aristocratas

a vida não tem sentido
a vida não faz sentido
a vida não precisa
não tem que fa
zer sentido a
vida não é
como u
m rio
seta
car
ro
r
u
a
vi
da
não
faz s
entido
p o rque
não preci
sa fazer sen
tido nenhum
para ser a   pró
pria  Vida    some
nte é   somente  o
sentido   que   você
der à ela, ela é com
o obra de arte, poe
ma, poesia, folha e
m branco, quadro,
companhia, filme
religião, professi
a, só faz sentido
quando você d
á sentido à el
a, só fica co
mpleta  qu
ando  alg
uém  a i
nterpre
ta e  a
i com
plet
a s
eu
s
e
n
ti
do
com
seu p
róprio
sentido.
—  Sadico-aristocrata
Eu acordo já imerso no nada, sem nenhuma surpresa, uma vez que fui dormir na inexistência. Do nada brota o tédio. Brota a TV, o celular, o tablet, o “qualquer coisa com tela que se conecta com a internet”. Um riso ou dois, muitas imagens, notícias, informação inútil. Um livro que não acrescenta nada. Um filme depois que não quer dizer muita coisa.
E todo dia é assim, quando não, ela se lembra de mim ou eu me lembro dela. Quando é ela, ela me manda um “bom dia”. Quando sou eu não mando nada porque ela não vai responder. Lembro um pouco das conversas que talvez tenhamos tido no dia anterior. Lembro dela me repreender por dizer que me acho sozinho. “Você não é sozinho, você sabe disso”. Lembro de tentar conversar com outra pessoa e ser ignorado de maneira brutal através de uma cordialidade falsa. Falsamente brutal ou falsamente cordial? Já não importa…
Em algum momento eu me lembro do meu estado de inércia, de ser agora só mais alguém no mundo que não sabe se tudo que planeja no mundo dará certo pra ele e pro planeta. Em outro momento eu decido chamá-la, em outro decido alertá-la pra demora, em outro decido fazer outra coisa enquanto ela não responde, em outro não decido mais nada. Não navego, só naufrago.
Quando já esqueci tudo ela aparece e provavelmente vamos pro Tumblr (esse aqui mesmo). “Vamos”. Eu vou, ela também, eu lá, ela aqui ou o contrário. Eu em minhas muitas faces tentando preencher exaustivamente esse meu vazio que meu psicólogo de agora duvidável competência não conseguiu descobrir a causa, causa essa que ela se nega a aceitar ou aceitar que eu aceite como “a causa” ou não conclui o evidente como eu concluo.
Ora, como não conseguiu descobrir, como não acha que seja realmente isso? Você que lê esse texto já deve ter descoberto e concluído o mesmo que eu. Falta vida, falta eu, falta gente, falta o óbvio. Se até você caro leitor já deve ter notado, o que ela quer que eu conclua? Que estou vivendo de maneira feliz, cercado de suficiente amor e vivendo o inverso da solidão? Como assim "eu sei que não sou sozinho"? Eu não sei de nada, nunca soube, mas olhando os fatos, o que ela quer que eu acredite que seja?
Ora, eu me sinto, eu acho que estou muito sozinho, não sei porque e nem como parar de ser e estar, pois eu sinceramente não consigo, mas é o que eu acho. Afinal, o que você concluiria no meu lugar? Afinal, o que você quer que eu conclua se não isso?
—  Mateus M. Nascimento, também sádico-aristocrata às vezes, mas aqui sou só o que sou mesmo, uma metade do anarcoamor.
Por que não me lê?

               Meus olhos são anúncio
                                         poético
                                         ambulante
                                         em frente
                                         a você
                                         por isso
                                         questiono
                                         a ti

                                                         Por que não me lê?

                          Minha presença é romance
                                                        belo
                                                        na estante
                                                        esperando
                                                        encanto
                                                        que só o
                                                        leitor provê
                                                        portanto
                                                        questiono

                                                                           Por que não me lê?

                                                           Meu amor é grafite
                                                                   em seus
                                                            meus
                                                     Muros
                                                 é arte
                                            mais que
                                         moderna
                                    (acredite)
                                   dizendo
                         que a amo

                                                 Por que não me lê?


                                                          Parece

                                                            Que

                                                            Seu

                                                           Olhar

                                                           Foge

                                                          Desvia

                                                           Corre

                                                        Persegue

                                                              O

                                                           Vazio


                               Então                         


                                                       Me

Persiga!

                                              Sou só vazio sem você



Sadico-aristocrata

se todo fim é um começo
se todo começo é um fim
estaríamos nós no fim do começo
no começo do fim?
seria a tristeza o preço
ou a nota de aviso do futuro?
seria meu choro espesso
as boas vindas de um amanhã obscuro?
seriam as lágrimas o jeito
do destino me obrigar a mudar
a me adaptar
de me preparar para um duro,
escuro,
sozinho,
futuro?
fim, começo
começo enfim
seria o fim das promessas e planos
o fim de conselhos, juras, anos
abraços, cafés, quadros
sentimentos, sorrisos, enganos
o fim do começo
ou o começo do fim
o regresso, breve
do sentimento leve, feliz, alegre
o fim triste e célebre
do sentimento sufocante, infeliz, intempérie
o início do começo
das minhas solitárias conversas frente ao espelho
o começo do fim
do choro sob o travesseiro
das reflexões profundas no chuveiro
a morte desse ser em mim
seria o fim de conselhos, risadas
o fim de alegrias, piadas
o fim dessa parte colorida
que morou e mora antes e depois do fim
que seja então,
o fim
você vai pra um lado
eu vou pro outro
e tudo o que sobe desce
tudo o que vai volta
todo fim é um começo
todo começo é um fim
se já acabou nos vemos no começo
se é o começo, nos vemos no fim
mas nos vemos
se é fim ou começo, tanto faz
uma hora sempre acaba assim como sempre começa
se estou esperando terminar ou começar,
não faz diferença
logo acaba, logo começa
terminam outros para começar novos
e novos
conselhos, risadas, planos
piadas, sorrisos, anos
alegrias, choros, enganos
lágrimas, encontros, cafés
outros planos
encontros, tristezas, mais anos e anos…
—  Mateus(o), pois se todo fim é um começo e todo começo é um fim, nos vemos no fim do começo ou no começo do fim, porque só acaba para começar de novo.
prazer sem sentido
acaba
ilusão
prazer
acessório
compulsão
prazer
vício
aflição
prazer
droga
sensação
prazer
cada vez mais é
cada vez menos
prazer
objeto
substituição
prazer
buraco
tampão
prazer
outra
“solução”
prazer
para a tristeza
diversão
prazer
presidiário
masturbação
prazer
genérica
elucidação
prazer
que cria lágrimas
desenha sorrisos
prazer
eterna resolução
ciclo insólito
prazer
enquanto
solitário
remédio
necessário
prazer
vazio
solidão
prazer
eternamente solitário
eternamente necessário
eternamente prazer
eternamente…
solução
—  Sadico-aristocrata, mas poderia ser Mateus M. Nascimento.
Cada olhar

E cada olhar esconde um outro olhar, um olhar que não quer que saibam, não quer que vejam, não quer que sintam.

E cada olhar frágil e sentimental esconde um outro já duro e infeliz, que cresce a cada baque, que incha a cada tombo, que só vai crescer contra o tempo e tomar o controle.

E cada olhar duro e frio esconde um sentimento depressivo, que não se sente vivo na palavra mais plena, que não se sente completo com outro olhar distante ou próximo do seu, que não consegue gostar de alguém de verdade ou não consegue que gostem de si de maneira verdadeira.

E cada olhar despreocupado e despercebido esconde uma consciência crescente, ardente, eloquente. E cada olhar mórbido e morto esconde a beleza ilhada de sua vida utópica. E cada mente popular esconde outra mente que ninguém conhece, ninguém vê ao certo.

Atrás de cada retina se esconde uma espécie de ilusão, o que quer ver ou o que querem que veja. Atrás de cada texto há uma verdade, atrás de cada letra, uma tristeza, de cada imagem uma percepção sobre si mesmo.

Atrás de cada nuvem um céu, atrás de cada estrela um planeta, atrás de cada ponto uma galáxia. Atrás de cada um, um novo alguém. Um alguém além dele, um alguém além de você, um alguém além de mim.

Sadico-aristocrata.

(In) Cômodo

No meio do cômodo um incômodo. No meio do incômodo um cômodo. No meio do cômodo incômodo um meio. No meio de tudo um conto e tudo o que eu quero que saibam, não sei se vale a pena saber.

No meio do cômodo a cama, no meio da cama o próprio eu e o próprio incômodo ambulante. Não pensa, só diz ser pensante, não sente como antes, não pensa nos pensantes e nem anda como ser andante. Não existe na prática. É só incômodo.

No meio do incômodo um cômodo, no meio do cômodo uma cama, no meio da cama o eu, no meio do incômodo que sou, que me tornei, que me tornaram. Em busca da vida procurei, vivi, chorei, cuidei enquanto precisavam ser cuidados. Nunca me cansei. De mim se cansaram. Virei incômodo abandonado no meio do cômodo, dormindo, ouvindo a vida passando gemendo de sono.

No meio do cômodo incômodo um meio de me acomodar. Procurei viver como sempre quis viver, me entreguei e depois me disseram que não queriam que eu me entregasse. Apossaram-se de mim, me consumiram, depois devolveram. Choraram, de seus amores se separaram, os salvei do penhasco do afeto e depois me jogaram de lá. Agora tenho medo de tentar de novo e me acomodo no incômodo para evitar o forçado sono, para evitar ser rejeitado.

No meio de tudo um conto e tudo o que eu quero que saibam Ainda me veem como útil às vezes e só assim não me sinto inútil. Conto a verdade da mentira da mentira a inverdade, escondo todo e qualquer ponto. Conto o conto, sou feliz e ponto, me encho de vaidade.

Não sei se vale a pena saber, não sei se vale a pena pensar, tentar, rir ou chorar. Sei que vivi intensamente com pouco e fizeram tudo o que temia. Fizeram-se de todo meu sentimento o dono e o abandonaram. Agora não sei como interagir, como conversar, como fazer, cheio de medo do ressentimento, do abandono, de acontecer de novo com o tempo.

Caso vá ou não acontecer, se vai ou não ocorrer de novo, se vale a pena encarar o abandono nos olhos, melhor não saber. Simplesmente esqueceram e esqueceram que eu não esqueço. Não vivo, vegeto. Não morro, injeto lembranças e ilusão para sobreviver. Há mundo fora do quarto? Há mundo fora do cômodo incômodo?

sadico-aristocrata

Apodreço
Frio
Porque o Sol nunca brilha
Amanheço
Frio
E meu cadáver só esfria
Boia
No rio
E meu sangue colore a paisagem
Invisível
No frio
De um mundo sem Sol
Sem calor
Sem vida
Sem paisagem
Sem amor
Sem gente
Sem tudo
Só ausência
Carência
De calor
De amor
De gente
De alegria
De vida
De um mundo
De tudo.
—  sadico-aristocrata
Ele vai
Ele volta
Ele salta
Ele solta
Ele some
Ele molda
(Des)constrói
Destrói
Revolta
Lento
Anda
Aos saltos
Plana
Com os dedos
Corre
Com os medos
Salta
Pula
Morre
Ou não?
Será ele imortal?
Ele sempre volta no fim
Ou no meio
Ou depois do meio
Antes do fim
No meio do tiroteio
Meio cego
Em devaneio
Cai ferido
Faz seu drama
Sua lástima
Seu belo discurso
Sua mágica
Encanta
Emociona
E vai deixando de emocionar
Seus dedos vão cansando
Os tiros param
A poeira caindo
A pólvora acabando
E tudo volta ao normal
Ele pro hospital
Até que esteja pronto
De novo
Pra chamar a atenção no meio do tiroteio
Pra receber uns tiros e olhares do povo
Para provocar algumas lágrimas e se sentir importante
Pra tentar inspirar um livro novo na estante
Pra guardar na história o próprio momento
Pra registrar na memória um único instante
Pra ser algo além de um adolescente melancólico
O sádico-aristocrata hora vai hora volta
Hora pega hora solta
Abre os braços e se deixa perfurar
Faz seu drama finge a morte
Agoniza, chora
Corre
Pra se curar da dor
Pra fugir dela
Pra depois correr até ela
De band-aid na mão,
Alvo na testa,
Pra fazer do sangue seu show,
Da realidade poesia,
Da pólvora literatura,
Da vida apostasia
Da dor nostalgia
E da eternidade
Uma eterna tentativa de se preencher
E voltar pra cama chorando cada vez mais vazio.
—  sadico-aristocrata