atividades diversas

A carioca,

Pedro Américo de Figueiredo e Melo,

1843 1905; óleo sobre tela, 205,5x134cm; MNBA.

Museu Nacional de Belas Artes; RJ.

______________________________________________

“A carioca - Tainan de F. Manso - 1o gestão

Em uma certa tarde, um amigo me procurou perguntando se aceitava fazer um quadro de sua esposa. Aceitei a proposta e marquei para uma segunda-feira à tarde.

No dia marcado, ela apareceu, com seus cabelos escuros, pele clara, meiga e muito atraente, nunca havia visto uma mulher tão linda como ela.

Pedi para que se despisse e sentasse no sofá apenas com uma fino lenço tapando suas partes mais íntimas. Logo após comecei a esboçar o seu belo corpo em um quadro branco, sabia que ela era casada mas não conseguia me controlar, tentava mudar minha face mas era em vão. Comecei a perceber que ela também me olhava com a mesma intensidade, também tentando disfarçar o que sentia.

Eu estava ficando completamente maluco, não sabia mais o que pensar, até que me veio à mente: "ela é esposa do meu amigo!” No que eu estava pensando? Eu já estava enlouquecendo, eu só queria tê-la pra mim, tê-la em meus braços.

Quando terminei de fazer o quadro, me levantei e fui em sua direção e disse que já podia se vestir, ela levantou envergonhada, se vestiu e me olhou, agradecendo pelo quadro.

Desde esse dia nunca mais a vi, pois quem buscou o quadro foi seu marido, porém este dia ficou marcado em minha memória.“

_______________________________________________________

"A carioca - Mirian dos S. Andrade - 1o gestão

Em certa manhã ensolarada, me encontrei com um rapaz pintor, desses que são importantes, mas são bem humildes.

Aquele rapaz me olhou com certo ar de desdém, não me irritei, afinal estávamos no super-mercado e eu me encontrava em um estado nem tão bonito. No entanto, para minha surpresa, aquele rapaz se aproximou e me disse que estava fazendo uma nova obra, e gostaria de me pintar.

Me surpreendei com aquele convite, e não sabia o que responder. Eu lhe perguntei o seu nome, e ele me disse que seu nome era Antonie.

Fiquei com um sorriso congelado em meu rosto, enquanto pensava em minha família, na minha relação amorosa com meu marido, que eu não podia negar que era muito boa, pensava em meus filhos e no meu emprego.

Finalmente aceitei, queria fazer uma surpresa para meu marido.”

O amor está no ar e nós não iríamos deixar passar esse dia tão especial em branco, né?

  • Então nós da Lamonnier, Tiffany e Dolls organizamos uma semana com atividades diversas para vocês, e no dia mais romântico do ano, nós vamos sortear um MEGA PACK.
  • Segue acima o calendário do nosso especial. Vocês não podem perder essa, vai ser diversão a semana toda.
  • Fiquem ligados nos dias e nas Famílias participantes, começará no dia 06/06 e terminará no dia 12/06.
  • Rebloguem o post para ajudar na divulgação do nosso calendário, por favor!

A famíliamiss, junto com a famíliakardashians e a tropadasqueens preparam pra vocês na semana do dia dos namorados diversas atividades, sendo elas reblog de autorias, destaque e muito games. Se preparem, pois vem por ai muitos presentes pra ninguém ficar tristinho nessa semana. Nem os solteiros podem ficar de fora dessa!!

  • De like ou reblog esse post para ajudar na divulgação e se manter informado nas atividades das famílias envolvidas. 

Arrufos,

Belmiro Barbosa de Almeida.

Serro MG, 1858, Paris, 1935; 1887; óleo sobre tela, 89,0x116,1 cm; MNBA Museu Nacional de Belas Artes; RJ. Catálogo Brasil 1500, Mostra do Redescobrimento.

Pequena biografia do artista

De origem mineira, Belmiro de Almeida é, além de pintor, caricaturista, desenhista, escultor e professor. Iniciando sua formação no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, freqüenta, a partir do ano de 1877, na mesma cidade, a Academia Imperial de Belas Artes, ali estudando sob a orientação de Souza Lobo, Zeferino da Costa e Agostinho José da Mota. Inicialmente trabalha como caricaturista na Imprensa carioca, publicando sua primeira caricatura em 1877 na Comédia Popular. Em 1883 torna se Conservador da pinacoteca da Academia e, em 1888, parte para Paris, onde prossegue sua formação com Jules Lefebvre. Desde então, alterna sua vida entre o Rio de Janeiro e Paris, retornando ao Brasil em 1890, quando passa a lecionar desenho na Escola Nacional de Belas Artes 1893 96 e, mais tarde 1916, modelo vivo.

É um dos fundadores do Salão dos Humoristas do Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro 1916 e, em 1930, do Sindicato dos Artistas. No ano de 1923, expõe em Paris como membro da Sociedade dos artistas franceses. Morre na França aos setenta e sete anos de idade.


Sua obra

Arrufos é obra do primeiro período da carreira do artista, executada antes de sua partida para a França e exibida em 1890 na Exposição Geral de Belas Artes. Tela que representa uma cena de costumes, é considerada inovadora por romper com a tradição temática da pintura brasileira, até então fundamentada em passagens extraídas da história, da Bíblia e na retratística. A cena apresentada em Arrufos, doméstica e cotidiana, fala, não sem ironia, da preocupação acerca da moral familiar numa ambiência urbana e atual. Anunciando o ecletismo que domina a arte brasileira no final do século XIX e início do século XX, esta pintura de Belmiro de Almeida é solidamente construída pelo desenho, sóbria no colorido e, ao mesmo tempo, marcada por um tratamento naturalista da luz e das matérias, equiparável àquele que se encontra na pintura francesa pouco anterior. Comentada pelo crítico Gonzaga Duque que posou para a figura masculina , esta tela recebe atenção especial dentro da obra do pintor, de onde se destacam ainda a Amuada 1882, Dame à la rose e A tagarela, ambas de 1906, e a Mulher em círculos 1921.