belo lugar

O amanhecer é lindo.
Ver o sol nascer
Escutar a canção dos pássaros
O riso das pessoas
Sentir o vento em sua pele
E querer se jogar para com ele voar
E viajar pelas mais belas florestas
Nas mais belas noites
Passar pelos mais belos lugares
Sair um pouco do tradicional
Onde tudo é tristeza e o choro abafado se tornou normal
Onde os remédios não fazem mais efeito e o mundo fica todo desfeito
Como se faltasse um pedaço que antes era preso com um laço
E esse laço um dia se soltou
E foi então que o céu da minha vida desabou

A maior parte do tempo eu fico pensando no mundo de coisas que não posso ou não consigo controlar. Algumas realmente não dependem nenhum pouco da minha existência para que aconteçam, como enchentes, terremotos, ano bissexto, uma estrela cadente. Tem também aquelas coisas que acontecem a partir de mim, mas que também não permitem o meu controle, sendo estes os sentimentos. Porém, o importante é lembrar das coisas que podemos ter, que podemos cultivar, que está na linha tênue de querermos ou não, como o perdão, como segundas chances, como recomeços. E então percebo que, apesar de todos os altos e baixos que nos posicionam em uma montanha russa de momentos bons e ruins, alegres ou devastadores, devemos sempre lembrar que a única coisa capaz de transformar o mundo de um estado solitário em um lugar belo e leve é o amor e a nossa disponibilidade a senti-lo e, principalmente, distribui-lo. Talvez o mal esteja em agirmos pensando apenas no retorno de nossas ações, e não na consequência delas ou em como pode resultar em algo bom pra alguém que não seja a nós mesmos. Talvez devamos parar de querer justificar o amor e apenas aceita-lo, toma-lo a si, em todas as suas formas, em todos os seus sentidos. Talvez a mudança esteja em querermos ser diferente, e não apenas em querer que o mundo ou os outros mudem.
—  Marina
E se um dia...

Os meus olhos não abrirem                                                                               O meu coração parar de bater                                                                           E eu não mais acordar                                                                                         Peço que se cuide                                                                                               E que seja feliz                                                                                                     Isso foi o que eu sempre quis                                                                             Te amarei de qualquer forma e em qualquer lugar 


Erica Belo 

Melancolia

a noite não têm estrelas
e eu me sinto um pouco solitária hoje.
e se avistasse uma, querido, você faria um pedido?
mas todas as estrelas cadentes são apenas cometas.


vejo o brilho nos seus olhos desfalecer,
quando volta ao passado,
e as coisas nunca serão como antes.


me sinto afundando em mim,
interiorizando em um
castelo de vidro no meu peito.
eu tenho que pôr minhas mãos na terra
agarrando-a com os dedos,
porquê sinto como se fosse desaparecer a qualquer momento
em que olho no espelho mas não me vejo.
você pode me ver, assim como estou?


procuro os passos
danço nos rastros
não sei quem sou,
quem sabe eu seja nada.


meu bem, sonhos adormecem?
às vezes você se esquece de dormir,
sei que fecha os olhos e finge que tudo não passou de um sonho ruim.
a noite é para pensar,
todos tem dias ruins.
o mundo é cruel e hostil
e um belo lugar.


abraça o caos e dança com a solidão
pisando em cristais.
por quê não lembramos dos corações que partimos?


tudo é efêmero e distante
mas achamos as flores belas.
decorando abismos lançando-as,
voando no horizonte
nem parece uma fuga.


eu não consigo me abraçar,
há um vácuo entre meus braços
e sou desajeitada com as mãos.
cante para que eu durma.


o número de vezes em que tive que fazer cafuné em mim mesma aumentou.
a gente se acostuma.
mas não devia.