biodiversidade

Vida de inseto

A natureza é vibrante e colorida – não somente nas densas florestas, mas também em nossos quintais, jardins e parques. É o que mostram os registros do fotógrafo Vyacheslav Mishchenko e sua infinita capacidade de observar a ‘vida secreta’ dos pequenos seres, em cenários idílicos que parecem saídos de uma obra de fantasia.

Mishchenko se diz um apaixonado pelos caramujos, criaturas que considera extraordinárias por suas formas, seu comportamento e sua beleza. Não é à toa que esses animais são as principais estrelas de sua obra, que também registra momentos únicos vividos por formigas, joaninhas e outros pequenos seres – tudo ao ar livre, em ambientes que poderiam ser um cantinho do seu jardim. Confira algumas imagens:

External image

External image

External image

External image

External image

External image

External image

As belas imagens são tão perfeitas que parecem montagens, mas o fotógrafo jura que todos os insetos são registrados em seu hábitat natural e que é questão de sorte estar no lugar certo, no momento certo, para capturar esses instantes. Confira mais na página de Mishchenko no Facebook

Com certeza depois dessas imagens você não conseguirá mais olhar para um canteirinho ou um parquinho com os mesmo olhos…

Acesse a página da Ciência Hoje On-line para ficar por dentro de mais novidades sobre zoologiameio ambiente e biodiversidade.

Nothing ever stays dry in the cloud forest! Not even this Norops cusuco lizard, a reptile endemic to Cusuco National Park, Honduras. My socks will never be dry again, all in the name of science!

Please vote for me (Jonathan Kolby) as the 2015 Amphibian Personality of the Year! Enter your vote here: http://goo.gl/BUZ6GC 

You can vote 1 time EVERY DAY until Feb 22! 

Plasticus oceanicae

Se essas imagens fossem de uma nova espécie de animais marinhos, poderíamos dizer que ela estaria entre as mais comuns em nossos oceanos. Teria diversas subsespécies, micro e macroscópicas - sacus, garrafoi, embalageae, entre milhares de outras - e, pela quantidade de mortes de animais pelas quais são responsáveis todos os anos, provavelmente seriam todas importantes predadoras nesse ecossistema imaginário. 

Infelizmente, essas ‘criaturas’ de plástico não são belas e inusitadas formas de vida, mas sim ameaças concretas à biodiversidade dos mares. As imagens desse post são registros criativos feitos pelo fotógrafo Kim Preston utilizando o material para imitar criaturas marinhas, com o objetivo de chamar a atenção para o problema que os plásticos representam para os oceanos - em especial, o fotógrafo quer denunciar o surrealismo do local conhecido como a 'grande mancha de lixo do Pacífico’.

External image

External image

External image

Confira uma matéria publicada na CH On-line sobre outra iniciativa que percorreu os oceanos do mundo denunciando a ameça do plástico.

Pelo jeito, é melhor o homem abrir o olho ou daqui a algum tempo essas podem ser praticamente as únicas criaturas a habitar os nossos mares…

Via Featureshoot.

Leia mais novidades sobre meio ambiente no site da Ciência Hoje On-line.

Psicólogos identificaram que quando a conversa pede por mudança de comportamento, os comentários variam entre negação, indiferença e até derrotismo. Esses sentimentos estariam ligados às barreiras pessoais de lidar com algo complexo, difícil de imaginar, mas que exige uma reviravolta no nosso jeito de viver a vida. Mudar hábitos é difícil. Que fale quem já parou de fumar, precisou parar de comer açúcar ou gordura, sair do sedentarismo. É necessário força de vontade e motivação pessoal, identificar e romper obstáculos psicológicos de auto-sabotagem. Com vocês, os 5 trampolins para uma mudança pessoal e coletiva ambiental:

ACONTECE PERTO - tá acontecendo no nosso nariz: cidades sem água, enchentes, secas, fumaça, lama tóxica…
TEM JEITO - tem muito trabalho sendo feito nessa direção, abrindo caminho para um modelo de economia sustentável;
PODEMOS MUDAR - vamos falar de uma vida e alimentação saudável e comer no fast-food correndo até quando?;
AFIRMAÇÃO - as nascentes jorravam água! os rios eram limpos! só existe vida! Emoticon smile
SOMOS, LOGO NATUREZA - sem rótulos, sem religiões, sem raças, sem classe social: todos humanos na Terra.

https://goo.gl/WCUKDF

Belo Monte PAROU! 

Relata o Correio Brasiliense [http://bit.ly/PhxB55]: “Em um julgamento histórico na noite dessa segunda-feira (13/8) o Tribunal Regional Federal da 1ª Região determinou por unanimidade a paralisação das obras do complexo hidrelétrico de Belo Monte. A medida foi tomada pelo TRF ao julgar um recurso de embargo promovido pelo Ministério Público Federal (MPF). A multa prevista caso

 a determinação não seja cumprida é de R$ 500 mil por dia.

A decisão da 5ª Turma foi baseada no artigo 1º, item 2 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que determina uma consulta prévia aos principais atingidos pela obras: as comunidades indígenas, que vivem no local. Essa consulta deve ser realizada unicamente pelo Congresso Nacional, o que segundo o desembargador Souza Prudente, não ocorreu. 

“O Congresso Nacional editou o decreto legislativo 788 de 2005 sem ouvir comunidades indígenas, como manda a OIT e o parágrafo 3 da constituição brasileira, autorizando o início das obras e ordenando que se fizesse um estudo póstumo”, explicou o desembargador. “No entanto, a Constituição não autoriza um estudo póstumo, mas sim um estudo prévio. Por isso o licenciamento dado pelo Ibama é inválido”, completou.

O desembargador Souza Prudente ressaltou ainda que essa consulta aos índios é imprescindível em se tratando da construção de um complexo como esse. Além disso, a medida é apoiada no artigo 231 e parágrafos da constituição brasileira, que estabelece uma proteção especial para terras indígenas, suas histórias e costumes. “Os índios são seres humanos que têm os mesmo direitos de qualquer cidadão brasileiro…” * * * * * Mais sobre o tema Belo Monte lá no blog
>>> http://bit.ly/MXvHqE Quanto ao documentário… mais de 90.000 pessoas já assistiram. E vc, já conferiu? 
>>> http://youtu.be/091GM9g2jGk 

Vida submersa

Um intrigante mundo submerso, restos pós-apocalípticos de um mundo inundado pelo aquecimento global. Essa poderia ser uma visão sobre o belo – e um tanto inquietante – trabalho do britânico Jason de Caires Taylor, especialista na produção de esculturas submersas. Suas obras, no entanto, pretendem ajudar na preservação dos recifes de corais naturais e estimular a formação de novas estruturas desse tipo, além de propor uma reflexão sobre nossa própria forma de vida. 

External image

Vicissitudes

External image

Vicissitudes

External image

Inércia

External image

O último correspondente

As esculturas são produzidas com uma mistura de cimento, areia e microssílica, que cria um concreto especial de pH neutro, ideal para a fixação de novas formas de vida, com a utilização eventual de materiais como cerâmica, vidro e até pedaços de coral reaproveitados – tudo para formar estruturas resistentes, estáveis e ambientalmente interessantes para estimular a biodiversidade marinha.

Em 2006, o britânico foi um dos responsáveis pela criação do primeiro parque submerso de esculturas na baía de Moilinere, em Granada, na América Central. Com obras espalhadas por diversas partes do mundo, também é responsável pela criação de outro museu submerso em Cacún, no México, onde estão obras como ‘A jardineira da esperança’, 'O colecionador de sonhos’ e sua maior escultura, 'A evolução silenciosa’, formada por 403 estátuas de pessoas de pé numa área de 420 metros quadrados no fundo do oceano.  

External image

A jardineira da esperança

External image

Ressurreição

External image

O colecionador de sonhos

External image

A evolução silenciosa

External image

A evolução silenciosa

Nas obras de Taylor, a natureza é parte fundamental, adicionando cor e atmosferas únicas a trabalhos em contínua construção. Além de servir de base para novas formações vivas, suas esculturas também têm a intenção de atrair parte da atenção dos milhares de visitantes que essas regiões recebem todos os anos, ajudando na preservação e recuperação dos recifes de corais naturais.

Confira mais imagens dessas e de muitas outras obras do artista em sua página oficial

Olhos nos olhos

Qual a sensação desses muitos olhos inumanos encarando diretamente os seus? Ferocidade? Doçura? Sabedoria? Embora possam parecer tão ameaçadores quanto, esses não são olhares de alienígenas malignos e peludos te observando, mas sim de simples aranhas do nosso próprio mundo, ampliadas em espetaculares macrofotos.

Os registros foram feitos pelo fotógrafo Jimmy Kong em diversos ambientes de seu país, a Malásia. A obra dele, disponível no Flickr, inclui ainda outros animais, como répteis e insetos, todos capturados em fotos ultradetalhadas. 

Confira mais algumas de suas fotos impactantes de aracnídeos: o que será que seus olhares querem dizer, afinal?

External image

External image

External image

External image

External image

External image

Via Colossal.