lutei para que conseguisse dizer o nome do meu marido, minha boca está completamente seca e minha voz impotente.

— A senhora precisa se acalmar, seu marido está bem e está seguro em um dos quartos deste hospital. Não há com o que se preocupar.

Eu fui submetida a uma bateria de exames de todos os tipos para que constatassem que eu estou em perfeito estado, tirando alguns machucados no corpo e no meu rosto que pude vê quando minha mãe me ajudou a tomar banho.

Ao que parece, eu estou há três dias desacordada, depois que acordei no segundo dia, voltei a inconsciência deixando todos preocupados, mas deveria ser apenas o cansaço, segundo o médico.  

Ninguém me diz exatamente o estado de Liam, sempre respondem com “ele está bem", “está sendo bem tratado em outro quarto", “ele está seguro", mas isso não é o suficiente para me deixar tranquila. Se ele está bem e seguro, por que não veio me ver? Pelo que eu me lembro, ele tentou me proteger com seu corpo, não acho que ele tenha ficado exatamente bem.

A noite caiu mais uma vez e eu tive que continuar no hospital, apenas a mangueira do soro está enfiada em meu corpo, os fios já não são mais necessários e o bip bip enjoado já não soa mais para me deixar irritada. Eu passei o dia arquitetando um plano, meio insano, mas ainda assim a única coisa que talvez me deixará mais aliviada.

Segundo o médico que me atendeu, ele não estará de plantão essa noite e se eu precisasse de algo era só apertar o botãozinho ao lado da cama que as enfermeiras estariam a posto na recepção a espera de um chamado.  

O hospital estaria vazio, uma oportunidade perfeita para ir até o quarto do Liam que fica há dez portas do meu. Pelo menos essa informação eu consegui arrancar de Karen.

Abri a porta em um fresta para que eu observasse o corredor e ele está vazio como eu esperava, então sem pensar muito, eu saí do quarto caminhando apressada até o fim do corredor onde a porta com o número 13 estaria. Assim que me vi em frente a porta que eu procurava, apenas a abri com cuidado para não assustar Liam e entrei antes que fosse pega.

— Eu não chamei ninguém, vá embora!

A voz de Liam soou me fazendo sorrir por saber que ele está consciente e provavelmente bem. Me aproximei devagar caminhando até estar aos pés de sua cama e ele sequer olhou para ver de quem se tratava, apenas continuou encarando o teto sem graça daquele quarto.

— Amor, eu consegui fugir para te ver. — falei com um pouco de animação por vê-lo com meus próprios olhos.

— Você fez muito mal, não quero você aqui. — a voz dele foi rude e ele continuou sem me olhar.

— Eu precisava ver por mim mesma como você está.

— Pois agora que já viu, aconselho que saia daqui e procure um advogado. — minha testa franziu automaticamente em confusão — Peça o divórcio e seja livre.

— Por que? Por que eu faria isso? — minha mão pousou sobre a perna de Liam assim que ele me olhou.

— Não toque aí! — Liam esbravejou me assustando e com rapidez fiz o que ele mandou.

— Por que não posso tocar você? — eu sentia um bolo em minha garganta, não é possível que Liam me odeie.

— Por que eu não sinto… Eu não sinto as minhas pernas.



Parte II >>


Espero que tenham gostado, tentarei postar a segunda parte sem muita demora.

Favorite e me diga o que achou para que eu possa saber.

Votem no nosso bolinho irlandês.

- Tay