baldio

  • Listen
Play

Foi a partir do projecto Construir Junto em Guimarães 2012 que surgiu a oportunidade do colectivo EXYZT prolongar a sua estadia em Portugal. Da experiência e partilha em Guimarães surgiu a Casa do Vapor.

A Casa do Vapor foi criada como espaço de estímulo à partilha, à aprendizagem, à criação e à experimentação artística, que serve de impulso à participação ativa e à valorização cultural da comunidade da Cova do Vapor. De Abril a Outubro de 2013, a Casa acolhe um programa cultural variado e abre-se a todos como centro catalisador de ideias e incubadora de projetos individuais ou coletivos.

External image

Em véspera da apresentação/workshop do colectivo nas Indirecções Generativas em Montemor-o-Novo, conversámos com cinco dos seus elementos sobre as vicissitudes do projecto, os impulsos da aqruitectura/urbanismo, desenvolvimento comunitário, e projectos futuros.

Consulte as fotografias da entrevista e workshop com o colectivo da Casa do Vaporphoto.stress.fm/tagged/exyzt/chrono

  • Listen
Play

 

SPIES NEED LOVE TOO

surveillance is a form of presence in the public sphere

a live stream by stress.fm

Spies Need Love Too makes visible the process and methods of audio recording, acknowledges their performative elements, and challenges the notion that surveillance is somehow an external presence in contemporary society. We submit that the notions of public sphere and public space must be thought of as totalities that include the speakers and the listeners, the actors and the spectators, the protesters and the protested. We pay homage to the women and men whose job is to pay attention to what other people do.

baldio - Open Office

Lisboa, Teatro Maria Matos. March 15th 2014 

External image

The following collectives have been spied on:

AND_Lab | Casa do Vapor | Artéria | Unipop | Observatório das Transformações XXXX da Cidade de Lisboa | Corpo de Multidão

  • Listen
Play

Conhecemos Clarinda Mac Low durante as Indirecções Generativas em Montemor-o-Novo, onde apresentou um workshop e uma performance - o Assisted Street Crossing. Aproveitámos para a entrevistar.

Clarinda trabalha em performance, instalação e na criação de eventos participativos. Através de súbtis alterações de elementos do quotidiano e de um método baseado na interação espontânea, a artista mistura a intuição e o rigor científico, a dança e a política, o corpo e a tecnologia. Fundou em 2003 o colectivo TRYST e actualmente dirige a Culture Push, Inc.

Durante uma hora de conversa, falámos sobre o seu background pessoal, inspirações para o desenvolvimento disciplinar, espaço público, gentrificação e dos desafios da criação artística na cidade contemporânea.

Santa Teresinha; sua vida foi, antes de tudo, uma vida realmente consagrada a Maria, uma vida de intimidade, uma vida a dois: ela e a Virgem Mãe de Jesus.

Sumamente compenetrada da sua Consagração, Teresinha tudo confiava a Maria, e tudo fazia em união com Ela.

Antes de começar a redação da sua própria vida, ou, como dizia, a história das misericórdias divinas para com ela, a humilde carmelita põe-se aos pés da Virgem santíssima, e lhe suplica uma assistência particular durante esse trabalho.

E assim procedia em todas as ações.

Na Sagrada Comunhão, sobretudo, Maria lhe serve de modelo e medianeira.

A este respeito, ela escreve, com a costumeira graça:

“Imagino minha alma como um terreno baldio e estéril, e peço à Santíssima Virgem retirar dele os entulhos, que são as minhas imperfeições. Depois, suplico-lhe que Ela mesma construa aí uma grande tenda, digna do céu, e a adorne com próprios enfeites.

Com todos os anjos e santos, convido-a para que venha cantar hinos de amor.

E parece-me que Jesus fica satisfeito em se ver tão magnifi-camente recebido… e eu partilho a sua alegria!”.

Em toda a parte o olhar límpido e puro da alma de Teresinha se dirigia para a Virgem amável, no afã de modelar nela seus pensamentos, seus sentimentos, todos os seus movimentos.

Muitas vezes ela cantou: - “Nas sombras deste triste exílio, ó Mãe querida, quero viver contigo, ó luz de minha vida!”

Durante a tremenda provação que sofreu contra a fé e que durou quase um ano, foi o pensamento de Maria que a reconfortou. Ela mesma disse: “Tendo o Rei do céu permitido que sua Mãe fosse submetida a noites e agonias do coração, é prova de que sofrer na terra é um grande bem! Sim, sofrer amando é a felicidade mais pura!”.

A uma noviça, admirada com a sabedoria de seus avisos, Teresinha respondeu: “Nunca vos faço observações, sem ter invocado a Santíssima Virgem. Eu mesma estou admirada com as respostas que vos dou. Jesus fala pelos meus lábios!”.

As noviças experimentavam às vezes um certo acanhamento em se abrirem com Teresinha, visto ela ser ainda nova. Esta as encorajava, dizendo: “Não é a mim que ides declarar o que vos custa, mas sim à Santíssima Virgem.”

A intimidade de Teresinha com sua boa Mamãe do céu era tão encantadora quanto profunda: “Escondo ao bom Deus as minhas penas - dizia ela - pois com Ele quero ter a aparência de ser feliz e tudo o que faz; mas não escondo nada à Santíssima Virgem; a Ela conto tudo!”.

“Como amo a Maria Santíssima!”

Exclamava muitas vezes. E redizia a mesma ternura à sua querida Mamãe: “Sabeis, minha Mãe querida, que me sinto mais feliz do que vós? Pois eu vos tenho como Mãe, e vós não tendes, como eu, uma Santíssima Virgem para amar!”.

Na última moléstia, que foi o seu calvário, o assunto das suas conversas era os privilégios e bondades de Nossa Senhora, bem como os exemplos da Sagrada Família.

O olhar de Maria a confortava no meio dos sofrimentos: “Nunca Maria me pareceu tão bela… Mas hoje é a estátua… outrora…!”.

É com Maria que a doce Vítima do amor misericordioso quer fazer a sua entrada no céu: “Imploro somente à Virgem Maria, diz ela, que lembre a Jesus o título de ladrão!”.

Aos últimos instantes, por entre as ânsias da morte, é sempre a lembrança e a invocação da Santíssima Virgem que a reconforta.

- Ah! - exclama - com quanto fervor tenho implorado Maria! - Foi o começo de seu canto de amor, que devia terminar na glória do céu.

E ela pôde cantar: - “Qual rosa que a murchar pra sempre renuncia

À vida e a quanto amava, A Vós também, meu Deus, em venturoso dia, Se entrega a humilde escrava!”

- A VERDADEIRA DEVOÇÃO PARA DEVOÇÃO PARA COM A SANTÍSSIMA VIRGEM MARIA