castrados

Ih 
Nasceu
Parabéns, é uma menina 
Vai dar trabalho, hein 
Enche de rosa, florzinha
Põe brinquinho
Entucha uma boneca
Ah, que lindo o instinto materno
De aniversário dá uma mini tábua de passar roupa
Um mini fogão com várias panelinhas 
Que é pra aprender desde cedo
É do-lar
Do-marido
De outrem
Nunca sua

Cresce
Senta como mocinha! 
Tenha modos 
Menstrua esse sangue sujo 
Vaza
Denuncia
Esconde esse absorvente

Absorva
Não é gente
Tem que estar bonita, arrumada
De peitos de fora na propaganda de cerveja
De mãos decepadas pelo “companheiro”
De sonhos castrados logo na maternidade

Põe mais maquiagem 
Tem que ser mais feminina
Vai sair sem batom?
Esconde essas espinhas 
Arranca esses pelos que saem de você 
São sujos
Imundos
Sua porca!

Gostosa
Meus olhos te devoram
Te constrangem
Te fazem trocar caminhos
Por que anda sozinha na rua? 
Não te ensinaram 
Que é do-lar?

É minha também 
Como uma carne exposta no açougue
Ou uma roupa na vitrine
Te avalio
Acho que tenho direito
Posso te tocar? 
Te comprar?
Te comer?
Vadia

Estuprada
Mas com que roupa tava?
Andando a noite na rua?
Também…
Tava pedindo
Provocou com o decote
A saia devia ser curta demais

Morta pelo ex namorado
Ah, crime passional 
Ciúmes
Em menos de um mês tava com outro
Merecia
Coitado do homem,
Amava tanto a moça!

Mortas 
Todos os dias 
Mas renascemos
Nossas raízes são mais profundas
Não vão calar nossa voz, nosso grito
Somos gente!
Existimos!
Resistimos!

—  Via Beatriz Gon Perez Nardoque
Las Voces de los Ángeles: "Los Castrados" o "Castrati"

External image

En su libro “Historia de los Castrati”, Patrick Barbier inicia el primer capítulo con las siguientes palabras: “Al bajar su cuchillo el doctor cirujano o el simple barbero del pueblo, tenían conciencia de estar decidiendo irrevocablemente la gloria o la vergüenza de un hombre?”.

Sabemos que, desde la más remota antigüedad, la castración fue aplicada a los hombres como castigo cuando no como supuesto método curativo ante distintas enfermedades. Guerreros victoriosos decidieron frecuentemente hacer castrar a sus prisioneros como medida ideal para doblegar sus espíritus y hacerlos más sumisos a la esclavitud, (se basaban en la consideración de que los animales al ser castrados se vuelven de temperamento más dócil) asegurándose así también que el odiado enemigo no tuviera la posibilidad de reproducirse. Por otra parte, la creencia en cierto período histórico de que algunas enfermedades como la hernia, la gota, la epilepsia, la lepra y aún la locura podían tratarse favorablemente gracias a esta práctica, fue suficiente excusa para adoptarla con increíble asiduidad.

Es sin embargo en el siglo XVI cuando castrados hacen su aparición cantando en las iglesias tras la prohibición del Papa Pablo IV de que las mujeres cantaran en San Pedro. Tal prohibición se basaba en una curiosa interpretación de palabras de San Pablo según quien “las mujeres deben mantener silencio en la Iglesia”. Así, niños y adultos castrados reemplazaban a las voces femeninas.

Tiempo después, la medida se extendió también a los teatros de los estados pontificios donde se consideró inadmisible la presencia de mujeres en los escenarios y así muchos de estos notables cantantes de voz “angelical” lograron la admiración del público y colosales fortunas personales interpretando según el caso, tanto roles masculinos como femeninos.

Varias obras de los siglos XVII y XVIII, en los que el rol de un hombre aparece escrito para soprano o contralto, no estaban pensados para una cantante “Travesti” como a veces se cree erróneamente, sino para castrados que poseían estos registros. Es el caso por ejemplo del personaje de Orfeo en “Orfeo y Eurídice” de Gluck, que fue escrito originalmente para un castrado contralto.
Objeto de contemplación y hasta de veneración, se los vinculaba con la figura tradicional del ángel músico y encaraban a la vez (por su música, mucho más que por sus actos) la pureza y la virginidad".

El más famoso: Farinelli 

Formado también por el notable maestro Porpora, Farinelli logró una celebridad tan extraordinaria debido a su asombroso talento que fue literalmente idolatrado por cuantos le escucharon. Dotado de cultura, simpatía y distinción, tuvo la amistad y protección de reyes, emperadores y el mismo Papa.

La extensión natural de su voz superaba las tres octavas, podía sostener un sonido durante más de un minuto ampliando o disminuyendo el volumen a voluntad y en un aria especialmente escrita para él por su hermano, realizaba vocalizaciones durante catorce compases con una sola toma de aire. Según testigos de la época, la emotividad de su canto era prodigiosa. En una ocasión, compartió una obra en la que otro famoso castrado llamado Senesino hacía el rol de un tirano y Farinelli el de su víctima. Durante la primera aria Farinelli cantó de tal modo, que Senesino, olvidando su rol, se lanzó hacia él sollozando para abrazarlo. Se cuenta también que otro joven y talentoso castrado llamado Gioacchino Conti, lloró y cayó al suelo desmayado tras escucharle durante un ensayo.

Nada ha quedado lamentablemente de su mansión -¡más tarde demolida para instalar una refinería!-, donde entre tantas maravillas poseía un violín Stradivarius, otro Amati, y una colección de diez clavecines, cada uno de los cuales llevaba el nombre de un pintor ilustre. Tampoco su tumba se ha conservado al ser destruida por las fuerzas napoleónicas la iglesia de los capuchinos donde se hallaba.

La parálisis me invade y me impide cada vez más regresar sobre mí mismo. Ya no tengo punto de apoyo ni base… me busco no sé dónde. Mi pensamiento ya no puede ir allí donde mi emoción y las imágenes que surgen en mí lo empujan. Me siento castrado hasta en mis impulsos mínimos. Termino por ser transparente para mí mismo, a fuerza de renunciamientos en todos los sentidos de mi inteligencia y de mi sensibilidad. Es necesario que se comprenda que es efectivamente el hombre vivo en mí el que está afectado y que esa parálisis que me sofoca está en el centro de mi personalidad habitual y no de mis sentidos de hombre predestinado. Estoy definitivamente del lado de la vida. Mi suplicio es tan sutil, tan refinado como áspero. Me son necesarios esfuerzos insensatos de imaginación, duplicados por el abrazo de esa asfixia sofocante para llegar a PENSAR mi mal. Y si me obstino en esa persecución, en esa necesidad de fijar de una vez por todas el estado de mi ahogo…
   Llevo el estigma de una muerte apremiante donde la muerte verdadera no supone terror para mí.

- Del libro Carta a los poderes, Antonin Artaud

youtube

A Holanda é um dos países mais gostosos para se passear, especialmente na primavera! 

Eles tem aquelas paisagens perfeitas, com casinhas bonitinhas, rios com patinhos, pastos com moinhos, muito queijo e muito vinho, além de uma cultura muito rica que preza pela sustentabilidade. 

Sabia que eles foram o primeiro país a acabar com os animais de rua? Todos foram adotados, castrados e agora não há mais nenhum bichinho sem lar. Um exemplo de lugar.

Aperta o play e vem comigo ver como é um moinho por dentro!!!

Nascido assim nisso como o giz de faces sorridentes como a sra. morte às gargalhadas, como as paisagens politicas dissolvidas, como o peixe oleoso cuspido fora de sua oleosa vítima. Nós nascemos assim, nisso. Nos hospitais que são tão caros que são baratos para morrer, como advogados que cobram muito, é mais barato pleitear a culpa num pais onde as cadeias estão cheias e os hospícios estão fechados, num lugar onde as massas elevam idiotas em heróis ricos. Nascido nisso, andando e vivendo dentro disso, morrendo por causa disso, castrado, corrompido, deserdado por causa disso. Os dedos se estenderam para um deus irresponsável, os dedos alcançaram a garrafa, a pilula, o poder. Nós nascemos nessa triste linha de morte. Lá estará aberto e impunível assassinato nas ruas, será armas e multidões passageiras, a terra será inútil, a comida terá um retorno mínimo, o poder nuclear será tomado por muitos, as explosões continuarão balançando o mundo, homens radioativos comerão a carne dos homens radioativos, os corpos apodrecidos do homem e dos animais vão feder no vento da escuridão, e lá estará um bonito silêncio nunca ouvido. Nascido fora disso, o sol escondido estará a espera do próximo capítulo.
—  BUKOWSKI, Charles. Born into this.
nasceu
Parabéns, é uma menina
Vai dar trabalho, hein
Enche de rosa, florzinha
Põe brinquinho
Entucha uma boneca
Ah, que lindo o instinto materno
De aniversário dá uma mini tábua de passar roupa
Um mini fogão com várias panelinhas
Que é pra aprender desde cedo
É do-lar
Do-marido
De outrem
Nunca sua
Cresce
Senta como mocinha!
Tenha modos
Menstrua esse sangue sujo
Vaza
Denuncia
Esconde esse absorvente
Absorva
Não é gente
Tem que estar bonita, arrumada
De peitos de fora na propaganda de cerveja
De mãos decepadas pelo “companheiro”
De sonhos castrados logo na maternidade
Põe mais maquiagem
Tem que ser mais feminina
Vai sair sem batom?
Esconde essas espinhas
Arranca esses pelos que saem de você
São sujos
Imundos
Sua porca!
Gostosa
Meus olhos te devoram
Te constrangem
Te fazem trocar caminhos
Por que anda sozinha na rua?
Não te ensinaram
Que é do-lar?
É minha também
Como uma carne exposta no açougue
Ou uma roupa na vitrine
Te avalio
Acho que tenho direito
Posso te tocar?
Te comprar?
Te comer?
Vadia
Estuprada
Mas com que roupa tava?
Andando a noite na rua?
Também…
Tava pedindo
Provocou com o decote
A saia devia ser curta demais
Morta pelo ex namorado
Ah, crime passional
Ciúmes
Em menos de um mês tava com outro
Merecia
Coitado do homem,
Amava tanto a moça!
Mortas
Todos os dias
Mas renascemos
Nossas raízes são mais profundas
Não vão calar nossa voz, nosso grito
Somos gente!
Existimos!
Resistimos
Não pense que a pessoa tem tanta força assim a ponto de levar qualquer espécie de vida e continuar a mesma. (…) Nem sei como lhe explicar minha alma. Mas o que eu queria dizer é que a gente é muito preciosa, e que é somente até um certo ponto que a gente pode desistir de si própria e se dar aos outros e às circunstâncias. (…) Pretendia apenas lhe contar o meu novo carácter, ou falta de carácter. (…) Querida, quase quatro anos me transformaram muito. Do momento em que me resignei, perdi toda a vivacidade e todo interesse pelas coisas. Você já viu como um touro castrado se transforma num boi? Assim fiquei eu… em que pese a dura comparação… Para me adaptar ao que era inadaptável, para vencer minhas repulsas e meus sonhos, tive que cortar meus grilhões - cortei em mim a forma que poderia fazer mal aos outros e a mim. E com isso cortei também minha força. Espero que você nunca me veja assim resignada, porque é quase repugnante. (…) Uma amiga, um dia desses, encheu-se de coragem, como ela disse, e me perguntou: você era muito diferente, não era? Ela disse que me achava ardente e vibrante, e que quando me encontrou agora se disse: ou essa calma excessiva é uma atitude ou então ela mudou tanto que parece quase irreconhecível. Uma outra pessoa disse que eu me movo com lassidão de mulher de cinquenta anos. (…) o que pode acontecer com uma pessoa que fez pacto com todos, e que se esqueceu de que o nó vital de uma pessoa deve ser respeitado. Ouça: respeite a você mais do que aos outros, respeite suas exigências, respeite mesmo o que é ruim em você - respeite sobretudo o que você imagina que é ruim em você - pelo amor de Deus, não queira fazer de você uma pessoa perfeita - não copie uma pessoa ideal, copie você mesma - é esse o único meio de viver.
—  Clarice Lispector, - Carta a Tânia (1947)
En el año 1234 la religión católica prohibió que las mujeres cantaran en las iglesias. Las mujeres, impuras por naturaleza, ensuciaban la música sagrada que solo podía ser entonada por niños varones o por hombres castrados. Esta pena de silencio rigió durante siete siglos, siete siglos y pico, hasta que, con el siglo XX, hace un rato nomás, las mujeres pudieron cantar en las iglesias solas o en coros. Poco antes de que se pusiera en marcha esta prohibición contra las hijas de Eva, hubo una monja llamada Hildegarda, que dirigió un convento a las orillas del Rin, en una ciudad, Bingen, y que creó la música litúrgica que a mí me parece la más bella de todas, la que más me llega, la que más profundamente me llega al último rinconcito del alma. Y esa música fué escrita, compuesta para ser cantada por mujeres, las monjas de la Abadía de Bingen que dirigía Hildegarda; y por suerte el tiempo no les borró las voces, esas voces de ángeles que supieron cantar como nadie a la gloria del paraiso. Y, Hildegarda no se limitó a componer música maravillosa, que durante siglos fueron traidoramente entonadas por hombres porque las mujeres no podían cantarlas, sino que además fué una adelantada de su tiempo, que hace muchos años, ochocientos años, año más año menos, supo desafiar el monopolio masculino del convento y convirtió a su convento en un reducto, en un santuario de la libertad femenina. Y que supo escribir en sus trances místicos páginas que han perdurado, donde la mujer ocupa un lugar central, porque Hildegarda decía, y sabía lo que decía, que: “La sangre de veras sucia no es la sangre de la menstruación sino la sangre de las guerras”.
—  Eduardo Galeano.
El gran malentendido consiste en que se admite que para el ser humano hembra es natural que haga de sí una mujer “femenina”: no basta ser una heterosexual, ni siquiera una madre, para realizar ese ideal; la “verdadera mujer” es un producto artificial que la civilización fabrica como en otro tiempo fabricaba castrados; sus pretendidos “instintos” de coquetería, de docilidad, le son insuflados del mismo modo que al hombre el orgullo fálico.
—  El segundo sexo, Simone de Beauvoir.
Semana Jainico: Día 2

M-preg ಥ⌣ಥ

———————————

- Conchetumareh…- murmuró impactado. El menor lo miraba desde la puerta del baño, sin habla- Jaime…- lo llamó apenas

- ¿Ah?- respondió esperando el resultado, acercándose a su lado.

- ¡¡Jaime!!- repitió un poco más desesperado, tironeándolo de la manga de su polerón.

- ¿¡Qué, weón!?- le preguntó hastiado de tanto suspenso.

- Salió positivo- pronunció al fin, sin creérselo.

- No me weí- exclamó incrédulo, quitándole la prueba de embarazo de la mano.

- ¡TE LO JURO! ¿¡Qué dice la caja!? ¡Dos rayas positivo!- le espetó alterado, alzando la cajita con instrucciones.

- ¿Se habrá equivocado la weá?- preguntó sin esperar realmente una respuesta, aún sin creer lo que sucedía.

- Me están conchetumadriando, ¿cierto?- pensaba en voz alta el moreno, aún en shock- ¿¡Dónde están las cámaras ocultas!?

- Ya po, Nico, córtala. Esto es en serio.- lo retó el barbón aún pensando como todo esto era posible. Una pura vez que no usan condón y queda la cagá.

- Yo también estoy en serio, estoy en serio pal hoyo, conchetumare…- gruñía asustado, desordenándose el cabello, sentado al borde de la tina, mientras el de rulos googleaba qué mierda podía estar pasando. Estaba tomando el control de la situación, mucho mejor de lo que cualquiera (y el mismo) habría pensado.

- Tai’ en serio, embarazao’- le contestó de vuelta. Bueno tal vez no la estaba controlando taaan bien. Por lo menos su colon estaba intacto.

- …- Nicolás no contestó. Se quedó mirando inexpresivo, la alfobra del baño.

- …- el Jaime lo observó en silencio, compadeciéndolo. Igual cuático saber que vai a ser papá. ‘Conchetumare, entonces yo también soy papá’, reparó algo tarde el de barba rojiza.

- ¿D-de verdad creí que…?- se atrevió a preguntar alzando su rostro, al borde del llanto. Su pololo le devolvió la mirada, dejando de revisar foros en internet sobre el tema, en un intento por conseguir información para calmarse a sí mísmo y al Holy.

- Bueno, es eso o cáncer al testículo…- le contestó.

- ¡¡NO ME ESTAI AYUDANDO, MONO QLO!!- le gritó el pelinegro aún más alterado. Entre embarazo y castrado, ninguna le ayudaba mucho.

- ¡¡PUTA, WEÓN, HAGO LO QUE PUEDO!!- le gritó de vuelta el inexperto futuro padre.

Y adiós colon.

—————————–

Ahahsjshskssj alguna vez leí que si a un hombre le salía positivo el test de embarazo, era porque tenía cancer testicular. Por eso no puedo ni leer ni escribir M-preg’s con seriedad xD

Ojalá les haya gustado, cortito pero empeñoso ahshsjs (͡° ͜ʖ ͡°) y hasta mañana ;)

AS MASSAS

todas as pessoas solitárias, amargas e miseráveis que
se sentem menosprezadas, traídas pelas forças, elas
culpam a vida, as circunstâncias,
culpam os outros quando de fato elas
são totalmente insossas, obedientes à sua falta de originalidade,
covardes e plácidas, seguem se sentindo enganadas,
infestando a terra
com suas lamúrias, com seus ódios –
embotadas no centro de lugar nenhum, esses milhões
de erros
humanos, indo dia após dia e noite após noite através
de seus movimentos castrados,
acabam por ferir a própria terra, ferir todas as coisas,
este desperdício
o horror de todo esse
desperdício.

- Charles Bukowski in Miscelânea Septuagenária.

Em 1995 o escritor Caio Fernando Abreu, então colunista do jornal O Estado de São Paulo, publicou uma carta que teria sido escrita por Clarice Lispector a uma amiga brasileira. Ele comenta, no artigo, que não há nada que comprove sua autenticidade, a não ser o estilo-não estilo de escrita de Clarice Lispector. Ele dizia: “A beleza e o conteúdo de humanidade que a carta contém valem a pena a publicação…”

Berna, 2 de janeiro de 1947

Querida, Não pense que a pessoa tem tanta força assim a ponto de levar qualquer espécie de vida e continuar a mesma. Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso - nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro. Nem sei como lhe explicar minha alma. Mas o que eu queria dizer é que a gente é muito preciosa, e que é somente até um certo ponto que a gente pode desistir de si própria e se dar aos outros e às circunstâncias. Depois que uma pessoa perde o respeito a si mesma e o respeito às suas próprias necessidades - depois disso fica-se um pouco um trapo.

Eu queria tanto, tanto estar junto de você e conversar e contar experiências minhas e dos outros. Você veria que há certos momentos em que o primeiro dever a realizar é em relação a si mesmo. Eu mesma não queria contar a você como estou agora, porque achei inútil. Pretendia apenas lhe contar o meu novo caráter, um mês antes de irmos para o Brasil, para você estar prevenida. Mas espero de tal forma que no navio ou avião que nos leva de volta eu me transforme instantaneamente na antiga que eu era, que talvez nem fosse necessário contar. Querida, quase quatro anos me transformaram muito.

Do momento em que me resignei, perdi toda a vivacidade e todo interesse pelas coisas. Você já viu como um touro castrado se transforma num boi? Assim fiquei eu… em que pese a dura comparação… Para me adaptar ao que era inadaptável, para vencer minhas repulsas e meus sonhos, tive que cortar meus grilhões - cortei em mim a forma que poderia fazer mal aos outros e a mim. E com isso cortei também minha força. Espero que você nunca me veja assim resignada, porque é quase repugnante. Espero que no navio que me leve de volta, só a idéia de ver você e de retomar um pouco minha vida - que não era maravilhosa mas era uma vida - eu me transforme inteiramente.

Uma amiga, um dia, encheu-se de coragem, como ela disse e me perguntou: “Você era muito diferente, não era?”. Ela disse que me achava ardente e vibrante, e que quando me encontrou agora se disse: ou esta calma excessiva é uma atitude ou então ela mudou tanto que parece quase irreconhecível. Uma outra pessoa disse que eu me movo com lassidão de mulher de cinqüenta anos. Tudo isso você não vai ver nem sentir, queira Deus.

Não haveria necessidade de lhe dizer, então. Mas não pude deixar de querer lhe mostrar o que pode acontecer com uma pessoa que fez pacto com todos, e que se esqueceu de que o nó vital de uma pessoa deve ser respeitado. Ouça: respeite mesmo o que é ruim em você - respeite sobretudo o que você imagina que é ruim em você - pelo amor de Deus, não queira fazer de você mesma uma pessoa perfeita - não copie uma pessoa ideal, copie você mesma - é esse o único meio de viver.

Juro por Deus que se houvesse um céu, uma pessoa que se sacrificou por covardia - será punida e irá para um inferno qualquer. Se é que uma vida morna não será punida por essa mesma mornidão. Pegue para você o que lhe pertence, e o que lhe pertence é tudo aquilo que sua vida exige. Parece uma vida amoral. Mas o que é verdadeiramente imoral é ter desistido de si mesma. Espero em Deus que você acredite em mim. Gostaria mesmo que você me visse e assistisse minha vida sem eu saber. Isso seria uma lição para mim. Ver o que pode suceder quando se pactua com a comodidade de alma.

Tua Clarice

as massas

todas as pessoas solitárias, amargas e miseráveis que
se sentem menosprezadas, traídas pelas forças, elas
culpam a vida, as
circunstâncias, culpam os outros quando de fato
elas
são totalmente insossas, obedientes à sua falta de originalidade,
covardes e plácidas, seguem se sentindo enganadas,
infestando a terra
com suas lamúrias, com seus ódios –
embotadas no centro de lugar nenhum, esses milhões
de erros
humanos, indo dia após dia e noite após noite através
de seus movimentos castrados,
acabam por ferir a própria terra, ferir todas as coisas,
este desperdício
o horror de todo esse
desperdício.

- BUKOWSKI, Charles. Miscelânea Septuagenária.

Ih 
Nasceu
Parabéns, é uma menina 
Vai dar trabalho, hein 
Enche de rosa, florzinha
Põe brinquinho
Entucha uma boneca
Ah, que lindo o instinto materno
De aniversário dá uma mini tábua de passar roupa
Um mini fogão com várias panelinhas 
Que é pra aprender desde cedo
É do-lar
Do-marido
De outrem
Nunca sua

Cresce
Senta como mocinha! 
Tenha modos 
Menstrua esse sangue sujo 
Vaza
Denuncia
Esconde esse absorvente

Absorva
Não é gente
Tem que estar bonita, arrumada
De peitos de fora na propaganda de cerveja
De mãos decepadas pelo “companheiro”
De sonhos castrados logo na maternidade

Põe mais maquiagem 
Tem que ser mais feminina
Vai sair sem batom?
Esconde essas espinhas 
Arranca esses pelos que saem de você 
São sujos
Imundos
Sua porca!

Gostosa
Meus olhos te devoram
Te constrangem
Te fazem trocar caminhos
Por que anda sozinha na rua? 
Não te ensinaram 
Que é do-lar?

É minha também 
Como uma carne exposta no açougue
Ou uma roupa na vitrine
Te avalio
Acho que tenho direito
Posso te tocar? 
Te comprar?
Te comer?
Vadia

Estuprada
Mas com que roupa tava?
Andando a noite na rua?
Também…
Tava pedindo
Provocou com o decote
A saia devia ser curta demais

Morta pelo ex namorado
Ah, crime passional 
Ciúmes
Em menos de um mês tava com outro
Merecia
Coitado do homem,
Amava tanto a moça!

Mortas 
Todos os dias 
Mas renascemos
Nossas raízes são mais profundas
Não vão calar nossa voz, nosso grito
Somos gente!
Existimos!
Resistimos!

-Beatriz Gon Pérez Nardoque

Árboles castrados. Conmueven. Parecen tan humildes, tan inocentes. Su postura es la misma que antes, cuando cada brazo refulgía de verdes dorados. Árboles cortados. Erguidos a pesar de todo. Dulce espera de la primavera. Recuerdan las hojas caídas. Recuerdan las sombras gigantescas. Esperan y Esperan. Nada se reemplaza. Ya vendrán grandes ramas que , a lo mejor, serán más bellas que las anteriores ¿Por qué no podrá sucedernos lo mismo? Florecer. Un golpe de hacha. Desnudez impúdica y digna. Espera. Nuevos brotes. Otro florecimiento. Y luego lo mismo y lo mismo. Es decir que anhelo un golpe de hacha que quiebre mis ramas actuales. Quedarme desnuda y esperar sonriente.


Alejandra Pizarnik (Diarios)

if use of credits to @jouranls or like and reblog this post

se usar de creditos a @jouranls ou like e rebloga essa postagem

  1. espero o dia que essa vida de belieba sofredora me de um desconto e eu case com o justin tenha dois filhos e um cachorro chamado rex
  2. justinbieber me aguarde vc ainda vai they hold on tight comigo e vamos ter dois filhos e um cachoro chamado rex
  3. @deus o senhor poderia nao ter sido tao ruim comigo eu nao gostaria de ser fa da biba
  4. olha se pra vc nao ta facil imagina pra mim que tem que levar cuspida na cara todos os dias
  5. BAIXA O SHOTS OU LEVA CUSPIDA DA BIBA
  6. pichador. cuspidor. baixa o shots vagabunda. ovo e maconha. nao necessariamente nessa ordem.
  7. em um belo dia eu vo ver a musica que fala baby baby oh pensei que era a lady gaga mas era um menino castrado cujo nome justi biba
  8. justin bieber precisa tirar a camisa nos shows pra poder chamar atençao e vc acha que eu gosto mesmo dessa bosta
  9. nao faça isso comigo oH nO nO oH nO nO
  10. pescador. traficante. taco ovo. picho e cuspo. nao necessariamente nessa ordem
  11. bєliєbα яσxα cσм σяgυlнσ fα dσ dяєw qυє мє cσиqυiรтσ αรรiм dє υм jєiтσ мєigσ *_*
  12. e VC acha mesmo que eu mereço tudo isso??????
  13. justinbieber oh praga na minha vida sai exu