casal velhinho

Eu amadureci com os anos, as experiências nos mudam, a vida ensina. Mas, acredito que há certas coisas para as quais não amadureceremos nunca. Bom, vou citar um simples exemplo: O amor, você ama alguém e comete erros o tempo todo, todos dizem que você amadurecerá com o tempo, mas… Como? Volta e meia estamos no mesmo lugar, cometendo as mesmas falhas. Eu me pergunto se amadurecer é aceitar perder o amor da nossa vida, ser orgulhoso, ser egoísta, desprezar. E a resposta é não, absolutamente não, as pessoas amadurecem sim, eu sei. Mas, veja só aquele lindo casal de adolescentes no ápice da paixão, eles se amam e cometem erros o tempo todo, eles aprendem e ainda assim continuam a cometer erros, agora olha aquele casal de velhinhos ali sentados no banco da praça, eles já passaram por tanta coisa, eles erraram, eles erram. Eles não já deveriam ter amadurecido? Não, eles não deveriam. O amor não é baseado em amadurecer, amor é você conviver com os defeitos do outro e tentar aprender a lidar com eles porque o seu par não consegue mudá-los, amor é errar tentando acertar, é não desistir. Amor é superar, mas, amor não é amadurecer e nunca será. Porque em meus 21 anos de vida nunca conheci alguém que ame e consiga ser maduro. Seja o casal de adolescentes ou o casal de velhinhos, o amor sempre os fará errar, porque amor não é sobre amadurecer ou acertar. Amor é sobre errar e ainda sim, amar.
—  Jully Anna Evangelista.
Você vê aquele jovem casal que acabou se se conhecer na balada. Eles estão com os sentimentos à flor da pele, com os hormônios a todo vapor. Mas daí você vê aquele casal de velhinhos de 50 anos de casados. Eu pergunto: ‘Quem tem mais sentimento?’ Certamente o casal que acabou de se conhecer. Mas lhe faço outra pergunta: ‘Quem tem mais amor?’ É o casal que está casado há 50 anos. Tanto é verdade que, muitos destes casais casados há muito tempo, quando um deles morre o outro morre logo em seguida. Por quê? Porque o amor era tão forte que um já não conseguia viver sem o outro. Certamente com 50 anos de casados, muitos deles já não sentiam a ‘paixão’ um pelo o outro, mas existia o mais importante: o amor.
—  Padre Paulo Ricardo

O garoto da rosa vermelha
Ele ficava ali na esquina com uma rosa vermelha na mão, na ansiedade que a pessoa aparecesse, olhou o celular constantemente pra ver as horas, olhava a flor e arrumava a beirada do plástico pra ver se estava ok. Era próximo ao dia internacional da mulher. Pensei comigo ele pegou essa flor daquelas que dão em loja no dia da mulher, e vai levar para a mãe.
Mas ai ele deu uma alisada na blusa e uma ajeitada no cabelo e cheirou o próprio braço então pensei… não é para a mãe não. Era legal ver que ele, um adolescente, não tinha a menor vergonha de estar com uma rosa na mão. Ele não parecia se importar se algum amigo passasse por ali e risse dele (coisa de adolescente) porque segurava uma rosa todo romântico. A mochila parecia pesada, ele trocou de ombro, se cansou e trocou de novo.
Passei por ele, a vontade era de ficar na esquina escondida pra ver pra quem ia aquela empolgação e pra quem era a rosa vermelha, eu adoro essas histórias reais que a gente assiste na rua sabe, mas achei melhor não fazer e criar na minha cabeça uma história pra aquela rosa.
Na segunda vez, ele estava de camiseta azul escuro (eu acho) de novo com a rosa na mão e de longe dava pra sentir que ele tava perfumado, criei na minha cabeça que ele estava esperando o amor da vida dele, no mesmo lugar e com o mesmo jeito ansioso. Dessa vez eu não senti vontade de esperar pra ver, apenas torci por ele, pra que ela aparecesse com a mesma ansiedade e beleza no olhar que ele tinha pela pessoa que ele esperava. Passei por ele dei boa tarde mas eu queria mesmo era dizer, “moço eu torço por você viu”.
Se passaram semanas e eu achei por acaso 3 pétalas de rosa vermelha caídas numa esquina antes e pensei será que eram do garoto? Será que eles romperam? Meu Deus não pode ser, tava bonito demais aquela cena pra acabar assim, com a rosa desfeita no chão, eu quero saber o que houve com a história… nãooooo (gritava na minha mente) já no fim da rua vi uma mulher varrendo o quintal, as pétalas eram da roseira da casa dela que provavelmente voou até mais a frente, me senti aliviada que não eram pétalas da rosa do garoto da mochila amarela. Ufa! Ufa e Ufa!
Quando foi ontem, novamente eu pelo mesmo caminho dou de cara com a mochila amarela de longe, e uma mão branquinha segurando a rosa vermelha entrelaçada no ombro dele gentilmente, senti a tranquilidade, o respeito e a meiguice daquele afeto, me lembrou aquele casal de velhinhos que andam pela cidade juntinhos, lembram deles? Bem velhinhos? Só que uma versão adolescente dos velhinhos. Ele de blusa preta combinando com o esmalte preto dela e ela de chinelos verdes meio que combinava com a mochila dele.
Passei por eles. Dei uma olhadinha debaixo dos meus óculos escuros.
Esperei minha filha chegar na outra esquina, e voltei, não aguentei:
-Ei garoto, você ja trouxe rosa pra ela outras vezes não foi?
(os dois espantados)
-Já sim!
-Quero que saibam que isso é raro hoje em dia, é lindo e respeitoso esse cavalherismo e que eu torço muito por vocês. E que você faça sempre isso por ela tá.
Eles sorriram, sorriram de verdade como se eu tivesse dado um presente pra eles, me agradeceram.
Tirei uma fotografia, [com permissão deles] e vim embora com sorriso na cara de quem leu o final feliz do “livro”.
Fui embora torcendo por eles, a menina da unha preta e o garoto da rosa vermelha

Charlotte Brunna
A gente sempre pensa que sabe como é o amor, afinal, ele está em todo lugar. Está na igreja, quando o padre diz que Deu é amor. Está nos livros de Sparks ou nas peças de Shakespeare. Está nos filmes água com açúcar ou no casal de velhinhos que anda de braços dados pelo centro agitado da cidade. O amor está em todo lugar, mas a questão real é: Você sabe quando ele está em você? Eu achei que sabia, até que senti algo diferente, por alguém completamente inesperado. Tudo estava fora de ordem, se é que alguma vez esteve em ordem, até que alguém surpreendente apareceu e colocou o imenso trem desgovernado de volta aos trilhos e parou para admirar a imensidão que achei que ninguém jamais havia realmente visto. Olhei para mim e percebi que pela primeira vez em todo meu período de espectadora, minha vez de protagonizar realmente havia chegado e era aterrorizante.
—  Camormila.
O amor (tem sim) idade.

Andando pelo metrô
Um casal de velhinhos se destaca
no meio de uma multidão;
Não consigo olhar para outra coisa.

O senhor, uns setenta anos,
deixa sua esposa ir na frente
para subir a escada rolante;
Eu dou passagem e ele agradece.

Quando deixam a escada,
Ele, gentilmente, como o cavalheiro que é,
estende a mão para sua senhora
E a abraça, com um sorriso descomunal.

Só existem os dois, o Mundo é só deles.
Em meio a tanta correria e desamor
Eles saem ilesos, como se nada disso importasse.
A chuva pára. O Sol começa a brilhar.

Quem foi que falou
Que o Amor acabou?

- William Kokubun

Hoje no hospital eu vi um casal, ambos já velhinhos e a esposa cuidava do marido que estava doente com tanto carinho, sempre preocupada em dar o remédio dele na hora certa, sempre sentada ao lado da cama dele, segurando a mão dele.. Aquilo me tocou de uma forma.. Poxa a bíblia diz em 1 Coríntios: 13:7 que o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. E hoje é difícil ver isso. O que vemos hoje são jovens namorando num dia e terminando no outro, namorando por status, namoram só pra não ficar em casa sozinho em um final de semana.. Os relacionamentos de hoje não resistem a uma mera discussão, tudo é motivo pra terminar, se ela se importa de mais diz que é “pegajosa” se não se importa diz que não ama. Usam sempre a mesma desculpa de que o amor acabou, mais a minha bíblia diz em 1 Coríntios: 13:8 que o verdadeiro amor já mais acaba. Acham mais fácil substituir do que consertar.
Ninguém mais está disposto a lutar pelo relacionamento, a enfrentar as brigas e discussões, a pedir desculpa mesmo estando com a razão só pra não perder a pessoa que ama. Ninguém mais está disposto a olhar só pra uma pessoa e ama-la independente dos defeitos ou das manias. Estão namorando só por aparência, não exite mais um sentimento verdadeiro, um amor verdadeiro.
Então não adianta vc prometer que vai ama-la na alegria ou na tristeza, se na primeira crise do relacionamento vc vai deixa-la.
Não adianta vc prometer que vai ama-la na saúde ou na doença, se não teria coragem de ficar com ela em uma cadeira de rodas. Isso não é amor.
Quem ama cuida, perdoa, protege, se preocupa. Quem ama não olha a aparência fisica e nem se importa com os defeitos, quem ama de verdade aprende a conviver com os defeito porque ninguém é perfeito. Então lute pelo seu namoro, pelo seu casamento, ore por sua amada que um dia vc pediu a Deus em oração, ore pra Deus abençoar o seu relacionamento, e não deixe que brigas ou qualquer outra coisa venha te impedir de ser feliz ao lado de quem vc ama.

Eu espero que esse texto dure anos, que cada pessoa que o leia sinta um pouquinho do que venho sentido durante alguns anos. Você cresce e pensa que nada vai te afetar tão fundo, mas acreditem em mim, existem várias maneiras de nos ferirem, tanto fisicamente, quanto emocionalmente. Se os problemas fossem apenas físicos, estávamos no lucro, o problema é quando o que nos fere é por dentro, é algo que está instalado no nosso coração e até mesmo alma, estou dizendo que quando você assume se apaixonar por alguém, você dá a essa pessoa a chance de te ferir, mas também dá chance de cuidar de ti. Existem várias maneiras de te ferir e nem uma delas se compara a um estrago que um coração partido possa fazer… Antes de se envolver com alguém, veja se és capaz de se entregar inteiro e assumir todos os riscos, porque nem só de momentos bons se vive um amor. Eu tenho até hoje várias crises e fases ruins no meu relacionamento, mas quando o vejo sorrindo, quando ele diz me amar, eu simplesmente vejo que vale a pena certos arranhões pelo caminho. Quando eu vejo um casal de velhinhos comemorando seus 45 anos de casados, eu sinto nada mais do que admiração e esperança de chegar a ter isso algum dia com quem eu amo. Quando eu vi minha avó cuidado do meu avô nos últimos dias de vida dele, eu senti amor. Porque amar alguém é cuidar até o ultimo instante. É preservar algo que o mundo banalizou. Por favor, sintam, mesmo que tenha medo… Não seja a pessoa que demora a responder por medo de parecer interessada demais, não deixe o orgulho vencer. Eu sei, que em certas circunstâncias dá uma vontade de jogar tudo pro alto, dá mesmo, mas pense que assim como você tem seus momentos a pessoa que está de fora também tem os momentos dela. Empatia. Se ponha no lugar do outro. Se amem mais, se beijem mais, façam mais amor, mais sexo. Vivam mais. Porque essa de só existir já não está funcionando.
—  Thereza Vial.
02:11

“ Essa hora nós estaríamos numa ligação.. Ela provavelmente estaria cantando e eu estaria pensando no quão bom era tê-la ali. Agora eu estou aqui, rodeada de lembranças que corroem cada molécula que forma o meu corpo, sucumbida pelo caos que sua ausência me causou. Mas são apenas consequências de meus atos, porque a sua vontade de partir foi eu quem causei e não há nada que te faça mudar de idéia. Eu adorava o som de sua risada e o jeito que me acalmava mesmo numa simples ligação… Era surreal quando me ligava somente pra dizer que me amava ou que só precisava ouvir minha voz.. Ou até mesmo quando você estava indo para o seu quarto e todo caminho que teria que percorrer estava um breu e era como se eu estivesse ali com você, te protegendo de todos os males apenas com o som de minha voz. A sua risada de fato deveria tocar na rádio e o seu sorriso, puts, de certo terá um lugar guardado no plano de fundo do meu celular! Continua sendo amor, eu continuo imaginando ela ao meu lado e quando vejo um casal de velhinhos na rua, eu nos imagino daquele mesmo jeito… E quando ouço a palavra ” amor “ você surge em minha mente, é automático. Eu a amo, com todo meu coração! Em um dia estávamos comemorando nosso aniversário de namoro, ao som de ” Jack Johnson - Better Together “, melhores juntos, foi o que ela disse… E essa música se eternizou no nosso complicado e sincero nó. Mesmo depois dela ter partido, posso dizer que continuamos juntas, porque ela num certo dia me entregou seu coração e eu prometi cuidados especiais a ele, estou cumprindo minha promessa em preces e nunca irei descumpri-la, pois não se destrói o coração de quem amamos e você não teve consciência disso quando partiu.”

- Evellyne Gregório

Eu gosto do natal, apesar da minha família não comemorar, eu gosto muito do natal. Moro em um bairro residencial, poucos carros passam por aqui, pouco movimento se vê durante o ano… Já no natal, as ruas ficam cheias de carros, cheias de famílias se reunindo e sorrindo. Eu gosto do natal, porque um casal de velhinhos marcou a minha infância, eu esperava todo final de ano para ver eles passarem com seu trenó e jogarem balinhas… O tipo de atitude que me faz acreditar nas pessoas, nos dias atuais ainda existe quem tenta alegrar o dia dos outros. Eu gosto da forma como os familiares e amigos tentam agradar uns aos outros, seja com palavras de boas vibrações ou com presentes. Eu gosto, não sei porque motivo, mas eu gosto muito do natal. Sonho com o dia em que terei minha família, meus filhos, decorarei a casa inteira. Montarei uma árvore e junto com meu esposo levantarei as crianças para pôr a estrela lá no alto, ao acordarem terão a surpresa de presentes embaixo dela. Nossa ceia será linda, com tudo o que tem direito e mais um pouco, brincaremos de amigo secreto. Parecem coisas simples, mas que fazem total diferença para uma criança.
—  Vittoria Catarina.