ambiente gay

Ele me completava, de certa forma, mas eu sentia que faltava algo. Não era nele, era em mim. Eu comecei a reparar em outras garotas, me sentir atraída por elas e querer tocá-las. Depois de dois anos de namoro, resolvi terminar e parar de me enganar. Contei tudo a ele, que de início não aceitou mas, como sempre, me apoiou. Quando tudo estava terminado, comecei a conhecer ambientes gays e a fazer novas amizades. No meio dessas garotas que conheci me encantei por uma delas e trocamos telefones. Tive medo de tomar a iniciativa e aguardei ela me ligar. Já havia se passado três dias e nada, até que o telefone tocou. Era ela. Com uma voz doce, disse que estava esperando que eu ligasse e como eu não tinha tomado iniciativa, resolveu me ligar. Ficamos por horas conversando, como se nos conhecêssemos há muito tempo. Ela tinha uma voz serena e uma risada contagiante. Depois de tanto conversarmos, marcamos um encontro para o dia seguinte e nos despedimos. Quando acordei, passei o dia todo ansiosa esperando pelo nosso encontro. À noite, quando estava quase chegando a hora de nos encontrarmos, fui até o local combinado e a vi sentada no banco da praça, segurando um buque de flores. Sorri feito boba e senti meu corpo tremer. Me aproximei sem jeito e a cumprimentei. Ela me deu um beijo no rosto e me entregou as flores. Retribuí o beijo e agradeci. Sentei ao lado dela, falamos um pouco sobre cada uma e expliquei a ela que nunca tinha ficado com uma mulher antes e descobri que ela também não. Olhei-a nos olhos e percebi que assim como eu, ela também estava muito nervosa. Para descontrair um pouco, contei a ela uma piada idiota, que a fez rir sem parar. Ainda sorrindo, me olhou e me deu um beijo. Senti meu corpo tremer. Ela tinha os lábios macios e o toque tão suave. Senti-me nas nuvens. Ela despertou em mim o desejo e a vontade de me entregar novamente. Tudo foi tão mágico. Mas como tudo que é bom dura pouco, nos despedimos e fomos embora. Naquela noite, quando fui dormir, não a tirava dos meus pensamentos. Era algo que eu não sabia explicar, apenas sentir e era muito bom. Ainda não sei como vai ser daqui pra frente, mas espero encontrá-la novamente.
—  Desabafos de Teodora Sacro.