agarrar

my hero oc for villainous (cause there are so many villain ocs so why not switch it up a bit)

short back story:

born without arms young Aggie stayed by her fathers side since birth. she was a very clumsy child which got her into a lot of trouble. her father was a scientist creating a serum to super charge the body, however their daughter had snuck into their lab to explore the strange beakers of liquid. she had tripped on a wire and tumbled into a desk sending the power liquid all over her large wild hair. the serum had soaked into the scalp and into the roots, super charging the hair itself. 18 years later she trained herself and her hair to become a hero to protect people who cannot even if they tried.

Em todos os momentos existe uma escolha. Podemos nos agarrar ao passado, ou aceitar a inevitabilidade da mudança. E permitir que um futuro melhor se desenrole diante de nós. Um futuro incerto que pode atrair até mesmo aliados incertos. De qualquer forma, um novo dia está chegando. Quer queiramos ou não. A questão é: Você irá controlá-lo ou ele vai te controlar?
—  The Originals.
Em menos de dez minutos você se lembra de tudo. Você se lembra o motivo ou os motivos que fizeram tudo se perder. E você se lembra que não é culpado e que, talvez, os outros também não sejam. Assim é a vida. Você se lembra que o grande amor da sua vida. O maior. Aquele que você nunca superou. É o tipo da pessoa que faz questão de ficar a noite inteira longe de você só porque acha charmoso ficar longe de você e não porque queira ficar longe de você. Ele prefere ser descolado do que humano.E você lembra daquela sensação que sentia ao lado dele. De solidão profunda. E você descobre que ele acha que saudade ou vontade de fazer carinho se resume a uma passada de mão na sua bunda ou uma apertada no seu peito. E você percebe que a vida dele, que você tanto colocou no pedestal, pode ser um pouco boba ou até mesmo triste. Com carros que correm para esbanjar uma grana gasta com coisas sem amor, bilhetes de reclamação de barulho, filmes onde cunhadas se comem e amigos que ligam na madrugada achando que puteiro pode ser uma opção legal. Em minutos você entende como ninguém o que te trouxe até aqui, tão longe dele. Me senti visitando meu próprio cemitério. Com amigos e amores mortos e enterrados. Pessoas que a gente desenterra de vez em quando pra ter certeza que fizemos a melhor escolha enterrando elas. Pessoas que a gente lamenta a distância, afinal, já foram tão importantes e… Será que não dá para começar tudo de novo e tentar acertar dessa vez? Pessoas que a gente tenta se agarrar para não sentir que a vida caminha para frente e isso significa, ainda que muito filosoficamente, que um dia vamos morrer. Nossos amigos vão ficando para trás, nossos amores, nossos empregos, casas… Um dia seremos nós a desaparecer. Mas a lição que eu aprendi é que não vale a pena consertar um carro pela décima vez. É mais fácil comprar um novo e fim de papo. Afinal, eu bem que tentei consertar meu relacionamento com algumas pessoas e só ganhei mais e mais poses e menos e menos verdades. Ainda que doa deixar pessoas morrerem, se agarrar a elas é viver mal assombrado.
—  Tati Bernardi. 
Ainda não sei ao certo qual das minhas escolhas teve por consequência você, afinal não acredito em destino ou ação de uma força cósmica sobrenatural. Eu que estava completamente distraída olhando os girassóis pela janela, com o coração interditado por tempo indeterminado para reconstrução, fui surpreendida por um qualquer, você. Um ser que eu desejei tão demasiadamente no primeiro vislumbrar, sabe aquelas paixões arrasadoras de cinco minutos? Eu tive por você, senti uma vontade intensa de beijá-lo ali na primeira vez que nos olhamos, não entendi porque minha essência apetecia tanto um desconhecido, mas que parecia ter passado mil vidas comigo. Eu queria a resposta: porquê? Porque você? Poderia ser qualquer um, mas quando encarei seus olhos grandes e insinuantes eu senti no fundo do peito e a única coisa que conseguia falar era puta merda. Não foi amor, não. Amor se constrói dia pós dia. Foi uma daquelas paixões triunfantes de filmes românticos. Talvez nós não nos completássemos, talvez você fosse de Marte e eu de Vênus, talvez meus trilhões de defeitos, mágoas e cicatrizes fossem impedir que eu me entregasse de corpo e alma. Mas naquele momento, eu só conseguia pensar que se fodam os porquês, talvez e dores. Eu queria sair correndo atrás de você te agarrar e prender em cópula a minh’ alma até o fim dos meus dias. Eu era a menina da janela e você o cara que passava por ali, senti que aquela história boba de flecha do Cupido podia ser verdadeira, pois algo realmente atravessou meu peito e dilacerou o meu ser, quem sabe eu apenas estivesse sendo sonhadora novamente ou porventura você estivesse sentindo o mesmo. Quem sabe seria mais fácil correr até você e perguntar se de todos seus sonhos românticos você aceitaria se apaixonar pela menina da janela apaixonada por girassóis.
—  Almalizei datilografou com Vireipassaro.
Não adianta tentar fugir do que te prende e te consome por inteiro, quando você tem química com alguém, aquele querer insaciável que não se cura e que te faz perder a razão e se jogar de cabeça, é preciso agarrar, devorar, desfrutar e se perder de qualquer racionalidade. O mundo pode ser contra, a pessoa pode ter mil defeitos, mas se existe amor, paixão e aquele desejo incontrolável, você vai continuar ali, porque somente aquela pessoa é capaz de tirar seus  pés do chão com sensações que mexem com todos os seus sentidos. Sabe aquela coisa de pele? Onde você pode estar morrendo de ódio daquele determinado ser, mas quando chega perto e só de ouvir a respiração, todas as suas estruturas balançam? Se você tem isso com alguém, o jeito é viver e sentir tudo e deixar levar. Como diz Gabito Nunes, “mais valem na vida os momentos que perdemos o fôlego aos que simplesmente respiramos”. Eu também concordo.
—  Giulia S.