aconteceu ontem

Conto Erótico parte 1

Quando uma mulher é incendiada pelo desejo de outra, sua perspectiva sobre tudo muda, era assim que se sentia Sarah Jessica Filds, ao se sentir atraída por uma bela mulher que a mostrou que uma nova perspectiva, que tirou dela toda aquela falta de desejo que ela encontrara em homens, não adiantava procurar, ela sabia bem que só no corpo de uma mulher mataria sua sede.

Sarah era uma jovem com seus 21 anos, estudante de medicina, com pouco tempo livre, amigos incrivelmente inteligentes, estava bem, até conhecer Alexa Grey, sua professora de anatomia humana, uma mulher elegante com seus 30 mas um corpo de 20, logo pensou

- cirurgiã plástica, murmurou Sarah a sua amiga sentada a sua direita

- Ela não é cirurgiã Plástica Sarah é neuro, retrucou Clara, ela é famosa entre os professores, tem um esquema de aulas particulares, se é que você me entende, riu baixo para não interromper a aula

Sarah interessada pela informação, começou a prestar atenção nos principais sinais de uma lésbica, olhou suas unhas, lindas, bem feias e grandes, olhou seu estilo de vestir, super feminina e seu cheiro exalava por toda sala, o que deixava Sarah completamente focada na aula, no outro dia, Sarah sentou na primeira mesa da fileira do meio, estando em evidência ao olhar penetrante de Alexa, ao entrar Alexa se deparou com uma menina linda de cabelos cor do sol, uma boca rosada, quase irresistível aos olhos de Alexa, ao se aproximar percebeu que Sarah a olhava intensamente como um fruto proibido que adoraria comer

-  olá, disse Alexa

Meio engasgado Sarah custou a falar, tropeçando nas palavras

-  o, oi quer dizer olá

-  qual seu nome minha jovem, disse Alexa com um sorriso torto

-  me chamo Sarah, retrucou

-  como vai Sarah? Meu nome é Alexa Grey, e serei sua fonte de conhecimento esse semestre, não estou lembrada de você aula passada, por isso a apresentação menos formal, sorriu com o canto da boca

- Obrigada senhora, será uma honra tê-la, quero dizer aprender com a senhora esse semestre

Sorrindo Alexa olhou e disse, - senhora não Sarah, pode me chamar de Alexa.

Sarah sorriu e continuou observando aquela mulher incrível se virar de costas, em evidência um corpo totalmente exposto em uma saia justa. Durante a aula, Sarah parecia estar nas estrelas, distante, navegando nos lábios de Alexia, que se mexiam ao falar e mostravam dentes perfeitos, um verdadeiro convite a boca de Sarah, que mal conseguia se controlar, após a aula, Sarah esperou todos irem embora, para que pudesse ter um contato maior com Alexa, após a sala vazia Alexa reparou somente Sarah sentada de pernas cruzadas em uma cadeira a sua frente

- Oi Sarah, quer tirar alguma dúvida?

Sarah respondeu apressadamente – Não, só queria saber se posso ter a honra te te beijar,

Sim, era o que Sarah queria ter dito, mas ao invés disso disse – não, queria lhe perguntar se conversaram com você sobre a festa de arrecadação de fundos, para formatura, pois fiquei sabendo que você será madrinha da nossa turma.

- Olha Sarah eu sinceramente ainda não me informei sobre tudo, mas pelo que posso ver você faz parte da comissão certo?

- Sim senhora

- Pois então, adoraria me encontrar com você 1 ou 2 vezes por semana, para que você me deixe bem informada, mas para isso você deve parar de me chamar de Senhora – risos

- Claro, seria uma honra disse Sarah com um sorriso enorme, e quanto a senhora, não irá se repetir

Apertaram as mãos e deixaram a sala, enquanto Sarah foi para a porta da faculdade, pois havia perdido a carona de Clara, que havia saído mais cedo, Alexa avistou Sarah após sair do estacionamento, e lhe ofereceu uma carona

-  aonde você mora Sarah?

 

Sarah havia deixado a casa de seus pais e comprado um apartamento no centro, mas este apartamento estava sendo reformado como um presente de seu pai, um arquiteto renomado na cidade, então Sarah estava em um hotel, a 30 quadras da faculdade

-  moro provisoriamente em um hotel, a 30 quadras, hotel Vivence, conhece?  mas não se preocupe eu pego o ônibus disse Sarah sem graça de pedir uma carona

-  conheço sim entra aqui, eu te deixo lá, disse com um tom de autoridade, que penetrou no ouvido de Sarah como um toque e a fez arrepiar

Entrando no carro, meio sem graça puxou o sinto de segurança, e observou as mãos de Alexa, sem nenhuma aliança ou anel indicando compromisso

Sem ver soltou

- Alexa você é casada?

Alexa desviou os olhos da direção e olhou para Sarah que estava vermelha de vergonha devida a pergunta invasiva, sorriu dizendo, - já ouviu o ditado, solteira sim sozinha nunca? Sorrindo perguntou

Sarah sorriu e disse, -claro que sim, se aplica a você?

-  solteira sim, sozinha às vezes, se aplicaria melhor sorrindo respondeu

-  e você, onde anda seu príncipe encantado, bela adormecida?

Rindo disse – Bela adormecida?

-  sim, claro, perceba a semelhança, cabelo loiros cor de mel, boca rosada e pele branca, qual é, anda perdida no mundo real princesa?

Aos risos disse – uma leve semelhança, príncipe? Ele que me desculpe mas eu me interesso mais pela Jasmim, princesa do Aladin .

Dito isso Sarah reparava na semelhança de Alexa a tal princesa Jasmin, cabelos longos e pretos como à noite, olhos grandes e intensos uma beleza surreal no mundo real.

- Então você é lésbica? Perguntou

- Sim, muito, sorrindo disse

Alexa olhou para Sarah e disse - chegamos ao seu destino minha querida, sorriu.

- Alexa, me deixa retribuir esse favor, vamos subir, tomar um chá? Café? Água? Sorriu

- Obrigada Sarah, não irei recusar, mas hoje não posso, tenho uma reunião com o reitor da faculdade no centro a 1 hora, mas irei aceitar seu convite outra hora, pode ser?

-  claro, ficarei feliz em recompensa-la pela carona, muito obrigada novamente, disse Sarah acenando para Alexa enquanto ela partia

Sarah subiu pensando na conversa que teve com Alexa, pensando que ela havia deixado no ar sobre sua sexualidade, ou preferência sexual, Sarah chegou no quarto tirou sua roupa e foi ao banheiro, tomando banho Sarah teve os pensamentos mais sacanas sobre Alexa, sem se dar conta estava completamente excitava e sentindo seu sexo escorrer pelas suas pernas, se encostou na parede do banheiro, deslizou sua mão para baixo tocando seu clitóris encharcado, começou a se masturbar, jogou a cabeça para trás e imaginou Alexa na sua frente, completamente nua, passando a mão pelo seu corpo, em poucos minutos Sarah gozou, voltando a realidade e caindo a ficha do quanto Alexa estava mexendo com seus sentimentos.

Enquanto isso, Alexa flutuava em sua reunião, viajando nos lindos olhos de Sarah, repassando sua risada várias e várias vezes em sua mente, sorrindo sozinha até ser interrompida pelo reitor, que falava da classe de Sarah, sem saber o que falavam, Alexa, tentou prestar atenção na reunião, sendo proposta a ficar encarregada da turma de Sarah, Alexa se interessou na proposta,como já teria dito a Sarah que ela seria seu canal de informações, lhe pareceu conveniente aceitar a proposta, ao sair da reunião, Alexa foi pra casa, planejar a aula do outro dia.

Sarah agarrada nos livros tentava se livrar dos pensamentos sacanas que Alexia lhe trazia, tentando estudar exatamente a matéria do qual Alexia lecionava, Sarah era uma aluna exemplar e impressionava qualquer professor, mas ela queria impressionar uma em particular.

Durante a noite, Sarah não conseguia largar os pensamentos impróprio que teve no banho, mas junto a eles, veio a regra número 84 do parágrafo 3 do livro de código de ética profissional da faculdade , que proibia o relacionamento entre professores e alunos, mas como dizem o proibido é mais gostoso, só manteve Sarah mais excitada em relação a sua querida professora, virou a noite pensando sobre o assunto, ao se dar conta seu relógio marcava 4:00 horas da manhã, e Sarah acordava às 7:00 pois sua aula começara às 08:30, fechou os olhos e seu despertador tocou, ela nem se importou em estar acabada e com sono pois iria ver Alexa e quem sabe ela aceitaria seu convite para aquele café.

Na faculdade a aula de Alexa passou em 1 minuto pelo menos para Sarah, ao fim da aula, Sarah perguntou Alexa se ela queria se informar com a situação da turma, como ela seria a responsável pela mesma, então Alexa aceitou seu convite para o café …

A caminho Alexa diz

- Sarah, tenho algo sério para conversar com você, eu não sei bem o que aconteceu aqui neste carro ontem, mas foi bem impactante, eu sou gay também como você, então é inevitável eu não flertar com uma mulher como você, vai contra minha natureza, sei bem que os alunos da sua turma diz ter rumores sobre minhas aulas particulares, mas isso é mentira, uma vez eu me envolvi com uma ex aluna, ela era uma pessoa incrível uma médica com um futuro brilhante, e precisava da minha ajuda pois iria se especializar na minha área, neuro, com meu auxílio ela não teria limites e cresceria inevitavelmente sendo a aluna brilhante que era, não havia nada sentimental ou sexual entre a gente, mas ela pegava carona comigo todos os dias, ficávamos juntas nos fins da aula, e isso instigava os alunos, que começaram a falar e comentar sobre o que não sabiam, por isso estou te contando porque você pode se tornar vítima de calúnia pelos corredores desta faculdade, com você é diferente, você me instigou por ser uma pessoa cativante, você é meiga e atenciosa, mas você não pode ter nada a mais que minha amizade, tudo bem ?

Sarah escutava e absorvia toda a informação e o motivo pelo qual Clara fez o comentário no primeiro dia de aula do semestre, mas focou na parte que Alexa se assumira gay, mesmo escutando que Alexa só queria sua amizade, havia algo na voz de Alexa que não passava tanta firmeza, e de jeito nenhum Sarah queria ficar na friendzone mas aceitou, melhor ter Alexa amiga perto que Alexa nenhuma, por hora era o suficiente

- Tudo bem Alexa, você é uma mulher incrivelmente atraente, e aceito sim sua amizade, e para deixar claro, não ligo para o que falem na faculdade, pode fica tranquila quanto a isso

Chegando no hotel em que Sarah se hospedara, subiram para o quarto, Sarah pediu dois chás com torradas para entregar no quarto

Entrando no quarto Sarah diz

-  fica à vontade Alexa, quer ver TV? Enquanto eu troco de roupa?

-  não precisa retrucou Alexa

Sarah andou  caminho ao banheiro para se trocar, deixando a porta aberta, havia um espelho em frente a porta do banheiro do lado de fora  que refletia parte interna do banheiro, Alexa tentava não olhar, mas viu Sarah abaixar sua calça, mostrando sua lingerie delicada, e incrivelmente pequena, deixando a mostra sua bunda arredondada e perfeita, e seus seios fartos logo após Sarah tirar a camiseta, Alexa tentava se controlar mas sua boca salivava de vontade daquela mulher, levantou, respirou fundo e foi até a varanda tomar um ar, Sarah voltou com uma roupa menos formal, e disse que o chá havia chegado, sentaram tomaram chá e conversaram sobre tudo um pouco, sobre gostos, esportes, musicas, relacionamentos,  até chegar na parte sexual da conversa, após aberta a intimidade, Sarah diz

-  sexualmente falando, essas mulheres da cidade não estão com nada, - risos

- Sarah tem tanto tempo que não fico com uma mulher na cidade, que nem te ajudar com essa questão posso

-  então a senhorita é internacional? Diz Sarah

-  digamos que meus congressos são de sua maioria fora do Brasil, e lá estão mulheres incríveis, novas experiências, novos gostos, é incrível

-  digamos que gosto muito da pegada brasileira, retruca Sarah, mulheres gostosas com um corpo incrível que fazem loucuras na cama, elas sim valem a pena

Perto de Sarah Alexa diz ofegante

-  valem é?

Se olham fixamente e profundamente, sentindo o tesão de ambas se encontrarem em um clima quente e úmido

Alexa se levanta meio sem graça e diz

-  olha a hora está tarde, tenho que ir

-  tudo bem diz Sarah, mas você volta? Algum dia?

-  claro que volto Sarah, Alexa pega o caderno de Sarah deixado a mesa e anota seu número junto a um meio coração, e diz me liga ou mande mensagem diz sorrindo ao sair pela porta

-Sarah sorri e diz, claro

Sarah louca com o clima que havia acabado de ter com aquele espetáculo de mulher, pega o celular e imediatamente envia um “olá” para Alexa

Alexa enquanto isso desce para a garagem pensando no corpo de Sarah que sem querer havia apreciado secretamente, sem aguentar as borboletas no estômago e a vontade louca de beija-la, entrou em seu carro e foi para casa, para um banho de água fria, após o banho o tesão por Sarah permanecia em Alexa, que lutava contra aquele sentimento forte para com a aluna

E então por sua vez Alexa se tocara, com os pensamentos em Sarah, mais especificamente na imagem que havia visto no espelho esta tarde, gemendo loucamente com seus dedos penetrando, entrando e saindo de dentro de si, gozando como a muito tempo não gozara.

Então seu celular apita com uma mensagem de Sarah

-  olá, estava pensando em você

Você quer vir tomar uma cerveja comigo hoje mais tarde?

 

Ao ler Alexa deu seu último gemido, e como não concordar com aquele pedido

-  olá Sarah, gostaria muito, te encontro as 19:00 na recepção tudo bem para você?

-  claro, marcado

Então cada uma em sua casa e ambas com o mesmo pensamento, que roupa usar, após várias tentativas a roupa estava pronta, Alexa sempre preparada e maravilhosa, Sarah foi se depilar pois o que poderia acontecer aquela noite, era imprevisível, as 19:00 em ponto Alexa entrava na porta do hotel, incrivelmente linda, cabelo solto, salto 15 é um vestido colado deixando suas curvas em evidência, não havia uma pessoa que passara e não reparasse sua beleza, com 10 mim de atraso Sarah desce, olha Alexa e fica extasiada com a beleza que a sua frente estava, e Alexa olhando fixamente pra Sarah e usava um decote que a deixava literalmente de queixo caído, durante todo o tempo Alexa só queria cair de boca naqueles peitos que se insinuavam pra ela, Sarah ciente de onde os olhos de Alexa estavam, Sarah a provocava mais, após as bebidas e comidas, Sarah chamou Alexa para seu quarto, as duas subiram deixando o clima no elevador quente, Alexa estava à frente de Sarah, ela então se aproximou e colocou sua boca de leve no pescoço de Alexa que se arrepiou por inteira ao sentir, se virou e beijou enlouquecidamente a boca de Sarah, cada toque era mágico, sua língua percorria cada canto da boca de Sarah, ao sair do elevador entraram pro quarto e foram se despindo rapidamente até chegar na cama, com um sorriso safado Alexa joga Sarah na cama com um só empurrão, e diz

-  você gosta de mulher brasileira? Então vou te mostrar como é uma brasileira na cama

Começou a beijar todo o corpo de Sarah que gemia e se contorcia com o tesão enorme que o toque de Alexa a proporcionava, ela beijava, lambia e mordiscava os peitos de Sarah como se fosse os devorar, apertando e massageando o outro com a outra mão, e ia descendo a encontro da tão desejada buceta de Sarah que estava encharcadas de tesão, que escorria pelas duas coxas, e Alexa fez questão de chupar antes de colocar sua língua na buceta de Sarah, que já implorava para que a chupasse, então com a maior fome Alexa abocanha a buceta de Sarah a fazendo gritar de tesão, e pedir cada vez mais puxando os cabelos de Alexa e apertando sua cabeça em seu sexo, Alexa a chupava como nunca havia chupado alguém antes e sentia tanto tesão chupando aquela buceta completamente molhada que metia seus dedos na sua própria buceta, sem aguentar o tesão que estava em comer Sarah se lambuzar naquele paraíso que Sarah tinha  entre as pernas, e quando Sarah iria gozar Alexa colocou o clitóris dela em sua boca e começou a sugar e mamar como jamais havia feito antes, e por fim gozaram juntas, pela primeira vez, de muitas que ainda iriam gozar durante aquela noite…

continuação em breve …

Meu nome é Matheus Lopes (@matheuslopesx) e estou traduzindo os tweets do Manuel Bartual para português para compartilhar com quem não lê espanhol. Aparentemente ele acabou de contar a história e era tudo ficção.

Twitter dele: https://twitter.com/ManuelBartual


21 de agosto

Estou de férias há alguns dias, em um hotel perto da praia. Estava tudo bem até que começaram a acontecer coisas estranhas.

Esta tarde estava lendo na varanda do meu quarto quando ouvi a porta se abrindo. E nesta viagem vim sozinho.

Primeiro pensei no normal desses casos, que era alguém do serviço de quarto. Já aconteceu outras vezes. Hoje pelo menos eu estava de calça. Mas não: quando entrei no quarto, encontrei um homem alto e magro, muito nervoso, andando de um lado para o outro.

Me assustei um pouco. Se movia rápido, parecia observar o quarto, ou buscar algo, não sei. Falei com ele e ele me olhou. Assim passou um pouco o susto, porque quando nos olhamos ele não me pareceu agressivo, mas bem desorientado. Era um olhar triste.

Me aproximei dele e ele me segurou forte por um braço. Começou a falar, muito rápido, sem piscar os olhos, mas eu não entendia nada. No começo pareceu um idioma que eu não conseguia entender, mas em seguida comecei a reconhecer palavras. Era espanhol, mas completamente fora de ordem. Algumas frases começavam com as palavras no lugar, mas rapidamente se deslocavam. Como um Yoda a mil por hora, se atropelando ao falar.

Tentei acalmá-lo, mas não adiantou muito. Gritou algo, se virou e antes de ir percebi que ele carregava um cartão como o que eu uso para entrar no quarto. Um cartão como este.

Fechei a tranca da porta e me sentei no sofá por um momento. Na mesma hora escondi as coisas de valor e fui à recepção. Me explicaram que é raro, mas não impossível. Cada vez que um hóspede deixa o hotel, resetam o acesso do quarto, mas talvez quem se encarregou de fazer o check out esqueceu dessa parte do processo. Estou supondo que foi isso mesmo, um cliente do hotel.

Descrevi sua aparência, mas não tinha nenhuma característica que o destacasse. Alto, magro, cabelo curto, meio queimado de sol. A moça que estava me atendendo falou para eu me virar, que ele estava atrás de mim. Metade dos que estavam na recepção se encaixava na descrição. Rimos um pouco.

Para nos assegurarmos de que isso não aconteceria novamente, trocou o cartão e resetou o acesso ao meu quarto. E aqui fiquei desde então. Mas isso não é a única coisa estranha que me aconteceu hoje. Também perdi esta camiseta.

22 de agosto

Desci para tomar café da manhã no hotel e acabei de passar pelo homem alto. Está sentado aqui, tomando café em outra mesa. Ao passar ao lado dele, me cumprimentou e se desculpou. Desta vez o entendi porque ele falou tranquilo, colocando cada palavra no lugar. Disse que entrou no meu quarto por engano, que está hospedado em outro deste mesmo hotel e que se desculpava pelo susto.

“Não se preocupe, está tudo bem” repetiu várias vezes com um sorriso no rosto que não poderia ser mais falso. Enfim, não sei. Quase me fez me sentir pior agora do que ontem quando entrou no meu quarto enlouquecido. Ontem pelo menos parecia uma pessoa. Hoje parece um robô. Vou tratar de tirar uma foto. Aqui, é este.

Passei a manhã fora. Ao voltar encontrei com o quarto aberto e isto no chão do banheiro.

É um lápis preto usado.

Não é meu, não trouxe nenhum lápis comigo. Revistei o quarto, mas não encontrei nada mais que não seja meu, nem nada sumiu. Em qualquer outro momento eu teria imaginado que quem estava limpando o quarto o deixou cair, mas depois de ontem não sei o que pensar. Esclarecendo porque vocês me perguntaram: o lápis não é meu nem é como os que eu uso geralmente. Vou dar uma volta.

Não sei se comecei a ficar um pouco influenciado pelo que aconteceu ontem, mas esta tarde voltou a acontecer algo um pouco estranho. Estava passeando pela praia e acabei caminhando até o final desta passarela. 

Não é muito longe da areia, mas a vida desta parte que adentra o mar é legal. Costuma encher de gente tirando fotos. 

Fiquei um momento, quando me virei vi isso.

Não dá pra ver muito bem por conta da luz, mas à direita está o homem alto junto a outro homem. Não sei quanto tempo ficaram ali em pé, mas juro que estavam ali quietos, me observando. São estes dois.

Comecei a caminhar na direção deles e no mesmo momento se viraram e começaram a caminhar para a orla. Tratei de segui-los, mas com o sol no meu rosto e a quantidade de pessoas, ao chegar na orla não consegui ver aonde tinham ido. Mas isso não foi o mais estranho. O mais estranho foi que o homem que acompanhava o homem alto estava vestindo a camiseta que perdi ontem.

23 de agosto

Para os que estão preocupados comigo: continuo vivo!

Ontem voltei ao hotel e pedi algo para jantar no quarto. Fiquei por aqui desde então, lendo e vendo alguns filmes. Tenho pensado e creio que me exaltei um pouco. Com certeza há uma explicação lógica para tudo isto. Na verdade pode ser que os dois homens que vi ontem não eram o mesmo que entrou no meu quarto nem um com minha camiseta perdida. O sol estava na minha cara quando os vi, então não sei. Talvez tenha visto o que eu quis ver. Vou à praia nadar um pouco, ver se me distraio.

Aconteceu algo. Estava nadando e ao sair vi alguém sentado na areia com a camiseta que tinha desaparecido. Creio que é o mesmo homem que me observava ontem na passarela junto com o homem alto. Desta vez não parecia estar me observando. Estava sentando longe de mim, olhando para o mar. Eu deixei o celular no hotel antes de sair, então pensei no que fazer: se voltaria para pegar o celular, vigiá-lo ou sei lá.

Acabei voltando ao hotel. Não parecia que ia sair dali e o hotel fica perto da praia. Quero documentar tudo isto. Quando voltei com o celular ele já não estava lá. Por sorte, a zona turística não é muito grande. Dei umas voltas e acabei o encontrando sentado em um bar. Tirei estas duas fotos.

Vou ficar aqui perto, tomando cuidado para ele não me ver. Ele acabou de pedir algo a um garçom.

Trouxeram um hambúrguer e um refresco. Ou um vinho de verão, algo assim. Continuo aqui, debaixo de uma árvore, fora de vista. Acabou de comer. Pagou. Acabou de sair do bar. Estou o seguindo. Acabou de entrar no supermercado.

Ok, AGORA SIM ESTOU SURTANDO. Esse cara é IDÊNTICO A MIM.

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/900343908705517568

A vocês que me conhecem pessoalmente: é coisa minha ou vocês também o acham parecido?

O perdi de vista ao sair. Estou procurando. Não o encontro. Creio que devo voltar ao hotel. Deixo aqui uma foto minha para que possam comparar.

Estou no meu quarto. Não sei o que pensar de tudo isto. Mesmo que pareça incrível, há algo que me inquieta mais do que ter encontrado alguém idêntico a mim.

Esta zona turística é pequena e realmente há pouco o que fazer nela. Uma praia, hotéis, casas e alguns bares e supermercados. Suponho que esse é o encanto. Um lugar para se visitar para não fazer nada durante uns dias. É justamente o que eu buscava quando vim aqui. O outro Manuel, por assim dizer, estava descansando de frente para o mar, comendo um hambúrguer e logo comprando água. Mesmo pensando que aqui é pequeno e a oferta é limitada… Qual é a probabilidade dele ter feito exatamente o mesmo que eu fiz ao chegar aqui, no primeiro dia, na mesma ordem e nos mesmos lugares?

Quase me caguei agora há pouco. Continuo sem saber quem deixou o lápis no banheiro, mas pelo menos já sei o que ele fazia ali. Melhor que vocês vejam com seus próprios olhos.

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/900449501147783169

“ESTÁ. EM. PERIGO.”

Acho que eu teria caído na gargalhada ao ver isto se não fosse prova de que alguém esteve no meu banheiro. Se bem que se parando pra pensar, se alguém queria me deixar uma mensagem e não quisesse que ninguém mais visse além de mim, que lugar melhor do que este? E tem mais. Continuei desenrolando e encontrei tudo isto.

Tentei colocar mais ou menos na ordem em que encontrei, mas dá pra ver que não tem muito sentido. Lembrei em seguida de como falava o homem alto quando o entrou no meu quarto, o que me faz pensar que isto foi escrito por ele. Vou tentar ordenar as palavras e ver se consigo dar algum sentido a este enigma.

24 de agosto

Obrigado a todos que me escreveram à noite em público e em particular para me ajudar a decifrar essa mensagem. Foi muita gente! Alguma frase pode estar fora do lugar, mas acredito que isto é mais ou menos o que diz:

“Está em perigo. Já não tenho solução, mas você pode se salvar. Encontre o outro quarto e fique nele. Não é uma brincadeira.”

Não vou mentir para vocês: esta noite não dormi muito bem por conta de tudo isto. Mesmo que a mensagem avise justamente o contrário, estou achando que alguém está fazendo algum tipo de brincadeira muito elaborada. E ainda que seja sério, o que posso fazer? Tenho olhando a planta do hotel que fica colada na minha porta, e se não me falham as contas, este hotel tem 192 quartos. Sem contar o meu, qual desses 191 quartos é “o outro quarto”? E mesmo que eu saiba, como entro nele?

Passo a manhã pensando na mensagem, e se isto é sério, não me parece viagem pensar que na verdade há dois homens altos. O homem alto 1 seria o que entrou no meu quarto na segunda e me deixou a mensagem. O homem alto 2 seria o que encontrei tomando café da manhã e me observava na passarela acompanhado do outro Manuel.

Isto explicaria a diferença de comportamento entre as duas vezes em que falei com ele, primeiro no meu quarto e depois no café. Foi algo muito forte. O homem alto 1 estava nervosíssimo, o homem alto 2 parecia uma pessoa completamente diferente. Tão tranquilo e repetindo tantas vezes que tudo estava bem que fiquei nervoso de falar com ele. O que já não sei explicar é por que há dois e por que são idênticos. Mas claro, também está andando por aí um cara idêntico a mim. Também me preocupa o estado em que o homem alto 1 apareceu no meu quarto, tão nervoso, tão fora de si.

Se o seu “já não tem solução” mas o meu pode ser salvo, isso quer dizer que o aconteceu com ele pode acontecer comigo? Estou ficando agoniado. Sairei para dar uma volta.

Alguns de vocês comentaram que talvez “o outro quarto” seja um com o mesmo número que o meu neste mesmo hotel. Não havia pensando nisso. Me pareceu estranho haver dois quartos com o mesmo número, mas a essa altura é melhor não descartar nada. Vou procurar no hotel inteiro. O meu quarto é o 328.

Aos que me perguntaram como é possível que eu esteja hospedado no quarto 328 se o hotel tem 192 quartos: procurei no hotel inteiro mas não vi nenhum outro quarto 328. Também pensei que talvez “o outro quarto” seja um que tenha os números 328 mas em ordem diferente. Teria certo sentido. A única outra combinação de 328 que deu resultado em um quarto que existe neste hotel é 238. Tentei ligar para o telefone desse outro quarto pelo meu. Uma mulher atendeu falando em alemão. No fundo dava pra ouvir duas crianças. Acredito que “o outro quarto” deve ser outra coisa. Vou descansar um pouco. Estou cansado. De noite não dormi muito bem.

Acabei de acordar de uma sesta. Tive um sonho muito estranho. Caía no mar, não sei muito bem de que parte, e ao chegar na orla começava a caminhar até o meu hotel.

Ao chegar no meu quarto entrava nele e encontrava ali alguém idêntico a mim. Então saía e caminhava até minha casa. Isto é impossível porque levaria dias para chegar, até porque há um mar entre os dois. Mas bem, você sabe como funcionam os sonhos. Quando chegava em casa, entrava e Manuel Bartual estava ali. Descia para ir a um bar e outro Manuel Bartural estava tomando algo neste mesmo bar. Isto me irritava especialmente porque eu desço para tomar café todos os dias neste bar. A situação se repetia várias vezes, fosse onde fosse, e ao final, muito agoniado, decidia pegar o telefone e ligar para mim mesmo. E então escutava Chiquito de la Calzada do outro lado da linha me dizendo “A coisa está muito feia!”.

E bom, menos mal, porque o sonho estava sendo uma autêntica agonia. Imagino que Chiquito apareceu no sonho porque vi esse mesmo GIF enquanto olhava o Twitter antes de pegar no sono. Acho que vou passar o resto da tarde no meu quarto.

Acho que voltei a ver o outro Manuel. A varanda do meu quarto tem vista para uma das piscinas do hotel e uma das ruas que o cercam. Acredito que estava ali, de pé, na rua. Olhando na direção da minha varanda. Entrei para pegar o celular para tirar uma foto, mas a foto estava vazia quando saí. Ele estava ali, perto do carro vermelho.

Droga, acabei de vê-lo outra vez. Está dentro do hotel, perto da piscina. Apaguei as luzes do quarto para gravar este vídeo. Espero que não tenha me visto.

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/900820857274159104

Estou ligando para a recepção para avisar que há alguém suspeito perto da piscina. Que enviem alguém para comprovar, por favor.

Merda, não está mais lá.

Droga, que mal estar. Me arrepiei todo. Droga droga droga. Acabei de me assegurar de que o aceso ao quarto desde a varanda está bem cercado e fechei a tranca da porta. É a última vez que viajo sozinho.

DROGA QUE SUSTO. Acabaram de me ligar da recepção. O meu coração quase saiu pela boca quando o telefone tocou. Disseram que passaram pela piscina mas não viram ninguém. Disse a eles que quando liguei tinha alguém lá sim. Acho que vou descer e mostrar o vídeo a eles.

Estou de novo no meu quarto. Mesmo insistindo, na recepção não deram muita importância ao vídeo. Dizem que com certeza é alguém encarregado da piscina colocando cloro. Ou um hóspede passeando. Que não me preocupe. Sei que no vídeo não dá pra ver muito bem se está de frente ou de costas, mas juro que esse cara estava olhando na direção do meu quarto.

Se isto é uma brincadeira e quem está fazendo está lendo isto, que pare já, por favor…

25 de agosto

Continuo por aqui. Muito obrigado a todos que estão me escrevendo, tanto em público quanto em particular. É impossível parar agora para respondê-los, mas tento ler todos. Obrigado. Me sinto muito acompanhado.

Esta noite custei a cair no sono, então tenho pensado muito em tudo isto. Acredito que já tá na hora disso parar. Não sei se o que está acontecendo é real, perigoso ou se só é uma brincadeira, mas seja como for tenho que descobrir o que está acontecendo aqui. Chega de ficar nesse quarto. Vou sair e não vou parar até encontrar o outro Manuel ou o homem alto. E quando encontrar, encararei os dois para que me expliquem por que estão me seguindo. Vou chegar ao fundo desta história. Mas antes vou descer para tomar café da manhã;

Acabei de descobrir algo. Estava dando uma volta pela praia e logo percorri a área inteira. Estou em uma área turística construída dos dois lados de uma estrada, cercada por umas montanhas e uma praia. De extremo a extremo da área turística, andando pela estrada, devem ter uns 3 quilômetros. Meu hotel está em um dos extremos, praticamente onde acaba (ou começa) a área. É este. 

Hoje caminhei até o outro extremo e do outro lado da estrada encontrei este outro.

É um hotel idêntico ao meu. Se em vez de extremos opostos estivessem frente a frente, um poderia parecer o reflexo do outro. Coloco aqui as duas fotos juntas para que possam comparar. Primeiro meu hotel e depois o outro.

Talvez se trate de dois hotéis da mesma rede hoteleira, embora parece que o meu não pertence a nenhuma. Estou de frente ao outro hotel. Vou tentar perguntar.

Tudo tem sido muito estranho. Estava falando com uma mulher que me atendeu na recepção. Foi muito amável, mas também muito fria. Me lembrou muito como o homem alto 2 se comportou quando passei por ele no café da manhã. Estava praticamente igual. Quase como se alguém, ou algo, estivesse o forçando a parecer humano

Insisti muito, porque não conseguia que me desse uma resposta clara. Foram muitos sorrisos e “não se preocupe, está tudo bem”. Por mais que eu lhe perguntasse sobre as similaridades entre seu hotel e o outro em que estou hospedado, isto era tudo o que ela me respondia. Vou voltar ao meu hotel e fazer as mesmas perguntas na recepção.

Estava falando com os empregados que estão na recepção do meu hotel neste momento. Disseram que não sabem da existência de outro hotel idêntico a este na mesma região. Pedi que me acompanhem para mostrar-lhes. Me olharam com uma cara esquisita e disseram que agora não podiam. Que eu voltasse mais tarde. Acredito que não me levaram a sério. Não vou culpá-los. Certamente já me conhecem como “o cara louco das histórias” ou algo desse tipo. É o que eu pensaria de mim se fosse um deles. Enfim, não sei. Para mim está claro depois desta descoberta que “o outro quarto” deve ser o 328 do outro hotel. Ou pelo menos, me parece a explicação mais lógica agora. Vou lá, mas não quero me precipitar. Antes vou pensar muito bem no que fazer quando chegar no outro quarto.

Muitos estão me perguntando por que não esqueço tudo isto e volto para casa. Basicamente é porque me conheço. Preciso saber o que está acontecendo aqui ou acabarei ficando obcecado com este assunto mais do que estou agora. Estou em um bar no meu hotel. Acredito que o mais sensato vai ser afrontar isto com serenidade. Irei ao outro quarto e chamei na porta. 

Se houver alguém e abrirem, falarei com quem seja que estiver lá. Pedirei que me explique o que está acontecendo. E se não houver ninguém, tenho o cartão que abre a porta do meu quarto. Como muitos disseram, talvez sirva para abrir o quarto 328 desse outro hotel. Se isto acontecer e entrar sozinho no quarto já não sei muito bem o que farei lá dentro. Mas talvez assim descubra por que tenho de ir lá. Agora só me falta reunir coragem para fazer tudo isto. Asseguro vocês que não é fácil. Vou pedir outra cerveja. Ok, vou para lá. Minhas pernas tremem, mas vou lá.

Estou na porta do outro hotel. Vou entrar. Acabei de passar pelo hall. Está tudo justamente ao inverso do meu hotel. Esta piscina também fica aqui no meu, mas à direita.

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/901173335433912321

Esta é a outra piscina, idêntica a que dá pra ver do meu quarto no outro hotel, mas inversa.

Para chegar ao meu quarto deve ser por aqui subindo umas escadas que há no final.

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/901174990678237184

MEU CORAÇÃO ESTÁ A MIL POR HORA.

DROGA.

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/901177970576019458

DROGADROGADROGA.

Estou voltando ao meu hotel. Depois conto.

Entrei no quarto, isso vocês viram. Perdi a cabeça porque antes de usar o cartão queria tentar chamar, mas enfim. Tanto faz. A questão é que está funcionando. O cartão que abre meu quarto 328 também abre o outro quarto 328. Procurei o interruptor mas não achei. Por estar tudo ao contrário me desorientei um pouco. Então ouvi algo que parecia uma respiração no fundo. Não sei se dá pra escutar no vídeo, estou escrevendo enquanto ando. Perguntei “Olá?”, como ouviram, e então acenderam uma luz. AÍ ME CAGUEI DE MEDO.

Saí correndo e o que aconteceu depois que o vídeo parou foi o seguinte: me virei ao chegar no fim do corredor e o outro Manuel estava ali, de pé, abaixo da marcação da porta do quarto. Me olhando. Parecia verdadeiramente estar com raiva. Começou a correr na minha direção e meti o pé. Me seguiu por todo o hotel até chegar ao hall. Saí do hotel e ali me virei. Ele estava parado no meio do hall, me olhando, raivoso.

Continuei correndo para o meu hotel, mas em outro ritmo porque vi que ele não me seguia mais. Por isso e porque estou em uma forma física de dar pena. Droga, não sei como não me alcançou antes de chegar ao hall. Se sair vivo dessa prometo que entro na academia. 

Estou de novo no meu quarto. Não consigo superar isso. Meu voo de volta está marcado para segunda, mas vou tentar trocá-lo ou comprar outro para amanhã mesmo. Nunca vou tirar essa história da cabeça. Estou começando a me preocupar com a minha vida. Comprei um voo de volta para amanhã às 8 da manhã, Estou fazendo as malas.

Li alguns de vocês comentando a respeito da minha decisão de voltar para casa. Entendo que os decepcione por não seguir adiante com isto, mas por favor, se coloquem no meu lugar. Estou realmente assustado. Olhei os horários do ônibus que tenho que pegar para chegar ao aeroporto e mesmo se pegar o próximo chegarei em cima da hora. 

Acabei de fazer check out no hotel. Pedi que chamem um táxi.

Estou no táxi. Não vou demorar muito para chegar ao aeroporto. 

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/901233978740486146

Terei que passar a noite lá até que a hora do voo, mas é melhor do que passar a noite no hotel. Estou levando tudo comigo, menos a camiseta que perdi. O outro Manuel ainda a estava vestindo quando me perseguia. Só de escrever isso já fico arrepiado. Também estou levando o lápis que encontrei no hotel. Tenho carregado ele o tempo todo. Comecei a vê-lo como um amuleto.

Eu queria ter entendido o homem alto 1 quando apareceu no meu quarto. Tenho a sensação de que se tivesse sido assim nada disso teria acontecido. E também está claro para mim que ele fez tudo o que podia para me avisar do perigo. Penso muito nele.

Merda, acabei de perceber uma coisa.

26 de agosto

Estou no aeroporto.

À noite fiquei sem bateria no taxi e não encontrei uma tomada para carregar o celular até que cheguei no portão de embarque. Sumi depois de dizer que tinha me dado conta de uma coisa. Esqueci um pão doce que comprei para tomar café no hotel. Cairia muito bem agora, as lanchonetes do aeroporto estão fechadas a essa hora. 

Mas bem, a verdade é que ao fazer check in aconteceu algo que me fez perder o apetite. A pessoa encarregada de receber a minha passagem me perguntou onde estava meu acompanhante de voo. Mas eu disse que não, que viajo sozinho. Ela voltou para conferir e me disse que devia se tratar de um erro: havia dois assentos lado a lado, os dois no nome de Manuel Bartual. Quero pensar mesmo que foi um erro. Bom, aqui vou eu.

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/901322773418700800

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/901323516250923008

Vai, vai rápido por favor.

Droga, eu vou ter um treco.

Decolamos.

[Duas horas depois]

Aterrisamos.

Chegamos com um pouco de atraso, mas o voo correu bem. Que vontade de chegar em casa. Acho que nunca me alegrei tanto de passar por estas portas.

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/901366064889692160

Acabei de entrar em outro táxi. Quero chegar em casa o quanto antes.

Não me dei conta da tensão que tenho acumulado durante toda esta semana até sentar neste carro. Me relaxa pensar que em seguida chegarei em casa, longe de toda essa confusão. Creio que nunca chegarei a saber o que aconteceu exatamente, mas uma coisa é certa. Nunca esquecerei destas férias.

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/901372299684839425

Não não não. Não, por favor, não. Acho que não acabou. Ao chegar no meu prédio o porteiro me cumprimentou e pediu que eu me aproximasse. “Já voltou rápido”, ele me disse. Eu contestei e disse que bem, nem tanto, passei uma semana fora. Aí me olhou esquisito. Me disse que não, que acabei de passar por ali. Que eu lhe pedi para guardar uma coisa e que me desse quando eu voltasse. Isso

Estou em casa. Vou abrir. 

O QUE É ISSO.

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/901384292978364417

“NÃO ESCREVA MAIS. ISSO ACABA HOJE À NOITE. ESTÁ TUDO BEM.”

É brincadeira? Porque se for, CHEGA, por favor.

Acabei de descer para falar com o porteiro para perguntar mais sobre a pessoa que lhe deu este bilhete. Não entendeu bem minha pergunta. Me disse que eu mesmo o entreguei uns minutos antes dele me devolver. Droga, que mal estar. É a minha letra. Poderia mesmo eu tê-lo escrito. Vou dar uma volta no bairro. De repente não me sinto mais seguro em casa.

Estava dando uma volta pelo meu bairro quando comecei a ficar um pouco nervoso. Mesmo estando no final de agosto, estava vazio demais. Não me sinto confortável agora caminhando sozinho pela rua. Acabei vindo ao restaurante onde costumo tomar café. Pelo menos aqui tem gente. 

Tenho pensado, tem que haver uma explicação lógica para tudo isso. Talvez eu tenha um gêmeo. E o homem alto também tenha um. Que nos separaram no nascimento e por alguma causalidade altamente improvável nos reencontramos com nossos respectivos gêmeos enquanto passávamos uns dias de férias nesse hotel. Talvez nossos gêmeos estejam muito muito muito irritados conosco por algo que não sabemos e por isso essa atitude tão tão agressiva. 

Ou talvez sejam drogas.Não paro de pensar que o homem alto 1 está do meu lado, mas se não estava, aposto que entrou no meu quarto sob efeito de alguma coisa. Ou buscando outras doses. Talvez o hóspede anterior deixou droga escondida no meu quarto e era isso que ele buscava. Talvez quisessem que ele e o outro Manuel me assustassem para eu sair do quarto. Mas claro, então não sei por que o outro Manuel me seguiu até lá. Nem por que se parece tanto comigo. Mesmo que eu sempre procure manter um pensamento racional, talvez deveria me abrir a outras possibilidades.

Por exemplo: querem me substituir. Há alguém ou algo nesse outro hotel que gera cópias idênticas dos hóspedes que se hospedam no hotel onde passei a semana. Logo tentam substitui-los. Talvez tenha sido que o homem alto 1 tentou me avisar. Nesse caso, não sei muito bem por que me salvaria ficando no outro quarto. Até porque o outro Manuel não gostou nem um pouco de me ver lá, isso eu garanto. 

Talvez sejam alienígenas. Ou clones. Ou sei lá. Talvez exista viagem no tempo. Talvez esteja vendo a mim mesmo no futuro. O talvez seja eu mesmo mas de outra dimensão. Ou algo relacionado a fantasmas e hoteis assombrados. Bom, o que importa é que fiquei louco e ainda não sei. Não vamos descartar nenhuma opção.

Acabaram de preparar o sanduíche que pedi. Vou subir para comê-lo.

Merda. MERDA. Está aqui. O outro Manuel. Está na rua. O vi enquanto comia o sanduíche. Drogaaaaa.

Vídeo: https://twitter.com/ManuelBartual/status/901460258165534722

Foi embora. Me afastei um pouco para pegar o carregador do celular e se foi. Já não está lá. 

Olha, não aguento mais. Vou a uma delegacia.

[Quatro horas depois]

Não deram importância na delegacia. Não foi boa ideia ir lá. Expliquei tudo o que está acontecendo, mostrei os vídeos e fotos que tenho e como já estavam fazendo cara feia enquanto eu lhes contava tudo, enquanto ligavam para o hotel percebi que com certeza não iam acreditar. Quiseram contrastar a minha versão falando com a recepção do hotel. Está claro que não gostam muito de mim lá. Isso porque antes de ir lhes disse que apesar de tudo pensava em classificá-los com 5 estrelas. Voltei para casa. Por um momento pensei que os policiais iam me reter ali, mas no fim me deixaram livre. Então algo aconteceu.A fechadura para entrar em casa é como a que vocês podem ver aqui. Preciso de uma chave para abri-la. 

Se preciso de uma chave para entrar, por que me lembro de entrar com o cartão do hotel? É muito estranho. É impossível, afinal deixei o cartão na recepção quando deixei o hotel. 

Estou ficando muito agoniado. Acho que errei em ir embora. Acho que aqui não vou solucionar nada.

Tenho que voltar ao hotel.

[1 hora e 15 minutos depois]

Estou pronto. Acabo de reservar um assento em um voo que sai em duas horas, mas pelo menos poderei voar hoje à noite mesmo. Espero chegar antes que o outro Manuel. Já imagino que ele estará lá também antes ou depois. Minha ideia é ir direito ao quarto 328 do outro hotel e ficar lá, como dizia o recado do rolo de papel higiênico. Comerei algo no caminho para reunir forças. Não tenho cartão para entrar, mas se for preciso derrubarei a porta com meus punhos. 

Acabei de chamar um táxi, está chegando. Vou ao aeroporto. 

Isso vai soar um pouco estranho, mas não encontro a porta. Digo: não está no lugar. Agora só tem uma parede branca onde a porta deveria estar. O que está acontecendo aqui?

Estou procurando na minha casa buscando a porta para sair e só está servindo para me preocupar ainda mais. Algo estranho está acontecendo aqui. Tudo está… Não sei. Como se os espaços tivessem se redistribuindo. A sala parece maior, mas ao mesmo tempo também menor. O corredor me parece larguíssimo agora. Os quartos não estão no lugar. E as janelas também sumiram. 

Espera. Acho que vejo algo longe. Acho que é uma janela.

Não pode ser. NÃO PODE SER. É a piscina do meu hotel. Dá pra ver a piscina do meu hotel daqui.

Estou lendo seus comentários e não entendo nada. Não estão vendo a piscina?

Está aqui.

Ouvi um barulho. Acho que mais alguém está na casa. Acho que é o outro Manuel. Ouço seus passos e sua respiração de longe. Consegui me esconder… Não sei bem onde. 

Não entendo a física do ambiente onde estou. Parece estar em movimento contínuo. Não sei o que fazer. Não sei por que isso está acontecendo comigo. Eu só queria tirar um dias de férias. Me desconectar um pouco. Comer uns pães doces. O que o outro Manuel quer de mim? Me matar? Me substituir? O que tenho que ele pode querer de mim?

Merda. Acho que ele me viu.

[40 minutos depois]

Lutamos. Pulou em mim e por um momento pensei que me mataria ali mesmo. É muito pesado. Não sei se onde consegui forças para empurrá-lo e derrubá-lo. Tentei escapar mas me segurou por uma perna. Nos golpeamos no chão até que consegui escapar. 

Não sei onde estou, mas não é minha casa. Ou pelo menos não é ela inteira. Consegui me trancar em um banheiro, mas não é meu banheiro exatamente. Parece algo entre o meu banheiro e o banheiro do meu hotel. Algo muito estranho. Estou com muita dor.

As paredes estão se movendo, mudando. 

Estou no banheiro do meu quarto 328. Acho que já não tenho solução  Mas pelo menos posso avisar ao próximo hóspede. Para evitar que aconteça com ele tudo o que aconteceu comigo. O lápis está comigo. Só preciso de um lugar onde escrever. 

AQUI.

Estou sem forças. Sentado no chão. Escrevi um aviso no rolo e coloquei de volta no lugar. Espero que o outro Manuel não encontre. Espero que o próximo hóspede veja e não ignore. 

Ouço passos.

O outro Manuel está do outro lado da porta.

Abriu a porta e está assim, me olhando. Imóvel. 

Não sei o que ele está esperando. Que faça o que tenha que fazer. Não sei se alguém ainda está lendo. De repente os comentários de vocês não estão aparecendo mais.

Queria nunca ter viajado esse a hotel. Queria vocês ouvido antes de escapar lá de. Talvez poderia me salvado ter.

Obrigado por mas tudo. Ajuda antes de vocês sem comigo certamente acabado Manuel o outro teria. Não tenho disso dúvidas.

Olá?


[Último tweet: 20:16 no horário de Brasília.]


obs.:

Manuel também escreveu as últimas frases fora de ordem no original.

Gracias por pero todo. Ayuda antes vuestra sin conmigo seguramente acabado Manuel el otro habría mucho. No de ninguna me cabe eso duda.

Colocando em ordem:

Obrigado por tudo mas sem a ajuda de vocês o outro Manuel certamente teria acabado comigo antes. Disso não tenho dúvidas.

Ele está repetindo o que o primeiro homem fez.


27 de agosto

Manuel confirmou que é tudo uma história de ficção

Olá. Obrigado por ler até aqui. Nunca imaginei esta repercussão. Eu só queria contar uma história divertida. Foi tudo mentira.

Não tem nenhum duplo. Estava de férias com minha namorada e nosso filho. Foi ela quem tirou as fotos e gravou os vídeos. O lápis era um dos lápis de cor do meu filho. Na verdade nem nos hospedamos nesse hotel. Foram algumas fotos que tiramos em um hotel qualquer. 

Sinto que decepcionei muita gente. Sinto que muitas pessoas podem ter se preocupado comigo. Não há nada a temer. Não são obrigados a acreditar em tudo o que se lê na internet. E por favor, não se preocupem comigo. Está tudo bem :)


Apesar de ter acabado a história escrevendo que nem o homem alto que fingia estar tudo bem, parece ter sido tudo uma boa história mesmo. 

Obrigado a todos que leram e compartilharam a minha tradução em português, foi bom compartilhar isso com tanta gente :)

Querendo ou não, isso não vai passar, não vamos esquecer, é parte da nossa vida, da nossa história, do nosso passado, sempre que olharmos para trás, lá estaremos nós brincando, sorrindo e correndo de mãos dadas com aquela farda ridícula da escola. E por mais que o passado seja antigo, quando nossos olhos se cruzam, parece que tudo aconteceu ontem.
—  Vomitei borboletas mortas.

Pedido: Faz um imagine bem engraçado q os dois são cantores e em uma noite q eles estão muito bêbados eles ficam twetando coisas engraçadas,contando coisas um do outro e fazendo vídeos juntos rindo a toa,falando bobagem e essas coisas sabe,no outro dia quando eles estao sobrios eles estão nos assuntos mais falados no Twitter,nos sites de fofocas estão falando deles e estão cheios de mensagens dos amigos e da família,os dois so riem da vergonha q passaram e tem uma manhã romântica pra compensar,cm o Zayn - Anônimo

Obrigada por ter feito o pedido.❤

***

Imagine Zayn Malik:

Empurrei a porta com o resto de força que eu tinha - quase caindo de cara no chão - e puxei Zayn pela gola da camiseta que ainda ria junto a mim. Ele fechou a porta com o pé e nos jogamos no sofá.

-Nã-han! Não devíamos ter bebido tanto.
Falei logo rindo em seguida.

Zayn e eu estávamos em uma grande festa em comemoração ao sucesso do nosso primeiro single juntos, foi nossa ideia fazer um feat e os fãs simplesmente amaram. Por isso, resolvemos comemorar…mas passamos do limite no quesito bebida.

-Claro que devíamos, a noite é uma criança!
Zayn grita e me beija logo em seguida.

Minha visão já estava meio turva mas eu ainda conseguia ver aqueles olhos cor de mel. Minha risada era escandalosa e qualquer coisa me fazia rir, nossos beijos eram desesperados e atrapalhados, mas ainda sim são os melhores, só por ser ele.

-Eu acho que deveríamos interagir um pouco com nossos fãs no Twitter, afinal, foram eles que fizeram tudo isso acontecer.
Zayn diz tirando uma mecha de cabelo do meu rosto.

Assinto com a cabeça e vejo o mesmo sorrir se ajeitando no sofá e pegando seu celular. Fiz o mesmo e pensei no que falar.

Zayn começou a digitar rapidamente e logo uma notificação chegou.

@zaynmalik: ObRiGaDo à ToDoS QuE NoS AjUdArAm NeSsA CoNqUiStA! FoI lOuCo! @seutwitter

Ri sozinha e twittei:

@seutwitter: Obrigads pilo incravel naite, amu veces! @zaynmalok

Comecei a rir escandalosamente, mal conseguia escrever direito. Zayn se juntou a mim e eu tentei parar de rir antes que ficasse sem ar.

-Zayn Malok? Sério que nem me marcar você conseguiu?
Zayn continuava rindo e eu sorri negando com a cabeça.

Olhei os comentários e várias pessoas usavam memes e diziam coisas engraçadas sobre o meu twite.

@seutwitter: mis dergunpem,, nao posso beber muito q já fico assim

Ri novamente e encarei Zayn que estava concentrado no seu celular.

@zaynmalik: NãO QuErIa DiZeR nAdA, mAs MiNhA nAmOrAdA nÃo É mUiTo FoRtE pArA bEbIdAs. Te AmO @seutwitter

@seutwitter: noa qria dizer nd ma zain vai durmir no sofa hoje te moa @zaynmalik

@zaynmalik: NãO vOu NãO, vÔcÊ nÃo CoNsEgUe DoRmIr SeM mIm, AdMiTa Bb 😉

@seutwitter: duvrida ?

@zaynmalik: DuVrIdO!

@seutwitter: paris discrever ass im ,, me dói a cabeça @zaynmalik

@zaynmalik: Então escreva direito também baby, acho que já estamos passando vergonha demais no tt. @seutwitter

@seutwitter: Bobo. @zaynmalik

@zaymalik: Seu bobo. @seutwitter

@seutwitter: Meu bobo. @zaynmalik

@zaynmalik:Então, iremos irritar os vizinhos

@zaynmalik:Ficar na cama o dia todo, cama o dia todo, o dia todo @zaynmalik:Transando com você e lutando

@seutwitter: que isso Zayn

@zaynmalik: Mais tarde você descobre. 😉 @seutwitter

@seutwitter: mais tarde vamos estar na cama @zaynmalik

@zaynmalil: Então gostou da ideia? 😏 @seutwitter

@seutwitter: D.o.r.m.i.n.d.o @zaynmalik

@zaynmalik: Quanta raiva bb @seutwitter

@zaynmalik: Podíamos descontar em muito sexo @seutwitter

@seutwitter: CalaboK @zaynmalik

@zaynmalik: Vem calar! 😏 @seutwitter

@seutwitter: Vou mesmo! @zaynmalik

Pulei em Zayn e começamos a nos beijar desesperadamente.

-Amor…S/n…hey!
Zayn tentou me chamar mas eu não parava de o beijar.

-Hm?
Sorri o selando uma última vez.

-Vamos voltar pro Twitter?
Ri e concordei.

@seutwitter: Mozão negou beijo #chatiada @zaynmalik

@zaynmalik: Depois das safadezas que twitamos iriam achar que fomos transar @seutwitter

@seutwitter: Tudo bem, está perdoado @zaynmalik

@zaynmalik: Espero que me perdoe por isso também…

Franzi o cenho mas logo senti um flash sendo disparado em meu rosto.

@zaynmalik: ❤ (Link da foto)

@seutwitter: Filho da mãe @zaynmalik

@seutwitter: Não vai ficar assim @zaynmalik

@seutwitter: Zayn Javadd Malik fez xixi na cama até os DOZE anos

@zaynmalik: S/n quando beijou pela primeira vez babou o menino todinho

@seutwitter: Aposto que queria ter sido ele 😉 @zaynmalik

@zaynmalik: Até queria, mas saber que agora você também me baba todo…não tem comparação 😉 @seutwitter

@seutwitter: Zayn nunca quis conversar sobre termos filhos #pésimonamorado 😢 @zaynmalik

@zaynmalik: S/n nunca me deixa me explicar sobre minha decisão @seutwitter

@seutwitter: Então se explique! @zaynmalik

@zaynmalik: Eu te amo e adoraria ter milhões de filhos com você. Mas ainda temos tanto tempo e tanto a aprender, quero me casar com você primeiro e conseguir um tempinho mais livre na minha carreira +

@zaynmalik: Espero que entenda, e desculpe ter que dizer isso bêbado e via Twitter. @seutwitter

@seutwitter: Relaxa bro eu te entendo @zaynmalik

@zaynmalik: Somos tão estranhos e estamos tão bêbados que você virá meu amigo ao invés de ser minha namorada fofa @seutwitter

@seutwitter: Sempre fomos estranhos, até mesmo sóbrios @zaynmalik

@zaynmalik: Sei que somos estranhos, principalmente pelo fato de que estamos um do lado do outro mas preferimos conversar pelo Twitter @seutwitter

@seutwitter: Alguém aí quer uma live? @zaynmalik

@zaynmalik: live? @seutwitter

@seutwitter: sim, live e tu vai aparecer também @zaynmalik

@seutwitter: alguém?

@seutwitter: a foda se, to tao bêbada q não enchergo os comentários de vocês

@seutwitter: vou chamar mozão pra vim ajudar

Peguei meu notebook e chamei Zayn para fazer a live comigo.

-Oiiii!
Acenei exageradamente na tela.

-Amor ainda não ccomeço.
Zayn falou rindo e apertando em alguma tecla.

-Oi!
Zayn sorriu e eu beijei sua bochecha.

-Nos façam perguntas! Estamos bêbados e provavelmente vamos nos arrepender muito amanhã.
Falei rindo.

-A @Zquad_000 perguntou se vamos casar.
Li e Zayn me olhou sorrindo.

-Um dia.
Zayn respondeu e beijou meu bico.

-@lovelikelove perguntou quem pegaríamos se não estivéssemos juntos.

-Eu não…

-Eu pegaria o Shawn Mendes, Zac Efron e…o Niall.
Respondi antes de Zayn. Zayn me olhou sério.

-Então vai lá, pega o Niall.
Falou se afastando.

-Eu estava brincando.
Dei um sorriso fraco.

-Aposto que eles não foderiam você igual eu.
Falou sorrindo malicioso. Eu poderia retrucar mas lembrei que estávamos ao vivo para um monte de pessoas.

-Não! Ele quis dizer que eles não me amariam igual ele. Né amor?
Falei para a câmera e apertei as bochechas de Zayn.

-Que seja, próxima pergunta.

-@fulaninha perguntou por quê você é tão gostoso. Eu me faço essa pergunta todos os dias!
Ri e Zayn fez uma careta sexy.

-Eu espero que amanhã ninguém se lembre desse nosso mico.
Falei e Zayn assentiu concordando.

-Achei algo legal, a @zayyne pediu para a gente fazer a tag Ele ou Ela, ela colocou as perguntas em baixo…

-Quem se apaixonou primeiro?
Zayn leu e eu abri um grande sorriso.

-Foi Ele/Ela!
Falamos ao mesmo tempo e eu o olhei semi cerrando os olhos.

-Como assim ela? Não fui eu que falou aquela cantada ridícula!
Falei e Zayn me olhou indignado.

-Não foi ridícula, e você gostou! Senão não estaríamos juntos hoje.
Sorriu convencido e deixou um beijo em minha bochecha.

-Ok, próxima! Quem é mais carinhoso?

-Apesar do jeito cafajeste…Zayn é o mais carinhoso.

-Eu ainda gosto de mandar flores e dizer o quanto te amo, mesmo que soe patético.
Deu em ombros.

-Quem é mais ciumento?

-Você!
Zayn apontou para mim e eu o olhei inocentemente.

-S/n é do tipo que finge que não está com ciúmes mas te trata igual um ninguém, e aí também entra a questão de eu ser o mais carinhoso.

-Próxima! Quem é mais desorganizado?

-Os dois, nós sabemos ser bem bagunceiros quando queremos.
Zayn respondeu.

-Quem é mais vaidoso?

-Os dois também, apesar de que as vezes eu só coloco um moletom e pronto, tô saindo!
Respondi.

-Quem cozinha melhor?

-Definitivamente o Zayn, gente…a visão desse homem, de cueca, cozinhando e ainda junta com aquela carinha de quem acabou de acordar e o cabelo desgrenhado…é a melhor coisa da face da Terra!

-Quem é o mais engraçado?

-S/n, eu não consigo fazer piadas boas.
Zayn fez biquinho e eu mordi o mesmo.

-Quem chora mais?

-Eu, eu sou muito sentimental, mesmo que seja choro de alegria, felicidade, nervoso, raiva…eu tô chorando.

-Acho que já está bom, não acha?
Zayn me olhou e eu assenti.

-Tchau gente! Vamos dormir…

-Ou talvez não!
Zayn falou e encerrou a live.

| Dia seguinte |

Ao acordar, minha cabeça latejava e eu ainda estava bem enjoada. Nunca bebi tanto.

-S/n!
Escutei a voz de Zayn e me levantei preguiçosamente indo para a cozinha.

-Que foi amor?
Perguntei coçando os olhos.

-Você viu? Estamos nos assuntos mais falados do Twitter.

-Isso é normal, sempre sobem uma hashtag por nossa causa, ainda mais que saímos ontem.
Falei e Zayn deu em ombros largando o celular sobre a mesa.

Tomamos café e fomos para a sala assistir TV, é domingo e não temos nada para fazer.

-Eu confesso que fiquei um pouco preocupado com essa hashtag, não lembro de absolutamente nada do que aconteceu ontem.
Zayn comentou. Peguei meu notebook com a intenção de verificar meus emails e acabei encontrando eu e Zayn em um site de fofoca, eu geralmente não ligo para isso, mas quando vi que o Twitter estava envolvido nisso resolvi olhar.

-Oh meu Deus!
Exclamei e Zayn logo se juntou a mim para ver.

“Zayn e S/n fazem live no Twitter e expõem um ao outro fazendo comentários engraçados e muita brincadeira.”

Abaixo tinha um vídeo pequeno da nossa live.

-Jesus!
Exclamei.

-E não é só isso…
Zayn falou e logo me mostrou seu celular e o meu, com noventa mensagens.

-Acho que nossa família quer uma explicação.
Falou humorado. Explodi em risadas e Zayn me acompanhou.

-Nunca mais vamos beber.
Falei fechando o site.

-Diga isso por você.
Zayn retrucou e eu ri.

Ainda bem que tenho meu incrível namorado para passar vergonha na internet comigo. É por isso que o amo.

***
E olha quem tá postando tarde de novo?
Pois é gente, desculpem. Meu dia foi corrido e só consegui postar agora, relevem.

Espero que tenha gostado.😘

um desabafo qualquer

ontem aconteceu algo estranho, eu diria incrível, até, mas não no sentido bom da coisa. quer dizer, eu te vi. por alguns segundos, mas vi. já fazia em torno de uma semana que eu não esbarrava contigo por essas ruas. dessa vez não teve como escapar porque querendo ou não, a gente tem o mesmo grupo de amigos e ver eles significa ter que ver você também. você chegou na roda em que eu estava pra falar algo com um dos meninos e eu tentei ao máximo te ignorar e sequer pousar meus olhos em você, mas eu sabia que iria ser impossível. eu precisava observar seu rosto, precisava regravar teus traços na minha memória porque eu não quero esquecer dos seus detalhes, não quero que a sua imagem se desmanche e vire pó.
aí eu te olhei, foi questão de segundos. desviei o olhar rápido o bastante pra não colidir com seu par de olhos de jabuticaba.
e, cara, eu senti nojo.
desculpa, mas pela primeira vez em todos esses dois anos que eu te tenho na minha vida, o rosto que me transmitia paz e um aconchego imenso no peito, me fez sentir um embrulho no estômago, me fez enjoar dos pés à cabeça, me fez sentir nada além de desprezo. na hora eu me senti estranha. foi muito estranho, pra ser sincera. desde que nós começamos a no relacionar, eu rezava a todas as divindades para, se caso o fim viesse a acontecer, que você nunca destruísse o carinho que eu tinha por ti, que nunca destruísse essa relação tão homogênea de amor e amizade que só a gente tinha. era tão único e eu sei que não importa quantas pessoas ainda tenham que passar por aqui, o que a gente tinha ia muito além de palavras e declarações de amor e amassos.
a gente ria junto (e chorava mais ainda), brincava junto, contava dos problemas um pro outro, pedia opinião de roupa, falava mal daquela menina que eu não gostava ou daquele menino que você tinha alguns atritos, a gente cantava bruno mars tão alto que eu tinha certeza que podíamos ser ouvidos do outro lado do continente. a gente jogava vídeo game enquanto comia pizza e você ria da minha birra por nunca aceitar perder. você era meu parceiro nas pistas de danças das festas. a gente tinha o nosso próprio toque, a gente se aconselhava mas também dava puxão de orelha quando era preciso. a gente se acolhia. a gente possuía nossas próprias piadas internas que ninguém jamais entendera. a gente dançava valsa no meio da sala enquanto tocava ed sheeran na mtv. a gente brincava de lutinha e pode até parecer clichê, mas sempre acabava em intermináveis beijos. você sabia exatamente como arrancar uma gargalhada minha em qualquer situação.
antes de qualquer coisa, nós éramos melhores amigos, cara. eu te confiava todos os meus mais obscuros segredos. e olhar pra você e não conseguir sentir nem um pouco dessa afeição foi como uma facada no meu peito. foi como se eu admitisse que você realmente fez com que não restasse nada a não ser uma mistura de raiva e mágoa absurda. e isso me doeu mais que tudo, cara. e me peguei pensando se um dia eu vou conseguir te perdoar. se algum dia eu vou conseguir me perdoar.
porquê eu juro, eu tô tentando,
todos os dias desde que você se foi. tô tentando me libertar desses sentimentos destrutivos que só me matam aos poucos. porque eu quero poder limpar a casa e deixar tudo certinho por aqui para o próximo que resolver fazer morada em mim. eu quero me sentir leve. quero me sentir livre.
eu não quero nutrir um sentimento ruim por você, eu não quero. porque isso significaria ter que fingir que a gente nunca existiu e isso acabaria comigo.
eu quero que você também possa se desprender das coisas ruins e ser muito feliz, muito. porque apesar de tudo, eu ainda continuo te desejando tudo de mais bonito que há nessa vida.
porque eu te amo, eu te amo muito.
eu te amo demais.
eu só não gosto mais de você.
espero que entenda.

Entendendo Provocação e Negação ( Guia para iniciantes)

Isso pode ser um bom descritivo do que provoca e negação é ou pode ser em um casal da vida real. Este é um pequeno guia que explicará como provocação e negação podem ser jogadas como um jogo em um casal que NÃO está em uma relação sub / dom. Eu acho que este guia ajuda uma garota a entender por que ele quer jogar este jogo. De qualquer forma, tentar não machuca … você tenta você, como você continua! Você tenta, você odeia você parar!

Primeiro - Ternar e negar é ter sexo sem a liberação do orgasmo para o homem. Pode envolver qualquer prática sexual que você gosta. Por que alguns homens não costumam jogar este jogo? É sobre a troca de poder sexual e para sair em um estado orgásmico por um tempo. Ele está procurando sentir o momento em que ele está prestes a cum em um relacionamento sexual para continuar por um longo tempo. Claro, ele ama o orgasmo … mas ele ansia pela negação e este estado orgásmico em que ele poderia estar vivendo.

Vamos começar com o que uma sessão de provocação e negação PODERIA parecer. Mas o que será na realidade depende de você!

Se você quer fazer uma boquete … vá em frente e faça isso! Ele vai gostar, é claro. A única diferença entre um boquete neste contexto e um boquete em sexo normal, é apenas para estar atento ao seu corpo e não fazê-lo gozar.

Depois de seu boquete (2minutos, 10minutos, 25minutos? Depende de você), ele estará muito excitado e ansioso para agradá-la. Você provavelmente estará molhada e excitada para vê-lo nesse estado … talvez seja hora de ele te agradar.

Depois de ter tido o seu prazer, talvez tenha tido sexo suficiente para a noite … mas neste momento ele ainda está excitado e provavelmente quer mais!Mas você precisa se lembrar de uma coisa, provocar e negar é a idéia dele e, se você o fizer gozar depois disso, será apenas sexo regular … você não verá o benefício disso! Talvez seja o momento de dizer-lhe que aguarde mais tarde, abraçar esse sentimento. Um abraço pequeno pode ser uma boa ideia neste momento (Agradecer e ajudá-lo a relaxar).

Você já pode ver um benefício de provocação e negação. Ele não gozar ele não estará sonolento. Ele ficará muito confortável em seu braço e ele estará amando você mais do que nunca. O poder de troca deste jogo é muito poderoso!

Segundo - A primeira noite passou e ele provavelmente estava excitado e pensando em você uma longa parte disso! Agora é hora de continuar com a vida real. Tease e negação não é apenas sobre sexo … talvez você tenha que ir trabalhar e você não terá tempo para desfrutar o sexo hoje em dia. Esse não é o ponto, provocação e negação não significa provocá-lo todos os dias e viver em uma dinâmica sexual em todos os momentos! Mas você pode ter certeza de uma coisa, ele vai pensar sobre você, sobre o que aconteceu ontem e sobre o que aconteceria mais tarde. Uma coisa é certa, toda alusão sexual, cada abraço, cada beijo o fará pensar em você!

Terceiro - O goza. Claro, você deve dexa-lo gozar em algum momento!Você está apenas começando com este jogo, não é hora de tentar vencer um recorde mundial!  Deixe-lo gozar quando você acha que é hora de ele gozar, quando você sente que ele precisa de um lançamento. Talvez depois de algumas sessões de provocação ou alguns dias, será hora de ele ter um orgasmo. Ele vai gostar, e você vai gostar de vê-lo tão receptivo a todo o prazer que você está lhe dando!

Quarto - Após o primeiro orgasmo deste jogo, pode ser hora de falar sobre sua experiência. O que você gostou, o que não gostou, o que você gostaria de experimentar, quanto tempo você acha que poderia esperar na próxima vez … trata-se de discussão e prazer. Talvez você possa discutir algumas regras básicas como: Sempre conte quando você está prestes a cum, um orgasmo não é um não … não o deixe implorar durante muito tempo, controle de si mesmo (não trapaceie e fique sozinho).

Aqui estão algumas idéias para tentar pelo menos uma vez … se você gosta de continuar, se não tentar outra coisa!

O orgasmo arruinado - É bastante simples. É a ação para interromper todo o estímulo logo após o ponto de não retorno . Isso o fará gozar, mas ele não terá prazer ao fazê-lo (se bem feito). Por que fazer isso? Porque provocar e negar é sobre troca de poder e alguma frustração sexual. Depois de um orgasmo arruinado, ele sentirá liberação por algumas horas … mas seu nível de excitação crescerá muito mais rápido do que depois de um orgasmo completo.Ele provavelmente terá um relacionamento amor / ódio com ele. Para você, um orgasmo arruinado ajudará a sentir todo o poder sexual que você possui e mostrará a ele que você pode dar-lhe tanto ou menos prazer quanto desejar.

Sem estimulação sexual - Isso é muito frustrante e prazeroso ao mesmo tempo para ele. Há tantas opções para provocá-lo sem tocar seu sexo … talvez você nunca tenha feito nenhuma dessas opções se você não estivesse jogando provocando e negando. Mas com isso, você se sentirá bonita, amada e você ficará mais confortável com seu corpo, porque você sabe como ele a aprecia em seus olhos excitados! Aqui estão alguns exemplos do que você poderia fazer: Striptease, masturbate na frente dele, conversa suja (dizendo-lhe tudo o que faria com ele), use lingerie … você deve encontrar o caminho para prová-lo sem tocar seu sexo!

Deixe-o satisfazê-lo - Normalmente, quando você faz sexo, o fim é sempre o seu orgasmo. Com provocação e negação, não precisa ser assim. Se você quiser provocá-lo, vá em frente e faça, mas não vai acabar com seu orgasmo!Você pode jogar com seu sexo porque gosta, mas aprenda a aproveitar seu prazer! Se você quer uma chupada, pergunte-lhe que ficará satisfeito por fazê-lo! Você quer que ele se masturbe, está bem. Se você quer ter sexo real, você deve se lembrar de uma coisa: se ele não tiver gozado, pode ser difícil para ele manter o controle durante o sexo … então vá devagar e esteja atento à reação do corpo. Se ele precisar de uma pausa, dê uma pausa. Uma boa maneira de aproveitar a penetração e provocá-lo pode ser estar no topo e não se mover por um tempo. Durante esse tempo, você pode jogar com você mesmo, isso irá agradá-lo e isso o deixará louco! Um dos benefícios do orgasmo arruinado poderia ser dar-lhe alguma libertação antes de ter sexo penetrante, desta forma ele vai durar mais tempo e será mais fácil agradá-lo te chupando.

Você está no controle - Lembre-se de que você está no controle desse jogo, mas você também está em um casal, então a discussão deve ser parte deste jogo! Se ele acha que seu período de negação é muito longo, ouça-o, fale sobre isso e dê sua opinião. Se você acha que o orgasmo arruinado é coxo e você não gosta, pergunte-lhe se ele gosta e por que … se ele faz, talvez isso seja algo que você poderia fazer para agradá-lo de vez em quando … você também pode decidir que isso não é para Você e está perfeitamente bem. Mas lembre-se, provocar e negar é a idéia dele e neste jogo a garota sempre tem controle sexual para que ele possa lhe dar tanta sugestão quanto ele quer, mas cabe a você fazer ou não! Não deixe ele assumir o controle desse jogo e fazer o que quiser, mesmo que não goste. É um jogo sobre o poder sexual, use-o para se divertir tanto quanto você pode … e lembre-se, se você estiver se divertindo, ele se divertirá! Claro, ele pode odiar algumas idéias e se recusar a fazê-las, está tudo bem e você também deve respeitar isso.

Dispositivos de castidade - Pessoalmente, não é o meu problema, não estou vestindo um e nunca usarei um (seria impossível com o meu trabalho, e não tenho interesse nele). Mas se for o seu bem e tente. Na minha opinião, se ele quiser jogar este jogo a sério, ele deve ter controle de si mesmo suficiente para não se fazer gozar sem sua permissão … dispositivo de castidade ou não.Se você não quer que ele use um dispositivo de castidade, você poderia simplesmente dizer-lhe que você vai parar de jogar se você souber que ele está se deleitando sozinho …

A espera - Tease e negação não tem regras reais ao lado de fazer o que mais se adequa ao seu estilo de vida. Se ele aprende uma coisa com esse jogo, será esperar por seu prazer. Depois de alguns dias sem cumming, ele provavelmente vai querer sexo todos os dias e ele vai querer você. Talvez você esteja cansado e você não vai querer fazer sexo algum dia … ele terá que aprender a esperar e respeitar sua decisão. Você está tendo tanto orgasmo como você quer, ele não é tão normal que ele queira mais e mais … é disso que se trata este jogo. Você poderia adicionar uma regra simples, se ele pedir algo e você diz não: Ele não pode perguntar novamente antes de 1 hora … ou o resto do dia!

O lançamento - Você é um casal amoroso (espero) e ambos querem se agradar. Talvez você goste de seus orgasmos tanto quanto ele gosta de dele (ok, talvez não!). Então, de vez em quando, faz com que ele cum e aproveite o prazer dele, não faça como em algumas coisas que você vê em toda a web e faça com que ele gozar quando lê um livro ou o humilhe … aproveite seu prazer e o poder sexual que você sofreu Ele será ainda mais agradável para vocês dois. O tempo de liberação é realmente importante para você, em primeiro lugar você deve começar lentamente, como cum todas as 2 sessões ou após cada sessão muito longa. Mas quanto mais você joga, mais você verá o tempo de espera o melhor para você. Realmente não há limites além do que você está disposto a fazer! Se você pensa uma vez por semana, uma vez a cada 2 semanas ou uma vez por mês é o melhor momento para você, faça isso! Além disso, não precisa ser rigoroso … se depois de 2 dias você decidir que quer vê-lo cum, faça-o cum! Mas se depois de 2 semanas você quiser testar seus limites e aguardar mais alguns dias, também é sua escolha. A única parte importante é desfrutar deste jogo!

Sessão de provocação extra longa - acho que, de tempos em tempos, uma longa tentativa e uma sessão de negação é algo que vocês dois aproveitarão.Não há realmente uma boa duração, mas você deve ter certeza de que ele está implorando por liberação no final. Tornando-o gozar, arruinar é o orgasmo ou negar, é realmente importante para você, mas pelo menos tente uma vez negá-lo depois de uma longa sessão para ver e sentir sua reação. É um sentimento muito poderoso para vocês dois. Traga-o para a borda do orgasmo várias vezes, dê-lhe um intervalo enquanto você está se masturbando ou está comendo sua buceta, fala sujo com ele, amarrá-lo … faça o que quiser, mas certifique-se de que ele não pode aguentar mais no final de isto. Para mim, é a melhor parte deste jogo e você realmente se sente bem enquanto ela está fazendo isso e depois (Ok, talvez não logo depois … mas quando você recupera seus sentidos!).

Regras extra - Adicionar regras temporárias também pode ser algo divertido.Por exemplo, diga a ele que ele não tem permissão para tocar seus seios e sexo por 3 dias e provocá-lo usando isso para se certificar de que a única coisa em que ele possa pensar é: Foda-se que eu quero tocá-la! Aqui está uma lista de algumas regras que você pode adicionar de vez em quando: deve ser com os olhos vendados quando ela está nua, ele não tem permissão para tocar seu sexo, ele deve implorar por negação toda vez que ele é provocado …

Reverse os papéis - Talvez de vez em quando você quer reverter o papel e tentar sentir o que está sentindo. Talvez uma boa sessão de negação e negação possa ser boa para você também! Desta forma, você poderia saber o que é estar muito excitado e viver nesse estado orgásmico por um tempo.

O que você precisa lembrar sobre provocação e negação é fazer o que deseja e aproveitar. A parte mais importante a lembrar para uma menina que começa com este jogo não é se sentir mal por negá-lo. É o que ele quer, é o que ele deseja. Você não está negando o prazer dele, você está apenas dando a ele a oportunidade de ter seu orgasmo mais tarde e desfrutar sua excitação sexual por mais tempo. Depois de um tempo jogando este jogo, você provavelmente irá negar e ver sua reação. Esta é uma troca de energia e isso é o que você quer. Lembre-se que você não é realmente o único que lhe recusa o lançamento, se ele quer orgasmo … ele vai fazer isso e ele vai parar de jogar este jogo! Se ele não cum, é porque ele gosta e ele quer jogar este jogo … então tente nunca se sentir mal por negá-lo! No começo, se você não pode controlar o fato de que negar-lhe fazer você se sentir mal, você pode deixar a chance decidir se ele vai cum ou não. Por exemplo, jogue um dado e, se for 1-2-3, ele será negado, 4-5-6 ele cum … ou se você quiser torná-lo mais difícil 1-2-3-4-5denial e 6 orgams … é realmente até para você. Eu tenho muitas idéias de jogos na seção do meu jogo, se é sua coisa!

Status: Variados. 💋
  1. Que todo mal vire amor, que toda dor vire flor. ❤🌺
  2. Nunca se arrependa. Se foi bom, é maravilhoso. Se foi ruim é experiência.. 💭
  3. Queria um abraço teu, daqueles que a gente não fala nada, só sente… 💏😍
  4. E toda vez que chega mensagem eu torço pra ser sua. 💭📱
  5. Vamos pegar uma estrada com rumo desconhecido, só eu você e o destino 🚘🎒
  6. Atitudes mano, cê sabe que palavras o vento leva. 🙌🍃
  7. O fato é que ninguém valoriza aquilo que tem, e quando perde, reclama. 😏
  8. As vezes a vida é dura, mas eu tenho muita coisa para agradecer. 🙌🙏
  9. Ninguém morre de amor, então para de drama e vai viver sua vida da mesma maneira que a pessoa que te deixou está vivendo. 👊
  10. Perdão Senhor, por tantas bobagens pensadas, feitas e ditas. 🙏
  11. O mundo dá voltas, relaxa… 🌍🔄
  12. Eu brinco mesmo. Faço graça mesmo. Falo merda mesmo. Sou idiota mesmo. Adoro fazer as pessoas sorrirem, mesmo eu não estando bem. 😍👊
  13. Mas é que o amor meu caro, faz a gente ver arco-íris em céu nublado. 💘💭🌈
  14. Nem todos os dias eu tenho vontade de rir, de conversar e de levar tudo na brincadeira.. 💬
  15. Tudo o que é firmado em Deus é inabalável, seja um amor ou uma amizade, o que Deus une, nada separa. 🙌
  16. Eu prometo que tô contigo pro que der e vier, te prometo dormir na rede com direito a cafuné! 💏💭
  17. Pra nós, todo amor do mundo. 🌎
  18. Essa mina é casca dura, não é qualquer um que atura. 💋💁
  19. Deus marcou o tempo certo pra cada coisa. 💕😌
  20. Amigos: com eles você faz as maiores loucuras, paga os maiores micos e tem os melhores momentos da sua vida. 💑💭
  21. Não importa o que aconteceu ontem, hoje continua sendo o dia de ser feliz! 😉🍀
  22. O amor de Deus por nós é a coisa mais linda desse mundo 💕
  23. Homem magoa, mas mulher quando quer, HAHAHA… destrói! 😉😘👏❤🔫
  24. Tudo que vai, volta. O mal que tu faz hoje, amanhã retorna! 😉🌏🔁
  25. O que ninguém sabe, ninguém estraga… 👌💓
Entenda uma coisa, do mesmo modo que você tem seus altos e baixos, sua TPM é até mesmo sua raiva fora dos seus dias. Eu também tenho, não sou equilibrado. Tem que ser muito bem visto as palavras, pois posso interpretar errado, e do mesmo jeito que suporto tudo, estando do seu lado e ouvindo coisas que se fosse outra pessoa, já teria deixado você falando sozinha e ido dormir, pra que no outro dia fosse conversado. Mas não, mesmo assim eu fico e reluto pra mudar a situação. Peço que faça isso por mim também, tenho meus momentos ruins, pode estar tudo mil maravilhas, mas se cair tudo é perigoso desabar, e foi isso que aconteceu ontem. Eu não quis dizer aquelas coisas, eu pensei e repensei, e mesmo assim foi com um ar de grosseria. Quis dizer que eu já sabia de tudo aquilo, que já foi repetido e que eu já tinha entendido. Eu não iria mandar o que você não queria. Mas em nenhum momento eu disse algo dá sua pessoa em si, sempre te coloquei o mais alto, pois não tenho o que te colocar pra baixo, quem sou eu pra fazer isso. Então só isso que eu peço, do mesmo modo que eu seguro as pontas e te deixar bem nos seus piores dias, faça isso comigo.
—  Nycolas Bitencourt - Também tenho TPM’s
ONE SHOT HARRY: PT 3.

 Depois quero saber o que acharam, desculpem-me pela demora.

123


 Corri para o meu quarto, eu precisava confirmar a minha dúvida. Retirei minha caixa de lembranças do alto da estante a abri, passei longos minutos ou talvez horas comparando as fotos. Era a mesma.

— Bom tarde minha filha! Como foi a festa? — Minha mãe entrou, me assustando.

— Ah, oi, foi legal mãe. — Me ajeitei na cama.

— O que aconteceu meu amor? Parece assustada. — Sentou-se ao meu lado.

— São eles mãe? É por isso que nos mudamos para cá?

 Ela abriu um sorriso enorme. — Você os encontrou. — Me abraçou.

 As lágrimas caíram aos poucos, permaneci no abraço de minha mãe por um tempo perdida em meus pensamentos.

 Desde que descobri que era adotada alimentei um desejo de conhecer minha mãe biológica. Era estranho pensar que Anne poderia ser minha mãe, ser irmã de Gemma, pensar que estou interessada em meu irmão.

— Por que nunca me disse antes? Vocês se conhecem mãe. — Levantei.

— Longa história filha, deixa isso para outro dia… Muita informação para essa cabecinha confusa. — Levantou-se e saiu do meu quarto. 

— Tudo bem… — Suspirei.

 Me direcionei até o banheiro, precisava renovar minhas energias. Entrei no chuveiro e deixei a água gelada percorrer pelo meu corpo. Saí, me enrolei na toalha e voltei para o quarto. Peguei meu celular para conferir as notificações e notei que havia uma mensagem de Harry.

 “Hey, moça bonita. Só quero que saiba que a melhor coisa que me aconteceu ontem foi ter te conhecido.

Ops, corrigindo… Ter dormido com você foi a melhor coisa rs. 

Já estou sentindo sua falta, posso te busca para jantarmos hoje?

Ps. Roubei seu numero no celular de Gemma.

Ps2. Seu vestido está comigo, ele tem um cheiro maravilhoso.”

 Me peguei sorrindo ao fim da mensagem e repreendi a mim mesma, eu não posso estar interessada no meu irmão! O que eu respondo?

— Tudo bem, pode sim. Ás 19:30?

 Harry apareceu pontualmente no horário combinado, ele estava lindo vestindo uma camisa de botão com uma estampa bem cafona. O abracei em forma de cumprimento e ele me levou até o carro.

 Nos sentamos a mesa e ele sorria sem parar, minha cabeça estava a mil. 

— (S/n)? Hey!!! — Harry estalou os dedos me chamando a atenção.

— Oi, desculpa! Eu estava distraída. 

— Percebi. — Riu com o nariz. — Está tudo bem?

— Sim. — Sorri forçado. — Harry?

 Ele me olhou assentindo.

— Vamos embora? Não estou no clima e eu preciso falar com a Gemma.

— Eu fiz alguma coisa? — Ele estava preocupado.

— Não, você não fez nada errado. — Sorri. — Vamos?

— Tudo bem, vamos.

 O esperei no lado de fora enquanto Harry cancelava o pedido e se desculpava com o garçom que tinha perdido seu tempo conosco. Ele se aproximou de mim e pude perceber pelo seu cheiro. — Me desculpe Harry.

— Tudo bem. — Minha abraçou por trás e meu coração disparou. — Terei outras oportunidades de ter um encontro com você, agora eu sei onde mora. — Riu e depositou um beijo em meu pescoço.

 Harry me virou, nos deixando frente a frente. — O que você tem ein? — Acariciou meu rosto e eu suspirei. Não o respondi, apenas o abracei. — Me leva até sua casa, preciso muito falar com ela.

— O que aconteceu (S/n)? Eu estou ficando assustada.

— Somos irmãs Gemma. — Disse baixo.

— O que? Você enlouqueceu? — Quase gritou.

— Eu tenho quase certeza.

— Como assim? Explica isso direito. — Ela realmente estava assustada.

— Aquela foto que te pedi uma cópia, eu tenho uma guardada há anos, a mesma! Eu ganhei da minha mãe, quando ela me revelou a minha adoção. Ela disse que eram meus irmãos, procurei por vocês a minha vida inteira Gemma. — Caí em lágrimas.

— O que??? Minha mãe disse que você havia morrido no parto.

— A minha disse que me ganhou.

— Meu Deus. — As mãos dela foram até a boca. — Harry sabe disso? 

— Ainda não, preciso ter certeza.

— Ele vai ficar arrasado.

— Eu sei, eu também estou. — Abaixei a cabeça.

 Gemma veio até mim e me abraçou. — Vamos resolver isso juntas. Pagamos o teste de irmandade e acabamos com essa história.

 A apertei. — Obrigada.

— Não é uma má ideia em ter uma irmã. — Riu para descontrair nossa tensão.

 Demorou cerca de duas semanas para o resultado do exame chegar a minha casa, corri até Gemma para lermos juntas, esse era o combinado. Antes de tudo nos abraçamos, abri o envelope e a entreguei. Ela leu em silencio e me entregou, o índice de probabilidade era altíssimo, quase 100%, o que confirmou que eramos mesmo irmãs. Me sentei na cama desamparada, estava aliviada e ao mesmo tempo confusa.

— HARRY, VEM CÁ! — Gemma gritou chorando.

— Eu não tô pronta Gemma, não!

— O que foi? — Ele apareceu ofegante por ter corrido até o quarto. — Por que vocês estão chorando?

— Harry a gente precisa conversar. — Eu disse, secando minhas lágrimas.

 Gemma entregou o papel para Harry. — O que foi (S/n)? O que é isso? Você está grávida? Por isso está estranha?  — Voltei a chorar ao ouvi-lo.

— Nós três somos irmãos Harry. — Gemma disse fria.

— Como é? — Arregalou os olhos. — Que brincadeira idiota é essa?

— A gente tá com cara de quem está brincando porra? — Ela se alterou. 

— Então é por isso que tem me evitado? Por que não me contou (S/n)? Você deixou eu me apaixonar cada vez mais. Caralho. A gente até transou. — Pausou. — Caralho eu transei com a minha irmã, é isso mesmo? — Gritou.

— Para Harry, ela não tem culpa. — Gemma o afastou de mim, eu não conseguia soltar uma palavra.

 O olhei nos olhos. — Me desculpe. — A batalha dele contra as lágrimas havia terminado ali, ele saiu derrotado. 

PARTE 2.
Nao ficou tão grande como eu esperava, mas está ai, vou deixar pra fazer a 3 parte amanha e posto no domingo. Gente perdoa o horário. Mas tive que ir no hospital.

————————————————


 *Por (s/n)   




  Minha cabeça doía, o gosto em minha boca não era muito agradável. 

  Passei as mãos no rosto para espantar o sono, mas as lembranças me fizeram ficar ainda mais triste.

 Levantei a cabeça, merda eu não estava em minha casa, aonde eu estava? Me levantei e abri a uma das duas portas que tinha ali, vendo o banheiro todo branco e azul, com certeza não era meu apartamento. Peguei a pasta e coloquei no dedo e esfreguei em meus dentes tentando fazer uma higiene bocal. 

 Sai do banheiro procurado minhas roupas ou alguém no quarto, o ser humano que estava dormindo na cama se levantou calmamente e andou em minha direção dando um beijo rápido em meus lábios. 

Ele estava só de cueca, pensei em uma possibilidade de ter feito sexo a noite passada mas nada vinha em minha mente. Sentei na cama, na esperança de lembrar de alguma coisa, mas assim que ia conseguindo ver o rosto de Katie e Harry, aquele deus grego tinha saído do banheiro.

 Ele andava em minha direção, ele me puxou pela cintura e me beijou, que beijo era aquele que boca era aquela meu pai. 

 O seu beijo era rápido e Gostoso seus lábios tinha gosto de morango, ele cheirava a flor seu cheiro era delicioso que nem seu beijo. Parei o beijo e o encarei, que homem era aquele, seus olhos eram castanhos, tinha o cabelo escuro, mas não chegava a ser preto. 

 Toquei em seus lábios, estava mesmo gostando daquilo? Minha mente estava em Harry, mas ele não me queria, ele não quer tem quem queira.

Ele dava beijos molhados em meu pescoço, me apertava mais ao seu corpo, ficava imaginando coisas absurdas com aquele homem. Mas pera eu o conhecia? 

 - Calma. - parei os beijos segurando seu rosto com as mãos.

- O que aconteceu ontem? - ele abaixou a cabeça levantou a mesma com um sorriso lindo nos lábios.

 - Você foi na festa do Louis se lembra disso? Ele nós apresentou e nós ficamos lá - faço que sim com a cabeça, e prestei atenção em suas palavras.

 -Você não parecia bêbada quando nos fizemos sexo, você parecia bem sóbria, disse que queria que eu fizesse você esquecer a dor e se lembrar do prazer. Nunca tinha visto uma mulher como você. - disse a ultima parte atacando meus lábios, enquanto me beijava cenas e Flashes vieram em minha cabeça. Lembro de Louis me apresentando a Maison, esse era seu nome. 

 - fizemos sexo? - perguntei assustada.

 - Não, só estou brindando, você disse que estavamos indo rápido demais, então não rolou o sexo. - falou voltando a me beijar. Me deitei na cama o puxando, para mim não conseguia deixar de beijar aquela boca. 

 - Maison que horas são? eu preciso ir trabalhar. - falei o puxando ainda mais pra mim. - Ah, são 10:40, que horas você entra? posso te levar em casa depois te levo lá. - aquela boca me chamava cada vez mais. - entro as 11:20, eu iria adorar se você me levasse. - disse voltando a beijar sua boca.

* Por Harry.

Batia meus dedos na mesa, em busca de uma solução, nao tinha mais, ela ja tinha assinado aquela merda.

- Katie venha aqui por favor. - disse depois de apertar o botão do telefone.

A porta se abriu calmamente, ela a fechou com pressa.

- Mas que merda que você falou pra ela? - Katie disse batendo suas mãos em minha mesa.

- ela quem? Do que você esta faltando?

- Harry a (s/n) foi na minha casa conversar comigo. - ela batia seus pés no chão em nervoso.

- Não falo com ela faz 3 semanas. - disse pegando meu celular para ver a ultima mensagem que a mandei.

- Harry, ela ama você, e pra mim poder te ajudar tenho que saber o que você quer fazer, e o que está fazendo. - se sentou e esperou eu falar.

- pra falar a verdade Katie nao sei nada sobre ela faz uns dias, o que foi que ela te falou. - falei batendo meus dedos na mesa.

- Conte-me primeiro porque esta fazendo isso com ela! - revirou os olhos e bateu em minha mão para que não fizesse aquilo com os dedos. 

 - quando casei com ela, não foi por amor, foi por puro interesse, so que eu depois de 3 anos percebi o canalha que sou, ela nao merece isso Katie ela merece mais, eu a amo céus a amo muito. Só que ela não merece isso. - passei as mãos em meu cabelo, levando os fios para trás.

 - Só ágora percebi que não estava sendo honesto comigo e com ela, então se eu a traísse ou fizesse que todos pensassem assim ela iria ficar com todo meu dinheiro.

 - Calma ai, e você acha que ela vai querer seu dinheiro? Harry ela chorou ontem, ela estava tão bêbada e frágil, porque você  simplesmente falou a verdade, se você a ama e ela ama você, tenho certeza que ela iria te perdoar por isso.] Ja passou na sua cabeça que ágora ela pode estar transando com outro cara? 

- Katie falava olhando para suas unhas, ela sabia que tinha razão. - o que eu posso fazer? Ela ja assinou o divórcio. - disse colocando minhas mãos em minha cabeça para poder pensar em algo.

 - Você ja mandou pro advogado? - fiz que não com a cabeça.

 - Porra Harry você e burro ou se faz? Rasga a merda desse contrato e acabou, vai atrás dela conta a verdade, por Deus ne pensa um pouco também. - se levantou e saiu de minha sala. 

 - Porra Harry você e burro ou se faz? Rasga a merda desse contrato e acabou, vai atrás dela conta a verdade, por Deus ne pensa um pouco também. - se levantou e saiu de minha sala. Saiu da minha sala sem dizer o que (s/n) foi fazer na dua casa, tinha coisa ali. Peguei o celular para ligar para (s/n), mas Katie abriu a porta e correu para onde eu estava e me puxou para fora de meu escritório.

 - Katie o que foi? - ela nem me respondeu só apontou para onde (s/n) estava. Ela estava linda, mas não era só isso ela estava abraçada a um cara. - O que ela esta fazendo aqui? - perguntei a Katie sem tirar os olhos dela e do seu sorriso.

 - A sala dela e naquela porta. Harry você está bem? - ela perguntou se virando pra mim.

 - Ela ja esta saindo com outro. -Harry ela acha que você a traiu, e que pediu o divórcio para ficar comigo, ela so que mostrar que está pegando ele pra você ver o que perdeu, cá entre nós Harry perdeu por burrice. 

 - vou la falar com ela. - ia saindo do meu lugar quando as mãos de Katie me impediram. 

 - Não faça besteira. - me soltou e andei em sua direção. 

 - Oi (s/n) podemos conversar rapidinho? - falei segurando em seu braço para que ela se virasse para mim.

 -Claro so um segundo Harry.- ela se virou e beijou ele e soltou um depois eu falo com você. 

 - Bom dia Harry, vem vamos entrar. - ela disse abrindo a porta me dando passagem para entrar. 

 - Me perdoa eu menti, me desculpa eu nunca trairia você, eu preciso te contar a verdade sobre tudo, eu nao aguento esse peso em mim. - falei a puxando para meus braços.

 - contar o que Harry? - passou as mãos em meu rosto, limpando minhas lagrimas. 

 - Meu amor, eu te amo eu amo muito você (s/n) me desculpa depois de 3 semanas, tomar coragem e te contar isso.

 - tudo bem, vai ficar tudo bem, pode começar a falar. - disse com um lindo sorriso nos lábios olhando em meus olhos. 

 * Contei tudo a ela da empresa do seu pai, do dinheiro. *

 - Me perdoa por favor. - falei levanto da cadeira me ajoelhado do lado da sua cadeira

. - Me perdoa por favor eu amo você, eu quero começar de novo, só que sem segredos, eu sei que fui um idiota por só ter começado esse relacionamento por dinheiro, mas eu amo você.

 - Harry eu preciso pensar, eu preciso pensar. - ela se levantou e me puxou para cima.

 - eu preciso, por favor sai daqui. - (s/n) me perdoa. - falei a puxando para um abraço que a mesma recusou e andou ate a porta, chegando para abrir a mesma ela cambaleou pra trás indo, fui com pressa em sua direção. - Você está se sentindo bem amor?

 - Não, eu não…… - ela não desmaiou gritei o mais alto que pude e chamei Katie que veio correndo pedi para que a mesma chamasse a ambulância. Curiosos na porta olhando aquela cena. Por Deus o que ela tinha?

 ________________________________ 

 Oie oie gente desculpa o tamanho dele sei que nao ficou tao Grande mas fiz com amor, acabei de chegar do hospital e por isso não postei antes pq ainda nao tinha acabado. Espero que gostem.

anonymous asked:

oizinho. gostaria que você fizesse um em que o Harryzinho é casado c/ a S/N, e eles têm três filhos, dai a S/N não está muito no clima, e nega fazer sexo c/ ele, então eles briga, e as crianças ouvi a briga, dai depois o Harry vai se desculpar, (ao seu critério) se vai ter um final hot!? obgggg 😘😊


Pronto!

N/A: Oizinho, tudo bom? gostaria de saber seu nome, mas tudo bem. Espero que você goste do seu imagine -se não gostar me avisa, que eu faço ele de novo.- Não sei se ficou como você queria mas espero que te agrade. Manda ask dizendo o que achou. Obrigada por fazer o pedido! 

Boa leitura!


 “Amor.” Ela disse baixinho enquanto deixava beijos por todo meu rosto.

 “Hm-m?” Respondi sonolento, com os olhos semicerrados por conta da claridade.

 “Já estou indo trabalhar, volto as 19:00 não esquece de levar as crianças para escola.” Ela disse se afastando de mim depois de deixar um selinho demorado em meus lábios.

 “Tudo bem, te amo.” Eu disse antes que ela deixasse o quarto, eu havia entrado de férias já a alguns dias mas ela ainda iria trabalhar por mais um tempo. Ficar longe da minha mulher e de meus filhos sempre foi muito difícil para mim, estar em casa e não precisar me preocupar com a empresa me deixava mais bem humorado; apenas o fato de S/N ainda estar trabalhando tem me deixado irritado, ela sabe que não precisa mas sempre tem que fazer o contrario do que eu quero.

     Levantei calmamente e fui até o banheiro tomar um banho rápido, me vesti e olhei o relógio do meu telefone que marcava 06:20, fui acordar as crianças; acordei primeiro Dylan que era o mais velho, ele conseguiria se arrumar sozinho o que me daria tempo. Logo depois fui até o quarto das gêmeas Darcy e Dayse que tinham apenas 4 anos, por isso precisavam mais de mim.

     Eu dava banho nas duas garotinhas que estavam elétricas, enquanto Dylan se vestia em seu quarto; Dylan era muito maduro para sua idade, mesmo tendo apenas 7 anos ele era quase totalmente independente de mim e S/N. Eu tinha certeza que ele se tornaria um grande homem.

     Quando todos já estavam devidamente arrumados, fomos em direção à cozinha e tomamos um café da manhã rápido, saímos de casa às 07:00, no caminho conversamos e rimos muito, além de cantar algumas musicas que tocavam no rádio. Não demorou muito para chegar à escola; Dylan desceu do carro e deixou um beijo em meu rosto antes de passar pelos grandes portões de entrada, eu tirei as duas meninas das cadeirinhas, entregando-as a professora que estava na porta. Me despedi de minhas filhas e entrei no carro dando partida.


     O dia passou voando e quando vi as crianças já haviam chegado, tornando a casa barulhenta outra vez. Nós passamos o resto do dia assistindo desenhos e brincando, quando a noite foi caindo resolvi pedir alguma coisa para comermos já que eu queria que S/N fosse só minha aquela noite.

     Minha mulher chegou um pouco mais cedo do horário que tinha dito, isso era bom; meus momentos com ela nos últimos dias tem sido escassos, eu estava precisando de um pouquinho de sua atenção. As crianças tiveram um dia cheio, por isso comemos e logo elas foram para cama.

     Eu estava deitado na cama quando S/N saiu do banheiro já de camisola, eu não sei se era o fato de não termos feito nada a alguns dias ou porque ela era realmente gostosa, mas eu fiquei ‘animado’ só em olhar. Ela deitou na cama e se aconchegou bem perto de mim, e eu me deliciava com o cheiro de seus cabelos.

 “Amor” Chamei manhoso.

 “Oi” Ela respondeu suspirando.

 “Vamos brincar um pouquinho?” Eu perguntei deslizando minha mão por sua cintura.

 “Não estou no clima, amor” Ela disse baixinho.

 “Eu faço você entrar no clima.” Disse antes de beijar seus lábios com vontade.

 “Eu não quero.” Ela disse interrompendo meu beijo e virando-se para parede.

 “Você está me negando sexo?” Eu perguntei indignado.

 “Sim, eu não estou afim agora amor.” Ela disse delicada se virando para me encarar.

 “Caralho, você passa o dia inteiro fora e quando volta não quer me dar atenção?”

 “Harry, para com isso. Eu estava trabalhando.” Ela continuava calma.

 “Você sabe muito bem que não precisa daquela merda de trabalho.” Eu disse alto, transmitindo toda a minha irritação.

    Ela me olhou com um misto de magoa e raiva em sua expressão. “Você sabe muito bem que eu amo meu trabalho, e se você não está satisfeito com o que eu te dou não estou te obrigando a ficar.” Ela disse tudo gritando, ela sempre foi muito calma mas quando ficava irritada não era uma boa ideia ficar por perto. Pequenas batidinhas eram ouvidas na porta, S/N parou de falar e foi até ela encontrando um garotinho assustado.

 “O que foi meu amor?” S/N recuperou sua calma rapidamente para falar com o filho.

 “Vocês estavam brigando?” Ele perguntou quase chorando, Dylan convivia com vários amigos que tinham pais divorciados e um dos seus maiores medos era que eu e S/N nos separássemos também.

 “Não meu amor, apenas estávamos conversando.” Ela disse para o garoto que se virou para mim. Eu assenti e ele voltou sua atenção para mãe.

     Ela caminhou até a cama e pegou seu travesseiro. “Vem, vou dormir com você hoje, bebê.”

 “Como é?” Eu perguntei exasperado.

 “Isso mesmo, quando você pensar melhor no que disse eu volto.” Ela falou me lançando um olhar desafiador.


     Acordei assustado no outro dia pensando ter perdido o horário de escola das crianças, corri até o quarto de Dylan mas ele não estava lá, fui também até o quarto das gêmeas o encontrando vazio. Senti o cheiro gostoso de café da manhã vindo da cozinha, logo desci e fui em direção a ela. S/N estava inclinada limpando a boca de Darcy enquanto ria com Dylan de alguma coisa; era sem dúvidas uma das mais lindas cenas para mim.

     Entrei no ambiente dando ‘bom dia’ e todos me responderam, fui em direção a S/N para receber um beijo mas ela desviou de mim. Faze-la esquecer o que aconteceu ontem com certeza não seria fácil. Terminamos nosso café e S/N terminou de limpar a sujeira das gêmeas.

 “As crianças vão sair mais cedo da escola hoje, vou busca-las antes do almoço; então você deveria pedir alguma coisa para comermos.” Ela disse seria.

 “Tudo bem, você também vai ficar para o almoço?” Perguntei hesitante, sabia que ela ainda estava com raiva de mim e que provavelmente estava se segurando para não explodir na frente das crianças.

 “Sim, hoje vou sair mais cedo também.” Ela disse indiferente, logo saindo com as crianças para a escola e me deixando sozinho em casa.

     Eu sabia que tinha agido errado com ela ontem, mas eu tenho sentido muita falta de minha esposa. Eu tinha que encontrar um jeito para que ela ficasse bem comigo outra vez, eu mal tinha conseguido dormir sabendo que minha mulher estava no quarto ao lado morrendo de ódio de mim.


     Algumas horas depois eles chegaram, S/N ainda demostrava estar chateada comigo. Comemos e as crianças foram brincar, S/N passou o tempo todo com elas; não me dando brechas para tentar iniciar uma conversa. Apenas no jantar ela falou comigo, quando pediu para eu ajudar a dar comida as gêmeas. Aquela situação estava me matando; eu odiava ser ignorado por ela e ela sabia disso.

     Estava deitado na cama quando a oportunidade perfeita para me desculpar surgiu, as crianças já estavam dormindo e ela estava com seu travesseiro na mão pronta para sair do quarto. Levantei rapidamente e puxei seu braço, ela me olhou sem expressão e eu a abracei contra sua vontade.

 “Nós precisamos conversar.” Eu disse baixinho bem perto de seu ouvido.

 “Rápido que eu quero ir dormir.” Ela respondeu.

 “Eu quero me desculpar por ter dito aquilo a você, eu sei que você ama o que faz e que gosta de ser independente. Mas eu também preciso de você, eu preciso da sua atenção.” Eu deixei escapar um suspiro e continuei. “Minhas férias não vão durar para sempre, e logo eu vou voltar para aquela rotina louca; e por isso eu quero aproveitar cada momento com você e com as crianças.” S/N me encarou por alguns segundos mas logo sorriu doce para mim, nesse momento um alivio tomou meu corpo. Ela se inclinou e deixou um beijo demorado em meus lábios.

 “Tudo bem, eu sei que não tenho te dado muita atenção nos últimos dias. Me desculpa?” Ela perguntou com um pouco de culpa.

 “Só se você dormir comigo.” Eu respondi rindo.

     Ela me olhou e me beijou outra vez, ergui seu corpo em meu colo e suas pernas rodearam minha cintura. Caminhei devagar até nossa cama e nos deitei lá, passei minhas mão por baixo de sua camisola e encarei seu olhos pedindo permissão, S/N assentiu e eu continuei minha ação tirando o tecido de seu corpo. Ela gemia baixinho enquanto eu beijava seu pescoço e acariciava sua intimidade por cima da calcinha.

 “Você está tão gostosa Babygirl.” Disse rouco mordendo o lóbulo de sua orelha.

 “Por favor.” Ela sussurrou entre gemidos.

     Minhas mãos foram até seus quadris puxando sua calcinha para baixo, logo a tirando. Rapidamente me livrei de meu short e cueca, eu já estava pronto pra ela. Me enfiei por inteiro dentro dela e um gemido contido saiu de sua boca, S/N passou a me beijar forte e a arranhar minhas costas fazendo com que minhas estocadas fossem cada vez mais rápidas e fortes. Fechei meus olhos e gemi antes de chegar ao meu ápice; com a respiração ofegante investi mais algumas vezes até que S/N chegou ao seu clímax. Deitei-me ao seu lado e a puxei para mais perto beijando sua testa enquanto acariciava suas costas agora nuas.

 “Eu te amo” Ela disse bem baixinho na curva de meu pescoço deixando um beijinho ali.

 “Eu te amo” Sussurrei em resposta, a vendo adormecer em meus braços.  

O quarto se tornou um refúgio, frio e escuro, ele se mostra exatamente como eu sou por dentro. Vazio e silencioso, é aqui que eu vivo praticamente​ as 24 horas do meu dia, eu me deito e olho firmemente​ para o teto branco, tentando entender porque diabos eu vim parar aqui, porque eu vivo assim, porque existem dias que eu acordo e sinto que não vai ser um bom dia, não consigo achar nenhuma resposta. Lentamente a hora passa e vejo que já é um novo dia, novo somente por ter nascido, mas o que aconteceu ontem vai acontecer hoje, vai acontecer amanhã e depois e depois e depois. Não há emoções nem razões, há somente um ser humano que estar a viver por medo de morrer.
—  24 horas de silêncio.
Cores de uma Amizade (Parte 4)

- J-Hope/Jung Hoseok

- Romance/Smut/Uma pitada de comédia

Originally posted by yoongiski

-Podemos dizer que eu vou ter certa dificuldade para dançar hoje. – Os olhos de Hani se arregalaram e um sorriso levemente se formou em seu rosto. Comecei a rir, deitando a cabeça em seu ombro. Encarei J-Hope rapidamente desviando. Seu olhar em mim e um sorrisinho tomava conta de seus lábios.

-Vocês transaram mesmo? Está falando sério?! – Ela ainda não acreditava e nem eu. Continuei rindo, assentindo e suspirando. Hani sorriu e bateu no meu ombro, me empurrando para o chão. – Eu não disse? Era só você trocar aquela roupa de baixo horrível e tudo se resolveria.

-Ok, ok… De certa forma, você estava certa.

-Eu sempre estou certa. – Ela riu no momento em que o professor entrou na sala. Levantamos e nos esticamos um pouco. Os olhos de Hoseok não saiam de mim, o que me fazia sentir uma onda quente subir pelas minhas pernas. 

 Encarei meu reflexo no espelho e lembrei de tudo que aconteceu na noite anterior. Como havia mudado tão rápido… Não conseguia olhar para Hoseok sem lembrar dele agindo de forma dominadora e não conseguia ver meus próprios olhos me observando de volta sem pensar no modo que agi.

-Você vai me contar cada detalhe, entendeu? – Disse Hani, puxando meu braço para próxima de si e tirando-me daquele transe. Pisquei algumas vezes, assentindo. Ela sorriu e saiu para ir até seu par na dança. Passei as mãos nos cabelos, suspirando e sorrindo de leve sem conseguir tirar aqueles pensamentos da cabeça.

-Lembrando do que aconteceu ontem? Podemos fazer aquilo mais vezes, sabe disso… – Disse Hoseok, se aproximando de mim por trás. Suas mãos seguraram a minha cintura e ele respirava perto do meu ouvido. Afastei-me levemente, apenas para não levantar tantas suspeitas

.-Nós vamos fazer aquilo mais vezes – Respondi, piscando e indo até minha bolsa pegar a garrafa de água. J-Hope sorriu, me seguindo com as mãos nos bolsos da calça. Senti sua mão na minha cintura e a afastei rapidamente. – Não me toque desse jeito na frente dos outros, não quero deixar tão claro assim o que está acontecendo entre nós.

-Você acha que eu me importo com a opinião alheia? – Ele respondeu, segurando minha cintura e me colocando para perto dele. Sorri, forçando-me para me afastar.

-Não é questão de se importar, mas respeitar a opinião alheia. Acha que é divertido para eles nós dois ficarmos nos agarrando desse jeito em público? – J-Hope levantou uma sobrancelha, considerando a opção, e me soltou. Tomei alguns goles de água e afaste uns fios de cabelo da minha testa.

-Quando posso te encontrar de novo? – Ele perguntou enquanto eu me abaixava para guardar a garrafa. Vê-lo daquele jeito, acima de mim enquanto estava de joelhos, aqueceu meu corpo e senti meu rosto ficar vermelho.

-Quando você quiser. – Respondi, me levantando o mais rápido que consegui e sem olhar em seus olhos. Hoseok agarrou minha cintura, me pondo próxima novamente.

-Por mim, poderíamos pular a aula de hoje e ir direto para a sua casa, o que me diz?

-Tentador, mas acho melhor não. Afinal, a apresentação não está tão longe quanto pensamos, não é? – Respondi, apertando seu nariz e indo para o meio do pessoal que já se preparava para dançar.

 A aula começou e pude perceber alguns olhares sobre nós, principalmente de algumas meninas que eu sabia que tinham uma quedinha por J-Hope. Ignorei-as e continuei dançando até que minhas pernas e braços gritassem por socorro. O que mais complicou minha vida foi a coreografia sexy. Não tinha como não entrar no clima com toda aquela dança, todo aquele toque entre mim e Hoseok.

 Ao fim do ensaio, depois de seis horas de muito treino, o professor nos dispensou. Ainda continuava a chover, mas não tão forte. Algumas ruas estavam cheias de água e os carros passavam correndo por nós.

 Eu e J-Hope andávamos lado a lado, meu coração batendo forte apenas sentindo-o próximo. Encarei-o caminhando, parecia estar muito pensativo. Dei um empurrão em seu ombro, chamando sua atenção.

-Vai passar a noite lá em casa hoje? – Perguntei, evitando algumas poças na calçada.

-Possivelmente, com essa chuva vai ser bem difícil ir embora e-

-J-Hope! Quer uma carona? Aproveita que é a sua única chance. – Disse Suga, abrindo a janela do seu carro. Hoseok me encarou, sem saber o que dizer. Apenas sorri e acenei, me afastando. O menino acenou de volta, sorrindo também.

A cada passo, mais rápida eu ficava. Cheguei correndo em casa, os cabelos completamente molhados. Tirei o máximo da chuva que pude das minhas roupas e entrei na casa, indo correndo para o banheiro. Tomei um banho sem demorar muito e fui até o quarto.

 Deitei-me na cama e peguei o celular para usá-lo um pouco, queria apenas descansar hoje. Havia quase a China inteira em forma de mensagens esperando para serem lidas. Suspirei, percebendo que a maioria eram de Hani. Ao invés de ler, liguei para ela e esperei que atendesse rapidamente.

-ME CONTA TUDO AGORA. – Ela berrou do outro lado da ligação.

-Alô para você também – Rimos e Hani apenas continuou implorando para que eu contasse toda a história. Comecei a descrever tudo que aconteceu e o silêncio do outro lado da linha era total, pensei até que a garota tivesse desmaiado. – E foi isso. – Falei quando terminei.

-‘’Isso’’. Isso? Eu sonho em transar com alguém desse jeito desde que me conheço por gente. Você conseguiu isso em um dia. Está me devendo sua alma agora, sua vagabunda.

-Obrigada. – Respondi, rindo. Continuamos conversando sobre assuntos aleatórios por horas e quando me dei conta, havia adormecido no meio da chamada.

 Meus sonhos não envolveram nada sobre J-Hope por mais estranho que fosse. Na verdade, apenas idealizei como seria a grande apresentação daqui uns meses. Apesar de tudo aquilo estar acontecendo, minha cabeça não conseguia parar de pensar e se preocupar sobre as danças, os dançarinos, os ensaios e afins.

 Acordei em um sobressalto, meu coração acelerado demais. Um raio forte havia me arrancado do sonho, tremendo até mesmo o chão. Deve ter caído perto da casa. Apressei-me para tirar as coisas da tomada e ficando em uma imensidão escura.

 O pânico começou a se instalar no meu peito, não poderia ficar muito mais tempo na escuridão. Peguei uma vela e acabei me lembrando do que dia em que J-Hope dormiu aqui em casa. Não que houvesse passado tanto tempo, de qualquer maneira. Sentei-me no sofá com a vela na mesa de centro e fiquei observando-a dançar com a brisa que entrava pela janela.

 Os raios estavam bem fortes e aquilo fazia meu coração disparar. Ficava olhando para trás e para os lados quase que o tempo todo. Minhas pernas tremiam com o medo querendo tomar conta de mim.

 O som do meu celular tocando me fez quase pular para fora do sofá. O peguei e atendi, sem nem ver quem estava me ligando.

-________? – Era a voz de J-Hope. Engoli em seco antes de responder.

-Sou eu. Por que me ligou?

-Queria saber se você está bem. A energia caiu aí também? – Aquela frase fez meu coração disparar e meu rosto corar. Suspirei, assentindo, mas aí lembrei que ele não estava ali comigo.

-Sim, caiu sim.

-Está tudo bem com você?

-Um pouco. Estou com medo sim, mas tenho uma vela comigo e sabe… A vela é uma ótima companheira. – Falei, sem saber direito como responder. Eu não estava bem, não gostava do escuro e me dava uma sensação de pânico estar naquela situação, mas não falaria isso para Hoseok.

-Quer que eu vá aí? Posso pedir para Suga me dar uma carona.

-Não, tudo bem. Não se preocupe comigo. Está tudo bem mesmo. – Falei, tentando esconder meu medo. J-Hope suspirou do outro lado da linha, hesitando falar.

-Por que eu não consigo confiar em você quando diz isso? – Sua voz exalava certa decepção por eu estar mentindo. Respirei fundo, sentindo uma pontada estranha no meu peito. Apesar de tudo que aconteceu, J-Hope era meu melhor amigo e a última coisa que queria era deixá-lo daquele jeito. 

A ligação caiu – ou ele havia desligado -, me deixando sem maneiras de pedir desculpas. Deitei-me no sofá, sentindo o pânico se alastrar pela minha pele, cada átomo do meu corpo. Agarrei minhas pernas, deitando em posição fetal e tentando ao máximo me controlar para não surtar.

 Conseguia sentir o suor se formando na minha testa e a fraqueza tomando-me. Fechei os olhos por não sei quanto tempo, ouvindo minha respiração acelerada e descompassada, as batidas do meu coração altas e fortes e sentindo meu corpo tremendo.

 Escutei batidas na porta, altas e fortes. Pareciam até mesmo desesperadas. A luz da vela havia se apagado e tudo que me restava agora era uma escuridão sem fim. Aquilo foi o que eu precisava para perder o controle do medo.

 Tentei me levantar, mas caí no chão, tremendo e chorando. Aquilo não acontecia há anos, quer dizer, com tanta intensidade. Claro que eu tinha ataques ás vezes, mas nunca tão fortes ao ponto de não conseguir me levantar.

Minha visão estava embaçada pelas lágrimas e pela tontura que me atingia rapidamente. Em meio ao turvo, vi uma sombra na janela da sala batendo no vidro. Tentei me levantar, mas não conseguia de jeito nenhum. Fechei meus olhos e deixei meu corpo tremendo, indefeso, no chão de madeira.

 Ouvi um som de clique, como se alguém tivesse destrancado a porta. Alguns segundos depois, senti mãos quentes me levantando do chão e me acolhendo. Lábios sedosos beijaram minha testa enquanto dedos gentis acariciavam meus cabelos.

-Eu estou aqui agora, você não está sozinha no escuro. Entendeu? – Disse J-Hope, levantando-me e deitando meu corpo no sofá. Suas mãos continuaram acariciando meu cabelo enquanto ele tentava me acalmar.

 Depois de um tempo, eu já estava melhor e Hoseok já havia ligado o celular com a luz noturna. Minha respiração ainda estava descompassada e um pouco acelerada, assim como meu coração, mas eu estava levemente melhor. Encarei J-Hope, vendo-o sorrir para mim.

-Como aquela coisinha sexy se tornando essa garota em pânico na minha frente em tão pouco tempo, hm? – Ele perguntou, aproximando um pouco o rosto do meu e beijando meu nariz. – Tem que ser você mesmo, _______. Sempre me surpreendendo.

-O-obrigada, Hoseok. – Falei, segurando sua mão que estava mais perto da minha. Ele sorriu, beijando-a.

-Melhores amigos coloridos estão aqui para isso. Nunca vou te deixar sozinha, principalmente em um ataque de pânico, sabe disso. Não se faça de boba. – Sorri, me aconchegando e notando todo aquele sentimento ruim indo embora.

-Pode ficar aqui pelo resto da noite? – Hoseok assentiu, sem nem pensar direito.

-Estranhamente, eu trouxe algumas roupas. – Ele disse, sorrindo e piscando.

-Tinha que ser você, J-Hope. Sempre bem preparado. – Respondi, respirando fundo enquanto encarava-o.

-Sempre – Ele disse, piscando mais uma vez. – Já tomei um banho lá em casa, então só preciso colocar meu pijama para dormir. Já tomou um banho? – Assenti, hesitando um pouco quando J-Hope fez uma careta. – Você pareceu que suou bastante, acho melhor tomar outro, mas só mais tarde.

 Ergui uma sobrancelha para ele, sorrindo um pouco. Ele apenas se levantou e foi até a cozinha, mexendo no seu cabelo.

-Você quer alguma coisa para comer? Ouvi dizer que é bom se alimentar e se hidratar depois de um ataque desses. Precisa recompor-se.

-Estou bem, obrigada. – J-Hope suspirou e abriu os armários da cozinha, pegando um saco de biscoitos com gotas de chocolate e um pouco de café.

-Você vai comer. – Ele disse, colocando as coisas sobre a mesa de centro e me ajudando a sentar. Hoseok se sentou ao meu lado e pegou as coisas, me dando.

-Obrigada… – Respondi, pegando a xícara de café primeiro. J-Hope começou a comer os biscoitos, olhando pela janela.

-Por que essa tempestade nunca passa? Já está chato – Murmurei um som estranho, concordando. Hoseok me encarou, confuso, e logo começou a rir, imitando-me.

 Respondi, fazendo um som parecido e assim a ‘’conversa’’ se prolongou. Era minha vez de fazer um som estranho e do nada, J-Hope segurou meu maxilar, beijando-me lentamente. Meu coração pulou de susto, mas não me afastei. O beijo não era intenso, era lento e delicado.

 Ele se afastou depois de um tempo, respirando fundo e olhando para a janela. Comecei a rir, colocando a xícara sobre a mesa de centro.

-Por que fez isso? – Perguntei, virando-me para ele.

-Você estava linda, eu não… Não consegui me segurar. – Ele disse, olhando fundo em meus olhos. Pude perceber que estava falando mais sério do que nunca.

 O que era esse sentimento estranho nascendo e crescendo dentro do meu peito toda vez que ele falava daquele jeito?  

//MinSuga
Abro a janela e sorrio sobre aquele céu sem estrelas, hoje me sinto tão estranhamente feliz, este é um sentimento que tem sido tão raro pra mim ultimamente , como posso sorrir diante da melancolia. O dia amanheceu diferente, algo mudou. Talvez seja a esperança voltando, o céu não tem estrelas e a lua não apareceu, mas a sensação é de paz. Procuro dentro de mim algo que me faça entender esse novo sentimento que a tanto tempo não sentia, fico me perguntando, o que há de novo? O que aconteceu ontem que fez eu me sentir assim, tão vivido e alegre, as coisas continuam as mesmas, o cotidiano continua se repetindo normalmente, como sempre continuo a passar despercebido, poxa não é normal eu me sentir assim, é como se um peso tivesse sido tirado da minha costas. É um sentimento novo algo que não consigo compreender, mas que me faz sentir bem, leve comigo mesmo, como se tudo o que passou realmente tenha ficado no lugar que lhe é de direito, o passado. Algo novo entrou em minha vida e não me lembro de ter me pedido licença, apenas entrou e agora me vejo assim, essa é a calmaria depois da tempestade e a tão falada luz no fim do túnel? Bom eu realmente não sei mas algo dentro de mim está mais vivo hoje acho que estou me  reencontrando com a minha esperança novamente?
—  Florejus and be- cold admirando o inverno
Ontem a noite fui deitar na cama com minha cabeça cheia de pensamentos e com o coração apertado. Não sabia mais o que fazer pra tirar aquela tristeza dentro de mim, não sabia se eu chorava ou se dormia pra tentar esquecer. Mas enquanto eu vasculhava o meu celular, tentando encontrar alguém ou algo pra me animar, sabe o que eu encontrei? Uma foto minha de algum tempo atrás. E sabe como eu estava na foto? Sorrindo. Eu lembrei de quanto eu era feliz nessa época, no quanto eu via o mundo colorido e o quanto eu me sentia bem comigo mesma. Naquele instante eu caí nos choros e comecei a pensar: “O que estou fazendo comigo? Não posso viver sempre infeliz, não posso viver choramingando pelos cantos e reclamando da vida, eu preciso ser diferente”. Eu continuei vendo as fotos e cada vez mais eu chorava, porque eu lembrava dos momentos bons que eu vivi e ao mesmo tempo chorava por não estar mais aproveitando a minha vida. Quando eu terminei de ver as fotos, eu enxuguei as minhas lágrimas e prometi pra mim mesma que a partir de hoje, não iria mais ficar triste por qualquer coisa. Minha vida é muito preciosa pra ficar chorando, reclamando, me magoando e me decepcionando por causa das pessoas. Eu preciso sorrir, eu preciso ser feliz. Eu não estava mais aproveitando a minha vida, estava apenas sobrevivendo. E afinal, eu vim pro mundo pra viver ou sobreviver? Problemas todo mundo tem, mas a vida continua. Quando acordei hoje de manhã, sabe qual foi a primeira coisa que eu fiz? Eu sorri. A vida fica tão mais bonita quando sorrimos, quando vemos o lado bom de viver e quando aproveitamos a vida. Chega de ficar chorando, ficar triste atoa e ficar pedindo pra Deus ser feliz, agora eu vou atrás da minha felicidade. Sabe aquela menina triste que você viu chorando ontem? Esqueça ela, a partir de hoje, ela é uma menina nova, sorridente e irá em busca da sua felicidade.
—  A vida é muito curta pra perder tempo com a tristeza.

Pedido: amoor faz um imagine do Harry que ele é super fã/tarado na S/n e eles se encontram em uma premiação e meio que rola um clima .. o final pode ser como você preferir 

Não sei se ficou como imaginaram.. Não fiquei muito feliz com o resultado, então queria saber a opinião de vocês.. 

Boa leitura

xoxo


É hoje!! Hoje seria a premiação da Radio Music Awards e eu veria a S/N!! Eu sou completamente apaixonado por essa mulher!                                           Ok, talvez eu esteja exagerando, mas ela me enlouquece de uma forma.. 

S/A está tão mais tão estourada que nem temos tempo para conversar.        

Eu já havia ouvido falar dela bem antes de conhecer-la pessoalmente e confesso que não achava que ela era tudo isso. Assim que tive a oportunidade, Louis me apresentou pra ela, pois eles já se conheciam a bastante tempo. Ali, no show que fizemos em Los Angeles, conversei com ela e percebi que estava totalmente errado sobre sua pessoa! Depois deste dia, começamos a nos encontrar como amigos mesmo, mas hoje em dia está difícil até se comunicar com ela pelo celular! Mas hoje ela não me escapa! 

Eu e os meninos estávamos hospedados em um hotel para relaxarmos depois de tantos shows. Acordei, me troquei e desci para tomar café, encontrando os meninos na mesa, conversando 

Niall: Até que enfim a Bela Adormecida chegou! - acenei e me sentei no meio de Liam e Louis 

Liam: Animado? 

Harry: Pra caramba! - disse com um sorriso no rosto 

Niall: Nunca te vi tão animado para uma premiação 

Zayn: Ele não está animado por causa da premiação- Zayn riu fraco e me olhou 

Harry: Claro que estou! 

Louis: Ah Harry, você não engana ninguém

Liam: Perdi alguma coisa? - perguntou sem entender nada 

Louis: Ele tá assim por causa da S/N! 

Harry: Não!! Claro que não!!

Zayn: Admite que é mais bonito! 

Harry: Tá, estou animado que vou ver ela.. - todos riram 

Niall: Você ama essa garota hein 

Harry: Não exagera! Só acho ela uma tremenda gostosa! - rimos 

Zayn: Quem não acha! Tenho que conversar mais com ela.. Ser mais que amigos se é que me entendem 

Harry: Eu tô na frente idiota, não vem roubar meu lugar! E você namora Zayn!! Fica quieto aí! 

Liam: Então quer dizer que Harry Styles quer pegar a S/N?! 

Harry: Quero! Quero muito! - ri - Porra, ela é tão linda! O cheiro dela, o sorriso, aquele corpo, ela é fantástica! 

Niall: Tá apaixonado! Com certeza! 

Harry: Tô nada! 

Zayn: Mal ele sabe o que o Louis já fez com ela! - Zayn riu fraco e Louis olhou para o mesmo com um olhar não muito bom 

Harry: O que você fez? - perguntei ao meu amigo 

Louis: Nada, Zayn tá louco! 

Zayn: Tô! Tô louquinho! - riu novamente, debochando 

Harry: Fala Louis! 

Louis: Não é nada! 

Zayn: Ele pegou a S/N , falei! 

Harry: O QUE? 

Louis: Você tá morto! - disse à Zayn - Isso foi há muito tempo 

Zayn: 4 meses não é muito tempo.. 

Harry: Por que Não me falou nada?? 

Louis: Sei lá, fiquei meio mal por ter pego ela já que você tava gostando dela e ainda está 

Harry: Eu Não estou gostando dela.. - disse revirando os olhos 

Liam: Vocês só se beijaram? - Louis permaneceu em silêncio, desviando o olhar e Zayn começou a rir - Não me diga que.. 

Niall: EITA! DE PRIMEIRA?!?? - perguntou perplexo e eu não entendo nada

Liam: Esse daí não perde tempo 

Harry: Cara, que que tá acontecendo? 

Niall: Eles transaram Harry! Que lerdeza! 

Louis: Agora ele vai é me estrangular! 

Harry: Não, óbvio que não vou! Ela não é nada minha! Mas poderia ter pelo menos me contado né! 

Louis: Desculpa cara! 

Harry: Mas e aí, como foi? 

Louis: Não vou entrar em detalhes, mas foi ótimo! Ela é sensacional! Mas já vou adiantando que não fui só eu que peguei ela!!! Não é mesmo Malik! - Zayn pegou o copo de suco e deu um gole tentando disfarçar 

Niall: Transou com ela também??? 

Zayn: Não! 

Louis: Para de mentir!! Transou sim!! Você veio correndo me contar!!  

Zayn: Mas só foi 2 vezes! Você foi umas 6!! 

Liam: E vocês não falam nada pra gente!! 

Harry: Eu tô chocado.. Só eu que não fiquei com ela?? 

Zayn: O Liam e o Niall também não 

Niall: O Liam já beijou ela, não foi? 

Liam: Uma vez só, mas eu tava bêbado, nem lembro 

Niall: Eu admito que fui em uma festa sozinho e ela estava lá.. e fiquei com ela, mas foi uma vez também 

Harry: Então só eu que não fiquei com ela - disse desanimado 

Zayn: Hoje é o dia meu amigo! 

Louis: Na festa depois da premiação é ótimo 

Liam: De hoje não passa!

Niall: Vai na fé irmão! 

Harry: Se ela não tiver acompanhada né.. 

Zayn: Acho que Ela está solteira .. - Zayn parou de falar pois seu telefone começou a tocar e ele atendeu - Alô… Oii S/A.. Espera um pouquinho- Zayn colocou a ligação no viva voz para podermos ouvir também 

Ligação

Zayn: Voltei 

S/N: Vai na premiação hoje? 

Zayn: Vou!! 

S/N: Ah que bom! Os meninos e o Harry vão também? - ELA DISSE MEU NOME!! 

Zayn: Vão sim! Harry Está com saudades de você - Zayn disse e eu o olhei com vontade de mata-lo 

S/N: Também estou com saudades dele.. 

Zayn: E de mim não? Podíamos nos encontrar depois da festa.. 

S/N: Você está namorando Malik! - ela deu uma risadinha - Nem sonha! 

Zayn: Ela nem vai saber.. - S/N riu novamente 

S/N: Você é um safado! 

Zayn: Tô brincando - ele riu - Amo minha namorada 

S/N: E tem que amar mesmo 

Zayn: Vai acompanhada? 

S/N: Não, ninguém me quer! 

Zayn: Eu sei uma pessoa que te quer muito!! - O Zayn quer morrer hoje, só pode - Bom, vou desligar 

S/N: Tá, nos encontramos lá então 

Zayn: Beijos 

S/N: Fala pro pessoal que mandei um beijo pra eles 

Zayn: Beleza 

S/N: Tchau 

Zayn: Tchau - Zayn desligou a ligação e me olhou - Ela te quer! 

Harry: A voz dela é tão gostosa de ouvir.. 

Louis: VISH, ACALMA SEU AMIGO AÍ HARRY! - todos riram 

Harry: Vão se fuder! - ri fraco e fui pegar meu café 

 […]

 A premiação já havia acabado e não vi a S/N até agora. Vi apenas de longe, no palco, onde ela cantou e recebeu 2 prêmios. 

Já estávamos na festa. Fui até o bar pegar uma bebida e alguém tampa meus olhos. Passei minhas mãos pelas mãos da pessoa e reconheci que era de uma mulher e pude sentir o seu cheiro de longe. Era a S/N. 

Harry: Oi sumida! - ela retirou as mãos e eu me virei dando de cara com ela que me abraçou no mesmo momento 

S/N: Como soube que era eu? 

Harry: Seu cheiro é único.. - ela sorriu - Você está linda! - olhei para a mesma de cima pra baixo e realmente ela estava maravilhosa, com um vestido longo bordo brilhante, um salto preto e seu cabelo estava um pouco liso um pouco encaracolado, resumindo, estava fantástica 

S/N: Obrigada! Não tenho palavras para te descrever né! Continua lindo! Seu cabelo está show! - ri fraco 

Harry: Valeu - disse sem jeito - Quer uma bebida? 

S/N: Agora não.. Está acompanhado? 

Harry: Não 

S/N: Posso ser sua acompanhante? 

Harry: Nem precisa pedir! - sorri e fomos nos sentar, até que achamos uma mesa vaga, colada na parede, com aqueles sofás bem confortáveis. Me sentei e ela sentou ao meu lado, ficando bem próxima a mim 

S/N: Faz tempo que não nos falávamos 

Harry: Pois é! Descobri coisas sobre a senhorita que fiquei chocado - ri fraco e ela me olhou confusa- Você já ficou com todos os meus amigos?- ela riu 

S/N: Mais ou menos.. - ri fraco 

Harry: Louis e o Zayn foi algo mais pesado digamos assim 

S/N: Meu deus! Eles te falaram disso também?! - assenti - Que vergonha! - escondeu o rosto com as mãos 

Harry: Vergonha por que? Você é solteira! 

S/N: É.. Pensando assim! Mas que fique bem claro que quando eu fiquei com eles, os dois estavam solteiros! 

Harry: E foi bom? - S/N me olhou assustada e riu ao mesmo tempo - Que foi?! - ri 

S/N: Que pergunta! 

Harry: Eles só me falaram coisas boas da senhorita 

S/N: Foi bom sim.. Que constrangedor isso! - rimos 

Harry: Fica tranquila que não vou espalhar pra ninguém! - ela assentiu - Então você já pegou todos da One Direction! 

S/N: Todos não.. Falta 1 .. - falou e lançou um olhar sexy pra mim, logo entendi o que ela quis dizer 

Harry: Então hoje você pode dizer que já ficou com todos da One Direction - fomos nos aproximando e em poucos segundos colei meus lábios aos dela. Minha língua pediu passagem e ela cedeu. O beijo foi ganhando mais ritmo. Senti suas mãos passando pela minha nuca e acariciando a mesma de uma maneira gostosa, Já às minhas estavam agarradas em sua cintura. Paramos o beijo por falta de ar e ela deitou sua cabeça em meu ombro 

S/N: Você é rápido.. - ela disse rindo 

Harry: Não gosto de perder tempo 

S/N: Gosto disso! - ela riu e deu me deu um selinho, mordendo a parte inferior do meu lábio - Você beija bem.. 

Harry: Sei fazer mais coisas além de beijar.. - cochichei em seu ouvido e ela riu 

S/N: Tô louca pra saber.. - ela disse e beijou meu pescoço de leve, arrepiando meu corpo 

Fomos em um lugar mais reservado onde tudo aconteceu. No final da festa eu estava realizado. Bebi muito e quando cheguei no hotel, apaguei. 

Acordei com meu celular vibrando. Vi a ligação do Liam e atendi 

Ligação

Harry: Oi.. - disse ainda sonolento 
Liam: O café tá acabando, vai descer? 
Harry: Vou.. Já tô indo
- desliguei a ligação e vi uma mensagem da S/N há algumas horas atrás 

“Devíamos repetir o que aconteceu ontem mais vezes” - sorri ao ler aquilo e respondi a mensagem 

Mensagens

Harry: Tô a disposição quando você quiser 

S/N: Vou ficar sozinha hoje.. 

Harry: Vou tomar café e já vou pro seu hotel 

S/N: Vem agora.. 

Harry: Nem tomei banho ainda 

S/N: Toma aqui comigo 

Harry: Agora já sei porque os meninos ficaram loucos por você 

S/N: Vem logo! 

Harry: Tá desesperada meu amor? 

S/N: Estou! Viu só o que você fez comigo? 

Harry: Essa era a intenção! Me espera que já tô chegando!! - bloqueei o celular. Tomei um banho gelado para tirar a ressaca. Me arrumei e sai do quarto, dando de cara com os meninos 

Niall: O café já acabou 

Harry: Não vou tomar café - ri fraco 

Louis: Ele vai comer outra coisa! - Todos rimos 

Harry: Que pesado Louis!! 

Louis: Tô mentindo? 

Harry: Não.. - ri 

Zayn: Eu falei que ela tava louca pelo Harry! 

Harry: E eu louca por ela! - foi interrompido pela mensagem da S/A - O dever me chama! Não me esperem pro jantar 

Liam: Vamos embora amanhã depois do almoço hein!! 

Louis: Deixa o moleque curtir! 

Harry: Tchau!! - disse e desci as escadas. Pedi um táxi e fui até o hotel onde S/N estava hospedada. Bati na porta e ela abriu me puxando pra dentro - Cheguei! - sorri e ela me beijou 

S/N: Demorou demais.. - disse tirando minha camisa 

Harry: Sou todo seu! - abri os braços e ela me jogou na cama, ficando sobe mim 

S/N: Sabe que não vou te deixar em paz tão cedo né?! 

Harry: Eu agradeço demais por isso! - ela sorriu e e beijou. 

Com certeza nossa amizade não vai terminar tão fácil assim.. 

One Shot Liam Payne 

  • Pedido -  Faz um cm o Liam q ele sofre um acidente e fica paraplégico e revoltado, os meninos (inclui Zayn), a família, os fãs, todos tentam ajudar. Ele e a (s/n) são casados e ele começa a maltratar ela por achar q não poderia dar o melhor pra ela mas no fim pelo amor dela ele volta a andar, pode fazer uma cirurgia ou sei la mas ele volta a andar e eles ficam bem, faz bem emocionante e dramático, obrigada 😘


(Parte I)

Meu suspiro foi audível mostrando o quanto eu não queria continuar o assunto da conversa que meu marido está tentando ter comigo. Enquanto eu olhava as luzes dos postes passarem rapidamente pelos meus olhos, minha mente vagava sobre o quanto não estávamos preparados para ter um filho agora, mas Liam insiste na conversa depois de termos ido visitar o bebê de uma amiga.

Eu só queria que ele entendesse que estamos ocupados demais com nossos respectivos trabalhos, ter um bebê exige planejamento.

— Dá para você não me deixar falando sozinho? — me virei para olhá-lo e ele estava olhando para mim, o que não é nem um pouco responsável ao estar dirigindo.

— Olhe a estrada, Liam. — ele fez o que eu pedi — Nós podemos apenas conversar sobre isso em casa?

— Você só está tentando fugir da conversa, pelo que te conheço quer me fazer esquecer o assunto. — por que ele tem que ser assim?

— Eu só acho que não é uma boa ideia no momento… Você está envolvido com um cd novo e eu acabei de ser promovida no trabalho, não seria legal pararmos tudo agora. — Liam me olhou mais uma vez e eu já estou começando a me sentir irritada por sua falta de responsabilidade ao volante — Para de me olhar, Liam. Preste atenção na droga da estrada!

— Por que está tão nervosa?

— Eu não estou nervosa, só não quero que você perca o controle desse carro. — ele me olhou de novo — Merda, Liam. Pare esse carro!

— Você não confia em mim? Eu sei o que faço. — ele continuou me olhando.

— Para essa merda!  

Minha voz saiu mais alta fazendo Liam pisar no freio e o carro parar um pouco mais a frente pela velocidade, ele desligou o carro soltando o cinto e se virou para mim com uma carranca.

— Por que merda você está tão nervosa? Droga, eu só fiz um pedido.

— Não, você fez eu me sentir pressionada a te dar um filho. Fez me sentir uma megera por não querer te conceder esse pedido. Então, por favor, não vamos apressar as coisas.

— Nã-

A fala de Liam foi cortada por uma buzina muito alta e uma luz forte que bateu em meu rosto vindo de trás das costas dele, se virando rapidamente, Liam percebeu que havíamos parado em um cruzamento e que um carro vinha em nossa direção muito rapidamente. A tentativa de ligar o carro falhou miseravelmente e não havia mais nada que pudéssemos ter feito, a batida foi inevitável e Liam se debruçou para o meu lado tentando evitar que eu me machucasse.

A sensação de estar flutuando no nada toma conta de todo o meu ser, é como se eu estivesse em um universo completamente escuro vagando lentamente de um lado para o outro no ar, a única coisa que pode ser ouvida por mim é um bip bip muito longe.

Liam veio a minha mente, mesmo estando engolida pelo nada, eu posso ver seu rosto sem conseguir abrir meus olhos. Essa visão do meu marido estava me acalmando, mas então ele desapareceu quando um carro passou rapidamente sobre sua imagem me fazendo abrir os olhos num rompante só para ter minhas retinas queimadas pela luz branca, extremamente forte me fazendo fechá-los novamente.

O barulho irritante do que parece uma máquina, está mais perto, ao meu lado par ser mais exata e eu não faço ideia de onde me encontro. Quando me sentir segura, abri um olho devagar e logo depois o outro podendo ver o teto branco e ao olhar para o lado, as paredes da mesma cor.

Minha cabeça dói, eu me sinto um pouco tonta e não tem ninguém ao meu redor, eu estou sozinha e não faço ideia de onde Liam esteja. Na tentativa de levantar a mão até minha testa senti uma coisa se repuxar em minha pele e ao levantá-la com cuidado, uma mangueirinha de soro estava fundida a minha veia sendo segurada por um esparadrapo que mantinha a agulha no lugar.

E então, me causando uma dor de cabeça mais forte, a lembrança da noite de ontem veio em minha mente me causando desespero. Eu preciso saber onde Liam está, preciso saber se ele está bem e não quero ficar sozinha de jeito algum.

Antes que eu começasse a arrancar os fios presos a mim, a porta abriu e uma enfermeira apressada entrou veio até minha cama.

— A senhora deve permanecer em repouso, não faça movimentos brusco. Eu chamarei médico.

— Meu marido… — minha voz saiu em um fio — Eu preciso… Preciso vê-lo.

— A senhora precisa ficar calma, está desacordada há dois dias e precisa passar por exames.

Dois dias?  

Como assim dois dias se o acidente aconteceu ontem?

Um pontada forte na cabeça me fez fechar os olhos com força e não pude evitar deixar um gemido escapar. A voz da enfermeira me chamando estava longe e por mais que eu tentasse entender o que ela dizia, eu não conseguia.

E mais uma vez, fui engolida pela escuridão.

Pela segunda vez meus olhos queimaram ao que eu os abri inconsciente da luz sobre mim, mais uma vez fechei-os e mais uma vez tentei levar a mão até minha cabeça sendo, dessa vez, impedida por alguém que a segurou.

— Não movimente o braço tão bruscamente… Pode remover a agulha de sua veia.

Abri meus olhos com cuidado depois de me acostumar com a claridade e um homem alto de jaleco branco estava ao meu lado me olhando com atenção.

— Você se lembra o que aconteceu? — eu assenti lentamente com a cabeça — Sabe seu nome, onde está e com quem estava? — assenti mais uma vez o vendo fazer anotações em uma prancheta — Creio que a pancada em sua cabeça não resultou nenhuma sequela ao seu cérebro, mas ainda te deixarei em observação.

Ficar mais tempo? Não! Eu não posso ficar mais tempo confinada em um quarto irritantemente branco alheia do estado do meu marido.  

Percebendo minha agitação o médico pediu para que eu me acalmasse.

— L-Li-Liam… — lutei para que conseguisse dizer o nome do meu marido, minha boca está completamente seca e minha voz impotente.

— A senhora precisa se acalmar, seu marido está bem e está seguro em um dos quartos deste hospital. Não há com o que se preocupar.

Eu fui submetida a uma bateria de exames de todos os tipos para que constatassem que eu estou em perfeito estado, tirando alguns machucados no corpo e no meu rosto que pude vê quando minha mãe me ajudou a tomar banho.

Ao que parece, eu estou há três dias desacordada, depois que acordei no segundo dia, voltei a inconsciência deixando todos preocupados, mas deveria ser apenas o cansaço, segundo o médico.  

Ninguém me diz exatamente o estado de Liam, sempre respondem com “ele está bem", “está sendo bem tratado em outro quarto", “ele está seguro", mas isso não é o suficiente para me deixar tranquila. Se ele está bem e seguro, por que não veio me ver? Pelo que eu me lembro, ele tentou me proteger com seu corpo, não acho que ele tenha ficado exatamente bem.

A noite caiu mais uma vez e eu tive que continuar no hospital, apenas a mangueira do soro está enfiada em meu corpo, os fios já não são mais necessários e o bip bip enjoado já não soa mais para me deixar irritada. Eu passei o dia arquitetando um plano, meio insano, mas ainda assim a única coisa que talvez me deixará mais aliviada.

Segundo o médico que me atendeu, ele não estará de plantão essa noite e se eu precisasse de algo era só apertar o botãozinho ao lado da cama que as enfermeiras estariam a posto na recepção a espera de um chamado.  

O hospital estaria vazio, uma oportunidade perfeita para ir até o quarto do Liam que fica há dez portas do meu. Pelo menos essa informação eu consegui arrancar de Karen.

Abri a porta em um fresta para que eu observasse o corredor e ele está vazio como eu esperava, então sem pensar muito, eu saí do quarto caminhando apressada até o fim do corredor onde a porta com o número 13 estaria. Assim que me vi em frente a porta que eu procurava, apenas a abri com cuidado para não assustar Liam e entrei antes que fosse pega.

— Eu não chamei ninguém, vá embora!

A voz de Liam soou me fazendo sorrir por saber que ele está consciente e provavelmente bem. Me aproximei devagar caminhando até estar aos pés de sua cama e ele sequer olhou para ver de quem se tratava, apenas continuou encarando o teto sem graça daquele quarto.

— Amor, eu consegui fugir para te ver. — falei com um pouco de animação por vê-lo com meus próprios olhos.

— Você fez muito mal, não quero você aqui. — a voz dele foi rude e ele continuou sem me olhar.

— Eu precisava ver por mim mesma como você está.

— Pois agora que já viu, aconselho que saia daqui e procure um advogado. — minha testa franziu automaticamente em confusão — Peça o divórcio e seja livre.

— Por que? Por que eu faria isso? — minha mão pousou sobre a perna de Liam assim que ele me olhou.

— Não toque aí! — Liam esbravejou me assustando e com rapidez fiz o que ele mandou.

— Por que não posso tocar você? — eu sentia um bolo em minha garganta, não é possível que Liam me odeie.

— Por que eu não sinto… Eu não sinto as minhas pernas.



Parte II >>


Espero que tenham gostado, tentarei postar a segunda parte sem muita demora.

Favorite e me diga o que achou para que eu possa saber.

Votem no nosso bolinho irlandês.

- Tay

Quando Dois Corações se Encontra 2ª temporada

Capítulo 388 :

 Felipe: Eu nunca ficaria de novo com a Bella depois do que aconteceu ontem com a Natalie. Ela mesma falou que eu devia vir procurar a menina, porque ela é exatamente quem eu quero… Ela nunca me perdoaria.

Arthur: A Natalie não está aqui para te ver. – deu de ombros e levantou da cadeira. – Você precisa parar de ser tão confuso, filho. Você tem dezoito anos, não oitenta. Agora vai lá fazer um bolinho… – piscou e logo em seguida deixou o garoto sozinho.

Felipe ficou parado por mais alguns minutos, repensando tudo que seu pai tinha lhe falado. E o mais importante que retirou daquela conversa foi que se o que ele sente por Natalie fosse realmente verdadeiro, iria reaparecer em algum momento. E infelizmente não havia mais nada o que ele pudesse fazer por eles, não naquele momento, não com ele daquele jeito.

Levantou da cadeira e seguiu para a cozinha, onde a primeira coisa que viu foi Bella de costas, batendo algo na batedeira. Ela cantarolava alguma coisa e sorria para si própria. Naquele momento, ele se perguntou porque não tinha se apaixonado por ela ao invés de ter tido toda aquela historia com Natalie, seria tão mais fácil, tão mais feliz.

Ela virou e ao olhar para Felipe parado na porta, abriu um sorriso, deixando duas covinhas em sua bochecha. Felipe também sorriu e sem pensar em mais nada, se atirou para frente e assim que suas mãos tocaram a cintura dela, lhe trouxe para frente e a beijou com um fervor que assustou Bella. Ele segurava o cabelo dela com força enquanto as mãos dela estavam paradas, sem nenhuma reação.

Isabella: Felipe, para! Que que é isso? – perguntou com os olhos arregalados, assim que conseguiu empurrar ele. Felipe apenas ficou parado e limpou o canto da boca, se dando conta que tinha perdido completamente a noção.

Felipe: Foi um oi… – deu um sorrisinho malicioso e ela fechou a cara.

Isabella: Meio fora dos padrões não acha? – cruzou os braços e ele assentiu. – Por que fez isso?

Felipe: Porque eu fiquei com vontade.

Isabella: Brigou com a Natalie não foi? – cruzou os braços e pegou das mãos dele o fermento que ele tinha acabado de pegar em um armário.

Felipe: Não… Nós terminamos. Tudo. Para sempre. – abaixou os olhos e Bella abriu a boca, um tanto entorpecida com a noticia.

Isabella: Mas vocês estavam tão bem…

Felipe: Até o momento que percebemos que não somos quem o outro quer. – deu de ombros e fez um esforço para demostrar que não estava ligando para aquilo, ou então quem ficaria chateada era Bella, por se sentir usada. Bella arqueou a sobrancelha e ficou alguns segundos o olhando, até assentir e voltar para a batedeira. – O que está fazendo?

Isabella: Um bolo de laranja que aprendi no curso de culinária que estava fazendo. – respondeu enquanto jogava o fermento junto na batedeira. Felipe arregalou os olhos e tentou se lembrar se algum dia viu alguém daquela família colocando a mão na massa, exceto Camila com os macarrões horríveis dela e Nanda e sua mãe com o brigadeiro. – Foi um curso bem legal, fiz junto com os idosos da onde eu sou voluntaria.

Felipe: É mesmo? – sorriu, completamente encantado com aquela garota. – Eu nunca conheci alguém tão boazinha como você, exceto minha irmã, mas ela está quase casando com o Pietro, logo ele corrompeu várias coisas boas nela. – revirou os olhos e Bella riu enquanto despejava a massa em uma forma redonda.

Isabella: Eu não sou tão boazinha quanto você pensa. – deu de ombros assim que fechou a porta do forno. Felipe sorriu e se encostou-se à bancada.

Felipe: O que você fez? Deu injeção em uma criancinha? – debochou e Bella o bateu com o pano de prato.

Isabella: Não, uma vez no estágio da faculdade eu tropecei no cabo que ligava o soro a veia de um paciente e a fiz chorar muito… E também fiquei com meu primo sabendo que ele era menor de idade. – deu uma piscada ao final e Felipe começou a rir.

Felipe: Você é perversa, Isabella. – puxou ela pelo braço, fazendo ela se encostar-se à bancada de mármore e investindo novamente naqueles lábios macios. Ela correspondeu nos primeiros segundos, mas logo o empurrou novamente. – O que foi? Quer me contar alguma coisa? – perguntou, acariciando as bochechas dela.

Isabella: Eu só não me sinto bem ficando com você aqui, com toda nossa família na sala ao lado. Eu me sinto meio, sei lá, estranha. A mãe da Natalie está ali, você estava falando com seu pai dela há dez minutos… – encolheu os ombros e Felipe ergueu os olhos para ela.

Felipe: Você estava ouvindo minha conversa com meu pai?

Isabella: Não, na verdade, só peguei uma parte, porque estava esperando vocês terminarem o assunto para não atrapalhar. – explicou com a voz baixinha e ele não teve coragem de brigar com ela. – Você está fazendo comigo o que ele disse para fazer, dar um tempo, conhecer novas pessoas e deixar ela em paz, para ver se algum dia irão dar certo. Eu realmente não quero me enganar com uma coisa que eu tenho certeza que vai acabar no primeiro momento que você ver ela novamente.

Felipe: As coisas não são assim Bella. Eu tenho certeza do que aconteceu, porque nem a Natalie se arrependeu do que disse, imagine eu. Nós caímos em si que nunca vai dar certo, poderia sim ter dado, mas já foi, perdemos todas as chances. Eu mudei e vi que o que eu preciso na minha vida não são modelos anoréxicas com crises de identidade que perdeu a virgindade com meu melhor amigo e que a cada problema, usa a maldade e a aparência como arma. A Natalie é simplesmente a Natalie… E eu não posso lidar com ela. – desabafou de vez tudo que o irritava e ao final, Bella segurou a mão dele carinhosamente.

Isabella: Então você me procura por me achar mais fácil que ela?

Felipe: Não… Eu só procurei porque você é a pessoa que mais se encaixa comigo. – segurou o rosto dela com as duas mãos e a viu sorrir.

Isabella: Eu não gosto de Fórmula 1.

Felipe: Eu também não gosto de decepar pessoas. – deu de ombros e ela gargalhou. Ele a puxou novamente e se beijaram.