aristocratas

To de chavão pelo Distrito
Gangsta, maloqueiro de raça e espírito
Crítico, violentamente pacífico
Cívico, lírico, poesia e ritmo
Criptografa literatura do morro
Enquanto os psicopata veste farda e fuzil FAL
Aristocrata vai ter que pedir socorro
Porque o ódio retrata rebeldia marginal
Aqui os pivete não cresce, antes dos vinte perece
Muitos nem o pai conhece
Entra pro crime, vira alvo
Sem alicerce, o que acontece?
Abraça o que oferece, um futuro cheio de estanho à 7 palmo
Cê lembra quando mundo era pretérito?
E o inquérito de escolhas que tivemos que enfrentar?
Fé suor e sangue construiram nosso império
E hoje o mérito é sério
Vai ter que me matar pra me calar!

Los signos como villanos de películas de terror
  • ARIES: Jason Voorhees 

Jason, con once años de edad, fue al campamento “Crystal Lake” supuestamente ubicado entre la zona de Massachusetts  y Nueva York, en USA , en el que también su madre trabajaba como cocinera. Era un niño abusado constantemente por otros niños de su edad, que se burlaban de sus incapacidades, lo herían física y mentalmente. Fue tal el abuso, que en el campamento, los compañeros de Jason lo persiguieron hasta el lago, donde cayó y como no sabía nadar, se ahogó. Los cuidadores del campamento no estaban atentos, ya que estaban tomando drogas y manteniendo relaciones sexuales. (por esta razón todas las veces que hay una escena sexual, Jason termina asesinando). Su madre cobró venganza asesinando a los cuidadores por negligencia. Al final de la primera parte, la madre es asesinada y Jason vuelve de entre los muertos para continuar la venganza. Pero supuestamente Jason nunca se ahogó en el lago, siempre ha vivido en el bosque y el fue testigo de la muerte de su ser más querido, su madre. Nunca conoció a su padre, llamado Elias Voorhees. 

  • TAURO: Drácula

Dracula es un vampiro que tiene muchos siglos de edad, un hechizero y noble de Transilvania que dice ser Szekely, una tribu hungara descendiente de Atila el Huno. Habita un castillo decadente en los Montes Carpatos cerca del pasaje de Borgo. A diferencia de todos los vampiros de la cultura del Este de Europa que son representados de una manera repulsiva, parecidos a un cadaver, Drácula tiene en su porte el encanto de la clase aristocrata que enmascara su maldad. Normalmente utiliza una mascara de cordialidad para con las demás personas, aunque desata su ira cuando alguien interfiere con sus planes y es capaz de formar lazos de amor; admite que son temporales solamente. A pesar de ser extranjero, su manejo del inglés es excelente.

  • GÉMINIS: Chucky

Su nombre real es Charles Lee Ray, herido de muerte y acorralado por la policía, decide traspasar su alma a la del juguete de moda: un Good Guy.
. Este es uno de los villanos más terroríficos y está en búsqueda del niño Andy en las películas de terror de la serie de Chuky, para tomar su cuerpo y no quedar encerrado en el muñeco para siempre.

  • CÁNCER: Leatherface

Es el villano principal de la película The Texas Chain Saw Massacre . Es un hombre robusto y alto, pero sus características principales son la máscara hecha de piel humana para ocultar una desfiguración y una   motosierra que utiliza como arma.. A diferencia de los asesinos de otras películas, Leatherface no es de naturaleza sádica o maligna; al padecer un retraso mental severo es fácilmente manipulado por sus hermanos para cometer los crímenes.

  • LEO: Pinhead

‘’Elliot Spencer’’ fue ‘’Capitán’’ del ejército  durante la Primera Guerra Mundial. Tras las atrocidades allí vividas, el mundo que le rodeaba dejó de tener interés para él, y se aventuró a buscar otras realidades, otros placeres, aunque tuviese que recurrir a sabidurías ocultistas prohibidas. Cayó en sus manos una antigua Caja-Puzzle, fabricada por el francés ‘’Phillip LeMarchand’’ en 1784, por encargo de un burgués ocultista que le cedería los planos con la configuración exacta para su funcionamiento, la “configuración del lamento”. La resolución de la Caja-Puzzle no dependía sólo de sus engranajes. El ingrediente más importante corría a cargo del interesado, y no era otra cosa que el deseo. Deseo de nuevos placeres, deseos auténticos, y Elliot los tenía. Sus trastornos mentales (consecuencias de la Guerra) y su aborrecimiento del mundo conocido le ayudaron a resolver el enigma de la Caja. Al hacerlo, se introdujo en un mundo paralelo al nuestro, donde dolor y placer eran indivisibles, y no había bien ni mal, sólo carne. Su alma se fundió con el espíritu de ‘’Xipe Totec’’, el ‘’Pontífice Oscuro del Dolor’’. Una eternidad saboreando los placeres de ese Infierno le condujo a ser líder de los llamados cenobitas, seres que se encargaban de conceder el “placer prohibido” a sus suplicantes. El propio Spencer, desnaturalizado ya de su faceta humana, fue conocido entre los humanos como ‘’Pinhead’’

  • VIRGO: Michael Myers

Michael es un ¨ser humano¨ con facultades sobrenaturales; carente de emociones, esencialmente maligno e indestructible, y que encierra en su interior un espíritu malvado equiparable al del mismísimo demonio, quien a pesar de contar con algunos traumas psicológicos originados en su infancia, y producto del maltrato y el desprecio de su padre, excede el límite comprensible de venganza y se deslinda de las meras explicaciones ordinarias comúnmente utilizadas para justificar su esencia perversa. Denota un accionar implacable y certero, y hace gala de una fuerza descomunal, comparable a la de un oso o un androide. 

  • LIBRA: Ghostface

GhostFace o Cara de Fantasma (en español), es el nombre de un carácter ficticio y el antagonista principal en la trilogía de Scream. Hubo cinco personas para asumir su capa (de Scream, Scream 2, y Scream 3). Un asesino en serie, él a menudo se disfraza como una variación de un fantasma, o la Segadora Severa (el nombre dado a su traje en la película es ’ la Muerte de Padre ’). Él también usa un dispositivo para disfrazar su voz. También lo conocen como el Asesino de Woodsboro, por la ciudad donde él comete sus asesinatos.
Ghostface a menudo llama a sus víctimas por teléfono, la burla o amenazas de ellos antes de apuñalarlos y forzar sus órganos interiores. Su nombre real era Father Death o Padre Muerte, pero Tatum Riley (Rose McGowan) antes de morir lo llamó GhostFace y así fue llamado el resto de los films.

  • ESCORPIO: Pennywise ‘‘eso’‘

Pennywise, a veces llamado Centavito, Bob Gray, y conocido por sus enemigos como Eso (It), es tal vez uno de los payasos más conocidos de la novela de terror. Para mayor prestigio, su creador fue nada menos que Stephen King.
Pennywise no tiene una forma estable. Suele aparecer bajo la forma de un payaso siniestro, calvo, de rostro blanco, pelo y nariz roja, tirantes amarillos con botones naranjas, y guantes blancos. A menudo lleva globos en las manos. Ya en su forma menos seductora, Pennywise revela unos colmillos puntiagudos que le impiden cerrar completamente la boca. En cierta forma, Pennywise es la máxima expresión de la Coulrofobia, esto es, el miedo irracional o fobia a los payasos.

  • SAGITARIO: Jigsaw

John Kramer es un ingeniero civil que se gana la vida trabajando en una clínica fundada por él y por su esposa Jill Tuck, mucho más joven que él; el lema de John para su clínica era “aprecia tu vida”. Su vida era feliz, pero la pérdida de su hijo por culpa de uno de los internos en la clínica le causa un terrible shok, ya que ese hijo (al que iban a llamar Gideon) suponía muchas cosas para él. Por si esto no fuera poco, un tiempo después del suceso, le diagnostican un tumor cerebral inoperable siendo esto el punto culminante de su depresión psicológica tras la muerte de su hijo. Su autoestima llega a estar tan baja por los hechos, que intenta quitarse la vida, fallando en su intento, lo que él interpreta como una señal. John comienza a apreciar la vida, e intenta que otras personas también lo hagan, para lo cual deberá ponerlas a prueba en situaciones límites, donde sólo puedan salvar sus vidas sacrificando algo preciado para ellas, tal como le ocurrió a él. 

  • CAPRICORNIO: Norman Bates

Sufrió abuso emocional (y sutilmente sugerido también, el abuso sexual) de parte de su madre, quien le inculcó que las mujeres y el sexo eran cosas del demonio. Los dos vivían solos en una dependencia emocional insana después de la muerte de su padre. Cuando era adolescente, su madre tuvo un amante; Joe Consedine, lo que hizo de Norman, sumamente celoso. Los asesinó a ambos con estricnina y conservó el cadáver de su madre. Desarrolló síndrome de personalidades múltiples, y asumió la personalidad de su madre, reprimiendo su muerte como una forma de escapar de la culpa de haberla matado. 

  • ACUARIO: Freddy Krueger

Freddy es un psicopata desfigurado que ataca a sus victimas en los sueños utilizando un guante que tiene afiladas navajas y acaba por matarlos en el mundo real. Su apariencia fisica ha sido constante a lo largo de todas las peliculas mostrandolo siempre con un sueter de rayas rojas y verdes, un sombrero fedora café, su guante filoso, pantalones cafes y botas de jornalero. Su piel esta quemada debido a que fue quemado vivo por los padres de Springwood, y no tiene cabello; su sangre, sin razon aparente, es oscura de un color verde aceitoso. Una de sus caracteristicas mas relevantes es el aspecto cómico de su personalidad que manifiesta mediante frases sarcasticas y disfraces chiflados.

  • PISCIS: Samara Morgan

Samara Morgan vino al mundo de una madre soltera, identificada como Evelyn (hace poco se conoció que su apellido es Osorio), en el Refugio para mujeres Saint Mary Magdalen en Washington. Evelyn supo desde un principio que Samara no era una bebé ordinaria, pues ella nunca dormía, y lloraba terriblemente si estaba cerca del agua. Evelyn trato de ahogar a Samara en una piscina decorativa del refugio, pero las mujeres del refugio la detuvieron. Luego, Evelyn clamaba que Samara le había dicho telepáticamente que lo hiciera. Luego de eso, los administradores del centro pusieron a Samara en adopción, y Evelyn fue enviada a un hospital psiquiátrico. Samara fue adoptada por unos criadores de caballos Richard y Anna Morgan de Moesko Island, quienes habían tratado de tener un hijo por su cuenta pero no fue posible. Pronto, Anna comenzó a volverse loca, perturbada por horribles visiones las cuales de alguna manera las provocaba Samara. Luego de esto, Samara fue llevada a un hospital psiquiátrico, donde los estudios médicos demostraron que la niña poseía una desconocida habilidad psíquica conocida como Termografía, permitiéndole a ella psíquicamente “Quemar” imágenes de su mente hacia superficies o a las mentes de otros. Ella nunca dormía y era completamente insensible al dolor. Samara al parecer no sabia como controlar su habilidad. Eventualmente, ella fue liberada del hospital por la petición de Richard y posteriormente fue forzada a vivir en el establo con la esperanza de que la distancia pudiera ayudar a Anna. Las visiones continuaron, sin embargo, muchos de los Caballos que Anna y Richard cuidaban en su establo se fueron muriendo uno por uno gracias a Samara que los odiaba y con su habilidad los volvia locos para asesinarlos. 

Duraznito-.

se todo fim é um começo
se todo começo é um fim
estaríamos nós no fim do começo
no começo do fim?
seria a tristeza o preço
ou a nota de aviso do futuro?
seria meu choro espesso
as boas vindas de um amanhã obscuro?
seriam as lágrimas o jeito
do destino me obrigar a mudar
a me adaptar
de me preparar para um duro,
escuro,
sozinho,
futuro?
fim, começo
começo enfim
seria o fim das promessas e planos
o fim de conselhos, juras, anos
abraços, cafés, quadros
sentimentos, sorrisos, enganos
o fim do começo
ou o começo do fim
o regresso, breve
do sentimento leve, feliz, alegre
o fim triste e célebre
do sentimento sufocante, infeliz, intempérie
o início do começo
das minhas solitárias conversas frente ao espelho
o começo do fim
do choro sob o travesseiro
das reflexões profundas no chuveiro
a morte desse ser em mim
seria o fim de conselhos, risadas
o fim de alegrias, piadas
o fim dessa parte colorida
que morou e mora antes e depois do fim
que seja então,
o fim
você vai pra um lado
eu vou pro outro
e tudo o que sobe desce
tudo o que vai volta
todo fim é um começo
todo começo é um fim
se já acabou nos vemos no começo
se é o começo, nos vemos no fim
mas nos vemos
se é fim ou começo, tanto faz
uma hora sempre acaba assim como sempre começa
se estou esperando terminar ou começar,
não faz diferença
logo acaba, logo começa
terminam outros para começar novos
e novos
conselhos, risadas, planos
piadas, sorrisos, anos
alegrias, choros, enganos
lágrimas, encontros, cafés
outros planos
encontros, tristezas, mais anos e anos…
—  Mateus(o), pois se todo fim é um começo e todo começo é um fim, nos vemos no fim do começo ou no começo do fim, porque só acaba para começar de novo.
Tu és                                                                                                                                                
Liberal. 
Autoritária.                                                                                                                        
Autoridade e      
Libertária.                                                                                                                         
Simpática
Hostil
Jovem
Senil
Problemática
Gentil
Magra
Gorda
Muito e pouco
Gostosa
Voz linda e
(ora) rouca
Terrível
Amável
Violenta
Afável
Agressiva
Sutil
Juvenil
Adulta
Branca
Obscura
Gótica
De uma malícia
(muito ou pouco)Pueril                                                         
De amor e frieza idênticos
Fria
Insensível
Linda
Horrível
De natureza (ora)
Muito (pouco) gentil                                                                                                      
És pouca
És muita
És meia
És inteira
És amada
És (nunca) amante
És odiada
És mais adiante                                                                                                              
És tudo
De oposto
Louco
Lindo
Pouco
Rindo
Choro
Indo…                                                                                                                             
És um eterno “mais ou menos"
—  Sadico-aristocrata
Cada olhar

E cada olhar esconde um outro olhar, um olhar que não quer que saibam, não quer que vejam, não quer que sintam.

E cada olhar frágil e sentimental esconde um outro já duro e infeliz, que cresce a cada baque, que incha a cada tombo, que só vai crescer contra o tempo e tomar o controle.

E cada olhar duro e frio esconde um sentimento depressivo, que não se sente vivo na palavra mais plena, que não se sente completo com outro olhar distante ou próximo do seu, que não consegue gostar de alguém de verdade ou não consegue que gostem de si de maneira verdadeira.

E cada olhar despreocupado e despercebido esconde uma consciência crescente, ardente, eloquente. E cada olhar mórbido e morto esconde a beleza ilhada de sua vida utópica. E cada mente popular esconde outra mente que ninguém conhece, ninguém vê ao certo.

Atrás de cada retina se esconde uma espécie de ilusão, o que quer ver ou o que querem que veja. Atrás de cada texto há uma verdade, atrás de cada letra, uma tristeza, de cada imagem uma percepção sobre si mesmo.

Atrás de cada nuvem um céu, atrás de cada estrela um planeta, atrás de cada ponto uma galáxia. Atrás de cada um, um novo alguém. Um alguém além dele, um alguém além de você, um alguém além de mim.

Sadico-aristocrata.

Por que não me lê?

               Meus olhos são anúncio
                                         poético
                                         ambulante
                                         em frente
                                         a você
                                         por isso
                                         questiono
                                         a ti

                                                         Por que não me lê?

                          Minha presença é romance
                                                        belo
                                                        na estante
                                                        esperando
                                                        encanto
                                                        que só o
                                                        leitor provê
                                                        portanto
                                                        questiono

                                                                           Por que não me lê?

                                                           Meu amor é grafite
                                                                   em seus
                                                            meus
                                                     Muros
                                                 é arte
                                            mais que
                                         moderna
                                    (acredite)
                                   dizendo
                         que a amo

                                                 Por que não me lê?


                                                          Parece

                                                            Que

                                                            Seu

                                                           Olhar

                                                           Foge

                                                          Desvia

                                                           Corre

                                                        Persegue

                                                              O

                                                           Vazio


                               Então                         


                                                       Me

Persiga!

                                              Sou só vazio sem você



Sadico-aristocrata

Eu acordo já imerso no nada, sem nenhuma surpresa, uma vez que fui dormir na inexistência. Do nada brota o tédio. Brota a TV, o celular, o tablet, o “qualquer coisa com tela que se conecta com a internet”. Um riso ou dois, muitas imagens, notícias, informação inútil. Um livro que não acrescenta nada. Um filme depois que não quer dizer muita coisa.
E todo dia é assim, quando não, ela se lembra de mim ou eu me lembro dela. Quando é ela, ela me manda um “bom dia”. Quando sou eu não mando nada porque ela não vai responder. Lembro um pouco das conversas que talvez tenhamos tido no dia anterior. Lembro dela me repreender por dizer que me acho sozinho. “Você não é sozinho, você sabe disso”. Lembro de tentar conversar com outra pessoa e ser ignorado de maneira brutal através de uma cordialidade falsa. Falsamente brutal ou falsamente cordial? Já não importa…
Em algum momento eu me lembro do meu estado de inércia, de ser agora só mais alguém no mundo que não sabe se tudo que planeja no mundo dará certo pra ele e pro planeta. Em outro momento eu decido chamá-la, em outro decido alertá-la pra demora, em outro decido fazer outra coisa enquanto ela não responde, em outro não decido mais nada. Não navego, só naufrago.
Quando já esqueci tudo ela aparece e provavelmente vamos pro Tumblr (esse aqui mesmo). “Vamos”. Eu vou, ela também, eu lá, ela aqui ou o contrário. Eu em minhas muitas faces tentando preencher exaustivamente esse meu vazio que meu psicólogo de agora duvidável competência não conseguiu descobrir a causa, causa essa que ela se nega a aceitar ou aceitar que eu aceite como “a causa” ou não conclui o evidente como eu concluo.
Ora, como não conseguiu descobrir, como não acha que seja realmente isso? Você que lê esse texto já deve ter descoberto e concluído o mesmo que eu. Falta vida, falta eu, falta gente, falta o óbvio. Se até você caro leitor já deve ter notado, o que ela quer que eu conclua? Que estou vivendo de maneira feliz, cercado de suficiente amor e vivendo o inverso da solidão? Como assim "eu sei que não sou sozinho"? Eu não sei de nada, nunca soube, mas olhando os fatos, o que ela quer que eu acredite que seja?
Ora, eu me sinto, eu acho que estou muito sozinho, não sei porque e nem como parar de ser e estar, pois eu sinceramente não consigo, mas é o que eu acho. Afinal, o que você concluiria no meu lugar? Afinal, o que você quer que eu conclua se não isso?
—  Mateus M. Nascimento, também sádico-aristocrata às vezes, mas aqui sou só o que sou mesmo, uma metade do anarcoamor.
Já passou aquela alegria
Aquele meu motivo pra viver
Aquela sensação intensa
Aquela fantasia
Aquele sonho em te ter
Passou… Passou…
A maré de inspiração passou
Passou…
Passou passando…
Se foi e ficou a dor
A agonia
Tristeza profunda
Melancolia.
Se passou a alegria e a inspiração
Ora
Por que o amor não passa?
Ele não me serve mais de nada
Devia passar também.
—  Sadico-aristocrata
prazer sem sentido
acaba
ilusão
prazer
acessório
compulsão
prazer
vício
aflição
prazer
droga
sensação
prazer
cada vez mais é
cada vez menos
prazer
objeto
substituição
prazer
buraco
tampão
prazer
outra
“solução”
prazer
para a tristeza
diversão
prazer
presidiário
masturbação
prazer
genérica
elucidação
prazer
que cria lágrimas
desenha sorrisos
prazer
eterna resolução
ciclo insólito
prazer
enquanto
solitário
remédio
necessário
prazer
vazio
solidão
prazer
eternamente solitário
eternamente necessário
eternamente prazer
eternamente…
solução
—  Sadico-aristocrata, mas poderia ser Mateus M. Nascimento.
(In) Cômodo

No meio do cômodo um incômodo. No meio do incômodo um cômodo. No meio do cômodo incômodo um meio. No meio de tudo um conto e tudo o que eu quero que saibam, não sei se vale a pena saber.

No meio do cômodo a cama, no meio da cama o próprio eu e o próprio incômodo ambulante. Não pensa, só diz ser pensante, não sente como antes, não pensa nos pensantes e nem anda como ser andante. Não existe na prática. É só incômodo.

No meio do incômodo um cômodo, no meio do cômodo uma cama, no meio da cama o eu, no meio do incômodo que sou, que me tornei, que me tornaram. Em busca da vida procurei, vivi, chorei, cuidei enquanto precisavam ser cuidados. Nunca me cansei. De mim se cansaram. Virei incômodo abandonado no meio do cômodo, dormindo, ouvindo a vida passando gemendo de sono.

No meio do cômodo incômodo um meio de me acomodar. Procurei viver como sempre quis viver, me entreguei e depois me disseram que não queriam que eu me entregasse. Apossaram-se de mim, me consumiram, depois devolveram. Choraram, de seus amores se separaram, os salvei do penhasco do afeto e depois me jogaram de lá. Agora tenho medo de tentar de novo e me acomodo no incômodo para evitar o forçado sono, para evitar ser rejeitado.

No meio de tudo um conto e tudo o que eu quero que saibam Ainda me veem como útil às vezes e só assim não me sinto inútil. Conto a verdade da mentira da mentira a inverdade, escondo todo e qualquer ponto. Conto o conto, sou feliz e ponto, me encho de vaidade.

Não sei se vale a pena saber, não sei se vale a pena pensar, tentar, rir ou chorar. Sei que vivi intensamente com pouco e fizeram tudo o que temia. Fizeram-se de todo meu sentimento o dono e o abandonaram. Agora não sei como interagir, como conversar, como fazer, cheio de medo do ressentimento, do abandono, de acontecer de novo com o tempo.

Caso vá ou não acontecer, se vai ou não ocorrer de novo, se vale a pena encarar o abandono nos olhos, melhor não saber. Simplesmente esqueceram e esqueceram que eu não esqueço. Não vivo, vegeto. Não morro, injeto lembranças e ilusão para sobreviver. Há mundo fora do quarto? Há mundo fora do cômodo incômodo?

sadico-aristocrata

Reside
Na fila de espera para                                                                                              
O esquecimento                                                                                                         
Persiste
Contra sua frieza, contra                                                                                          
O tempo                                                                                                                   
Existe
Em uma estranha esfera de                                                                                   
Sentimento                                                                                                             
Resiste
À razão                                                                                                                    
Ao discernimento                                                                                                         
Consiste
Em emoção                                                                                                             
Sem pensamento                                                                                                         
Subsiste
À sua indiferença                                                                                                         
Ao meu sofrimento                                                                                                         
Coexiste
Com meu tédio, com minha espera                                                                         
Meu desalento                                                                                                         
Amor que
           Existe
           Utópico
           Insiste
           Mórbido
           Persiste
           Sórdido
           Resiste
           Imortal                                                                                                         
Imortal
Por enquanto
Resistente
Portanto
Forte
Porém
Banal.                                                                                                                      
                     Um dia me liberto
            Um dia esqueço.                                                                                           
Rotina na vida de um mero mortal.
—  Sadico-aristocrata, sempre sádico consigo mesmo.
Apodreço
Frio
Porque o Sol nunca brilha
Amanheço
Frio
E meu cadáver só esfria
Boia
No rio
E meu sangue colore a paisagem
Invisível
No frio
De um mundo sem Sol
Sem calor
Sem vida
Sem paisagem
Sem amor
Sem gente
Sem tudo
Só ausência
Carência
De calor
De amor
De gente
De alegria
De vida
De um mundo
De tudo.
—  sadico-aristocrata
Cada dia uma loucura
Diária
Na cama, na poltrona
Em toda parte.                                                                                                                
Todo dia meu remédio
Diário
Tem páginas, sons, imagens
Episódios, temporadas aparte.                                                                                    
Todo dia me embriago contra a loucura,
Tomo minha dose diária de arte.
—  Sadico-aristocrata
Sobre meus vícios, minhas faces e nosso amanhã

As coisas nunca se desenharam muito fáceis pra mim. Claro que às vezes as formas e as cores se fizeram belas, às vezes em alguns tons de azul claro, ou rosa, mas sempre sobrepostas a alguns tons de roxo escuro e preto. E agora, assim como sempre, esses tons escuros apenas permanecem, mas, assim como nunca, parecem existir únicos, unânimes, invioláveis.

Mesmo durante a infância esses tons claros já demonstravam sinais de escuridão. O garoto que ia bem na escola mas que passava a maior parte do seu tempo sozinho, imaginando coisas, permitindo que sua mente o drogue, o faça viajar sem sair do lugar, o faça anestesiar-se da solidão de alguma forma.

Empilhar terra pra imaginar uma cidade ou posicionar tralhas, vassouras entre outras coisas e imaginar um avião ou toda uma batalha aérea, e nada mudou muito, exceto os anos e as formas de me iludir, fugir da realidade, que sempre me pareceu sinônimo de um entediante convívio comigo mesmo, um duro convívio comigo mesmo.

Eu brinquei na terra até não ter mais acesso à terra. Depois passei a me maravilhar com algumas coisas que eu demonstrava ser bom, como memorizar capitais de países, como jogar jogos simples, porém difíceis, que envolvem salvar uma princesa ou alguém muito importante para o personagem que parecia estar em perigo. Ilusão, diversão, ou seja lá como devemos chamar, durou até o videogame quebrar (ou eu quebrar o videogame pela minha característica impaciência).

Os anos foram se passando e as ilusões se transformaram em vícios, se transformaram em clichês, do qual me anestesiava o tempo todo e passei a querer mais e mais. Daí nasceu o Mateus Filósofo, o Mateus ateu, o “especialista” em evolução, “especialista” em tecnologia, o fã de quadrinhos, e também me arrisco a dizer que também nasceu o Mateuso, o melhor amigo. Esse surgiu basicamente do nada, do inesperado, de uma face boa de mim que eu mesmo não conhecia.

Eu posso dizer que o Mateus Filósofo, o Mateus ateu ou o entusiasta da teoria evolutiva surgiram da minha necessidade por respostas, assim como o Mateus “amante da tecnologia” e fã de quadrinhos surgiu da minha necessidade de fugir do mundo real, do mundo duro que sempre me pareceu. Mas o outro Mateus é uma face minha que não nasceu de uma ilusão, não nasceu de uma necessidade minha de me drogar, mas depois tornou-se também uma espécie de droga. Nasceu de uma necessidade que nunca me dei conta, talvez da minha necessidade por amor, carinho, compreensão.

Eu sempre me viciei e me mantive firme fazendo coisas que descobri ser bom e que descobri me fazer algum bem, suprindo alguma necessidade, e não foi diferente quando me descobri bom dando conselhos sobre coisas que nunca vivi, ou quando me descobri bom tentando cuidar de alguém que conhecia a pouco tempo (mas que logo esse tempo se esticou), ou quando me descobri bom simplesmente gostando, simplesmente amando, simplesmente tentando ser feliz de alguma forma junto dela. E daí, por isso, do nada surgiu “O Mateuso”, não da minha necessidade de fugir da realidade, mas sim do meu acaso de encontrar na realidade algo tão doce, tão belo, algo que me fez tão bem quanto as coisas que sempre encontrei fora dela. Talvez tenha sido a minha primeira “ilusão” que era tão real quanto dois e dois são quatro, tão real quanto a própria realidade. Descobri que poderia ser feliz de alguma forma me apegando a isso também, como algo que te fez bem e se quer o tempo todo, como o amor, como o chocolate, como meu filme favorito, como se fosse meu jogo favorito, onde eu tenho que me esforçar pra salvar uma princesa que está triste ou algum membro da minha família que não está legal (no meu caso, uma irmã) e que no fim todo mundo fica bem, com alguns fogos de artifício, alguma festa ou algo do gênero.

E, claro, com o tempo as coisas foram se esticando, foram crescendo. Ela me foi como uma fresta por onde vi que a realidade também possui coisas boas, que não necessariamente se deve fugir dela, mas abraça-la (às vezes literalmente, e nunca me canso de fazer isso). Por mais que não exista cláusula de sanidade, o mundo “real” também tem seus atrativos. E depois disso passei também a valorizar mais as pessoas a minha volta, amigos, a próprias escola, tudo. E eu quis, mais do que nunca, que fosse real o que eu escrevi lá nos primeiros meses de amizade, que em um amanhã eu a visse mais linda, mais amiga, com mais amor, em um amanhã que pareceu utópico, mas que no fim das contas não era, e que chegou. Por mais inesperado que parecesse, ele chegou, e se mostrou tão bom quanto eu quis que ele fosse, tão bom quanto eu previ e acreditei com todas as minhas forças que fosse chegar.

Logicamente, ele não foi perfeito, mas sobrepondo o sabor amargo de algumas lágrimas ficaram sorrisos radiantes cercados de profundos amores, profundas alegrias, profundas “covinhas”. Claro, o “amanhã” não foi perfeito, mas não foi imperfeito o suficiente pra tirar nossa crença no próximo amanhã, pra nos fazer deixar de persegui-lo e, portanto, nos tirar o crachá de “sonhadores”. Claro, ele não foi perfeito, mas não foi imperfeito a ponto de deixar de ser belo, lindo, leve, e, novamente, ser uma realidade que parecia mais uma ilusão de algum momento em que quis me esconder de algo real, mas não, era apenas a mais pura realidade. Nunca me acostumei com tanto amor por todos os lados ou a ser tão feliz com alguma coisa, mas aprendi também que, quando a realidade se mostra tão boa, não é bom questioná-la muito, só se deve mostrar-se livre e vivê-la.

E talvez tenha sido aí meu erro: questioná-la muito, confiar pouco, ter pouca fé. “Questioná-la”. Assim, de maneira genérica. Questionar ela, questionar a própria realidade, a própria existência, ou, quando devia questionar, questionei de maneira errada o meu futuro, o que eu queria pra mim mesmo, o que devia fazer, e no fim acabei jogado em um mar de neuroses, de paranoias, de medo de atirar pela janela um amanhã que previ três anos atrás e levei os mesmos três anos construindo. Medo. Puro medo de que tudo se pinte em tons ainda mais escuros, que esses tons claros que mostraram a cara por algumas semanas se escondam e não se mostrem nunca mais. E talvez eu esteja cometendo erro sobre erro pensando essas coisas.

Obviamente, não perdi aquele último fio de esperança de um amanhã ainda tão feliz quanto o ontem que acabou de passar, mas minha descrença nele cresce cada vez mais. Claro, não perdi a sensação de que você vai estar nesse amanhã pra sempre, mas meu medo de que isso não seja verdade cresce cada vez mais. Sim, não perdi nem meio por cento do amor que sinto, mas sinto também que meu afeto por tudo se desgasta um pouco a cada momento, e que em um futuro próximo eu não vou me importar mais com nada, nem com meu amor próprio. Às vezes o amanhã se desenha muito belo e por isso é fácil descrevê-lo num texto. Às vezes o amanhã se desenha obscuro, e talvez seja mais fácil pintá-lo em um quadro, desenhando uma noite escura, iluminada em alguns pontos por raios que colorem o céu de cinza.

E, por último, é claro que eu não perdi minha velha característica de criar ilusões, imaginar demais sobre a realidade pra fugir da minha própria solidão patogênica, e me firmo sobre livros, filmes, etc, mas também me firmo sobre elementos que não necessariamente estão fora da realidade, além de elementos que só estarão em um amanhã distante ou que tenho tanto aqui quanto no futuro.

Por mais que às vezes minha cabeça doente acredite que não, não vai acontecer e que se quer o tenho agora, eu sei, muito além de qualquer loucura, que o que possuo é a meta de qualquer pessoa que começa a conversar com outra só pra se sentir bem, ou que possuo tudo o que alguém que se sente, que tem diversos problemas só por se sentir sozinho, deseja e desejaria: uma amiga que eu sei que tá lá, que eu sei que me ama de forma igual ou maior que eu a amo, que me faz um bem, mesmo não estando tão presente, muito maior do que o bem que faço a ela ou o bem do qual mereço, e que essas coisas vão continuar comigo, porque literalmente são minhas e só minhas assim como o espaço que ela ocupou dentro de mim é dela, e só dela, e vão continuar comigo pelos próximos três, trinta, trezentos milhões de anos, e em qualquer lugar do universo em que eu esteja. Vão continuar comigo assim como seu sorriso vai continuar me encantando dentro e fora de mim, vão continuar comigo assim como ela vai continuar sendo, assim, e só assim, linda, e em um grau muito próximo da perfeição.

Extremamente. Muito próximo da perfeição, muito próxima de ser perfeita, porém, delicadamente imperfeita, porque a perfeição pode ser atingida de várias formas, de vários jeitos, mas as suas imperfeições e defeitos a fazem ela, a fazem única, como as imperfeições de uma pedra de diamante, que junto de seu brilho inigualável fazem dela a única no mundo, no universo, em todos os universos possíveis…  Fazem dela linda, e não só, mas muito além do descritível ou do imaginável.

Sadico-aristocrata, porque às vezes o Mateus, o Mateuso e o Sádico são a mesma pessoa.