by giulia

Voglio essere amata senza confronti, amata, punto. Senza “se”, senza “ma”, senza “forse”. Amata e scelta. Preferita. Urlata al mondo. Come fossi la cosa migliore che poteva capitare.
—  Giulia Vistoli
«Io penso che l’amore sia un sacrificio sociale. E tu puoi dirmi che non è vero, ma questo è quello che ho visto. Mi guardo intorno ed è pieno di gente divorziata, di storie d’amore franate e io come faccio a stare con una persona e a credere che non finirò anch’io tra quelle macerie?»
«Io penso che un tuo bacio può valere le macerie in cui forse un giorno mi lascerai.»
—  Giulia Carcasi, Io sono di legno.
Nada como o passar do tempo para nos mostrar o quanto acertamos ou erramos nas decisões e escolhas tomadas no decorrer da nossa vida. Que o ontem é passado, e que a cada novo dia haverá chances de um recomeço e algo pode ser mudado. Saber aceitar que todos nós temos nossas bagagens de memórias que em algum momento nos leva pra trás, mas também podemos construir sonhos que nos guiam para frente. Temos que aprender a conviver com renúncias, chegadas e despedidas. Tropeçamos em alguns obstáculos, nos machucamos, mas como quem nunca desiste logo estamos em busca de novos caminhos. Desistência nunca foi o meu tema. Mas meu tema sempre foi persistência. Mas não adianta persistir em algo que já foi tomado as decisões, ainda que não seja a qual nós queríamos, mas foi a decisão da qual foi tomada. E existe certas decisões que lá na frente pode ser a decisão errada, e com isso, sofremos, porém, todas decisões que tomamos em nossas vida, independente de ser certa ou errada, serve como aprendizado. E diante a vida que vivemos, estamos sujeito a ser sempre aluno dela, pois a vida é uma mera aprendizagem, e eu acho que sou aluno predileto dela. Mas em meio a acertos e erros, sei que tenho que seguir de cabeça erguida e não baixa. Pois lá na frente verei por que passei por certas coisas na vida. Assim como apanhei, ganharei, e ela mesmo me mostrara o resultado de tudo que passei.
—  Giulia S. & Alef Santos.