cays

Eu sou carnaval e ele semana santa. Eu sou fogo e ele é terra. Digo, eu sou intensa e ele é calmo. Eu sou barquinho no mar e ele é âncora, ou até mesmo cais. Eu sou um caos, ele é um cais. Eu sou raposa e ele é coruja. Eu sou loucura e ele é sensatez. Eu sou tagarela e ele quase nem fala. Eu sou confusão ele é calmaria. Eu sou pipa e ele é a linha. Eu amo filmes, ele quase não vê. Eu gosto de Chico e ele até disse que curtiu MPB. Eu sou ansiosa ele é paciente. Eu sou eu e ele me entende mesmo que calado, mesmo que do outro lado, mesmo que ele. Acho que só temos uma coisa em comum, nossa cor favorita é azul.
—  Bianca Autran
Porque esses seus cachos acabam comigo. O cheiro do seu cabelo. A maneira descabelada que você usa pra parecer arrumado. E eu amo a sua cara de argentino e que você odeia os argentinos. E eu amo como a sua calça nova cai bem em você e como você fica elegante de chinelo. E eu quero te pedir pra deixar tudo como está e não cortar meus cachos prediletos de todos os cachos. Você me salvou. Eu não agüentava mais pensar nos mesmos caras que eram sempre os mesmos caras.Você é novinho em folha e eu sou louca por você. Mas tudo isso eu não te conto pra você não achar que eu sou louca. Chega. Dessa vez vou fazer tudo certo.
—  Tati Bernardi

nessas noites de desespero a esperança costuma voar dos meus olhos sem cor. e eu não entendo como o universo pode ser tão imenso.. e tão grotesco. tão bonito.. e tão doente. tão libertador e tão efêmero.
eu passo, tu passas. nós passamos, num descompasso de tempo de quem não sabe bem como dançar mas insiste em se arriscar nos passos mais desengonçados. de quem tem as pernas bambas, mas luta pra se equilibrar na ponte que liga nossos corações em prantos. e que é divido por um abismo assustador. a vida é pra quem tem medo de roda gigante mas consegue encontrar coragem em si, pra suportar todos os enjoos constantes de um mundo que gira e gira e gira.. e nunca nos conta se é mesmo só uma utopia.. essa coisa de que um dia, todo mundo vai encontrar um cais pra se ancorar. 

somos diariamente tragados e engolidos por uma vida vulcânica e sem piedade.

b.

Abro os meus olhos já é de manhã, a noite é menor cada dia. Os dias às vezes parecem iguais, a guerra é minha rotina. Peço forças pra continuar. Peço forças pra poder lutar. Luto pra sobreviver, com os olhos voltados pro céu. Espinhos me fazem sofrer, resisto na luta com a graça de quem já venceu. Fecho os meus olhos a noite já cai, começo a tratar minhas feridas. Olho pros céus com os joelhos no chão, abro os braços pra graça divina. Peço forças pra continuar. Peço forças pra poder lutar. Nada vai nos separar do Teu grande amor. Mesmo caminhando em dor, sou mais que vencedor.

Bao năm qua mỗi lúc thấy đau vẫn đặt tay lên trái tim tự hỏi: “Có đáng hay không?”
Nhưng ngày hôm nay thì không đáng nữa rồi.

Đêm cuối tháng 7 mưa bụi lặng lẽ qua mái hiên, whisky cay, marl khét nồng, nước mắt mặn đắng. Con gái chưa từng làm được như bố mẹ kì vọng nhưng luôn làm cho bố mẹ thất vọng. Thương bố mẹ xé lòng…

anonymous asked:

Eu fui criada na igreja,me afastei e então cai na prostituição nos dois sentidos ,e voltei para casa de Deus,arrependida de tudo claro, mais sera que é isso q impede de eu voltar pro primeiro amor?

Quando há um arrependimento verdadeiro em Cristo, não há nada que impeça de você voltar para o primeiro amor. O seu arrependimento é como apagar o que aconteceu, e tudo está bem. Agora pode continuar adorando ao Senhor e agradando á Ele. Deus continue te abençoando.

anonymous asked:

Is fat cat an insult, anon? Cause I always called my cat fat, because he is so fluffy and squeeze and I love him like that So, "fat cay" are the bests

I do believe i’m very squishy and huggable, very good point, nonnie. I have it on good authority I give the best hugs in the South (or something like that) ;) 

Minha adorada Catherine.

 Sinto a sua falta, querida, como sempre, mas hoje está sendo especialmente difícil por que o oceano tem cantado para mim, e a canção da nossa vida juntos. Quase posso senti você ao meu lado enquanto escrevo esta carta, assim como o perfume das flores silvestres que sempre me faz lembrar você, mas no momento essas coisas não me dão prazer. Suas visitas tem sido menos frequentes, e as vezes acho que grande parte de quem eu sou está se afastando pra longe.

 Mas estou tentando. À noite, sozinho, chamo por você, e sempre que minha dor parece maior você encontra um jeito de voltar pra mim. Ontem a noite eu a vi em sonhos. Você estava no cais pero do wrightsville beach. O vento soprava em seus cabelos e seus olhos refletiam a luz do sol que se punha. Fiquei paralisado ao vê-la debruçada na amurada. “Você está linda”, pensei ao avistá-la, uma visão que eu nunca consegui encontra em mais ninguém. Comecei a andar devagar em sua direção, e quando você enfim se volto pra mim, percebi que outras pessoas também estavam de observando. “Você a conhece?” perguntavam em sussurros ciumentos, e enquanto você sorria pra mim, eu simplesmente disse a verdade: Conheço-a melhor do que a mim mesmo.”

 Parei quando cheguei até a você e a abracei. Estava ansioso por aquele instante, mais do que qualquer outro. Era para ele que eu vivia, e quando você retribuiu meu abraço me entreguei ao momento, ficando mais uma vez em paz .

 Ergui a mão e toquei seu rosto com delicadeza. Você inclinou a cabeça para trás e fechou os olhos. Minhas mãos estavam ásperas e sua pele, macia, e por um momento me perguntei se você afastaria o rosto, mas e claro que não. Você nunca fez isso, e é em momentos como este que meu proposito na vida fica claro. 

                                                 (…)   

  -Uma carta de amor. (Nicholas Sparks)

Fora de Mim

Hoje eu percebi algo diferente em mim. Nas primeiras horas do dia eu me senti estranho, como se me faltasse algo. Sentia que não estava completo, mas não entendia o que faltava, apenas sentia-me diferente. Com o passar da manhã esse estranhamento permaneceu vivo e forte. Sentia em meu peito todo esse peso. Meu coração disparava sem motivo, minha respiração acelerava e eu não entendia o motivo de tudo isso.

Era como se eu me desesperasse sem ao menos saber o porquê. Como no sonho em que tudo está bem e quando menos se espera, cai em um buraco profundo e escuro,  e instantaneamente o corpo começa a fazer movimentos pra tentar se agarrar a qualquer coisa que estiver por perto. Imagine sonhar isso acordado. Imagine agora ter sua alma se debatendo dentro do seu próprio corpo, para tentar se manter seguro, essa era a sensação mais forte.  A alma brigava com o corpo,  e ás vezes o medo vinha, o medo de estar enlouquecendo ou talvez o medo de estar morrendo, não entendia muito bem o que acontecia, apenas sentia. Tudo bem, agora eu entendo, mas naquela hora tudo era confuso pra mim.

Seria a rotina? Os dias parecidos, com o despertador regrando minhas horas dormidas todo dia, o mesmo pãozinho com um café sem açúcar, indo todo dia ao mesmo emprego chato de todos esses anos, convivendo com as mesmas pessoas e suas vidas desinteressantes. Deve ser esse medo de mudar, chutar o balde, gritar para os céus em busca de ar para respirar? O que é? Antes eu não me importava, apesar de sempre ter desconfiado que há alguma coisa de muito errado nesse “sistema”. Não sei o que, mas aquela sensação de sonhar estar caindo e nunca chegar no chão está cada vez mais frequente, não apenas na hora de dormir.

Chega um pouco disso. Essa sensação de ser só mais um já passou do limite. É preciso mudar. Talvez seja a hora de não mais tentar me segurar e manter tudo estável, está na hora de mergulhar de cabeça sem ter receio de como será o fim desse buraco, dessa vida. Não quero me segurar, quero cair e ver no que vai dar.

Parceria entre Rubídea e Avistador.