capitulo 56

Capitulo 56

Na quarta-feira recebi o meu vestido em casa, após termos o deixado na loja para alguns ajustes. Após o almoço fui até o hospital, a fim de passar o dia com Nicolas. Ele se mostrava contente, pois enfim após quase dois meses em uma cama de hospital, voltaria para casa, apesar de ter sido mais rápido do que o esperado. Ele continuava sem cabelo e provavelmente ficaria desta maneira até passar os seis meses de quimioterapia, pela mesma recomendação de doutor Diogo.
Acabei sendo sua companhia até a manhã seguinte, quando minha mãe chegou ao hospital, a fim de arrumar as coisas de Nicolas para a sua alta na mesma tarde. Expliquei ao pequeno o porquê de não poder ficar e ele entendeu perfeitamente. Somente Victor poderia assinar a alta de Nicolas, já que Luan e eu estaríamos ausentes, portanto ele chegaria na parte da tarde para buscar o filho.
Voltei para casa após me despedir de Nicolas, sabendo que ainda não havia arrumado nenhuma mala. Cheguei em casa, cuidei das crianças e logo tratei de organizar minhas coisas. O dia fora um tanto corrido, já que Cida não pôde estar presente hoje por conta de uma consulta médica.
Ao meio dia eu ainda não tinha organizado muita coisa, mas estava dando comida ás crianças. Luan passaria para me pegar às duas da tarde e até lá eu deveria estar pronta, pois não queria atrasar tudo, o atrapalhar e arrumar mais algum tipo de desentendimento.
Após cuidar das crianças, acabei indo tomar banho e ao sair arrumei as coisas, porém nada muito organizadamente. Minha mãe ainda não chegara e eu começava a me preocupar, pois não poderia deixar as crianças sozinhas. Liguei para ela e a mesma me disse que o engarrafamento estava pesado e demoraria alguns minutos para chegar. Olhei no relógio e a hora de partir chegava, então tive a ideia de ligar para Victor, a fim de que ele cuidasse dos pequenos para mim antes de ir buscar Nicolas no hospital. Era a minha única saída e logo Victor aceitou.
– Você fica com eles uns instantinhos? Minha mãe chega logo, ela só disse que está presa no trânsito. – expliquei quando Victor chegou em casa.
– Tudo bem Fê. Pode ficar tranquila que eu olho eles. – ele aceitou e logo Breno o chamou para brincar.
Enquanto isso, subi e consegui terminar de arrumar as malas. Desci com o vestido em mãos, o deixando pendurado em um cabineiro que havia ao lado da porta para que não amassasse. Pontualmente – pois Luan era responsável quando se tratava de trabalho e coisas importantes – uma van parou em frente a casa, com alguém tocando a campainha e eu pedindo á Victor para atender.
Rober adentrou a sala com um ar estranho, pois imagino ele se perguntando o que Victor estaria fazendo ali. Faltava eu trocar as fraldas de Nicole e descer com as malas.
– Oi Rober, tudo bem? Quer um café? Pode ir até a cozinha. Vou só trocar a fralda da Nick e já desço. Não vou atrasar vocês, né? – disse tudo junto, não oferecendo tempo para Rober respondesse, mas pude ouvir ele rindo enquanto eu subia as escadas.
No quarto de Nicole, escutava as risadas de Breno juntamente com Rober vindas da sala. Consegui trocar a pequena em menos de dez minutos e logo desci as escadas á passos apressados.
– Bem, olhe. – disse, me dirigindo á Victor. – Eles já almoçaram e o máximo que podem querer é uma fruta, essas coisinhas. Provavelmente a Nick vai dormir já, já e…
– Caramba Rober, que demora. – Luan me interrompeu entrando na sala e logo quando viu o pai Breno correu para os seus braços.
Outra vez não ofereci tempo para Rober responder á Luan e logo disse:
– Eu estava trocando a fralda da Nicole, Luan. Fui eu quem atrasei. – o olhei, enquanto ele segurava Breno em seus braços.
– Tudo bem. Só estranhei a demora. – ele disse imparcial após saber da minha resposta e logo se voltou para olhar Nicole.
Enquanto ele matava as saudades dos filhos, subi para o quarto trazendo as malas e Rober ás colocando na van. Em poucos minutos, tudo estava pronto.
– É isso. – finalizei, pegando minha bolsa na poltrona. – Podemos ir. Estou pronta. – disse e logo Luan começou á se despedir dos filhos.
Eu fiz o mesmo, os abraçando sentindo saudades antes mesmo de ir. Victor olhava toda aquela pequena bagunça ao lado da sala, parado e sorrindo de canto algumas vezes.
– Victor, obrigada mesmo por ficar com eles. Minha mãe chegará daqui alguns minutos, eu prometo. – comecei, o olhando e percebendo que Luan nos observava atentamente na porta da garagem. – Diga a Nicolas que sentirei saudades, mas logo estarei de volta. – finalizei, me despedindo com um beijo em seu rosto.
Luan me fuzilou com o olhar e nem ao menos me esperou para entrar na van. Antes mesmo de Rober fechar as portas, minha mãe chegou se desculpando pela demora. Ela cumprimentou Luan, perguntando pelos seus pais e o mesmo logo disse que eles já estavam nos esperando em uma outra van, no aeroporto.
– O Victor ficaria com as crianças, mas já que chegou, por favor, cuide delas. O Nicolas chegará hoje ainda. Victor irá busca-lo. – recomendei e minha mãe me abraçou, despedindo-se.
Demoramos mais alguns minutos para sairmos enfim do condomínio. Os pais de Luan nos esperavam, pois também estariam presentes na premiação. Bruna infelizmente não poderia ir, porque o local do evento seria no Rio de Janeiro e ela estava evitando muitas viagens por conta do bebê que estava por vir, e creio que só viajaria então nas férias de fim de ano, que planejávamos com todos juntos. Pensei em levar minha mãe e até conversei com a mesma, mas ela se negou, dizendo que ficaria cuidando das crianças e da recuperação de Nicolas. Confesso que fiquei com um pé atrás em acompanhar Luan nesta viagem para premiação por conta da alta de Nicolas ser no mesmo dia, mas após pensar e conversar com minha mãe, recebendo algumas orientações, ela me tranquilizou, dizendo que eu poderia ir em paz que ela cuidaria de tudo.
Desde que saímos do condomínio, ninguém dissera nenhuma palavra, a não ser quando eu cumprimentei Well que também estava na van. Estava sentada ao lado de Rober, de frente para Luan, e após olhar em meu relógio de pulso o horário marcado, o encarei e perguntei.
– Estamos atrasados? – logo me dei conta da pergunta, e a refiz da melhor forma. – Quer dizer, eu atrasei muito você?
– Não. – ele respondeu me olhando por instantes e logo desviando o olhar para a janela. – Nada que nos atrase demais. – ele finalizou.
Apenas concordei com um aceno de cabeça, seguindo o trajeto até o aeroporto sem dizer mais nada. Luan ainda conversava com todos, mas eu percebi o quanto ele evitava me olhar. Desta vez, percebi um tratamento diferente em sua voz; estava mais frio e imparcial do que de todas as outras vezes que nos encontramos. Desde a nossa separação eu sentia Luan tentando se aproximar, mas esta fora uma das vezes em que ele não tentou nada e somente ficou nervoso e agitado quando Amanda lhe ligou e eu estava sentada ao seu lado.
Chegamos ao aeroporto e logo nos encaminhamos para a pista de decolagem. Me encontrei com os pais de Luan e eles me acolheram como sempre. Algumas fãs esperavam por Luan, assim como era de se imaginar, e ele fora as atender. As cumprimentei com alguns acenos e sorrisos, mas por conta do tempo, logo tive que subir no avião de Luan e me acomodar em uma das poltronas ao fundo. Seu Amarildo e Dona Marizete se sentaram algumas poltronas á frente e Luan se acomodou em uma das últimas, provavelmente para descansar.
Segui o inicio da viagem conversando com os pais de Luan sobre a volta de Nicolas para casa e eles também se mostraram ansiosos para a premiação. Logo comecei a ouvir musica e a relaxar, mesmo pensando em como Nicolas estaria e qual seria a finalização de tudo que estava acontecendo. Não sei em que ponto adormeci, mas tive um sonho bom com o dono do meu coração que estava sentado algumas cadeiras atrás de mim.