adaptam

STATUS:  Ela é

Ela é dessas que não passa duas vezes na vida de ninguém, então se ela passou na sua tome muito cuidado pra que ela não vá embora.

Ela é segura demais, toda cheia de si, mas qual é o problema disso? Se ela não se garantir, quem é que se garante por ela? 

Ela não vai mudar por ninguém, a não ser que decida que tá na hora de se reinventar.

Ela se deu conta de quem era e bate no peito orgulhosa de ser assim, meio amarga, meio doce, meio quente, meio fria, meio ela e só ela.

Ela é daqueles que junta os caquinhos e joga fora, porque se quebrou é que tá na hora de viver por algo novo.

Ela deu muitas chances pra quem não merecia e sofreu um bocado na mão desses caras, até que descobriu que não precisava deles pra nada.

Ela é caos e calmaria, jazz e rock n’ roll, yin e yang, preto e branco, tudo e nada.

Ela é diferente de tudo o que você já viu. Não tente compará-la com as outras que já passaram na sua vida.

Ela é do tipo que não chora leite derramado, nem se desfaz inteira porque algo não saiu como planejado.

Ela é muito transparente pra tolerar ao seu lado alguém que se camufla na primeira oportunidade.

Ela é intensa, não sabe sentir em conta-gotas, ou faz sol ou faz tempestade, porque não nasceu pra ser garoinha.

Ela é difícil de baixar a guarda, você precisa convencê-la de que vale a pena.

Ela é diferente, dessas que não se enquadram, não se adaptam.

Ela faz o que quer, quando quer, mas se você merecer ela te cede um espaço ao seu lado.

É no silêncio que ela se encontra. Não tente entende-la, nem a desvendar, ela não é um mistério a ser descoberto, é só alguém a ser respeitado.

queira alguém que não dependa de outro pra ser inteiro. queira alguém que não te faça de curativo.
gosto de pessoas inteiras, que se adaptam. aquelas que enfrentam a dor, que não fazem cara de “cão abandonado” e mesmo assim, lidam e tocam a vida sem dependência de outro alguém.
todas as pessoas são criadoras de suas próprias dores. então, devemos ser a nossa própria cura.

o homem que busca aliviar sua dor em outra pessoa, está sujeitando-se a piorar sua situação.

Kenedy Vinicios.

Status: Ela é 🌹🍃💙💬

- Ela é muito transparente pra tolerar ao seu lado alguém que se camufla na primeira oportunidade 👣👌🏻💭🌀
- Ela é intensa, não sabe sentir em conta-gotas, ou faz sol ou faz tempestade, porque não nasceu pra ser garoinha 😌🍃👌🏻💭
- Ela é difícil de baixar a guarda, você precisa convencê-la de que vale a pena 🙁💭👌🏻
- Ela é diferente, dessas que não se enquadram, não se adaptam 😌👏🏻🍃💭
- Ela faz o que quer, quando quer, mas se você merecer ela te cede um espaço ao seu lado 😏👌🏻💭🔞
- É no silêncio que ela se encontra. Não tente entende-la, nem a desvendar, ela não é um mistério a ser descoberto, é só alguém a ser respeitado 🍃🌀💭🙊
- Ela é dessas que não passa duas vezes na vida de ninguém, então se ela passou na sua tome muito cuidado pra que ela não vá embora 🙄👌🏻💭🌀
- Ela é segura demais, toda cheia de si, mas qual é o problema disso? Se ela não se garantir, quem é que se garante por ela? 💭🌀👏🏻👣
- Ela não vai mudar por ninguém, a não ser que decida que tá na hora de se reinventar 🍃🌀💭👣
- Ela se deu conta de quem era e bate no peito orgulhosa de ser assim, meio amarga, meio doce, meio quente, meio fria, meio ela e só Ela 😌🍃💭💃🏻
- Ela é daqueles que junta os caquinhos e joga fora, porque se quebrou é que tá na hora de viver por algo novo 😌👌🏻💭💔
- Ela deu muitas chances pra quem não merecia e sofreu um bocado na mão desses caras, até que descobriu que não precisava deles pra Nada 😌💔💭👌🏻
- Ela é caos e calmaria, jazz e rock n’ roll, yin e yang, preto e branco, tudo e nada ☯💭🌀🍃
- Ela é diferente de tudo o que você já viu. Não tente compará-la com as outras que já passaram na sua vida 😏👌🏻💭🔞
- Ela é do tipo que não chora leite derramado, nem se desfaz inteira porque algo não saiu como Planejado 😌👏🏻🍻💭

Eu não lhe ofereço as tulipas holandesas porque eu pertenço ao agreste, porque elas denotam o amor e eu não te amo. Eu não escolhi as tulipas porque elas não se adaptam ao clima quente em que vivo, sabe o que eu sou? Você não sabe nada sobre mim. Eu escolhi os cactos, os cactos do agreste setentrional de Pernambuco, porque são bonitos apesar de serem espinhentos. Eu escolhi os cactos porque eles são fortes e eu espero que sua vida não seja tão curta como seria a vinda das tulipas a minha casa: elas murchariam, iriam embora, morreriam rápido demais.
Eu escolhi os cactos porque eles são incrivelmente parecidos comigo. Quando a aproximação não é intensa, posso parecer hostil, mas a minha alma possui um processo de lapidação, é perigosa e todos temem tocar para não se machucarem. E eu, eu não desperto os suspiros apaixonados que as tulipas causam, eu não possuo o perfume dos jardins. Eu sou resistente, eu não fui feita para morrer cedo. E eu, eu posso ser uma flor exclusiva de cacto, posso experimentar a brasa que queima nas casas do sertão. Posso florescer quando o sol invadir o horizonte. Posso ser o tudo. Posso ser o nada. Mas quando eu me despertar flor de cacto, isto significa que eu estou pronta para amar.

Foi quando aprendi que as palavras não servem para nada; que as palavras nunca se adaptam nem mesmo ao que elas querem dizer. Quando ele nasceu compreendi que a maternidade foi inventada por alguém que tinha de arranjar uma palavra para isso, porque as que tinham os filhos não queriam saber se havia ou não uma palavra para isso. Compreendi que o medo foi inventado por alguém que nunca tinha tido medo; o orgulho, por quem nunca tinha sentido orgulho.
—  William Faulkner, in ‘Na Minha Morte’
Tu perguntas-me porque é que eu não tenho namorado como quem tenta descobrir o meu defeito. Eu digo que não sou assim tão fácil, como quem responde “perfeccionista” quando lhe perguntam o seu maior defeito. Não é mentira, mas também não é por isso. Eu podia colocar a culpa nos homens e dizer que é difícil comprometer-se hoje em dia. Eu podia colocar a culpa “nos tempos” e dizer que é difícil admirar. Eu podia até fazer como aquelas pessoas que dizem “se tu estás sozinha é porque tu és chata” e ficar a redimir-me pelos cantos, mas nada disso seria sincero.
O que eu tenho pensado ultimamente e que me tem trazido alguma calma é que o amor é muito específico. Não é mesmo fácil encontrar amor sincero. Aparência, interesses comuns e vida profissional são apenas critérios genéricos. Se não fossem, a plataforma do amor seria o Linkedin.
Não é assim que funciona. Pelo menos para mim. Eu sempre estranhei aquelas pessoas que conseguem arranjar um namoro pouco tempo depois de terem terminado um. Sai um, entra outro e fica tudo bem. Antes achava que essas pessoas tinham muita sorte. Hoje penso que talvez sejam mais flexíveis. Talvez valorizem mais a companhia do que a pessoa. Gostem da estabilidade de ter alguém a seu lado. Adaptam-se melhor ao outro, enquanto que eu me prendo a detalhes.
Apaixonante para mim é o homem que trata com educação o empregado de mesa. Que me chama de uma maneira fofa. Que tem pensamentos bonitos. Que consegue desenrolar uma conversa agradável numa festa cheia de desconhecidos. Pode parecer loucura, mas para mim a paixão está intimamente ligada ao tom de voz e à qualidade da playlist. Gosto de quem me olha com inteligência, de quem me abraça com vontade, de quem não se expõe demasiado.
Toda a vez que eu vejo um casal feliz, imagino que eles sejam resultado de algum alinhamento cósmico super complicado. Se já é difícil amar alguém, imagina amar alguém que te ama de volta. Que também valoriza em ti o que mais ninguém percebe. Considero que é uma missão difícil fazer-se insubstituível na vida de alguém num mundo em que ninguém mais levanta a cabeça, tão entretidos que estamos com o visor do telefone.
Como disse uma amiga, a questão não é ter um namorado: é ter o namorado certo. Enquanto ele não chega, eu trabalho, saio, vou ao ginásio. Também tenho os meus momentos menos bons, mas não há muito que eu possa fazer. Preciso ter paciência para esperar o que mereço. Estou sozinha e não é culpa minha. O amor é raro.
—  Sarah Westphal