catchupdepimenta

O que significa amar verdadeiramente uma pessoa? - Se você me fizesse essa pergunta a exatos 1 mês e 5 dias atrás, eu te responderia algo completamente vazio. Sem nexo. Ao máximo, balançaria minha cabeça, e em tom de ‘deboche’, daria uma pequena gargalhada boba, como se achasse aquela a pergunta mais idiota a se fazer a alguém. Ora, o que é amar se não um sentimento, não é? Diria algo do tipo. Mas vamos lá, mova-se e me pergunte novamente. Te darei uma resposta a par do que aprendi nesse último mês. Te mostrarei que amar vai muito além do que se vê. Vai muito além de se falar, de escrever. Amar é na verdade, cuidar, proteger. É sentir uma necessidade enorme de ver o ser amado bem, estável. O amor te deixa bobo, te deixa encantado com o cheiro, o sorriso, o olhar, te faz ter um tesouro. O amor te faz sofrer com a ausência de um “oi”, e ao mesmo tempo, te faz se iludir com a presença do mesmo. Mas eu posso te afirmar, meu caro, que o amor é algo raro. E que quando ele te encontrar, mesmo sem querer, você há de deixar ele entrar.
—  Natállya Romy.
Estou tão cansada de estar aqui, reprimida por todos os meus medos infantis. E se você tiver que ir, eu desejo que vá logo. Porque sua presença ainda permanece aqui. E isso não vai me deixar sozinha. Essas feridas parecem não cicatrizar, essa dor é tão real. Há tantas coisas que o tempo não pode apagar. Quando você chorou, eu enxuguei todas as suas lágrimas. Quando você gritou, eu lutei contra todos os seus medos, e eu segurei sua mão por todos estes anos. Mas você ainda tem tudo de mim.
—  Evanescence.
Ela era minha. E eu era dela. Pra ser mais claro, sempre fui. E isso não me incomodava. Estávamos em um amor, que eu nunca havia visto igual. De uma intensidade infinita. E nada que falassem, iria tira-la de mim. E nem eu dela.
O entorpecimento tomava conta do seu “eu”. Ela se sentia completamente estranha em seu próprio corpo. Ela precisava de alguma forma preencher o vazio que a fazia sentir assim. Na verdade, o que ela precisava mesmo, eram de promessas que não fossem quebradas, de sentimentos que não se esvaíssem tão fácil, como se estivessem apenas de passada, e acima de tudo, precisava de pessoas que fossem pelo menos, 1/3 da sinceridade que colocavam ser ao falar.
—  Natállya Romy.