atiradas

STATUS: Inimigas.

Pra q carnaval? Se eu passo o ano inteiro sambando na cara das zinimiga! 😘

Não me inveje, me supere, meio difícil né gata, bjus. 👄 

Fala das putas, mas você é igual querida. 🌝

Uso a irônia pra não chegar de vez dando uma mãozada na tua cara.  👌 

Amiga seja menos ridícula. 👌😉 

Sou linda demais pra me importar contigo, miga querida. 👌💋

Amiga o melhor lugar pra você ficar é na sua. :*

🌻🌸  te acho falsa 🌸🌻 

 Falando em bosta, como é que ta seu namoro miga?☺ 

Amiga existe tanta vodka boa pra tomar e você prefere ficar aí tomando conta da vida dos outros. 👊🍺

Amiga, os meninos ficam na sua cola porque sabem que você é fácil demais, bjus. :*

Oh amiga , deixa de ser vagabunda! Se você não foi capaz de ficar com o teu homem , deixe o meu em paz .👌👊

Miga, você é tão atirada que te apresentarei a um amigo meu, o nome dele é penhasco, se atira nele, cai fundo. 👌☺

Dê Like se pegar!

O medo do escuro, o medo de levantar a cabeça e dar de frente com o fracasso, com a frustração, com a derrota. Esses são alguns dos motivos pelos quais muitos se encontram onde ninguém jamais quereria estar. O medo nos priva da felicidade, nos Põe em desvantagem em relação a nós mesmos. Nos prende, maltrata e nos deixa em coma. Um coma que pode durar pro restante da vida, pois o arrependimento machuca, dói e faz de nós meras pessoas angustiadas. O medo nos leva a um fim totalmente desagradável. Não é nada satisfatório olhar para trás e perceber o tempo perdido, as oportunidades jogadas fora, atiradas ao lixo. Então, não tenha medo da vida. Encare-a, lute por aquilo que mais ama. Mostre a si próprio a capacidade de se superar e de se reerguer. No final, a felicidade te fará perceber que valeu a pena não ter medo do medo.
—  #autoriaByMateus #doceesther #mardeescritos (via- sweetgirls)
Reação da Docete ao saber que o paquera a ama

Arminete: *comemora porque chamar atenção do Armin e conquistá-lo não é tarefa fácil*

Castiete: *ousadia*

Kentinete: *já está pronta para o casamento, já que sabe há tempos que Kentin gosta dela*

Lysandrete: *mal consegue encarar Lysandre*

Nathaniete: *completamente feliz por ter desbancado até a Melody que sempre fez tudo pelo Nathaniel*

Busquei a paz interior em cada canto seu, mas não me encontrei. Você não queria que eu fizesse de ti o melhor de mim, não quis que eu te desse meu mundo, não aceitou meus abraços sinceros, nada. Nada! Você simplesmente me deixou no chão. Eu tentei me reerguer tendo o seu carinho como base, mas olha só, estou aqui atirada ao chão novamente.
—  Isabela Queiroz.
as pessoas vão embora

não como uma previsão pessimista e reclamona. não com uma pressão de cobrança chata. as pessoas vão embora. é um fato. é o curso natural da vida, o movimento natural das coisas.
as pessoas partem
com aviso ou sem aviso
com razão ou sem razão
não precisa briga, quebra de pratos em paredes, gritos, roupas atiradas pela janela. não precisa destruir espelhos, traições, grandes vacilos monumentais.
as pessoas se afastam do nada, sem despedida, sem explicação. e, acima de tudo, sem culpa. porque é como um abraço que nunca dura pra sempre. e os peitos já não se tocam, e os braços já não se tocam, e nem as mãos mais se apertam, de tão longe. e daí, o olhar abraça e beija do outro lado da calçada. e torce e vibra, mas já não permanece. é passageiro. porque a partida é constante.
as pessoas vão embora sem que você tenha terminado de se expor ou desbravar. as pessoas te deixam no meio da música, no meio da dança, sem par. porque encontraram outro par. porque encontraram outra música. ou porque se perderam. ou porque cansaram de tentar. ou sem por quê. só porque os pés doeram. talvez também os seus. só porque seus olhares se cruzaram e disseram: adeus.
ou silêncio. as pessoas partem em silêncio. sem dizer, sem elucubrar, sem explanar. porque tantas vezes faltará explicação. ou sobrará redundância. às vezes a permanência já não cabe ou nunca coube. às vezes o coração se deu conta de que se perdeu. às vezes nem isso, só distâncias e nadas. só silêncios e depois e depois e depois
e depois?
chegadas

Poesia em Lista

Pedras atiradas
Hipocrisia obsessiva
Dores ocultadas
Vida já não viva
Mentiras contadas
Vítima passiva
Fotos compartilhadas
Memória corrosiva
Juventude embriagada
Paixões possessivas
Mentes deturpadas
Mídia apelativa
Maiorias alienadas
Ausência reflexiva
Situações generalizadas
Incapacidade discursiva
Almas mecanizadas
Tecnologia impositiva
Artes expressadas
Ausência interpretativa
Músicas ridicularizadas
Cultura degenerativa
Mortes confirmadas
Tristeza relativa
Folhas recortadas
Amazônia apreensiva
Ideologias mascaradas
Guerra auto explicativa
Bombas arremessadas
Geração explosiva
Humanidade acorrentada
Liberdade subjetiva
Esperança consumada
Poesia depressiva

anonymous asked:

Olá pode me dar um conselho? Tem um garoto o B, ele era da minha escola ele saiu, eu acho ele interessante, bonito, nunca reparei nele, esse ano que fui ver kk tenho uma amiga que conversa com ele, já joguei indireta pra ela falar sobre mim pra ele, mas ela não se toca nem nada.. ele me segue nas redes sociais, curte minhas coisas.. queria mto conhecer ele, vc acha que deve mandar uma msg ? ou deixar, ia falar pessoalmente, mas ele saiu da escola :/ e tenho medo de parecer mto atirada..

Pode falar por mensagem mesmo, o importante é conversar com ele, opaa shzhxhch

Eu sempre fui profundamente sozinha. Cavo um abismo e me jogo de lá. De planaltos à depressão. Relevo turvo, escuro, escuridão. No final sobram os meus ossos e a minha dor física. Sobra essa carcaça dolorida. Essa carcaça cansada, absolutamente só. No final sobra o arrependimento, a angústia, o pó. Eu fico sem par pra dançar. Eu me atiro no chão. Eu não sou louca, tampouco esquizofrênica, se assim posso lhe dizer. Eu sou as sobras e os restos. Eu sou o jantar que sobrou. A comida do teu cachorro. Eu sou a insignificância em corpo e alma. Voltei aqui pra esse fundo e cada vez que retorno sinto estar mais íntima dessas pedras e desses arranhões. É engraçado como eu saio de mim por um tempo curto e fico me observando de fora – Essa moça tá em profunda dor e atirada no meio do poço e da rua pra ver se alguém consegue sentir aquilo também e entender. Não é difícil dissertar sobre solidão se você sabe do que está falando. Difícil é ser solidão, e não ter ninguém que tenha algo a ver com isso. Escuta só, mocinha do miséria-pouca-é-bobagem: Quem tem amizades pode precisar sim, de um amor. Ou de um pseudônimo.
—  Fernanda Wagner (literatorturas)
Sabe o que você é? Você é aquele pontinho de esperança que nos força a continuar só pra quebrar a cara. Aquela luz no fim do túnel e quando chegamos lá é só um pequeno vagalume. Aquele aviso que nos diz: se joga! E nos faz se jogar nesse abismo pensando que ao chegar lá em baixo haverá um braço para nos amparar. Você é aquele sonho que faz a gente cair de cara no chão. Aquele aviso que a plateia faz questão de falar “eu te avisei”. Você é aquela ilusão mais fajuta, só que todas caem. Você é aquele que atira para todos os lados por não saber ao certo quem é sua vítima, mas quando descobre deixa as outras com ferimentos grave. Se eu sou uma vítima agora? Não, eu estava lá na plateia, vendo tudo, gritando, suplicando, mas elas não puderam me ouvir. Ninguém me ouviu, meus gritos eram silenciosos. Então eu continuei assistindo, você pegou a sua escolhida e saiu, enquanto as outras ficaram ali atiradas no chão. O que sua escolhida não sabia era que seu estado seria mais deplorável como de qualquer outra.
—  Entre reticências, sem ponto final.

Não confunda o meu individualismo necessário com o egoísmo cultivado, afinal são conceitos políticos parecidos, mas que possuem diversas definições e aplicações. O meu individualismo está mais para querer ficar sozinho nocivo ao bem comum, evitando as decepções, do que pensar somente no próprio umbigo desdenhando o próximo. Esse lado afetivo sempre me assustou. Não consigo ter um bom relacionamento com a pessoa que vejo todos os dias no espelho, quem dirá com outro. Ao decorrer da vida, todos passam pela fase individualista. Que a pedra seja atirada, quem nunca ofereceu algo a outrem desejando no fundo que não fosse aceito. É um ato individual pequeno, mas que pode nos transformar num ser completamente egoísta. Sou individual? Sou. E essa é minha arma. Mergulho no desassossego, ermo, deserto, individualismo, buscando uma subversão redondamente minha. Mas não quero passar a imagem de ser desprotegido e desamparado. Tenho um grande amigo, chamado solidão, ele é o alimento de minha individualidade. A resposta para o ser que me transformei: foi das repartições de sentimentos. Quanto mais reparti, menos recebi. 

JJ. Literato Sensato

O tempo

Uma flecha só pode ser atirada se for puxada para trás. Quando a vida te arrasta para as dificuldades fazendo parecer que está andando para trás, não se desespere. Isso significa que na verdade você será lançado para algo grande e à frente de muitos. Para que isso aconteça, se concentre e continue apontando para seus objetivos!

Se for escrever a uma mulher

Se for escrever a uma mulher, tenha muito cuidado.
Não basta apenas escrever, dizer o que sente.
De que valem sentimentos a quem já tem um turbilhão?
É preciso decifrar cada palavra da cabeça dela.
Sim, escreva a uma mulher apenas caso a conheça.
O que você sabe sobre uma mulher que conheceu ontem?
Nunca escreva para alguém que você não sabe quem é.
Assim, estará escrevendo sobre você e, acredite, narcisismo não.
Se for escrever a uma mulher, descubra antes, o que ela quer ler.
Porque talvez ela queira sobre o corpo, talvez sobre a mente,
talvez ela queira sobre o coração, e aí? Como você vai saber?
Pense bem antes de escrever para uma mulher,
porque a palavra dita é como seta atirada longe.
Ela vai e não tem volta, e talvez, ao chegar, se quebre.
Se não acertar o alvo, meu amigo, a culpa é toda sua.
Se for escrever a uma mulher, pense nas consequências também.
Você não vai querer machucar o coração de alguém, vai?
Se não estiver levando isso a sério, então não faça nada disso.
Ou talvez o cenário seja outro, e nele você não vai querer ser meloso
pra uma mulher que, talvez por agora (ou não), não queira compromisso.
Lembra o que eu falei sobre conhecê-la? Então, lembre-se disso.
Por fim, nunca escreva a uma mulher se estiver tentando conquistá-la.
Conquiste-a primeiro, depois escreva. Nunca o contrário.
O que for feito antes será cheio de incertezas e, se você não tiver malícia,
vai se afogar em insegurança e isso, meu leitor, vai estragar tudo.
E por fim, se você for escrever a uma mulher, não seja grande demais.
Seja um ser admirável, nunca um ser maior.
De gente grande esse mundo tá cheio e todos estão cansados deles.
Quanto mais simples você for, melhor você escreverá a ela.
E é bom eu acabar por aqui porque, ninguém nunca saberá
a melhor forma de agir na hora de escrever a uma mulher.
A única coisa que eu posso te dizer é: conheça-a.
E que a palavra mulher esteja sempre no singular.
Senão, nem escreva.

Você estava certo Drummond, havia muitas pedras no meio do caminho. Muitas passaram desapercebidas, já outras, chutei até que perdesse de vista. Mas algumas delas guardei no bolso, na vida, no ser. Essas Drummond, não encontrei por acaso.. foram atiradas sem nenhum descaso
—  Anomeando
As lágrimas de um coração

Passei por inúmeras tempestades, mas foi o seu silêncio que semeou os nefastos pesadelos.
Não houve explicações, apenas palavras atiradas ao vento, pois ao encarar o seu gélido olhar eu encontrei a amarga indiferença.
Críticas e julgamentos floresçam como ervas daninhas, alimentando as mais diversas especulações, distorcendo a verdade dos inúmeros acontecimentos.
O meu coração não suportou, ele acabou encontrando o seu crepúsculo diante das adversidades, oferecendo um belo espetáculo para os carniceiros que espreitavam.
Mesmo não existindo consenso sobre os culpados dessa tragédia, as opiniões foram bem formuladas e condenaram rapidamente as lágrimas de um coração.

Jundiba