arte no muro

Penso que ela é uma cidade, mas não aquelas cidades do interior que tem o aspecto simples e acolhedor e sim, aquelas cidades como São Paulo, onde o caos se mistura com a beleza da correria e da arte exposta nos muros. Talvez, ela seja São Paulo em forma humana, onde o caos reflete suas poesias diárias, as tatuagens ressaltam a beleza da arte sem gritos e onde impulsividade faz tudo ser rápido, intenso e sombrio. O que eu ando me perguntando é aquela velha e clichê pergunta “existe amor em São Paulo?”. Quer dizer, embora seja o caos, todos que a rodeiam a amam, seu céu cinza, sua ambiguidade, sua confusão, mas, existe amor? Existe amor em meio aos conflitos diários, entre os gritos que não escapam pela boca, mas sim pelos olhos, pelos gestos. Ela reflete uma São Paulo em pólvora em própria hora do pique, onde há engarrafamentos cheios de buzinas, onde há empurra-empurra no metrô. Ela não consegue ser uma paisagem calma do começo do inverno de uma cidade tipo Veneza. Não, ela pulsa na mais completa sinfonia, misturando rock e samba. Ela possui cultura própria mas gosta de admirar e ressaltar a cultura dos outros. Ela é como uma cidade que atrai turistas que se encantam por sua beleza.  É a cidade que evolui, se reinventa quando é preciso e mostra de forma objetiva que quem passa por ela não a esquece. Em meio a confusões e transtornos diários, ainda sim, ela é o melhor lugar em que eu poderia estar. Ela é a cidade que meu coração quis morar.
—  Escrito por MayaraAline, Paula e Glória  em Julietario.
10

El muro de los buenos deseos: Regala un deseo, construyamos un sueño

“Que exista menos violencia”

“Deseo que el aire que respiramos sea más puro, y que haya más bicis y menos autos”

“Más viajes como este”

“Mucha felicidad" 

"Que tenga mucho éxito, amor, salud. Que siempre estemos juntos”

“Deseo que cuiden el medio ambiente”

“No contaminen el planeta”

“Necesitemos en la ciudad más áreas verdes que habitacionales… por cada casa… muchos arboles”

“REVOLUCIÓN, CONCIENCIA”

-Alma Tiscareño