buk

Às vezes, não há nenhum aviso. As coisas acontecem em segundos. Tudo muda. Você está vivo. Você está morto. E as coisas continuam. Somos finos como papel. Existimos por acaso entre as percentagens, temporariamente. E esta é a melhor e a pior parte, o fator temporal. E não há nada que se possa fazer sobre isso. Você pode sentar no topo de uma montanha e meditar por décadas e nada vai mudar. Você pode mudar a si mesmo para ser aceitável mas talvez isso também esteja errado. Talvez pensemos demais. Sinta mais, pense menos.
—  Charles Bukowski.
Um dos meus amigos tem cicatrizes de navalha ao longo de todo o seu braço esquerdo. O outro enfia baldes de comprimidos pra dentro de uma massa de barba preta. Ambos escrevem poesia.
Tem qualquer coisa em escrever poesia que leva o homem pra beira do abismo.
—  Charles Bukowski.

Bukowski | 40x50cm | Graphite on paper

More of my art:
www.beyond-creation.com
www.christianklute.com
Facebook | Twitter | Instagram | Pinterest

If it doesn’t come bursting out of you in spite of everything, don’t do it.

Unless it comes unasked out of your heart and your mind and your mouth and your gut, don’t do it.


If you’re doing it for money or fame, don’t do it.


If you’re doing it because you want women in your bed,
 don’t do it.

If it’s hard work just thinking about doing it,
 don’t do it.

If you have to wait for it to roar out of you, 
then wait patiently.

If it never does roar out of you,
 do something else.



Unless it comes out of your soul like a rocket, 

unless being still would drive you to madness or suicide or murder, don’t do it.

Unless the sun inside you is burning your gut, don’t do it.

When it is truly time,
 and if you have been chosen, It will do it by itself

and it will keep on doing it until you die 

or it dies in you.

There is no other way.



And there never was.

Charles Bukowski

Suicídio é que nem uma mulher bonita num bar. Você olha ela e algo dentro de você cresce e diz ‘eu preciso dessa mulher pra mim’. Aí você pede um whisky e começa a pensar no que falar pra ela. Eu pergunto o nome dela? Ou eu chego me apresentando? Eu pergunto o que ela gosta de fazer ou tento encantar ela com as coisas que eu gosto? Você vai ficando nervoso, pede mais uma bebida e se questiona: por que eu quero essa mulher tanto? Mas você não consegue responder. É algo maior que você. Quando você finalmente toma coragem e se levanta, o caminho entre o balcão e ela parece uma eternidade. Você chega perto dela e trava. Fica com medo. Você desiste e volta pra casa agoniado por não ter conseguido falar com aquela mulher. Chega em casa e se masturba pensando naquela mulher. Você não consegue entender o conflito entre existir algo dentro de você dizendo que você quer; e, quando você tenta fazer, outra coisa dentro de você diz que não é pra fazer. Suicídio é que nem uma mulher bonita num bar.
—  Arthur Petry.
Não há nada que ensine mais do que se reorganizar depois do fracasso e seguir em frente. Mas a maioria das pessoas fica paralisada de medo. Elas têm tanto medo do fracasso que acabam fracassando. Estão condicionadas demais, acostumadas demais que digam o que devem fazer. Começa com a família, passa pela escola e entra no mundo dos negócios.
—  Charles Bukowski.
Era difícil e raro o meu amor sair da toca. Quando saía, era quase sempre um equívoco. Acontecia que eu me cansava de prender o amor e acabava deixando ele sair; ele precisava ir pra algum lugar. Daí, como de costume, começavam as encrencas.
—  Charles Bukowski
Quero ler
                escrever
                             pintar
                                       bordar
                                                desenhar
                                                             assistir
                                                          dançar
                                                   cantar
                                          compor
                                      tocar
                         aprender
             ensinar
 de todas as maneiras
quero tentar
preencher o vazio
por que já aprendi que
com comida
não dá.
—  Uma noite com Bukowski