alma escura

Tenho ouvido muito Legião novamente, eu tinha parado, porque às vezes penso que a falta que o Renato faz, quase cobre a sua saudade. Quase chega à ser o mesmo tamanho, mas você ganha. Ontem eu sentei na beira da janela do meu quarto enquanto eu fumava um baseado, e tive uma vontade de chorar, assim do nada, e não meu bem, não é paranóia ou alucinação, era lágrima mesmo, eu chorei. É estranho eu dizer isso, pois eu não chorava havia tipo uns 6 anos, nem quando meu peixe morreu ou quando caí andando de patins eu chorei, nem mesmo quando você me deixou naquela festa da escola para ficar com a filha-da-puta-da-minha-prima, não chorei quando te deixei e não chorei quando me deixei. Mas ontem eu chorei “Então me abraça forte e me diz mais uma vez que já estamos distante de tudo” definitivamente foi isso. Eu não lembro o que é um abraço forte. Vovó dizia que Legião é pior que um copo de cachaça ou um tapa na cara, ela dizia"Sempre em frente, não temos tempo a perder" puta merda, eu tento não pensar nisso, mas é verdade. Estou engolindo todo choro, que tenho aqui, entalado. Você sabe, eu sei, até o Renato que descanse em paz já deve saber que eu nunca vou te esquecer. Mas eu paro e penso que depois que você tomou um chute na bunda de mim, já nem deve lembrar que eu odeio usar calcinha e que não passo um dia sequer sem cheirar a barriga do meu gato. Será que você lembra que odeio saia e gente mentirosa? Ah, meu bem, fui cruel e sou cruel, mas “Somos tão jovens, tão jovens…” Caberia à você lembrar nem que seja por um pequeno segundo de tudo que fizemos, das noites que dançamos e brincamos como crianças virgens? O choro secou, vida voltou ao normal, aquela noite vazia acabou e a saudade está aqui ainda, meu bem. Ontem foi só e só, acabou, “Sou forte, sou forte” repito docemente para mim mesma, tento me enganar duas vezes no mesmo minuto, achando que sou forte e doce, ah que tola. Esqueça tudo e apenas sinta minha bela e escura alma amando você mais “Veja o sol dessa manha tão cinza…” (estou com saudades)
—  O erro da saudade. Ana Lua. 

Eu amei, amei de verdade. Te confiei meus segredos, meus medos, meu corpo e o meu amor. E você não merecia nada disso. Brincou com os meus sentimentos como se não fossem nada e tudo aquilo que me fez te amar, de repente se tornou uma mentira, era falso. Você me usou pra satisfazer seus prazeres e seu ego, me fez acreditar que era tudo quando na verdade não significava absolutamente nada.

Me apaixonei por alguém que sequer existe, alguém bom. Quando o teu eu na verdade é vazio, malicioso, egoísta e manipulador. O mundo que antes me era bom, hoje está cheio e tumultuado de almas vazias e escuras. Assim como a sua, que destruiu minha capacidade de confiar.

Suas palavras que antes me enchiam de felicidade hoje me embrulham o estômago e suas desculpas pra mim não valem de nada, porque o que você fez é imperdoável.

Bobagem minha escrever isso, eu sei. Mas a esse ponto você já deve saber o quão ingênua eu sou, tola. Foi a maneira que eu achei de seguir em frente e esquecer que um dia amei você.

—  Jess

estou cansada, ando muito sonolenta ultimamente, sem animo algum pra nada, minha cabeça anda perturbada, atordoada, incontrolável. penso umas mil coisas ao mesmo tempo, e no final tudo se resumi a tristeza. vivo triste o tempo todo, meus olhos estão mortos, tenho olheiras que nem base/pó disfarçam. tenho dores inabitáveis, irreversíveis, tenho o caos nos olhos, esses olhos tristes, que um dia foram felizes, por ter tido você. minha vida toda é baseada em: faça isso, faça aquilo, e mesmo fazendo tudo certo, ainda julgam está incorreto, ficam pesando cada dia mais minha mente, meu peito, meu ser. viver está sendo cansativo, exaustivo. chorar já não é mas uma saída, não tem saída pra uma alma monótona, fria e escura. não tem jeito pra tristeza, à não ser continuar sendo fielmente a ela. talvez ser triste seja o caminho pra felicidade que tanto tenho buscado.    

esvanecendo

tem um grito de socorro preso na minha garganta. eu imploro para ser salva. 

do que? eu não sei ainda. de mim, talvez. dessa minha eterna confusão. do caos que eu me tornei. o estrago. uma mina nuclear, pronta para explodir a qualquer hora. não importa quantos e quais sejam as vítimas. apenas preciso me esvaziar do buraco que sou hoje. dessa alma escura que vem me cercando e me tirando todos os prazeres da vida. da insegurança de nunca poder fazer nada do jeito certo. do jeito errado. de qualquer que seja o jeito. quero tirar as ataduras e recomeçar a viver. ou iniciar a vida que nunca comecei. mas nada é tão simples. nada se resolve com um puxar de band-aids. a vida obriga a ser difícil. dolorido. a vida te obriga a cortar os braços fora. a salvação sempre tem um preço alto a se pagar. 

casulopoetico

status/frases wpp em inglês
  • curious mind, adventurous heart - mente curiosa, coração aventuroso
  • she’s the type of girl that can be so hurt but can still look at you and smile -  ela é o tipo de garota que pode ser tão magoada, mas ainda pode olhar para você e sorrir
  • be the one to guide me, but never hold me down - seja o único a me guiar, mas nunca me segure
  • your lies were my favorite - suas mentiras eram minhas favoritas
  • she didn’t  want to be sad - ela não quer ser triste
  • I got a war on my mind - eu tenho uma guerra em minha mente
  • I just want to go somewhere where nobody knows my name - Eu só quero ir para algum lugar onde ninguém sabe meu nome
  • how many nights have you wised someone would stay? - quantas noites você desejou que alguém iria ficar?
  • and all the good girls are at home with broken hearts - e todas as boas meninas estão em casa com o coração quebrado
  • I see things that nobody else sees -  Eu vejo coisas que mais ninguém vê
  • I’m not good with feelings - eu não sou bom com sentimentos
  • I love the things you hate about yourself - eu amo as coisas que você odeia sobre si mesmo 
  • we are the kids our parents warned us about - nós somos as crianças nossos pais nos alertavam sobre
  • my cigarettes are better for me than you are - meus cigarros são melhores para mim do que você é
  • I guess I’m just a mess - eu acho que eu sou apenas uma confusão
  • you were the song stuck in my head - você era a canção presa na minha cabeça
  • he was her favorite drug - ele era a droga favorita dela
  • I want to write poems on your skin with my lips - Eu quero escrever poemas sobre sua pele com meus lábios
  • is my soul too dark for you baby? - minha alma é muito escura para você baby? 
  • life’s too short to drink crappy coffee and cry over boys who don’t care - a vida é muito curta para beber café de baixa qualidade e chorar por rapazes que não se importam
  • we all do things we said we would never do - todos nós fazemos coisas que dissemos que nunca faríamos 
  • you don’t understand and I can’t explain - você não entende e eu não posso explicar
  • all those fairytales are full of shit - todos aqueles contos de fadas estão cheios de merda
  • this wold sucks, so I made my own - este mundo é uma porcaria, então eu fiz o meu próprio
  • he’s so bad but he does it so well - ele é tão ruim, mas ele faz isso tão bem
  • just because I let you go, doesn’t mean I wanted to - só porque eu deixei você ir, não significa que eu queria.
  • you’re always in my mind. Am I always on yours? - você está sempre na minha mente. Estou sempre à sua?
  • you save everyone, but who saves you? - você salva todo mundo, mas quem te salva?
  • paradise is where I am - paraíso é onde estou
  • don’t say maybe if you want to say no - não diga talvez se você quer dizer não
  • we try to hide our feelings, but we forgot that our eyes speak - tentamos esconder nossos sentimentos, mas esquecemos que nossos olhos falam
  • everything I like is temporary and it fucking sucks - tudo que eu gosto é temporário e isso é uma merda
  • maybe I’m just too fucking complicated for anyone to love me - talvez eu seja complicada pra porra para qualquer um me amar
  • but she can’t be what you need if she’s seventeen - mas ela não pode ser o que você precisa se ela tem dezessete anos
Uma vez, alguém me perguntou se eu não cansava de ser sozinho. É espantoso como as pessoas te esbofeteiam simplesmente pelo fato de se importarem com algo mais exposto que a sua superficialidade atraente. Expliquei ao mundo que eu gostava de ser o que eu sou. Inclusive, expliquei milhares de vezes tentando me convencer. Parei pra pensar no que a expressão “gostar de ser o que é” significava, além, claro, do clichê óbvio e açucarado, ideal pra quando alguma coisa implícita no seu sorriso começa a desmoronar. Gostar de ser o que é, pra mim, é se auto satisfazer, numa espécie de masturbação sentimental infinita. A ideia não é muito agradável, óbvio, mas os hormônios da solidão deixam claro que eu me satisfaço com o mínimo de coisa que não seja propriamente minha. É, pior, além de masturbar os seus sentimentos, você ainda dá uma de cafetão do cérebro alheio. Me satisfaço escutando música de terceiros, lendo livros de terceiros, apreciando arte de terceiros, vendo filmes de terceiros, comendo comidas preparadas por terceiros, olhando as estrelas de terceiros, quartos e quintos amantes, amando terceiros. Ser só é me apaixonar o tempo inteiro por tudo o que não me pertence, desde as garotas que pegam o mesmo ônibus que eu até os olhos claros de alguém que passa na rua. Ser só é se apaixonar por sardas, pintas, rugas, estrias, fios de cabelo branco que nascem em pessoas ainda jovens, sinais, gestos, boca descascada, suor. Qualquer coisa que pode ser de qualquer um. Eu gosto de ser sozinho, na maioria das vezes. Amar de longe é uma companhia sufocada e solidária, mas a gente sabe que dar prazer a si mesmo nem sempre é o bastante. Prazer, aliás, nem sempre é o bastante. Curtir a minha companhia ofegante e cardíaca nem sempre é o bastante. Uma pequena parcela de mim ainda quer decorar a cara de alguém com memórias, desencontros, angústia, amor e coisa do tipo. É fácil, na teoria. Chega um certo estágio da solidão, quando ela, infelizmente, vira autossuficiência, que passamos a perceber que a nossa alma age como uma enorme máquina de lavar. Você não sabe mais onde é que começa e onde é que termina. Tudo é reciclável e reaproveitável. As feridas cicatrizam tão depressa que não há tempo de saber o que ou quem nos feriu e, então, não há como esquecer. As lágrimas funcionam como o ácido do nosso estômago quando as ingerimos. Não existe meio termo, é só uma reta sem fim. Nossa alma começa a ficar escura e passar por uma espécie de blackout. Ser só é admitir que tudo o que você procura nos outros está exatamente em você, de forma tão explícita que chega quase a ser pornográfico. O que dá medo, porém, é voltar os olhos pra si e descobrir o medo profundo e sombrio que você sente de morrer sozinho, a angústia de nunca se encaixar, o orgulho, que você alimentou durante todos esses anos olhando as dores dos outros, pensando que jamais se repetiria da mesma maneira contigo, justamente porque você sabe que a única agressão é a que você se provoca, pequeno e acoado, medroso, faminto… o medo de olhar pra si e descobrir que não gostamos tanto assim de ser o que somos. Amar a solidão é odiar profundamente o fato de sermos sempre sozinhos.
—  Cinzentos
O demônio e a garota

O anjo corrompido banido por Deus junto à Lúcifer por uma revolução no céu.
— Amais os homens, como me amas. Deus exclamou.
Por negar amar porcos, fomos banidos.
E naquela revolução falha, Deus mostrou sua ira aos desobedientes de sua palavra. Eu, nós odiamos os humanos desde então como nunca, proclamei a revolta, o jogo, a tortura em vossas almas.
Aniquilei cada um deles, com guerras tolas, brigas fugazes.. mas isso não satisfazia-me, machuca-los não era de meu agrado, apesar do ódio que sentia. Foi quando eu a conheci, uma frágil garota dos cabelos negros, sua alma era pura. Seu pai era um pecador, sua mãe também, mas ela, ela era pura. Não habitava maldades naquele ser. Todos os dias eu a observava-a, foi quando aproximei-me, ela não podia me ver, a não ser que eu queira, o que me deixava feliz, pois gostava de olhá-la. Não deixava nem um demônio aproximar, protegia-a ferozmente. — Nela, ninguém toca. Murmurei. Bufei. Exclamei. Gritei. E todos assim respeitaram, não precisei arrancar a cabeça de nem um demônio para que minha exigência seja respeitada.
Observava-a dormindo, que Garotinha perfeita. Sua pureza contagiou-me, e então não sentia tanto ódio assim. Comecei entender porque Deus queria que amasse-os. Olhei para sua estante, continha poucos livros, alguns autores eu até conhecia. Franz Kafka, atormentado pelo soberania de seu pai. Dostoiévski, Goethe .. Alguns eu até atormentei. Me deparo com um livro em especial, Canto 35 Inferno de Dante. Começo a gargalhar, Dante era um ótimo comediante.
Sento-me ao lado direito de sua cama, passo a mão em seu leve rosto delicado, minha mão áspera, minhas unhas não cortadas fazem ela acordar subitamente, ela grita por seu pai desesperada. Ninguém aparece, seu pai está bêbado novamente sobre o sofá da casa. Sua mãe estava em algum bar pela cidade.
— Quem está aí?
Ela pergunta com medo.
Não a respondo. Viro as costas para ir embora
— Diga, eu sinto você, sinto você a muito tempo..
Paro, fico em choque por alguns minutos e vou embora, deixando-a em paz.
Ao passar os anos, sua puberdade chegou, e ela chegou na fase de namorar. Todos seus namorados eram idiotas, nada digno de tal. Odiava a ideia de ela ser ferida, então eu espantava todos os idiotas de perto dela, era até engraçado.
Mas, ela sofria com isso, achava que tinha algo de errado com ela, e isso deixava-me enfurecido, pois algo tão belo, tão puro, tão único… ela era perfeita, pra mim.
Se parecesse para ela com minha forma real, se assustaria, os humanos temem o que não compreendem. Então tive a brilhante ideia de encarnar em um corpo humano, ser hospedeiro de alguém. Fui a procura de um corpo adequando, foi quando achei um belo rapaz, cabelos longos e loiros, olhos azuis e sem barba, adentrei seu corpo, sua alma vazia clamava por piedade.
Eu sabia muito bem do que ela gostava, sabia suas falhas, sabia onde acertar, então não foi muito difícil conquista-la.
Com ela eu vivi, com ela eu amei. Amei como nunca um banido do céu poderia amar. Discutimos, claro, cabeça dura a dela, mas voltávamos sempre. Ela se assustava quando começava a falar de poder, que almejava o poder. Dizia que temia o que eu poderia me tornar.
Seus olhos eram reluzentes gostava de olhá-los, conseguia enxergar sua pura alma, sua voz era forte e doce.
Meus ciúmes por ela era corrosivo, mas não deixava transparecer. Como foram bons momentos aqueles, pensávamos em casar, ter filhos. Eu compreendi o que Deus criou, e respeitei-vos, agradecendo-o, pois o imperfeito tornasse único, em meio a milhares de semelhantes.
Assim foram durante anos, até eu perceber que minha escuridão estava manchando sua alma pura. Ela estava começando a enlouquecer, e sabia que era culpa minha, desde o começo, mas minha ignorância e posse, não permitiu aceitar o que estava vendo. Eu estava destruindo a criação de Deus, sua linda alma estava tornando-se escura, maligna, ela começava a dar crises de desespero, pois adentrava como um veneno. Sabia o que tinha que fazer, mas eu não queria, tinha que fazer, pois não travava de mim, e sim dela.
Foi quando parti, sem dizer para onde ia ou porque, apenas parti. Ela chorado clamava por resposta, disse que não a amava mais, que esse amor platônico já deu o que tinha que dar. Ela chorou aquela noite, pude observar tudo, escutar tudo, sentia sua dor rasgando minha pele. Mas, que mais eu podia fazer? Nada além disso.
Ao voltar para minha casa"Inferno", fui acorrentado e torturado por demônios, junto à homens que ali habitavam.
Uma alma me perguntou — Ei, o que você fez de errado?
Sorri e disse — Eu amei.
Logo em seguida esquartejarão-me. Fiquei condenado as profundezas do inferno. Eu tinha medo de algum demônio acabar fazendo mal a ela, então eu orei, orei no próprio inferno para que guardasse a alma daquela simples garota. E então, Senti que Deus havia me escutado, consegui ficar em paz, por assim dizer.

Não vomito mais. Não me machuco mais dormindo. Não sinto mais o peso da saudade nas minhas costas. Eu não existo. Não me arranho pela falta que você me faz, nem piso em falso quando o assunto é o nosso amor. Eu desaparatei. Estou vivendo no campo, mas amanhã embarco para Luxemburgo no primeiro trem. Nunca mais abri a torneira, faz tempo que a minha alma não escorre. Nunca mais desaguei por coisa alguma. O amor secou. Aquele implante metálico que tinha o seu nome preso perto ao meu peito sangrou para fora anteontem. Me lembrei de você. Me lembrei do que eramos, do que iríamos ser. Ainda sou patética. Ainda escrevo o seu nome no vidro do banheiro, mas só pra ver se ainda sei como ele é. Você não mudou de nome, não é? Eu sim. Na verdade, não mudei o nome, só o corpo. Nem me reconheço as vezes. Sem os arranhões iluminados dos seu sorriso na minha alma escura, sem as náuseas do seu olhar apaixonado na sexta-feira de manhã. Não me machuco mais dormindo, mas já caí da cama sete vezes essa semana. A casa ficou imensa sem você lá dentro. Embarco pra Luxemburgo amanhã cedo. Meu coração ficou imenso sem você para machucar. Embarco para Luxemburgo as seis e meia. Minha vida ficou vazia sem você me fazendo chorar. Não me reconheço. Eu fui sua, mais do que fui de qualquer outra pessoa. O meu trem sai as sete e dois. Vou para Luxemburgo. Estou mais magra, meu cabelo ainda está preto, mas quero cortar. Sabe? Ser mais cool. Você ainda é cool? Seus amigos, seu apartamento, suas reuniões de trabalho? Tudo ainda é cool? Nunca mais usei maquiagem no rosto, nem na alma. Nunca mais quis ser bonita, nem ser vista. Vou para Luxemburgo na quinta estação perto da barraca de cachorro quente. Não sinto fome, nem cheiros. Não sinto muito, nem pouco, nem nada. Ando enjoada de ser eu mesma. Nunca mais fiz as unhas, nem amor. Queria vomitar, enfiar o dedo na garganta e te por pra fora. Estou enjoada de ser sua, de estar perdida, de me encontrar e continuar sozinha. Passei a última noite em claro, nunca mais vi brilho em nada. Vou para Luxemburgo porque esta cidade é muito calma. Ando cansada do seu nome ecoando na minha cabeça. Preciso de um barulho mais alto que o som da saudade que sinto de você. Vou para Luxemburgo, entendeu? L-u-x-e-m-b-u-r-g-o. Eu te amo, ainda dá tempo de me impedir.
—  Ciceero M.
Ele é um desastre, um desastre ambulante. Um menino em busca de abrigo e eu faria de tudo para ser seu abrigo. Ele tem um olhar tão misterioso. Cada detalhe dele me transborda, acho que ninguém nunca o amou como ele merece, sempre lhe deram migalhas. Mas eu estou aqui, disposta e  pronta para transborda-lo e se ele me permitir colorir essa alma tão escura com meu amor.
—  Preto, minha cor favorita.
Do vinho para água

Já fazem semanas, desde que sai de sua vida, poderia dizer que sinto muito, mas eu não sinto. Não sinto absolutamente nada além de liberdade! Tantas brigas, críticas e insatisfações criaram o abismo -  enorme -  entre nós e me sinto melhor sem você, desculpa. Ainda ouço sua voz desconfiada e vejo seu olhar ciumento cheio de interrogações e acusações, toda vez que faço alguém sorrir. Nunca foi amor, eu fui ingênua em achar que um dia seria, ou que um dia foi. Se foi amor você o destruiu, porque hoje não o sinto mais. Você não mereceu todo meu esforço e hoje finalmente enxergo isso. Tanto tempo perdido num relacionamento que foi em vão. Totalmente em vão. No entanto, devo considerar, você me ensinou que não se pode amar alguém mais do que a si mesmo, que o amor não machuca o que machuca é amar alguém que não sabe amar. Não dá para amar por dois! Eu sinto muito por você, pois sei que ninguém foi tão longe como eu, ninguém foi capaz de ver a sua alma defeituosa e escura, e mesmo assim conseguir te amar. Eu consegui, mas você não me deu valor. Queria não te enxergar dessa forma, mas você é só carência, desamor e ruindade.

Escrito por Anelli, Isadora e Kelly em Julieta-s

Mesmo nas noites mais escuras da alma, temos a promessa de que a alegria vem pela manhã. Com o novo dia, vem novas realidades, novas perspectivas, novos sonhos. Não se renda à tristeza. Olha para cima e veja que Deus está no controle. Ele está trabalhando em seu favor e não contra você.
—  Hernandes Dias Lopes.
O silêncio de Deus grita mais alto em nossos ouvidos que os berros da natureza. Os trovões que ribombam das nuvens tempestuosas são mais suaves que o silêncio de Deus nas noites escuras da alma. Não é fácil lidar com o silêncio de Deus. Quando Deus se cala, ficamos confusos e perturbados. O patriarca Jó lidou com o silêncio de Deus. Fuzilado pela dor e esmagado pelas perdas, Jó bradou desde a terra até os céus, à espera de explicações. Perdeu bens, filhos e saúde. Perdeu o apoio da mulher e a compreensão dos amigos. Perdeu a dignidade da vida e a compaixão das pessoas. Mergulhado numa dor atroz, endereçou a Deus dezesseis vezes a mesma pergunta perturbadora: Por que…? Por que…? Por que…? Jó esperava que uma explicação vinda de Deus pudesse aliviar sua dor. Mas essa explicação não chegou. O silêncio de Deus foi cabal. Os céus serraram suas comportas. A única voz que Jó ouviu no epicentro da tempestade foi o total silêncio de Deus. Quando Deus resolveu falar com Jó, não respondeu a nenhuma de suas perguntas. Ao contrário, fez-lhe setenta perguntas, todas revelando sua majestade. Jó foi restaurado por Deus, mas não obteve nenhuma explicação dos céus. Recebeu em dobro tudo quanto possuíra. Saiu dessa experiência mais perto de Deus e mais maduro espiritualmente. O silêncio de Deus não o destruiu, mas o fortaleceu.
—  Hernandes Dias Lopes
Depois de amar muito e ser obrigada a deixar de amar, você se encontra no pior jeito de todos, pessoas vão te olhar como se você fosse apenas uma sombra andando por ai e por estranho que seja, é isso mesmo. Você se torna algo sem vida, sem cores, sem sorrisos e sem fé. O amor rega a alma e o amor foi tocado do jardim como se fosse fazer algum mal. Então acabou o alimento da alma, alma fria e escura está precisando ser regada novamente. Uma dica? Muitas vezes, outro amor não rega da maneira certa, a solução é amar sozinho, é ser sozinho, viver sozinho.
—  Michilin
Paredes escuras

Mofadas, sem cor ou alegria
descascadas, infiltradas, desmoronando.
O passar do tempo tem feito isso
não existem mais aqueles antigos quadros que me traziam algum júbilo
as fotos de amigos e familiares se decomporão
assim como minha alma!
Os móveis que outrora recostavam-se nas paredes
foram vendidos.
Essas paredes não me servem pra mais nada!
Viraram depósito de amarguras.
Consigo me enxergar nelas
vazia, escura, amarga e só!

Quem sofre não grita o que sente para os quatro cantos do mundo. Não liga para todos os amigos só pra contar o que aconteceu. Não teima, não discute, e nem diz uma deixa. Quem sofre espera o fim do outono, aguarda a primavera, até passa o verão. Quem sofre fica em silêncio, de luto pela alma que morreu dentro de si. Deixa as folhas serem levadas pelo vento, não liga para o estrago que fará. Quem sofre não gasta dinheiro com bobagens, não fica se fazendo de coitado. Não se faz perguntas bobas, porque sabe que não irão adiantar. Quem sofre não tenta achar outras saídas, se desviar do caminho. Quem sofre tem o mundo frágil, mas também acaba tendo a proteção das lágrimas. Quem sofre chora. Lágrimas de sangue, derramadas pelo próprio coração. Quem sofre não olha as horas, não faz planos. Sempre se sente indiferente. Quem sofre tem olheiras profundas de insônia. Se sente preso, tem a alma escura e tomada pelo exílio. Quem sofre não age por instintos. Se perde na vida e nos próprios pensamentos. Quem sofre não se apega, só apaga. Não guarda memórias, somente o vazio. Quem sofre quer voltar a juventude, mas sabe que é um desejo inútil. Ouve músicas tristes e encolhe-se tentando esconder-se. Quem sofre, sofre. E não há explicação ou argumento algum que consegue explicar isso.
—  “Quem sofre, sofre”. Craquelar.