bizarro.com

O amor é bizarro. Digo isso com uma certeza plena, pois só o fato de você dizer a alguém que faria tudo por ela, é bizarro. O amor bizarro de verdade é aquele que você se sente bem, se sente leve, se sente como se fosse singular, quando na verdade, o mundo ao redor está caindo aos pedaços, pedaços quais você está pisando e cortando os pés, porém está anestesiada pelo amor. Tem seus altos e baixos, aquelas discussões que te fazem pensar em terminar de madrugada, mas nada que no outro dia, quando você acordar, não passe. Tem a saudade, tem o egoismo, o orgulho e até desperta um certo lado psicopata que te faz investigar as amigas das colegas da pessoa amada. É bizarro, bem bizarro, mas te faz um bem incomparável.
—  Nayara Viriato
Ultimamente ando tendo cada sonho bizarro, cada um deles com o mesmo personagem. Isso me incomoda, não nego. Vejo tudo se desmoronando outra vez, e cacos de vidros sendo retirados e em seguida novos surgindo. Novos cacos surgem quando ele passa, é absolutamente estranho isso. Cada magoa constituída, cada pedaço do meu coração deslocado. Vejo seu sorriso sincero, e tão, lindo. Queria eu ser o motivo dele. Mas só posso lhe observar. Como diz o velho ditado, não é bem um ditado, mas considero como um: — Quem tentar possuir uma flor, verá sua beleza murchando. Mas quem apenas olhar uma flor num campo, permanecerá para sempre com ela. Você nunca será minha e por isso terei você para sempre.
Por motivos que só nos sabemos não terei o prazer de tentar novamente, isso já foi fundo o bastante, não acha?
Éramos duas peças no mesmo tabuleiro de xadrez.
Poderia ser eu ou você há dar o primeiro Xeque-mate.
—  Letícia Nogueira
Acho bizarro a maneira com que as pessoas deixam a igreja, o chamado e seus ministérios. Sair da igreja, na maioria das vezes, é quase um sinônimo de sair da prisão. A primeira oportunidade e a pessoa já faz tudo ao contrario do que aprendeu. Mas o que digo, é que parece que perde o caráter e a dignidade ou tudo de bom que pôde absorver com a Palavra (isso se absorveu algo). É a chance de fazer tudo que não fazia, de desfrear o sexo para qualquer um, de não precisar carregar a responsabilidade do amor para o com próximo, de encher o copo de bebida e de curtir a vida, por que, afinal de contas, só temos uma. Deus vira apenas um amuleto, esquecido nas gavetas, procurado nas horas difíceis e olhe lá. É o começo do próprio fim da vida.
—  Fran hop