caminham

Estamos no século maldito: Há uma nova mentira todas as horas. Amar? Cruzes! Está fora de moda, virou motivo de vergonha. Se você é diferente precisa fingir ser um babaca e seguir toda uma multidão de idiotas que caminham para o nada. É triste, mas com o tempo você acaba se tornando um deles. Amanhã ou depois sairá nos jornais: A humanidade está em extinção.
—  Os porquês de Amélia Roswell.
Depressão


Eu sou a vontade de escapar
O sonho de morrer
A vontade de se machucar

Sou cada gota de magoa
Sou cada lágrima que escorre
Sou aquele som insistente de uma gota d'água no chão
Sou a coragem que percorre suas veias
Para você conseguir mais um corte
Enfeitando seu braço
Te deixando querer a morte

Sou o que te força a sorrir
Sou a dificuldade que você tem pra se abrir
Sou sua responsabilidade batendo na porta
Sou a vontade de sumir
Sou a lâmina que teu braço corta
Sou a vontade de deixar de existir
Sou o rabisco no caderno onde você se questiona
“O que eu devo sentir?”
“Por que eu estou aqui?”
“Eu deveria existir?”
“Eu errei tanto assim?”
E mesmo sabendo que não deveria se cobrar tanto
Sou a sua insistência de você continuar se perguntando
Sou a vontade de desistir
Sou a vontade de não sentir

E mesmo morta por dentro você continua caminhando
Você continua andando
Entre os mortos vivos que como você
caminham sem rumo
Buscando apenas um abrigo
Sou o conforto e o aconchego
Sou seu ódio por aqueles que tem medo do perigo

Sou a culpa que se quer existe
Sou a ansiedade e o medo
Que em seu peito reside

Sou o seu medo de amar
Sou a morte que você quer
Sou a madrugada que te faz pensar
Pensar até chorar
Eu sou todo o seu desejo
Sou o suicídio
Eu sou a vida te dando uma ordem de despejo
Sou sua raiva
Sou sua instabilidade
Sou a sua única verdade
E eu também sou a única que te mostra a realidade

Personalidade do seu personagem

Matéria originalmente feita e postada por The Character Chick, todos o créditos pertencem ao seu autor original. 

A personalidade é a coisa mais importante sobre o seu personagem.

Assim, sempre que eu vejo fichas de personagens, a maioria das pessoas só colocam um pequeno parágrafo para aquela seção. Se você está lutando e não sabe o que seu personagem deve dizer ou fazer, quais as decisões que ele deve fazer, eu garanto-vos que este é o problema.

Você sabe nome, idade, raça, sexualidade, altura, peso, cor dos olhos, cor do cabelo, os nomes de seus pais e irmãos ‘do seu personagem. Mas estas não são as coisas que realmente importam sobre eles.

Traços:

  •  Pegar traços que não necessariamente caminham juntos. Por exemplo, alguém que é controlado, agressivo e vão pode também ser generoso, sensível e de fala mansa. Caracteres precisam ter pelo menos uma falha que realmente impacta em como eles interagem com os outros. Traços positivos podem funcionar como falhas, também. É aconselhável que você escolha, pelo menos, dez traços.
  •  As pessoas são complexas, cheias de contradições e, por favor, me perdoe se isso faz alguém desconfortável, mas até mesmo os valentões podem ser “agradáveis” com as pessoas. Qualquer um pode ser uma pessoa “má”, mesmo alguém que é educado, gentil, útil ou tímido também pode ser narcisista, irritante, arrogante e mentiroso. As pessoas não são apenas “más” ou “boas”.

Crenças:

  •  Ideias ou pensamentos que seu personagem tem ou pensa sobre o mundo, a sociedade, os outros ou a si próprio, mesmo sem prova ou evidência, ou que pode ou não ser verdade. Crenças podem contradizer seus valores, motivações, autoimagem, etc. Por exemplo, a crença de que é uma pessoa incrível e responsável quando seus traços são preguiçosos, irresponsáveis e superficiais. Sua autoimagem e quaisquer crenças que eles têm sobre si mesmos podem ou não podem ser semelhantes/o mesmo. Eles podem ter uma autoimagem pobre, mas ainda acreditarem que são melhores que todos os outros.

Valores:

  •  O que seu personagem acha que é importante. Normalmente influenciada por crenças, sua autoimagem, a sua história, etc. Alguns valores podem contradizer suas crenças, desejos, características, ou até mesmo outros valores. Por exemplo, seu personagem pode valorizar o respeito, mas uma das suas características é ser desrespeitoso. É aconselhável que você liste pelo menos dois valores, e saber qual eles valorizam mais. Por exemplo, seu personagem crê nos valores da justiça e da família. A irmã dele lhes diz que ela apenas roubou $ 200 da carteira do seu professor. O que será que eles dizem sobre ela, ou eles a deixaram ficar com o dinheiro? A justiça, ou a família? De qualquer maneira, seu personagem provavelmente tem alguns sentimentos negativos, culpa, raiva, etc., mas de trair seu outro valor.

Motivos:

  • O que seu personagem quer. Ele pode ser abstrato ou algo tangível. Por exemplo, querer ser adorado ou querer esse trabalho para pagar a medicação do seu pai. Motivos podem contradizer suas crenças, traços, valores, comportamentos, ou até mesmo outros motivos. Por exemplo, seu personagem pode querer ser uma boa pessoa, mas seus traços são egoístas, manipuladores e narcisistas. Motivos podem ser a longo prazo ou a curto prazo. Todo mundo tem desejos, realizados ou não. Você pode escrever “eles não sabem o que eles querem”, mas você deve saber. É aconselhável que você liste pelo menos um desejo abstrato.

Sentimentos recorrentes:

  •  Sentimentos que eles têm durante a maior parte de sua vida. Se você colocá-los para baixo como uma característica, é provável que eles também sejam sentimentos recorrentes. Por exemplo, deprimido, solitário, feliz e etc.

Autoimagem:

  • O que os personagens pensam de si mesmos: sua autoestima. Alguns caracteres são orgulhosos de si mesmos, outros têm vergonha de si mesmos, etc. Eles podem pensar que eles não são bons o suficiente, ou pensam que é a pessoa mais inteligente do mundo. Sua autoimagem pode contradizer suas crenças, traços, valores, comportamentos, motivações, etc. Por exemplo, se sua autoimagem é pobre, eles podem ainda ser uma pessoa alegre ou otimista. Se eles têm uma autoimagem positiva, eles ainda podem ser uma pessoa deprimida ou negativa. Como eles se imaginam pode ou não ser verdade: talvez eles pensem que são uma pessoa horrível, quando eles são, de fato, muito atenciosos, prestativos, gentis, generosos, pacientes, etc. Eles ainda têm falhas, mas falhas não vão necessariamente torná-los uma pessoa terrível.

Comportamento:

  • Como traços, valores, crenças, autoimagem do personagem, etc., são exteriormente exibidas: como eles agem. Por exemplo, dois personagens podem ter a característica “com raiva”, mas todos eles provavelmente irão expressá-lo de forma diferente. Um personagem pode ficar quieto e quer ser deixado sozinho quando estão com raiva, o outro pode se tornar agressivo verbalmente. Se o seu personagem é um mentiroso, ou ele de repente fala com muito cuidado quando ele normalmente não faz? Alguém que é imprudente pode ter problemas com limites ou comer o último pedaço de pizza na geladeira quando sabia que não era dele. Comportamento é extremamente importante e é aconselhável que você pense muito sobre as ações de seu personagem e o que exatamente ele mostra sobre eles.

Comportamento:

  • Seu humor geral e disposição. Talvez eles sejam geralmente tranquilos, alegres, mal-humorados, ou irritados, etc.

 Postura:

  • Uma parte secundária da personalidade de seu personagem: não tão importante como todo o resto. É aconselhável que você preencha isso depois. A postura é como o personagem carrega-se. Por exemplo, talvez eles balancem os braços e mantem seus ombros param trás enquanto andam, o que parece ser a postura de uma pessoa confiante, por isso, quando eles se sentam, as pernas são provavelmente abertas. Outro personagem pode cair e tem os braços cruzados quando eles estão sentados, e quando eles estão andando, talvez ele arraste os pés e olhe para o chão.

Padrão discurso:

  •  Uma parte secundária da personalidade de seu personagem: não tão importante como todo o resto. É aconselhável você preencher isso depois. Padrões de fala podem ser palavras que seu personagem usa com frequência, se eles falam claramente, que tipo de gramática que eles usam, se eles têm um vocabulário amplo, um pequeno vocabulário, se são sofisticados, brutos, gaguejantes, repetindo-se, etc. Eu, pessoalmente não tenho um vocabulário muito amplo, você poderia dizer.

Hobbies:

  • Uma parte secundária da personalidade de seu personagem: não tão importante como todo o resto. É aconselhável você preencher isso depois. Hobbies podem incluir coisas como desenhar, escrever, tocar um instrumento, coleta de rochas, recolhendo copos de chá, etc.

Peculiaridades:

  • Uma parte secundária da personalidade de seu personagem, não tão importante como todo o resto. É aconselhável você preencher isso depois. Peculiaridades são comportamentos que são únicas para o seu personagem. Por exemplo, eu, pessoalmente, sempre coloquei minhas meias de dentro para fora e verifico o limite máximo para as aranhas algumas vezes por dia.

Gostos:

  • Uma parte secundária da personalidade de seu personagem, não tão importante como todo o resto. É aconselhável você preencher isso depois. Gostos e desgostos são geralmente ligados ao resto da sua personalidade, mas não necessariamente. Por exemplo, se seu personagem gosta de fazer a lição de casa de outras pessoas, talvez seja porque eles querem ser apreciado.

Não gosta:

  •  Uma parte secundária da personalidade de seu personagem, não tão importante como tudo o resto. É aconselhável você preencher isso depois. Gostos e desgostos também podem contradizer o resto de sua personalidade. Por exemplo, talvez uma das características do seu personagem seja desonesta, mas eles não gostam de mentirosos.

 História:

  • O passado do seu personagem tem eventos-chave que influenciam e moldam suas crenças, valores, comportamentos, desejos, autoimagem, etc. Eventos escritos devem implicar ou explicar porque eles são do jeito que são. Por exemplo, se seu personagem é desconfiado, talvez ele deva ter mentido muito para seus pais quando era uma criança. Talvez eles estivessem em um relacionamento há vinte anos e descobriu que seu parceiro estava traindo-o o tempo todo. Se sua motivação/querer é ter a atenção positiva, talvez seus pais simplesmente não lhes elogie e ele foque demais no negativo.

Em mental e deficiências físicas ou doenças:

  • Se seu personagem sofreu um trauma, ele precisa ter um efeito sobre o seu personagem. Talvez eles tornaram-se mais irritado ou impaciente ou crítica dos outros. Talvez suas crenças sobre as pessoas mudem-no para tornar-se: “até mesmo os valentões podem ser pessoas agradáveis”, “qualquer pessoa pode ser uma pessoa má“.
  • As pessoas não são a sua doença ou deficiência: ele não deve ser o seu traço definidor. Eu tenho ansiedade, mas eu ainda sou idealista, preguiçoso, atencioso, impaciente e, ocasionalmente, rancoroso; Eu ainda quero me tornar um autor; Eu ainda acredito que as pessoas são geralmente boas; Eu ainda valorizo fazendo o que me faz sentir confortável; Eu ainda tenho uma autoimagem positiva; Eu ainda sou uma pessoa. Você deve preencher a personalidade de seu personagem no meio do caminho, menos antes mesmo de tocar na possibilidade de seu personagem ter uma deficiência ou doença.

  Geralmente tudo sobre seu personagem deve se conectar, mas hey, mesmo gêmeos que cresceram na mesma casa exata têm personalidades diferentes; eles valorizam coisas diferentes, têm diferentes crenças. Talvez um deles assistisse a um filme que teve um enorme impacto sobre o tema e possibilidade de seu personagem ter uma deficiência ou doença.

Nem tudo precisa ser explicado. Alguém pode ser exigente desde que era pouco por nenhuma razão em tudo. Alguém pode ser uma pessoa negativa, mesmo que cresceu em um lar feliz.

Eu acredito que este é um layout de pensamento para fora para fazer personagens, antagonistas e protagonistas bem delineados, se eles estão sendo criados para um roleplay ou para um livro. Este layout também é útil para estudar Personagens, se você estiver olhando para interpretar com precisão como eles ou escrevê-los em fanfiction ou o que quer.

- Chick

Tradução feita por Myrla, todos os créditos são para The character chick

Não existe nada mais gostoso que a leveza de pertencê-Lo —  penso enquanto fito a chuva que ameaça cair, pela janela. Ele acontece quando chega. O meu sorriso se alarga ao toque de Sua voz. Meus pés, antes errantes pela estrada da vida, agora caminham em descanso por um caminho que, embora estreito, me leva à paz na companhia Daquele que é amor. Que outro caminho eu poderia querer? O vento frio anuncia que a chuva vem vindo. O céu se enegrece e me lembra os instantes antes da vitória em prece. É necessário que haja céu nublado para que a chuva venha, Ele me disse certa vez. Elias viu nascer uma nuvem do tamanho da mão de um homem. É Deus fazendo. Mas como agora, mesmo diante do céu nublado, Ele é Pai e se faz presente. Nunca é abandono. E quando a chuva vem Ele consolida o que um dia já prometeu. Ele é Deus, e nenhum outro amor eu poderia querer quando O conheço. Quando O Pertenço.  Há tanta leveza em pertencê-Lo. Ele é Deus.
—  De verso e alma, para Ele.
O tempo não passa. Apesar de parecer uma eternidade desde que você foi embora, as coisas caminham lentamente quando eu fico sozinho.
—  Depois do fim, Daniel Bovolento.
STATUS: Julgar é muito fácil

O que eles pensam reflete com certeza o que eles são, não quem tu é.

Julgar é muito fácil, entender o outro é um pouco mais difícil.

Antes de julgar a minha vida ou o meu caráter, calça os meus sapatos e percorre o caminho que eu percorri.

Com muita frequência nós tentamos que os outros nos apoiem nas nossas decisões, que nos entendam, ou que ao menos nos compreendam.

Quando criticamos alguém sem antes termos sequer tentado nos colocar no seu lugar e sem, ao menos, tentar compreender o ponto de vista do outro, na realidade expomos a nossa forma de ser.

Quando alguém diz ao mundo que tu é uma má pessoa, esta atitude revela que essa pessoa tem um pensamento duro e cheio de estereótipos.

O mais certo é que por trás de uma crítica destrutiva quase sempre se esconde o desconhecimento ou a negação de si mesmo.

Na verdade, muitas pessoas nos criticam porque não compreendem as nossas decisões, não caminham com os nossos sapatos, não conhecem a nossa história e não entendem a verdadeira razão de termos escolhido o caminho que escolhemos.

Muitas pessoas ainda vão te criticar pelo desconhecimento mais profundo sobre o teu jeito de ser e, sobretudo, por serem arrogantes e pensarem que são os donos absolutos da verdade.

Em outros casos, as pessoas criticam-nos porque veem refletidas em nós certas características ou talentos que nós temos mas que elas não querem reconhecer.

As críticas muitas vezes consistem em reprovar nos outros as qualidades que quem critica gostaria de ter ou crê ter.

Algumas pessoas julgam os outros mais pelos olhos do que pela inteligência, pois todos podem ver, mas poucos compreendem o que veem. 

Conheço um cara que separa as mulheres em dois grupos: “moças que servem para passear de mãos dadas no shopping” e “moças que precisam serescondidas do resto do universo”.

“Como assim?”, eu perguntei; tentando entender o motivo daquela segmentação bizarra.

“Não quero que meus amigos me vejam acompanhado de uma gordinha, por exemplo!”, ele me respondeu.

“Mas e se a gordinha fizer você feliz?”

“Não importa. Não é legal. Queima o filme.”

“Então você está me dizendo que escolhe suas parceiras baseado no que os outros vão pensar e não naquilo que você realmente acha e sente?”, questionei.

E ele, tentando se safar da minha pergunta, enrolou-se todo.

Confundir parceiros com acessórios estéticos não é comportamento exclusivo desse cidadão, acredite. É algo bem mais comum do que você imagina. Assim como alguns acreditam que terão mais valor se utilizarem carros luxuosos como meio de transporte, outros creem que o aspecto físico da namorada – ou namorado – é um elemento essencial para que sejam melhores cotados pelos membros da sociedade – pelos idiotas, talvez até sejam, é verdade, mas… Foda-se o que pensam os idiotas, certo?

Esse tipo de gente é muito fácil de ser reconhecido: os ostentadores de parceiros, geralmente, saem por aí com cara de “preste atenção em quem eu estou pegando”; caminham como se, em vez de parceiras, portassem troféus dourados. Gabam-se do corpo escultural daquela mulher que está longe de fazê-los feliz como a outra, não tão curvilínea, que eles nunca tiveram coragem de assumir; pois, de acordo com a cabeça vazia deles, não seria bom para imagem. Isso mesmo! Para eles, a imagem é bem mais importante do que qualquer outra coisa.

Acredite se quiser: todos os dias, em várias partes do mundo, o critério “o que vão pensar de mim se eu aparecer com ele (a)?” faz com que relações que têm tudo para dar certo não sejam nem sequer levadas em consideração. Uma pena.

E não é apenas o aspecto estético que faz com que pessoas pensem duas vezes antes de considerar a exposição do parceiro. Uma amiga, por exemplo, demorou a nos apresentar o cara com quem ela já saia há mais de um ano porque o cidadão, apesar de bonitão, era bem diferente da nossa turma de magrelos com medo de sol: tomava whey protein e gostava de música sertaneja. E, por isso, ela tinha medo de a acharmos menor por estar com um cara com gostos diferentes daqueles que temos. Doideira, né? Quando ela finalmente tomou coragem para trazê-lo em um dos nossos churrascos, além de zoarmos o aspecto colado da calça dele, ficamos felizes pela nossa amiga. Porque diferente dos ouvidos que costumava maltratar ouvindo sertanejo universitário, ele a tratava muito bem.

O lance é: saber que seu namorado a trata bem é a única coisa que deve ser levada em consideração por aqueles que realmente se importam com você. Entendeu? Amigos verdadeiros não estão nem aí para as inúmeras características estéticas que diferem seu namorado do Malvino Salvador. Quem realmente se importa com você não está nem um pouco preocupado com o tamanho do bíceps e com o gosto musical do seu novo amor.E nem vai fazer julgamentos se o seu crush não possuir o mesmo QI do Einstein. Quem gosta de você, sem dúvida alguma, só quer saber se o seu namorado gera sorrisos em seu rosto e paz no seu coração.

Por isso, não tenha vergonha de ir ao shopping de mãos dadas com aquele a faz se sentir bem. Pelo contrário, sinta-se constrangida, apenas, caso perceba que está escolhendo parceiros baseada no mesmo critério que utiliza para escolher pulseiras e anéis.

—  Namoradas não são enfeites
B.,

Tenho sentido vontade de deitar a cabeça nas suas pernas finas e discorrer sobre as coisas que rodeiam. A rotina desatina todos nós. Vezenquando me sinto em maré alta, logo eu, que sempre temi o mar. Dia desses lembrei daquele roteiro que mais ninguém tomou nota, momentos nossos que já não falamos mais, recordo seus trejeitos com afetuosa gratidão. Eu te conto da vida para validá-la, é necessário te contar cada nó que se fez no meu peito e todos os móveis que mudei de lugar. Coloquei o filtro dos sonhos que me deu na janela para chamar a brisa leve como seus pés quando caminham pela casa.

Ainda vejo riscos vermelhos no céu como lembrete teu. As pessoas sempre passeiam por nós, B. é certo que algumas irão adentrar nossos portões como quem marcou uma visita na hora do chá - nós sempre falamos sobre isso de deixar alguém entrar depois de tudo, fico feliz por te ver conseguir. Tirei o dia para reviver memórias e me vi cada vez mais sã. Gosto de falar em estabilidade porque só você sabe todas as marcas que me fazem e todos os sonhos que se escondem nos confins do peito. Você viu cada cena dos meus anos como num rolo de filme, B. Como quem vivenciou tudo no próprio peito, como quem seguiu o caminho ao lado dos meus pés. Ainda que tortuoso, é bonito dizer que te vi ao lado, as mãos serenas, os olhos lúcidos. Teu nome me é maré mansa porque não há sequer uma gota de tristeza do meu peito na ponta dos seus dedos. 

O calendário anda apertado, as horas têm corrido como quem foge a cada anoitecer. Ainda guardo aquela pena verde que te comprei na feira de rua, espero que não esqueça minhas cartas. Proust ainda me lembra suas citações com ar blasé e continuamos a compartilhar a indignação com Freud. Dia desses encontrei Fred Astaire entre meus filmes, como sempre me veio seu nome em automático. Nossas recordações são bonitas como aquela canção que vivo a dizer que é sua.

Essa carta não tem intenção de nada além de dizer que vezenquando a gente olha para trás e vê desvios e arranhões, mas encontramos um punhado de vida. Então há você para tornar a estrada bonita, então dá saudade e vontade de contar sobre os pássaros da janela, o pranto e o céu - mantenho meu apreço por ele, como bem sabe. 

Quero que saiba que é bonito ver seus braços apoiados na cerca como quem parou para uma visita e gosta de conversar debaixo das nuvens. Aguardo suas cheganças mesmo sem saber, então você vem e recordo que todos os dias senti saudade de toda prosa desde os tempos da insônia desassossegada. B., o portão sempre estará aberto para você.

G.

STATUS: Julgar é muito fácil

O que eles pensam reflete com certeza o que eles são, não quem tu é.

Julgar é muito fácil, entender o outro é um pouco mais difícil.

Antes de julgar a minha vida ou o meu caráter, calça os meus sapatos e percorre o caminho que eu percorri.

Com muita frequência nós tentamos que os outros nos apoiem nas nossas decisões, que nos entendam, ou que ao menos nos compreendam.

Quando criticamos alguém sem antes termos sequer tentado nos colocar no seu lugar e sem, ao menos, tentar compreender o ponto de vista do outro, na realidade expomos a nossa forma de ser.

Quando alguém diz ao mundo que tu é uma má pessoa, esta atitude revela que essa pessoa tem um pensamento duro e cheio de estereótipos.

O mais certo é que por trás de uma crítica destrutiva quase sempre se esconde o desconhecimento ou a negação de si mesmo.

Na verdade, muitas pessoas nos criticam porque não compreendem as nossas decisões, não caminham com os nossos sapatos, não conhecem a nossa história e não entendem a verdadeira razão de termos escolhido o caminho que escolhemos.

Muitas pessoas ainda vão te criticar pelo desconhecimento mais profundo sobre o teu jeito de ser e, sobretudo, por serem arrogantes e pensarem que são os donos absolutos da verdade.

Em outros casos, as pessoas criticam-nos porque veem refletidas em nós certas características ou talentos que nós temos mas que elas não querem reconhecer.

As críticas muitas vezes consistem em reprovar nos outros as qualidades que quem critica gostaria de ter ou crê ter.

Algumas pessoas julgam os outros mais pelos olhos do que pela inteligência, pois todos podem ver, mas poucos compreendem o que veem.

Desconhecido

É tão monótono tão cansativo
Passar por corpos que caminham mas não estão vivos
É agonizante ver que tudo passa tão despercebido
Que todos já perderam o libido
Não pelo corpo
Mas pela alma
Que todos já perderam a calma
O interesse de conhecer
Desvendar e desenvolver
Me questiono se só eu vejo
Se só eu desejo
Mergulhar mais fundo no olhar
No toque e no falar
Engraçado talvez insano
O que penso quando vejo um estranho andando
Imaginar suas dores
Deixar florir suas cores
Na minha imaginação
No meu coração
Permitir que minha mente me leve até seus costumes
Até seus medos que nunca assume
Talvez isso seja a maior besteira que já escrevi
Sonhar com alguém que nunca conheci

-Devaneios

Ei, garota. É. Você mesma. Por que a “sem coração” voltou? Alguém te machucou mais uma vez né? Ou será que foi alguém que não fez nada e esse foi o problema? Ah, não sei. Mas olha, quero te dizer uma coisa. Sabe o nosso Deus? Então. Ele tá aqui pra ti, pra nós. E ele, melhor que ninguém, vai cuidar desse teu coração. Ele vai te mostrar que o amor Dele é verdadeiro, e você não deve temer a isso. Vai mostrar que ainda existe pessoas que há como confiar. Você vai ver, garota. Tudo isso vai cicatrizar. E tenho fé que essa “sem coração” um dia vá embora de ti pra nunca mais voltar. Você pode pensar que é necessário agir assim, que ninguém merece sentimento algum de ti, que não vale a pena demonstrar algo, mas isso não é verdade. E disso você sabe. Não deixa qualquer um te mudar assim não. Milhões de pessoas estão com o coração partido nesse exato momento, e sabe o que elas fazem? Umas se machucam mais, outras deixam de viver, outras preferem enganar a si mesma, e outras, as que eu acho lindas, seguem em frente, mesmo com o coração doído… Colocam um band-aid, olham pra frente e caminham. Que tal fazer isso? “Não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte.”
—  Yalen Raquel. Para uma amiga que desiste de mostrar sentimentos.
Por consequência, você se torna forte ou quebra de vez. Você se eleva ou afunda. É a lei da vida. Estamos cansados de saber que existem consequências para cada ato que fizermos, o que poucos sabem é que existem as escolhas. Independente do ato feito, mal feito e sem jeito, podemos escolher se por consequência seremos quebrados ou nos tornaremos inquebráveis. Uns aceitam a inércia e os dias contados, outros vão além, e esses sim serão eternos. Somos feitos de mudanças, e há sempre algo a mais para conhecer. Enquanto uns vão em busca do conhecimento e se revigoram com cada descoberta, outros esperam, caminham perdidos e se deparam com o fim. Mas além de conhecer a si, é preciso se revelar também, mostrar realmente para o que veio. Alguns seguem com a vida chata, sem graça, sem cor, por consequência se desgastam com o tempo e se vai a juventude, e não estou falando de corpo, mas sim de alma. Pois jovem não é aquele que não tem rugas, jovem é aquele que aprecia a arte de viver. E para esses jovens apreciadores, eis a eternidade. Pois esses fazem a vida valer a pena, e por consequência isso os tornarão inesquecíveis. E o que é inesquecível, é eterno.
—  Jackelaine L. Pinto, Recitografar em Palavras Escolhidas.
Eu, Cecília

Não sei muito sobre discorrer banalidades de maneira encantadora, há muito além de recordações entranhadas em canções e enigmas nos livros de história. Tenho sentido como se tudo ao redor fosse superficial, nada chega até o ponto em que realmente toca. Sou incapaz de formar prosas vagas com momentos que só existiram no imaginário, mas tenho sim vontade de falar sobre o que se passa do lado de dentro. 
Escrevo como se houvesse destinatário preciso - talvez realmente haja, ainda que inconscientemente -, um amigo de décadas que jamais precisará responder qualquer carta ou bilhete pois sabe cada passo dado. A verdade é que me calei há tempos, não basta para mim o ato de viver enraizada num papel amarelado. Habito incontáveis roteiros e apenas neles, num universo doído, tenho forma.
Quis dizer para ninguém que silêncio não se assemelha com escassez de sentir, o tenho feito em excesso. Enfrento meia dúzia de fantasmas antes de adormecer e sigo. Os olhos ocos, o peito em chamas, continuo. Porque remendos alheios me doem como se fossem meus e o desassossego rodeia as beiradas da minha cama.
Dia desses não soube responder meus próprios devaneios sobre os motivos que nos fazem prosseguir e não desaparecer em meio ao calendário. Mas o que mais haveria eu - ou qualquer outro- de fazer, senão andar por aí como se cada pequeno suspiro do mundo não doesse?
Os pensamentos caminham em incontáveis direções, não há respostas suficientemente sãs. No meu peito mora a culpa por sentir em demasia cada resquício de vida que um dia passou e tocou, ainda que não o bastante para criar raiz. 
Pensei um tanto sobre idas e vindas. Sinto-me exausta. Já não sinto. Não sei responder devidamente os afagos e guardo o amor para não esquecer que vezenquando o peito se aquece com memórias bonitas.
Há cansaço no excesso e desalento em quem já não se permite esperar sequer um indício de afeto antes das seis.

G.

Eu te amo por inúmeras coisas, são tantas que não há tempo para dizê-las uma por uma. A verdade, única, forte e indestrutível, é que eu te amo muito. Te amo porque você aquece os meus pés que estão sempre frios e não reclama disso; te amo porque você dorme sorrindo e raramente acorda de mau humor. Te amo porque você tem mãos grandes que acolhem meus dedos curtinhos, que acariciam os meus cabelos da forma mais carinhosa possível, mesmo que eles não sejam lá tão bonitos e sedosos. Te amo porque seus olhos dizem muito mais do que eu preciso ouvir e porque o seu silêncio é melhor do que muitas canções. Te amo porque você não se importa que eu use suas camisetas e seus moletons velhos e, ainda que eles fiquem enormes em mim, você sempre diz que estou bonita. Te amo porque você me deixa voar, e isso não é uma metáfora barata, isso é a verdade: você não me prende. Você me apoia, e aceita as minhas aventuras, sejam elas quais forem e não me julga por pensar diferente da maioria. Te amo porque até mesmo os piores clichês fazem sentido quando lembro de você. Te amo porque te vejo em tudo, em cada linha dos meus livros, em cada cena dos filmes que assisto, em cada esquina, em cada casal jovem apaixonado ou aqueles casais idosos que caminham curvados e apoiados um nos outros. Te amo porque não reclama quando estou na sua cama e só quero ficar quietinha e dormir. Te amo porque nem sempre você sabe o que dizer quando as coisas não vão bem - e isso é bom. Te amo justamente por não ser perfeito e por não tentar sê-lo. Te amo porque nem mesmo os príncipes encantados das minhas histórias favoritas conseguem competir com você. Te amo porque seus olhos castanhos enxergam a minha alma e seu sorriso tem enorme efeito sobre mim. Te amo porque mesmo depois de uma briga, boba ou não, eu só quero pedir desculpas e me acertar com você. Te amo porque não tenho vergonha de assumir esse amor, pelo contrário, tenho vontade é de demonstrá-lo para o mundo todo, de gritar para cada pessoa que passa por mim na rua, de pichar nos muros da cidade. Te amo porque você não me leva aos melhores restaurantes, mas justamente porque você mesmo prepara o nosso jantar, e não existe nada que seja mais belo do que te ver cozinhar. Te amo porque você me ensinou a gostar de vinho. Te amo porque você gosta de Elvis, mas também gosta do rap de hoje em dia. Te amo porque você é um mistério, mas ao mesmo tempo, um livro aberto. Te amo porque você é livre mesmo com todas as responsabilidades que a vida te impõe. Livre e leve. Te amo pelas coisas que me faz sentir: na cama, no sofá, no carro enquanto damos nossas voltas no domingo à noite, na vida. Te amo porque nem os maiores exércitos do mundo me fariam sentir tão segura quanto me sinto quando você segura minha mão.
—  Enamorava
Espelhos

Em meus olhos vejo os seus 
Tão penetrantes como laminas
E as suas cores como breu 
A sua neblina me envolve e me gela

Sua beleza e sua alma 
Caminham juntas 
Pela nuvem dos meus sonhos
E pela dor dos meus pesadelos 
Sua mão em meu pescoço 
E as minhas também 
Junto ao teu 
Refletir a inocência dos seus fios 
Longos 
E as suas covas da bochecha 
E as covas dos mortos 
E as esperanças dos vivos
Tudo 
Em seus, refletido nos meus
Olhos 
E em seus pensamentos 
Repete se

_  Mateus Gonçalves