arranjei

É sobre o que você significa pra mim.

Não é sobre o que eu fui pra você, é sobre o que você significou e ainda significa pra mim. Você me deu asas para sair da gaiola em que eu me sentia presa, deu cor á minha escuridão, me ajudou a me encontrar, me tirou do fundo do poço, me lembrou que a vida é sobre viver e não sobre existir. Durante nós eu arranjei alguns hematomas, confesso. O mal que você me fez no fim, não foi nada comparado ao bem. Você sempre vai ter um espacinho reservado no meu coração mesmo que o tenha machucado. E não se preocupe, não é foi sua culpa não corresponder ás expectativas que eu mesma criei. Ninguém é obrigado a isso. Eu sabia exatamente em qual abismo eu estava caindo e mesmo que eu tenha dado de cara no chão da realidade, eu não me arrependo. Por isso, eu te peço, não vá embora só porque o lugar o qual eu ocupo na sua vida é diferente do qual eu te deixei ocupar. 

Eu aprendi a lidar. Acho que é a única coisa que pode ser feita, lidar. Porque não dá pra esquecer, não dá pra ignorar, não dá pra odiar. Aprendi a lidar com a sua presença nos meus sonhos e pensamentos, e a lidar com a sua ausência na minha vida. Aprendi a lidar com a vontade de ter, e a lidar com a dor por não te ter. É o que tenho feito ultimamente, me esforçado ao máximo para lidar. Foi a única forma sensata que arranjei pra diminuir um pouco essa dor causada por um vazio de amor.
—  Aluador
Veja bem, meu bem. Quero te informar, eu não consigo deixar de te amar. Veja bem, meu bem, sei que você nunca conseguiu me enxergar com outros olhos, mas, não me importo se você demorar a notar que meu coração é todo teu. E enquanto isso, vou navegando nos meus pensamentos, alastrado de vestígios seus. Eu compreendi, que seus braços tem outra mulher, seu olhar imerso em outro olhar, e me dói saber que não sou eu. Estou seguindo em frente sem ter você, e tem funcionado, sabe? Exceto a noite, quando encosto a cabeça no travesseiro, perdida em pensamentos, perdida no teu sorriso, lembrando das nossas intimidades, lembrando das pessoas que estavam na arquibancada da vida, torcendo por nós dois, pensando em como retornar, e refazer toda nossa história. Mudar virgulas de lugar, colocar algumas reticencias, tirar alguns pontos finais, colocar exclamações, onde eram interrogações e por fim reescrever nosso capítulo. Talvez assim, teria dado certo, talvez assim, você me enxergaria da forma que o meu coração anseia todos os dias. O meu desejo é ver sua felicidade. Como aquela música “Na vida a gente tem que entender, que um nasce pra sofrer, enquanto o outro ri.”, e se for pra você sorrir, eu sofro meu bem. Agradeço todas as noites por ter te conhecido, porque meu sentimento foi real contigo. Torço e cruzo os dedos, para que você esteja sempre bem, mesmo que eu não esteja. Mas, não se preocupe comigo amor, veja bem.. Arranjei alguém pra me confortar, chamado saudade.
—  Em caso de dor. Desapego, por favor. Baseado na história de Suzana. 
Imagine Liam Payne

Está ai a continuação do imagine do Liam que vocês pediram! Espero que gostem, e boa leitura! 

*

Parte 1

*

Parte 2.

****


Naquele mesmo dia Liam foi em casa. Ele já chegou me dando bronca por ter saído sem avisar, sem o esperar. Eu disse que pensei muito sobre toda aquela situação e que achava melhor ele se concentrar cem por cento na família dele e eu seguiria com isso sozinha e sem nenhuma interferência dele. Ele disse que não ficaria longe; afinal é filha dele e também faz parte da sua família. Eu tentei insistir, mas ele não foi redutível.

Eu pedi um tempo, longe, um tempo só meu; pra pensar em tudo que estava acontecendo e pra colocar meus pensamentos em dia. Não estava sendo fácil pra mim. O pior de tudo é que eu gostava, e ainda gosto, dele; e doía muito em mim tudo o que estava acontecendo. Ele concordou. Me lembro que antes de sair de casa ele se aproximou e, depois de deixar um beijo na minha testam disse que seria apenas por um tempo curto; que ele não ficaria longe dela e nem de mim.

Depois daquela conversa com o Liam, e resolvi passar um tempo longe de Londres. Fui para Los Angeles, onde minha melhor amiga mora. Quando avisei Liam ele ficou possesso. Não gostou nem um pouco da ideia, mas eu fui mesmo assim. Eu realmente precisava disso.

Lá eu arranjei um outro médico para cuidar da minha gestação. Eu me sentia me paz naquele lugar. Longe da loucura que era ficar perto de Liam e, principalmente, Cheryl, minha gestação foi bem mais tranquila e leve. Eu cortei todo vínculo que eu tinha com ele. Troquei o número do meu celular, não abria meus emails. Fiquei longe dele e de sua família. E como ele não sabia onde eu estava e nem com quem, foi bem mais fácil. 

Eu não sabia se estava fazendo o certo, mas sabia que seria o melhor pra mim e, principalmente, para minha filha. Minha filha nasceu num lar calmo, tranquilo e cheio de amor. O que eu sempre esperava para ela. Minha pequena Valentina! 

Mas a minha folga acabou. E apesar de eu ter que voltar, eu me sentia bem. Eu estava revigorada. Pronta para voltar para a minha rotina do cotidiano. 

Voltei para o meu apartamento no centro da cidade e tudo estava como eu queria. Enquanto estava fora, pedi para minha amiga mudar algumas coisas básicas; como cor da parede, uma decoração ou outra e dar os toques finais no quarto da minha pequena. Tudo estava perfeito. 

Logo que eu cheguei a correria já começou. Passei no marcado, liguei para o meu trabalho dizendo que eu já estava de volta, fui atrás de um lugar onde poderia deixar a Valentina enquanto estivesse no trabalho, e passei no shopping para comprar algumas coisinhas. 

Quando voltei para casa, dei um banho nela, dei o peito e a fiz dormir. Depois de tomar um banho, desci para preparar alguma coisa para eu comer. 

Batidas na porta me fazem estranhar. Mas já imagino ser minha amiga, a Carol.

- Eu posso saber onde você estava? - ele estava claramente irritado. - Por onde você andou? Por que você fez isso, S/N? - ele disse entrando em casa. - Você tem noção de como eu fiquei quando eu percebi que você não voltaria, quando você não dava mais notícias, quando eu não conseguia falar com você? 

- Me desculpe. - disse num sussurro.

- “Me desculpe” é tudo que você tem pra me dizer? - ele me olhava no olho. - Por que você fez isso comigo? 

- Eu disse que seria o melhor, Liam. Eu precisava ficar longe por um tempo.

- Foi o melhor pra quem? - “pra Cheryl, com certeza”, pensei. - Porque pra mim foi horrível. Eu fui obrigado a ficar longe da minha filha, sem nem receber uma única noticia e nem saber o porquê disso tudo. Você poderia ter, ao menos, me avisado onde você estava.

 - Eu não queria você por perto, Liam. Você tinha que se concentrar na sua família.

 - E quando é que você vai entender que ela também é minha família?! Ela é minha filha, S/N. Eu não pude mais acompanhar a evolução dela durante a gestação, não estava junto quando ela começou a dar os chutes por reconhecer a minha voz. Eu não estava junto quando as contrações começaram, e não estava junto quando ela nasceu.

 - Me desculpa, Liam. – respirei fundo, contendo minha vontade de chorar. – Eu só fiquei com medo, insegura…

 - Medo de quê? Eu estava do seu lado. Você não ia ficar sozinha. – ele respirou fundo. – S/N, o que levou você a simplesmente sumir sem dar notícias? – foi a minha vez de respirar fundo.

 - Naquele dia no consultório, enquanto você tinha saído, Cheryl começou a conversar comigo. Ela disse que você sempre sonhou em ser pai de menino, que o Érik era a paixão da sua vida. Você iria poder brincar com ele, ensinar coisas de meninos. Minha filha ficaria de lado, seria menos amada por ser menina. Foi por isso que eu vim embora. Depois disso, ela começou a me mandar mensagens pesadas, dizendo que queria acabar com a família dela, mas não consegui; xingamentos, entre outras coisas. Eu precisava ficar longe, entende?! Precisava espairecer, pensar no que fazer, colocar meus pensamentos em ordem. Por isso que eu sai daqui, por isso eu cortei qualquer vínculo que tínhamos. Eu fiquei com medo.  

 - S/N, pelo amor de Deus. Eu jamais a amaria menos por ser menina. Pelo contrário. Eu sempre quis ser pai de menina! – o encarei surpresa. – Você devia ter me contado isso.

 - Eu sei, me desculpa. Eu jamais deveria ter feito isso, foi errado. – ele sorriu e se aproximou de mim.

 - Só se você me prometer que nunca mais vai fazer isso! – sorri e assenti. Ele me abraçou apertado e, ao sentir seu cheiro, meu corpo inteiro se arrepiou. – Eu posso conhecer ela? – sorri.

 - Claro! Ela já está dormindo, mas pode vir.

 Fomos até o quarto dela e ela ainda dormia tranquilamente. Liam sorriu bobo ao ver ela.

 - Ela é tão linda! – ele sussurrou.

 - É! Ela é um anjinho. – ele me encarou e sorriu.

 Saímos do quarto e ficamos conversando mais um tempo.

- S/N… eu acho que te devo um pedido de desculpa…. - franzi o cenho.

- Por quê?

- Por não ter te passado segurança suficiente e por ter permitido e não ter percebido o que a Cheryl fez com você. - sorri de leve.

- Você não tem que me pedir desculpas. Pelo contrário. - ele sorriu, mas não parecia feliz. 

- Bom, eu vou indo. Já está tarde e você deve estar cansada. - se levantou. - Eu posso vir passar aqui amanhã, num horário em que ela esteja acordada? - sorri.

- Vou estar esperando! - ele sorriu e foi embora…


[…]

Imagine - Liam Payne

Vocês me lotam de pedido com hot e eu sou péssima com eles, dessa vez, eu pedi ajuda aos universitários hahaha aí está, eu acabei mudando um pouco o pedido, espero que o anony não se importe… Espero que gostem… eu realmente não sei como arranjei tanta criatividade para isso!

Pedido:  um imagine do liam que eles fumam maconha enquanto transam (bem hot) ai a mae dela aparece na casa dela dps e vê eles pelados dormindo e seda com maconha e briga com eles


- Você precisa parar de fumar, pelo amor! – Gritei ao ver Liam deitado no sofá do seu apartamento sem camisa com o cigarro entre os dedos.

- Estou na minha casa. No meu sofá e com meu cigarro. Se está tão incomodada, vá embora! – Liam disse levando o cigarro até os lábios. Ele estava tão sexy daquela maneira. Mordi meus lábios pensando besteira. – E então? Desistiu?

- Eu… Ai, você está tão sexy que até me deixou desconcentrada. – Sem querer um gemido escapou dos meus lábios e o olhar de Liam ficou sério.

- Eu estou te excitando, (S/N)? – A voz de Liam era rouca e meu corpo se arrepiou ao ouvir meu nome. – Eu consigo notar você pressionando uma perna na outra. Minha garotinha quer sexo?

Como uma menina inocente, balancei a cabeça dizendo que sim e mordi a unha do meu dedão para não gemer de novo.

- Vá para meu quarto, e quando eu chegar lá, quero você apenas de calcinha e sutiã. Você entendeu?

Balancei a cabeça de novo subindo as escadas com pressa.

Ao chegar no quarto, joguei meu jeans na poltrona e deixei junto a camiseta larga que eu usava. Em questão de segundo, Liam chegou no quarto, trazia consigo um cigarro de maconha e mesmo pelo jeans, podia ver sua ereção.

Em poucos passos Liam chegou próximo a cama, me pegando no colo e me jogando para o centro da mesma. As mãos de Liam eram impacientes no meu corpo e eu estava entorpecida pelo prazer.

Seus lábios saíram dos meus e desceram pelo meu pescoço de maneira bruta e eu apenas pedi por mais recebendo meu pedido com mais calor. O interior das minhas coxas formigava, ansiosas para que Liam se pusesse entre elas.

Meus dedos embrenharam os cabelos já desgrenhados; minhas unhas rasparam sua nunca deixando vergões altos e avermelhados.

Liam desceu seus lábios pelo meu busto, raspou os dentes na minha barriga e rasgou minha calcinha. Os beijos continuaram pela minha intimidade pelo interior das minhas coxas até que eu tive meu primeiro orgasmo.

Decidi que faria o mesmo favor a Liam, mas quando coloquei a mão na ereção, ele apenas negou com a cabeça e disse que “queria aproveitar minha boquinha de outra maneira”. Liam sentou-se escorado na cabeceira da cama e me pôs em seu colo, acendendo o cigarro em seguida.

A primeira tragada foi dele e em seguida o cigarro foi passado a mim. Ficamos intercalando as tragadas até Liam tirar meu sutiã e com um pouco de dificuldade sua cueca.

Fiquei apenas sentada com ele em mim por um tempo, aproveitando a sensação. E então de movimentos leves, passamos a selvageria.

Liam soprou a fumaça por entre meus lábios e eu rebolei mais uma vez firme em seu colo como estimulo para a fumaça que eu havia ingerido, fazendo com que um urro saísse dos seus lábios e ambos gozassem. Eu, pela primeira vez, senti que precisava de mais. Foi como se os orgasmos anteriores não tivesse sido o suficiente.

Procurei por uma das mãos de Liam e levei dois dos seus dedos a minha boca e os chupei com vontade, em seguida, os levando até a minha intimidade, mostrando a Liam o que eu queria, o que eu precisava.

- Minha garotinha ainda está excitada? – Liam mordeu meu seio. – Você nunca esteve tão insaciável! Eu estou adorando.

A maneira como o meu corpo reagia ao som da voz de Liam era anormal. Eu apenas queria mais. Até que meu corpo deu o primeiro espasmo revelando o orgasmo que se aproximava.

- Vamos, (S/A)! – Ele se aproximou do meu ouvido. – Goza para mim!

E meu corpo se rendeu, cansado.

- Que delícia! – Liam me beijou e no final me deu um sorrisinho safado.

Senti a cama ficar mais leve e barulhos pelo quarto e banheiro. Meu corpo foi coberto pelo tecido fino do lençol e em seguida abraçado.

O som de voz feminina foi ficando mais alto, assim como os passos que se aproximavam da porta do quarto.

- Liam? – A foz de Karen chegou aos meus ouvidos.

- Mãe! Não entra no quarto! – Liam se levantou correndo, mas não o suficiente para deixar Karen fora do quarto.

- Quantas vezes vou ter que dizer para você que isso faz mal? – Karen gritou jogando a caixa de cigarro nos meus pés, sobre a cama. – Que cheiro é esse? Maconha? De novo?

- Mãe…

- Você ao menos usaram camisinha? Ou vão contar para o filho de vocês que ele veio de uma foda enquanto vocês fumavam maconha? – Karen entrou quarto a dentro e abriu as janelas.

- Mãe… eu…

- Tome isso de volta! – Ela jogou a chave do apartamento em nós. – Não quero mais chegar aqui e ver vocês com cara de pós foda. E se eu sentir cheiro de maconha em vocês mais uma vez, Liam vai para minha casa e sem namorada!

Karen bateu a porta do quarto com violência assim como a do apartamento.

- Meu deus do céu! – Falei pausadamente. – Nunca mais vou conseguir olhar para cara da sua mãe.

- Ela está mais brava por causa da caixa de cigarro do que qualquer outra coisa. Fica tranquila.

Me levante correndo da cama e fui tomar um banho. Depois de devidamente vestida, peguei minha mochila e me despedi de Liam.

- Você vai embora por causa daquilo?

- Eu estou muito envergonhada, e preciso digerir o que aconteceu naquele quarto.

- Até os seus três orgasmos?

- Até os meus três orgasmos!

Imagine song - One/Ed Sheeran

Originally posted by eauderosee

Imagine Zayn Malik:

Eu namoro Dereck á cinco anos, nos conhecemos desde a adolescência e sempre fomos amigos, aqueles típicos namoros que começaram com uma amizade. Já Zayn eu conheço a seis meses, os seis meses mais confusos e embolados de toda a minha vida.

(Flash Back on)

Derek e eu estamos em um momento difícil da nossa relação, estamos naquele período em que o casal só discute por tudo o tempo todo, e tudo o que eu mais quero é paz.
Mas como paz é uma coisa difícil de se ter, eu preferi sair com amigas para beber um pouco, mas nunca imaginei que fosse acabar beijando lábios macios de um moreno que me fitou a noite toda com seus doces olhos cor de mel.

-Acho que devemos manter contato, essa noite está sendo uma das melhores da minha vida.
Zayn - cujo o nome eu descobri pelo barman que parecia muito familiarizado com o mesmo - falou ajeitando uma mecha de meus cabelos.

-Mal nos pegamos e já quer repetir?
Sorri maliciosa e ele retribuiu com um belo sorriso com a língua entre os dentes.

-Claro…com um corpo desses…
Falou analisando meu corpo de cima a baixo e apertando minha cintura levemente enquanto mordia o lábio.

-E uma boca dessas. Quem não gostaria?
Falou passando o polegar em meus lábios. “Quem não gostaria?” Droga, lembrei de Derek!

-Acho que está ficando tarde.
Olhei para o relógio em meu pulso e ele me encarou confuso.

-Peraí Cinderela, o que precisa fazer uma hora dessas que não pode aproveitar o resto da nossa noite?
Perguntou me envolvendo com seus braços. “Preciso ir para casa pois meu namorado não sabe que estou o traindo em uma boate!” Pensei.

-Eu preciso…cuidar das crianças.
Respondi rapidamente. Cuidar das crianças?! Sério que essa foi sua melhor desculpa S/n?!

-Crianças? São tipo…seus irmãos?
Perguntou confuso e eu estremci ao sentir meu celular vibrar em meu bolso.

-Sim! São meus irmãos mais novos, deixei eles com a babá mas preciso voltar para ver se está tudo bem e coloca-los na cama.
Menti novamente vendo-o franzir as sobrancelhas.

-Ok. Quer que eu te dê carona?
Perguntou já pegando as chaves de seu carro em seu bolso. Eu não poderia aceitar, seria muito arriscado, mas não posso ir para casa a pé e nem de táxi já que gastei todo o meu dinheiro em bebidas.

-Não se preocupe, não irei te sequestrar ou algo do tipo.
Falou rindo fraco ao perceber que eu demorava para responder.

-Tudo bem, só por favor, me diga que não bebeu?
Perguntei séria, eu realmente morria de medo de sofrer um acidente de carro.

-Não bebi.
Respondeu simples e nós começamos a caminhar para fora da boate. Assim que saímos, Zayn destravou seu Lange Rover e abriu a porta do passageiro para mim.

-Sabe…pensando agora, acho que bebi dois ou três copos, não me lembro.
Falou assim que me sentei, quando ia protestar, ele bateu a porta dando a volta no carro e se sentando no banco do passageiro. Bufei e cruzei os braços.

-Pelo amor de Deus, vá devagar e tome cuidado.
Falei séria enquanto colocava o sinto.

-Não se preocupe, está com Zayn Malik baby.
Piscou ligando o carro e dirigindo para longe da boate. Durante todo o percurso eu fui dando as coordenadas até que o mesmo estacionasse perto de minha casa.

-Hm…você poderia me passar seu número?
Perguntou. Hesitei um pouco mas logo peguei meu celular passando o número para ele e já anotando o do mesmo.

-Nos vemos algum dia então?
Perguntou e eu assenti.

-Sim, nos vemos algum dia.
Sorri e ele se aproximou deixando um selinho em meus lábios. Só o toque de seus lábios fez minha espinha se arrepiar e aquele famoso sentimento de culpa voltar rapidamente.

Após abrir a porta do carro e sair do mesmo, acenei para Zayn que retribuiu com um sorriso e um “me ligue” logo dando partida no carro. A noite estava fria mas mesmo assim eu não tive coragem de entrar em casa, então fiquei vendo o carro agora sumir na penumbra da noite.
Entrar em casa agora seria com toda a certeza do mundo, uma das piores coisas que teria que fazer.

-Amor! Já estava pensando em ligar para Candece e perguntar se estava tudo bem com você.
Derek falou deixando um beijo rápido - ao qual não tive coragem de corresponder - assim como Zayn fez a poucos minutos atrás.

-Nós tivemos que terminar tudo hoje pois o prazo que a faculdade deu foi de uma semana.
Menti pela terceira vez aquela noite. Não estou orgulhosa de mim mesma.

-Bom, pelo menos conseguiram terminar.
Sorriu e eu dei um sorriso fraco deixando minha bolsa no sofá.

-Sei que está cansada…mas eu preciso fazer uma pergunta.
Falou sério e eu tremi, ele havia descoberto?

Derek se ajoelhou no chão e tirou uma caixinha de veludo de seu bolso.

-S/n…somos o tipo de casal que dá certo até mesmo como melhores amigos quanto como namorados, nos conhecemos a tanto tempo que eu seria capaz de até mesmo adivinhar o que pensa, mesmo com todas as nossas discussões, que não foram poucas, continuamos juntos, porque um amor é assim, ele machuca e dói, mas nos mantém bem e se sentir amado é uma das melhores coisas do mundo. Eu te amei por todos os cinco anos em que estivemos juntos, e quero continuar te amando pelos próximos em que viveremos. Aceita se casar comigo?
Perguntou. Meus olhos começaram a arder e eu sentia aquele nó se formar em minha garganta. Porque coisas ruins acontecem de uma vez só?

Com as pernas bambas e o rosto já encharcado, vi Derek se levantar e me encarar com um sorriso leve e apaixonado.

-Não precisa chorar meu amor, sei que é algo que sempre sonhou.
Falou acariciando minha bochecha. A dor no meu peito era insuportável, como eu iria dizer que não o amo mais?

-Derek eu…
Encarei seus olhos castanhos e ele assentiu para que continuasse.

-Eu aceito.
Respondi. Aquelas palavras foram as mais difíceis em toda a minha vida, mas não poderia dizer outra coisa, era como se no meu dicionário interno a palavra “Não” simplesmente não existisse.

-Eu fico tão feliz com isso, eu te amo.
Falou e me abraçou. Como eu queria que fôssemos apenas amigos.

Depois de todo o momento em que eu só sabia chorar e Derek achava que era de emoção, subi para nosso quarto e me enterrei na banheira de água morna, deixando meu corpo relaxar. Logo, meu celular apitou e eu soube que era uma mensagem, mas me arrependi ao ver o nome “Zayn” brilhar na tela.

Zayn- Espero que não estava mentindo sobre o “Um dia nos veremos” pois estou esperando ansiosamente ; ) - 01:03

Zayn- Boa noite baby. - 01:03

Respirei fundo, mal sabia lidar comigo mesma e agora tenho que lidar com um futuro casamento, um noivo ao qual eu não amo, um possível “amante” e meus trabalhos da faculdade que eu não havia mentido sobre precisar fazê-los, mas não os fiz realmente.

(Flash Back off)

E foi assim que tudo aconteceu, a seis meses atrás onde eu conheci Zayn perdição Malik, me tornei noiva de Derek e arranjei mais problemas do que deveria.
Durante esse tempo que passou, Zayn manteve contato comigo e nós só saímos uma vez, a única vez em que consegui sair sozinha e ir para um lugar discreto, pois Derek anda mais colado em mim do que nunca.

-Como acha que deveria ser a decoração? É que sabe, eu odeio aquelas festas de casamento onde tudo é branco e mais parece que entramos em um hospício do que em uma festa.
Derek falava deitado com a cabeça em meu colo enquanto eu me concentrava em escrever uma mensagem coerente para Zayn e responder algo que fizesse sentido ao que Derek dizia.

Zayn- Quando vamos sair de novo? Estava pensando em ir na sua casa. - 16:36

Eu- Não sei, a faculdade anda exigindo muito de mim esses dias, tudo o que eu mais quero é descansar :’ ( - 16:36

Zayn- Você poderia descansar em meu peito enquanto eu faço cafuné no seu cabelo. Basta você colaborar ; ) - 16:37

Sorri com seu comentário e respirei fundo, como eu gostaria que isso acontecesse.

-S/n!
Derek me chamou a atenção e eu o olhei assustada.

-Vou tomar banho, prometo não demorar.
Falou deixando um beijo em minha testa e indo em direção ao banheiro.

Eu- Eu irei colaborar, mas não hoje, porque não deixamos para semana que vem? - 16:39

Zayn- Ok : ( - 16:39

| Uma semana depois…|

Pois é, Zayn havia levado aquele papo de “semana que vem” bem sério, pois estamos agora mesmo em uma cafeteria conversando.

-Sabe…eu estou muito feliz de ter encontrado você, eu estava começando a pensar que nunca amaria mais alguém na vida.
Comentou repentinamente e eu me engasguei com o café.

-Você está bem?
Perguntou batendo de leve em minhas costas.

-Sim, acho que bebi muito rápido.
Dei um sorriso fraco.

Mas assim, sem querer ser muito curiosa…porque você disse que nunca mais pensou amar alguém?
Perguntei vendo-o suspirar.

-Eu…acho que confio o bastante em você para contar esse tipo de coisa. Até porque, uma hora ou outra você iria precisar saber.
Falou se ajeitando na cadeira.

-A mais ou menos um ano atrás, eu estava noivo de uma mulher, mas eu já não a amava sabe? Eu não sentia aquele calor em vê-la ou ficava feliz por receber um beijo, eu comecei a perceber que não havia mais amor entre nós, era como se estivéssemos forçando algo. Daí apareceu outra, eu não me lembro muito bem o nome dela pois no passado eu fiz questão de esquecer. Mas ela era linda, eu fiquei bem interessado nela, assim que consegui falar com ela, me encantei ainda mais, seu jeito único e suas manias fofas me deixaram completamente apaixonado, mas eu sabia que de uma certa forma aquilo era errado. Então um dia, eu decidi que deveria acertar tudo e parar de dar falsas esperanças para um relacionamento que já não tinha mais jeito, conversei com minha noiva e nós resolvemos que nao precisaria continuar, já que não se tinha mais nada ali.
Ele contou e eu fiquei de boca aberta. Era o mesmo pelo qual eu estava passando, e ele era a “moça encantadora”.

-E antes que você pense que no fim eu terminei com a minha noiva e comecei a ter um relacionamento com a “moça” eu lhe digo que não foi bem assim que aconteceu. Após eu me sentir confortável para me relacionar com ela, ela simplesmente fugiu, me deixou sozinho após eu me declarar como um bobo. E foi por isso que eu nunca mais quis amar alguém, fiquei com medo de cometer o mesmo erro e acabar me machucando e machucando mais pessoas. Mas você apareceu e mudou tudo, como se algum feitiço fosse colocado em mim e eu me entreguei, sem medo de amar novamente.
Falou segurando minha mão por cima da mesa. Eu queria chorar e queria poder beijar Zayn e dizer que tudo aquilo foi passado e que se ele quiser nós nos casamos agora mesmo e eu cuidarei dele para o resto da minha vida. Mas havia alguém, alguém que estava em minha casa com um anel parecido ao meu em seu dedo anelar, aguardando pelo casamento em que eu só quero fugir.

(…)

Eu havia decidido, iria falar com Derek e seria hoje. Entrei em casa e o encontrei na cozinha segurando um buquê de flores. Na hora todo o meu corpo tencionou.

-Me trouxe flores?
Perguntei o vendo ficar confuso.

-Não. O porteiro me entregou pois disse que alguém havia passado aqui e te deixado elas.
Respondeu me entregando.

Assim que peguei as flores pude ver um cartão, e no mesmo haviam as letras Z.M e um coração.

-Tem idéia de quem pode ter sido?
Perguntou e eu logo escondi o cartão negando.

-Mas eu preciso te falar algo… já faz algum tempo e eu percebi que não te amo mais, não quero me casar com você Derek. Me desculpe.
Falei e por uns segundos o vi sério. Até que senti um tapa forte em meu rosto.

-Você tem outro?! É isso?! Você estava me traindo?!
Começou a berrar e eu me assustei.

-Derek…
Tentei o acalmar mas ele continuou.

-Sua vadia! Você estava me traindo esse tempo todo, foi ele quem te deu essas flores não foi?!
Berrou e eu só consegui chorar.

Assim que sua mão se levantou novamente, antes de ir de encontro ao meu rosto ela foi segurada por outra mão tatuada.
Zayn pegou Derek e logo vi o porteiro também na porta e os dois o levaram para fora. Sem entender o que estaca acontecendo eu apenas continuei encolhida agora no chão.

Zayn voltou e me abraçou forte.

-Ele não vai mais fazer aquilo. O levaram para a delegacia e provavelmente vai ser preso.
Zayn falou enquanto afagava meus cabelos.

-Zayn me desculpa…ele era meu…
Tentei falar entre soluços.

-Tudo bem eu sei. Não estou bravo nem nada, apenas preocupado com você.
Afagou meus cabelos e eu me encolhi em seu peito.

-Eu apenas quero que saiba que você é única, e eu nunca vou deixar nenhum babaca encostar a mão em você de novo.
Falou me apertando. E eu me permiti chorar em seus braços. Ele era tão perfeito que era até errado ele estar comigo.

***

Espero que tenham gostado.😘

₪ STATUS LOS HERMANOS ₪
  1. E até quem me vê lendo jornal na fila do pão sabe que eu te encontrei. 🗞
  2. Numa moldura clara e simples sou aquilo que se vê. 🏖
  3. Canta o teu encanto que é pra me encantar.🎙
  4. Eu só aceito a condição de ter você só pra mim. 📍
  5. E tira o som dessa tv, pra gente conversar. 📺
  6. E só de te ver, eu penso em trocar a minha tv. 📺
  7. Amor, veja bem, arranjei alguém chamado “saudade”. 💭
  8. Depois de você, os outros são só os outros e só. 🔐
  9. Pra nós todo amor do mundo, pequena. 💟
  10. E no final assim calado, eu sei que vou ser coroado rei de mim. 👑
  11. Sem você sou pá furada. ⛏
  12. Ora, se não sou eu quem mais vai decidir o que é bom pra mim? ⚠️
  13. Hoje vou pro lado de lá, eu tô levando tudo de mim. 🎒
  14. Levo a vida devagar pra não faltar amor. 🚶🏾
  15. Eu era bem melhor, mas tudo deu um nó. 🌀
  16. Se o que eu sou é também o que eu escolhi ser, aceito a condição. 💭
  17. Eu que controlo o meu guidom. 🚲
  18. É bom às vezes se perder sem ter porquê, sem ter razão. 🚗
  • se gostar/pegar dê like.
Eu quis te tornar cicatriz. Quis te tornar ferida, para só então poder sarar o que eu sentia por você. Porque esse sentimento só fazia aumentar, e junto com ele, as paranóias e os ciúmes também. E isso não poderia mais continuar, eu tinha que seguir em frente, fazer uma limpeza em meu coração e em minha mente. Desocupar o espaço ocupado por você, que pertencia somente a você. Mas não se preocupe, eu arranjei um outro lugar especial, um outro lugar muito bonito em meu coração para você. Fiz tua mudança com o maior cuidado possível, para que não se perdesse nada pelo caminho. Talvez algumas coisas tenham sido quebradas durante essa mudança, mas nada que não possa ser consertado com o tempo, se tivermos mais tempo em um outro tempo futuro, quem sabe. Por hoje, eu te torno ferida, e me mantenho ferida para poder continuar afastada. Por hoje, eu continuo a dizer que é melhor assim, eu cá e você aí.
—  Christiellen Pinto. 
Status: Los Hermanos.

Abre os teus armários, eu estou a te esperar. 🍃🙇🏻

O vento vai dizer lento o que virá. 🍂🌾

Eu fiz de tudo pra você perceber que era eu. 🙍🏻😔

Ter fé e ver coragem no amor. 💖🙏🏻

Eu gosto é do estrago.😜👌

Pois é, não deu. 😢🎶

Prefiro assim com você: juntinho sem caber de imaginar, até o fim raiar. 💑✨

Hoje vivo muito bem sem tua boca. 👍🏻😏

O amor não se tem na hora que se quer, ele vem no olhar. ☺️🎶

Canta o teu encanto que é pra me encantar. 😍💏

É bom te ver sorrir. ✨😍

É Deus, parece que vai ser nós dois até o final… 😏✨

Um beijo imenso onde eu possa me afogar. 💏🍃

Amor, veja bem, arranjei alguém chamado saudade. 🙍🏻👎

Numa moldura clara e simples, sou aquilo que se vê. ✌🍂

Do nosso amor a gente é quem sabe, pequena. 🙍🌾

Sobre estar só, eu sei.🙇🏻✨

Quantas horas mais vão me bater até você chegar? 😔💖

Chuva traga meu benzinho, pois preciso de carinho. 💑☔️

Se o que eu sou é também o que eu escolhi ser, aceito a condição. 😐✨

Ora, se não sou eu, quem mais vai decidir, o que é bom pra mim? 😑🍃

Eu sei é um doce te amar… O amargo é querer-te pra mim. 😔👌

Me diz o que é o sossego que eu te mostro alguém a fim de te acompanhar. ❤️💑

Se gostar ou pegar dê LIKE/REBLOG no post.
Status/Los Hermanos

“Ir aonde o vento for.” 

“Eu gosto é do estrago”

“Ter fé e ver, coragem no amor.”

“Faz tanta falta o teu amor.”

“Sereno é quem tem a paz de estar em par com Deus.”

“Eu só aceito a condição de ter você só pra mim.”

“E ate quem me vê lendo o jornal na fila do pão sabe que eu te encontrei.”

“Só leve a saudade, morena… é tudo que vale a pena.”

“Faço o melhor que sou capaz só pra viver em paz.”

“Porque quando o amor existe, o que não existe é tempo pra sofrer.”

“Como se a alegria recolhesse a mão pra não me alcançar.”

“Pra nós todo amor do mundo, pra eles, o outro lado”

“E se eu fosse o primeiro a voltar e mudar o que eu fiz…quem então agora eu seria?”

“Eu sei, não é assim, mas deixa eu fingir e rir.”

“É de lágrima que faço o mar pra navegar”

“Amor, veja bem, arranjei alguém Chamado “saudade”.

● Se pegar dê like ou reblog

Maturidade

Maturidade não é olhar para trás e ver que fez “merda” no passado. O nome disso é “constatação”. Maturidade é impedir que “novas merdas” sejam feitas.

Maturidade não é deixar de sair para beber com os amigos só por que no dia seguinte você tem que trabalhar cedo e tem medo de se acabar na tequila. O nome disso é “ser fraco”. Maturidade é sair, ficar com seus amigos e não beber. Afinal, você trabalha cedo no dia seguinte.

Maturidade não é deixar de gostar das coisas que você gostava quando era criança. O nome disso é “desapego das lembranças da infância”. Maturidade é saber que a infância é, e sempre será, uma das fases mais importantes de sua vida. Não tente se distanciar dela. Ela estará sempre com você.

Maturidade não é fazer o que todos fazem só por que “o mundo funciona desse jeito”. Isso se chama “mente pequena”. Maturidade é entender que existe uma solução para cada tipo de problema. E quanto mais problemas houver, mais soluções existirão.

Maturidade não é deixar de chorar com o filme “O Rei Leão”. O nome disso é “coração de pedra”. Todos devem chorar com “O Rei Leão”. Todos.

Maturidade não é ir morar sozinho e pagar as próprias contas. O nome disso é “até que enfim arranjei um emprego bom”. Maturidade é fazer com que você sempre faça o seu melhor naquilo que te sustenta.

Maturidade não é “falar bonito”. O nome disso é “estudo bem estudado e bem utilizado”. Maturidade é saber se comunicar com todo mundo, independente do grau de estudo do próximo.

Maturidade não é ser “sério e compenetrado”. O nome disso é “chato pra caralho”. Maturidade é saber usar suas personalidades nos momentos ideais. Quando alguém estiver triste, faça bobagens para alegrá-la. Quando alguém estiver sofrendo, fale sério para reanimá-la.

Maturidade não é ser inteligente e nem o dono da razão. O nome disso é “ser inteligente e forever alone”. Maturidade é querer ouvir o próximo mesmo que o próximo não saiba o que dizer. Dar voz àqueles que precisam e querem ser ouvidos. Maturidade é saber que não existe uma “razão absoluta” e “única”.

Maturidade é olhar para si mesmo e ter orgulho de ser quem você é. Mesmo que ainda você não tenha realizado nem metade dos seus sonhos. Maturidade é saber agradecer por estar onde você está. Mesmo que você ainda esteja um pouquinho longe da onde imaginou estar. Maturidade é saber reconhecer que, o que você tem, é única e exclusivamente “culpa” sua. Foi pelo seu mérito que você conseguiu chegar onde está. Maturidade é transformar o “ruim” em “bom pra caralho, doido”. Maturidade é deixar de sentir medo e sentir mais confiança. Maturidade é não saber que se é maduro. Afinal, seríamos uns idiotas atrás da própria auto-afirmação. Ops. É. Nós somos isso.

Maturidade é reconhecer o que você é e não ter vergonha disso.

Eu o vi ontem, o vi antes de ontem, na semana passada e provavelmente acabei de vê-lo de novo. Nos olhos verdes daquele garoto que nada tinha a ver contigo, no jeito de falar de outro, no cabelo daquele ali, na risada de outro e até seu nome andam gritando por ai. Depois de esbarrar com pedaços de ti coloquei nossa musica pra tocar no repeat e fiquei repassando tudo que fomos, tudo que vivemos e por sorte deletei nossas conversas ou as estaria lendo agora. Quanto tempo demora pra realmente superarmos algo? Quanto tempo passa até todas as feridas serem cicatrizadas? Por que ainda há fragmentos de você pelo meu caminho? Não era pra ser assim, mas quem é que determina? O peso do mundo está caindo sobre meus ombros e quem me ajuda a segurar se não mais você? Estou sem seus braços, estou sem você, eu me viro bem sozinha, ando repetindo isso pra mim mesma, porque eu sempre me arranjei no meu canto e você apareceu tirou-me de lá, jogou-me na parede e no olho do furacão e depois se foi, parece que agora eu sendo só eu é pouco. Tão eu, tão ingênua que achei que tinha deixado passar que ja tinha esquecido, mas ai você ri aqui e ali e meu subconsciente entra em alerta. Mas assim como tampar o sol com a peneira, como tentar fechar feridas de bala com band-aids, tentar por uma pedra em cima de nós se torna uma causa perdida e decepcionante. Eu só espero que você lembre da minha musica, que quando escute minha cantora favorita  lembre de mim, lembre-se que eu disse pra não ir, mas você teve que ir, espero que lembre-se dos meus olhos castanhos nos verdes do seus e lembre-se que seja quem for segurando a sua mão agora eu estava aqui o tempo todo, até você não estar mais, até não sobrar mais nada de nós.
—  Letters to Chuck

One Shot - Zayn Malik

- Qual a hora do seu voo? - Meu namorado perguntou enquanto eu arrumava minhas malas.

- Cinco da tarde.

- Vou te levar ao aeroporto.

- Certo. - Minha vontade era de perguntar se ele não preferia ficar com a outra mulherzinha que ele arranjou e acha que eu ainda não sei.

- Deveríamos sair pra comer antes, o que acha?

- Não, prefiro ir para o aeroporto logo.

- Por que está me tratando assim ultimamente?

- Assim como, Joe?

- Fria, além de que não quer mais sair comigo.

- Apenas não estou a fim de sair ultimamente.

- Deve estar dando graças a Deus por estar indo embora, não é?

- Vou apenas passar duas semanas em Tóquio.

- E está adorando.

- Quer saber? Estou mesmo! - Ajeitei minha mala para que pudesse pegá-la. - Vou ficar livre da sua chatice por duas semanas, não há coisa melhor.

- Tudo bem.

- Vai ou não me acompanhar até o aeroporto?

- Você quer que eu vá?

- Tanto faz.

Sai em sua frente e logo ele me acompanhou até o táxi que nos esperava. No aeroporto, após fazer check-in, Joe não parava de falar sobre suas qualidades e o que fazia de bom no seu trabalho, eu já estava cheia. Ter que aguentar um homem irritante ao meu lado e ainda saber que está sendo traída por ele. Eu precisa realmente disso?

- E então eu disse para o Gregory…

- Me dá um minuto? Preciso ir ao banheiro. - Falei levantando.

- Eu vou ao banheiro também. - Sorriu e foi comigo até a área dos banheiros. Lavei meu rosto ao chegar na pia e tentei me controlar pra não mandar o Joe voltar pra casa e me deixar em paz.

- Oh, desculpe. - Um homem disse quando esbarrou em mim. Após sair do banheiro feminino eu fiquei próxima ao banheiro masculino à espera de Joe.

- Não há problema, a culpa foi minha. - Ri sem graça e encarei o homem. Realmente, homem fardado era outra coisa! Ele era muito lindo, seus cabelos pretos estavam bagunçados, sua mão tatuada segurava seu cap e a outra o paletó azul revelando que ele era um piloto de avião.

- Você teria um celular pra me emprestar? - Ele perguntou.

- Claro. - Ergui meu celular.

- Eu esqueci o meu na cabine do avião e demoraria muito se eu fosse buscar.

- Não precisa se preocupar. - Nós rimos. Ele fez sua ligação para um amigo avisando que não poderia sair porque teve um voo de última hora marcado.

- Muito obrigado. - Ele devolveu.

- Não há de quê. - Sorri.

- Vai viajar hoje?

- Si…

- Ah, claro! Se não você não estaria aqui, não é? - Ele riu sem graça e eu também.

- Evidentemente.

- Vai pra onde?

- Tóquio.

- Mentira?

- Sim, por quê?

- Eu te levarei pra lá então.

- Sério?

- Sim! - Colocou o cap e ergueu sua mão. - Me chamo Zayn, sou piloto de avião e hoje o seu piloto. - Segurei aquela mão tatuada e por pouco não tive um mini ataque cardíaco com seu aperto agradável.

- Me chamo (s/n) e hoje sou a sua passageira.

- E eu me chamo Joe, sou o namorado dela. - Meu namorado idiota apareceu atrás de nós me fazendo revirar os olhos.

- Prazer, Joe. - Zayn riu e apertou sua mão.

- Vamos (s/n)? - Joe ignorou a frase de Zayn.

- Vamos.

- Creio que vocês não tenham mais muito tempo. Faltam 10 minutos para a decolagem.

- Deuses! - Exclamei. - Vou para a sala de espera.

- Eu posso adiantar a fila pra você. - Zayn sugeriu.

- Como?

- Você vai entrar no avião comigo.

- Ela pode ser como todas as outras pessoas normais e esperar na fila. - Joe disse grosso.

- Não, adiantar sempre é bom. - Falei ainda olhando pra Zayn.

- Essa é uma forma de te agradecer pelo empréstimo do celular. - Sorrimos um para o outro.

- Você emprestou o celular pra ele? - Joe perguntou quando Zayn se afastou para pegar suas coisas.

- Sim, qual o problema?

- Nenhum, se você pensa assim.

- Ah Joe, me poupe!

- Vamos? - Zayn perguntou.

- Sim. - Respondi. - Tchau. - Dei um selinho rápido nele e acompanhei Zayn até o avião.

- Espero que fique confortável. - Ele disse. - Vou pedir pra aeromoça trazer algo pra você comer.

- Já?

- Creio que esteja com fome. Não?

- É, estou sim. - Ele riu.

- Viu só?

Minutos depois a aeromoça trouxe aquelas comidinhas nada gostosas de avião e um suquinho completamente aguado. Zayn voltou de sua cabine pra perguntar se eu havia gostado da comida e eu disse que sim, não podia fazer uma desfeita dessas. Logo o avião ficou com suas poltronas ocupadas e a voz de Zayn ecoou nos alto-falantes informando sobre o voo.

- A senhora deseja mais alguma coisa?

- Não, obrigada. - Sorri para a aeromoça.

- O Zayn mandou te entregar isso. - Ela me entregou uma rosa. Eu ri e peguei uma caneta na minha bolsa.

- Tem um papel?

- Serve um guardanapo? - Sorriu simpática.

- Serve.

“Fico muito agradecida pelo agrado. Você é muito gentil. Obrigada!”

- Pronto. - Entreguei o papel para a moça.

- Aqui está a resposta. - Ela voltou minutos depois. - Disse para o Zayn que eu não sou pombo correio. - Riu.

- Concordo. - Falei e peguei o papel.

“Queria ter visto sua cara ao ver a rosa. Seu namorado pode não gostar, por isso descarte-a assim que chegarmos em Tóquio.”

Ri ao ler a mensagem e constatei que não iria jogar rosa nenhuma fora. Aquela seria pelo menos uma lembrança que eu teria desse piloto gato que me ajudou e mexeu comigo num tempo recorde, sim, homem nenhum tinha me deixado tão desnorteada em tão pouco tempo. Fechei os olhos e quando os abri novamente vi Zayn na minha frente.

- Boa tarde. - Ele disse sorrindo.

- Boa tarde?

- Sim, aqui em Tóquio é tarde, senhorita. - Segurou me mão para me ajudar a levantar da poltrona. Fomos juntos até o aeroporto e eu me vi perdida dentre tantos japoneses. - Eu adoro vir pra cá.

- Por quê?

- É o único lugar que eu me sinto diferente e isso é bom.

- Diferente?

- É, olhe só pra cara deles! - Rimos. Você já é diferente em qualquer lugar que for, beleza nenhuma é igual a sua!

- Tem razão.

- Você veio para passear? - Perguntou enquanto ainda caminhávamos pelo saguão do aeroporto.

- Sim.

- Sozinha? Seu namorado deu um mole desses?

- Ele tem outra mulher e não quis vir pra ficar com ela.

- E você aceita?

- Acho que é comodidade, tenho medo de deixar ele e não arranjar mais ninguém. - Zayn gargalhou.

- Você é tão linda e inteligente… - Pigarreou. - É… Eu quis dizer que com essas qualidades você arranja alguém com facilidade.

- Não sei.

- Não deveria ficar com ele nessas circunstâncias, você não merece um idiota desses.

- É, deve ser.

- Posso te mostrar os melhores lugares daqui?

- E você vai poder me acompanhar? Não tem que voltar pra Londres?

- Tenho, mas daqui há duas semanas, não tenho nenhuma viagem daqui até lá.

- E eu só volto pra Londres daqui há duas semanas. - Zayn arregalou os olhos.

- Isso é assustador.

- Também acho. - Rimos.

- Pilotarei o avião da sua volta também.

- Certamente.

- Pronta pra conhecer cada pedacinho de Tóquio?

- Claro!

Fomos para um restaurante que eu achei maravilhoso, sentávamos no chão pra comer, todos os clientes juntos dividindo uma mesa só, foi divertido porque eu tive a oportunidade de conhecer outras pessoas. Zayn falava perfeitamente a língua deles e isso só me deixou mais encantada por ele. Os dias foram se passando e nos hospedamos no mesmo hotel, então começamos a ficar muito próximos, tomávamos café da manhã juntos, almoçávamos e jantávamos juntos.

- Você vai continuar com seu namorado? - Ele perguntou enquanto caminhávamos pelo parque.

- Não, decidi acabar. - Olhei pra Zayn que sorriu.

- Faz bem. - Aproximou-se lentamente e após colocar delicadamente a mão no meu rosto ele me beijou. Meu coração acelerou ainda mais quando nossas bocas se chocaram e eu pude finalmente sentir o gosto de seu beijo. - E eu já tenho um pretendente pra você. - Falou ainda de olhos fechados e com a testa colada na minha, depois abriu seus olhos pra encarar os meus.

- Ah, é? E quem seria?

- Eu. - Puxou-me pra mais perto pela cintura.

- Mas… Mas… Você não tem ninguém?

- Acha que sou como seu namorado?

- Desculpe. - Que tola!

- Eu não tenho ninguém.

- Não precisava responder mais.

- Eu queria responder. - E assim mais um beijo foi dado. Passamos a tarde juntos e o melhor, andando de mãos dadas. Eu nunca senti algo por um homem tão rápido.

“Sinto muito, mas a nossa convivência anda impossível. Eu pensei muito e decidi que pra mim não dá mais, estou terminando tudo com você a partir de hoje. Sei que você vai ficar bem e até que tem outra. Não se preocupe, eu estou e vou ficar bem! Obrigada por tudo.”

Mandei a mensagem para Joe e suspirei aliviada logo após. Finalmente consegui me livrar desse tormento e ainda arranjei um namorado novo. Lindo, simpático, romântico e atencioso.

- Viajarei sempre, acho que essa será a melhor maneira de encontrar mais vezes com o meu namorado. - Falei pra ele que riu.

- Sim, senhora. Estou à disposição. - Falou de forma cortês pra mim no avião, olhou para os lados e me beijou escondido. - Eu amo você.

Jess