apoiamos

Foi a perda que nos uniu

Sabíamos exatamente o que era se sentir assim… tristes, desnecessários, largados. E um aconselhava o outro dizendo que tínhamos que seguir em frente, tentar achar um novo motivo para sorrir. Encontrar novas alegrias. E foi a perda daquelas pessoas que nos uniu. Foi como nos encontramos, como nos apoiamos, demos as mãos e sem nem perceber fomos seguindo em frente, dia após dia dando pequenos sorrisos um com outro. Acho que nós salvamos um ao outro, e acho que o amor também acontece assim, de alguma forma.

Nanda Marques.

Best Friends? - Zayn Malik

Pedido: Quero um com o Zayn em que eles são bff mas ela gosta dele e ele namora, ai ele termina com a namorada quando fica sabendo que a sn gosta dele. Os dois ficam juntos, bem chiche.

Obs: Fiz de tudo para ficar o mais chiche possível hahaha espero que gostem!


(Narrado na terceira pessoa)

Na mesa rodeada por amigos e familiares, Zayn apresentava animadamente sua nova namorada.

Gigi Hadid.

Alta, loura, olhos claros e modelo. Era linda, sem dúvidas.

O moreno de brilhantes olhos castanhos tinha o braço em volta da cintura da loura que distribuía risos e sorrisos para todos da mesa.

Ela queria agradar todas as pessoas que eram importantes para Zayn, isso é um fato inegável.

Porém, alguém que ela provavelmente nunca conseguiria agradar era s/n, a melhor amiga de Zayn. Eles eram amigos desde a infância, cresceram e foram criados juntos, eram praticamente irmãos.

Bom… s/n não se importaria de ser rotulada como “irmã de Zayn Malik” se não nutrisse uma paixão pelo mesmo desde a adolescência.

Ela sabia que estava sendo egoísta por não ter exibido ao menos um sorriso na direção de Gigi, mas isso era algo que ela não podia evitar.

Passou todo o jantar calada, apenas dando pequenas garfadas em sua comida e forçando pequenos sorrisos quando alguém a encarava.

Zayn, do outro lado da mesa, estranhava o comportamento de s/n. Ela costumava ser a mais agitada e falante, e ver a amiga quieta durante todo o jantar foi algo inédito.

O moreno tentava a todo custo se manter entretido na conversa da namorada, porém, a preocupação com sua amiga falava mais alto, e tudo o que ele conseguia fazer era concordar com tudo que Gigi falava.

Assim que o jantar acabou, a conversa ainda fluía entre as pessoas da mesa; menos por s/n, é claro, já que a mesma continuava calada, encarando sua taça de vinho como se fosse a coisa mais importante do mundo.

Pedindo licença para sua namorada e para os outros dos quais mantinha conversa, Zayn se levantou, disposto a descobrir o que estava acontecendo com s/n.

O homem se abaixou até ficar na mesma altura que a amiga, que nem havia reparado em sua aproximação até escutar a voz do moreno em seu ouvido.

- Podemos conversar lá fora? - Zayn perguntou.

A mulher se arrepiou da cabeça aos pés ao escutar o sussurro do homem em seu ouvido. Era constrangedor e humilhante o efeito que ele tinha sobre ela. Ela quase podia sentir o seu estômago revirando como se milhares de borboletas estivessem ali.

Aquilo era tão clichê.

Apenas concordando com a cabeça, a garota o acompanhou até o lado de fora do restaurante.

Gigi e Trisha observavam aquilo desconfiadas. A namorada do moreno sabia da forte amizade que o mesmo cultivava com s/n, mas isso não lhe fazia ficar menos enciumada do quão próximos os dois pareciam.

Já Trisha, mãe de Zayn, não podia deixar de se sentir feliz pela aproximação dos dois. Não que ela não gostasse de Gigi, até porque a loura parecia fazer seu filho feliz, mas à vontade de quê seu filho namorasse com s/n sempre foi grande, desde a adolescência dos dois. Na verdade, todos que os conheciam, sempre botavam fé de que ambos ficariam juntos.

Do lado de fora do restaurante, o vento relativamente forte e ameno fazia os cabelos da garota voarem. As mãos dela soavam apenas pelo fato de estar sozinha na presença de Zayn, e ela achava aquilo tudo tão patético.

- Você está bem? - Zayn perguntou mesmo já sabendo a resposta. - Você está calada, isso não é normal. - Disse brincando enquanto tentava aliviar o clima.

- Eu estou bem, Zayn. - Respondeu-lhe enquanto mordia o canto de sua bochecha, ato que fazia apenas quando estava nervosa. - A Gigi é muito bonita.

- É sim. - Concordou um pouco confuso com a súbita mudança de assunto. - Isso tem algo a ver com seu comportamento estranho hoje?

- Eu estou normal, Zayn.

- É claro que está, s/n. - Ri irônico. - Eu te conheço o suficiente para saber quando algo te incomoda.

- Será que conhece mesmo? - Perguntou cínica. - Nós não somos os mesmo de anos atrás, Zayn.

- Mas somos melhores amigos desde sempre. - O moreno disse começando a se irritar com as atitudes infantis da mulher. - Sempre apoiamos um ao outro independente de qualquer coisa. Você me apoiou quando entrei para o X Factor, me apoiou quando a mídia caiu em cima de mim, me apoiou quando eu saí da banda, me apoiou quando comecei minha carreira solo… você sempre esteve lá por mim, s/n, assim como eu sempre estive aqui por você. Mas agora eu não entendo o que está acontecendo com você. Desde que a Gigi chegou você ficou calada, mal a cumprimentou, e apenas deu falsos sorrisos enquanto ela tentava puxar assunto com você! Eu não sei o que…

- EU SOU APAIXONADA POR VOCÊ, PORRA! - A mulher gritou atraindo alguns olhares de pessoas que passavam por ali e fazendo com que os olhos de Zayn se arregalassem. - Sou apaixonada por você desde o ensino médio, quando você beijou a Jade no baile de primavera e eu senti o meu coração se partir, logo me dando conta de quê não era apenas amor fraterno que eu sentia por você. Sou apaixonada por você desde quê você bateu no Brad por ter dado em cima de mim, quando na verdade só estávamos tentando fazer ciúmes em você. Sou apaixonada por você desde quando você conquistou todas as garotas do mundo com sua voz, e eu tive que aguentar tudo calada enquanto na verdade, estava morrendo de ciúmes. Eu te amo desde quando descobri o que é amor, Zayn.

A mulher já deixava as lágrimas correrem livremente pelo seu rosto. Ela sabia que não daria mais para voltar atrás. Ela já havia se declarado para seu melhor amigo.

A respiração de Zayn estava totalmente desregulada. Ele estava em uma daquelas situações em quê você fica totalmente perdido e sem saber o que fazer.

Ele havia mesmo acabado de escutar uma declaração de sua melhor amiga?

Bem, parece que sim.

Cansada de esperar por uma resposta do moreno, s/n apenas sorriu fracamente e acenou com a cabeça, como se tivesse compreendido alguma coisa.

- Não precisa responder, Zayn. Eu já entendi.

E agora, sem esperar por uma resposta, a garota virou as costas, entrando no primeiro táxi que passou por ali.

3 meses depois.

S/n arrumava suas malas calmamente, tentando aproveitar ao máximo os últimos minutos que passaria ali, em sua casa em Londres.

Em poucas horas ela estaria embarcando para Nova Jersey, para um proposta de emprego irrecusável.

Ela sabia que teria que deixar tudo para trás e se desapegar totalmente de sua vida em Londres, e tinha que admitir que isso lhe assustava um pouco.

Estava deixando para trás familiares, amigos, e o grande amor de sua vida que no momento deve estar ocupado demais com sua namorada para ficar ciente de sua viagem por tempo indeterminado.

Dias após o ocorrido no restaurante, Zayn tentou diversas vezes se comunicar com s/n. Lhe ligava sempre que possível, mandava mensagens no celular e na caixa postal da mulher que nem ao menos eram abertas. Ela não queria conversar com ele; o silêncio de Zayn após sua declaração já havia valido muito mais que qualquer outra palavra de rejeição.

Após um longo banho e um pouco de enrolação para se despedir de sua casa, s/n agora estava em um táxi a caminho do aeroporto.

O tempo estava frio e nublado; estava um dia triste, de fato.

Triste não só para s/n, que estava na incerteza de deixar tudo para trás, mas também para Zayn, que corria desesperadamente pelas ruas de Londres em seu carro, pensando em algum plano para reconquistar sua garota.

Há poucos minutos Zayn havia recebido de sua mãe a notícia de que s/n estaria deixando o país. Ficou completamente transtornado, tentou se comunicar com a garota milhares de vezes, mas sem sucesso. Tentou até mesmo ir em sua casa, mas o porteiro de seu prédio disse que a mulher já havia deixado o local.

Ao chegar no estacionamento do aeroporto, Zayn saiu rapidamente de seu carro, quase deixando-o aberto devido ao desespero de entrar no local.

O lugar estava lotado, mas Zayn poderia reconhecer a milhares de quilômetros os cabelos longos e brilhosos de sua garota.

- Espera, s/n. - O moreno gritou na esperança que a garota escutasse mas ela estava longe demais para isso. - Desculpa, desculpa. - Ele pedia para cada pessoa que trombava até chegar na mulher.

S/n já se preparava para entregar sua passagem quando escutou alguém gritando seu nome. Se virou rapidamente, não escondendo sua expressão surpresa ao ver Zayn correndo ao seu encontro.

Algumas pessoas da fila reclamavam da demora da garota, outras olhavam curiosas para a cena, e algumas até filmavam a cena por reconhecerem Zayn.

- Não vá embora. - O garoto pediu ofegante. - Por favor.

- Zayn? O que você está fazendo aqui?

- Vão demorar aí? - Escutaram o grito de reclamação de um homem no final da fila.

- Deixem os jovens se acertarem, garoto. - Uma velhinha no retrucou e Zayn sorriu para a mesma em sinal de agradecimento.

- Desde aquele dia do restaurante eu não paro de pensar em você… em nós. - Disse envergonhado. - Sei que fui um otário por não ter me declarado para você naquele dia, mas foi tudo tão de repente que fiquei sem palavras. Depois daquilo, eu tive até mesmo que terminar com Gigi porque não parava de pensar em tudo o que você havia me dito; Eu não tinha me dado conta dos meus sentimentos até ter a notícia de que talvez pudesse ficar sem você. Eu também te amo s/n, muito. Espero que possa me perdoar por ter demorado tanto para perceber isso.

S/n observava tudo aqui atordoada. Ela esperava o momento que acordaria com o despertador tocando às 07:00 AM para que ela pudesse perceber que tudo aquilo não passava de um sonho.

Zayn e os restos das pessoas observavam-a com expectativa; até mesmo o cara que havia reclamado da demora, agora estava ansioso pela resposta da garota.

Mas, antes mesmo que pudesse cobrar uma resposta, Zayn sentiu um peso contra ele e logo depois lábios macios contra os seus.

Se tudo aquilo fosse um sonho, pelo menos havia acontecido o que a garota sempre sonhou…

Finalmente havia conseguido beijar Zayn Malik.


XxXGaby

Imagine com Zayn Malik

Parte 1 (xxx) Parte 2 (xxx)

S/c - Seu nome completo. 

Desculpe qualquer erro, escrevi pelo celular :/

~~~~~~~~~~~~~~~~~

Zayn’s point of view. 

Mensagem on. 

“Pelo amor de Deus, me responde, porra” - Zayn

“S/n já é a quadragésima mensagem que eu deixo para você.” - Zayn 

“Me responde caralho ou eu juro que vou na sua casa.” - Zayn

“Puta que pariu S/n. Eu vou te matar, não estou brincando” - Zayn

Entregue. 

Visualizada. 

Escrevendo…

“Hahaha, gostou da fotinha, amor?” - S/n

“QUE PORRA DE FOTO É AQUELA CARALHO, FALA QUE É BRINCADEIRA E QUE VOCÊ TEM UMA DESCULPA MUITO BOA POR TER ME DEIXADO ESPERANDO NO RESTAURANTE.” - Zayn

“Surpreso, amor? Eu também fiquei surpresa quando fiquei sabendo que você transou com a Luana e depois com a minha melhor amiga, minha MELHOR AMIGA ZAYN! Nada melhor que pagar na mesma moeda, certo?” - S/n

“O que? Olha, vamos conversar direito okay? Eu posso passar ai na sua casa? Saímos para conversar ou sei lá.” - S/n

“Zayn, acabou! Chega, pra mim já deu. Desde o começo do nosso namoro eu te avisei que jamais aceitaria traição e porra Zayn, você me traiu com a minha melhor amiga.” - S/n

“Eu estou implorando, vamos conversar. Eu prometo te explicar tudo, por favor. Foi um erro.” - S/n

Traição não é um erro, é uma escolha. Você escolheu isso, então agora sofra com as consequências e me deixa em paz! É tudo o que eu te peço, adeus.” - S/n    

“POR FAVOR, VAMOS CONVERSAR CARALHO. Eu estou arrependido, eu te amo tanto S/n” - Zayn

Entregue.

Visualizada. 

Mensagem off. 


Não, não, não, não, não! Mil vezes não. O que eu fiz? Eu.. eu perdi a mulher da minha vida, eu perdi a pessoa que eu mais amo por diversão. Eu vou atrás dela, ela vai voltar pra mim, ela sempre volta.  

Peguei a chave do carro e fui em direção á casa dela. Eu vou ter minha garota de volta, passo por cima de tudo e de todos, nada mais importa agora, eu só quero consertar o meu erro e seu feliz com ela.  

Virei a esquina da casa dela e lá estava ela, descendo do táxi e entrando em sua casa. Aumentei a velocidade e logo já estava estacionando o carro de qualquer jeito. Com o barulho que o pneu fez minha garota olhou para trás com cara de assustada e logo sua cara fechou quando me viu descendo do carro. 

– Hei, calma, vamos conversar. - corri em direção a ela que já estava pronta para abrir a porta. - Por favor. - agarrei seus braços a trazendo para perto de mim. 

– Ah Zayn, por favor. Eu te disse que acabou, me deixa em paz, porra. - disse tentando se soltar. - Me solta caralho. - disse um pouco mais alto e então eu a soltei. 

– Vamos conversar, por favor?. Você quer que eu me ajoelhe? Pois bem, eu faço isso. - disse ficando apoiado em meus joelho. 

– Não… Levanta agora. - suas pequenas mãos agarraram meus braços fazendo esforço para me levantar. - Zayn, meus pais estão em casa, facilita. Eles podem te pegar aqui a qualquer hora, porra. - sorri, eu adorava quando ela falava palavrão. Qualquer coisa ficava excitante saindo da boca dela. 

– Eu não ligo, eu faço de tudo para ter você de volta. -  S/n gargalhou. - Eu te amo demais e não quero te perder. 

– Pensasse isso antes de me chifrar. Agora levanta e sai fora daqui. - ela seu olhar transbordava ódio. 

– Caralho eu já disse que foi um erro, foi coisa do momento. Por favor. - meus olhos lacrimejavam, eu iria chorar. 

– Zayn… Por… por favor, vai embora. - ela continuava tentando me levantar.

– Só se você prometer conversar comigo hoje e agora. E depois disso eu vou embora. 

– Okay, Zayn. - sorri levantando rapidamente. - Vamos conversar lá no quintal do fundo. 


Ela saiu andando depressa pelas laterais da casa, onde dava o quintal do fundo, fui logo em seguida dela e em segundo já estávamos lá. 

– Comece. - ela me olhou cruzando os braços. - Mas vou logo avisando, suas tentativas não serão validas. Eu estou ciente do que quero. 

– Eu te amo. - S/n deu uma risada falsa. - Eu te amo mais que tudo. Nunca pensei que podia amar alguém com essa intensidade. Pensei que nunca mais voltaria a amar depois de tudo o que aconteceu comigo no passado. Mas ai você apareceu na minha vida e eu guardei minha armadura e me apaixonei completamente por você. E esse tempo que passamos juntos você me mostrou o que era amar e ser amado, verdadeiramente. Eu juro por tudo o que é mais sagrado que eu não estou mentido. - respirei fundo. - Eu.. eu, eu enfrentaria tudo por você, você sabe disso. Te disse milhares de vezes, seus pais, a escola. Eu iria preso por ti, mas no final eu sabia que você estaria aqui, esperando por mim. Eu nunca te magoaria, mas eu magoei. Eu sinto tanto. -peguei suas mãos e olhei em seus olhos. - Eu sei, o que eu fiz não tem perdão, mas eu estou aqui. Implorando para você. - colei nossas testas. - Estou implorando para você voltar para mim. Eu não tenho palavras pra expressar o quanto eu estou tão arrependido. - dei um selinho leve em seus lábios. 

S/n deixou escapar as lagrimas que tanto segurava, segurei em seus ombros a trazendo para mim e abraçando fortemente, colocando sua cabeça em meu peito. Minha garota.

Ficamos mais de minutos naquela posição, S/n chorava alto molhando minha camiseta branca. 

– Zayn. - ela disse se soltando e limpando seu rosto molhado por lagrimas. - Me diz, por que? Por que você fez isso comigo? 

– Eu fui moleque. Não tenho uma explicação para isso, eu fui um lixo. Eu não sei por que eu fiz isso. 

– Porra caralho, até com a Luana. - ela falou mais alto. 

– O que? Não, eu te juro. Eu nunca fiz nada com a Luana, ela nunca veio com segundas intensões comigo e eu muito menos com ela. 

– Mas você fez isso com a minha melhor amiga amiga. - fungou. - Minha melhor amiga. - repetiu olhando em meus olhos, eu senti a dor em seu olhar. Eu sou um lixo. 

– Me perdoa… Por favor, eu faço tudo por ti.

Zayn, eu amei você mais do que nunca. Mais do que minha própria vida. - ela soluçou.-  A melhor parte de mim eu te dei. Eu sei que ela era atraente, mas eu estava aqui primeiro. - sorriu sem humor. - Por que merecia ser tratada desse jeito por você?

– O que eu posso fazer pra você me perdoar? Eu faço tudo. Eu caso com você e nós vamos viver…. - fui interrompido.

– Não Zayn, não tem como passar a borracha e fingir que nada aconteceu. 

– Eu sei que não meu amor, mas podemos recomeçar. - segurei seu rosto. - Vai ser tudo diferente, eu prometo. Confia em mim? 

– Zayn, eu te amo demais. Você sabe disso. - sorri. - Mas eu preciso de um tempo. Eu… vou te dar um tempo para provar que posso confiar em você de novo. - sorri e selei seus lábios calmamente. 

– Eu te amo e espero o tempo que for pelo seu amor. - a abracei pela ultima vez e sai daquele quintal.

Mas eu sei que voltarei. 


~~~~~~~~~~~~~~~~

S/n’s point of view


6 meses depois. 


Depois de seis longos meses sem o Zayn, confesso que foi um inferno. Nos primeiros meses que via Zayn na escola dava uma vontade enorme de voltar correndo para os braços dele. Dizer o quanto o amava e o quanto eu sentia falta dele. 

Zayn estava muito mais magro e já não brincava com todos como antes, varias pessoas perguntavam o que estava acontecendo e ele apenas sorria e dizia “Vai ficar tudo bem.” Me doía muito ver ele assim, mas eu preciso de um tempo, eu sei que ele está arrependido. Zayn me mandava rosas todos os dias em minha casa, meus pais sempre me perguntavam quem era o tal ‘’admirador secreto’’ mas eu sempre desviava o assunto. Ainda não está na hora.

No quinto mês eu sai com dois carinhas, mas nada muito sério. e depois, no começo do sexto mês eu acabei me envolvendo com um novato para tentar esquecer ele, novamente e infelizmente ou felizmente isso chegou até o Zayn. Dois dias depois chegou um buquê enorme de flores Fúcsia - a minha preferida.- E com um bilhetinho dizendo:   

“Eu te amo e espero o tempo que for pelo seu amor.“

E aqui estou eu, me preparando para abrir o jogo para meus pais.

– Mãe. Pai. - disse me sentando em uma cadeira em frente a eles. - Vocês se lembram de todas as flores que eu recebi nesses últimos meses né?.

– Sim princesinha. - revirei os olhos ouvindo o apelido que meu pai usou.

– Você finalmente vai contar quem é seu admirador secreto? - mamãe disse animada. 

– Am… Sim! Bom, então. - respirei fundo. - Quem mandou todas essas flores foi o Zayn. 

Meu pai fechou a cara levantando-se do sofá rapidamente acompanhado pela minha mãe. 

– SEU PROFESSOR DE HISTORIA? VOCÊ ESTÁ SAINDO COM SEU PROFESSOR DE HISTORIA S/N? - ele gritou fechando a mão em punho. 

– Papai por favor!. - levantei-me tentando acalma-lo. 

– ELE É BEM MAIS VELHO QUE VOCÊ E O PIOR ELE É SEU PROFESSOR CARAMBA. SEU P-R-O-F-E-S-S-O-R. - disse pausadamente.

– Eu sei, mas eu me apaixonei por ele. Eu amo ele e ele me ama, pai.

– Amor, ela ama ele, ele ama ela e talvez podemos dar uma chance para eles. É amor, lembra quando começamos namorar? Você tinha 20 anos e eu 17.  - mamãe disse tentando acalmar meu pai. 

– Eu sei mas… mas é diferente. Ela é nossa princesinha. - meu pai disse se sentando no sofá. - Eu confio em você, se você ama ele e tem certeza que ele te ama. Vai fundo. Nós te apoiamos. 

– Obrigada. - sorri abraçando os dois. - Vocês não sabem o quanto isso é importante pra mim. Eu amo vocês. 

– Nós te amamos também, princesinha. - papai disse me dando um beijo na testa.  - Mas… Vocês podem deixar esse namoro em segredo? Por um tempo. Zayn pode se prejudicar por isso. 

– Pai faz 16 meses que começamos a namorar, demos um tempo mas agora está tudo bem. - sorri e meus pais me olharam surpresos.

– Uau! Então, eu desejo toda a sorte do mundo para vocês. Ah… quero conhecer meu genro. - meu pai piscou sorrindo pra mim. 

Agradeci mais uma vez e sai no quintal. Peguei o celular no meu bolso e disquei o número tão conhecido por mim. Depois de dois toques ele atendeu o celular. 

“ – Oi, meu amor. - ouvi a voz rouca de Zayn e sorri. - Como você está?”

“ – Eu estou bem, Zayn. Eu tenho uma coisa pra te contar. - falei com a voz triste, tentando fazer drama.” 

“  – Está tudo bem mesmo? Por favor S/n, você desistiu de mim? - ri com o tom de desespero em sua voz. - Não ri, eu estou desesperado.”

“  – Calma, Zayn. Você pode vir aqui em casa? Meu pai que conhecer o genro dele!.”

“ –  O que? Meu Deus, você está brincando? Por favor diz que não.”

“ – Estamos te esperando.” 

Disse e finalizei a ligação.

– Mãe? Pai? Zayn está vindo aqui. 

– Oh! Por que você não disse antes princesinha? - papai se levantou e foi em direção a cozinha.  - Vou fazer aquela picanha ao molho com batata frita.

– Só você mesmo. - mamãe resmungou dando um beijo em sua bochecha esquerda.

Ouvi a campainha tocar e fui correndo atender. 

– Boa noite meu amor. - a imagem de Zayn apareceu me fazendo sorrir. 

– Você foi rápido. - Zayn sorriu e selou meus lábios delicadamente. - Bem vindo a família, meu amor. 


(…)


5 anos depois.


– Eu, Zayn Javadd Malik, prometo amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza,na saúde e na doença, e que nem a morte nos separe. - Zayn colocou a aliança de ouro em meu dedo anular da mão esquerda.

Eu estava com um sorriso enorme, mal cabia em meu rosto, mas não estava diferente de Zayn. 

– Eu, S/c, prometo amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza,na saúde e na doença, e que nem a morte nos separe. - repeti o ato feito por Zayn. 

– Em nome da Lei. Eu os declaro marido e mulher. - Pode beijar a noiva.

Zayn me deu um beijo lento e carinhoso, logo depois se agachou beijando minha barriga. 

– Eu amo vocês. - Zayn disse me pegando no colo.  


~~~~~~~~~~~~~~


ficou curtinho mas tudo bem…. Não ficou do jeitinho que eu queria ://.. enfim, a ultima parte do imagine está ai!! 

No silêncio de uma tarde chuvosa, observando o pingar da chuva na janela, eu paro e penso: As pessoas são como aqueles pingos de chuva transcorrendo. Elas nunca têm um caminho pontilhado a seguir. Vão sempre na direção que é mais favorável a elas. E nós acabamos como um apoio, no meio de um caminho. E acontece sempre assim. Elas caem, apoiamos, elas se erguem, nós caímos pelo peso que cada um leva dentro si, e ficamos lá. Mas, e aí? O ambiente não está favorável para elas, não é? Nessa parte elas vão embora, o vento as leva, outra vez.
—  Londres, 1999.
...

fomos um eclipse, baby. o momento exato em que a lua encontra o sol mesmo com suas nítidas diferenças. um quente, exalante, impetuoso e repleto de paixão ardente. o outro frio, imprudente, sagaz e exalando amor por todos seus orifícios.
tivemos nossas chances de sermos felizes, nos apoiamos, cuidamos um do outro e vivemos da forma mais intensa possível. queríamos cada segundo narrado em algum curta metragem, porém teremos apenas alguns textos, fotos, músicas e cheiros como recordação. nosso encontro terminou, darling, que os astros nos console.

É setembro
Somos os filhos da sociedade superficial
E ainda assim sentimos a profundidade das emoções
Somos aqueles que recebem julgamentos ao invés de apoio
E ainda assim erguemos o olhar e nos apoiamos no que quer que seja
Somos os chamados de fracos, covardes, sem fé, frágeis
E ainda assim sabemos que nossa luta exige mais força que qualquer outra
Somos os chamadores de atenção, os criadores de drama, os desesperados
E ainda assim nos equilibramos em uma fina linha de esperança
É setembro
Nos vejam
Nos notem
Nos ouçam
Nos aceitem
Porque nesse mês amarelo é tudo o que queremos
Chances, motivos, vida, esperança
E que nesse setembro
Nossas vidas signifiquem um pouquinho mais
Sigam um pouquinho mais
E que a cor da esperança
Seja o amarelo
—  “Setembro Amarelo de 2016”, Verônica Nunes de Holanda, a-menina-girassol

O que é o Projeto Reconhecidos?

Criado com o objetivo de conhecer novos textos, trazer novas histórias, e tornar reconhecidos bons escritores e seus tumblrs. Sabemos que há vários projetos assim, que aliás, queremos deixar bem claro que admiramos e os apoiamos, porém quanto mais, melhor, não é mesmo? Nosso projeto é formado por uma equipe de tumblrs que não serão divulgados, seremos anônimos, mas estaremos sempre aqui pra ajuda-los.

Como faço para participar?

Em suas autorias (pode ser autoria própria ou não) usem a tag #projetoreconhecidos. Os administradores e parceiros, estarão todos os dias olhando a tag e reblogando, com o intuito de divulga-los. Não há preferência quanto a gênero. Você poderá também, nos enviar por submit o link de suas autorias.

Extras

Teremos destaques semanais (quem utilizar mais a nossa tag) e texto destaque mensal (quem tiver mais reblogue com nossa tag). Além de games, reblogues, e dicas. 

Para mais informações leiam a nossa faq, ou podem nos perguntar, fiquem a vontade. 

Obrigada a todos que participarem.

Equipe PR

Em Seus Olhos - Cap 34

Vanessa?

- Estou aqui? – sua voz estava rouca, ela estava chorando. - Me desculpe Clara. Eu não queria que me vissem chorando, é que aquilo tudo foi demais para mim, me desculpe.

- Demais? Você não gostou? – eu me aproximei e limpei algumas lagrimas em seu rosto. 

– Clara, cada palavra que você disse..bem.. Como vou explicar? Você é mais do que eu poderia desejar, para alguém em pedaços como eu, alguém que não acreditava mais em amor, você é o sonho de qualquer mulher, eu achei que não tivesse mais o direito desse tipo de felicidade, eu achei que esse sentimento estava banido para mim.

- Vanessa? O que esta acontecendo? – ela limpou as lagrimas e olhou para mim, havia dor no seu rosto, seus olhos não eram mais os mesmos de alguns minutos atrás, eu não pude ver nada ali, não havia brilho, não havia nada, eu não consegui me ver mais nos olhos dela.

- Podemos ir embora por favor?

- Claro.

Fomos para o quarto em silencio, eu sabia que ela não iria querer me contar nada agora, mas eu tinha que saber, dessa vez eu tinha que saber, quando chegamos, ela foi para o banheiro e ficou lá, eu podia ouvir ela chorando, eu respirei fundo e me segurei, ela precisava do espaço, precisava desse momento sozinha, peguei uma cerveja e fui para a sala para aguardar, mas me levantei no mesmo segundo que ouvi a porta do banheiro se abrir, Vanessa surgiu na sala com os olhos e o rosto extremamente vermelho, eu larguei a garrafa e fui abraça - lá, e ela me abraçou com força, com muita força.

- Vanessa, eu sei que você tem problemas, que você precisa de espaço, mas dessa vez você vai ter que se abrir comigo, eu não posso deixa você assim, eu tenho que saber o que esta acontecendo, e seja o que for eu vou te ajuda, ou vou compreender.

Ela começou a chorar de novo nos meus braços, eu beijei sua cabeça, e voltamos para o quarto, ela se soltou de mim e sentou no chão no fim da cama encostando sua cabeça no colchão.

- Eu atendi um telefonema mais cedo, era minha irmã, ela me contou que meu ex tem tentado descobrir onde eu estava, ela disse que ele falou com muita gente e eles não puderam descobrir quem contou a ele, mas agora ele sabe e.. e – ela começou a chorar de novo, eu me sentei ao lado dela, ela respirou fundo e limpou as lagrimas, ele sabe onde eu estou, e ele disse que se eu não voltar para o Brasil ele vai acabar com a minha vida, ele disse que..

- Vanessa, calma, ele não pode fazer nada para acabar com a sua vida, você esta aqui, e ele esta no Brasil, e mesmo que ele viesse para cá, eu não deixaria nada acontecer a você.

- Clara, ele disse aos meus irmãos que domingo ele estará aqui para me levar de volta, ele disse que se eu não for por bem, ele vai fazer um escândalo na embaixada, vai me acusar de ter trazido drogas ou qualquer outra coisa que seja.

- Ele não pode fazer isso.. – Ele não pode, mas ele vai, imagina o meu nome na embaixada, eles vão querer investigar, eu teria que passar por um monte de interrogatórios, e provavelmente teria que voltar para o Brasil, e eu poderia nunca mais conseguir vir para cá Clara, eles não vão descobrir nada, porque não tem o que ser descoberto, mas seria um problema, e porque eles ficariam do meu lado de uma estrangeira? Seria mais fácil fazer um acordo, do tipo, você volta para o seu pais sem problemas, mas não pisa mais aqui- ela começou a chorar desesperadamente de novo.

- E porque ele quer que você volte para lá? Vocês não terminaram?

- Eu terminei, eu dei um basta, mas eu já tinha conseguido o visto para viajar, eu já estava deixando tudo pronto para terminar e viajar no dia seguinte, assim ele não viria atrás de mim, quando eu terminei ele ficou furioso, mas disse foda-se então, ele me falou um monte de merda, me xingou, disse que eu não seria nada  nem ninguém sem ele, que eu nunca conseguiria alguém que gostasse ou me suportasse, que eu era burra e que eu me arrependeria de terminar um namoro de quase nove anos, nove anos Clara, passeio quase nove anos com alguém que me fez muito mal -  ela baixou a cabeça e apoiou nas mãos.

- Vanessa, o que esse merda fez para você? – ela ficou em silencio por alguns minutos, eu pensei que ela fosse ignorar minha pergunta mas ela ergueu a cabeça, e me olhou com muita dor nos olhos.

- Eu vou te contar, eu não sei muito bem o que falar, como contar isso. Entenda não é algo que me de orgulho, é algo que quero enterrado, mas essa merda me persegue – ela não estava olhando para mim, suas mãos estavam tremendo e seu olhar estava desolado, eu queria fazer algo, mas fiquei com medo que ela parasse de falar, eu queria saber o que a atormentava tanto, queria entender para saber se eu podia ajudá-la.

- Quando minha mãe faleceu, meu mundo simplesmente desabou, eu não sabia ao certo o que sentir, tudo era doloroso, tudo era frustrante, eu nunca tive um bom relacionamento com meu pai, isso desde sempre, mas eu imaginei que isso fosse mudar, que ele fosse ser mais compreensível, mas não foi o que aconteceu, eu não vou dizer sobre as inúmeras brigas que tivemos, vou pular essa parte – ela respirou fundo e continuou – Bom, eu só tinha minha mãe, era ela quem me apoiava em tudo, que me elogiava, que me ouvia, eu não sei explicar o quanto eu amava minha mãe, e o quanto ela era essencial na minha vida – quando ela se foi eu me senti mais sozinha do que nunca. Eu tinha conseguido um emprego que durou um mês, eu saia com meus amigos mais próximos, fui viajar com minha família, mas sempre que eu voltava para casa eu ficava sem ar de tanto chorar, meus olhos doíam meu corpo doía a dor era angustiante Clara, três meses depois eu ainda estava na mesma forma, a falta que minha mãe fazia era desesperadora,então eu conheci o Austin, ele era engraçado, me fazia rir quando eu menos esperava, ele era cuidadoso comigo, e muito bonito, eu me senti atraída por ele, mas nada exagerado, eu não queria me envolver, mas ele começou a me ligar com mais freqüência, passávamos horas no telefone, e saiamos as vezes, ate que ele me beijou e foi bom, nada de paixão, eu não senti meu coração disparar nem borboletas no estomago, mas ele era o mais próximo de algo bom para mim naquele momento, então eu me agarrei aquilo, ao que ele estava me oferecendo, ele me pediu em namoro e eu não aceitei de inicio, mas depois eu pensei, Ah! Eu não tenho nada a perder – Vanessa eu um sorriso irônico para si mesma, ela ainda não estava olhando para mim. – Logo no inicio, eu comecei a ver que as atitudes dele tinham mudado, ele estava possessivo, se alguém olhasse para mim ele surtava, começou a me ligar o dia inteiro, para ter certeza que eu estava em casa e que eu não estava falando com ninguém, ele chorava, esmurrava as portas e paredes quando sentia ciúme de mim, e eu não fazia a menor idéia do porque daquilo tudo. Então ele começou a me agredi verbalmente, me xingava quando o ciúmes tomava conta dele, quando eu saia ele me ligava para saber com que roupa eu estava com quem eu estava falando, quem estava perto de mim, eu confundi isso com proteção, com carinho, eu queria ser amada por alguém como minha mãe me amava, ela me amava acima de muitas coisas,ela se sacrificou por mim e minha irmã inúmeras vezes. Eu estava confusa e perdida, e quando eu pude, quando eu tive forças para parar aquilo eu não fiz, eu fui compreensiva com Austin, eu déia ele amor, na esperança de que ele melhorasse, engoli muita ignorância da parte dele, para apoiá-lo, para ajuda0lo a melhorar, mas não foi o suficiente, então ele começou a ter mais acessos de raiva, a primeira vez que ele me machucou foi com um puxão de mão, quando estávamos na rua, ele teve ciúmes de mim e esmagou meus dedos, eu fiquei assustada inicio, mas achei que não era nada demais, eu deveria ter deixado ele onde estava e saído, ter sumido da vida dele naquele momento, mas não foi o que eu fiz, para piorar as coisas, meu pai tinha arranjado uma outra mulher, nós não queríamos brigas, então eu e minha irma apoiamos, só que meu pai continuava sendo menos pai o possível, eu me sentia desprotegida e sozinha, eu não tinha apoio em casa, mas mesmo com as grosserias do Austin ele me apoiava e dizia me amar. Ate que um dia em uma discussão boba na cama, estávamos só deitados, ele se levantou me empurrou para o chão e chutou minhas costas, eu não soube o que fazer a não ser chorar, ele me pediu desculpas logo em seguida, e eu não queria ter que voltar para casa, eu ficava mais na casa dele do que na minha, a presença do meu pai era desgastante, depois dessa vez, alguns familiares do Austin vieram de outra cidade e ficaram na casa dele, e assim que eles dormiram, ele arranjou mais um motivo pra brigar, ele me arrastou pelos pés para a cozinha fechou a porta e me espancou, eu juro, eu chamei eu pedi ajuda, mas ninguém ouviu, eu já estava sem voz, eu nem tinha forças para chorar ou pedir ajuda, quando ele parou e viu o que tinha feito ele chorou e me pediu desculpas. Quando me vi no espelho meu rosto não estava marcado, mas o corpo sim, eu estava toda roxa, foi imediato, tamanha força que ele usou, eu desabei, eu comecei a pensar como aquilo tinha acontecido, como eu pude deixar aquilo acontecer? Eu terminei com ele, mas ao voltar para casa ele ainda me ligava, me pedia desculpas, e minha relação com meu pai só piorava, eu não queria incomodar ninguém com meus problemas, eu fui fraca e nós voltamos, na verdade eu fui burra, Clara, eu passei oito anos com esse homem, depois de alguns anos ele já não me espancava como antes, mas ainda me agredia com  palavras, eu deixei de fazer tudo que eu gostava, parei de ver meus amigos, parei de me cuida, parei de sair, parei de ser eu mesma, em algum ponto acabei me tornando um pouco como ele, eu comecei a entender as coisas como ele, com ciúmes com nervosismo, e quando demonstrei isso para ele, bom …ele surtou, é claro que ele não ia querer alguém como ele. Nós nos separamos mais algumas vezes, mas acabávamos voltando, ate que minha vida deixou de fazer sentido, e eu me peguei querendo morrer -  ela tinha voltado a chorar, a soluçar, eu não precisava mais ouvir nada, eu queria matar o desgraçado, eu queria ele na minha frente para matar ele aos socos e ponta pés, eu puxei ela para meus braços, deixei que ela chorasse e esperei que ela se acalmasse.

- Não fique assim, por favor, agora eu entendo porque você quer deixar seu passado para trás, eu não vou falar mais disso, eu quero que você esqueça esse mostro. – Meu sangue ferveu mais do que podia imaginar, eu fiquei olhando para ela chorando no meu colo, o desgraçado já tinha machucado ela de todas as formas possíveis, e ainda queria continuar machucando-a. – Eu nunca faria uma coisa dessas, eu não teria a coragem de fazer isso,eu jamais encostaria um dedo em você meu amor, eu vou te proteger sempre que eu puder você não vai com esse louco Vanessa, simplesmente não vai, eu vou falar com ele, Luis, a policia, nós explicaremos tudo hoje, contamos quem é ele -  ela me olhou com os olhos vermelhos ainda.

- Clara, ate explicar tudo isso, eu já estaria sendo interrogada, ninguém aqui vai querer esse tipo de problema, eu tenho que voltar, mas eu vou dar um jeito nisso, eu só não sei como ainda – ela começou a chorar de novo, meu peito estava apertado, estava difícil ate de respirar, e eu não conseguia pensar em nada que fosse útil, eu só podia pensar em ver aquele desgraçado atrás das grades.

Cê topa?
  • Você: Fala sério, Luan, jamais esperava isso de você! -diz irritada-
  • Luan: Não é culpa minha, eu não quis! -se defende-
  • Você: Cê devia bater o pé e dizer que não
  • Luan: Eu sei... Mas é a minha carreira, minha imagem que está em jogo! Será que cê não entende?
  • Você: Luan pensa, porra! A mulher que aceitar isso só vai pensar no seu dinheiro e na sua fama!
  • Luan: Você diz isso de qualquer mulher que eu fico
  • Você: O que posso fazer se você só se envolve com vagabunda?
  • Luan: Cala boca SeuNome, olha o que cê tá falando! -altera o tom de voz-
  • Você: A VERDADE!
  • Luan: E O QUE VOCÊ SUGERE QUE EU FAÇA? QUE BOTE VOCÊ PRA SER MINHA NAMORADA DE MENTIRA JÁ QUE NENHUMA OUTRA PRESTA?
  • Você: PELO MENOS EU NÃO ESTARIA FAZENDO ISSO POR DINHEIRO E FAMA! -só então você se dá conta do que disse e o Luan te olha assustado-
  • Luan: Não poderia colocar você nisso.. -sua voz saia num sussurro-
  • Você: E porque não? Prefere por uma vagabunda que depois pode sujar mais sua imagem do que sua melhor amiga que tem bastante intimidade com você e que não faria esse namoro parecer tão falso?!
  • Luan pensa um pouco.
  • Luan: Não vou fazer isso. -ele vai saindo do seu quarto-
  • Você vai atrás dele e segura seu braço.
  • Você: Eu sei que isso parece uma loucura, mas sou sua amiga te conheço bem. Ninguém iria desconfiar desse falso romance e vai, não seria uma namorada tão ruim assim..
  • Luan: Não SeuApelido, tá decido.
  • -
  • No dia seguinte, assim que acordou o Luan foi atras dos pais pra pedir conselho.
  • Marizete: Acordou cedo meu filho -diz passando a água do café-
  • Luan: Na verdade nem dormir direito mamusca
  • Amarildo: O que aconteceu filho?
  • Luan: A Dag quer acabar com minha fama de pegador
  • Marizete: E como ela pretende fazer isso?
  • Luan: Contrando uma mulher pra fingir um namoro
  • Seu Amarildo e a Dona Marizete fazem cara de reprovação.
  • Luan: E a SeuNome se ofereceu pra ser essa mulher. Mas claro, sem contrato, sem dinheiro. Ela acha melhor do que pegar uma qualquer
  • Marizete continua passando o café e por fim diz
  • Marizete: E qual o problema? Se for a SeuNome, tudo bem, até apoiamos essa história.
  • Luan olha pros pais por um momento e depois sobe pra tomar banho, e Seu Amarildo continua olhando pra Dona Marizete sem entender nada.
  • Marizete: É só uma questão de tempo pra isso deixar de ser uma farsa e se tornar real.
  • Amarildo: Agora eu entendi -sorri e a abraça por trás-
  • Marizete: Ela é a melhor pro nosso filho.
  • -
  • Eram por volta das 11hrs e você pede café no seu quarto, assim que chega você arrasta a mesa até o quarto do Luan.
  • Você: Acorda, Luan! -cutuca e depois o enche de beijos-
  • Luan: Hmmm -geme e vira pro outro lado-
  • Você: Trouxe comida -sorri-
  • Luan se vira
  • Luan: Cadê?
  • Você: Mas é um gordo mesmo! -ri- Foi só dizer que tem comida
  • Luan taca uma almofada em você.
  • Luan: Shiu
  • Luan se senta e vocês começam a comer
  • Você: Ainda não entendi porque não posso dormir no mesmo quarto que você, já que somos namorados -ri-
  • Luan te olha torto
  • Luan: Você sabe que eu não queria que você fosse envolvida nessa história
  • Você levanta os braços, se rendendo
  • Você: Eu sei, eu sei.. Mas já que estou nisso deveríamos dormir no mesmo quarto
  • Luan: Cê tá doida pra me ver de cueca né? -sorri safado-
  • Você ri
  • Você: Larga mão de ser besta, oh.
  • Vocês terminam de comer, se arrumar e descem pro hall do hotel. Dagmar olhou pra vocês de longe e fez sinal pra vocês ficarem próximos, como namorados.
  • Você: Acho isso tudo muito engraçado.
  • Luan: E nós nem assumimos nada ainda -coloca a mão na sua cintura-
  • Você: E nós vamos ter que fazer o que hoje?
  • Luan: Segundo o que a Dag disse, vamos passar essa semana saindo juntos, você me acompanhando nos shows e em tudo que eu fizer...
  • Você: Pra sermos vistos juntos, suspeitarem de algo, rolar as fofocas e.. -Luan te interrompe-
  • Luan: E depois assumimos
  • Você: Isso vai ser muito engraçado, amorzinho -fala irônica-
  • Luan: Hmm - faz bico- Vem cá meu denguinho -ele coloca o braço pelo seu pescoço e te puxa-
  • Vocês vão em direção a van e claro, tinha várias fãs a espera do Luan. Você coloca o óculos de sol e fica do lado do Rober.
  • Algumas fãs te reconhecem e vão falar com você, tiram fotos e te abraçam. Depois do Luan atender a todas as fãs vocês entram na van e vão pro local onde o Luan ia fazer uns ensaios fotográficos.
  • -
  • A semana se passou e vocês estavam se saido bem. Foram vistos em baladas, restaurantes, nos shows... A mídia toda já comentava sobre vocês dois e o Luan decidiu assumir o namoro.
  • Luan entra no Twitter e fala um pouco com as fãs e depois vai pro Instagram e posta uma foto de vocês dois.
  • Luan posta "Acho que cêis já desconfiavam, mas eu não queria dizer nada enquanto não tivesse certeza do que tava sentindo por ela e se isso ia dar certo... Parei com a safadagem amors, tô namorando... Estou muito feliz com a SeuApelido... Amo vcs 💙" Luan fecha os olhos, respira e envia a foto. Ele então bloqueia o celular e joga na cama.
  • Luan: Pronto, falei pra elas
  • Você: E agora?
  • Luan: Agora já foi, só esperar e ver no que vai dar
  • Você: Cê não vai ficar de olho?
  • Luan: Eu não, do jeito que essas muie são brabas tenho até medo do que vou ler
  • Você: Medroso!
  • Luan: Fica ai de olho então
  • Você: Eu não -ri- Eu vou é tomar banhoo!
  • Luan: Ao, vai nada, quem vai sou eu! -te puxa-
  • Você: Nãoo, Luan! Falei primeiro, poxa!
  • Luan: Mai o dono da casa sou eu
  • Você: Grande coisa! Eu sou sua namorada -ri- Devia me deixar tomar banho primeiro
  • Luan: Já que você é minha namorada pode tomar banho comigo -faz cara de safado e te pega pela cintura-
  • Você: Cê é um chato
  • Luan: Topa ou num topa?
  • Você: Mas dai não vou querer tomar banho
  • Luan: A ideia é essa -vocês sorriem e se beijam-
  • E assim vocês fazem amor pela primeira vez...
  • Após longas horas, vocês terminam o banho e vão se deitar.
  • Você: Não aguento. Vou espiar o que tá rolando.
  • Luan: Vai na fé -ri-
  • Você pega o celular, que já está cheio de notificações, e abre o Instagram e digita o user do Luan.
  • Você: Quando foi tirada essa foto?
  • Luan: A Bruna que tirou -sorri-
  • Na foto, vocês estavam encharcados devido a guerrinha de água que o Luan começou enquanto vocês, tentavam, lavar o carro. Você segurava a mangueira apontando pro Luan, que estava em posição de defesa. Os dois estavam rindo.
  • Você: Estamos parecendo mais dois amigos do que dois namorados -ri-
  • Luan: Eu ia por uma foto da gente mais grudado, mas preferi essa mostrando que estamos felizes e que somos amigos acima de tudo
  • Você: É menos impactante também -ri-
  • Por fim começaram a ler os comentários e diferente do que previam muitas fãs aceitaram você. Talvez pelo fato de você e o Luan serem vistos direto e você sempre tratar bem a todos os fãs e por o Luan nunca esconder a amizade de vocês, o que possivelmente facilitou mais na aceitação.
  • -
  • Os meses se passaram e vocês já completavam um ano de namoro. E a cada dia que ia, mais apaixonados ficavam e ninguém nem levantava a hipótese daquilo ser midiático.
  • Bruna: As vezes até esqueço que o namoro de vocês é de mentirinha -ri-
  • Você: Sabe que eu também? -ri-
  • Bruna: Não vejo a hora de você ser minha cunhada de verdade -te abraça-
  • Você ri e olha pro Luan, ele te chama.
  • Você: Quê? -diz ao se aproximar dele-
  • Luan: Hoje completamos um ano de namoro
  • Você ri
  • Você: E...?
  • Luan: E que eu acho digno da gente ir comemorar
  • Você: Acho uma boa ideia -faz bico e ele te rouba um selinho-
  • .
  • Já passavam das 20hrs, Luan te chamou várias vezes até você descer. No topo da escada você vê o Luan na maior beca com um lindo buquê de rosas vermelhas nas mãos. Você desce devagar.
  • Luan: São pra você! -te entrega as flores- Você está incrivelmente linda!
  • Você pega o buquê, Luan te pega pela cintura aproximando mais vocês.
  • A Bruna aproveita o momento e tira uma foto dos dois.
  • Bruna: Awwn tô encantada com tanta fofura
  • Você revira os olhos, ainda sorrindo.
  • Luan: Ao Piroca, aproveita e tira ota foto nossa
  • Luan te puxa pra ficar do lado dela, coloca a mão na sua cintura e te puxa pra mais perto. Vocês se olham, apaixonados, Bruna tira a foto.
  • Bruna: Lindos, perfeitos!
  • Luan te beija, e depois olha pra Bruna.
  • Luan: Deixa eu ver -Bruna mostra as fotos- Me manda pelo Whats App
  • Bruna manda pra vocês dois.
  • Você: Vamos, Lu?
  • Luan: Não, perai. Xo postar nossa foto aqui.
  • Ele edita a foto, abre o Instagram e escreve a seguinte legenda "Não sei se um dia serei capaz de retribuir todo o amor que recebo tanto das minhas fãs quanto dessa mulher maravilhosa que me atura há um ano... Sei que a gente começou mei torto, mei errado, mas a cada dia tenho mais certeza de que fiz a coisa certa e não me arrependo um dia sequer, nem mesmo quando cê tá chata e quero te jogar pela janela do hotel kkk brincadeira mor 💙 😂 Te amo a cada dia mais SeuApelido 💙💙💙" ele envia a foto e te olha. Você estava prestando atenção no celular, também editando a foto de vocês e escrevendo uma legenda. Após cada um ler o que um escreveu pro outro vocês sorriem, se abraçam, se beijam e vão pro restaurante japonês que o Luan pediu pra fazer as reservas.
  • Tudo estava incrível, mas claro, mais incrível foi a noite que tiveram ao chegar em casa.
  • -
  • Era uma tarde fria de agosto e vocês estavam vendo um bom filme enrolados num edredon.
  • Luan: Cê já pensou se fossemos mais ousado nesse nosso lance?
  • Você: Que lance, Luan? -ri- Não passa de um namoro midiático -sorri forçado-
  • Luan: Ah para, é só prestar atenção em tudo que a gente faz
  • Você fica em silêncio por um tempo e olha pro Luan de novo.
  • Luan: E então?
  • Você: Somos mais felizes que muitos casais -sorri e ele te abraça-
  • Luan: E podemos ser muito mais -te beija-
  • Luan: Sabe mais o que eu queria?
  • Você: O quê?
  • Luan: Eu, você, dois filhos e um cachorro... Diz ai, cê topa?
  • Você sorri
  • Você: Eu topo tudo com você! -você o beija-
Quando confiamos em alguém, nos apoiamos em alguém. Um dia esse alguém se vai sem despedidas e você cai, então não se apóie em ninguém. Não machuque o seu coração, se apóiem em Jesus, esse sim jamais vai te abandonar, acredite nisso.
—  Nos passos de Cristo
Em Seus Olhos - Cap 32

Passamos o resto da noite na sala, conversando, minha mãe falou de sua estufa, de como a vida continuava a mesma aqui, meu irmão contou sobre suas viagens, e de como estavam indo bem seus negócios, ele tem uma firma de advocacia, lembro quando ele disse que faria faculdade de advocacia, minha mãe e eu caímos na risada, ele também, mas depois disse que era serio, nós apoiamos ele claro, e deu certo.

- Amanha não vai dar tempo, por causa da festa, mas na quinta nós podíamos mostrar um pouco da cidade para Vanessa o que você acha?

- Se ela quiser, podemos sim – nós olhamos para ela.

- Claro, parece ser incrível.

- Tá bom, eu vou indo, nos vemos amanha, boa noite para vocês.

- Até mais Junior – Vanessa se despediu dele ainda sorrindo.

Minha mãe se despediu de nós dizendo que estava cansada e iria deitar, nós acabamos subindo também.

- Eu gostei do seu irmão, bom eu gostei dele e da sua mãe.

- Sim, eles são pessoas fáceis de gostar.

- Assim como você. – ela disse passando a mão na minha cintura enquanto subíamos as escadas.

- Eu? Bom eu não sei se posso concordar com isso, você é a primeira que me fala isso – eu deu um beijo em sua cabeça.

Minha noite não tinha sido muito tranqüila, eu acordei cedo, Vanessa estava dormindo ainda, peguei meu celular e abri a porta com cuidado para que ela não acordasse, disquei o numero, três toques depois, ouvi a voz de Luis.

-Bom dia! ..não eu não liguei para saber do Richard, e eu sei que você já falou com os sócios, Amanda me passou os relatórios, e todo o resto… sim, eu preciso de um favor. Vanessa, é do Brasil, eu preciso que você veja meios de conseguir um passe livre para estadias… Sim eu não sabia que ela era de lá, tudo bem isso não vem ao caso, eu acho que ela tem seis ou sete meses.. preciso de algo o mais rápido possível.. ela está de acordo.. América e Europa.. eu agradeço Luis.

Consegui respirar mais aliviada, Luis daria um jeito, ele tinha que dar um jeito, ouvi um barulho na cozinha era minha mãe, mexendo em algumas panelas.

- Perdeu o sono também dona Rosangela.

- Oi filha, bom dia, é acho que a agitação toda, Junior não para de falar dessa festa. Bom você o conhece bem, e você?

- É pode se dizer que perdi o sono.

- Preocupada.

- Agora não mais.

- Vanessa e a estadia eu imagino. -  me sentei no banco da bancada da cozinha, e fiz que sim com a cabeça.

- Vou fazer um chá para nós duas – ela estava colocando a chaleira no fogão – Clara, não se precipite, as coisas se ajeitam, eu acredito nisso.

- Eu realmente espero que sim mãe.

- Filha, eu nunca vi você assim, focada em alguma coisa que não fossem seus estudos ou seu trabalho, essa moça.. ela parece ter virado o seu mundo, eu vejo que você fica feliz a lado dela, com um brilho único nos olhos, mas você esta bem realmente? Esse relacionamento está te fazendo bem?

- Melhor do que eu jamais pensei. Ela realmente virou meu mundo, mas de uma forma boa, ela me fez enxergar quem eu sou, e me fez ver a vida.. todo os dias de uma forma única, só de estar ao lado dela, eu já me sinto mais viva.

- Clara – e minha mãe veio para o meu lado, ela passou seu braço na minha cintura, e beijou meu rosto. – Você a ama, as palavras que você usou, eu estou tão feliz por você Clara, não se preocupe, vocês irão conseguir dar um jeito nisso, você demorou tanto tempo para encontrar alguém que fizesse seu mundo virar, que desse um sentido as batidas do seu coração;; Ela vai bater descoordenado as vezes eu sei, assim como o meu batia pelo seu pai- eu abracei-a, e dei um beijo em sua cabeça.

- Então é assim mesmo mãe? – ela fez que sim com a cabeça, a chaleira começou a apitar, minha mãe sorriu olhando para porta, me virei, e Vanessa estava lá, linda, usando uma calça cinza colada ao seu corpo e um moletom preto.

- Bom dia! – ela disse me dando um beijo no rosto e sentando ao me lado.

- Bom dia, chá? – Minha mãe perguntou.

- Por favor.

- Bom dia a todos! – era Ana, demos bom dia a ela, minha mãe pegou uma xícara, elas tinham uma relação de amizade e não de chefe e empregado, e sempre foi assim desde sempre, minha tia Dora achava isso um absurdo, eu me levantei e dei um beijo nas duas, e beijei Vanessa suavemente.

- Eu já volto, eu só preciso ver umas coisas do trabalho no computador.

Da biblioteca eu tinha visão do jardim, e eu vi quando minha mãe foi para a estufa com Vanessa ao seu lado. Luis tinha me mandando um e-mail com a confirmação dos sócios, cada um daria seu relato, Simon também me passou as informações dos investidores, e Amanda me encaminhou o contrato assinado com os japoneses. No e-mail de Luis havia um PS, onde ele contava que já estava correndo atrás do necessário para a estadia permanente de Vanessa, mandei a respectiva resposta para cada um, e desliguei o computador.

O dia foi uma correria, um pouco depois do almoço a equipe do Buffet chegou e começou a montar tudo, eu Vanessa e Junior ajudamos a organizar, enquanto Ana levou minha mãe para dar umas voltas pela cidade, eu já estava perdendo a paciência com um garoto do Buffet que insistia em não sair perto de Vanessa, Junior ainda brincou com o garoto, oferecendo um guardanapo como babador, o que fez com que ele ficasse sem graça e parasse um pouco com o assedio, mas porque algumas queimaram Vanessa estava ajudando Junior a arrumar as luzes da tenda, então eu fui sozinha, quando voltei lá estava a droga do garoto muito próximo a Vanessa, eu larguei a caixa com lâmpadas em cima de uma das mesas e fui ate ela, eu não disse nada, eu só a peguei pela cintura e a beijei, eu não sei se o garoto ainda estava ali ou se alguém estava olhando, mas eu são queria continuar beijando-a

- Arranjem um quarto – era Junior, e ele me deu um tapa na nuca de leve -  Isso é saudade ou você esta demarcando território? – ela disse sorrindo, droga é lógico que ela sabia, eu não respondi.

- Falta muito?

- Não, só as luzes das mesas, mas o pessoal do Buffet vai arrumar isso, acho que já podemos nos arrumar agora -  Vi o garoto do outro lado da tenda nos olhando, mas assim que ele viu meu olhar, ele disfarçou.

- Acho que vamos nos arrumar um pouco mais tarde dona Vanessa -  eu disse sussurrando em seu ouvido, os olhos dela estavam cheios de desejo, peguei sua mão e fomos para dentro da casa.

- Você estava com ciúmes não estava? – estávamos na cama, enroladas no lençol pele com pele nos recuperando ainda.

- O garoto não saia do seu lado.

- Você é boba, você ainda não percebeu?

- Perceber o que?

- Clara, eu não queria ninguém, você travou praticamente uma batalha dentro de mim, trouxe a tona meu pior medo, me apaixonar por alguém novamente e cá estou eu, e já dizendo eu te amo.

- Não é com você que me preocupo, é muito irritante ver outros homens cobiçando você. – passei a mão em seus cabelos e beijei suavemente seus lábios.

- Eu faço isso todos os dias, vejo como as mulheres, até os homens queriam estar no meu lugar, eu sei o que você quer dizer, mas eu não posso demarcar você e arrastar você para um lugar e fazer sexo toda vez que alguém te cobiçar. Não que isso seja uma má idéia, mas provavelmente nós viríamos transando -  nós duas ficamos olhando enquanto sorriamos uma para o outra, eu vi o desejo nos olhos dela de novo, e ela podia ver nos meus também, mas ela se mexeu na cama e começou a falar.

- Eu acho que se não levantarmos agora, eu não vou conseguir mais deixar você sair dessa cama, eu não sei.. Mas pode ser que sua mãe note nossa ausência