casa grande

Ei tia...

Ei tia, a senhora conhece meus pais?
Faz tempo que os chamo,
mas, parece que eles não querem escutar.

Ei tia, a senhora tem irmãos?
Meu sonho é ter um que me estenda a mão…

Ei tia, a senhora tem família?
Minha vontade é de morar numa casa bem grande
e comer um potão daqueles gigante de sorvete…

Ei tia, como é ter roupas novas?
Queria ter essa sensação
de andar bonito que nem a senhora…

Ei tia, por que as pessoas sorrir pra você e pra mim viram a cara? Eu não tenho nada de errado, né tia?

Ei tia, a senhora é tão bonita, cadê o namorado?

Ei tia, me arruma um cobertor? Acho que na sua casa tem de sobra…

Ei tia, vamo brincar de correr? Eu me escondo e a senhora tem que tentar me achar…

Ei tia, a senhora parece tão triste, dá um sorriso que  até eu fico feliz…


@luizmchd

CARTA A MI FUTURA HIJA:

Ojala pudiera preguntarte qué nombre quieres usar el resto de tu vida. Si te gusta ponerte medias en las noches. Cuál palabra prefieres aprender primero.

Cuando ya puedas decirme todo eso, te voy a enseñar a que no construyas una casa grande para sentirte más pequeña. Que no seas una refugiada de guerra dentro de ti misma, con un miedo constante por no saber cuánto tamaño mereces ocupar.

A que no pidas una taza de sopa fría, cuando tu novio se devora el lugar entero, incluyéndote a ti.

A que nuestros cuerpos no son frutas, “figura manzana”, “figura pera”, “media naranja”. Eres entera, completa, intacta, ininterrumpida, de carne y huesos que sobresalen o se esconden como el sol que no tiene que decidir en qué lugar del cielo quedarse.

A que no resientas que tus fronteras no son suaves como chicle de fresa, como las niñas de las películas de amor. Son pedazos de caramelos rotos, que rompen dientes al masticar y cuestan más deshacer.

A que no tienes que ser chupón rosado, lazo rosado, Barbie rosada, cuaderno rosado, vestido rosado, Power Ranger rosado, aparatos rosados, cabello rosado, chequera rosada, tacones rosados, muebles rosados, ataúd rosado.  Pero que si lo eres, yo misma te teñiré el pelo.

Quiero que sepas que cuando un niño llamado Carlitos te empuje en tu salón de preescolar no quiere decir que le gustas.

Que cuando Juan te diga nombres en clases de literatura no quiere decir que trata de esconder  su atracción por ti.

Que cuando tu primer novio Gabriel te grite en frente de tus amigos no quiere decir que es apasionado y se preocupa por ti.

Que cuando Andrés te presione tan fuerte contra el volante del carro, que puedes sentir tus costillas saliendo de tu pecho, no quiere decir que te quiere.

Que cuando un adulto llamado Tomás te empuje en la sala de tu casa, no quiere decir que te ama.

Cuando tu corazón sea lo más pesado que llevas encima, no lo dejes convertirse en piedras dentro de tus bolsillos mientras caminas al agua. Cuando comparen tus ojos con el cielo, recuerda que eres una tormenta. Cuando traten de llenar tus vacíos con una boca de ron y promesas, asegúrale que no necesitas las promesas. Cuando te hagan un cumplido, no lo dudes, no te pongas roja.  Cuando te encierren en el cuarto, rompe la ventana. Cuando te toquen y no sientas nada, bésate las palmas y afirma que no eres tú el fantasma. Cuando el profesor se equivoque, corrígelo. Cuando te llamen en la calle, no sonrías, por nadie. Cuando te enamores de un artista, no lo dejes convertirte en su musa: tus pecas no son un cuadro de Jackson Pollock. Cuando tus amigas te digan “los hombres son así”,  tranca la puerta.

Y cuando estés sola en tu cama pensando en la curvatura de la espalda de aquel que pudo haber contado los lunares entre tus piernas pero no lo hizo, llora. Pero no por él. Llora por todas las veces que oíste “No llores, eso es de niñas” a tus hermanos, primos, vecinos, amigos. Llora por todo lo que ellos no lloraron. Llora hasta que inundes tus sabanas. Haz un océano. Ahógalos.

A pesar de todo, quiero que sepas que siempre vale la pena pasar noches despierta pensando en la memoria de un rostro hasta desgastarla. Que las semanas que pasaste con el olor de su piel como vestido no fueron un desperdicio. Que no te arrepientas de crear un idioma secreto con sus besos o de leer braille en su piel.  Que dejar en órbita algunas lunas  nombradas con partes de su cuerpo no es grave.  Que no importa cuánto tiempo pasaste tratando de limpiar los espejos de tus adentros, empañados por su respiración; esconde el vodka, cierra las ventanas, porque te voy a enseñar que el romance más importante es el de tu sangre como ríos, constantemente buscando salidas en tu cuerpo, para tejer nueva piel sobre tus heridas y poder mantenerte toda, completa, adentro.

 Você vai viver sua vida e eu vou viver a minha. Conhecer outras pessoas e se apaixonar algumas vezes. A gente vai se envolver e ter relacionamentos com pessoas incríveis e talvez até pensar em casar e ter uma família, uma casa grande com um quintal pros cachorros brincarem e filhos correndo pela casa. Você vai comemorar mais um ano de namoro e eu vou procurar a melhor forma pra demonstrar o que eu sinto. Vamos acordar ao lado de outras pessoas e ser felizes com elas. Comprar presentes e dizer “eu te amo” com toda a sinceridade de um coração. Mas um dia isso vai acabar, a gente vai se reencontrar. Você e eu, como era pra ser. Como sempre foi. A gente vai se olhar na multidão e perceber que não importa a distância, o tempo ou as outras pessoas; no final tem que ser eu e você. No final só nós seremos “nós” de verdade. Não dá pra evitar. A gente se pertence. 

[Long spanish post] - Jakei, ¿Por qué haces tus videos/cómics/blogs en inglés?

Desde que Underverse y en general muchos de mis trabajos recibieron un poco de reconocimiento en internet, este tipo de preguntas han sido como el pan de cada día. Existe gente muy inteligente y amable que me pregunta de buena manera, a lo cual yo les explico con toda la paciencia del mundo las razones por las cuales uso el inglés como idioma principal en mi trabajo - Que daré a conocer más abajo en este post y que tal vez aclare dudas con la gente que recién sigue este blog. - 

Sin embargo, también han aparecido joyitas, que a pesar de mantener la calma y simplemente ignorarlos, en serio que dan ganas de darles un chanclazo en las manos y en ese trasero ubicado en su rostro que llaman boca para que aprendan a expresarse antes de usar un computador. 

(Y hay más de eso, pero no quiero ridiculizar a más personas)

Pues afortunadamente este par de personitas que tienen internet gracias a sus papis tocaron un tema muy importante con respecto a la razón de este post.

¿Saben por qué hay tan pocos artistas latinos que terminan dependiendo de un trabajo de oficina para poder continuar con sus proyectos? Porque desgraciadamente, nuestra cultura considera que ganarse la vida de esta manera es imposible y no vas a poder cumplir las cosas que todos los latinos soñamos que es tener una casa grande, casarse, tener hijos, armar un ranchito y que los demás trabajen para uno. 

Ah, y que algún día seas bien macho. Porque las mujeres sólo sirven de secretarias.

Cuando corres con la suerte de tener éxito con tu proyecto en tu mismo idioma, y tienes incluso la oportunidad de vender productos muy bonitos, ya sea hecho por tus propias manos o dependiendo de un tercero, te vas a dar cuenta que no todo era tan fácil como parecía. ¿Por qué? Porque incluso gente que puede llegar a pagarte ya sea una simple comisión, te va a resultar con esto:
- “Oye, eso está muy caro ¿Quién carajos va a pagarte por eso?”
- “Dibujas igual que este artista, eres un plagiador”
- “When eres pobre :v”
- “¿Por qué pagar por algo que se puede conseguir gratis en internet?
- “Dibujas bonito pero puedes empezar a regalar dibujos gratis para que la gente te reconozca”

Sin contar que pueden llegar a meterse con la apariencia física del artista y de buscar cualquier defecto que tenga para humillarle. Por simple envidia, o bien, por la cultura que forma parte de nosotros los latinos, los “pobres” del continente.

Muy pocas veces se puede encontrar gente de habla hispana que realmente apoye a los artistas y no necesariamente con dinero. Ese tipo de gente, termina convirtiéndose en un gran amigo para nosotros los artistas, porque no nos sentimos solos cuando tenemos que estar hablando en otro idioma con gente de otras culturas y países. Se podría decir que aún nos falta mucho por aprender de otras comunidades de diferentes idiomas en internet.

Ahora bien, tomando este breve resumen de las fallas de nosotros los latinos como comunidad en internet, es más fácil para mí explicarles la razón por la cual el inglés es primordial en mi trabajo, aún cuando ni siquiera lo hablo y escribo bien a la perfección.

El inglés es por ahora el idioma universal. Si te encuentras en un país X, y al menos conoces un poco de inglés básico, te aseguro que podrás salir de algún aprieto. Lo mismo ocurre con los videojuegos, no creo que todos los videojuegos que nos marcaron de por vida estaban ya traducidos el día de su lanzamiento, ¿o sí? De alguna u otra manera nos ayudaron también a conocer un poco el inglés, y no fue un impedimento para terminar el juego.

Al ser un idioma universal, es más sencillo poder usar este idioma para comunicarse en otros países del mundo, donde este idioma se enseña estrictamente en la mayoría de los casos, no es como en latinoamérica que es sólo una opción, y que supuestamente es sólo para los “ricos” y la gente “engreída, súper dotada y popular” de la clase.

Por consiguiente, siendo un artista deseoso de enseñar tu historia al mundo entero, puedes contar con esta opción. El español es uno de los idiomas más hablados en el internet, pero, a diferencia del inglés o incluso el japonés, que también es otro de los idiomas más usados en internet, no tienen una reputación tan tóxica y desmotivante como la nuestra. Es la cruel realidad.
En otras partes del mundo aprecian a los artistas en internet, así como la industria de los videojuegos, es algo que puede explotarse cuantas veces se desee porque existe gran variedad de entretenimiento, y la gente es capaz de pagar por ello, inclusive sin recibir algún tipo de recompensa, siempre y cuando exista eso que los quiera entretener. 

¿Esa podría ser una razón por la cual hay tanta presión hacia un artista o animador para entregar un nuevo capítulo? Eso tal vez, y que de verdad hay gente tonta.

Yo, al igual que otros artistas de otras partes del mundo, han tenido la oportunidad de dedicarse a esto, y al podernos comunicar en un mismo idioma, es que nuestro trabajo se puede ver en cualquier lugar y llamar la atención de gente que esté interesada en ayudarnos económicamente para continuar, puesto que, no todos contamos con un trabajo fijo para subsistir… y pues… ya. Esa es la razón.

En resumen: Lo hago todo en inglés porque así me llega más dinero.
Y aparte de obtener un ingreso económico aceptable, también he podido conocer gente asombrosa que me motiva a seguir con esto.

Si no tuviera motivación y no pudiera obtener alguna remuneración, estaría haciéndolo todo en español. Sería posible conseguirlo, pero la dificultad aumenta cuando no se puede tener un fanbase estable y que de verdad pueda apoyarte y ayudarte a seguir adelante.

El que haga mi trabajo en inglés no significa que ignore a la gente que habla mi dioma. Por supuesto que me encanta hablar mi idioma, joder, tenemos tantas palabras para insultar y eso es hermoso (Ok, no). Me encanta haber nacido como una persona latina porque a más de un “adulto” le he callado la boca y le he hecho cambiar sus pensamientos acerca de nosotros los artistas, y lo hago también para motivar a la gente que hasta ahora está empezando. Quien sabe, con el tiempo pueda hacer contenido exclusivo para el habla hispana, y que los de allá afuera puedan interesarse así como nosotros lo hacemos con ellos, pero es algo que tomará tiempo, pues muy pocas cosas que no tengan que ver con sexo, chistes políticos y groserías han logrado ser reconocidas en nuestra cultura.

Por el momento, dependeré del idioma que me ha ayudado a recuperar mis energías como artista, y de poder darme a conocer en muchos países por lo que amo hacer.

Fin.
Y buenas noches/días/tardes para todos.

Domande inusuali 🙌🏻

• Spotify, SoundCloud, o Apple Music?
• La tua stanza è ordinata o disordinata?
• Di che colore sono i tuoi occhi?
• Ti piace il tuo nome? Perché?
• Sei fidanzato/a?
• descrivi la tua personalità in 3 parole o meno
• Di che colore sono i tuoi capelli?
• Dove vai a fare la spesa?
• Social network preferito?
• Quante piazze ha il tuo letto?
• Hai fratelli o sorelle?
• Dove vorresti vivere? Perché?
• filtro di snapchat preferito?
• Brand di make up preferito/i?
• Quante volte alla settimana ti fai la doccia?
• Serie tv preferita?
• Numero di scarpe?
• Quanto sei alto/a?
• Sandali o sneakers?
• Vai in palestra?
• descrivi l'appuntamento dei tuoi sogni
• Quanti soldi hai nel portafoglio in questo momento?
• Di che colore sono le calze che stai indossando in questo momento?
• Quanti cuscini hai sul letto?
• Hai un lavoro? Se sì, quale? Se no, cosa fai?
• Quanti amici hai?
• Qual è la cosa peggiore che tu abbia mai fatto?
• Qual è la tua profumazione preferita per le candele?
• I tuoi 3 nomi preferiti maschili
• I tuoi 3 nomi preferiti femminili
• Attore preferito?
• Attrice preferita?
• Chi è la tua crush tra le celebrità?
• Film preferito?
• Ti piace leggere? Qual è il tuo libro preferito?
• soldi o mentalità?
• Hai un soprannome? Qual è?
• Quante volte sei stato all'opedale?
• le tue dieci canzoni preferite di sempre?
• ci sono dei medicinali che prendi quotidianamente?
• Che tipo di pelle hai? (Grassa, secca, etc)
• La tua più grande paura?
• Quanti figli vorresti avere?
• Qual è la tua acconciatura di tutti i giorni?
• In che tipo di casa vivi? (Grande, piccola, etc)
• Qual è stato l'ultimo complimento che hai ricevuto?
• L'ultimo messaggio che hai mandato? A chi?
• Quanti anni avevi quando hai scoperto che Babbo Natale non esiste?
• Qual è l'auto dei tuoi sogni?
• La tua opinione sul fumo (da sigarette)?
• Vai (o hai intenzione di andare) all'università?
• Qual è il lavoro dei tuoi sogni?
• Preferiresti vivere in periferia o in centro?
• Prendi bottiglie di shampoo (o saponette) quando vai in hotel?
• Hai le lentiggini?
• Sorridi nelle foto?
• Quante foto hai nel telefono?
• Hai mai urinato in un bosco?
• Guardi ancora i cartoni animati?
• Burger king o Mc Donald’s?
• Condimento per la pasta preferito?
• Cosa ti metti per andare a dormire?
• Quali sono i tuoi hobby?
• Sei bravo/a a disegnare?
• Suoni qualche strumento?
• Qual è stato l'ultimo concerto che hai visto?
• Tè o caffè?
• Ciambelle o krapfen?
• Ti vorresti sposare? In chiesa o in comune?
• Quali sono le iniziali della tua crush?
• Quale colore ti si addice di più?
• Ti manca qualcuno?
• dormi con la porta aperta o chiusa?
• Credi nei fantasmi?
• L'ultima persona che hai chiamato?
• Gusto di gelato preferito?
• Ringo o Oreo?
• gocce di cioccolato o zuccherini arcobaleno?
• Cosa indossi in questo momento?
• Cosa c'é sullo sfondo del tuo telefono?
• Sei una persona timida o estroversa?
• Ti piace quando qualcuno gioca con i tuoi capelli?
• Ti piacciono i tuoi vicini di casa?
• Ti lavi la faccia? Di notte? Alla mattina?
• Hai mai fumato erba?
• Sei mai stato ubriaco?
•L'ultima cosa che hai mangiato?
• La tua lyrics preferita? (Le lyrics sono i testi delle canzoni)
• Estate o inverno?
• Giorno o notte?
• Cioccolato al latte, bianco o fondente?
• Mese preferito?
• Segno zodiacale?
• Qual è l'ultima persona che ti ha visto piangere?
- Le ho tradotte con tanto amore, divertitevi! -

flickr

CASA GRANDE — Oddity seekers will find a bonanza  when they come across a set of round relics squatting in the desert south of Casa Grande. At first glance, they look like abandoned UFOs. Closer inspection reveals they’re manmade, and they’re sort of spooky. They’re a series of domes. Some stand (or squat) alone; others are connected so they resemble a giant caterpillar. All are abandoned and have been severely vandalized, so there are no doors or windows left.

The domes are concrete covered with chemical foam. They were built to house an electronics circuit board factory but the project never got off the ground. Now it’s a merely gathering place for underage beer drinkers, graffiti artists and a wind that howls through the emptiness.

Conhecendo a mulher da minha vida

“ Conto em G# “


Eu sempre fui um cara simples, minha pele negra e cabelo crespo, meu corpo sempre foi acima do peso depois dos meus 14 anos. Na escola sempre fui considerado nerd, e como sou muito tímido sempre ficava sozinho na sala de aula. Na verdade não ficava sozinho, tinha um ou dois amigos, mas nunca passava disso e foi assim até me formar no terceiro ano. Por mais que eu fosse tímido as pessoas lembravam do meu nome, já que ele era muito incomum. Acho que eu era o único Édipo que existia naquela escola, e talvez o único de São Paulo. Além do fato de ser nerd, usar óculos de armação grossa e sempre falar de assuntos como “Vídeo game” e “Star Wars” com meus amigos. Por outro lado Mayara era o extremo oposto, onde passava os rapazes paravam para olhar, os rapazes e as garotas também. Mayara era do tipo de menina que fazia até professores se apaixonarem por ela.

Estudamos na mesma sala desde a sétima série, porém nos falamos apenas duas vezes na vida. Uma vez foi em um trabalho onde o professor sorteou os grupos e eu e ela caímos juntos. Eu mal falava com ela pois a sua presença me encabulava. Mesmo assim ela sempre foi muito simpática comigo, me tratava super bem e interagia com todos do grupo durante os estudos, por um tempo até achei que começaríamos uma amizade, mas quando entregamos o trabalho tudo voltou ao normal. Varias pessoas cercavam ela na escola, era quase impossível conseguir falar com ela, ou pelo menos era quase impossível para mim. A segunda vez foi no terceiro ano, na formatura, no baile de colação ela me deu um abraço e disse “Tudo de bom para você” seguido de um beijo no meu rosto. Apesar dela ter feito isso com todos da nossa sala eu fiquei sem chão por alguns momentos. Eu sabia que nunca mais a veria, e por mais que gostasse de vê-la todos os dias eu sabia que ela nunca olharia para mim do jeito que eu queria que ela olhasse.

Após me formar eu comecei a pensar em qual faculdade fazer, escolhi o curso de audiovisual pois sempre gostei de Design e queria trabalhar com cinema. No primeiro dia de aula tivemos o trote, todos os calouros tinham que andar de mãos dadas na rua e pedir esmolas no farol, nas nossas cabeças estava escrito de tinta guache “bichos”. Fomos divididos em grupos baseados em nosso curso, enquanto conversava com o pessoal do audiovisual percebi que uma pessoa que estava no grupo do trote de nutrição me era familiar, o cabelo preto e a pele branca, as curvas dos seios e da cintura, o sorriso inconfundível. Era Mayara, ela estava na mesma faculdade que eu.

Todas as vezes que o semáforo ficava verde tínhamos que ir até o líder do grupo e entregar o que tínhamos conseguido das esmolas, quem estivesse sem dinheiro tinha que tomar uma dose de cachaça. Por 6 vezes eu não consegui nenhuma moeda. Eu sempre conseguia beber muito e ficar bem, minha altura e meu peso me ajudavam a ser resistentes ao álcool, porém aquelas 6 doses me deixaram bêbado rápido. Quando percebi já estava na frente de Mayara dizendo que estava feliz em vê-la e que ela estava ainda mais linda sem o uniforme da escola. Não me lembro do que ela respondeu, mas sei que depois daquele dia a evitava nos corredores da universidade.

No segundo mês de aula teve uma festa na casa de um dos alunos de Design Gráfico. A casa dele era bem grande e eu fui. Diferente da escola, na faculdade as pessoas não te julgavam ou faziam piadas sobre meu peso e meu nome, o que me deixava mais a vontade, pelo menos com o pessoal da minha sala.

Mayara estava lá, com uma calça jeans justa, e um top azul. A Maquiagem era leve e o salto realçava sua bunda. Ao vê-la fiquei excitado. Mesmo assim não fiz nada. Em um momento da festa, enquanto dançava a vi em uma parede com uma aluna do curso de Administração. As duas se beijavam com muito tesão, Mayara passava a mão pelo corpo da garota, colocava a mão dentro da camisa de menina e acariciava seus seios. Mayara estava dominando a aluna. Ver aquilo fez minha mente viajar, um amigo da minha sala ao perceber que eu não parava de olhar a cena me deu um copo de vodka e disse “bebe cara, aproveita a festa” e eu respondi “não posso beber estou dirigindo”. A cena durou mais. Mayara colocou a mão dentro da calça da garota e, mesmo com o som alto deu para perceber a menina gemendo. As duas subiram as escadas e entraram em um quarto, neste momento eu senti que era hora de ir para casa.

No caminho de casa passei em um delivery 24 horas do Burguer King e pedi um lanche para jantar. A festa tinha muito bebida e nada de comida, a noite inteira só tinha tomado coca cola e energético. O Burguer King era no meio da cidade, o que me fez levar alguns minutos para chegar até lá. Na volta eu passei na rua onde acontecia a festa e na esquina vi uma garota sentada no meio fio vomitando. Era Mayara.

Parei o carro e fui na direção dela. Ela estava bêbada e suja, seu braço estava ralado e os cotovelos sangravam um pouco, provavelmente deve ter caído tentando ir para casa. Eu a segurei e levei até meu carro. Quando olhou nos meus olhos fez cara de estranhamento e disse “Édipo?”. Eu apenas continuei dirigindo e respondi “Continue deitada, já estamos chegando na minha casa”. Quando fiz isso ela abriu um sorriso e colocou a mão entre as minhas pernas “Eu já sei o que você quer”. Fiquei excitado novamente, mas mesmo assim retirei a mão dela do meu pau e disse “Eu não vou fazer nada com você nesse estado, por mais que eu queira” Ela insistiu mais algumas vezes durante a noite. eu a levei para o banheiro. Apenas passei uma toalha molhada em algumas partes do corpo dela para tirar a sujeira e coloquei para dormir. Deixei um balde do lado da cama para caso ela precisasse vomitar mais. Como era a única cama do meu apartamento eu me deitei na sala, liguei meu plasytation e joguei um pouco de battlefield antes de dormir.

Acordei as 9 da manhã, era sábado mas mesmo assim eu tinha costume de acordar cedo para estudar e desenhar. Acordei e fiz um café forte para Mayara, sabia que ela ia estar com muita dor de cabeça, ela acordou e levantou, ainda tonta tentou ir até o banheiro, nem percebeu minha presença na sala. Me levantei e a ajudei a se equilibrar.

-Quero que você saiba que não fiz nada com você ontem.

- Ok. Eu me lembro vagamente de quase tudo — Ela respondeu com os olhos cerrados.

Ela foi até o banheiro e eu a entreguei uma toalha junto com uma bermuda minha de elástico e uma camisa com estampa de Game of Thrones.

- Eu sei que sou meio gordo mas você amarrar o elástico da bermuda para não cair.

Ela saiu do banho com minhas roupas e estava mais sexy do que nunca. Apesar da camisa ser muito maior que ela dava para ver o volume dos seus seios sem sutiã e o bico que aparecia pela camisa.

Ela se sentou ao meu lado no sofá e disse:

- Porque você não me comeu ontem?

- Você estava bêbada, eu não queria me aproveitar de você naquele estado.

Ela fez silêncio por alguns minutos e logo em seguida voltou a falar.

- É a primeira vez que alguém me respeitou desse jeito na minha vida. Muito obrigado.

Fiquei encabulado novamente, mesmo assim respondi “De nada, eu apenas quero que você fique bem”.

Não conseguia olhar para ela por muito tempo, mas quando olhava percebia um sorriso em seu rosto. Ela olhou para mim e disse:

- Você gostava de mim na época do Toufic não é? (Toufic era o nome da nossa escola).

Ri sem graça e apenas fiz o sinal de “sim” com a cabeça.

Ela veio para cima de mim no sofá, colocou a mão na minha coxa e disse perto do meu ouvido. “Acho que você merece um prêmio pelo o que fez ontem”. Nem tive tempo de responder, quando virei o rosto ela beijou minha boca e se jogou em cima de mim no sofá. A ultima vez que tinha beijado alguém foi com 16 anos.

Ela pegou minha mão e levou até seus seios. Prendeu a mão no meu cabelo e começou a morder meu pescoço. Eu apertei sua bunda e fiquei excitado e nervoso ao mesmo tempo. Ela começou a descer pela minha barriga e eu segurei seu rosto e disse “Não, eu sou virgem, você não vai gostar. Eu não sei fazer nada”. Ela voltou até meu rosto, me beijou novamente e disse no meu ouvido de novo “Eu te ensino tudo o que você precisa saber”.

Eu estava deitado e ela estava em cima de mim. Ela tirou a camisa e colocou seu seios em minha boca. Após isso se levantou, tirou a minha bermuda que ainda estava usando e ajoelhou na frente do sofá. Puxou minha calça para baixo e começou a chupar meu pau. Ele já estava duro e eu sentia que iria gozar a qualquer momento. Ela chupava, forçava a cabeça e tentava colocar ele inteiro na boca. Masturbava ele enquanto deixava a cabeça dentro da boca. Eu estava fazendo de tudo para não gozar. Mas do nada ela fez algo que eu não aguentei. Eu ainda estava deitado no sofá e ela subiu em cima de mim novamente. Colocou a boceta na minha boca e pediu para que eu chupasse. Fiz como ela pediu e pude ouvir ela gemendo enquanto fazia o boquete. Não aguentei e gozei, Ela se levantou, olhou para mim e deu uma risada leve. Cuspiu na lixeira que ficava na minha escrivaninha. Eu estava sem graça. Provavelmente ela já deve ter transado com caras que fez ela gozar a noite inteiro por horas, e eu gozei na boca dela em alguns minutos.

Após isso me sentei, ela veio na minha direção e se sentou no meu colo, novamente falou baixinho “Você já gozou, agora é minha vez”. Me puxou pela camisa e começamos a nos beijar de novo. ela me puxou para cima dela e entrelaçou suas pernas nas minhas costas. Depois de um tempo nos beijando ela me empurrou para baixo até chegar na sua boceta de novo. Comecei a chupar a boceta dela, com uma mãe segurava suas coxas, com a outra apertava seus seios. Certa hora ela disse “Coloca um dedo dentro”. Eu coloquei e a fodia com o dedo enquanto a chupava. De repente fiquei excitado de novo. Ela falou “Agora coloca dois dedos” Ela gemia alto, tão alto que eu achava que os vizinhos já estavam ouvindo. Fui aumentando a intensidade dos dedos até que ela prendeu minha cabeça com as coxas e soltou um grito alto. senti a pressão da força que ela fazia com as pernas e pude ver o gozo dela na minha boca e no sofá. Ela me puxou para cima e voltou a me beijar, colocou a mão no meu pau e disse “Acho que alguém já está pronto para outra”. Ela me fez deitar no sofá de novo e sentou no meu pau, ela cavalgava e eu tinha a visão do seu rosto e dos seus seios balançando. Eu passava a mão por sua bunda e seios, as vezes levantada um pouco e colocava a boca no bico dos seus seios e mordia. Ela gemia alto e eu tentava me segurar o máximo possível. Ela colocou a mão na boceta e começou a se masturbar, percebi ela gozando de novo enquanto subia e descia no meu pau, foi então que não aguentei mais e gozei de novo. Depois disso ela se deitou no meu peito e ficamos o resto da tarde no sofá. Conversando, relembrando coisas da escola e nos beijando muito.

Ela então levantou, colocou sua roupa e disse que precisava ir embora, me deu um beijo e se foi. Eu acreditei que aquele momento mágico tinha acabado, e forçava para não perder nenhuma imagem na minha mente.

Na segunda feira, sempre que alguém me perguntava como tinha sido meu final de semana eu relutava para não falar que tinha transado com a garota mais gostosa da universidade. Eu sabia que fazer isso seria algo muito babaca. Mas então aconteceu o que eu não esperava, no intervalo entre aulas eu vi Mayara vindo na minha direção, eu estava sentado em um banco junto com outros rapazes da minha sala. Ela chegou perto de mim e disse “Eu estava te procurando”. Se sentou no meu colo e falou “Você não vai me apresentar para os seus amigos?”. Neste momento eu percebi que tinha começado o namorar. Os rapazes olhavam sem saber o que dizer, eu a abracei pela cintura disse “Galera, essa é a Mayara.”

Era pra ser uma casa grande, para ter alguns cachorros e uma rede na varanda. Era para fazer uma bagunça na sala com risos sem fim e um final de tarde deitada no seu peito vendo o pôr do sol, era pra ter um sítio para descansar da correria do dia a dia. Era para ter sorvete e batatas fritas todos os dias. Era para ter um taça de vinho todas as noites, enquanto conversavámos sobre o nosso dia corrido. Era para sermos um trio quase perfeito. Era pra ser uma história de amor igual aquelas bobas de família. Mas eram sonhos que não foram contados para se realizar, e acabamos descobrindo que sonhos, talvez, o certo seja contar, e que isso de esconder está errado. Era para ser tantas coisas que acabou não sendo nada, e deixou uma saudade danada.
—  A Flor e o Passarinho