abstrato

5 de fevereiro de 2017.

há uma arritmia muito particular em meu ser que me impede de agir de forma metódica no que se refere às coisas do coração. não é surpresa nenhuma, portanto, que eu venha a falar de você. há uma expansão peculiar do meu ser a um nivel que afeta minha cognição. não me passa pela cabeça necessidade alguma, deduzo então que não há mais corpo, porém a concretude disso tudo torna as coisas de dificil assimilação. busco tua silhueta com todos os meus sentidos, com a avidez de quem nunca havia sentido. encontro teus olhos lânguidos como quem compreende as próprias marés. desvedo-te com a gradação de quem desabrocha fora da estação, lendo com uma intuição além de mim o que as cartas e as mãos nunca disseram. o que guardas no teu ser, guardo no meu com uma ternura que é só tua.

flickr

Pulsating Vibe by ricdovalle

de todos os males do mundo, o que mais me afeta é a falta de liberdade. é não poder ser livre pra andar onde for na hora em que eu quiser vestindo o que quer que seja, acompanhada ou sozinha, sabendo que meu corpo será livre e por isso será respeitado. é não poder libertar sentimentos porque elas não seguem um padrão “adequado”. é não poder desfrutar da natureza em que nasci porque ela “pertence” a algo abstrato, mas com poder mais concreto do que minha própria existência. é me limitar a cada segundo porque fui doutrinada assim por deus sabe quantas instituições, quantos deuses, quantos chamados de ordem. é ver que todas as correntes externas adentraram profundamente no meu subconsciente. de todos os males do mundo, o que mais me afeta é a realidade.

maresia de maria

te ver ainda é um sacrifício, não poder te tocar é ainda mais difícil.

ontem à noite eu sonhei com você, foi o mais perto que cheguei de te amar, então acordei e percebi que nossos corpos nunca mais irão se encontrar.

te gostar é tão abstrato.