allaxgquotes

Eu não tive ninguém por muito tempo. Nunca conheci ninguém tão corajoso que teve a audácia de se arriscar e ficar do meu lado por um longo período. Já cheguei a pensar que o problema era propriamente comigo, que às vezes não consigo lidar muito bem com as coisas boas que disponho. Tenho mania de colocar na cabeça que se eu parar de demonstrar tanto valor para as pessoas ou parar de correr atrás delas, as coisas se resolvem. Mas ninguém sabe que isso é apenas o meu jeito interno de proteção. E não me protejo porque quero. Apenas não aprendi a deixar a guarda baixa. Eu sou uma pessoa com uma incrível facilidade de amar e exatamente por isso que me reprimo tanto. Tenho medo de me encantar novamente por alguém que simplesmente deixe a magia acabar meia-noite. Que não luta, não se esforça e permanece neutro vendo tudo se acabar rapidamente. Na mesma velocidade que começou. Mas queria que com você fosse diferente. Te imploro que continue insistindo em mim porque ainda tenho esperanças. Me faz acreditar que ainda vale a pena lutar por alguém, nem que seja apenas uma pequena porção, que vale a pena ir contra tudo pela nossa felicidade. Olha na minha alma, encara o meu ser, vai além da minha pele e me marca com o seu amor. Sei que uma hora essas armaduras que entornam meu peito e me bloqueiam de confiar e amar de novo vão cair. Só preciso que você seja forte o suficiente e tenha vontade de derrubá-las. Eu acredito nisso. E preciso que você acredite também. Porque senão eu continuo fixo nesse modo de proteção com medo de me machucar mais uma vez. E se você me perguntar porque eu sou assim, eu respondo que por muito tempo dependi demais das pessoas e acabei sempre assistindo o mesmo cenário: Todas indo embora. Ainda estou um pouco surpreso que alguém permaneça.
—  Allax Garcia e Pedro Pinheiro.
O mais assustador nisso tudo é que eu estou calmo. Deveria estar quebrando algo, arrancando alguns fios de cabelo, talvez. Deixar o desespero dominar, explodir para o mundo, quem sabe. Porém nenhuma reação sequer. Enquanto eu demonstro o que sinto, tudo é muito previsível. Mas quando não sei expor, nada mais sou do que uma bomba relógio sem contagem exata. Eu não me preocupo com quem sou agora, estou preocupado com quem posso vir a ser. Não tenho medo do meu silêncio, tenho medo das minhas palavras por dentro.
—  Allax Garcia.
Eu não quero ser lembrado apenas quando morrer. Não quero que olhem para quem eu fui quando eu já não puder mais ser. “Ele era tão isso, tão aquilo, por que eu não disse o quanto me importava?”, então por que não diz agora? É sobre isso que eu falo. Se puder me abraçar agora, me abraça. Se puder olhar nos meus olhos e dizer o quanto se importa, vem cá e diz. Se puder me amar nessa vida, por favor, me ama. Fico imaginando quem choraria por mim, mas se eu pudesse escolher, gostaria que chorassem agora. Gostaria de sentir o quanto sou importante na vida de alguém. Não quero ir embora sem ter ouvido tudo que eu deveria ouvir. Mas pior do que não ouvir, vai ser para aqueles que não falarem. E no final, a única coisa que vai restar será: “Eu deveria ter dito…”, sim, você deveria.
—  Allax Garcia.
Quinhentos e sessenta e cinco dias. E eu não consegui escrever nenhuma palavra sobre você. Tentei, diversas vezes eu tentei, nem que fosse para te escrever uma palavra qualquer. Não saiu nada. Zero. Branco. Nunca consegui entender esse fenômeno. Porque tudo o que eu não soube dizer, meus textos falaram por mim. Chega a ser engraçado, pois de todas as histórias que vivi, as mais bonitas foram com você. De todos os meus relacionamentos meia-boca, você foi a única boca completa. Lembro quando te conheci, você estava se lamentando nas tuas redes sociais sobre o quanto o homem que tu amava não te dava a mínima. E mesmo assim, você continuava se importando. E eu sempre vi você ali, no teu cantinho. Nos seus momentos de desabafo. Mas aquela foi a primeira vez que eu decidi falar com você, do nada. Só pra dizer “eu não sei o porque você está triste assim, mas eu adoro os momentos que você sorri.”. E dali em diante, nos tornamos amigos. E a gente não precisava se falar o tempo todo pra saber que um se importava com o outro, porque nos dias difíceis, era no som das nossas risadas que tudo se ajeitava. Às vezes ficávamos meses sem se falar, só que isso não importava. Porque a gente tinha uma coisa chamada amor pronto-socorro: sempre que alguém nos quebrava, um corria para o curativo do outro. Morávamos em estados e cidades diferentes, mas nos sentíamos tão próximos. Você dizia que odiava falar no telefone porque nunca sabia o que dizer. Uma vez eu te liguei contra a sua vontade, só para ouvir a sua voz. E você não ficou quieta por nada. Mas eu gostei porque a sua voz era doce e eu nem sabia que vozes podiam ser provadas. Chegou um dia que nos afastamos por um longo período de tempo. E quando eu estava passando as férias em outra cidade com uma namorada muito da ciumenta possessiva. Você me mandou uma mensagem dizendo “estou na sua cidade, vem me ver”, e eu não tive coragem de responder porque eu teria grandes problemas. Porém, no fundo, eu só queria largar todo aquele relacionamento vazio e voltar correndo para me encher de você. Depois que mais um relacionamento fracassado se concretizou, ainda assim, não conseguia te mandar uma mensagem. Porque me sentia um verdadeiro covarde. E infelizmente, eu era. Quase consegui seguir em frente fingindo que você não existia, quase consegui me convencer que as coisas acontecem da forma que devem acontecer, quase consegui me desapegar de você. Aí meu celular vibra, é uma mensagem sua: “Ainda lembra de mim?”, um sorriso escapou, "Como eu poderia esquecer?“. Quando você reapareceu na minha vida, mais uma vez, as coisas não eram como antes. Não existiam mais homens te fazendo se sentir uma meia mulher. E não existiam mulheres fazendo eu me sentir um meio homem. Pela primeira vez, nós estávamos livres das nossas prisões. E, tão naturalmente quanto o canto dos pássaros, a gente se amou. Sendo sincero, lutei para me convencer que não amava você. Para não admitir a mim mesmo que a mulher que eu mais amei estaria a quilômetros de distância do meu amor. Em um certo momento expliquei toda a situação a um grande amigo e ele me disse “Você a ama?”, “Sim, eu a amo”, “Então o que está esperando?”. Comprei a primeira passagem de avião que pude e fui te ver. Não podia mais negar o inegável. Você mostrou para mim o gosto do amar e se tornou meu prato predileto. Você foi a única pessoa que olhou para mim e não precisou dizer que me amava. Seus olhos te entregavam. Foi a mulher mais linda que segurou a minha mão, mesmo depois de um dia cansativo de trabalho. Todos os dias, eu perguntava o porque você estava comigo, afinal? E eu nunca precisei das respostas, porque o seu sorriso dizia tudo. Você aguentou até mesmo o meu sério problema com a memória, pois eu consigo esquecer de tudo facilmente. Datas, lugares, pessoas. Você fez eu aprender que um relacionamento não depende apenas do casal, mas de sua fé. Não somente fé no amor, mas na vida. As pessoas nos olhavam e viam o amor. Eu via o amor em nós. O amor se alimentou de nós. Você foi a primeira mulher que fez eu quebrar os meus limites. A primeira que eu quis jurar votos e dar o meu sobrenome. Dentre todas, você foi a primeira que eu realmente acreditei no para sempre. E em toda a minha vida, essa foi a vez que eu mais quis estar certo. Eu quis entrar em acordo com o destino. E sabe qual o problema? O destino não aceita acordos, propinas, subornos. É o que tem de ser e acabou. Simplesmente um dia, o fatídico dia, você me liga com a voz firme e diz que precisa falar algo importante. Eu gelei meu peito como se estivesse no Alasca. E você solta “Eu não sei o que aconteceu ou como aconteceu, mas eu não te amo mais como antes.”. E naquele momento, eu percebi que você pode morrer por alguns instantes, mesmo estando aparentemente vivo. Naquela noite, descobri que é possível chorar todos os 70% de água que possuímos no nosso organismo. Na manhã seguinte, reuni o pouco da energia que me restava para te ligar e dizer “Olha, estou cancelando as passagens que comprei para te ver nesse mês. Iria ser surpresa, mas na verdade, eu é quem fui surpreendido. Obrigado por tudo, adeus.”. Seus soluços de choro foram interrompidos pelo termino da ligação. Aquela foi a última vez que ouvi sua voz. E desde então, eu nunca consegui escrever sobre você. Sobre nós. Até agora, até esse exato momento. Semana passada eu soube que você está noiva e, que em breve, vai se casar. E eu não sinto raiva, ciúmes, inveja. Nada disso. Ao contrário, desejo que seja feliz. Quero que você encontre o que não encontrou comigo. Eu nunca quis escrever sobre você porque normalmente escrevo sobre tudo o que teve fim. E o meu interior nunca quis admitir o nosso final. Eu sempre te disse que tinha facilidade em perder as memórias, deixar que as coisas caiam no esquecimento e, acredite, eu não posso permitir que isso aconteça com nós. Então decidi escrever sobre você essa noite, porque finalmente eu entendi que as minhas palavras não significam o fim de tudo. Na verdade, elas são tão poderosas que podem eternizar a nossa história para sempre.
—  Allax Garcia.
Eu me perguntava “Se o vento pudesse ser o destino, quanto tempo demoraria até o amor ser soprado em minha direção?”. Temos essa mania de querer apressar as coisas, de questionar o momento certo para tudo. É difícil evitar. Quando você tem 15 anos, tudo parece ser cedo demais. Quando você tem 18 anos, tudo parece estar no momento certo. Mas a partir dos 20 anos em diante, tudo parece já ser tarde demais. Os planos que sonhou fogem do controle e você olha para si mesmo e vê que o amanhã na verdade é um novo começo. Chega sempre um momento em que deixamos de nos preocupar, apenas vivemos cada dia dentro da famosa rotina. Foi em algum desses dias, inclusive, que algo aconteceu. Era uma noite chuvosa de Setembro, atrasado para a aula, como sempre. Pelas calçadas só se viam guarda-chuvas, quase impossível caminhar. Alguém desesperadamente me empurra fugindo da chuva, já estava preparado para falar alguma indelicadeza, quando de repente essa pessoa deixa cair uma pequena bolsa.  Não pensei duas vezes em pega-la e sair correndo em direção à pessoa que segundos antes havia me empurrado. Agradeço a educação de meus pais por isso. Mas, ao mesmo tempo, foi percebida por esse alguém a perda. E, em instantes, os dois corriam na mesma direção, tão rápido, que não houve tempo para evitar o encontro. Consequência: Os dois caídos no chão, se molhando na chuva, e de brinde, ganhei um corte na testa. Antes que eu me esqueça, esse alguém era você. E esse “Você”, viria se tornar a minha sina. Você estava tão linda molhada, que não consegui nem me lembrar de estar irritado. Ou com a testa sangrando. E você estava tão preocupada com o meu estado, que não conseguiu nem perceber que eu estava com a sua bolsa em minhas mãos. Você só conseguia combinar duas palavras distintas “Obrigada e Desculpa”. A conclusão acabou sendo você me levando para o hospital. Eu não diria que esse foi o encontro perfeito, na verdade, longe disso. Mas de alguma forma, eu não queria estar em outro lugar ou em outra situação, se isso significasse não te conhecer. Pode não ter sido o melhor inicio, mas que diferença isso faz se no final ficarmos juntos? O amor não tem uma lógica. Não precisa seguir uma linha de raciocínio. Ele só precisa ser amor. Aquele dia, eu havia dito que ganhei um corte na testa, mas na verdade, o que eu ganhei foi um curativo para todas as minhas feridas anteriores. Ainda não sei se o vento pode ser o destino ou em quanto tempo ele demora a agir, mas de uma coisa eu sei: Quando o amor é soprado em sua direção, não adianta se esquivar ou desviar, você vai acabar de encontro a ele.
—  Allax Garcia.
A gente nunca sabe quando uma história vai se tornar inesquecível… Até que ela se torna. Não sou o homem mais bonito, nem o mais inteligente ou rico. Sou simples, sempre fui. Mas se me perguntassem o que de mais valor há no meu mundo, eu diria o nome da mulher que amo. Vou dizer uma coisa com toda a dor do mundo: Um dia todo mundo perde a fé no amor. É triste, mas é a verdade. E sabe por que isso acontece? Porque os seres humanos são ingênuos. Nós acreditamos no amor que queremos acreditar. E por um certo tempo, isso se torna algo lindo, e realmente é. O amor que uma criança sente e acredita é um dos mais bonitos e sinceros do mundo. Mas o problema está nas fantasias. Está nos filmes, nos livros. Está naquele casal extremamente lindo, que se encontrou em um deserto e se olhou pela primeira vez e pensou: “É o amor da minha vida”. Não estou dizendo que é impossível, mas acredito que o amor não está no primeiro olhar ou na primeira conversa, está na segunda, terceira, quarta… décima oitava, quem sabe? O amor aparece quando se acha que ele não vai aparecer. O amor é aquele convidado da festa que sempre se atrasa… Mas chega. A verdade é que ninguém é de ferro. Dói cair na ilusão e se levantar na fantasia. Então a gente se cansa. Então acordar sozinho se torna rotina. Então ser uma pessoa fria quando se trata de sentimentos não é mais uma opção, mas sobrevivência. E a vida já não é mais vivida, ela é apenas uma platéia que observa o tempo passar. A gente se engana com o argumento de que ser sozinho é mais fácil, mais simples. Mas no fundo? A grande real? Ser sozinho uma hora pesa. E então ver casais brigando se torna algo para ser invejado, você olha e pensa “Pelo menos vocês tem alguém para brigar", isso é insano, mas é o efeito da solidão. Então observar a felicidade alheia se torna uma tortura. Então a gente já não sabe mais o que é felicidade, não sabe a sua cor, cheiro ou gosto. Felicidade se torna uma palavra, apenas uma palavra. E aí está uma das coisas mais tristes da vida: Se conformar com a infelicidade. Se eu pudesse dar um conselho, qualquer um, eu diria: Não se conforme, com nada. Não desista da vida ou de viver. Não desista do amor ou de amar. Não desista, não deixe de acreditar. E, se deixar, procure um motivo para acreditar novamente. Repito mais uma vez: Não sou o homem mais completo do mundo e estou longe de ser, mas amo uma mulher com todo o amor que existe em mim. E isso é uma das coisas que eu mais tenho orgulho de dizer. Por que acreditar no amor quando tudo é dor e decepção? Porque, quando menos se espera, alguém aparece. E eu não estou dizendo de um simples alguém, mas “O alguém”. E então você percebe que uma risada pode se tornar viciante. Então você sente uma sensação gostosa quando suas peles se tocam por acaso, sente um aperto no peito. E então você sente, pela primeira vez, que é possível amar alguém que vai lhe amar com a mesma intensidade do seu amor. E você descobre que a felicidade tem a cor, cheiro e gosto dessa pessoa. A felicidade já não é mais apenas uma palavra, mas um nome e sobrenome. A solidão, quando aparecer, pode ser dividida em partes iguais com alguém. Mas, então, você percebe que não há como existir solidão quando o resultado de um mais um é igual à dois. Ou seria três? A gente nunca sabe quando o amor pode dar frutos… Até que seja preciso colher. E sabe o que você vai ter que pensar quando isso acontecer? “Quanto será que custa um berço?”.
—  Allax Garcia.
Sim, eu não tenho um carro importado na garagem ou as melhores roupas de marca. Sou simples e não troco meus livros por vodca. Talvez eu seja mesmo um estranho para você e mereça as piadas que faz sobre mim para as amigas. Mês que vem estou me formando em psicologia e abrindo o meu consultório. Aqui está o meu cartão, pode levar, guarda com carinho. Não, não é para me ligar quando estiver solteira e quiser sair comigo, é para me ligar quando esse homem que você supostamente ama, pisar no teu amor, acabar com a sua autoestima e fazer piadas sobre você para os amigos. Aí, quando nada no mundo fizer sentido, me liga. Estarei ao seu dispor… Só não esqueça de marcar hora.
—  Allax Garcia.
Juro que pensei que era amado. Que fazia falta, que causava saudade, que amenizava a dor. Pensei que era importante para você, sabia? E quase acreditei nisso, quase mesmo. Faltou pouco. Você foi o meu quase. O meu quase amor, a minha quase certeza, a minha quase felicidade. Mas eu não vivo de “quase”, e você também não. A diferença é que eu lutei para o quase, virar tudo. Você fez o quase, se tornar nada.
—    Allax Garcia.