anunci

Lembranças

Ouvi tua voz em minha mente, teu riso me fez sorrir, contente.

O cabelo que ficou no travesseiro, lembrei da noite que esteve comigo.

A cama é o nosso afago. Teus braços, abraços.

Tua unha de vermelho, podia sentir o toque do teu dedo, a carícia escondida, o carinho de dedo.

Nosso filme anunciou, perdi o canal para não lembrar da dor. Tua blusa de dormir, vesti em mim, abracei você.

Cabelo bagunçado, batom borrado. Brigar e se despedir.

A nossa música tocou, meu coração acelerou. Toda noite, meu celular é silencio, não ouço tua voz me lembrando do amor.

A falta que você me faz, lembrança que você me trás, todo dia no meu dia a dia é insuportável acostumar o coração, aprender a sobreviver, viver sem as manias de você, sem o cheiro, o sabor do beijo, a rotina que é dormir e acordar com um cheiro e já vou, te amo, se cuida amor.

— partesdevocê

                     “Não, eu não estou bêbada.” ela anunciou, honestamente, cruzando as pernas em cima do banquinho do bar. Embora não tivesse se afastado dali, com exceção dos momentos que passara com seu par, não estava mais do que alegrinha. Seu comportamento inusitado que constantemente era confundido com uma bebedeira, para a tristeza de Sienna. Como se não fossem suficientes as diversas situações que tinham sido impostas com a troca de patronos, a incapacidade de segurar para si seus pensamentos era bem presente. Estava sempre sendo excessivamente e dolorosamente honesta, e com a cabeça já um tanto quanto diferenciada que possuía, o que falava ficava ainda menos claro. Era bem confuso quando as pessoas tinham de acompanhar suas falas que nada mais eram que manifestações incapazes de acompanhar o fluxo de seu pensamento, principalmente quando as pessoas estavam naquele estado. “Você, por outro lado… Não quer um copo de água?

Os conselheiros reais tem o prazer de anunciar a abertura oficial da Seleção Francesa, celebrada com um Baile de Máscaras oferecido pela Corte.

“Senhoras e senhores, com vocês vossa alteza real princesa Léonie d’Orleães e príncipe Dean d’Orleãs!” - O mestre de cerimônia anunciou em meio aos fogos que iluminavam e coloriam o céu para a entrada do casal de primos no baile, que acontecia no vasto jardim do palácio. Léonie e Dean adentraram o espaço de braços dados, caminhando pelo tapete vermelho em direção ao tablado posicionado estrategicamente no centro do jardim, para servir como pista de dança, dançando juntos de modo a abrir oficialmente o baile.

One Shot - Harry Styles

  • Pedido

- Eu volto já. - Harry anunciou pegando a chave do carro e sua carteira.

- Vai aonde?

- Ali, mas é rápido. - Beijou minha testa.

- Ali não tem nome?

- Tem. Casa da minha mãe. - Sorriu de lado, acenou e fechou a porta do quarto. Lá se foi a massagem que eu estava esperando receber.

- Ok. - enrolei-me no edredom da cabeça aos pés. O jeito era dormir.

(…)

Acordei assutada com o barulho de algo caindo dentro do quarto. Era só o abajur do lado do Harry espatifando-se no chão. Procurei o causador do dano e vi Harry Styles com as sobrancelhas arqueadas e pulando de um pé só pelo quarto.

- Você só não é mais patético porque é um só. - me estiquei para ligar o meu abajur. - Onde estava?

- Na casa da minha mãe, você já sabe. - sentou-se na cama acariciando o pé machucado. O abajur caiu bem em cima do pé dele e se eu não estivesse tão irritada por ele ter chegado de madrugada eu até riria da situação.

- Até essa hora?

- E tem hora pra voltar da casa dela? - me olhou de canto de olho. Ele estava me escondendo algo. - Vai dormi (s/n), é melhor. Você está delirando.

- Tudo bem então.

Tentei dormir, mas não conseguia. Minha cabeça martelava e criava inúmeras cenas de possíveis traições. Sim, traições. Era muito estranho Harry sair de casa às 14h e voltar às 3h da manhã! Céus, eu ligaria para Anne no dia seguinte.

E foi isso que eu fiz. Enquanto Harry dormia, Anne me explicava que ele não esteve lá em momento algum e que nem sequer ligou para dar sinal de vida. Senti meu sangue ferver e ao desligar a ligação joguei meu celular com toda a força que eu conseguia nele.

- O que houve? - ele pulou assustado e coçou os olhos para encarar o celular e depois olhar pra mim. - Está louca? Por que jogou o celular em mim (s/n)?

- Por quê? Você ainda pergunta?

- Pergunto. Não sei o motivo.

- Onde esteve ontem a noite?

- Na casa…

- Não mente, Harry. Pelo amor de Deus, não mente. Eu sou capaz de arrancar seus cabelos se você continuar com essa mentira. Eu liguei pra Anne e ela me disse que você não esteve lá. - vi meu marido suspirar e amarrar os cabelos em um coque certamente com medo de que eu fizesse o que disse.

- Calma, ok? Eu posso explicar.

- Pode? - ri. - Você vai explicar e vai ser agora.

- Eu… Eu estava numa festa.

- Festa?

- É. Do George.

- Onde era essa festa?

- Num iate.

- E por que você não me chamou?

- Porque… Porque… - Harry abria e fechava a boca diversas vezes, mas não saía nada e se saía não fazia sentido. Ele estava nervoso. - P-pode me bater. - foi a única frase completa que ele disse antes de começar a chorar como uma criança após derrubar o doce no chão.

- Você não… - me calei ao vê-lo balançar a cabeça freneticamente dizendo que sim. - Droga Harry! Por que fez isso? O que eu te fiz?

- (s/a)…

- Não vem me dizer que estava bêbado, você estava bem lúcido aqui em casa quando me disse que iria pra casa da sua mãe sem ser verdade. - puxei o edredom que enrolava seu corpo e acertei diversos tapas em seu tronco, rosto e pernas.

Harry deixava que eu batesse a vontade nele e isso era o que mais me irritava, pois eu sabia que se ele estava permitindo era porque tinha errado muito. Ele mentiu pra mim, me traiu e agora havia confessado. O que eu vou fazer agora?

- Quem é ela?

- Não (s/n), isso não. - ajoelhei-me na cama com uma perna em cada lado do seu corpo e acertei mais tapas em seu rosto, dessa vez Harry segurou meus braços.

- Diz, Harry. Você está protegendo ela?

- Não, porra! Para! - me chacoalhou e sentou-se, fiz questão de sair de perto dele, mas Harry me puxou de volta. - Eu não vou te contar porque isso não vai mudar nada, ela não merece essa atenção toda, é uma mulher qualquer que me seduziu depois de eu ter bebido muito.

- Ah, e você é um pobre coitado, não é? O pobre Harry que foi seduzido e usado. - me soltei dele e caminhei pelo quarto. Meu peito estava perto de explodir e minha vontade era de matar meu marido, ou melhor ex. - Acabou, Harry!

- O quê? - eu ri.

- Você acha que eu ia ficar contigo depois de ser traída? Pode juntar suas merdas e ir embora daqui.

- (s/n), calma! Eu te contei a verdade, estou aqui arrependido te pedindo perdão. Eu… Eu não sei o que me deu. Me perdoa! - ajoelhou-se e agarrou minhas pernas. - Não me deixa! Por favor, (s/a).

- Vai.Embora.Agora. - comecei a chutar desesperadamente e a maior parte dos chutes eu acertei no tronco de Harry. - O casamento está acabado! Nessa semana ainda eu mando meu advogado ir até o buraco que você se enfiar para que você possa assinar os papéis do divórcio.

- Não (s/n). - olhei uma última vez para Harry, para aquele rosto que eu tanto admirava enquanto ele estava desacordado, para aquele homem que eu tanto amo e que eu sonhava em um dia ter filhos.

- Tchau, Harry. - sai do quarto e bati a porta com força. Entrei no quarto de hóspedes e chorei tudo o que eu prendi desde a noite passada.

Harry ainda foi atrás de mim, bateu na porta, chorou, disse que ficaria ali até o dia seguinte, mas depois de duas horas insistindo sem ouvir uma palavra minha ele decidiu ir embora.

Eu estava na sala respondendo as mensagens de Gemma, Anne e Liam quando o som do programa de fofocas chamou minha atenção. Logo a apresentadora mencionou o nome de Harry e diversas fotos dele com outra mulher no tal iate apareceu na tela.

“Samantha Nerman e Harry Styles foram vistos em clima de romance no iate na tarde desse sábado. O cantor foi muito criticado pelo fato de ser casado, mas parece que o casamento já não existe mais.” - a mulher disse e logo fizeram uma montagem de uma foto minha e de Harry sendo rasgada.

Samantha. Esse era o nome da mulher. E ela era bonita! Desliguei a televisão com agressividade e após terminar de responder todos eu desliguei o celular e fui me arrumar para jogar vôlei e tentar me acalmar.

- Sinto muito. - uma das minhas colegas de vôlei disse - Mas eu sei que ele te ama.

- Olha, eu não estou me sentindo a coitadinha da história. Harry me traiu e eu já tomei a minha decisão de acabar tudo com ele. Portanto, assunto encerrado. Eu estou bem, agora podemos continuar o jogo? - sorri de canto e ela gargalhou.

- Você sabe que eu estava zoando. - jogou a bola pra mim.

- Sei sim. - acompanhei-a na gargalhada - Harry já está arrependido e está sofrendo, isso me deixa feliz e vingada. - joguei a bola novamente pra ela.

- Você voltaria pra ele?

- Não sei, é muito recente ainda. No momento eu quero arrancar a cabeça dele pra fora.

- Qual das? - perguntou me fazendo rir ainda mais.

- Deixo que você tire as suas conclusões.

- Uh! Obrigada.

(…)

Dois meses se passaram e eu não tinha um momento de sossego. Por quê? Por dois motivos: Harry Styles me implorando pra voltar e a imprensa me perguntando se eu voltaria para Harry Styles. Eu só queria desaparecer e quando voltar tudo já estar resolvido.

- (s/n)! - assustei-me com a voz grossa me chamando.

- Que susto, Peter. - falei fazendo-o rir.

- Posso te acompanhar até o estacionamento? - perguntou e eu concordei. Estávamos saindo do trabalho, eu era publicitária - Como se sente?

- Bem?! - encarei-o - Por que não estaria?

- Seu casamento acabou há dois…

- Nem continua. - interrompi - Eu to de saco cheio das pessoas falando sobre isso, você poderia ser diferente?

- Me desculpe. - encarou o chão.

- Tudo bem. Eu que peço desculpas, fui rude com você.

- Mas eu te entendo. Deve estar sendo uma merda todos atrás de você querendo saber se vocês voltarão. Acho que esse é o único problema em namorar famosos.

- Pode ter certeza que não! Há diversos outros problemas.

- Deve ser. - deu de ombros.

- Ainda tem esperanças com a Dakota Johnson? - perguntei morrendo de vontade de rir.

- Ainda sonho em ser seu Christian Grey. - falou me fazendo rir de vez.

- Sabe que aquilo é só o filme, não é? Pode ser que ela não goste desse estilo de vida.

- Se não gostasse não faria o filme. - disse e eu parei pra pensar.

- É verdade.

- (s/n). - paralisei ao chegar perto do meu carro. Era Harry - Olá, Peter. Já está atrás da minha mulher?

- Ex-mulher. - Peter corrigiu.

- Harry. - repreendi.

- O que foi? Esse cara pensa que é quem? Você é minha. - Harry disse e Peter riu.

- Eu com certeza nunca trai nenhuma de minhas namoradas.

- Filho da… - nem terminou e já partiu pra cima do meu colega de trabalho. Não preciso dizer que me desesperei e tentei separar os dois, mas que foi em vão.

Três seguranças que faziam a ronda do estacionamento apareceram e separaram os dois. Dei um jeito de fazer com que Peter fosse embora, mas não consegui o mesmo com o Harry. Ele entrou no meu carro que durante a briga eu não havia percebido que tinha apertado no botão de destrancar as portas.

- Sai do meu carro.

- Só saio depois de conversarmos.

- Harry! Sai já!

- (s/n), entra aqui e vamos conversar. - continuei de braços cruzados e batendo o pé no chão enquanto Harry e eu nos olhávamos - Eu cancelei uma entrevista pra estar aqui.

- Problema seu, não te pedi nada. Fez porque quis.

- Por favor, (s/a). - me olhou pedindo piedade e eu suspirei antes de entrar no carro e dirigir por alguns minutos até chegar num parque ali perto - Olha, eu sei que fiz merda, sei que fui muito safado, um canalha, filho da mãe, idiota, traidor da pior espécie… Sei que fiz tudo do jeito mais errado e sujo possível, mas eu te amo. Faz parte do ser humano errar e aprender com os erros e isso aconteceu comigo (s/n). Eu preciso muito de você, só me toquei depois que você disse que tinha acabado, eu me vi sem chão e sozinho como um astronauta no espaço. - falou tudo de uma vez e me fez rir fraco no fim da frase - Eu amo muito você, quero muito ter uma família contigo e não vou desistir até que eu consiga.

- Harry…

- Me perdoa, por favor. Eu sei que dizer que te amo não adianta muito, mas é a única coisa que eu tenho pra dizer agora e que vem do coração de verdade.

- Olha, eu sofri muito esses meses. Todo mundo me olhando com pena. - Harry abaixou a cabeça por um instante, mas depois me olhou de novo - Uns rindo da minha cara, a mídia enchendo o saco, você também… O que eu vou fazer agora pode ser a maior merda da minha vida, mas eu preciso arriscar, preciso dizer que eu tentei, que eu não deixei passar nenhuma oportunidade de ser feliz mesmo que depois eu termine no fundo do poço.

- Isso quer dizer que…

- Eu volto, Styles.

- Baby… Eu… - ele parecia que ia me abraçar, mas recuava. Tentava falar, mas se calava.

- Me beija logo, Harry. - falei e ele logo me beijou do modo que eu esperava.

- Obrigado! Você não vai se arrepender, (s/a).

~ Três semanas depois ~

Eu arrumava a mesa para o café da manhã quando senti os braços de Harry ao meu redor. Um levo aperto foi dado e um beijo em cada lado do pescoço também.

- Bom dia. - ele disse com a boca ainda colada ao meu pescoço me fazendo sentir seu sorriso.

- Bom dia. - virei-me para beijá-lo - Pode comer já, tem tudo o que o senhor gosta e dentro da dieta do vou-me-transformar-em-palito. - eu disse fazendo-o rir.

- Você é a melhor.

- Tenho que ir trabalhar. Você vai ficar bem por aqui sozinho?

- Sim, qualquer coisa te ligo, mamãe. - zombou me fazendo dar uma tapa em seu braço.

- Bobo.

- Te amo.

- Eu te amo. - beijei seus lábios e sai de casa.

Voltar com Harry não foi muito fácil, pois todos vieram como bombas pra cima de mim dizendo que o que eu fiz foi errado. Até Anne criticou negativamente, mas eu tinha que provar a todos que eles foram equivocados, na verdade eu não, o Harry. Despertei de minhas lembranças com o celular vibrando.

- Alô?

- Amor? - era Harry.

- Oi.

- Já está no trabalho?

- Sim, por quê?

- Vou precisar viajar. - falou e a ligação ficou muda por um tempo - (s/n)?

- Oi.

- Tudo bem?

- Tudo. Volta quando?

- Hoje à noite. Vou para Nova York.

- Certo.

- Não vai reclamar como sempre reclamou? - riu.

- Não, tenho motivos?

- Não, magina. Mas é que… - ele suspirou - Não me diz que você está desconfiada, eu sei que fiz merda daquela vez, mas sei também que não vai se repetir.

- Tudo bem, Harry. Era só isso? Preciso ir para a reunião.

- Só. - respirou fundo e soltou o ar com força - Eu te amo.

- Eu também. - desliguei a ligação, pensei muito e cheguei à conclusão de que precisaria ver com os meus próprios olhos o que Harry iria fazer realmente.

Fui até o nosso apartamento e o vi saindo com uma mochila e uma mala de mão, ele entrou no carro falando ao telefone e eu o segui até o aeroporto. Olhei para o destino e era realmente Nova York. Me distraí tentando conferir se era mesmo o voo de Harry e nem notei que ele estava parado atrás de mim.

- Eu sei que é difícil confiar em mim, mas eu não sabia que você chegaria a tanto. - falou e eu gelei.

- H-Harry…

- Não estou bravo, você está no direito. - tocou meu rosto e beijou minha testa. - Eu não vou mais errar, acredite em mim, por mais difícil que seja. - nos olhamos por algum tempo e eu tomei a iniciativa de beijá-lo.

- Desculpe.

- Não se desculpe. - acariciou minha bochecha e logo o seu voo foi chamado - Te vejo hoje à noite, esteja preparada às 20h pra jantar. - assenti e após mais um beijo ele se foi.

E de fato, às 20h, Harry Styles estava a minha espera na frente do nosso prédio com um buquê de flores e o seu carro totalmente limpo e brilhante como nos filmes de romance. Sorri abertamente e ali eu estava começando a ouvir meu coração dizendo que eu deveria dar de vez a segunda chance a ele.

Não coloquei o nome da Kendall porque tem gente que gosta dela e poderia ser que não aprovasse o aparecimento dela no 1s. Erros corrijo em breve.

Jess

Discussão sobre Camren e época de Lauis

Camila em uma entrevista recente, disse que, quando rompeu uma relação, chorou nos braços de um fã.

Muitos pensaram em Austin, mas algo não bate. Porque quando ele anunciou uma pausa depois de algumas semanas de namoro, Camila não foi vista triste em nenhum momento.

Na verdade ela estava numa festa com Taylor Swift, Lorde, Ansel e Selena.

E ela tirou fotos com fãs, e não demonstrou estar passando por um mal momento.

E dias mais tarde…

Mas houve um momento que Camila foi vista muito triste. Foi quando Lauren estava namorando Luis. Abaixo, um pequeno resumo:

Quando começou essas fotos, havia começado os rumores de Lauis mas Camila ainda era amiga de Austin. Concerto de Austin, Lauren com Luis.

Camila em show do Austin, Lauren com Luis. Camila e Lauren chorando em Porto Rico e Camila ignorando Lauren.

Lauren com Luis, Camila no show de 5Sos, Camila com uma fã e Camila esses dias.

Camila no Tumblr: Eu te amo muito mas por favor não continue fazendo isso comigo, eu sou só humana. Camila em entrevista: Eu aprendi que no final do dia sou humana e tenho que chorar as vezes pelas coisas que fazem comigo. Me lembro de uma vez que eu terminei uma relação e havia fãs ali, e uma delas me abraçou e comecei a chorar e chorei em seus braços porque não podia me controlar.

E se formos para o termo Austin, vemos que:

E deu a entender que a relação dele e Camila não foi real. 

Enfim… Só eles sabem se tudo isso é real. Nós só podemos fazer suposições.

El asesino

Me lo dijo en su mirada… Cuando observé sus ojos por primera vez, pude leer en ellos y descubrir todos sus misterios. Ese día me di cuenta que me romperían de la peor manera que podrían hacerlo, en su mirada leía odio y desesperanza, en su mirada leía rencor y un alma oscura, en su mirada podía leer que no me quería, yo solo era su juego. Aún Que me lo dijo en su mirada, me enamoré de el, me enamoré de la manera más estúpida y loca del mundo, le entregué mi alma en llamas y mi vida en cenizas. Le entregué mis luchas y mis preocupaciones, aún sabiendo lo que su mirada me había advertido. Se lo dije en mi mirada y anuncie mi muerte. El era el asesino…Y disparo.

Eu acabei não dizendo quem é esse tal de “Kuuhaku” ://3 Sorry

Ele é um amigo meu, que morou comigo por um longo tempo, mas um dia teve que voltar para a cidade dele e meio que eu perdi contato com ele, mas ele voltou do nada e anunciou que vai voltar a morar comigo :3 (já ta morando) e eu fiquei feliz (MUITO FELIZ) com isso, pois ele é meu melhor amigo e irmão <3
O nome real dele não pode ser revelado porque…. ele não quer :^ ser chato! Pois bem, então chamaremos ele pelo nomezim que eu dei a ele :3 Kuuhaku, mas vc podem chamar ele de Haku, a Dan chama ele assim :3

Vamos fazer algo legal já que ele está aqui, e eu to feliz que ele ta aqui? Mandem Ask’s a ele, até mesmo as mais constrangedoras, não tem censura, ele não tem direito de negar qualquer pergunta, então perguntem a vontade, beijos!

"Cinquenta Tons de Liberdade" ganha data de estreia
External image
Cena de “Cinquenta Tons Mais Escuros” (Foto: Divulgação)

O filme “Cinquenta Tons Mais Escuros” acabou de chegar aos cinemas, mas a sequência da trama já ganhou uma data de estreia. A Universal Pictures anunciou que o terceiro longa da franquia, intitulado “Cinquenta Tons de Liberdade”, chegará aos cinemas no dia 9 de fevereiro de 2018, daqui exatamente um ano. 

Vale lembrar que os dois filmes - “Cinquenta Tons Mais Escuros” e “Cinquenta Tons de Liberdade” - foram filmados simultaneamente. 

Na história do filme mais recente, o casal protagonista tenta retormar o relacionamento quando fantasmas do passado de ambos voltam à tona. O elenco conta com Kim Basigner, Marcia Gay Harden, Bella Heathcote, Tyler Hoechlin, Rita Ora, Eric Johnson, Luke Grimes e Hugh Dancy.

Veja o trailer:

 

One Shot ~ Liam Payne

Pedido: “Podem fazer um do Liam q ele compra ela (ele famoso mesmo, na 1D) ela é submissa a ele em tudo, e eles acabam se apaixonando”


- Três mil dólares para o rapaz de camisa cinza. - O homem de terno anunciou. Olhei para a moça ao seu lado que estava sendo leiloada. Ela era jovem e muito, mas muito bonita. Três mil dólares era muito pouco pra ela. - Mais alguém?

- Ela é realmente muito boa, mas acho que prefiro a loirinha ali atrás. - Louis cochichou apontando para a outra moça que estava atrás dela e provavelmente seria leiloada.

Bem, eu não estava acostumado a frequentar esse tipo de lugar, mas Zayn e Louis falavam tanto que eu resolvi aparecer e dar uma checada. Era a terceira vez que eu vinha, mas não comprava ninguém. Louis sempre saía com duas ou três, mas nunca dava certo e ele liberava as meninas após dar uma boa quantia em dinheiro pra elas se virarem longe dele.

- Dou dez mil dólares. - Um moreno ao meu lado disse sorrindo maliciosamente para a moça que engoliu em seco. Ela estava desconfortável.

- Nossa! Boa oferta, senhor. - Sorriu o homem. - Alguém pra cobrir?

Perguntei uma vez ao Louis os motivos dessas garotas se submeterem a isso e ele me explicou que muitas vezes é por falta de dinheiro ou porque simplesmente gostam. Eu não costumava criticar ninguém, mas nunca entenderia isso.

- Vinte mil dólares. - Zayn disse me surpreendendo, ele não tinha esboçado nenhum interesse por ela.

- C-como? - Olhei-o surpreso.

- Ela daria uma ótima amante. - Sorriu.

- Aposto que não. - Falei revirando os olhos.

- Dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe…

- Trinta mil dólares! - Interrompi o homem recebendo vários olhares tão surpresos quanto eu. O que eu fiz?

- Alguém cobre?

- Impossível. - Louis respondeu rindo e bebendo mais vodka.

- Então ela não dará uma ótima amante, não é? - Zayn provocou e eu preferi ficar calado.

- Vendido para o senhor de camisa branca. - Sorriu. - Parabéns. - Apertou a mão da moça que logo desceu do palco e veio até mim. Eu não sabia o que fazer.

- Olá. - Ela sorriu brevemente.

- Oi.

- Dê uma ordem a ela, Liam. - Zayn instigou.

- Como?

- Ela vai receber ordens de você, afinal, você a comprou. - Louis disse entediado.

- Ah… Bem, sente-se. - Eu puxei a cadeira pra ela. - Quer beber algo?

- Não, obrigada. - Sorriu. Louis me olhou como se eu fosse um fraco e isso me irritou.

- Você vai beber e pronto. Garçom, traga uma vodka para a moça.

- Mas…

- Acho bom você não reclamar. - Interrompi-a.

- Boa, meu garoto. - Louis bateu a mão nas minhas costas. - Vamos Jack, eu quero comprar essa loirinha. - Ele disse para o homem que realizava os leilões e o mesmo riu erguendo o copo de whisky.

(…)

- Aqui é a minha casa, espero que haja problemas com o clima. Lá em Las Vegas é bem mais quente que aqui.

- Não haverá, senhor. - Ela respondeu sendo breve. Eu comecei a gostar daquilo.

- Ótimo, agora suba. Nancy levará você até seu quarto. - Apontei para a mulher que cuidava da casa e ela a seguiu.

“Estou morrendo de saudades. Quando você voltará de Las Vegas?” - Li a mensagem de Sophia e respirei fundo.

“Já cheguei em casa.” - Respondi.

“Passarei aí então. Espero que você não esteja ensaiando, pois eu atrapalharei mesmo assim.” - Me irritei ao ler a mensagem dela e corri para o quarto da mulher que eu havia comprado.

Quando comprei-a não lembrei que eu já tinha uma namorada, mesmo com Zayn falando eu não liguei os pontos. Esqueci completamente de Sophia quando houve uma ameaça de que aquela mulher não seria minha.

(s/n) POV’s

Entrei no quarto bem decorado em tons de bege e marrom e respirei fundo antes de agradecer a simpática Nancy que tagarelou o trajeto inteiro. A casa do rapaz era grande e muito bonita. Arrumei minhas coisas no enorme closet do quarto e coloquei meus cremes no banheiro, tudo herança de quando eu tinha dinheiro. Bons tempos.

- Estou entrando. - Ouvi a voz dele e corri pra fora do banheiro. Jack me disse para obedecer tudo o que eles mandassem e sem hesitar. - Tudo certo?

- Sim, senhor.

- Antes de tudo, uma única coisa. - Ele me olhou seriamente. - Qual o seu nome?

- (s/n).

- Bonito nome. - Sorriu rapidamente. - O meu é Liam. Pode me chamar como achar melhor.

- Certo.

- Terei uma visita logo mais e você em hipótese alguma deve descer, ouviu bem?

- Sim, senhor.

- Ótimo. - Aproximou-se sorrindo e colocou meu cabelo para trás. - Você tem uma boca bonita, (s/n).

- Obrigada. - Quase parei de respirar quando ele se aproximou mais ainda encarando minha boca.

- Mas ainda não posso beijá-la. - Separou-se rapidamente e após piscar o olho ele fechou a porta.

Soltei uma lufada de ar e fui tomar um banho. Minha barriga doía de fome e eu realmente não sabia se ele mandaria alguém me trazer comida, eu estava em função dele. Após o banho me deitei e fiquei encarando a TV sem prestar atenção no que passava, eu só pensava nele, Liam era muito bonito e eu já tinha visto ele na TV junto com sua banda. Fiquei surpresa quando vi ele e os outros dois no lugar e me surpreendi mais ainda quando ele e o Zayn, que infelizmente já não fazia mais parte do grupo, começaram a dar lances.

- Nancy. - Tentei chamar a mulher que caminhava distraidamente na cozinha. Eu estava no canto do corredor, segurando uma das pilastras da escada que dava pra ver a cozinha, mas ela não me via. Liam conversava normalmente com uma mulher muito bonita, e só aí que eu prestei atenção. Ela estava fazendo carinho no pescoço dele. Seria ela uma outra mulher que ele comprou? - Nancy. - Chamei um pouco mais alto, porém atrai a atenção de todos.

- Quem é essa? - A moça gritou histérica. Olhei pra Liam que estava furioso e automaticamente abaixei a cabeça. Eu estava fodida.

- Calma. - Ele virou-se pra ela.

- Fala Liam, quem é?

- É uma prima minha, Sophia. Pra quê tudo isso?

- Por que você não me disse?

- Não era nada importante. - Nada importante? Nossa, isso doeu.

- E você vai ficar quanto tempo aqui, menina? - Ela me olhou com desdém.

- Não sei, pergunte a ele já que não sou nada de importante. - Respondi por impulso e saí às pressas.

(…)

Naquele dia Liam não me procurou, mas pude ouvir ele derrubar coisas no quarto ao lado. Ele havia brigado com a mulher e eu pude ouvir os gritos, durante a briga eu descobri que ela era sua namorada e isso me deixou ainda mais desconfortável, mas eu não poderia exigir nada. Fui comprada por Liam e ele me usará como bem entender, eu aceitei as condições quando assinei o contrato com Jack, ele me seduziu dizendo que o cara que me compraria deveria me sustentar em tudo e como eu estava acostumada com a vida fácil que perdi rapidamente quando fui à falência eu não demorei em aceitar tudo.

- Nancy, onde está o Liam?

- Ele provavelmente chegará em pouco minutos.

- Certo. Tem algo pra comer aí? - Perguntei sentando-me numa das cadeiras da mesa.

- Sempre tem. - Riu. - Querida, posso te fazer uma pergunta?

- Claro. - Respondi mastigando uma das panquecas oferecidas.

- Você e o Liam são alguma espécie de amantes? - Quase joguei o conteúdo que estava em minha boca fora.

- Não, claro que não. - Limpei minha boca. - Somos primos. - Respondi e no mesmo momento um Liam furioso entrou em casa.

- (s/n), vem comigo. - Chamou e quando me aproximei dele fui puxada com força para subir as escadas.

- O-o que houve?

- Você sabe o que me aconteceu hoje? - Perguntou retirando a camisa.

- N-não, senhor.

- A Sophia acabou comigo. - Retirou o cinto e a calça.

- Sério? - Por que eu estava feliz mesmo?

- Sim. E a culpa é tua! - Gritou me puxando pra ele. - E eu não faria as coisas desse jeito contigo, mas eu preciso. Preciso te mostrar quem é que manda nessa merda.

- M-mas… Mas eu sempre…

- Calada! Quem você pensa que é pra dar explicações sem eu mandar? - Permaneci em silêncio. Ele estava irreconhecível. - Fale.

- Ninguém.

- Isso. - Sorriu vitorioso e olhou em volta. - Sabe, a nossa primeira vez seria na cama, mas eu acho que você não é digna de se deitar comigo ali ainda. - Apontou para a sua cama e no momento eu senti ódio dele. Liam estava me humilhando de uma forma que eu sentia o meu coração despedaçado e uma dor no meu peito me invadir. - Por isso vai ser aqui mesmo.

Quando eu menos esperei ele colocou uma de suas pernas entre as minhas e de alguma forma muito hábil ele derrubou-me no chão sem nem se importar se eu havia me machucado ou não. E na verdade eu me machuquei, sentia a minha cabeça latejar. Liam apenas retirou minha calça e minha calcinha e sem carinho algum me penetrou. Senti uma lágrima escorregar e quando fui limpá-la Liam segurou meus braços apenas com uma mão enquanto a outra era usada como apoio para que não caísse.

- Agora vista-se e vá embora. - Disse após ter seu orgasmo, vestiu sua boxer e seguiu para o banheiro do seu quarto.

Eu me sentia uma imunda. As coisas que Jack me disse não chegavam nem perto do que Liam me fez, ou melhor, que me fazia. Há semanas ele me tratava como um nada, nós quase não trocávamos uma palavra e eu realmente não sabia o motivo pelo qual ele havia me comprado. Conversamos apenas uma vez sobre a nossa vida e eu achei que ali ele seria um cara legal e pudesse até me libertar.

- Eu quero ir embora desse inferno. - Falei após ajeitar o botão da minha calça.

- Mas não vai mesmo. - Me puxou para ele pela cintura e chupou meu pescoço com força. - Saia daqui logo, (s/n).

(…)

- Me ajude a retirar minha roupa. - Ele mandou assim que entrei no quarto. Todas as vezes que ele chegava em casa era assim, eu tinha que ir imediatamente até o seu quarto.

- Sim, senhor. - E eu logo fiz. Isso era o cúmulo, eu sei, mas eu tinha que fazê-lo. - Mais alguma coisa?

- Não… Aliás, sim. - Olhou-me dos pés a cabeça. Oh não… Por favor, não. - Precisamos comprar roupas novas pra você. Está um trapo! - Retirou os olhos rapidamente de mim e eu assenti.

- Tem razão.

- Vou te dar meu cartão e você irá amanhã com a minha irmã fazer compras. - Veio até mim e segurou meu queixo com força. - Ai de você se tentar contar algo a ela ou fugir. Eu deixarei seguranças meus na tua cola. - Sorriu satisfeito com a minha cara de medo e me beijou.

- P-posso ir?

- Semana que vem eu estarei em turnê novamente e eu irei te levar. - Disse e virou de costas.

- Mas… Você me disse que eu poderia tirar a semana livre na próxima turnê.

- Mudei de ideia. - Encolheu os ombros. Que ódio!

(..)

Fomos para a Alemanha onde aconteceria o próximo show. Os meninos me tratavam bem, Louis disse ao Liam que entendia o porquê de ele não ter me deixado e isso me irritou. Payne fazia o show e eu estava um pouco no canto assistindo com dois seguranças em meu encalço, ele se portava muito bem no palco e nem parecia o homem duro que me dava ordens em casa. Numa de suas molecagens eu pude vê-lo cair com tudo no chão.

- Ai meu Deus! - Gritei assustada e coloquei a mão na boca após. Niall e Harry ajudaram ele a se levantar e após pedir desculpas Liam foi para o backstage. - Você está bem?

- O que acha? - Rosnou me encarando e eu rapidamente me calei. Todos me olharam com pena e eu me sentia uma otária. - Desculpa. - Segurou minha mão e beijou. Eu havia entendido o jogo dele, Liam queria se mostrar bom moço na frente dos demais.

- Tudo bem. - Soltei-me dele. - Vocês contam com equipe médica? Ele precisa ter uma consulta, vai que…

- Baby, é melhor ficar calada. - Liam riu fraco segurando minha mão novamente e apertando-a. - Você só está falando besteiras. Claro que temos médicos. Podem chamar o George. - Ele disse para uma mulher ao seu lado que logo saiu de perto.

- Está tonto? Sente muita dor? É sério, você quer beber algo? - Era mais forte que eu, simplesmente eu não conseguia parar de me preocupar com ele, mesmo levando patadas.

- Não, eu estou bem. - Sorriu. - Mesmo.

- Essa sua namorada é um doce, Liam. - Uma mulher disse sorrindo pra mim. Namorada? Oh céus.

- Eu sei. - Riu fraco. Ele não ia negar?

- Nós… - Fui interrompida pelo aperto de Liam na minha mão. - Somos felizes.

- Nós vemos. - Ela respondeu.

(…)

- Por que fez aquilo? - Praticamente gritei.

- Aquilo o quê? - Fez careta ao tocar na cabeça.

- Não negou que somos namorados.

- Ah, qual é (s/n)… E eu diria o quê? Que eu te comprei? - Fiquei calada por um tempo e realmente ele tinha razão.

- É verdade. - Encarei-o. - Vou buscar o gelo que o médico mandou.

Passamos dois dias assim, eu cuidando de Liam e ele sendo simpático comigo. Até dávamos algumas risadas e toda aquela tensão existente entre nós parecia ter sumido, mas creio eu que não fosse por muito tempo. Eu não consegui ter minha folga dele, Liam não me deixava ir.

- Preciso falar contigo. - Ele sentou-se ao meu lado.

- Pode começar.

- Tome. - Ergueu um envelope e quando eu abri pude ver vários dólares dentro. - É pra você poder se virar por aqui ou ir pra qualquer outro lugar, menos Las Vegas.

- C-como? - Gaguejei não acreditando no que ele estava fazendo.

- Estou te liberando (s/n). Você me ajudou muito nesses dias e eu vi a merda que estava fazendo na tua vida, você é tão nova e eu estou te prendendo, transformando sua vida num inferno e realmente não quero mais isso pra você. Por favor, aceite o dinheiro e vá embora.

- Mas…

- Vá (s/n). Eu não estou me sentindo bem fazendo isso com você. Fico feliz por ter te tirado de lá, mas isso não é correto.

- Mas eu não quero ir. - Ignorei tudo o que ele disse.

- Como assim? Você ouviu o que eu disse? Eu estou te libertando! - Gritou.

- Mas eu não vou. - Joguei o dinheiro no sofá e me levantei. - Quero permanecer aqui com você.

- Por quê? Planeja me denunciar pra alguém e me prejudicar?

- Não! Claro que não! Por que você sempre desconfia de mim, hein? Eu me submeti a diversas coisas ridículas por você nesses meses contigo, certo que você me comprou, mas porra, o Jack não informou que eu teria que viver pra você, ele me disse que seria uma espécie de casamento, mas sem compromisso, disse que eu poderia trabalhar e tudo. Mas eu aceitei tudo por você, porque eu… Bem, eu…

- Você…? Prossiga.

- Nada. - Tentei ir até a direção da escada, mas ele me impediu.

- Fala.

- Eu gosto de você. Pronto, ouviu? É isso!

- Mas eu só te fiz sofrer. - Riu brevemente.

- Acho que no fundo eu devo ser sádica. - Dei de ombros. Liam gargalhou e me puxou para um beijo.

- Eu só queria te livrar de mim porque estou apaixonado por você. Eu pensei que a melhor forma de te fazer feliz, que é o que eu quero, seria te mandando ir embora. Você não estava feliz.

- Feliz não, mas confortável. Até que nesses dias você foi tão legal que eu me senti feliz aqui.

- Sério?

- Sim.

- Então agora o pedido muda… - Beijou minha bochecha. - Fica aqui? Tipo, normal. Até quando você quiser. Quero que sejamos como um…

- Casal? - Interrompi-o ansiosa.

- Isso.

- Você quer dizer namorados? - Arregalei os olhos.

- Sim. Quer?

- Claro que quero! - Abracei-o e Liam soltou uma lufada de ar.

- Ufa! - Apertou minha cintura. - Obrigado.

- Agora eu tenho um pedido.

- Autorizada.

- Não quero que nunca mais você vá até Las Vegas.

- Não era necessário pedir isso, eu nunca mais piso lá. Já encontrei o que eu queria. - Mordeu minha bochecha. - Agora vamos lá em cima que eu tenho que tirar uma visão ruim que você tem de mim na cama.

- Ou melhor, no chão. - Fiz careta e ri. - Tem mesmo.

E quem diria que uma falência seguida de um contrato assinado para ser vendida pra qualquer pessoa me traria Liam. No começo tudo foi um inferno, mas como dizem que depois das tempestades vem o momento de calmaria, eu tenho certeza que esse momento chegou. E eu já esperava um bom tempo por isso.